Conectado com
Minuto Agro

Bovinos / Grãos / Máquinas Da Holanda para o Paraná

Paixão pelo leite reflete em produtividade para a família Dijkstra

Fazenda Frisia está com 560 vacas em lactação, que tem uma produção diária de 20 mil litros de leite

Publicado em

em

Francine Trento/OP Rural

“O meu avô imigrou da Holanda para Carambeí em 1947 e trouxe com ele 40 novilhas e um touro”, sintetiza o pecuarista Bauke Dijkstra. Foi assim que começou a história da família na pecuária leiteira brasileira. Mas, segundo o pecuarista, a família já estava na atividade ainda na Holanda, muito antes de se mudar para o Brasil. “Nós somos criadores por paixão”, afirma. Desde que se conhece por gente, Dijkstra está no setor leiteiro. Atualmente, a Fazenda Frisia está com 560 vacas em lactação na propriedade, que tem uma produção diária de 20 mil litros de leite. São, aproximadamente, 36 litros por animal ao dia.

O valor é significativo. Dijkstra se considera pequeno produtor, mas entre os maiores da região. Não por menos, uma vez que os Campos Gerais do Paraná são considerados o braço forte da pecuária leiteira estadual e nacional. Para se ter uma ideia, na região estão dois dos três maiores municípios de produção de leite nacional – Castro e Carambeí. Segundo dados do IBGE de 2018, Castro lidera a produção brasileira de leite (292 milhões de litros). Em terceiro lugar está o município de Carambeí (180 milhões de litros).

Mas, mesmo Castro sendo o maior produtor nacional, quando o assunto é Valor Bruto da Produção quem se destaca é Carambeí. De acordo com dados levantados pelo Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral), em 2018 o leite representou 31% do VBP do município. A maior representação desse segmento em todo o Estado. A cada R$ 100 movimentado pelo agronegócio, R$ 31 estão diretamente ligados ao leite.

Por causa de toda essa significância, a expedição do jornal O Presente Rural pelo Paraná foi até Carambeí para ouvir essa história que envolve tradição, amor pela pecuária e muita determinação.

De pai para filho

De acordo com Dijkstra, a pecuária leiteira já está na família há gerações. “Meu avô e bisavô eram produtores de leite na Holanda e provavelmente antes deles ainda a atividade já era feita na família”, afirma. Ele explica que a propriedade em que ele está hoje foi o pai dele quem adquiriu, em 1955. “Na época eram somente umas 15 vacas”, conta. “Eu nasci em 1957. Então, nasci e fui criado aqui, e nessa atividade”, diz.

Agora, o pecuarista comenta que pretende transformar a fazenda em uma verdadeira empresa. “Queremos deixar tudo em quotas parte para todos”, explica. Isso porque têm herdeiros que estão diretamente trabalhando na propriedade e outros não. “Tem o Mateus, que é meu genro e administra a parte da pecuária na fazenda. E tenho um filho que trabalha comigo na agricultura, outro que está em uma cooperativa e uma filha que trabalha em uma escola de idiomas junto com a minha esposa”, conta.

Segundo ele, o filho que trabalha na cooperativa já é um investidor da propriedade. “Ele já tem umas quotas partes, já tem gado aqui, mas ele sempre trabalhou fora”, explica. No entanto, informa que todos os investimentos foram feitos na fazenda quando os filhos decidiram que iriam continuar tocando o negócio. “Então decidimos que precisávamos crescer, porque um espaço muito pequeno não comporta quatro pessoas, não é rentável. Nós temos que ganhar bem e sobrar dinheiro para continuar investindo na pecuária”, afirma.

Conforto e qualidade

O segredo para uma boa produção nos quatro barracões da Fazenda Frísia é o conforto e bem-estar oferecido aos animais, sempre. “Aqui trabalhamos com o sistema free stall, mas a cama ao invés de ser com serragem é com areia. Isso garante melhor bem-estar animal, já que a areia é mais fresca para o animal e também tem menos agentes bacterianos do que a serragem”, explica o gerente do setor pecuário da fazenda, Mateus Gonçalves dos Santos. E esta é somente uma pequena parte do conforto que é oferecido para elas. O espaço ainda possui ventiladores e chuveiros para garantir total conforto térmico. “Quando a temperatura está acima de 18°C os ventiladores e os chuveiros ligam”, diz Santos.

Há também, na fazenda, uma segunda sala de espera para as vacas, onde elas ficam antes de entrar na ordenha. “É uma sala de resfriamento, que fica antes da sala de espera da ordenha. Elas ficam ali por aproximadamente 30 minutos recebendo água e vento”, explica. Segundo ele, este é um sistema israelense que é feito na fazenda há poucos meses. “Já vimos bastante resultado, principalmente quanto a reprodução, que é um ponto em que tínhamos bastante dificuldade. Assim, a nossa taxa de concepção melhorou muito. Acreditamos que agora vamos chegar mais preparados para o verão”, especula.

Volume com qualidade

Dessa forma, o caminho que a vaca percorre quando ela sai do barracão é passar pela sala de resfriamento, a de espera, então ela vai para a ordenha e retorna para o barracão. “Simultaneamente ordenhamos 20 vacas por vez. Ela não passa mais do que 50 minutos fora do barracão. Isso também garante melhor conforto para o animal. Ele vem o mais rápido possível, se refresca e volta para o barracão para tomar água, comer e se deitar”, diz. Santos conta que a intenção é em cinco anos ter mil vacas em lactação.

Todo esse conforto reflete na qualidade do leite produzido na fazenda. “Trabalhamos com CBT (Contagem Bacteriana Total) em torno de 10 mil, células somáticas entre 140 e 150 mil, gordura em 3,8 e 3,9%, e proteína entre 3,5 e 3,55%”, informa. “Temos mantido a qualidade do leite, mas isso é resultado de muitos ajustes até conseguirmos chegar nesses números”, comenta.

Investimento no gado, na fazenda e nas pessoas

Dijkstra lembra que quando começou as formas de tirar o leite eram diferentes, assim como todo o estilo de uma propriedade. “Com o passar do tempo foi mudando, do balde para a ordenhadeira mecânica. Houve crises e então nos recuperamos, mas nunca desisti da atividade”, assegura. O pecuarista lembra que anos atrás havia um preço de leite ruim e um comércio de gado bom. “O nosso rebanho era todo registrado. A gente tinha um bom nome como criador. Então a comercialização de gado sempre foi uma válvula de escape boa para compensar épocas de preço ruim ou coisas assim”, conta.

Porém, agora o comércio de gado não é mais tão lucrativo e a produção de leite ficou mais tecnificada. “Antigamente, cada produtor de leite tinha a sua cartilha de como as coisas deveriam ser feitas, o seu modo de fazer. Hoje, temos assistência técnica que é muito boa e métodos de trabalho bons, com protocolos. É outro nível”, comenta. “Hoje funciona tudo com base em controle e planejamento. A rotina está certa”, assegura.

Dijkstra reitera que o pai, assim como toda a família, era criador de gado por paixão. “Ele gostava muito da parte de genética. E isso foi ótimo para nós, porque sempre houve a preocupação com isso aqui na fazenda”, diz. Assim como em outras áreas, com o passar do tempo também houve investimento em quesitos como conforto do gado, qualidade do leite e nutrição. “Hoje, na minha opinião, o que faz toda a diferença em uma produção de leite de qualidade são duas coisas: a qualidade da forrageira que o gado come e o conforto que você oferece para o seu rebanho. Para mim, estes são os dois pilares que diferenciam um produtor do outro”, conta. Claro que outros pontos, como genética, também são essenciais, diz o pecuarista. Mas os dois citados, em sua opinião, fazem toda a diferença.

Além do mais, algo em que a Fazenda tem investido bastante também, é no fator humano. “Isso é o básico, porque tudo aqui é feito por gente. Nós temos que treinar e motivar as pessoas, proporcionar para elas também um conforto, porque elas também precisam estar felizes no trabalho. Esse é o passo principal, as pessoas precisam estar e trabalhar satisfeitas”, assegura. Para garantir isso, Dijkstra oferece treinamentos constantes para os funcionários. “Porque assim você transforma o seu pessoal em co-participantes na tomada de decisões e trabalhos realizados”, conta. “Eles fazem reuniões semanais, com todas as equipes, em que todos falam sobre as anomalias que veem na fazenda. Por exemplo, eles têm um caixa em que anotam e colocam informações sobre alguma coisa que atrapalhou o serviço naquele dia. Isso não é para apontar o dado do que outro deixou de fazer, mas é para a gente ir identificando problemas e facilitando o trabalho de cada um deles e para eles terem o espírito de ir ajudando um ao outro, deixando o trabalho mais alinhado”, conta.

Vacas funcionais

Ao fundo do escritório de Dijkstra, a Reportagem notou alguns troféus de exposições. “Nós paramos de participar”, revela. “Na verdade, isso é um hobbie, eu não vejo como uma fonte de lucro, é um custo. Tem gente que adora ver sua vaca campeã, mas se for reparar bem é um investimento muito grande”, comenta.

Para ele, hoje é preciso que as fazendas tenham o que ele chama de vacas funcionais para produzir. “Precisamos de uma vaca que não seja grande demais, que tenha um tamanho médio, um úbere bom, pernas boas e, de preferência, fértil”, analisa. O pecuarista, que trabalha somente com vacas holandesas, diz que estas características variam bastante de animal para animal, e não é possível contar somente com a raça da vaca para se ter uma boa produção.

Laboratório na fazenda

Outro fator que ajuda bastante na produção da Fazenda Frísia é um pequeno laboratório, chamado SmartLab, que foi desenvolvido pelo professor doutor Marcos Veiga, da FMVZ/USP, especialista em qualidade do leite. “Dependendo do grau da mastite, se você identificar ela certo se for grau 1 ou 2, que não seja tão agressiva para o animal, você coleta o leite, faz uma análise nesse laboratório e em 24 horas ele consegue mostrar o tipo de agente patológico daquela mastite. Assim, dependendo da mastite, não necessariamente precisa tratar com antibiótico”, explica o gerente. Segundo ele, desde que estão usando o pequeno laboratório, há aproximadamente sete meses, já foi possível diminuir em 35% o uso de antibióticos nos animais.

E a diminuição de uso de antibióticos é muito bom, tanto para os animais quanto aos ganhos da fazenda. Segundo Dijkstra, todo o leite da fazenda é entregue para a Cooperativa Frísia. A qualidade da matéria prima é exigida e um dos pontos analisados é justamente a quantidade de antibióticos que há no leite. “Nós perdemos 4,5% dos ganhos se houver antibiótico no leite. Isso é mais que um dia de produção. Se voltar a acontecer no mesmo mês a perda é de 7%, e se acontecer uma terceira vez sobe para 11%”, informa.

Mais do que leite

A produção leiteira é o carro-chefe da fazenda, porém Dijkstra conta com outras atividades na propriedade. Atualmente, além das 560 vacas em lactação, ele ainda planta 1.150 hectares de lavoura e possui três mil suínos em terminação. “A agricultura é boa parte em terras arrendadas, mais ou menos uns 80%. Então eu planto com as máquinas do banco, com os insumos da cooperativa, a mão de obra dos funcionários, o aval do agrônomo e as terras dos vizinhos”, brinca.

Outras notícias você encontra na 8ª edição do Anuário do Agronegócio Paranaense

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − treze =

Bovinos / Grãos / Máquinas Saúde Animal

Saúde intestinal em ruminantes: o que sabemos sobre o ácido butírico?

Ácido butírico é um potente agente promotor da saúde intestinal dos ruminantes, estimulando o desenvolvimento pós-natal do trato gastrointestinal de bezerras

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Leandro Greco, gerente de Serviços Técnicos da Kemin do Brasil

No processo digestório dos ruminantes ocorre, no rúmen, extensa fermentação dos alimentos. As bactérias ruminais fermentam os carboidratos oriundos dos alimentos volumosos e concentrados produzindo ácidos graxos de cadeia curta, em maiores proporções os ácidos: propiônico, acético e butírico. Adicionalmente ao papel nutricional, o ácido butírico é rapidamente metabolizado pelo epitélio ruminal e em bezerros exerce papel fundamental no estabelecimento do epitélio ruminal e subsequente desenvolvimento. O ácido butírico estimula o crescimento e elongação das papilas ruminais, promovendo uma maior área de superfície para absorção de nutrientes. O butirato é fundamental para o desenvolvimento do rúmen e exerce um papel fundamental no estabelecimento e manutenção do epitélio do ruminal e do intestino. Estas características são exercidas através do seu poder de estimular atividade mitótica das células e reduzir apoptose celular. Em outras palavras o ácido butírico estimula o crescimento e reduz a morte programadas das células do trato gastrointestinal.

O ácido butírico pode ser suplementado na dieta dos ruminantes sob diferentes formas, como os sais de butirato (butirato de cálcio, butirato de sódio, butirato de potássio e butirato de magnésio) e as butirinas. Além da forma química do produto hoje contamos com tecnologias de encapsulamento destes produtos. A proteção do butirato através da microencapsulação em uma matriz lipídica melhora sua eficácia e reduz o mal odor característico. Adicionalmente, a liberação controlada do butirato na matriz previne a rápida absorção e metabolização nas partes superiores do trato gastrointestinal, proporcionando efeitos positivos na morfologia e função intestinal.

Um estudo foi conduzido com o objetivo de avaliar a inclusão do butirato de cálcio encapsulado no concentrado de bezerras leiteiras. Foram utilizadas 32 bezerras cruzadas (Holandes x Jersey) em sistemas de pastoreio. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em dois tratamentos: controle, onde não havia a suplementação e BUT, suplementação com butirato de cálcio encapsulado (4 kg/T de concentrado). O estudo teve duração de onze semanas, onde o desempenho dos animais foi avaliado semanalmente.  A suplementação com butirato de cálcio encapsulado estimulou o consumo de concentrado das bezerras, que consumiram na média 41% mais concentrado que os animais do grupo controle (0,65 vs., 0,38 kg/d, respectivamente). Esse maior consumo de alimento estimulou um maior ganho em peso diário (0,83 vs., 0,71 kg/d, respectivamente para as bezerras BUT vs., controle). Consequentemente, um maior peso corporal foi observado para as bezerras suplementadas comparadas ao controle, a evolução do peso corporal ao longo do estudo está detalhada na Figura 1.

Uma das explicações para o maior desempenho de animais suplementados com butirato de cálcio encapsulado é a melhoria na saúde do trato gastrointestinal. Pesquisadores realizaram um estudo com novilhos nelore confinados  com o intuito de avaliar a suplementação com butirato de cálcio encapsulado em diferentes doses. Os animais foram confinados por 118 dias, recebendo uma dieta com uma relação volumoso: concentrado de 30:70, suplementados com 0, 5 ou 10 g de butirato de cálcio encapsulado por dia. Ao final do estudo uma amostra do duodeno dos animais foi coletada para análises histológicas. Os animais suplementados com 10g de butirato de cálcio encapsulado apresentaram um maior valor para altura vilosidades intestinais que os animais do grupo controle ( 2829,996 vs 2569,551 µm). O corte histologico é demonstrado na Figura 2, onde pode-se claramente perceber a diferença na altura das vilosidades intestinais.

Em resumo, o ácido butírico, na forma de butirato de cálcio encapsulado, é um potente agente promotor da saúde intestinal dos ruminantes, estimulando o desenvolvimento pós-natal do trato gastrointestinal de bezerras. O que representa uma maior habilidade para consumir e digerir alimentos, garantindo um rápido desenvolvimento corporal em uma fase crítica na vida dos animais. Além disso, em animais adultos promove crescimento das vilosidades do intestino, que é crucial para a absorção dos nutrientes.

Corte histológico do duodendo de animais nelore confinados demosntrando o efieto do butirato de cálcio encapsulado na altura da vilosidade intestinal. CON = Controle; 10But = 10 g butirato de cálcio encapsulado (Moreira et al., 2016).

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Novidade

Versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas está disponível

A reportagem conversou com especialistas para verificar quais as oportunidades deste novo normal que o covid-19 trouxe

Publicado em

em

O Presente Rural

Já está disponível na versão digital a nova edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de O Presente Rural. Nesta edição você leitor vai conferir como a pecuária de leite e corte e o setor de grãos estão se adaptando a este novo momento vivido pela população mundial. O agro sempre foi adaptável às situações que acontecem no mundo e desta vez não foi diferente. O consumidor está diferente, assim como o próprio setor pecuário.

A reportagem conversou com especialistas para verificar quais as oportunidades deste novo normal que a pandemia do covid-19 trouxe. Há também artigos técnicos de profissionais renomados do setor que falam sobre saúde animal, sanidade e tecnologias.

Além dos mais, há ainda as novidades das empresas do setor, em que apresentam novos produtos, soluções e profissionais.

Clique aqui e acesse e edição completa. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Segundo Cepea

Incertezas no mercado de derivados em abril pressionam cotações ao produtor

Depois de registrarem altas consecutivas de dezembro de 2019 a abril de 2020, os preços pagos ao produtor caíram em maio

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Depois de registrarem altas consecutivas de dezembro de 2019 a abril de 2020, os preços pagos ao produtor caíram em maio. De acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a “Média Brasil” líquida em maio (referente à captação do mês anterior) chegou a R$ 1,3783/litro, recuos de 5% frente ao mês anterior e de 11,2% em relação a maio/19 (em termos reais, com valores deflacionados pelo IPCA de abril/20). A desvalorização do leite no campo esteve atrelada às incertezas no mercado de derivados em abril, decorrentes da crise por causa da pandemia de coronavírus.

Abril marcou o primeiro mês completo de enfrentamento à pandemia e de, consequentemente, uma nova dinâmica de consumo da população. Além de o atendimento dos serviços de alimentação (importantes canais de distribuição de lácteos) ter sido prejudicado pelo agravamento da pandemia, também houve a diminuição da frequência das compras por parte dos consumidores, diante da redução da renda de muitas famílias. Segundo agentes consultados pelo Cepea, esses fatores impactaram negativamente sobre a demanda de derivados no correr de abril.

De acordo com a pesquisa diária do Cepea, com apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), o preço do leite UHT registrou queda acumulada de 17,8% em abril. Ainda assim, a média mensal, de R$ 2,87/litro, ficou 8,41% acima da registrada em março/20 (quando, vale lembrar, foi verificado o choque de demanda no início do isolamento social).

O mercado de queijo muçarela também foi afetado pelas incertezas do cenário atual, registrando demanda enfraquecida e volume reduzido de negociações. Esse derivado apresentou desvalorização acumulada de 8,3% em abril, e o preço médio mensal fechou a R$ 17,93/kg, recuo de 5,97% em relação ao de março. A dificuldade em se assegurar a liquidez impactou negativamente na produção deste lácteo em abril. Como consequência, houve aumento da oferta de leite cru no mercado spot (negociação entre indústrias) em abril. Em Minas Gerais, o preço médio do leite cru caiu 7,3% na primeira quinzena de abril e 11,7% na segunda.

Por outro lado, a entressafra da produção leiteira avança no Sudeste e Centro-Oeste. No Sul, a estiagem prejudica a atividade e compromete a quantidade e a qualidade da produção de silagem para os próximos meses. O Índice de Captação Leiteira (ICAP-L) do Cepea registrou queda de 0,6% de março para abril na “Média Brasil” e acumula baixa de 12,4% neste ano.

Tipicamente, neste cenário, as indústrias empenhariam esforços para recompor seus estoques.  Contudo, as perspectivas negativas sobre o consumo no médio e longo prazos aumentaram o nível de incerteza em abril e diminuíram o investimento das indústrias em estoques, pressionando as cotações no campo em maio.

Junho

Como o preço do leite ao produtor é formado depois das negociações quinzenais do leite spot (negociação de leite cru entre indústrias) e das vendas de lácteos, as cotações no campo de junho refletirão o mercado de derivados de maio. Durante este mês, observou-se que a produção de leite no campo diminuiu. Como consequência, pesquisas do Cepea apontam que o preço médio mensal do leite spot em Minas Gerais em maio foi 6,7% maior que o de abril, em termos nominais. A menor oferta no campo em maio e a menor produção de derivados em abril, por sua vez, reduziram os estoques de UHT e muçarela neste mês, favorecendo o aumento das cotações.

De 4 a 27 de maio, a pesquisa diária do Cepea mostrou alta acumulada de 14,4% para as cotações de UHT e elevação de 15,7% para as de muçarela. Ainda assim, as médias mensais parciais dos preços do UHT e da muçarela neste período, de R$ 2,68/litro e de R$ 17,90/kg, são 6,62% e 0,1% menores que as respectivas médias de abril.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.