Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Especialista aponta estratégias que melhoram eficiência alimentar e reduzem pegada ambiental da pecuária leiteira

Implementação de aditivos e práticas nutricionais adequadas pode ajudar a melhorar a eficiência e o desempenho de cada fase do rebanho, desde a redução das taxas de diarreia e pneumonia em bezerros até a melhoria da produção de sólidos e saúde reprodutiva em vacas em produção.

Publicado em

em

Fotos: Shutterstock

Na busca por soluções sustentáveis para enfrentar os atuais desafios da produção agropecuária, aprimorar a eficiência alimentar emerge como uma estratégia fundamental. Na pecuária leiteira, onde a pressão sobre os recursos naturais é significativa, a otimização do uso de alimentos não só impulsiona a produtividade, mas também desempenha um papel essencial na redução do impacto ambiental.

Zootecnista, doutor em Nutrição de Ruminantes e assistente técnico comercial de bovinos de leite na Nutron Cargill, Maichel Lange: “A tecnologia é um caminho sem volta, tanto com o uso de robô como da intensificação da atividade leiteira” – Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

A preocupação com a produção sustentável tem levado a indústria a repensar suas estratégias. Neste contexto, a melhoria da eficiência alimentar desponta como uma abordagem proativa na busca por soluções para maximizar resultados sem agredir o ecossistema. “Ao utilizar ingredientes de melhor digestibilidade e maximizar a quantidade de nutrientes obtidos a partir de cada unidade de alimento consumido, os produtores podem não apenas reduzir os custos de produção, mas também minimizar o desperdício e as emissões de gases de efeito estufa associadas à atividade pecuária”, aponta o zootecnista, doutor em Nutrição de Ruminantes e assistente técnico comercial de bovinos de leite na Nutron Cargill, Maichel Lange.

Explorar técnicas de manejo nutricional, investir em dietas balanceadas e adotar tecnologias são outras estratégias adotadas pelo setor. Além disso, a seleção genética de animais com maior eficiência alimentar pode proporcionar ganhos significativos a longo prazo. “Ao alinhar o desempenho produtivo com a conservação dos recursos naturais e a melhoria da eficiência alimentar contribuímos para, além da promoção de sistemas produção mais sustentável na pecuária leiteira, a construção de um futuro mais resiliente e equilibrado para toda a cadeia produtiva”, ressalta Lange.

O especialista destaca que para implementar a eficiência alimentar em uma propriedade é fundamental considerar três aspectos essenciais: coleta de dados precisa, compreensão da estrutura da fazenda e alinhamento com as metas estabelecidas para a propriedade. “Fazemos esse diagnóstico geral e apresentamos para o produtor alternativas que visam a melhoria da rentabilidade do seu rebanho e da propriedade como um todo”, expõe o doutor em Nutrição de Ruminantes, mencionando que os produtores das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná se mostram bem receptivos a essas ideias, especialmente quando associadas a benefícios financeiros tangíveis.

Segundo o zootecnista, dentre os principais benefícios ao adotar um sistema de produção sustentável estão a produtividade e a longevidade do rebanho. “Ao manter a saúde do animal garantimos um ciclo de vida mais longo e produtivo. Uma vaca saudável é capaz de aproveitar de forma mais eficiente os nutrientes contidos na matéria seca que consome, o que, por sua vez, resulta em um uso mais eficaz da energia e das proteínas disponíveis. Isso não apenas reduz os custos relacionados à saúde do animal, como também aumenta sua capacidade de produção”, afirma Lange.

Otimização da eficiência alimentar

O profissional destaca que o primeiro passo para otimizar a eficiência alimentar e promover o bem-estar animal é trabalhar com o balanço nutricional, considerando a energia e a proteína. Em seguida é preciso buscar mecanismos para melhorar a eficiência da produção de volumoso. “Como os ruminantes dependem principalmente desses alimentos – silagem, pastagem, feno e pré-secado -, que compõem mais de 50% de sua dieta, aprimorar sua qualidade é essencial”, frisa.

E o terceiro item a se considerar é a ambiência para garantir um espaço confortável aos animais. “A integração desses três pontos permite a redução do uso de aditivos, priorizando uma abordagem mais

aprofundada na nutrição”, indica.

Quanto aos resultados alcançados pelos produtores que adotaram essas estratégias, Lange diz que observou uma melhoria significativa na produção de sólidos, especialmente importante para a indústria de laticínios, que valoriza a qualidade desses produtos. Além disso, segundo ele, houve um aumento na produtividade na fazenda e uma redução no uso de medicamentos e antibióticos, o que é fundamental para a saúde dos animais e também reflete uma preocupação ambiental, já que a vaca melhora a digestibilidade da fibra em detergente neutro (FDN). “Essas práticas não só beneficiam os produtores em termos de eficiência e sustentabilidade, mas também atendem às demandas do mercado por alimentos de qualidade e produzidos de forma responsável”, evidencia o especialista.

Estratégias promissoras

Entre as estratégias mais promissoras adotadas para adquirir uma maior eficiência alimentar no rebanho leiteiro, Lange destaca que está o trabalho com a vaca futura. “É preciso trabalhar com o animal desde sua fase inicial, ou seja, quando a bezerra ainda está no ventre, garantindo uma boa nutrição para a vaca e um ambiente com conforto térmico para seu desenvolvimento. Após o nascimento, é essencial garantir a ingestão de colostro nas primeiras horas de vida, proporcionando um ambiente limpo e confortável. Em seguida, é necessário implementar um protocolo de acompanhamento da criação dessa novilha, o que possibilita que tenhamos uma perspectiva da longevidade desse animal”, explica o doutor em Nutrição de Ruminantes.

Por sua vez, quando a vaca já está produzindo leite, Lange diz que entra em cena o uso de aditivos e estratégias de melhoramento genético para otimizar sua produção. “É importante identificar as necessidades específicas do rebanho e adotar tecnologias adequadas para garantir sua saúde e desempenho”, menciona.

Quanto à longevidade da vaca e sua produção ao longo da vida, Lange explica que os índices como intervalo entre partos são fundamentais. De acordo com o profissional, o intervalo entre partos deve ser de 12 a 13 meses, o que significa que a vaca produzirá um bezerro a cada ano. “Recomendamos que a vaca tenha seu primeiro bezerro aos 24 meses de idade, com isso, em média, as vacas nacionais deixam três bezerros na fazenda ao longo de sua vida”, relata, acrescentando: “Sabemos que o pico de produção da vaca hoje acontece entre o quarto e quinto parto, então nosso objetivo é prolongar a vida produtiva da vaca, buscando que ela permaneça na fazenda por pelo menos cinco partos, o que resulta em uma produção média de leite ao redor de 305 a 310 dias por lactação. Este ciclo visa otimizar a produtividade do rebanho e garantir uma produção sustentável a longo prazo”.

Saúde intestinal e impactos ambientais

Quando o rúmen e o intestino estão saudáveis, os animais conseguem absorver melhor os nutrientes, evitando desperdícios. Lesões nos tecidos de absorção podem resultar na excreção inadequada de nutrientes, como nitrogênio e carboidratos, nas fezes, o que não só representa uma perda de recursos valiosos, mas também contribui para a poluição ambiental. “Nosso objetivo é manter o sistema digestivo dos bovinos saudável para maximizar a eficiência na utilização dos nutrientes e minimizar o impacto ambiental da produção pecuária”, cita.

Principais sistemas de produção

Segundo Lange, os principais sistemas de produção de leite no Brasil são semiconfinado, compost barn e free stall. No sistema semiconfinado, as vacas passam parte do dia em pastagens e parte recebendo suplementação no cocho, enquanto no compost barn as vacas passam toda a lactação dentro de um sistema de cama, e no free stall os rebanhos leiteiros ficam confinados em áreas com camas individualizadas, corredores de acesso e pistas de trato. “Atualmente, o sistema compost barn é o mais prevalente no Paraná, oferecendo condições favoráveis para o bem-estar animal e a eficiência na produção leiteira”, frisa.

Desafios diários no campo

Dentre os principais desafios que os produtores enfrentam na implementação de práticas mais sustentáveis em sua produção, visando uma melhor eficiência do gado leiteiro, reside na qualidade da assistência técnica. Segundo Lange, muitos produtores estão focados apenas nos custos, quando na verdade deveriam estar atentos ao retorno máximo sobre o investimento realizado no rebanho. “Convencer os produtores a considerar a receita máxima, que leva em conta o custo-benefício real, é um desafio significativo”, admite.

Outro desafio se concentra na produção de volumoso de qualidade. “A qualidade do volumoso limita a produção no Brasil, pois muitos produtores investem em sementes e adubação, mas falham na produção adequada de silagem. O processamento da fibra e dos grãos muitas vezes é negligenciado, assim como a qualidade das lonas utilizadas para ensilar”, analisa Lange.

O terceiro grande desafio é a questão da mão de obra. O profissional aponta que ao fazer ajustes no manejo e na dieta é essencial considerar o bem-estar das pessoas que trabalham na fazenda. “As recomendações devem ser coerentes com a logística da fazenda e garantir que todos estejam felizes e satisfeitos com suas tarefas”, destaca.

Gestão de custo da propriedade

O doutor em Nutrição de Ruminantes explica que quanto mais leite a vaca produzir e quanto maior for sua eficiência, menor será o custo por litro de leite produzido. “O custo de uma vaca que produz 40 litros de leite por dia em comparação com uma vaca que produz 25 litros/dia é superior a 40%. Então o produtor precisa entender que para dobrar a sua produção não é preciso dobrar o investimento, mas sim tornar seu sistema mais viável, mais assertivo, ou seja, é preferível que tenha cinco vacas que produzam 35 litros/dia ao invés de 10 vacas que produzam 20 litros/dia”, exemplifica.

Existem várias ferramentas para o produtor mensurar o custo de uma vaca, mas Lange é enfático ao dizer que a nutrição é determinante na produção diária do leite. “O custo total com a nutrição dos animais representa cerca de 50 a 60% do custo total da fazenda, às vezes até mais. Por exemplo, o custo médio diário da dieta de uma vaca que produz entre 30 e 35 litros de leite pode chegar a R$ 40. O custo é significante dentro da atividade leiteira, por isso que a cada dia mais queremos melhorar a eficiência alimentar para garantir a viabilidade econômica da atividade leiteira”, justifica.

Lange enfatiza que o produtor tem se atentado cada vez mais para a gestão do custo da propriedade. “É preciso tratar a propriedade leiteira como uma empresa e o produtor tem que entender que ele é um empresário. Cada vez mais a sustentabilidade econômica da atividade está em evidência e o produtor precisa entender que ao comprar um produto mais tecnificado o seu retorno tende a ser maior também”, salienta Lange.

Implementação de tecnologias

O uso de tecnologias nas atividades agropecuárias é uma tendência irreversível, especialmente no que diz respeito à robótica. No entanto, Lange ressalta que a tecnologia não é uma solução mágica para aumentar a produção de forma imediata. “A tecnologia é um caminho sem volta, tanto com o uso de robô como da intensificação da atividade leiteira. No entanto, friso para muitos produtores que estão cogitando migrar para o sistema de ordenha robótica fazer o ‘feijão com arroz’ bem feito para depois implementar esse sistema. Porém muitos produtores ainda acreditam que se colocar a ordenha robótica isso vai aumentar a produção de leite, mas, o que temos nos deparado é com casos em que a implementação impactou negativamente a produção, com o produtor não conseguindo manter o mesmo número de ordenhas diárias após a instalação do robô”, evidencia Lange.

O zootecnista diz ainda que é importante compreender que a tecnologia aplicada à ordenha não vai aumentar automaticamente a produção de leite, mas sim facilitar a logística dentro da fazenda e reduzir a dependência de mão de obra. “Isso significa que os produtores terão mais tempo para se dedicar a outras atividades importantes, como cuidar de bezerros, atender vacas doentes e preparar os alimentos. Nesse sentido, a tecnologia tem o potencial de ser uma ferramenta valiosa para melhorar a eficiência e o bem-estar dos animais, desde que seja implementada de forma estratégica e cuidadosa, levando em consideração as necessidades específicas de cada fazenda e do rebanho”, reforça.

Manejo eficiente

A gestão eficiente do rebanho na atividade leiteira requer um manejo cuidadoso em todas as fases, desde a produção da bezerra até a vaca em produção. Os desafios enfrentados durante o pré-parto, o período seco e até mesmo problemas de saúde na bezerra podem impactar de forma significativa na produção futura de leite. “É essencial que os produtores compreendam o sistema como um todo e adotem estratégias específicas de manejo para cada categoria de animal, pois a vaca que está produzindo hoje começou sua lactação na lactação passada, então se ela sofreu ou teve problema durante o pré-parto ou no período seco, seja com calor ou por deficiência de algum nutriente, isso vai impactar na futura produção de leite”, ressalta Lange.

A implementação de aditivos e práticas nutricionais adequadas pode ajudar a melhorar a eficiência e o desempenho de cada fase do rebanho, desde a redução das taxas de diarreia e pneumonia em bezerros até a melhoria da produção de sólidos e saúde reprodutiva em vacas em produção. “A diarreia sofrida por uma bezerra terá um impacto na produção de leite durante sua primeira lactação. Por isso que o manejo deve ser preciso e adaptado a cada categoria de animal. Dentro de um manejo adequado, introduzimos aditivos que visam aprimorar a eficiência em cada fase específica. Por exemplo, disponho de um aditivo que melhora o ganho de peso dos bezerros, reduzindo as incidências de diarreia e pneumonia. Para novilhas em fase reprodutiva, optamos por adotar um aditivo ou uma abordagem nutricional que promova uma melhor saúde reprodutiva sem resultar em ganho excessivo de peso. Para vacas em produção é possível empregar aditivos com o objetivo de aprimorar a produção de sólidos, saúde reprodutiva, saúde do casco e bem-estar geral. Esses aditivos podem incluir fitogênicos, posbióticos ou eubióticos, que são derivados do metabolismo da levedura. Acredito que ao implementarmos medidas básicas já estaremos realizando um trabalho significativo”, revela Lange.

O profissional ainda lembra que o ciclo de produção na pecuária leiteira requer um planejamento estratégico a longo prazo. “Começar hoje com práticas básicas e consistentes é o primeiro passo para garantir uma produção de sucesso no futuro”, destaca.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Bovinos / Grãos / Máquinas Em Castro

Cooperativas vão investir mais de R$ 450 milhões em nova fábrica de leite em pó no Paraná

Investimento será feito pelo grupo Unium, que reúne as cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal, e tem como objetivo atender ao crescimento na produção de leite no Estado. A previsão é que a unidade processe mais de 1 milhão de litros de leite para a produção de leite em pó por dia

Publicado em

em

O grupo Unium, que reúne as cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal, vai investir mais de R$ 450 milhões em uma nova fábrica de produtos lácteos em pó, em Castro, nos Campos Gerais. O anúncio foi feito em reunião de representantes do grupo com o governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta segunda-feira (27).

A previsão é que a unidade processe mais de 1 milhão de litros de leite para a produção de leite em pó por dia. “Este é um investimento importante que fomenta a geração de emprego, sobretudo na região de Castro, fortalece a agricultura familiar e consolida o papel do Paraná como este supermercado do mundo, processando o produto e agregando valor a ele fazendo leite em pó e outros produtos”, afirmou Ratinho Junior.

Fotos: Gabriel Rosa/AEN

O investimento atende ao aumento na produção de leite dos cooperados do grupo, que cresce entre 8% e 10% ao ano. Em 2023, o grupo Unium ultrapassou a marca de 1 bilhão de litros de leite captados ao longo de todo o ano, o que significa uma produção diária de cerca de 2,8 milhões de litros, sendo o segundo maior produtor do Brasil. “Com muito conhecimento e tecnologia, os produtores têm aumentado suas produções ano a ano. Nós, como cooperativas, precisamos estar à frente deste crescimento, nos preparando para receber esta produção, por isso estamos liderando este desafio de ampliar nossas indústrias com uma nova planta de leite em pó”, afirmou o presidente da Castrolanda, Willem Bouwman, que compõe o grupo Unium.

De todo o investimento, cerca de R$ 14,5 milhões já foram realizados pelo grupo para o projeto da planta. Outros R$ 450 milhões devem ocorrer até 2028, quando está prevista para entrar em operação.

Atualmente, o grupo Unium já conta com fábricas em Castro e Ponta Grossa, ambas com capacidades produtivas de cerca de 1,5 milhão de litros diários cada, além de uma unidade em Itapetininga, no interior de São Paulo, com capacidade de produção diária de 1,3 milhão de litros de leite.

As unidades produzem leite em pó, leite em caixa, queijos, creme de leite, leite condensado e produto concentrado proteico, entre outros.

Esta produção envolve mais de 700 produtores de leite em dezenas de municípios da região, além de gerar quase 1,2 mil empregos diretos e três mil indiretos.

Protagonismo

O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, atrás apenas de Minas Gerais. Em 2023, foram 3,6 bilhões de litros produzidos no Estado, o que representa quase 15% de toda a produção nacional. Já

Castro é a cidade com a maior bacia leiteira do País, com mais de 400 milhões de litros de leite produzidos anualmente. “Castro é uma referência na produção de leite. Por isso é motivo de muito orgulho ver um investimento como este, fortalecendo a vocação local do município e da região”, disse o governador.

Presenças

Também estiveram presentes na reunião os secretários de Fazenda, Norberto Ortigara, e da Agricultura e do Abastecimento, Natalino de Souza; o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin; o deputado estadual Moacyr Fadel; o superintendente de Operações Lácteas da Castrolanda, Edmilton Aguiar Lemos; o gerente contábil da Castrolanda, Junior Zub; o gerente da Expo Center Castrolanda, Gustavo Vigano, entre outros membros da diretoria da cooperativa.

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

“Protocolo Natural” reúne desempenho e lucratividade no confinamento

Técnica consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Salus

Produzir de forma sustentável é a grande demanda da atualidade. Nesse contexto, a produção de carne bovina está atravessando um momento de grandes mudanças. Além dos desafios com os quais o setor já está acostumado a lidar, como o ciclo pecuário, desafios de remuneração da atividade e eventos climáticos, por exemplo, adicionam-se às pressões a redução do impacto ambiental e a produção sem o uso de antibióticos.

Para alcançar patamares cada vez mais altos de exigências de desempenho, bem como conciliá-los ao bem-estar sanitário dos animais que são desafiados a dietas altamente energéticas, uma série de aditivos e estratégias nutricionais vêm sendo usadas. Que o boi não é só rúmen, a gente já sabe, mas fica nítido cada vez mais a importância de analisarmos o intestino destes incríveis seres vivos que são máquinas de transformar coprodutos em carne (graças ao rúmen). Afinal, esse boi tem exigências e necessidades intestinais que precisam ser atendidas para se alcançar os incríveis parâmetros de eficiência biológica que almejamos.

Fotos: Shutterstock

A pesquisa acadêmica associada ao trabalho dos técnicos de campo, que retroalimentam o sistema de informações, vem cada vez sendo mais importante para avaliarmos os resultados do que chamamos de “Protocolo Natural”.

O “Protocolo Natural” consiste na utilização organizada de aditivos naturais com função específica e efeito fisiológico conhecido. A utilização sinérgica destes produtos na concentração e momento certo proporciona um incremento de desempenho espetacular, provando que mesmo quando confrontado com os tradicionais protocolos de ionóforos e antibióticos, o uso arquitetado das tecnologias não antibióticas pode ser mais eficiente zootecnicamente e financeiramente.

O “Protocolo Natural” aqui apresentado, na grande maioria dos casos é composto por três ferramentas tecnológicas:

1.       Fitogênicos (carvacrol e capsaicina) que atuam orientando e estimulando a microbiota ruminal. Através da redução das bactérias gram-positivas, culminando no controle da cinética de produção de ácidos graxos voláteis, limitando os distúrbios digestivos e garantindo o aumento da energia disponível.

2.       Enzimas fibrolíticas para ruminantes desenvolvidas para aumentar a digestibilidade de alimentos. As enzimas fibrolíticas (B-glucanase, xilanase e celulase) atuam na hidrólise dos carboidratos estruturais presentes nas forragens. Após a hidrólise, polissacarídeos solúveis são liberados, aumentando assim, a digestibilidade e o aproveitamento de todo o substrato da dieta.

3.       Taninos hidrolisáveis: polifenóis com alta bioatividade no aparelho digestório tendo tanto um efeito local quanto fisiológico. Observa-se uma série de benefícios como melhoria da sanidade intestinal, maior passagem de proteínas não degradas do rúmen para o intestino, prevenção de distúrbios diarreicos, efeito antioxidante.

Adaptação

Este conjunto de tecnologias normalmente é utilizado associando-se os óleos essenciais e as enzimas nas dietas de adaptação, tanto de confinamentos quanto na transição para sistemas mais intensivos, o que promove uma rápida adaptação no coxo e da microbiota neste período.

Com os animais já adaptados, resta a manutenção dos bons resultados e o equilíbrio do trato gastrointestinal, portanto escolhem-se entre as ferramentas disponíveis, aquelas que continuarão a ter efeito sinérgico de acordo com o ambiente, como o tanino e os demais fitogênicos. As enzimas podem ser utilizadas continuamente no confinamento, sendo que temos observados efeitos muito marcantes na fase de adaptação dos animais.

Uma fase de adaptação eficiente, aliada ao bom desempenho nas fases finais, resulta em animais com maior ganho de peso, melhor eficiência biológica e conversão em carcaça produzida, possibilitando a retirada total do ionóforo regularmente utilizado. Esses resultados foram observados e comprovados em um dos grandes utilizadores do “Protocolo Natural”, o grupo MFG.

A Marfrig, uma das maiores empresas de proteína bovina do mundo, vem buscando soluções alternativas aos antibióticos e ionóforos, uma vez que seu maior comprometimento é ser um efetivo agente de transformação da cadeia produtiva. Essas diretrizes se expandem para seus fornecedores, que é o caso da MFG, confinamento responsável por uma parcela significativa de todo o gado que a Marfrig recebe.

Sinergia

Segundo o zootecnista, Heitor Brandt, “enquanto temos os óleos essenciais controlando e selecionando a população microbiana ideal e desejável, visando manutenção de um ambiente ruminal ótimo, as enzimas trabalham disponibilizando os nutrientes e melhorando a digestibilidade da dieta. Essa relação conjunta dos aditivos, aliados obviamente a um bom manejo, promove desempenhos superiores aos obtidos com dietas tradicionais”. O resultado? Animais com ótimo desempenho zootécnico, maior ganho de carcaça e uma melhor eficiência biológica.

A sinergia entre esses produtos promoveu melhores desempenhos, principalmente na adaptação. O benchmarking da MFG Agropecuária mostrou que o “Protocolo Natural” obteve os melhores resultados dentro das 8 plantas de confinamento que a MFG possui espalhadas pelo Brasil.

A velha máxima persiste de que “não existe receita de bolo”. Para cada sistema é necessário uma ferramenta diferente, mas o que é definitivo é que o “Protocolo Natural” e os aditivos não antibióticos vieram para ficar. Ainda com a certeza de que a pesquisa e a melhoria das tecnologias são contínuas, o fato é que já temos hoje uma alternativa segura, eficaz, sustentável e economicamente eficiente.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor de bovinocultura de leite e na produção de grãos acesse a versão digital de Bovinos, Grãos e Máquinas, clique aqui. Boa leitura!

Fonte: Por Fabrizio Oristanio, zootecnista especializado em Produção de Ruminantes e Nutrição Animal e gerente de Especialidades da MixScience no Brasil. 
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Negócios envolvendo boi gordo seguem lentos e preços em queda

Com clima mais seco na maior parte das regiões, pecuaristas consultados pelo Cepea que ainda têm lotes prontos para venda têm tido dificuldade para resistir aos valores menores propostos pela indústria.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

O ritmo de negócios envolvendo boi gordo no mercado físico nacional está lento, e a pressão sobre os valores de animais para abate se mantém, resultando em novas baixas diárias nos preços da arroba nas diferentes praças acompanhas pelo Cepea.

Com clima mais seco na maior parte das regiões, pecuaristas consultados pelo Cepea que ainda têm lotes prontos para venda têm tido dificuldade para resistir aos valores menores propostos pela indústria.

Na parcial de maio (até o dia 21), o Indicador do Boi Gordo Cepea/B3, que tem como referência o mercado paulista, acumula queda de 1,85%.

Quanto às exportações de carne bovina in natura, estas vêm registrando bom desempenho neste mês de maio, conforme apontam dados da Secex.

Os embarques diários apresentam média de 10,694 mil toneladas até o dia 17 deste mês, totalizando 128,33 mil toneladas no período.

O atual ritmo de escoamento está acima do observado em abril/24, quando os embarques diários tiveram média de 9,456 mil toneladas, e também do de maio do ano passado, quando esteve em 7,656 mil toneladas.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
CBNA – Cong. Tec.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.