Conectado com
O Presente Rural Youtube

Avicultura Mercado

Venda antecipada dos grãos acende alerta de produtores de proteínas animais

Lideranças do setor têm trabalhado para que não haja desabastecimento, principalmente de milho, devido ao grande volume de vendas antecipadas que ocorre em razão da alta do dólar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado tem sido cheio de surpresas para o agronegócio brasileiro. Uma delas foi quanto a valorização do dólar, que deixou o preço das commodities bem atrativas para os produtores venderem seus produtos ao mercado externo. Isso tem feito com que muitos produtores, inclusive, já fizessem contratos para a venda de suas safras de soja e milho de 2022. Mas esta euforia em vender a bons preços pode não ser tão positiva para o setor de proteína animal nacional, que vem crescendo e assim demandando cada vez mais milho e farelo de soja para ração animal.

 Segundo a analista de Grãos da StoneX, Ana Luiza Lodi, o momento de Real desvalorizado tem incentivado muito o adiantamento das vendas de grãos, além dos preços domésticos muito elevados. “Para o mercado nacional, o que tem acontecido atualmente é uma restrição de oferta, uma vez que a soja da safra 2019/20 está praticamente toda comercializada e as vendas do milho também estão adiantadas”, comenta. O destino dos grãos é bastante variado, avalia a analista. “A China predomina como principal destino da soja. Enquanto para o milho, os destinos são bem diversificados, lembrando que a maior parte do milho fica no mercado interno”, diz.

Ana Luiza lembra que atualmente existe a preocupação com a oferta mais restrita do milho para o mercado doméstico. De acordo com ela, é um conjunto de fatores que tem sustentado os preços do milho, incluindo o maior uso para fabricação de etanol, impactando os custos de produção de carnes. “Não há uma “falta” de milho, uma vez que, apesar das vendas adiantadas, ainda há cereal para ser negociado, só que os preços estão muito altos. De qualquer forma, o crescimento do uso de milho para etanol é um ponto que deve ganhar cada vez mais relevância, pois está reforçando o consumo interno de milho, principalmente no Mato Grosso, afetando inclusive a dinâmica de preços do Estado”, informa.

A analista explica que podem existir riscos desta venda antecipada tanto para os produtores de proteína animal quanto para os produtores de grãos. “Para os produtores de grãos, o risco de se vender uma parte grande da safra antes do plantio, em meio aos preços elevados, é ocorrer uma quebra de safra e ele não conseguir entregar os volumes acordados, precisando renegociar os contratos. No caso do setor de proteínas, o risco é enfrentar uma oferta restrita de grãos e preços muito elevados para originar, mas o setor de carnes também pode se antecipar mais nas compras de grãos para minorar o risco de enfrentar dificuldades na originação por falta de produto, principalmente em momentos quando as vendas estão muito antecipadas”, avalia.

Como o setor tem reagido

A venda das safras futuras não passou despercebida pelos produtores de proteína animal. Lideranças e associações estão atentas ao comportamento do mercado. Mas, segundo o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Junior, as disponibilidade e cotações dos grãos são sempre temas impactantes para o setor de produção de proteínas. “Esta reorganização do “modus operandi” deste mercado trouxe novos desafios e aprendizados ao nosso setor. Embora a afirmação de que as safras futuras estejam comercializadas não expressa todo contexto deste mercado. Estamos monitorando e há oportunidades de negócio para aproveitarmos”, comenta.

Mesmo com esta venda antecipada, Ribas não acredita que poderá ocorrer uma falta de abastecimento para o setor de proteína animal. “Há alternativas que estão sendo trabalhadas. Entre elas, por exemplo, a redução de taxas de importação. Ações que ajudam a reequilibrar a conta em relação à oferta e demanda”, diz. Ele explica que outro aspecto importante que vem sendo trabalhado é a participação do setor nestes contratos futuros. “Há muitas frentes sendo debatidas e trabalhadas pelo setor. Lembrando que por se tratar de um setor relevante na geração de valor agregado ao país, gerando emprego e riquezas aos brasileiros, faz todo o sentido que sejam investidos esforços para evitarmos uma “crise”. Os efeitos disso seriam desastrosos para economia e a balança comercial do Brasil”, afirma. Ribas complementa que neste sentido, haverá dias desafiadores à frente, que demandarão esforços conjuntos para evitar os cenários mais críticos.

Mesmo com esta confiança, o presidente da Acav comenta que o aumento dos custos de produção já é real. “O ano de 2020 está sendo um dos grandes ofensores dos resultados do setor. O complexo grãos é um dos maiores custos na produção de aves e suínos, pois a alimentação dos planteis representa algo entre 60 a 70% do custo total. Pelos números citados podemos concluir o tamanho do impacto. Soma-se a isso o momento de crise que a pandemia trouxe às economias de todos os países e aqui no Brasil, fato que dificulta o repasse de custos nas vendas. Todos estes aspectos desafiam o setor. Parte destes cenários é compensado com exportações. Mas não podemos deixar de citar que a maior parte das aves e suínos produzidos são para o mercado interno”, diz.

Além disso, o presidente da Acav lembra que há muitas formas desta venda antecipada prejudicar as proteínas animais. “Afora a elevação de custos já citadas, podemos ter dificuldades qualitativas também. Se a priorização for de atender o mercado exportador, podemos enfrentar este tipo de situação. Também podemos ter desabastecimentos pontuais e locais. Todas estas variáveis, entretanto, estão na agenda de todo o setor e estamos trabalhando na construção de estratégias e alternativas. A elevação de custos pode trazer reduções de produção e consequentemente a redução de postos de trabalho. Já assistimos a este filme e não queremos repetir a história”, afirma.

Lideranças estão atentas ao movimento

De acordo com Ribas, o que vem sendo trabalhado por todas as lideranças do setor é evitar que haja uma crise de desabastecimento, assim como aconteceu em 2016. “Esperamos e trabalhamos para evitar este cenário. É importante compreender que o mundo está se reorganizando quanto ao abastecimento e movimentações de alimentos. Quaisquer prognósticos podem sofrer ainda impactos desconhecidos da crise da Covid e suas consequências – até no comportamento das pessoas. Dito isso, reforço que os debates junto ao governo e estratégias do setor estão sendo trabalhados para estabilizar este contexto”, conta.

A liderança acredita que o setor irá superar este desafio pela sua grandeza. “O agronegócio tem sido ora uma alavanca da recuperação e desenvolvimento econômico, ora a sustentação da economia diante de crises. Mas este patrimônio nacional, frequentemente, sofre ataques injustos. O trabalho feito por toda a cadeia de produção de aves e suínos do Brasil tem na sua base e essência muita responsabilidade ambiental, legal, social e econômica. Os números são ilustrativos disso. Maior gerador de empregos, geração de renda, qualidade de vida e preservação ambiental. Um orgulho aos brasileiros”, frisa.

Ribas acrescenta que este mercado e esta estratégia de negociação não são fatos novos, tampouco uma verdade única e absoluta. “Talvez a situação da economia global e seus reflexos nas economias locais, entre elas, as disparidades de moedas, geraram movimentos mais agressivos e antecipados. As entidades do setor estão atentas e trabalhando junto às empresas e governo. Há uma agenda de debates, onde precisamos reduzir exposição, criar políticas de abastecimento e armazenamento para nossas produções, investir em logística que coloque o grão onde está o consumo (nos últimos anos os investimentos logísticos foram para facilitar exportação), reduzir taxas de importação e ampliar parceiras com países produtores, reordenar os tributos estaduais, incentivar a produção, enfim, ações com impactos imediatos assim como ações de médio e longo prazos”, enumera a liderança.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − três =

Avicultura Nutrição

Balanço eletrolítico na nutrição de aves

As perdas econômicas são mais acentuadas na fase final de criação dos frangos, quando esses são submetidos a períodos de calor intenso

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Everson Xavier Ferreira, consultor técnico comercial de aves na Agroceres Multimix e Franciely Benthien da Costa, consultora técnica comercial de aves de corte na Agroceres Multimix

Um dos maiores problemas enfrentados pela indústria avícola em países de clima tropical como o Brasil, são as significativas perdas zootécnicas e econômicas, decorrentes da severidade climática que atinge a produção avícola, perdas essas ocasionadas pelo estresse calórico, relacionadas – principalmente – a altas temperaturas, associadas à umidade relativa do ar alta, ou seja dias quentes e chuvosos. Entretanto, clima quente e seco também gera perdas significativa na produção, mas o processo de ofegação torna-se menos eficiente com a umidade mais alta.

Submeter as aves à temperatura e umidade elevadas, faz com que as mesmas saiam da zona de conforto térmico, ocasionando aumento da temperatura corporal e alcalose respiratória. Essa condição resulta em um impacto extremamente negativo sobre o desempenho animal, afetando a eficiência alimentar, consumo de alimento, taxa de crescimento e sobrevivência (figura 1). As perdas econômicas são mais acentuadas na fase final de criação dos frangos, quando esses são submetidos a períodos de calor intenso.

Com o aumento da temperatura do ambiente e aumento da umidade relativa do ar, a capacidade da ave em dissipar o calor é reduzida e com isso temos uma elevação da temperatura corporal, a aves fisiologicamente buscam de subterfúgios para minimizar este problema. A ave busca aumento da sua superfície corporal, abre asas, agacha-se com as mesmas abertas, eriça as penas, busca locais menos adensados no aviário, barbela e crista aumentam de tamanho, buscam a cama fresca com maior frequência, reduzem o consumo de alimento, aumentam o consumo de água e principalmente buscam através do aumento da frequência respiratória essa troca de calor, ficando ofegante.

A evaporação da água (resfriamento evaporativo) pelo trato respiratório constitui o principal mecanismo da ave, que está em estresse calórico, adota para resfriamento e redução da temperatura corporal. Esse mecanismo dá-se devido a ave ter a capacidade de aumentar a frequência respiratória, sendo esse mecanismo crítico para a manutenção da temperatura corporal.

A hiperventilação pulmonar, ocasionada pelo aumento dos movimentos respiratórios, leva a perdas significativas de CO2 fazendo com que ocorram alterações no equilíbrio ácido-básico sanguíneo das aves que e dependendo do tempo de exposição, podem levá-las a óbito. Devido a insuficiente oxigenação, o ritmo cardíaco aumenta na tentativa de suprir mais oxigênio para o metabolismo oxidativo dos tecidos em rápido crescimento, causando uma hipertensão pulmonar. Com prolongada falta de oxigênio, mecanismos de regulação do organismo da ave são acionados para manter a homeostase. O quadro é agravado ainda mais pelo aumento da resistência ao fluxo sanguíneo no pulmão, que promove o desequilíbrio entre a necessidade e o fornecimento de oxigênio e a insuficiência cardíaca. A predisposição à ascite é maior nos frangos porque o pulmão é rígido e fixo na cavidade torácica e o peso do órgão em relação ao peso corporal diminui em função da idade.

Contudo, a maior taxa de ventilação alveolar, ainda que necessário para o resfriamento, resulta em diminuição na pressão de CO2 e, consequentemente, em perturbações no equilíbrio ácido básico.

Outro ponto que devemos considerar é o relativo gasto energético demandando pelas aves na dissipação do calor, no qual ocorre uma grande demanda da energia ingerida na dieta para manutenção da temperatura corporal.

Outra situação observada em aves em estresse calórico é o significativo aumento do consumo de água, para compensar a perda de água na respiração e aumentar a capacidade de disseminação de calor que, por consequência os rins aumentam a produção de urina e maior perda de potássio ( K+), Sódio(Na+) e Cloro(Cl-) fundamentais na manutenção da pressão osmótica e no equilíbrio ácido básico.

Abaixo, é possível observar um quadro desenvolvido para ajudá-lo a fixar os conceitos de acidose e alcalose, tanto metabólica quanto respiratória. Observe o que acontece com o pH e as concentrações de HCO3 e pCO2 em cada uma das situações ácido-base:

Essas variações no equilíbrio ácido básico decorrente de aves em estresse térmico, têm custos elevadíssimos para a indústria avícola, custo esses decorrentes de perdas zootécnicas generalizadas, como; redução do ganho de peso, aumento da conversão alimentar, mortalidade final elevada, redução na qualidade interna e externa dos ovos (gema e casca), queda da capacidade de resposta imune, entre outras.

Os eletrólitos podem ainda ser descritos como substâncias químicas, que se dissociam nos seus constituintes iônicos, tendo como função fisiológica principal a manutenção do equilíbrio ácido-base corporal. A prevenção do desequilíbrio hidroeletrolítico pode ser obtida pela incorporação de cátions e ânions na dieta, sendo usualmente expressos em mEq/kg. Os eletrólitos essenciais à manutenção da pressão osmótica e no equilíbrio ácido-base dos líquidos corporais são: sódio (Na+), potássio (K+) e o cloro (Cl–). Além de as aves os exigirem em quantidades mínimas em sua alimentação – para satisfazer suas necessidades nutricionais -, é fundamental que a proporção entre eles seja respeitada, para manter o equilíbrio ácido-base e obter o máximo desempenho das aves.

O potássio (K+) é o principal cátion do fluído intracelular, enquanto o sódio (Na+) e o cloro (Cl–) são os principais íons do fluído extracelular. O controle da perda de água nas células é obtido pelo equilíbrio desses íons no meio intracelular e extracelular. O K+ está envolvido em muitos processos metabólicos, incluindo: o antagonismo arginina-lisina, condução nervosa, formação do glicogênio, contração muscular, síntese de proteínas teciduais, manutenção do equilíbrio intracelular, reações enzimáticas, balanço osmótico e equilíbrio ácido básico. Consequentemente, mudanças no equilíbrio de K+ podem afetar as funções celulares e o controle da quantidade de água no meio celular.

Atualmente, a importância do Na+ na manutenção das funções vitais normais é bastante conhecida. O sódio é o principal cátion presente nos fluídos extracelulares, atuando essencialmente: no equilíbrio ácido básico, pressão osmótica corporal, atividade elétrica das células nervosas e do músculo cardíaco, permeabilidade celular e absorção dos monossacarídeos e aminoácidos. Por ser o principal cátion do líquido extracelular e estar obrigatoriamente acompanhado de um número igual ao dos ânions, cloro e bicarbonato, o sódio é o principal responsável pela osmolaridade dos líquidos.

O cloro (Cl–) é predominante no líquido extracelular; sua função principal é a manutenção do equilíbrio químico com os cátions presentes. Sabe-se que o excesso de sódio é excretado pelos rins, e o cloro (Cl–) normalmente o acompanha. O cloro participa ainda do efeito tampão no sangue em intercâmbio com o bicarbonato. O aumento do Cl– plasmático favorece a retenção de H+ e diminui a reabsorção de HCO–3 pelos rins, sendo essa uma resposta à alcalose metabólica.

O K+ e o Na+ são íons alcalogênicos e quando suas concentrações são aumentadas, em relação à concentração do Cl–, o pH dos fluídos corporais aumenta, podendo caracterizar a alcalose metabólica. No entanto, o Cl– é um íon acidogênico e sua alta concentração na dieta contribui para a diminuição do valor do balanço eletrolítico e, neste caso, o pH pode diminuir, estando abaixo do normal, podendo assim caracterizar uma acidose metabólica.

O balanço eletrolítico da dieta

O balanço eletrolítico na nutrição das aves é definido como: a diferença entre os principais cátions e ânions da dieta e, portanto, um tema de grande importância na produção animal. O balanço dos eletrólitos no organismo pode influenciar no crescimento do animal, no apetite, desenvolvimento ósseo, resposta ao estresse térmico e no metabolismo de certos nutrientes, como: aminoácidos, minerais e vitaminas.

Um dos primeiros estudiosos a discutir a importância do balanço eletrolítico, estudando os fundamentos do balanço cátion-ânion para suínos e aves, entendeu que o animal regula o balanço eletrolítico pela alteração da acidez líquida ingerida e excretada. Para manter o balanço eletrolítico, deve-se regular a ingestão e a excreção de ácidos. Nas situações em que o animal encontra-se em equilíbrio ácido-básico, sem excesso ou deficiência de ácido, podemos aplicar a seguinte equação:

Todos os eletrólitos poderiam ser incluídos nas equações de cálculo do balanço eletrolítico, no entanto, alguns desses íons não são considerados, devido à importância secundária no equilíbrio ácido básico, pois, é apenas o potencial eletrolítico dos elementos que pode classificá-los em termos de importância no equilíbrio básico do organismo. Esses elementos têm capacidade de funcionar como eletrólitos, mas estão presentes em pequenas quantidades nas rações e em baixas concentrações nos tecidos das aves, reduzindo, naturalmente, seu impacto sobre o equilíbrio ácido básico. Por essa razão, a expressão foi reduzida para: Na+ + K+ – Cl– (mEq/kg).

As matérias-primas utilizadas nas rações de aves possuem diferentes concentrações de sódio, potássio e cloro. Portanto, dependendo da composição das dietas utilizadas, torna-se necessária a correção dos valores de balanço eletrolítico das rações. Um exemplo da modificação do balanço eletrolítico, causada pela composição da dieta, são as rações com inclusão de farinhas de origem animal como fonte proteica, que reduzem a inclusão do farelo de soja, um ingrediente responsável por grande parte do fornecimento de potássio às dietas.

A suplementação de sais nas rações ou na água dos animais tem sido usada para aumentar a ingestão de íons específicos, corrigindo mudanças no equilíbrio ácido-básico. Essa suplementação é feita através da inclusão de compostos alcalinos, visando aumentar o valor do balanço eletrolítico; ou a inclusão de compostos ácidos, para diminuir o valor do balanço eletrolítico, conforme a necessidade. Entre os compostos alcalinos, destacam-se: o bicarbonato de potássio (KHCO3), carbonato de potássio (K2CO3) e o bicarbonato de sódio (NaHCO3), e entre os compostos ácidos: o cloreto de potássio (KCl), cloreto de amônio (NH4Cl) e o cloreto de cálcio (CaCl2).

Muitas pesquisas demonstram que a correção do balanço eletrolítico através da adição de sais nas dietas é útil, não só para melhorar o desempenho dos animais, mas também uma ferramenta bastante utilizada para minimizar os efeitos do desbalanço de eletrólitos causado pelo estresse calórico.

Carbonato de Potássio

O carbonato de potássio consiste em um sal branco, solúvel em água e fortemente alcalino (pH básico). Muito utilizado na indústria, esse produto tem como principal utilização a fabricação de sabão, vidro e porcelana. Além dessa função, ele também pode ser utilizado para a fabricação de fertilizantes, visto que proporciona à planta maior resistência ao ataque de pragas, além de ser utilizado na alimentação animal em especial em frangos de corte.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura O Presente Rural

Nova edição de Nutrição e Saúde Animal está disponível na versão digital

Edição conta com entrevistas exclusivas, artigos técnicos e atualizações das principais empresas do agronegócio nacional

Publicado em

em

O Presente Rural

A edição de Nutrição e Saúde Animal de O Presente Rural de 2020 está disponível na versão digital. Você leitor lerá sobre a evolução do milho para utilização na nutrição em cada espécie animal, as expectativas e tendências para o mercado de grãos no país e no mundo, uma entrevista exclusiva com a ministra Tereza Cristina, além de uma matéria completa sobre a história e os investimentos que a De Heus vem fazendo no Brasil.

Além do mais, você poderá conferir artigos técnicos sobre nutrição e saúde animal de avicultura, suinocultura e bovinocultura escritos por profissionais renomados do setor. Há ainda matérias sobre as atualizações nas principais empresas do agronegócio nacional.

A edição completa você pode ler aqui.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura Paranaense

Após 18 anos à frente do Sindiavipar, Domingos Martins passa o cargo de presidente a Irineo da Costa Rodrigues

O Presente Rural conversou com exclusividade com as duas lideranças para saber sobre o que foi feito e qual será o futuro do Sindiavipar

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Paraná é atualmente o maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil. Aproximadamente 40% de todo o frango exportado é do Paraná, que abastece 160 países. Além disso, a avicultura também representa 1/5 do Valor Bruto da Produção Agropecuária paranaense. Todo esse sucesso do setor teve muitos responsáveis, que lutaram e trabalharam para a avicultura ser o potencial produtivo que é hoje. Uma destas entidades, sendo, inclusive, uma das principais do país, é o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar).

E neste ano, o Sindicato troca a sua diretoria. Em setembro Domingos Martins deixou a presidência da entidade após 18 anos à frente da categoria. O atual diretor-presidente da Lar Cooperativa Agroindustrial, Irineo da Costa Rodrigues, foi eleito, em julho, como o novo presidente do Sindiavipar e empossado em 1° setembro.

Além de Rodrigues como presidente, a nova Diretoria é composta por José Antônio Ribas Junior, como vice-presidente; Rafael Santos na função de secretário e Roberto Kaefer exercendo o cargo de tesoureiro. O Conselho Fiscal Efetivo é constituído pelos profissionais: Alfredo Lang, Gerson Muller e Adroaldo Paludo. Dilvo Grolli, Valter Pitol, Sidnei Donizete Bottazzari, Ciliomar Tortola, Ricardo Chapla, Hugo Leonardo Bongiorno e Fabio Stumpf são os novos suplentes.

Para saber mais sobre como foram os anos de Domingos Martins, e o que Irineo da Costa Rodrigues espera para sua gestão, a reportagem de O Presente Rural conversou com exclusividade com as duas lideranças. Acompanhe:

Formado em Direito pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Domingos Martins, que também é diretor da Integra e proprietário da Frango a Gosto, deixa a presidência do Sindicato após 18 anos. Neste período, o Paraná passou de terceiro maior produtor e exportador de carne de frango do país para a liderança no segmento. Além disso, destaca-se ainda a criação do Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura do Estado do Paraná (Funasavi-PR), da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e do Instituto Paranaense de Reciclagem (InPAR), ao longo destes anos.

O Presente Rural – Faça um resumo desses 18 anos à frente ao Sindiavipar.

Domingos Martins – Acho que foram várias experiências para a vida. Dezoito anos é bastante tempo, e passamos por várias coisas. Tive a satisfação em fazer parte disso, com uma equipe maravilhosa. Verificar o crescimento da avicultura nesses 18 anos foi extraordinário. No início, o Paraná era o terceiro Estado na produção de avicultura e agora somos o primeiro.

Partimos de coisas básicas. Nós saímos de uma produção de frangos de galinheiros e passamos para aviários. Houve uma evolução genética, de ambiência, alimentar e de nutrição tão fantástica que possibilitou que nestes 18 anos crescêssemos violentamente. Saímos de 150 mil frangos abatidos por mês para praticamente 80 milhões de frangos abatidos por mês. Isso é a força da avicultura no Paraná.

Hoje representamos 38% da exportações nacionais, somos o Estado mais importante, exportamos para mais de 160 países, são mais de 10 mil famílias que trabalham na atividade, empresas médias foram crescendo e outras nascendo e, principalmente, nesse período nós tivemos o privilégio de ter as cooperativas, que enxergaram também na avicultura uma grande oportunidade. Porque as cooperativas sempre foram grandes produtores de soja e milho e exportavam esses produtos ou comercializam no mercado interno e resolveram transformar esse milho e essa soja em frango. Todas elas participam da nossa sociedade e vieram fortalecer a nossa estrutura, o que possibilitou que a gente crescesse de forma harmônica e juntos, ocupando os espaços que o agronegócio nos dava e, consequentemente, dando oportunidade de crescermos junto com todas as empresas. O próprio Sindiavipar foi crescendo e hoje temos uma sede própria maravilhosa, na parte central de Curitiba.

Participamos ainda de forma institucional muito forte a nível de Brasil, temos uma participação muito grande na ABPA, temos relacionamento com todas entidades estaduais de avicultura de forma expressiva. O Sindiavipar sempre foi ouvido em todos os governos, junto com ABPA, junto com Sociedade Paulista de Avicultura, a Sociedade Gaúcha, Catarinense e Mineira. Todos nós juntos. E o Paraná era o carro chefe puxando esse pessoal. Para nós é motivo de grandeza em todos estes anos e para mim um privilégio de ser o líder disso.

Nós também temos uma atuação constante junto a Federação das Indústrias do Paraná, ajudamos a estruturar a Adapar, sempre trabalhamos muito em conjunto com o Governo do Estado, principalmente a Secretaria de Agricultura, onde todos os secretários foram nossos grandes incentivadores e amigos. A avicultura foi observada e sentida pelos governos. Lá atrás, quando começamos, os deputados não sabiam o que era avicultura, e hoje temos um bom trabalho de divulgação, onde tivemos a oportunidade de divulgarmos nossos feitos e recordes. Nós costumávamos brincar que a avicultura do Paraná crescia a ritmo chinês. Isso é muito gratificante para mim como cidadão e como ser humano.

Fundamos o Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura do Estado do Paraná (Funasavi-PR), que é um fundo de assistência à avicultura para algumas calamidades, e é um dos fundos mais importantes nesse sentindo hoje no Brasil. Esse fundo já possibilitou ajudar a própria Adapar, com a doação de equipamentos de análise ultramodernos. Fizemos eventos, em especial o Workshop Sindivapiar, que é o ponto alto do que desenvolvemos, exatamente para dar transparência, publicidade e mostrar o que tem na avicultura paranaense para o Brasil e para o mundo. Nós só temos motivos para comemorar e, principalmente, agradecer a todos tudo o que aconteceu nestes anos e as oportunidades que surgiram para nós.

O nosso lema é “juntos somos mais fortes” e essa é a grande realidade de todo esse trabalho que foi desenvolvido ao longo destes anos pelo Sindiavipar junto com o avicultor, o produtor rural, o chefe da cooperativa, da empresa. Todos são importantes.

Eu vivi um sonho agradabilíssimo, onde conheci muitas pessoas dentro da minha atividade e fora dela também, todos que colaboraram para que a avicultura fosse mais forte e tenho certeza de que ela vai ser ainda mais brilhante e tem espaço para isso. É uma atividade excelente pela qual sou apaixonado.

O Presente Rural – Quais foram os maiores desafios que o senhor enfrentou frente ao Sindiavipar?

Domingos Martins – Foram inúmeros desafios. Tivemos problema de falta e escassez de matéria prima, a alta das comodities, foram coisas complicadas para nós. Diversas greves que enfrentamos, mas isso fez com que a gente crescesse junto, desenvolvesse junto para uma instituição mais forte. Foram coisas que atrapalharam, mas conseguimos aprender a conviver com todas as circunstâncias e dificuldades.

Fizemos um comitê exatamente para trabalhar soluções. Porque é muito importante quando você se senta com um adversário, uma pessoa que pensa diferente de você, é você fazer ele ver que você está fazendo coisa certa, que você trabalha com honestidade, alimenta o povo, produz a proteína animal mais acessível ao povo brasileiro. Nós temos o privilégio de poder produzir, sabemos o significado que tem de cuidar disso.

Foram algumas dificuldades que atravessamos, mas junto com essas dificuldades acho que marcamos as nossas maiores vitórias. Procuro falar que não houve dificuldades, mas sim as batalhas e vitórias que tivemos em cima das dificuldades. Sempre achamos uma solução que deixou a avicultura melhor e mais forte.

O Presente Rural – Qual o sentimento de repassar o cargo que o senhor ocupou por 18 anos?

Domingos Martins – Eu tenho o sentimento de dever cumprido. Que cumpri a minha tarefa. Eu passo o cargo ao Irineo, que é uma pessoa supercompetente, e ele prova essa competência na Lar, com segurança e a certeza de que a cada dia que passa ele vai engrandecer ainda mais o nome do Sindivipar e da avicultura paranaense. Ele com certeza vai compor uma equipe muito competente. Porque isso é possível notar no Sindiavipar, não temos nenhum CEO, ninguém de fora, é somente pessoas da avicultura e isso tem um valor impressionante. Porque é importante você colocar no cargo alguém que entenda da atividade, saiba como funciona, e isso nós vemos no Irineo.

O Presente Rural – Qual legado o senhor deixa para a avicultura paranaense?

Domingos Martins – Eu diria que o espírito de companheirismo, de gratidão, e os outros pontos que já foram citados, como a criação do Funasavi-PR, a sede própria e a nossa grande representatividade na avicultura brasileira. Além da forma transparente com que administramos e cuidamos das coisas da avicultura paranaense. Esse é o grande legado.

Formado em agronomia, Irineo da Costa Rodrigues possui experiência na chefia regional da Acarpa, atual Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR). Além disso, foi presidente da Sudcoop (atual Frimesa), atuou como diretor na Confepar Agro-Industrial Cooperativa Central, da Credifronteiras – Sicredi Medianeira, da Cotrefal; da Coodetec e também da Cotriguaçu Cooperativa Central. Atualmente, exerce a função de presidente da Cotriguaçu e da Lar Cooperativa Agroindustrial; de membro do Conselho Diretivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e do Conselho de Administração da Gazin.

O Presente Rural – Quais são os planos para o Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – A avicultura paranaense é a mais importante do nosso país, vez que nós produzimos mais de 35% da produção de frango do nosso Brasil, e nos exportamos praticamente 40% de todo o frango que o país envia na exportação. Nós já temos mais de 20 mil produtores de frango no Paraná, mais de 40 empresas associadas ao Sindiavipar e exportamos para mais de 160 países. Nós vamos agora de começo construir um planejamento estratégico e definir prioridades ouvindo os associados. Somos, portanto, o Estado que mais produz, mais exporta e que mais traz divisas nas exportações de frango para o resto do mundo.

Um dado bem recente que nós temos, nós sabíamos que a avicultura do Paraná representava 16% do Valor Bruto da Produção do Estado e agora, segundo dados que nos foi passado pelo secretário Norberto Oritgara, em 2019 nós atingimos praticamente 20% do VBP do Estado, ou seja, 1/5 da produção bruta do Paraná vem da avicultura, o que mostra a enorme importância que esse  setor tem, e que emprega 69 mil pessoas diretamente nas indústrias. E se é verdadeiro que para cada emprego na avicultura nós temos 17 empregos indiretos, então estamos falando que a avicultura traz para o Estado do Paraná um total de empregos diretos e indiretos na ordem de 1,3 milhão de pessoas. É um setor seguramente que mais emprega e mais distribui renda. A avicultura constrói e distribui renda e gera empregos.

O Presente Rural – Pretende continuar o que foi feito na gestão anterior?

Irineo da Costa Rodrigues – O que foi feito até agora desde que foi constituído o Sindiavipar é a base para nós fazermos um trabalho planejado para termos um setor mais robusto. Certamente esse setor que é mais pujante hoje, mais robusto, exigirá muito mais. Temos muitos problemas a serem superados, como a própria Covid-19 que está aí, que não foi superado. E sempre quando ocorre algum evento, como ocorreu no Dia das Mães, Corpos Christi, Dia do Trabalho, com as famílias se visitando, se alguém tinha o vírus, passou para outros familiares, e a medida que as pessoas foram trabalhar nas plantas frigoríficas, que elas tenham um sistema de fazer diagnóstico muito apurado, se identificava o problema e a avicultura passou como aquela que fosse a geradora ou transmissora dos vírus. Não, era entrar nos frigoríficos que ela já era diagnosticada e a partir dali era tratado.

Temos muito o que fazer, buscar compreender e levar a realidade da indústria, do setor avícola e do produtor para o Ministério da Agricultura, que precisa saber do Estado do Paraná, por ser o mais representativo, quais são as dores do setor. Hoje o Ministério pode nos ajudar não somente na sanidade ou na questão do serviço da inspeção federal. Mas veja bem, alguns países, notadamente na Ásia, por exemplo na China, tem surgido muitas doenças como peste suína africana, gripes aviárias e agora o próprio Covid-19. Enquanto no Brasil nós estamos de certa forma blindados, não temos tido que essas doenças, quando se trata de doença que contaminam os animais. Mas isso não quer dizer que não haja o risco, tem o risco sim e o Ministério da Agricultura tem um trabalho muito bom de vigilância e controle, mas não podemos descuidar. Em hipótese alguma podemos admitir que o nosso país venha a ter um problema desses de sanidade, porque então todo esse patrimônio que envolve a indústria, o produtor, sofreria um baque enorme e o país seguramente teria desemprego grande, falta de arrecadação, enfim, não dá para pensar.

Questão da sanidade tem a maior importância, e nós temos que comemorar, como agora nós sendo um Estado livre de aftosa sem vacinação, buscando esse status em Bruxelas. Mas isso que foi buscado para enfermidades, como aftosa, não podemos baixar a guarda e permitir que o outro problema venha a acontecer. Então temos um trabalho intenso para sensibilizar o Ministérios da Agricultura.

O Presente Rural – Como o senhor vê a importância do Sindicato para a avicultura paranaense?

Irineo da Costa Rodrigues – O Estado do Paraná até bem pouco tempo era o terceiro maior produtor de frango do país, agora é o maior produtor e maior exportador, é o que mais emprega também e, portanto, o que gera mais empregos indiretos. Por ser um Estado que evoluiu muito, também temos a avicultura mais moderna, porque desde nossos aviários a nível de produtor rural, desde indústria, laboratórios, nossa logística de entrega de ração, recolha de frango, é nova. Dessa forma, o Sindicato tem uma grande importância porque representa a avicultura que mais cresceu e certamente aquela que mais vai crescer nos próximos anos.

Tenho um dado importante que sempre analiso: o Sul do país tem a característica de ter pequenas propriedades, agricultura familiar, então tem mão de obra para fazer uma pecuária de pequeno porte qualificada. Mas o Sul do país, principalmente Santa Catarina e Rio Grande do Sul, não tem grãos abundantemente, isso está no Centro-Oeste. Mas no Estado do Paraná nós fazemos duas safras de grãos por ano, então nós também temos matéria prima. Dessa forma, nós temos as condições necessárias de ter matéria prima abundante e mão de obra qualificada e familiar que precisa da avicultura para viabilizar as pequenas propriedades.

Assim, é no Paraná que a avicultura mais vai continuar crescendo e o Sindicato tem uma grande importância porque ele precisa organizar a indústria desse setor. Mas a indústria não vive sozinha, ela precisa também ter um olhar para o produtor e um olhar para o mercado e exportações, para poder crescer com todos os elos e se desenvolvendo juntos.

O Presente Rural – Quais as frentes que o senhor pretende tomar frente ao Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – Nós temos principalmente que atuar junto com as demais associações de avicultura nos outros estados. No Paraná é sindicatos, mas nos demais estados são associações. Então nós temos associações muito pujantes, de Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Claro que outros estados também tem suas associações, mas as mais representativas estão na região Leste e um pouco do Centro-Oeste do nosso país, além da região Sul. Dessa forma temos que ter uma aproximação com essas associações, ter prioridades juntos e atuar fortemente junto com a ABPA, seja apoiando ou levando nossas demandas. Também precisamos visitar entidades públicas e privadas que fazem parte de algo que influi muito nos elos de produção.

Tivemos uma audiência com o governador do Estado no dia da posse e ele pediu se pudéssemos de novo ir ao Palácio, agora para mostrar com mais detalhe a avicultura, com números, gráficos e demonstrações para ver o que estado poderia fazer para ajudar, já que acreditamos que é o Paraná que vai continuar se destacando cada vez mais.

Temos gargalos na logística, temos hoje uma mateira prima muito cara, temos uma logística deficiente, inclusive a nível de estradas municipais, e falta recursos para a indústria poder estocar matéria prima, como soja, milho e farelo de soja, que agora está com preço muito alto. Então havendo recursos para que essas indústrias possam estocar matéria prima elas não sofreriam tanto essas altas de preços que seguidamente acontece. Nós também precisamos levar a sociedade uma mensagem da nossa avicultura, que ela é a melhor do mundo, do Brasil, do Paraná, e temos uma avicultura com muita sanidade.

O Presente Rural – Quais os desafios que a avicultura paranaense ainda enfrenta? De que forma o Sindiavipar ajuda indústria e produtor nisso?

Irineo da Costa Rodrigues – No momento os grandes desafio são encarar o custo alto da matéria prima, com elevação do preço do milho e da soja, nós também temos preços muitos elevados por causa da Covid-19, que obrigou empresas a dispensarem muitos funcionários para ficar em casa porque estavam no grupo de risco, e isso encareceu muito o custo das indústrias. Nós também temos ajudado uma grande desuniformidade na interpretação das normas do Ministério da Agricultura pelos SIF locais. Precisa haver uma padronização, um treinamento que tem muitas equipes novas que foram contratadas recentemente. E nós ainda temos o consumo que poderia ser maior, mas devido à falta de renda e desemprego pela pandemia ainda é um problema. Então o que precisamos fazer é trabalhar propostas, algumas são mais de médio e longo prazo, para superar estas dificuldades junto com outras associações, junto com a ABPA porque temos uma pauta comum e com ela temos ações que precisam ser tratadas a nível federal e outros assuntos precisam ser tratados a nível de estado e muitas vezes até a nível de município.

O Presente Rural – Qual o sentimento ao ocupar o cargo de presidente de um dos mais importantes sindicatos avícolas do país?

Irineo da Costa Rodrigues – O sentimento é muita responsabilidade e também a convicção de que juntos nós somos capazes de ter propostas que venham ajudar o setor, mas também o governo a entender melhor as nossas dores e ajudar o governo em buscar subsídios, sem buscar nenhuma beneficie ou benefício especial, ajudar o governo a ter propostas que possam ajudar o setor. Um exemplo de uma proposta: nós precisamos ter linhas de financiamento que a gente possa financiar sobretudo estocagem de matéria prima para a gente fugir um pouco desses preços muito elevados quando ocorre como agora onde o milho e a soja tem preços muito elevados o que encarece muito o custo de produção.

Em linhas de financiamento de longo prazo, da mesma forma, nós temos no país hoje linhas de financiamento que são diferentes nas regiões. Por exemplo, no Centro-Oeste uma linha de financiamento que é chamada de FCO que tem o juro mais adequado. Mas hoje o Centro-Oeste se desenvolveu muito. Então precisaria que essas linhas de custos mais adequados sejam estendidas a todo o país e não uma região que se no passado ela precisava de juros mais adequados e até subsídios para se desenvolver, hoje já se desenvolveram, e infelizmente algumas regiões de outros estados ficaram para trás.

O Presente Rural – De que forma pretende fazer sua gestão frente ao Sindiavipar?

Irineo da Costa Rodrigues – Com conhecimento, dedicação e foco no futuro da atividade, certamente teremos uma avicultura que será mais forte. Nos últimos anos a avicultura do Paraná tem se destacado em relação aos demais Estados a cada ano. E como nós já nos referíamos, somos o Estado que tem matéria prima, grãos que são ingredientes da ração, nosso Estado tão produtor quanto a região do Centro-Oeste, mas nós temos uma gestão da pequena propriedade, da mão de obra familiar e que precisa da avicultura para viabilizar as pequenas propriedades.

Então não tenho dúvida de que essa gestão do sindicato que agora se inicia, que tem três anos pela frente, quer juntar todos esses pontos que precisam ser melhor desenvolvidos e levarmos propostas para que o governo possa fazer suas políticas públicas que entendam a nossa atividade e o nosso Estado de uma forma a ajudar.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.