Conectado com
VOZ DO COOP

José Luiz Tejon Megido Opinião

Para o agro não parar a eletricidade não pode faltar

O agronegócio, que segura a economia brasileira e o saldo positivo das exportações, é totalmente dependente de energia elétrica

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

“Tudo seria fácil, não fossem as dificuldades”, assim escreveu um gaúcho chargista genial que adotou o pseudônimo de Barão de Itararé.

Então, temos a pandemia e agora uma nova crise no radar de 2021, na análise da RC Consultoria, do Paulo Rabello de Castro.

Diz o estudo escrito pelo Dr. em economia e especialista em energia, Manuel Jeremias, em parceria com Marcel Caparoz, mestre em economia pela FGV, que: “temos um elevado risco de novo racionamento energético, e neste momento, só nos resta rezar para que São Pedro corrija anos seguidos de mau planejamento público e de investimentos insuficientes no setor energético”.

O agronegócio, que segura a economia brasileira e o saldo positivo das exportações, é totalmente dependente de energia elétrica. As máquinas agrícolas que viraram robots e os seus sinais, para estarem ligados, dependem da eletricidade.

Os tanques da aquicultura, os galpões de aves, dos ovos, da suinocultura, dependem da eletricidade. A irrigação não funciona sem eletricidade. A luz no campo mantém os silos nas temperaturas adequadas. A atividade leiteira não funcionaria sem a luz elétrica. Da mesma forma toda e qualquer cadeia produtiva do não funciona sem energia elétrica.

O estudo da RC Consultoria mostra que enquanto o consumo de energia sobe, o nível dos reservatórios desce nas diversas regiões do país. Chegamos em dezembro de 2020 com uma média de 16,9% de água nos reservatórios, a menor de um ciclo histórico estudado desde o ano 2000. E aí vem também a ligação das usinas térmicas, e o custo da eletricidade impacta o campo da mesma forma que a cidade. “Nunca enfrentamos situação parecida”, diz o estudo da RC.

O agro não pode parar, porque a natureza não para. Plantar, tratar, cuidar, colher, administrar, armazenar, usar o agro digital, os satélites, os drones, passamos a ser uma grande fazenda elétrica no agronegócio.

Temos um potencial de biogás em cada propriedade rural. Está na hora dos produtores rurais pensarem objetivamente nisso. Um biodigestor, o biogás e um gerador. Os geradores podem ser também movidos a biodiesel. Sem contar com a cogeração do setor sucroenergético. Quem sabe o biogás ou a biogeração com geradores de eletricidade não seria o melhor presente de Natal que você deve dar para a sua fazenda?

Vale pensar e analisar.

Fonte: Assessoria

Colunistas

Ser ou não ser sustentável não se discute. Como ser um país com marca sustentável? Eis a questão!

A Europa tem avançado em regulações sobre a produção de alimentos, a tendência é que alimentos que venham de fora sigam o mesmo nível de compromisso climático.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Ao contrário da frase histórica do imperador Júlio Cesar no ano 63 a.C: “a mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”, com a tecnologia e rastreabilidade que palmilha todo planeta sob satélites numa mega indústria algorítmica, a batalha pela sustentabilidade e mudança climática faz dessa questão dominante na civilização contemporânea, a sustentabilidade, o inverso de Júlio César: sustentabilidade não basta parecer, precisa ser.

O parlamento europeu aprovou o “Carbon Border Adjustment Mechanism – CBAM”, um certificado que objetiva equalizar os preços do carbono pago por produtos europeus com outros produtos importados de fora da Europa. Essa regra vai obrigar as empresas que importam produtos do exterior a pagar a diferença entre o preço do carbono no exterior versus o preço autorizado do carbono pelo sistema de emissões de comércio da União Europeia. Em inglês EU – ETS.

A lei e nova regra a ser iniciada em outubro de 2023, em total concordância e compliance da Organização Mundial de Comércio, terá no período de transição o objetivo de obrigar as empresas importadoras a fornecer relatórios.

O escopo dos CBAM’s começa com itens sabidamente muito poluidores como ferro, aço, cimento, alumínio, fertilizantes, eletricidade e produtos deles derivados, são as emissões indiretas.

Conversei com Daniel Vargas, coordenador do Observatório da Bioeconomia da FGV sobre os CBAM’s. Ele me disse: “não afeta o agro agora, porém a tendência é que a regra seja expandida para outros setores e deve chegar ao agro. Há pressão para incluir o agro no CBAM, liderado pela Alemanha. A Europa tem avançado em regulações sobre a produção de alimentos, a tendência é que alimentos que venham de fora sigam o mesmo nível de compromisso climático”.

Conversando com líderes do agro sustentável brasileiro, fica a pergunta: quais serão as métricas para avaliação desse modelo? Como será essa régua de avaliação criada? Quem as irá definir?

Estamos participando como protagonistas dessa inevitável questão. Precisamos de uma diplomacia da sustentabilidade e da mudança climática protagonista doravante nos fóruns de discussão internacionais, pois “quem parte e reparte fica com a melhor parte”.

Portanto, o “cerco aperta”, como também registra Roberto Rodrigues, coordenador da FGV-Agro. Nossos inimigos maiores são: 1 – O crime da grilagem de terras, contrabando, o ambiente ilegal; 2 – Negacionistas da sustentabilidade; 3 – “Comicídios” – comícios manipuladores populistas associando o tema a perda da soberania nacional com manchas ideológicas ultrapassadas; 4 – Ausência de um planejamento estratégico de estado para a prosperidade das populações do bioma amazônico com dignidade humana e impacto positivo no PIB do país; 5 – Ações de comunicação ética das iniciativas avançadas que o país já sabe e já realiza. Falta percepção das realidades sustentáveis positivas do país.

Precisamos de um metaverso do Brasil sustentável, pois como Raul Seixas canta na sua música Prelúdio, “sonho que se sonha só é só sonho, sonho que se sonha junto é realidade”, mas, cuidado, vale também para pesadelos, o oposto.

Ser ou não ser sustentável não se discute, como ser um país com marca sustentável, eis a questão.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor suinícola e da piscicultura acesse gratuitamente a edição digital Anuário do Agronegócio Brasileiro.

Fonte: Por José Luiz Tejon Megido,  membro do Conselho Científico Agro Sustentável
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

O agro procura um pacificador

Lideranças que não adorem a ideia da briga de rua, dos palavrões e do fazer a guerra

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Os humores no Brasil andam exaltados. Chacrinha, o velho guerreiro, dizia: “Quem não se comunica, se estrumbica”. Aproveito o estrumbica, que significa se complica, e dizer: país onde só tem briga, todo mundo se estrumbica.

Estamos em uma fase complicada. Acabei de formar 40 alunos internacionais, nesta semana. Jovens da África, Ásia, Europa, de todos os continentes. Um master science em food agribusiness management. Gestão de agronegócio e alimentos.

Esses jovens chegam para estudar sobre o Brasil e vêm com uma percepção muito ruim, de que produzimos carne desmatando a Amazônia, de que nossa agricultura é intensiva e que esgota os recursos naturais; uma péssima imagem. Depois de três meses com aulas ministradas por professores e especialistas do Brasil, eles escrevem nas suas apresentações de avaliação finais: “o governo brasileiro e a política roubam a boa imagem das realidades brasileiras. O Brasil é muito melhor do que parece”.

A ilegalidade de 5% na Amazônia acaba sendo usada por vozes brasileiras como “vocês não têm nada que se meter nisso, pois já desmataram toda a Europa”. Quer dizer, não comunicamos, afrontamos os clientes.

Um assunto velho, alguém disse no exterior: “Florestas aí, agricultura aqui”, e logo respondemos ao ataque generalizando como se o mundo lá fora estivesse contra nós. Supermercados fazem restrições a produtos do Brasil pelas barreiras de reputação. Logo esbravejamos aqui que isso não passa de concorrentes inimigos para nos prejudicar.

O agronegócio precisa de um pacificador. Lideranças que não adorem a ideia da briga de rua, dos palavrões e do fazer a guerra.

Falar mal da China, hoje nosso maior parceiro, que tem sustentado nossa economia nas importações e, ainda mais, de quem dependemos de princípios ativos para vacina e também defensivos agrícolas, é no mínimo uma burrice comercial astronômica. Falar mal da Europa, nosso segundo maior cliente, é outra imprudência.

Dentro do país, diversas entidades não se entendem e também brigam entre si, colocando política e ideologias no molho da separação. Quando as palavras “clima” e “meio ambiente” são pronunciadas em vão e todos se esquecem de falar do plano ABC +, o sonho de consumo de qualquer consumidor de qualquer parte do planeta. E temos aqui. O Brasil precisa de pacificação.

Aos que querem o comércio, que tapem os ouvidos aos briguentos como Ulisses, na Odisseia, voltando para casa depois da Guerra de Tróia o fez para não ouvir o canto das sereias. No caso dos briguentos brasileiros, não seria exatamente o canto, e sim berros e palavrões de espíritos zombeteiros e mal-educados.

Dentro do agronegócio do país, a fruticultura que vai in natura ao mundo precisa ser protegida. A nossa reputação como marca Brasil será sagrada para que um consumidor do mundo saboreie um cacho das nossas uvas, um mamão com limão, coma uma banana, cuja embalagem já nasce com ela e esparrame pelos seus lábios uma laranja de mesa, a melancia, além de morder suavemente as nossas maçãs, o melão e os frutos do sertão.

A sensorialidade das frutas brasileiras se tornará realidade a partir da imagem assegurada da nossa origem. A Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e seu presidente, Guilherme Coelho, têm plena consciência dessa missão.

Ao Brasil, a paz. Que Alysson Paolinelli receba o Nobel da Paz, com sua obra da agricultura tropical, e que possa simbolizar a pacificação, pois precisamos de um pacificador. A tortura mental nos destrói e cria obstáculos comerciais. Como o poeta Luís de Camões escreveu e repito: “Quem faz o comércio, não faz a guerra”.

E como os jovens alunos internacionais afirmam: “o Brasil é muito melhor do que parece”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

A fome na crise da pandemia e o papel do Brasil

É a hora do agronegócio, a hora do agro consciência: economia, mercado e filantropia, da rima boa e prosperidade para toda humanidade

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Fui chamado à atenção: “Qual o papel do Brasil na segurança alimentar global?”, perguntou-me Cléber Soares, diretor de inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Essa pergunta me incomodou. Sem a crise da Covid-19, o drama já era gigantesco. Agora, a Organização das Nações Unidades (ONU) alerta que metade das crianças do Iêmen sofrerão de desnutrição em 2021. Agências da ONU alertam ainda que cerca de um milhão e duzentas mil mulheres grávidas ou que amamentam também sofrerão de desnutrição aguda até o final do ano. No Iêmen há um grave conflito com apoio de forças sauditas ao governo contra rebeldes houthis apoiados pelo Irã. Ali ocorre uma mistura perversa de um conflito armado, colapso econômico. Não há ajuda vital, porém existe uma vacina para pelo menos a fome: comida.

E qual a conexão com o nosso Brasil? Posicionamo-nos hoje como um dos líderes na produção de alimentos no mundo. E temos que enfrentar problemas de comunicação, de imagem, como revelam as pesquisas e os técnicos brasileiros atuando no exterior.

Então eu tive um sonho. Poderíamos no Brasil promover uma safra adicional, acima daquela classicamente consumida pelos mercados – leia-se mercado: gente com dinheiro para comprar. Portanto acima disso. Há dois produtos em que somos muito bons de produção, são consumidos no mundo inteiro e representam salvar seres humanos da morte pela desnutrição: o arroz e o feijão.

Imaginei um estímulo para produzirmos dois milhões a mais de toneladas de arroz no Brasil, seria cerca de 20% acima do que será a safra 2021. No feijão, buscar um milhão a mais de toneladas sobre as cerca de três milhões que o mercado consome.

Esta linha de um agro da filantropia, contando com recursos de fundos internacionais, serviria positivamente para nossos agricultores, com inclusão de milhões que hoje ainda estão fora do mercado e, sem dúvida, seria a melhor campanha ética do nome Brasil para o mundo. Metade dela para brasileiros na linha da fome e a outra metade para tragédias imensas como essa do Iêmen.

Sonho? Sonho que se sonha só é só sonho, mas que se sonha junto vira realidade. Assim cantou Raul Seixas e assim me inspirou Cléber Soares do Mapa.

É a hora do agronegócio, a hora do agro consciência: economia, mercado e filantropia, da rima boa e prosperidade para toda humanidade.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
IMEVE BOVINOS EXCLUSIVO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.