Conectado com
Minuto Agro

Avicultura Mercado

2019 promete ser bom para avicultura, projetam lideranças

Algumas das principais lideranças da avicultura nacional estão bastante otimistas quanto a 2019

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Algumas das principais lideranças da avicultura nacional estão bastante otimistas quanto a 2019. Mais esperançosos em uma retomada do mercado interno e externo, quatro grandes nomes do setor deram seu panorama da avicultura no Brasil para 2019 em entrevista para o Jornal O Presente Rural.

Domingos Martins, presidente do Sindiavipar

O que posso dizer é que 2019 será muito melhor que 2018, com uma modificação fortíssima, acho eu, no mercado internacional, no que diz respeito a novas conquistas, a perpetuação dos nossos parceiros, com a busca que nós fazemos incessantemente dos nossos produtos lá fora. Veja a campanha que fizemos do “Consuma mais frango” no Paraná, que foi muito importante. Vamos continuar descobrindo o óbvio e dizer que nós temos a melhor das proteínas de origem animal e pelo melhor preço. A melhor qualidade pela maior quantidade. É só botar para jogar e fazer gol.

George Hiraiwa, secretário da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) do Paraná em 2018

Eu vejo 2019 com bastante otimismo. Fui convidado pela (ex) governadora Cida Borghetti a levar uma visão de inovação e tecnologia para o agronegócio do Estado, feito que já estamos realizando há três, quatro anos em Londrina. Buscamos integrar as Ciências Agrárias com as engenharias, trazendo conceitos como Internet das Coisas, Inteligência Artificial para dentro do campo. Então estou buscando deixar essa semente plantada nas outras regiões do Paraná para que no ano que vem (2019) essas atividades já estejam fluindo. Cabe agora nós termos a mente aberta e fazermos essas experiências para termos eficiência em nossa produção.

Eumar Novacki, secretário-executivo do Mapa em 2018

A expectativa para 2019 é manter o crescimento do agronegócio brasileiro no mesmo ritmo dos últimos anos. Devemos atingir uma grande safra, nos mesmos patamares das duas últimas. Produzimos alimentos com qualidade e sustentabilidade, exportando para mais de 150 países. Somos líderes mundiais em vários produtos, como cana-de-açúcar, café, laranja, carnes (frango e bovina), soja e fumo. Tudo isso utilizando pouco mais de 30% do território nacional, muito abaixo dos nossos principais concorrentes internacionais. Ou seja, produzimos com sustentabilidade, preservando a natureza.

Ricardo Santin, vice-presidente e diretor de Mercados da ABPA

Esperamos um ano mais equilibrado, com os mercados internacionais menos voláteis diante de eventuais suspensões de plantas e outros problemas. Não esperamos milho e soja baratos, mas acreditamos que a oferta deverá se equilibrar. E esperamos um país mais competitivo, menos burocratizado. Temos, agora, uma Presidência da República que assumiu um compromisso claro pela desburocratização, e uma ministra da Agricultura que conhece bem nosso setor, sabe de nossos potenciais e de novos desafios. Tudo nos leva a crer que teremos um bom 2019.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de janeiro/fevereiro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 1 =

Avicultura Saúde

Epidemiologista acalma trabalhadores das fazendas: “Se sintam tranquilos, são as pessoas que menos perigo enfrentam”

Masaio pede para a sociedade refletir o motivo pelo qual as doenças estão acometendo sucessivamente as pessoas em todo o planeta

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 O jornal O Presente Rural conversou com exclusividade, por chamada de vídeo, com a consultora do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Masaio Mizuno Ishizuka, uma das mais respeitadas epidemiologistas do Brasil. Graduada em Medicina Veterinária, doutora em Medicina Veterinária pós doutora área de Medicina Veterinária Preventiva, atualmente é ainda professora Adjunta em Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ), da Universidade de São Paulo (USP). E ela dá um recado reconfortante para produtores e trabalhadores rurais: “Se sintam tranquilos, são as pessoas que menos perigo enfrentam”.

A professora alerta para que os funcionários das fazendas adotem as medidas de prevenção à Covid-19 preconizadas pelo Ministério da Saúde, como “lavar as mãos, não colocar a mão no rosto e manter a higiene”. Além disso, cita que as medidas de biosseguridade adotadas na fazendas, como na produção de suínos e aves, podem contribuir para o cenário atual. “Trocar a roupa quando entra na granja de aves, tomar banho antes e depois, são medidas que a avicultura e outras atividades adotam e que podem ser benéficas para manter as fazendas livres do Coronavírus.

Para ela, por ser lugar aberto, as propriedades rurais sofrem menos e podem manter suas atividades, como a relação com quem transporta ração e outros insumos até as propriedades e quem faz a recolha de animais ou assistência técnica. “Se as pessoas estão sadias, serviços essenciais devem seguir normalmente. O Coronavírus é de fácil transmissão, mas é um vírus frágil, morre com radiação solar, em condições do meio ambiente. Se ele não tiver protegido por matéria orgânica, que é a secreção (do corpo), ele morre. Não é um problema no campo, pois lá não há aglomeração em recintos fechados e sem ventilação”, pontua a epidemiologista. “Isso vale para avicultura, para suinocultura, para bovinocultura e assim por diante”, amplia.

Mas ela alerta, pois se o produtor ou funcionário viajou para regiões onde o vírus está, há procedimentos que é preciso seguir. “Sempre que se viaja para região onde doença não ocorre no brasil, ao chegar, independentemente de ter contato de pessoas com doença ou não, nós (veterinários, por exemplo) somos chamados comunicantes, pois estivemos expostos. Portanto, a pessoa terá que entrar em quarentena de 15 dias, que é o período de incubação”, orienta. “E se tiver sintomas da Covid-19, não sair de casa”, amplia.

Casos

A doutora Masaio explica ainda que “não se sabe muito sobre a doença”, mas abem sobre o que é preciso fazer caso infectado. “Suponhamos que pessoa tenha se infectado, é preciso tempo para multiplicar o vírus (incubação). A quantidade de vírus vai aumentando. Depois de vencido o período de incubação, que vai de 6 a 15 dias, começa a desenvolver sintomas. Antes do aparecimento dos sintomas, o vírus pode estar presente, mas não pode infectar outras pessoas, embora isso não esteja comprovado”, sugere. De acordo com a especialista, “a rigor o vírus sai pela tosse e entra no outro organismo perlas narinas durante a inspiração”, crava. A partir dos sintomas e do diagnóstico médico, a pessoa doente vai para isolamento”, amplia.

Vivendo sucessivas crises de doenças

Masaio pede para a sociedade refletir o motivo pelo qual as doenças estão acometendo sucessivamente as pessoas em todo o planeta. “Estamos vivendo sucessivas crises de doenças. A Covid-19, A Sars, a Mers, a Influenza Aviária. Se voltarmos um pouco mais, a febre amarela, a dengue. E porque isso está acontecendo? Por que invadimos o espaço dos animais”, credita a especialista.

Ela explica: “No passado, o meio silvestre e o meio urbano eram distantes um do outro. Por alguma razão o homem se aproximou do ecossistema silvestre, seja pela expansão das cidades, caça, mineração ou outra razão. O homem invadiu o território que não era nosso. E lá temos todos tipos de animais, como macacos, morcegos, gambás, e cada um tem os seus vermes, vírus e bactérias. Em via de regra, não fazem mal a eles. E o bírus que nada causava aos macacos, ao homem causou a febre amarela. Isso acontece com várias outras doenças, como Ebola, Mers, etc. Fica meu alerta”.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

O papel do médico veterinário e ferramentas ao seu alcance na produção avícola nos programas com foco em Saúde Única

O ideal é que as alternativas sejam posicionadas em conjunto, para que atuem de forma sinérgica

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito pela doutora Patricia Aristimunha, gerente de Serviços Técnicos Kemin

Segundo consta no documento publicado pelo Ministério da Saúde “Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos no Âmbito da Saúde Única, 2018 – 2022” (PAN-BR), a resistência aos antimicrobianos (AMR) é um dos maiores desafios, com importante impacto na saúde humana e animal. Embora o desenvolvimento da AMR seja um fenômeno natural dos microrganismos, está ocorrendo uma maior pressão seletiva e disseminação por:

  1. mau uso de medicamentos antimicrobianos na saúde humana;
  2. programas inadequados ou inexistentes de prevenção e controle de infecções, o que favorece a transmissão da resistência entre os microrganismos e a exposição de indivíduos a microrganismos resistentes;
  3. antimicrobianos de má qualidade;
  4. fraca capacidade laboratorial;
  5. vigilância e monitoramento inadequados;
  6. insuficiente regulamentação e fiscalização do uso dos medicamentos antimicrobianos.

No PAN-BR vários dos objetivos possuem intervenções estratégicas envolvendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) que instituiu, em 2017, o Programa Nacional de Prevenção e Controle de Resistência a Antimicrobianos na Agropecuária (AgroPrevine). Isso ocorre porque a medicina veterinária é a única profissão que opera rotineiramente na interface e conexão desses três componentes do One Health, estando em contato com uma grande variedade de animais domésticos e silvestres, sistemas de diagnóstico, sistemas regulatórios locais e nacionais para saúde animal, segurança alimentar e saúde pública.

O AgroPrevine visa o fortalecimento das ações para prevenção e controle da resistência aos antimicrobianos na agropecuária, considerando o conceito de Saúde Única, por meio de atividades de educação, vigilância e defesa agropecuária. Dentro das ações previstas por este plano estão: educação sanitária; estudos epidemiológicos; vigilância e monitoramento do uso e resistência aos antimicrobianos; fortalecimento da implementação de medidas de prevenção e controle de infecções e promoção do uso racional de antimicrobianos.

Neste cenário, faz-se necessária a adoção de ações mais holísticas dentro da produção avícola e de novos programas que envolvam diferentes estratégias de biosseguridade, manejo, nutrição, gestão e treinamentos dos profissionais envolvidos. Destaca-se ainda a utilização de tecnologias de substituição gradual aos antibióticos promotores de crescimento antibióticos, com foco no uso de combinações de soluções disponíveis, tais como os probióticos, prebióticos, ácidos orgânicos e óleos essenciais, que modificam de uma maneira menos agressiva o microbioma intestinal promovendo um melhor equilíbrio deste, com melhoria na saúde e status imunitário das aves.

Probióticos são definidos como suplementos alimentares a base de microrganismos vivos, que afetam de forma benéfica a saúde animal, melhorando o balanço da microbiota. Dentre os mecanismos de ação dos probióticos estão a exclusão competitiva, a manutenção da integridade da barreira epitelial intestinal, melhoria na absorção de nutrientes e da resposta imune intestinal. Porém, cada probiótico, dependendo da sua geração, possui mecanismos de ação específicos. Os probióticos de primeira geração agem simplesmente por exclusão competitiva e os de segunda geração adicionam à exclusão competitiva a produção de substâncias antibacterianas com ações específicas em determinados patógenos.

Os probióticos normalmente utilizados na produção avícola são os Bacillus subtilis, Bifidobacterium spp. e Lactobacillus spp. As características de um probiótico ideal contemplam a sua origem, sendo preferencialmente da própria espécie em que será utilizado, que não seja patogênico, seja resistente às condições de pH do trato gastrointestinal, produza componentes antimicrobianos, promova o crescimento de bactérias comensais, module de forma positiva a resposta imune, melhore a performance animal e seja compatível com o processo de produção de rações (inclusive compatível com outros promotores de crescimento, antibióticos ou alternativos).

No que se refere aos ácidos orgânicos existe uma diversidade de produtos disponíveis no mercado, com diferentes propriedades físicas e químicas, para uso via água ou ração, disponíveis individualmente ou em combinações. A indústria moderna tem dado foco ao uso de ácidos orgânicos protegidos (encapsulados) em função dos mesmos apresentarem liberação mais lenta, chegarem ativos às partes mais distantes do trato gastrointestinal, serem de mais fácil manipulação e sem odores.

O ácido butírico é reconhecido como a mais importante fonte respiratória e de energia para a proliferação das células do epitélio intestinal, e está diretamente e indiretamente envolvido em vários mecanismos regulatórios da diferenciação, crescimento, permeabilidade e expressão gênica celular, contribuindo como suprimento de energia para os enterócitos, ampliando a área absortiva e reduzindo a permeabilidade da mucosa pela ação nas tight junctions. Em estudos sobre proliferação, dano celular e morte programada, foi revelado que o butirato aumenta a velocidade de maturação (no desenvolvimento) e reparo após dano, sendo um dos mecanismos o aumento do índice mitótico no intestino delgado. Além disso, ele aumenta a atividade secretória das células caliciformes secretoras de fator de crescimento epitelial no intestino grosso e estimula a liberação de peptídeos gastrointestinais.

Soluções compostas de ácidos orgânicos e óleos essenciais são ferramentas antimicrobianas extremamente eficazes, atuando com eficiência em bactérias de difícil controle como a Salmonella. O modo de ação combinado dos ácidos orgânicos (cuja forma não dissociada consegue penetrar na parede celular dos microrganismos e alterar sua fisiologia, reduzindo o pH interno das bactérias) e dos óleos essenciais (que aumentam a permeabilidade da parede celular para prótons e íons, e a formação de um gradiente iônico faz com que ocorra uma deficiência nos processos básicos levando a morte celular) trazem um sinergismo que potencializa a ação antimicrobiana destes produtos.

Outra ferramenta muito importante nesse processo de uso racional dos promotores de crescimento antibióticos é o cromo orgânico. O propionato de cromo é uma fonte segura e de alta biodisponibilidade de cromo para uso nas dietas de aves, sendo o cromo um mineral essencial que age na redução dos efeitos do estresse, melhorando a eficiência alimentar e o rendimento no frigorífico.

Em face aos diferentes desafios que a produção avícola apresenta, além das alternativas com efeito antimicrobiano direto e com efeito na melhoria da qualidade e morfometria intestinal, dentro de um programa de uso racional de promotores de crescimento, conivente com o conceito dos programas no âmbito da Saúde Única, deve-se considerar o uso das demais ferramentas que mantém a saúde e desempenho dos lotes, como os imunomoduladores, biosurfactantes, antioxidantes, agentes controladores de estresse e adsorventes de micotoxinas. O ideal é que as alternativas sejam posicionadas em conjunto, para que atuem de forma sinérgica, perfazendo diferentes modos de ação e objetivos alvo, maximizando os resultados do programa de substituição dos promotores de crescimento e preservando a capacidade de tratamento das atuais moléculas antibióticas.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Manejo

Desempenho ao longo da vida das aves é ditado pelos cuidados na fase inicial

Especialista alerta para a vulnerabilidade de pintos de um dia às doenças causadas por bactérias patógenas

Publicado em

em

Divulgação/Biomin

A fase inicial da produção de frangos de corte apresenta desafios específicos, que exigem atenção do avicultor para que as aves alcancem todo o seu potencial de desempenho. Isso ocorre porque, ao nascerem, os pintinhos ainda não desenvolveram completamente os sistemas digestivo, imune e termorregulatório. A Biomin, empresa de soluções naturais do Erber Group, alerta para a atenção ao manejo e à ambiência, especialmente nas duas primeiras semanas de vida.

“Como, no início do ciclo, as aves não conseguem manter a temperatura ideal de homeostase, o aquecimento é muito importante. Sem as condições favoráveis, elas podem apresentar retardo no crescimento e desenvolvimento inadequado do sistema digestivo, resultando em menor peso na idade de abate. O sistema digestivo é outro ponto de atenção: por ser imaturo, a dieta precisa ter altos níveis de digestibilidade e valor nutricional”, alerta Letícia Braga, gerente técnico-comercial da Biomin.

Os pintinhos apresentam baixa variedade e quantidade de bactérias benéficas, responsáveis por proteger o organismo e evitar infecções intestinais ou sistêmicas. Nessa idade, o sistema imune ainda não tem capacidade para se defender sozinho e o produtor ou técnico precisa lançar mão de soluções que contribuam para a proteção da saúde das aves.

“Para ter um sistema imune robusto é necessário iniciar a colonização da microbiota o mais cedo possível com o uso de probióticos. Ao colonizar o sistema gastrointestinal, essas soluções excluem as bactérias patogênicas de forma competitiva. Algumas medidas podem ser tomadas ainda no incubatório, assim quando chegarem às granjas os pintinhos já terão começado a desenvolver uma ferramenta de defesa contra os possíveis patógenos lá presentes”, explica Letícia Braga. Os probióticos podem ser fornecidos via spray, associados na aplicação das vacinas de coccidiose ou de vírus respiratórios, via água de bebida ou alimento.

Segundo a especialista da Biomin, outra vantagem do uso de probióticos é a queda da mortalidade. Letícia explica que ao inibir a colonização de bactérias patogênicas o nível de lesões e contaminações intestinais também cai, reduzindo a possibilidade do seu acesso em outros órgãos – causa importante de mortalidade nessa fase da produção. Além disso, o fornecimento de probióticos reduz a disponibilidade de espaço para ocupação dos patógenos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.