Conectado com

Empresas Yara

Adubação eficiente de pastagens: do fim para o começo

Quando falamos em pastagens, é fundamental ter bem claro qual o objetivo do negócio, o potencial e as limitações do ambiente produtivo

Publicado em

em

Arquivo/OP RURAL

Para muitos, ainda pode parecer simples nutrir adequadamente as pastagens: basta escolher um fertilizante e distribuir nos pastos. Com um olhar um pouco mais atento, poderíamos acrescentar ainda um ponto importante: a análise de solo para definir o melhor fertilizante a ser utilizado. Porém, essa lógica segue uma forma de planejar “do começo para o fim”, a qual pode trazer pouco resultado por não estar atrelada às metas do negócio. A prática de adubação de pastagens, assim como as demais, também exige estratégia, planejamento, manejo e muito conhecimento aplicado para se obter o máximo retorno produtivo e financeiro, mas deve ser pensada de maneira oposta: “do fim para o começo”.

Vou explicar. Quando falamos em pastagens, é fundamental ter bem claro qual o objetivo do negócio, o potencial e as limitações do ambiente produtivo, desdobrados num diagnóstico dos índices econômico-financeiros e zootécnicos. Isso porque, no método “do começo para o fim”, podemos simplesmente produzir mais pasto, que pode ser desperdiçado se não for colhido e transformado em produto animal, apenas gerando mais custo e reduzindo o lucro.

Ou seja, precisamos saber a capacidade máxima da atividade no local onde ela está sendo desenvolvida. A situação geográfica determina fatores importantes para o potencial: o clima, o solo, o relevo e a disponibilidade de água. A especificidade – se é pecuária leiteira ou de corte -, a genética e as categorias animais e as espécies e variedades forrageiras também têm uma grande influência na produtividade. Necessitamos também saber da estrutura disponível: máquinas, divisões de piquetes e currais e galpões. Por fim, e mais importante, a disponibilidade de pessoas capacitadas, a gestão da atividade e o método de manejo que está sendo empregado nas pastagens. Apenas com o diagnóstico completo, torna-se evidente o quão próximo o negócio está produzindo, gerando lucro e caixa em comparação ao seu potencial.

Com a clareza do quanto necessitamos e podemos aumentar a produtividade forrageira, partimos para as ações que levarão aos melhores resultados. E é aí que a adubação equilibrada se encaixa perfeitamente, pois vai suportar uma demanda de produção que pode gerar mais resultados, desde que associada a um bom manejo da pastagem. Sabendo quanta forragem precisamos produzir, torna-se decisivo conhecer a(s) forrageira(s) que serão ou estão sendo utilizadas, a curva de crescimento do pasto ao longo do ciclo e os requerimentos nutricionais das plantas.

No Sul do Brasil, por exemplo, predominam os azevéns e aveias nas pastagens de inverno. Segundo o manual de adubação de pastagens Yara Grassland Plantmaster, o azevém absorve do solo, em média, 21 kg de Nitrogênio (N), 3 kg de Fósforo (P), 23 kg de Potássio (K) e 3 kg de Enxofre (S) por tonelada de matéria seca de forragem produzida. O diagnóstico da fertilidade do solo, por sua vez, revelará o que ele já possui de nutrientes disponíveis. Da diferença entre a quantidade demandada e a disponibilidade no solo, considerando a eficiência dos fertilizantes, obtemos a indicação de quanto aplicar de cada nutriente, bem como a necessidade e a quantidade de calcário a ser aplicada, algo extremamente importante. Com isso, definimos o componente “Dose” do “Manejo 4C” para o uso eficiente dos fertilizantes – Dose, Época, Local e Fonte corretos. O Manual de Adubação para o RS/SC recomenda aplicar 30 kg de N, 10 kg de P2O5 e 10 de K2O para cada tonelada de matéria seca de forrageira de inverno para pastejo a ser produzida considerando a manutenção da fertilidade do solo. Outro nutriente importantíssimo a ser fornecido via fertilizante é o Enxofre (S), sendo suficiente aplicar 4 kg por tonelada de matéria seca dessas espécies de pasto. Quanto ao local e à época de aplicação dos fertilizantes, estes podem variar consideravelmente de acordo com a formatação e com as circunstâncias de oferta e demanda do sistema produtivo.

Enfim, a fonte (a qualidade do adubo) tem papel decisivo no resultado. Hoje, estão disponíveis no mercado soluções de alta tecnologia, com todos os nutrientes no mesmo grânulo, o que impossibilita a segregação dos nutrientes, levando a uma uniformidade da pastagem. Além disso, os fertilizantes com nitrogênio nas formas nítrica e amoniacal já fornecem o N exatamente como as plantas absorvem, promovendo maior produção de raízes e parte aérea (folhas), além de praticamente não apresentarem perdas de N por volatilização, processo que ocorre comumente com a ureia. Tais produtos também podem fornecer P de alta eficiência, além de K e S disponíveis para a absorção pelas raízes das plantas. Todas essas tecnologias elevam substancialmente a eficiência de uso dos nutrientes (kg de forragem produzida por kg de nutriente aplicado), a produção total de forragem e a produção animal, contribuindo fortemente para a lucratividade do negócio pecuário.

Como vimos, nesse contexto, não é tão simples obter os melhores frutos da prática de adubação de pastagens. Partindo “do fim para o começo”, diagnosticamos o negócio, o ambiente e o sistema produtivo e definimos as metas de receitas, de custos, de produção animal e forrageira. Assim, o fertilizante de alta tecnologia associado a um criterioso manejo das pastagens entra como uma mola propulsora de eficiência e resultado, alavancando e tornando lucrativas a produção de carne ou de leite a pasto.

*Diego Guterres atua como Coordenador Agronômico Sênior da Yara Brasil e é Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tem MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas e é pós-graduado em Nutrição e Adubação Racional de Culturas de Lavoura no Instituto de Ciências Agronômicas de Passo Fundo (RS).

Fonte: Assessoria.
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =

Empresas Equipe Vetanco

Setor de Qualidade da Vetanco recebe reforço

Karina já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal

Publicado em

em

Karina Pereira da Silva / Divulgação

A Vetanco Brasil anuncia reforço no Setor de Qualidade com a contratação da analista de Qualidade Karina Pereira da Silva.

A profissional tem Ensino Técnico em Química pela Diocesano La Salle – São Carlos/SP e está cursando Tecnologia em Processos Gerenciais.

Já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal e de produtos terapêuticos para uso veterinário, onde participou com a implantação e elaboração de manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF); de indicadores de qualidade, controle e acompanhamento de programação de produção, treinamento e capacitação de colaboradores, desenvolveu e avaliou processos de trabalho, equipamentos e ferramentas com o objetivo de melhorar a produtividade e a qualidade, entre outras atividades.

Karina iniciou na Vetanco do Brasil no mês de abril.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Quimtia

Descubra 3 estratégias para escolher o premix ideal para sua ração

Personalização, certificação e controle de qualidade são vitais para produto de alta qualidade

Publicado em

em

Divulgação

As rações comerciais destinadas a animais de produção são compostas basicamente por milho e soja. Mas será que apenas esses dois ingredientes são suficientes para garantir uma boa nutrição? A resposta é não! Apesar de se tratarem de fontes essenciais e acessíveis de proteína e carboidrato, esses ingredientes precisam ser acrescidos de outros nutrientes complementares.

A mestre em zootecnista da Quimtia, Lidiane Domingues, explica que vitaminas e minerais são de suma importância para estruturar uma dieta balanceada. “Esses ingredientes farão com que o animal expresse todo seu potencial genético e ainda direcione os nutrientes para aumentar seu desempenho e produção, seja de ovos, carne ou leite”, explica.

A Instrução Normativa 15/2009 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) descreve o premix como a pré-mistura de aditivos e veículo ou excipiente que facilita a dispersão em grandes misturas e que não pode ser fornecida diretamente aos animais. Por ter uma porcentagem baixa de inclusão na ração animal – de 0,5 a 10kg/tonelada –, ainda é preciso manter alguns cuidados no momento da escolha do premix.

Lidiane conta que “o fornecimento do premix ideal vai garantir que o animal não apresente problemas metabólicos e evita quadros clínicos graves por deficiência ou excesso de alguns nutrientes”. Este cuidado aliado a escolha de um bom fornecedor, minimiza as chances de um produto chegar ao campo com problemas de mistura ou presença de contaminantes no processo. Conheça três dicas para escolher o premix ideal:

Personalização

Cada espécie exige um perfil e nível de nutrientes diferenciados. Por isso, é necessário dar preferência a premixes personalizados, especificados de acordo com cada fase da vida do animal. “Para uma ave em fase de produção de ovos, a exigência de Cálcio pode chegar a ser duas a quatro vezes maior do que para uma ave da mesma categoria em sua fase inicial. Esses pontos devem ser observados com atenção”, salienta a especialista

Certificação

Como o premix é basicamente uma pré-mistura de aditivos em baixas concentrações é imprescindível que o fabricante garanta que o processo de mistura seja eficiente, e esse controle acontece por meio da escolha de fornecedores com testes validados de mistura. Essa avaliação pode ser feita com base em testes de Microtracer e outros que buscam medir a qualidade da mistura durante o processo de produção. Uma boa mistura no premix evita que o animal tenha perdas por ingestão excessiva ou pela deficiência de algum componente essencial para seu desempenho.

Controle de qualidade

Um bom controle de qualidade no processo de fabricação dos premixes também é fundamental. A mestre expõe que “para o produto ter sucesso no campo é preciso se atentar a sua qualidade desde o recebimento das matérias-primas até a expedição do produto final”. Isso pode ser conferido pelas certificações de qualidade e processos de rastreabilidade que a fabricante oferece.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Aliado estratégico para a plataforma Nutron Poultry

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná

Publicado em

em

Mark Ishi - Foto: Divulgação

A Cargill Nutrição Animal está em constante busca para proporcionar o melhor para os clientes e ajudá-los a desenvolver e prosperar em seus negócios. Com esse intuito, traz um importante reforço para o time da plataforma Nutron Poultry.

Mark Ishi, um profissional muito experiente, grande conhecedor do mercado e de toda cadeia de produção de frango, atuará como consultor com foco em nutrição, manejo e sanidade, sendo um aliado estratégico para dar suporte aos clientes no estado de São Paulo.

 

Alinhado aos valores da Nutron

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná. Já trabalhou como gerente técnico de frangos de corte na Frango Sertanejo, sendo responsável pelo planejamento de estratégias para produção com foco em rentabilidade.

Também foi gerente técnico na Granja Walkyria e, por 22 anos, médico veterinário na Fatec Indústria de Nutrição e Saúde Animal.

Atuou também por quase 7 anos como gerente da plataforma de tecnologia e inovação na Trouw Nutrition, elaborando e monitorando estratégias nutricionais e de manejo para melhorar o desempenho zootécnico e financeiro de empresas parceiras, além de desenvolver a plataforma Tecnologia & Inovação em frangos de corte.

Nosso novo consultor chega alinhado aos nossos valores, pois compartilha do mesmo objetivo da Nutron, que é estar sempre presente nos clientes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.