Conectado com

Avicultura Nutrição

Nutrição precisa ser revista para melhor aproveitamento, sustenta professor

Nutrição dos animais ainda causa bastante dúvidas sobre o que é melhor e o que da mais resultados

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Mesmo sendo um assunto bastante recorrente no dia a dia de quem trabalha na avicultura, a nutrição dos animais ainda causa bastante dúvidas sobre o que é melhor e o que da mais resultados para todos os envolvidos na cadeia. Para sanar algumas destas questões o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), doutor Sérgio Vieira, falou sobre os desafios para uma boa formulação em frangos de corte durante o 13° Encontro Mercolab de Avicultura, que ocorreu em Cascavel, em setembro.

De acordo com ele, quando se alimenta um animal, se está passando por um processo de transformação que tem perdas que são intrínsecas a este processo. “Se a gente entender melhor onde se ganha e onde se perde, gerir melhor o negócio, nos permite ser mais otimizados no sistema de produção”, comenta.

O professor explica que as aves têm uma grande demanda por aminoácidos diferentes, diferente de outras espécies, como os suínos, por exemplo. “O frango de corte muda porque ele tem uma grande quantidade de pena, que é bastante importante sob o ponto de vista proporcional no momento de montar uma dieta”, explica. Ele comenta que ao contrário do que muita gente acha frangos com menos penas não necessariamente estão doentes ou com algum problema. “Você entra me um galpão e tem frango mais pelado que o outro, mas se este animal está bem, grande, pesado, porque faltaria algo, como aminoácido? Obviamente que não falta, porque se estivesse faltando, este animal não ia estar com um peso bom”, informa.

Vieira diz que o componente comercial mais importante dos últimos 50 anos é o peito. “Virou um alimento estabelecido, que tem demanda no mundo inteiro, é de alta qualidade e, principalmente, está relacionado a uma condição de criação de uma apresentação de diversas receitas ao redor do mundo. Hoje, em qualquer lugar que você vai, vai ter um alimento típico com peito de frango”, expõe. Antes esta demanda não era tão grande, mas se criou uma demanda tão grande por este produto, explica, que obviamente as casas genéticas têm trabalhado para que ano após anos se crie mais peito. “Ocorre que a construção dessa musculatura é totalmente diferente do aparato digestivo. Quando o frango cresce, ocorre um momento em que enquanto as outras partes do animal vão se estabilizando, o peito continua crescendo”, diz.

De acordo com um estudo apresentado pelo professor, em uma comparação feita entre frangos de 1940 e 2009 mostra que o crescimento do peito do frango aumentou 1,14% em relação ao resto do corpo. “O peito, a partir dos 14 dias, segue crescendo 14% a mais que o resto do organismo do frango”, mostra. Segundo ele, como atualmente toda a cadeia vem trabalhando de uma forma em que há aumento da demanda de carne, é preciso trabalhar através da maximização dos resultados, já que o tecido muscular segue crescendo praticamente em linhas comerciais ininterruptamente.

Vieira comenta que é importante pensar nesta questão, quando se fala em nutrição, porque ao longo dos anos as aves foram sofrendo melhoramento genético, que faz com que aves de 1940 sejam diferentes das de hoje em dia. “Essa questão causa algumas alterações que devem ser consideradas se a gente quiser levar a eficiência da produção comercial na ponta do lápis. Principalmente, quando pensamos em qualquer animal ao longo da vida dele não mais do que 40% do que ele consome é retido, fica no organismo. Ou seja, 60% é perdido no processo de construção dos outros 40%”, conta.

Nutrição deve ser bem escolhida

Segundo Vieira, a intenção proteica pode ser usada para muitas coisas na avicultura. “Uma das mais básicas que pode fazer nessa nutrição cruzada é o tipo de alimento que damos para o animal. Por exemplo, tem animal que está demandando mais de um tipo de proteína para composição corporal do que os outros.  Claro, pode trocar no momento de fazer a reposição, mas os animais com que trabalhamos não tem capacidade de fazer uma modificação no produto, na parte do alimento. Ou ele é utilizado do jeito que damos para ele, ou vai fora”, afirma. De acordo com o professor, há uma série de processas que fazem parte da estratégia de formulação.

Uma informação repassada pelo professor é que quanto mais proteína o animal consumir, mais músculo ele vai produzir. “Mas não vale a pena dar mais proteína, porque o peito vai aumentar pouco, mas vai produzir mais”, comenta.

De acordo com o professor, é possível controlar o crescimento, mas é preciso reconhecer as grandes oportunidades que surgem. “Primeiro, é preciso fazer o animal consumir mais adequadamente. Um animal que está com má absorção consome, mas não retém, um animal doente não consome”, diz. Dentro disso, existem coisas no dia a dia na granja que é preciso parar de “fazer vista grossa”. “Por exemplo, o intervalo de alojamento. De sete, 12 ou 21 dias, são totalmente diferentes. Um animal com um intervalo mais curto vai ter mais problema com aceleração de passagem, com retenção de alimento. Isso vai produzir uma resposta de crescimento mais curta”, enfatiza.

Para ele, o frango brasileiro é saudável e não tem desafios que outros países do mundo têm. “Ou seja, nossos animais têm condição de serem mais eficientes. Podemos escoar outras coisas e explorar um ganho maior da musculatura peitoral”, diz. Vieira enfatiza que é sabido que a alimentação tem um custo mais alto. “É sempre o que causa maior impacto sobre o produto final e os ingredientes, por outro lado, tem um custo variável”, comenta.

De acordo com Vieira, uma coisa básica que é preciso entender na nutrição é que quanto mais próximo é a proteína que se come daquela do corpo, mais bem faz. “Ou seja, é bem difícil fazer uma criança vegana crescer igual uma criança que come proteína animal”, exemplifica.

Dois pontos destacados pelo professor sobre a formulação de rações é que é preciso se livrar dos dogmas e utilizar aminoácidos essenciais. “A gente tem o material sintético, que é barato, e muitas vezes não conseguimos usar por conta dos dogmas que temos sobre isso. Um deles é quanto a proteína bruta. É algo que foi inventado há mais de 100 anos porque naquela época não tinha como fazer análise de outra forma. Hoje temos, então porque eu vou formular com algo que não significa nada para mim, que causa prejuízo?”, questiona.

O segundo ponto é quando a utilização dos aminoácidos essenciais. “Posso usar para ajudar na nutrição ideal ou olhar os não essenciais. Na primeira semana os animais estão demandando mais aminoácidos não essenciais do que outros animais. E damos para eles? Não” A gente faz de conta que não vê”, alerta.

Vieira diz que esta área sempre vai produzindo oportunidades, é sempre dinâmico. De acordo com ele, animais de criação tem sofrido melhoramento genético tradicional a bastante tempo e tem uma velocidade de crescimento e potencial que se modifica ano após anos. “Há modificação na estrutura corporal e o que acontece e que nunca muda é que tem que fazer conta. Número biológico dos animais é bonito somente para a pesquisa. É preciso fazer conta para saber se em uma operação estamos ganhando dois centavos ou perdendo três centavos. Para sabermos se no fim do dia vamos poder pagar a folha do pagamento ou não”, avisa.

Para o professor, existe muitas oportunidades que podem ser aproveitadas. “Em primeiro lugar reconhecer que não existe uma resposta única. Os animais têm respostas eu vou crescer ou diminuir de acordo com o que vão consumidor”, afirma. Outra coisa apontada por ele é a necessidade de voltar a usar aminoácidos sintéticos. “Houve uma redução da utilização há uns cinco anos, mas temos que voltar a utilizar isso”, diz. O último ponto é quanto a importância da utilização das tecnologias. “As tecnologias aumentaram bastante nos últimos anos, baixou o preço. Temos que usar”, comenta.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. Marlon Nangi dos Santos

    19 de novembro de 2019 em 10:57

    Vale muito este tipo de visão, para buscar ainda melhores resultados na criação do animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × um =

Avicultura Saúde Animal

A importância da limpeza de tubulação na manutenção da qualidade microbiológica da água

Uso da água de qualidade duvidosa pode interferir nos índices zootécnicos e na disseminação de enfermidades

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito pela Equipe técnica da Theseo

A água é o nutriente essencial mais importante na produção animal, exercendo papel fundamental na digestão, absorção e transporte de nutrientes, excreção de metabólitos, regulação da temperatura corporal, além de inúmeras outras funções indispensáveis à saúde e aos índices produtivos dos animais.

A qualidade da água é de fundamental importância porque, além de servir como nutriente essencial às aves, também é utilizada na higienização das instalações, na melhoria das condições térmicas e ambientais dentro das instalações e como veículo de vacinas, medicamentos e nutrientes, devendo a água possuir condições físicas, químicas e microbiológicas adequadas. No entanto, a sua importância ainda é subestimada e na maioria das vezes esquecida pelos produtores e técnicos.

O uso da água de qualidade duvidosa pode interferir nos índices zootécnicos e na disseminação de enfermidades, provocando graves prejuízos econômicos, além de carrear agentes patogênicos de doenças de interesse em saúde pública.

Biofilmes e qualidade microbiológica da água

Com o uso intensivo e contínuo das instalações, pode ocorrer acúmulo de matéria orgânica, resíduos minerais e sujidades dentro das linhas de fornecimento de água, gerando um ambiente favorável para os microrganismos se desenvolverem ou manterem-se viáveis formando o biofilme. Os biofilmes são geralmente constituídos por diferentes espécies de microrganismos e formam-se sobre uma grande variedade de superfícies não estéreis que estejam expostas à água ou outros líquidos também não estéreis. Muitos trabalhos de pesquisa mostram que microrganismos aderidos a biofilmes podem tornar-se de duas a 3 mil vezes mais resistentes à ação dos mais diversos desinfetantes utilizados na desinfecção de superfícies e de líquidos. Esta maior resistência se dá exatamente pela presença da matriz polissacarídica (ou glicocálice) que envolve o agrupamento microbiano do biofilme. Além disso, bactérias presentes nos biofilmes são mais refratárias a antibióticos e são parcialmente imunes à ação de células fagocitárias. As bactérias mais comuns em biofilmes superficiais são: Salmonella spp., Pseudomonas, Staphylococcus, E. coli. e Yersinia enterocolitica.

A utilização de acidificantes e promotores que contenham vitaminas, açúcares e minerais, também pode criar um ambiente favorável ao desenvolvimento do biofilme em sistemas fechados de distribuição de água. Além do acúmulo de matéria orgânica, em locais onde a água apresenta altas concentrações de sais, pode haver deposição de resíduos minerais nas tubulações. Essa deposição resulta em incrustações na tubulação, que fornecem substrato ideal à formação do biofilme, podendo também reduzir o fluxo de água e danificar ou prejudicar o funcionamento de niples e chupetas, além de poderem interferir na eficácia de medicamentos e vacinas administrados via água de bebida.

Limpeza de tubulação

Pesquisadores entendem que a contaminação da água pode ocorrer após sua chegada na granja, caso caixas d’água e canos estejam contaminados. A qualidade da água pode ser perdida quando há acúmulo de resíduos minerais e microrganismos presentes nas tubulações.

Sendo assim, a adoção de programas regulares de limpeza e desinfecção das linhas de distribuição de água é medida fundamental, recomendando-se que seja realizada a cada saída de lote.

Utilizar somente solução hiperclorada para a limpeza das tubulações não é uma boa opção porque isto não representa um limpador efetivo, além de poder danificar os reguladores de pressão de água e bebedouros. A utilização de alto fluxo e alta pressão de água nos sistemas também não é suficiente para remover biofilmes já estabelecidos.

Para remoção eficaz de biofilmes e incrustações na tubulação deve-se empregar tratamentos químicos com detergentes alcalinos clorados combinados com a aplicação de detergentes ácidos, além de sanitizantes oxidantes com ação biocida, como o ácido peracético, já que estes apresentam maior poder de penetração no biofilme.

Na escolha do produto é imprescindível optar por aqueles que garantam a remoção completa do biofilme, pois uma remoção incompleta irá permitir um rápido regresso ao seu estado de equilíbrio, causando um novo aumento nas contagens totais após uma desinfecção. É importante também optar por produtos que solubilizem as sujidades, evitando a liberação de “placas”, pois estas podem obstruir niples, chupetas e danificar os sistemas de regulação de pressão. Outra recomendação importante é que os detergentes utilizados para este fim sejam, de preferência, não espumantes, visando facilitar e garantir a remoção total do produto no enxague, evitando que haja resíduos no final do processo.

Conclusão

A manutenção do fornecimento de água de boa qualidade para as granjas é de fundamental importância para o programa de sanidade animal. Incondicionalmente, a manutenção da qualidade da água depende, entre outros fatores igualmente importantes, de uma eficaz limpeza e sanitização do sistema de distribuição de água nas instalações, garantindo a mitigação de riscos, além da biosseguridade e produtividade nos sistemas de criação.

Outras notícias você encontra ma edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

Exportações de carne de frango acumulam alta de 2% de janeiro a novembro

Receita cambial alcançou US$ 6,358 bilhões, 6,1% acima do realizado no mesmo período de 2018

Publicado em

em

Divulgação

Levantamentos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) mostram que as exportações brasileiras de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e industrializados) alcançaram 332 mil toneladas em novembro, volume 3,1% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram embarcadas 321,9 mil toneladas.

A receita cambial das vendas de novembro alcançou US$ 537,5 milhões, 2,1% acima do registrado no décimo primeiro mês de 2018, com US$ 526,7 milhões.

No ano, as exportações de carne de frango acumulam alta de 2%, com total de 3,822 milhões de toneladas embarcadas entre janeiro e novembro de 2019, contra 3,748 milhões de toneladas efetivadas no mesmo período do ano passado.

Com isto, a receita cambial alcançou US$ 6,358 bilhões, 6,1% acima do realizado no mesmo período de 2018, com US$ 5,990.

“Assim como nas vendas de carne suína, o quadro sanitário da Ásia também tem gerado impactos significativos nas exportações de carne de frango.  Em novembro, a elevação dos embarques para a China foi 61% maior, na comparação com o ano anterior.  Mesmo com novos players no mercado, a demanda chinesa continuará a ser um dos motores do mercado internacional do próximo ano”, analisa Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Nutrição

A importância da suplementação de microminerais orgânicos em galinhas poedeiras

Uso de fontes orgânicas é uma ferramenta eficaz para apoiar o crescimento ideal e a produção de ovos das aves

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Mónica Florez, Biochem Zusatzstoffe Handels- und Produktionsges. mbH Lohne (Oldenburg) – Alemanha

A carne de frango e os ovos representam uma importante fonte de proteína animal na América Latina. Embora o ovo seja considerado uma fonte de proteína econômica, devemos ter em mente que as cepas de animais de alto desempenho são muito sensíveis à concentração e qualidade de cada nutriente dietético. Os microminerais fazem parte dos nutrientes que afetam a produtividade, a saúde e a reprodução.

Os microminerais intervêm no metabolismo dos animais como catalisadores e são agentes presentes em várias reações metabólicas. Elas são, portanto, essenciais para o crescimento, desenvolvimento, suporte do sistema imunológico e produção em outros processos.

Nas galinhas poedeiras existem outros fatores que afetam a saúde, a produtividade e a persistência na postura, que por sua vez afetam diretamente a rentabilidade das granjas avícolas. Dentro desta ligação, os microminerais são de vital importância, pois estão envolvidos na formação da casca do ovo e, consequentemente, na sua qualidade e estabilidade. Por exemplo, o manganês e o zinco são cofatores de enzimas envolvidas na síntese de mucopolissacarídeos e carbonatos, dois componentes ativos da casca que são essenciais para sua formação e qualidade. O cobre, por sua vez, atua na maturação das hemácias no sangue e induz uma resposta da glândula hipófise, e sua deficiência diminui o número e a sensibilidade dos receptores GnRH e, portanto, a reprodução. Em criadores, os microminerais influenciam o desenvolvimento da progênie, influenciando o desenvolvimento embrionário, a porcentagem de nascimentos e a formação óssea.

Minerais orgânicos

As fontes orgânicas são cada vez mais utilizadas na produção de aves de capoeira, no entanto, estas fontes podem diferir na sua eficácia; dependendo da ligação utilizada, do processo de fabrico e da relação metal-metal: ligação e do grau de quelação.

Vários estudos têm demonstrado que os compostos quelatados de Zn, Mn, Cu e Fe têm maior biodisponibilidade do que as fontes inorgânicas, como sulfatos ou sais de óxido. Como é sabido, esta maior disponibilidade influencia positivamente o desempenho do animal e permite reduzir a excreção de minerais para o ambiente.

Efeitos nas galinhas poedeiras

Vários estudos científicos e de campo demonstraram a melhoria dos parâmetros de produção das galinhas poedeiras. Este teste de campo foi realizado numa exploração comercial na Bulgária, com 52.733 galinhas entre 19 e 55 semanas de idade. O objetivo foi comparar o efeito dos minerais orgânicos (na suplementação superior de uma pré-mistura mineral orgânica com glicinatos; Cu 10, Zn 30 e Mn 30 mg /kg) com um grupo-controle (53.121 animais, dados históricos da fazenda e fornecimento de uma pré-mistura inorgânica; Cu 8, Zn 60 e Mn 100 mg /kg) sobre o peso vivo em 49 semanas, número de ovos quebrados e rachados (total e com 55 semanas de idade) e mortalidade.

Conclusão

Tendo em mente a importância dos microminerais em múltiplos parâmetros fisiológicos e produtivos, o uso de fontes orgânicas é uma ferramenta eficaz para apoiar o crescimento ideal e a produção de ovos das aves, especialmente em momentos críticos de aumento das necessidades.

Outras notícias você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.