Conectado com

Notícias Ciclone em SC

Epagri providencia meios de recuperar perdas nas zonas rurais e pesqueiras

Segundo levantamento preliminar, mais da metade dos municípios catarinenses tiveram famílias rurais ou pesqueiras afetadas pelo ciclone, com perdas principalmente na pecuária, olericultura, fruticultura, tabaco, reflorestamentos e flores ornamentais

Publicado em

em

Segundo levantamento preliminar, mais da metade dos municípios catarinenses tiveram famílias rurais ou pesqueiras afetadas pelo ciclone. - Foto: Divulgação

O governo do Estado, através da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e da Epagri, já está providenciando meios de recuperar as perdas nos meios rural e pesqueiro causadas pelo temporal que atingiu Santa Catarina nesta terça-feira, 30.

Em São Pedro de Alcântara , na Grande Florianópolis, coberturas de cultivos protegidos foram arrancadas

Segundo levantamento preliminar, mais da metade dos municípios catarinenses tiveram famílias rurais ou pesqueiras afetadas pelo ciclone, com perdas principalmente na pecuária, olericultura, fruticultura, tabaco, reflorestamentos e flores ornamentais. O vendaval também provocou acamamento nas culturas de inverno e danos na infraestrutura geral, como destelhamentos de residências e galpões, além de bloqueio de estradas. A pesca teve afundamento de embarcações e danos aos cultivos de moluscos.

O levantamento foi feito pelos extensionistas da Epagri em parceria com as Defesas Civis municipais para embasar ações de reconstrução. A Epagri está orientado os produtores que têm cultivos financiados via Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) a acessarem o Programa de Garantia de Atividade Agropecuária (Proagro), que é uma iniciativa do governo federal que garante o pagamento de financiamentos rurais de custeio agrícola quando a lavoura amparada tiver sua receita reduzida por causa de eventos climáticos ou pragas e doenças sem controle.

Humberto Bicca Neto, diretor de extensão da Epagri, acrescenta que também estão sendo estudadas formas de usar as políticas públicas existentes para a reabilitação da infraestrutura, aproveitando o Plano Safra 2020/21. Para produtores rurais que possuem seguro para a infraestrutura danificada, a orientação é procurar as instituições para comunicar o sinistro. “A Epagri já está providenciando os laudos meteorológico e de determinação de perdas na propriedade para embasar os resgates de seguros e acesso ao Proago”, esclarece Humberto.

 

Prejuízos

Com a passagem do vendaval, a bovinocultura de leite enfrentou problemas relacionados à falta de energia elétrica, entre eles dificuldade de resfriamento do produto e para realização da ordenha e captação de água. O setor também foi afetado com danos em estábulos, cercas e estruturas, e queda de árvores que impediram a coleta do leite.

Na bovinocultura de corte, os principais danos foram em estruturas, cercas, saleiros e estábulos. A suinocultura e a avicultura sofreram com destruição de estruturas e falta de energia para acionar os alimentadores, a captação de água e a ventilação. Na piscicultura, a falta de energia impediu acionamento de aeradores e alimentadores.

Na olericultura os produtores rurais sofreram danos em abrigos protegidos e nos cultivos em geral. A cultura do tabaco enfrentou tombamento de plantas em lavouras mais adiantadas e cobertura arrancada em canteiros protegidos. Nas áreas de reflorestamento os principais problemas foram com quebra ou tombamento de árvores nos cultivos.

Os pomares de maçã tiveram suas coberturas de tele antigranizo arrancadas pelo vento, além de destelhamentos e danos em câmaras frigoríficas de armazenagem de frutas e de mudas. Os bananais tiveram plantas tombadas e desfolhadas, principalmente aquelas com cachos bem formados, além de galpões de classificação destelhados e danificados. O levantamento da Epagri identificou perdas de 20 a 100% nos cultivos de banana e palmito no Litoral Norte do Estado. As culturas de inverno foram prejudicadas com acamamento.

Além de prejuízos nos cultivos, o levantamento da Epagri também aponta perdas na infraestrutura e residências do meio rural. Foram identificados danos, às vezes totais, outras vezes parciais, de casas, galpões para maquinários, depósitos temporários e galpões de classificação de frutas e olerícolas. Destelhamentos, quedas de árvores, bloqueios de estradas e danos à rede elétrica também aparecem no relatório da Epagri.

 

Solidariedade

Edilene Steinwandter, presidente da Epagri, lembra que estruturas da Empresa, como escritórios municipais, Estações Experimentais, Centros de Treinamento e Gerências Regionais sofreram prejuízos materiais, principalmente destelhamentos e quedas de árvores. Em alguns casos, os estragos podem prejudicar os atendimentos ao público, portanto é importante que, antes de se deslocar a qualquer unidade da Epagri, o interessado procure se certificar das condições do local. Os contatos das unidades podem ser conferidos aqui.

A presidente destaca que este levantamento é preliminar e segue sendo atualizado, já que algumas comunidades rurais ainda estão com acesso dificultado e unidades pontuais da Empresa estão ainda com problemas de comunicação. Ela reforça o conteúdo da nota distribuída pela Epagri na quarta-feira, se solidarizando com o sofrimento dos catarinenses atingidos pelo temporal, especialmente aqueles que tiveram perdas de entes queridos, e lembra que o momento é de força e união para reconstrução do Estado.

 

 

Fonte: MB Comunicação
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + dois =

Notícias Mercado

Mercado suíno aposta em demanda aquecida até metade de agosto

Primeira semana de agosto foi muito positiva para o mercado brasileiro de suínos em termos de demanda e de avanço nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A primeira semana de agosto foi muito positiva para o mercado brasileiro de suínos em termos de demanda e de avanço nos preços. A aposta é de que esse cenário se estenda ao longo da primeira metade de agosto. O analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, sinaliza que há relatos de boa fluidez de negócios ao longo da cadeia e a oferta ajustada de animais garante suporte aos preços. “A entrada da massa salarial, o dia dos Pais, o processo de flexibilização da quarentena e os altos preços da carne bovina são fatores favoráveis no curto prazo ao consumo de carne suína”, sinaliza.

Maia salienta que os animais permanecem sendo abatidos com pesos leves em grande das praças acompanhadas, o que ajuda no ajuste da disponibilidade da carne. “Além disso, os granjeiros estão em busca de reajustes para o suíno vivo em todo o país por conta do alto custo de produção, que está em tendência de alta acompanhando o preço do milho e do farelo de soja”, afirma.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil avançou 4,75% ao longo da semana, de R$ 5,62 para R$ 5,89. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado passou de R$ 9,63 para R$ 10,01, aumento de 4,01%. A carcaça registrou um valor médio de R$ 9,65, ante os R$ 9,06 praticados na semana passada, com valorização de 6,48%.

Outro ponto que ajuda a manter o mercado brasileiro com uma oferta enxuta é o forte ritmo de exportações, puxadas pelas compras da China. As exportações de carne suína fresca, refrigerada ou congelada do Brasil renderam US$ 191,569 milhões em julho (23 dias úteis), com média diária de US$ 8,329 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 90,222 mil toneladas, com média diária de 3,922 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.123,30.

Na comparação com julho de 2019, houve avanço de 36,12% no valor médio diário exportado, ganho de 46,74% na quantidade média diária e retração de 7,23% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 123,00 para R$ 136,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo passou de R$ 4,30 para R$ 4,40. No interior do estado a cotação aumentou de R$ 5,95 para R$ 6,20.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração teve alta de R$ 4,40 para R$ 4,50. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 6,05 para R$ 6,50. No Paraná o quilo vivo aumentou de R$ 6,00 para R$ 6,10 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo avançou de R$ 4,40 para R$ 4,45.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração subiu de R$ 4,40 para R$ 4,50, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 5,10 para R$ 5,50. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 6,80 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno passou de R$ 7,00 para R$ 7,40. No mercado independente mineiro, o preço subiu de R$ 7,10 para R$ 7,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo na integração do estado aumentou de R$ 4,20 para R$ 4,40. Já em Rondonópolis a cotação passou de R$ 5,20 para R$ 5,60.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do milho seguem trajetória altista com oferta controlada

Mercado brasileiro de milho não alterou o cenário de preços firmes nesta última semana

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho não alterou o cenário de preços firmes nesta última semana. Em todas as regiões houve avanços bem significativos nas cotações, refletindo um quadro de oferta controlada pelos vendedores, mesmo em meio à evolução da colheita da safrinha.

Segundo o consultor de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, os produtores estão restringindo a oferta, vendendo apenas o suficiente para o curto prazo. “O volume de lotes acaba sendo pequeno ao longo do dia e a procura acaba fazendo o preço”, afirma.

As recentes altas do dólar também elevam as cotações nos portos e influenciam o mercado físico. Mesmo com a colheita da safrinha, o produtor mostra-se capitalizado e assim dosa as negociações.

No balanço da semana, o preço do milho na base de compra no Porto de Paranaguá subiu de R$ 50,00 para R$ 54,00 a saca, alta de 8,0%.

Já no mercado disponível, o preço do milho em Campinas/CIF subiu na base de venda na semana de R$ 53,00 para R$ 55,00 a saca de 60 quilos, alta de 3,8%. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 51,00 para R$ 53,00 a saca no comparativo, valorizando na semana 3,9%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço avançou de R$ 47,00 para R$ 49,00 aa saca na base de venda, alta de 4,3%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação subiu de R$ 41,00 para R$ 45,00 a saca, elevação de 9,8%. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve alta de R$ 52,50 para R$ 55,00 (+4,8%).

Em Uberlândia, Minas Gerais, a cotações do milho subiram na semana de R$ 45,00 para R$ 50,00 a saca, valorização de 11,1%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado passou de R$ 43,00 para R$ 46,00 a saca (+7,0%).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Mercado de frango registra demanda aquecida no Brasil

Mercado brasileiro de frango vivo registrou mais uma semana de preços firmes

Publicado em

em

Divulgação/Alltech

O mercado brasileiro de frango vivo registrou mais uma semana de preços firmes, com leves mudanças nos valores praticados para o quilo vivo. “A tendência de curto prazo ainda remete para um cenário de alta nas cotações, em linha com a reposição ao longo da cadeia produtiva na primeira quinzena do mês”, avalia o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

No que tange aos custos de nutrição animal, a situação do farelo de soja ainda é preocupante, com preços bastante acentuados neste momento, o que leva a um aumento na busca por produtos substitutos, como a farinha de vísceras, farinha de sangue e do DDG´s. “A situação do milho também é atípica, diante da estratégia de retenção adotada pelos produtores, o que resulta em um descolamento dos preços e na busca por produtos substitutos, como a polpa cítrica”, avalia.

Iglesias afirma que o mercado atacadista se depara com preços firmes também e a expectativa ainda aponta para reajustes no curto prazo, em linha com a boa reposição entre atacado e varejo na primeira metade de agosto. “Além disso, a celebração do Dia dos Pais produz um interessante repique de consumo, o que pode motivar novos reajustes nos preços no curto prazo”, destaca.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços não tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado seguiu em R$ 5,00, o quilo da coxa em R$ 5,10 e o quilo da asa em R$ 10,00. Na distribuição, o quilo do peito permaneceu em R$ 5,20, o quilo da coxa em R$ 5,20 e o quilo da asa em R$ 10,20.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de estabilidade nos preços durante a semana. No atacado, o preço do quilo do peito permaneceu em R$ 5,10, o quilo da coxa em R$ 5,20 e o quilo da asa em R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 5,30, o quilo da coxa em R$ 5,30 e o quilo da asa em R$ 10,30.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 446,877 milhões em julho (23 dias úteis), com média diária de US$ 19,429 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 337,480 mil toneladas, com média diária de 14,673 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.324,20.

Na comparação com julho de 2019, houve queda de 28,90% no valor médio diário, baixa de 9,23% na quantidade média diária e retração de 21,67% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo permaneceu em R$ 3,70. Em São Paulo o quilo vivo continuou em R$ 3,65.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 3,00. No oeste do Paraná o preço na integração avançou de R$ 3,50 para R$ 3,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo se manteve em R$ 3,40.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango se manteve em R$ 3,65. Em Goiás o quilo vivo continuou em R$ 3,65. No Distrito Federal o quilo vivo seguiu em R$ 3,65.

Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 4,45. No Ceará a cotação do quilo vivo permaneceu em R$ 4,40 e, no Pará, o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,50.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.