Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Manejo da leitegada é peça-chave para sucesso da suinocultura

Resultados da granja são impactados diretamente pelo manejo nas fases de maternidade e creche, onde a incidência de enfermidades como a Doença do Edema é preponderante

Publicado em

em

Foto: Assessoria

Grande parte das doenças que impactam diretamente os resultados da suinocultura mundial ocorrem mais especificamente nas fases de maternidade e creche. Dentre estas doenças está a Doença do Edema (DE).

Também conhecida como Colibacilose Enterotoxêmica, a doença é uma toxi-infecção associada à grande presença de cepas patogênicas da bactéria Escherichia coli no intestino delgado dos animais acometidos.

“A bactéria E.coli é habitante natural do intestino dos suínos, mas sob determinadas circunstâncias as cepas patogênicas da bactéria se multiplicam mais facilmente e produzem substâncias biologicamente ativas como a Verotoxina-2e (VT2e), uma enterotoxina. A disseminação sistêmica da VT2e acontece devido à alta vascularização do tecido intestinal e o aumento da permeabilidade decorrente da presença da toxina, promovendo o extravasamento de líquido que gera os edemas subcutâneos”, explica Pedro Filsner, médico-veterinário gerente da linha de suínos da Ceva Saúde Animal.

Os principais sinais da DE são apatia, incoordenação motora e edema de face, incluindo o inchaço das pálpebras. Em uma fase mais avançada da doença podem ocorrer tremores, paralisia, convulsões e movimentos de pedalagem. Em infecções agudas os animais podem ir a óbito antes mesmo de apresentar sintomas clínicos, o que dificulta um maior controle sobre a doença.

A doença apresenta um alto índice de letalidade, com surgimento abrupto e de rápido desenvolvimento, afetando leitões entre 4 e 15 dias de vida, sobretudo acometendo animais entre 30 e 90 dias de idade. Em alguns casos, os surtos da doença nas granjas acabam comprometendo quase 100% do plantel, gerando importantes prejuízos para toda a cadeia produtiva. A recuperação dos animais  se dá  de maneira muito particular, comumente  tornando-se refugos.

“O suinocultor precisa estar atento, já que muitos dos sinais clínicos da DE podem ser confundidos com quadros de deficiência de vitamina E, meningite estreptocócica , intoxicação por sal ou por inseticidas à base de arsênico. O diagnóstico diferencial ajuda a dar clareza sobre quais atitudes precisam ser tomadas na granja, referente ao manejo sanitário dos do rebanho, para que o problema, independente de qual seja, não se prolifere e atinja outros lotes”, Pedro comenta.

Via de regra o diagnóstico diferencial da DE é realizado post mortem, por meio da observação de alterações características na face, abdômen, parede do estômago e cólon do animal. Tais achados, juntamente com o histórico clínico do leitão e diagnósticos laboratoriais como PCR para a identificação de cepas de E. Coli produtoras da Verotoxina-2e  são de grande importância para uma melhor adequação de manejo.

Granjas que tenham registrado casos de DE podem recorrer à adição de óxido de zinco na água ou alimentação dos animais, com o objetivo de inibir a produção das toxinas pela bactéria e auxiliar na manutenção da estabilidade das membranas celulares do trato gastrointestinal.

A prevenção da Doença do Edema por meio da vacinação vem ganhando espaço, mas o manejo ambiental ainda é primordial para combater o surgimento de casos novos. Ações que reduzem o impacto da mudança de ambiente no momento da desmama dos leitões, assim como promover gradualmente a mudança de dieta da leitegada reduzem a queda de imunidade dos leitões. Pontos como reforçar a higienização de baias, respeitar o vazio sanitário na troca de lotes, evitar o estresse térmico dos leitões e promover uma adequada separação dos lotes também devem ser reforçados.

“Na suinocultura, o manejo adequado faz toda a diferença, principalmente para os leitões. Diversos estudos já apontaram que os cuidados com a saúde e o bem-estar dos leitões interferem positivamente na produtividade da granja, principalmente na qualidade da proteína suína produzida. Ciente disso, a indústria busca trazer cada vez mais soluções que promovam a saúde e o bem-estar dos animais, auxiliando o produtor no processo de construção de uma cadeia produtiva mais rentável e competitiva”, finaliza.

Fonte: Assessoria

Empresas Nuproxa

Empresa suíça de aditivos naturais se lança ao mercado durante o SIAVS 2024, que acontece entre os dias 6 e 8 de agosto em São Paulo.

Publicado em

em

Homero Borin, vice-presidente do Grupo Nuproxa para a América Latina

Presente no mercado latino-americano desde 2007, o Grupo Nuproxa escolhe o evento SIAVS 2024, que acontece no Distrito Anhembi, em São Paulo, de 6 a 8 agosto, para apresentar a sua marca e seu portfólio ao Brasil. Com soluções inovadoras, já reconhecidas na Europa e em outros países da América Latina por sua eficácia e qualidade, que extraem o melhor da natureza e transformam em tecnologia de nutrição para o bem-estar e saúde animal.

Em território brasileiro, o local escolhido para sua sede foi Itajaí, Santa Catarina, estrategicamente pensado para apoiar uma rede de distribuição abrangendo todo o país, uma vez que a região tem força na produção de suínos e aves. A Nuproxa Brasil conta com uma equipe técnica comercial e um time de especialistas em nutrição e saúde para aves, suínos, ruminantes, animais de companhia e aquicultura, prontos para oferecer suporte completo aos seus clientes.

Com um investimento previsto de 22% de seu market share em novos mercados, a empresa pretende tornar o mercado brasileiro um dos mais importantes do grupo nos próximos anos.

Homero Borin, vice-presidente do Grupo Nuproxa para a América Latina, destaca a importância dessa expansão. “O Brasil sempre fez parte dos nossos planos de crescimento, pois é um mercado extremamente importante para a expansão de nossos negócios. Além disso, sempre realizamos testes científicos com instituições brasileiras de prestígio para confirmar a eficácia de nossos produtos. Com a adição de novos produtos ao nosso portfólio e a expansão de nossa equipe técnica, estamos prontos para estrear no país”, afirma Borin.

Entre os destaques da Nuproxa estão o suporte técnico especializado e os produtos inovadores e sustentáveis, desenvolvidos para clientes que buscam maximizar os resultados e manter alta lucratividade em suas operações, atendendo à demanda global.

“Nossos produtos, que já são sucesso em toda a América Latina, agora estão disponíveis no Brasil com foco principal na produção de aves e suínos, além de uma linha inovadora de produtos para aquicultura. Os produtos da Nuproxa são naturais e altamente testados, oferecendo máximo retorno econômico e desempenho superior de produção, alinhados com conceitos de sustentabilidade e bem-estar animal. Além disso, a Nuproxa tem um rigoroso programa de segurança alimentar, qualidade e regulamentação para garantir a integridade de nossos produtos, seguindo os mais altos padrões estabelecidos pela certificação FAMI-QS”, diz Jonivan Paloschi, Diretor Comercial para a Nuproxa Brasil.  

Até 2021, a Nuproxa operava no Brasil de forma indireta, por meio de um distribuidor local, oferecendo uma gama reduzida de produtos. No entanto, dada a importância do país na produção animal global e o crescimento de sua linha de produtos, a empresa suíça entra no país com força total. A meta da Nuproxa Brasil é ter sua linha completa de produtos disponível no mercado brasileiro nos próximos anos.

 

Serviço

Nuproxa Brasil

Stand SIAVS n° 103

SIAVS 2024, de 6 a 8 de agosto

Distrito Anhembi, São Paulo/SP

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Dia 8 de agosto

Agroceres Multimix realiza agCast ao vivo durante o SIAVS 2024

Ação reunirá especialistas como Luiz Felipe Caron, Ricardo Rauber e Fernanda Almeida e tem como objetivo levar conhecimento prático e científico ao setor.

Publicado em

em

Professor Luiz Felipe Caron, é uma das presenças confirmadas no AG CAST – Foto: O Presente Rural

No dia 8 de agosto, durante o SIAVS, a Agroceres Multimix reforça seu compromisso de levar informações de qualidade ao setor por meio do agCast. Na oportunidade, a empresa reunirá em seu estande renomados especialistas para debater a fundo temas essenciais para a produção de proteína animal.

A ação será transmitida ao vivo, pelo canal oficial da Agroceres Multimix no YouTube, permitindo que profissionais do setor acompanhem as discussões e insights.

A programação do agCast terá início às 9h30, com foco em avicultura, quando estratégias para escolha de aditivos voltados para a saúde intestinal nortearão as conversas.

O professor Luiz Felipe Caron, o consultor Ricardo Rauber e a gerente de serviços técnicos na Agroceres Multimix, Patricia Marchizeli, debaterão temas como o uso de biomarcadores para compreender os mecanismos de ação dos aditivos e a definição de protocolos eficazes adaptados às necessidades dos produtores.

Na sequência, às 11h30, o conceito de imunonutrição e os desafios das matrizes hiperprolíficas na suinocultura serão o foco da troca de experiências entre a professora e pesquisadora Fernanda Almeida e o gerente de serviços técnicos na Agroceres Multimix, Francisco Alves Pereira.

Os participantes abordarão como a pesquisa está enfrentando os desafios para melhorar a uniformidade e viabilidade da leitegada, além do papel da imunonutrição no desempenho produtivo e morfológico dos leitões.

Para acompanhar o agCast, basta se inscrever no canal do YouTube da Agroceres Multimix (Clique aqui).

Fonte: Assessoria Agroceres Multimix
Continue Lendo

Empresas

Saiba como os aminoácidos podem auxiliar na criação de suínos

AminoGut®, solução da Ajinomoto do Brasil, é excelente estratégia nutricional para o desenvolvimento saudável dos animais 

Publicado em

em

Divulgação Ajinomoto

O AminoGut®, solução voltada para a área de Nutrição Animal, presente no portfólio da Ajinomoto do Brasil, empresa referência em aminoácidos, tem sido utilizado como ferramenta estratégica na nutrição dos suínos. Composto por aminoácidos essenciais na forma livre, o produto é desenvolvido e produzido no Brasil, e exportado para diversos países.

Os componentes presentes na formulação do AminoGut® atuam no intestino dos animais, sendo utilizados no metabolismo de energia das células de rápida multiplicação e renovação, como os enterócitos (células cuja função é a de realizar a digestão dos alimentos e a absorção de nutrientes) e as células do sistema imunológico (responsáveis pela defesa e proteção do organismo), contribuindo assim para a manutenção da morfologia, integridade e saúde intestinal.

Os suínos passam por diversos períodos de desafios durante a sua produção. Por exemplo, no período de desmame o estresse dos animais é muito intenso, pois o leitão é separado de sua mãe, a sua dieta (leite) é modificada drasticamente para a ração e é neste momento em que os leitões de diferentes ninhadas são agrupados em um único ambiente, ocasionando uma reorganização social com conflitos de hierarquia dentro deste novo grupo. Estes estresses ambientais, nutricionais e sociais resultam em alterações significativas na microbiologia, fisiologia e imunologia do trato digestivo dos leitões.

Em situações de estresse ou desafio sanitário, a demanda dos aminoácidos aumenta e um aporte nutricional adequado de aminoácidos essenciais e, também, de aminoácidos condicionalmente essenciais (cuja síntese endógena é insuficiente para atender as necessidades do organismo, em condições específicas), deve ser realizado.

“Com sólida base científica, o AminoGut®, produto de tecnologia e composição únicas para a nutrição animal, possui importância estratégica para se obter o melhor desempenho zootécnico, fornecendo aminoácidos essenciais aos animais submetidos às condições de estresse, como, por exemplo, o período de desmame dos leitões”, destaca Edgar Ishikawa, diretor da Divisão Bio & Fine Chemicals, responsável pelos negócios de Nutrição Animal da Ajinomoto do Brasil.

“No desmame e dias após este evento, os sistemas digestivos e imunológicos dos leitões ainda não estão plenamente maduros e funcionais, limitando sua capacidade digestiva e sua resposta imunológica frente aos desafios. A suplementação do AminoGut® nas rações, devidamente balanceadas e de alta digestibilidade, se torna necessária para se obter o melhor desempenho zootécnico e para que os leitões, de forma resiliente, transponham os desafios do período de desmame”, reforça o executivo.

Testes realizados em granjas comerciais no Brasil e no exterior comprovam que o uso do AminoGut® resulta em um significativo aumento de peso dos leitões na saída da creche que, por consequência, proporciona menos dias para atingir o peso de abate dentro do ciclo produtivo. “Em outros termos, há melhor desempenho zootécnico e maior retorno econômico ao produtor”, finaliza Edgar Ishikawa

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.