Conectado com
LINKE

Avicultura Se sentindo em casa

Lar se torna a quarta potência da avicultura brasileira

Com incorporações de mais duas plantas industriais, cooperativa paranaense passa a abater quase 1 milhão de aves por dia, ficando atrás apenas de BRF, JBS e Aurora

Publicado em

em

Divulgação/Lar

A Lar Cooperativa Agroindustrial deu passos ousados em 2020. Assumiu duas novas plataformas industriais de abate e processamento de aves, uma em Rolândia, no Noroeste do Paraná, distante a 450 quilômetros de sua sede, que fica em Medianeira, Oeste do Estado, e outra em Marechal Cândido Rondon, a 120 quilômetros de sua sede. Somadas com as indústrias de Matelândia e Cascavel, ambas também no Oeste paranaense, a Lar passa a abater 925 mil frangos por dia, se tornando a quarta maior potência da avicultura brasileira, atrás apenas de BRF, JBS e Aurora. E os planos de expansão não param por aí.

A mais recente aquisição foi o frigorífico de aves da Copagril, cooperativa de Marechal Cândido Rondon que, assim como a Lar, faz parte da Central Frimesa – que reúne ainda C.Vale, Copacol e Primato. As cooperativas produzem suínos e leite que são dirigidos para a Frimesa, que processa e vende para o mundo. Na avicultura é diferente. Cada cooperativa, exceto a Primato, tem seus frigoríficos de aves e produtores rurais integrados. O que a Lar fez agora foi assumir o frigorífico da Copagril, que estava com a capacidade de produção estagnada em 170 mil aves por dia, cinco dias por semana, há vários anos.

Com a demanda reprimida na região de Rondon, ou seja, avicultores querendo ampliar ou entrar na atividade, a Lar observou a oportunidade, diante de possíveis dificuldades na administração do setor avícola da cooperativa rondonense.

A Lar Cooperativa Agroindustrial assumiu as operações da planta em Marechal Rondon em 04 de janeiro. Além disso, a transação de R$ 410 milhões incluiu a compra da fábrica de rações da Copagril, em Entre Rios do Oeste, e toda a frota logística, como caminhões e carros para assistência técnica, máquinas, equipamentos, móveis, utensílios e contratos de produção avícola com parceiros integrados. A negociação foi finalizada em novembro do ano passado depois de mais de um ano de conversas entre as partes. A aquisição de ativos da Copagril pela Lar foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), conforme publicado no Diário Oficial da União no dia 29 de dezembro de 2020.

A transmissão de comando do setor avícola da Copagril para a Lar contou com a presença dos presidentes da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, e da Copagril, Ricardo Silvio Chapla, diretores das duas cooperativas, prefeitos e lideranças. O evento foi restrito a poucas pessoas devido às normas de prevenção à Covid-19.

 Em entrevista exclusiva ao jornal O Presente Rural, o presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, destaca que em pouco mais de 20 anos, a avicultura mudou os rumos da cooperativa e da região Oeste do Paraná, demonstra ousadia para ampliar ainda mais o número de abates neste ano e ultrapassar 1 milhão de abates diários em 2022.

“Desde que assumi a gestão da Lar sempre me preocupei em buscar oportunidades de renda para os pequenos produtores rurais, tendo em vista que sou filho de pequenos produtores, meus irmãos são pequenos produtores, e conheço bem essa luta do pequeno produtor que precisa de renda para ter mais qualidade de vida.

Tentamos novas atividades como ampliar a suinocultura, atividade leiteira, ovos de postura comercial (no passado era um volume muito tímido), e também fomos industrializar mandioca e produzir hortigranjeiros. Quando implantamos o projeto de frangos vimos que a vocação natural do nosso produtor é a agricultura, e a diversificação que eles gostam para ter mais renda não temos dúvida que é a pecuária. Suínos, ovos, leite e frango, sendo que frango de corte foi o que apaixonou a todos, uma atividade de ciclo rápido e que converte ração em carne, proporcionando maior agregação de valor.

Nossa região era exportadora de soja e milho, e hoje é importadora de grãos para produzir mais rações. O que gera muito mais valor para a região, gera mais impostos para o Estado e municípios, além de gerar muito emprego. Na avicultura, para cada emprego gerado em indústria de frango, gera-se outros 17 empregos indiretos. Uma atividade que traz uma riqueza muito grande para a região”, cita o presidente.

Além da aquisição, a Lar vai investir R$ 60 milhões nas plantas industriais de abate e de rações. “Existe aqui um represamento de pessoas que querem produzir mais frango, como também produtores que desejam entrar na atividade e a Lar tem essa capacidade imediata de produzir mais frango sem ampliar. Com alguns investimentos nesta planta nós vamos poder abater mais, aos sábados, e elevar em pelo menos 20% a capacidade do frigorífico. Para isso, Rodrigues diz que deve investir R$ 20 milhões para resolver o problema de escassez de água na indústria. “O projeto para a captação de água está pronto e aprovado pelos órgãos ambientais. Estamos colocando em prática”, destaca. De acordo com Rodrigues, parte do abastecimento de água da indústria era feita por caminhões, com pouca eficiência e altos custos. “Vamos eliminar o problema da falta de água e ampliar a produção”, projeta. “Com isso, vamos gerar mais 400 postos de trabalho”, destaca. Atualmente, a Lar abate 155 mil frangos por dia na planta de Rondon. A redução do abate, de acordo com Rodrigues, é para ajustar-se ao mercado e ter mais lucratividade, mas é momentânea.

Para ampliar a produção em Rondon, até o fim deste ano a Lar vai precisar de 50 novos aviários. “Atualmente estamos abatendo 155 mil aves/dia, uma redução para se obter a melhor rentabilidade da indústria. Temos alguns gargalos pequenos para equacionar e retomar a capacidade. A capacidade plena de abate desta planta é 175 mil aves/dia, o planejamento para 2021 é abater aos sábados no segundo semestre, o que já representará uma ampliação de abate na ordem de 18%, que consequentemente ampliará o número de empregos em aproximadamente 400 novas vagas. Esta planta tem atualmente 386 aviários integrados no sistema. Para atender a demanda deste ano vamos precisar de mais 50 aviários”, menciona o presidente.

Em quatro anos, o abate da planta pode ser duplicado, para quase 350 mil frangos ao dia. “A Lar tem investimentos sendo feitos nas plantas de abate de Matelândia e Cascavel e estudos de ampliar a planta de Marechal Cândido Rondon, onde temos possibilidade de oportunizar mais aviários, possibilitando até 2024 dobrar a integração dentro do projeto se houver produtores interessados na atividade”, acentua o cooperativista.

Rodrigues disse que a intenção é fazer isso no curto prazo. “Se eventualmente houver frango em excesso aqui, no começo podemos abater em Cascavel ou Matelândia até ampliar aqui. É um pouco da história do ovo e da galinha, o que vem primeiro? Não adianta aumentar a capacidade da planta se ainda não tem frango no campo, então a produção de frango é a primeira a começar para a partir de então ampliar a indústria”, pondera.

Fábrica de rações

Outros R$ 40 milhões serão destinados para a fábrica de rações em Entre Rios do Oeste para acabar com o problema da escassez de ração entre produtores. A indústria passou a ser dedicada, ou seja, exclusiva para produzir ração para frango, atendendo os mais modernos princípios de segurança sanitária. Duas peletizadoras serão instaladas para produzir a ração peletizada. Antes da compra, a indústria produzia somente ração farelada. “A ração peletizada dá mais eficiência na conversão alimentar. Vamos colocar duas peletizadoras importadas em Entre Rios do Oeste para no curto prazo termos a farelada e a peletizada também”, detalhou, informando que os equipamentos seriam entregues em Medianeira, onde a empresa investe mais R$ 350 milhões em um complexo (veja mais abaixo), mas haverá remanejamento para Entre Rios do Oeste.

Parte do investimento vai ser para ampliar a capacidade energética da planta. “É algo que já vem sendo trabalhado e nos parece que pelo mês de abril ou maio a subestação estaria reforçada. Aí, cabe à Lar puxar uma linha com maior potência para poder rodar essa indústria. Nossa expectativa é de que em torno de meio ano possamos ter essa indústria em condições de produzir mais ração”, pontua.

Rolândia

Em Rolândia, o arrendamento para operar o complexo industrial da Frango Granjeiro aconteceu em agosto de 2020. O contrato prevê compromisso futuro de compra e incorporação da frota de veículos leves e pesados da empresa. O frigorífico passou a operar com 1,9 mil empregos diretos – 320 funcionários novos, e capacidade de abate em 175 aves/dia. Uma fábrica de rações com capacidade de produzir 19 mil toneladas/mês e uma unidade de recepção e beneficiamento de grãos com capacidade de 16,8 mil toneladas também entraram no negócio.

A Lar assumiu ainda 317 aviários, envolvendo 270 avicultores, em 41 municípios na região Noroeste, e até o fim do ano vai precisar aumentar em 50 aviários para começar, também, a produzir aos sábados. “Em Matelândia abatemos sete dias por semana. Em Cascavel já abatemos em seis dias e queremos chegar ao sétimo. Além de Marechal, também em Rolândia vamos buscar os seis dias e vamos precisar de mais 50 aviários”, destaca o cooperativista.

A localização da indústria é estratégica para a cooperativa, pois está a 15 quilômetros da ferrovia, o que reduz o custo de transporte em direção ao Porto de Paranaguá. A unidade também viabilizou o atendimento mais agudo ao mercado do Norte do Paraná e cidades do interior de São Paulo. Atualmente a Lar tem quase 2,5 mil aviários de corte localizados no Oeste e Noroeste do Paraná para atender suas quatro indústrias.

Cobrança

Na entrevista exclusiva, Rodrigues destacou que a região Oeste precisa cobrar investimentos do setor público, como estradas e acesso à energia. “Queremos ter mais unidades para produzir ovos férteis, serão construídos mais aviários, abatidas mais aves, o que vai gerar mais empregos, aumentar o faturamento e arrecadar mais impostos. Devemos concluir o ano abatendo 980 mil aves/dia, e em 2022 nosso abate deverá superar 1 milhão de aves/dia. Mas para isso é preciso cobrar das autoridades investimentos na região, para que não só a lar, mas toda os setores produtivos se tornem mais competitivos”, acentua. “A Lar deu passos decisivos nos últimos dois anos e isto estava previsto no nosso planejamento estratégico. Nos dois próximos anos o foco estará em extrair o melhor resultado. É claro que, sem perder a qualidade do atendimento aos nossos associados, agora com integrados de frangos de corte ampliados e com uma relação muito próxima com nosso quadro de funcionários e com as lideranças regionais. O Oeste do Paraná precisa ser melhor reconhecido e receber obras estruturantes na região, como por exemplo energia trifásica e rodovias estaduais com acostamento e terceiras pistas. Inclusive em parceria com os prefeitos precisamos sensibilizar o Governo do Estado e a Itaipu Binacional, pois as estradas municipais precisam de mais estrutura em função da produção que está ampliando muito, consequentemente um trânsito de caminhões que está ficando mais intenso. Precisamos também trabalhar com os prefeitos para que eles possam dar um incentivo aos produtores que queiram ampliar as suas atividades pecuárias, não apenas para integrados da Lar, pois todos precisam de estradas”, acentua.

R$ 350 milhões

A Lar também está investindo pesado em Medianeira, onde fica a sua sede. A obra, que iniciou ano passado e termina em 2024, contemplará três modernas indústrias de rações (matrizes/ frangos de corte/premix vitaminados), recepção e secagem de grãos, além de um posto de combustíveis. O projeto está sendo construído às margens da BR-277, em terreno de 26 hectares. Serão mais de 50 mil metros quadrados de área construída. O novo complexo industrial irá gerar 450 empregos diretos e contribuir para o suprimento da expansão pecuária da Lar. Com o investimento, passará das atuais cinco fábricas de rações para oito.

Outras atividades

A Lar também tem várias outras atividades. A produção própria de leitões da Lar começou em 1988, com a criação da primeira Unidade Produtora de Matrizes. Hoje, são 30 mil matrizes que geram cerca de 700 mil leitões por ano. Os animais são destinados para abate na Central Frimesa. O sistema de produção de ovos Lar entrega 27 milhões de ovos por mês ao mercado interno, com a participação de aproximadamente 100 produtores. Já no leite, são mais de 60 mil litros todos os dias, com a industrialização também apoiada na Central Frimesa.

Em Mato Grosso do Sul, a Lar tem mais de 20 unidades de recebimento de grãos. Além disso, atua no Paraguai, recebendo e beneficiando grãos há 25 anos.

09/09/99

“Começamos abatendo 70 mil aves por dia em 09 do 09 (setembro) de 1999. Hoje somos a quarta maior do Brasil, estamos presentes em 81 países”, orgulha-se Irineo da Costa Rodrigues.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de janeiro/fevereiro de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × cinco =

Avicultura Inspiração

De professora aos 14 anos a CEO da Seara e mentora de novas líderes

Joanita Maestri Karoleski passou por duas diretorias e foi CEO da Seara e agora encabeça projetos importantes da JBS, como o Fazer o Bem Faz Bem e o Fundo JBS pela Amazônia

Publicado em

em

Divulgação

Joanita Maestri Karoleski é o tipo de mulher que está no agro e inspira muitas outras. Líder nata, ela já foi CEO da Seara e hoje ocupa o cargo de presidente do Fundo JBS pela Amazônia. Nascida e criada na pequena cidade de Botuverá, no Leste de Santa Catarina, Joanita começou a trabalhar cedo, ainda com 14 anos, como professora substituta. “Uma professora da minha escola teve que sair de licença e como eu era uma das mulheres alunas o inspetor me convidou para substituí-la por um ano. Aceitei o desafio e dei aulas para estudantes da primeira à quarta série, todos na mesma sala, à maneira como funcionam muitas escolas no interior”, recorda.

Ela conta que apesar dessa primeira experiência em educação, decidiu seguir uma carreira técnica e se formou em Ciências da Computação e Informática pela Universidade de Blumenau. “Talvez pela minha paixão de compartilhar conhecimento e de ajudar a desenvolver pessoas, logo no início da minha carreira identificaram em mim a capacidade de liderar”, afirma. Joanita começou na Bunge, onde trabalhou por 34 anos. “Em 2013 o Gilberto Tomazoni, hoje CEO global da JBS e com quem eu trabalhei na Bunge, me convidou para a equipe da Seara. Cheguei como diretora de Supply Chain, passei pela Diretoria Comercial de Mercado Interno e, em 2015, tornei-me CEO, cargo que ocupei até o início do ano passado”, informa.

Segundo Joanita, a decisão de deixar a posição de CEO foi para se dedicar a antigos sonhos. “Deixei o cargo com a sensação de missão cumprida e orgulho das conquistas do time que tive a honra de liderar”, conta. De acordo com ela, a escolha de se aposentar da Seara veio porque sempre teve vontade de trabalhar com projetos sociais. “Cresci muito próxima da minha avó paterna, pessoa capaz de tirar o próprio casaco para dar a alguém que precisasse. Acredite, não é modo de falar, eu presenciei essa cena. Acho que essa influência também explica meu interesse em ajudar as pessoas a se desenvolver. Após cinco anos intensos à frente da Seara, em que colocamos no mercado um portfólio variado de produtos, fruto de processos e tecnologias inovadoras, senti que tinha cumprido minha missão. Era hora de colocar em prática meus antigos sonhos: dedicar-me a projetos sociais, usando a experiência que adquiri no setor privado, e orientar jovens profissionais como mentora. Naturalmente, ocupando posições de liderança, eu já me dedicava ao desenvolvimento de pessoas, mas era sempre disputando atenção com outras atribuições. Agora, quero doar meu tempo”, afirma.

Porém, durante a transição de CEO para aposentada, engatilhando projetos no terceiro setor, a pandemia do Covid-19 estourou. “A JBS, cumprindo sua missão de contribuir para uma sociedade melhor, estava reforçando suas ações de filantropia e montaria um grande programa. O CEO Gilberto Tomazoni fez um convite para que eu gerenciasse o programa Fazer o Bem Faz Bem, com R$ 400 milhões doados pela JBS”, conta.

Dentro deste projeto, Joanita encabeçou ações de atuação desde saúde pública à pesquisa científica, da educação a projetos assistenciais. “Para entender as necessidades e estipular como o dinheiro deveria ser aplicado, formamos comitês de especialistas em saúde, ciência e tecnologia e projetos sociais. Foi um trabalho muito intenso, mas é uma satisfação saber que fizemos mais do que atender a necessidades pontuais. Deixamos legados permanentes”, diz. Entre as ações desenvolvidas esteve a construção de dois hospitais, a doação de 88 ambulâncias, instalação de wi-fi em escolas, perfuração de poços artesianos no Nordeste e destinação de verbas para centenas de pesquisas para buscar soluções. “O programa Fazer o Bem Faz Bem já atingiu cerca de 77 milhões de pessoas em mais de 310 cidades do Brasil, e me permitiu neste momento fazer um trabalho bastante significativo e ajudar as pessoas a passarem por esse momento crítico”, comenta.

Além do Fazer o Bem Faz Bem, Joanita também está à frente, como presidente, desde setembro de 2020, do Fundo JBS pela Amazônia, iniciativa que financiará projetos de desenvolvimento sustentável e tecnológico das comunidades locais e de conservação e recuperação da floresta. “A JBS aportará R$ 250 milhões nos primeiros cinco anos e igualará a contribuição de cada doação até atingir R$ 500 milhões – nossa intenção é chegar a R$ 1 bilhão. Um Conselho Consultivo e um Comitê Técnico nos ajudam a escolher os projetos contemplados. Estou aprendendo diariamente sobre sustentabilidade em um desafio que aceitei liderar por partir de uma premissa em que acredito: a união da iniciativa privada, do terceiro setor e das autoridades pode transformar a sociedade”, menciona.

Mulheres são parte fundamental do desenvolvimento do agro

Joanita vê que a desvantagem numérica das mulheres na alta liderança pode dar a impressão de que elas se sentem mais isoladas. “O que não é verdade. Uma pesquisa já mostrou que mulheres em posição de liderança costumam colocar mais em prática comportamentos relacionados ao desenvolvimento de pessoas, que ajudam a estabelecer conexões. A meu ver, construir relações verdadeiras é a melhor forma de superar dificuldades porque integra a equipe e cria um ambiente de respeito, em que os resultados aparecem”, diz.

Para ela, as mulheres são muito importantes no agronegócio. “Como em outros setores da economia, a participação feminina na liderança é cada vez maior. Mais de 15% das granjas integradas à Seara são propriedades lideradas diretamente por mulheres. Se considerarmos as que lideram indiretamente, esse número é ainda maior. As mulheres criam oportunidades no campo, estão se preparando para processos de sucessão. Elas são parte fundamental do desenvolvimento do agronegócio”, afirma.

Além disso, Joanita comenta que levantamentos mais recentes sobre diversidade nas empresas comprovam que a presença feminina nos cargos da alta gestão se intensificou nas últimas décadas. “É um avanço que acontece ano a ano, mas as mulheres ainda são minoria. Como mulheres na alta liderança, temos a chance de contribuir para a formação de futuros líderes que valorizem a diversidade. Podemos criar um círculo virtuoso” menciona.

A participação de mais mulheres em cargos de liderança também é por pessoas como Joanita, que inspiram aquelas que sonham em estar em cargos de decisão. “As mulheres que chegam a altos cargos de gestão mostram às novas gerações que elas podem – e devem – aspirar à alta liderança. Ao longo da minha carreira, sempre busquei referências e tive a preocupação de dividir o que eu sabia. Acredito que devemos oferecer apoio às gerações que nos sucederão e construir relações de cooperação, que tornam o ambiente de trabalho mais respeitoso, produtivo e inovador. Nesse meu novo momento, reservei espaço para compartilhar um pouco do conhecimento e da experiência que adquiri. Tenho desenvolvido projetos paralelos de mentoria e me tornei Conselheira Consultiva do Instituto Mulheres do Varejo, onde atuo como mentora para formar novas gerações de executivas”, conclui.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Mercado

ABPA celebra viabilização de vendas de ovos in natura para Argentina e Chile

As exportações brasileiras de ovos do Brasil têm obtido bons resultados em 2021

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a dupla autorização de exportações ocorrida na última quinta-feira (08), com a publicação de Certificados Sanitários Internacionais (CSI’s) para a exportação de ovos in natura para a Argentina e o Chile.

Os CSI’s foram publicados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento brasileiro, e são válidos para todos os estados, no caso da Argentina;  e para todos os estabelecimentos localizados no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo, no caso do Chile.

As exportações brasileiras de ovos do Brasil têm obtido bons resultados em 2021. No primeiro bimestre, o setor acumulou alta superior a 150%, índice que deve se manter com os resultados de março, conforme dados preliminares calculados pela ABPA.  Com a abertura da Argentina e do Chile – mercados geograficamente mais próximos que o atual principal destino do setor, os Emirados Árabes Unidos – há boas expectativas quanto ao incremento ainda maior das vendas do setor.

“A proximidade dos mercados são facilitadores para as vendas do setor.  O Brasil se consolidou como grande produtor e agora busca novas fronteiras para as vendas de ovos produzidos no país.  Com estes dois mercados viabilizados ontem, há boas expectativas de expansão dos negócios”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Avicultura Saúde Animal

O que fazer quando a salmonella se torna uma realidade no plantel?

Além do conhecimento dos vírus e bactérias que podem afetar a criação, saber como evitar esses patógenos é de extrema importância

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rafael Soares, médico veterinário, mestrando em Produção Animal e coordenador Técnico da Divisão Animal da BTA Aditivos

A primeira preocupação dos criadores de frangos de corte, antes mesmo do alojamento, é combater os problemas sanitários do lote futuro. Além do conhecimento dos vírus e bactérias que podem afetar a criação, saber como evitar esses patógenos é de extrema importância.

A Salmonelose é uma das principais doenças das aves, causada por bactérias de um gênero de duas espécies, a Salmonella bongori e a Salmonella entérica. Esta última apresenta seis subespécies: salamae, arizonae, diarizonae, indica, houtenae e enterica.

Dos mais de 1.500 sorovares da espécie entérica está a Salmonella Gallinarum (Tifo aviária) que causa anemia e deixa a ave com cristas e barbelas pálidas ou arroxeadas e penas arrepiadas. Além disso provoca apatia, anorexia, diarreia amarelo-esverdeada e febre. Já a Salmonella Pullorum (Pulorose) pode apresentar sinais subclínicos como diarreia, desidratação, queda de consumo de ração, perda de peso e diminuição da produção de ovos. Tanto a S. Gallinarum como a S. Pullorum causam doenças clínicas nas aves, mas sem impacto sobre seres humanos.

A subespécie Enterica ainda tem maior importância para a saúde pública. Isso porque a Salmonella enteritidis e a Salmonella typhimurium, presentes nesta subespécie, estão entre as doenças mais prevalentes em aves e que podem contaminar os humanos caso haja o consumo de alimentos de origem animal. Os sintomas mais comuns são diarreia, vômito, dor abdominal, cansaço e perda de apetite nas pessoas.

Barreiras para evitar contaminação externa

Ciente deste desafio, o produtor deve estar municiado de barreiras para diminuir a presença de salmonella atuando já no momento do recebimento de pintinhos que devem estar livres de salmonelas. A garantia da sanidade destas aves vai depender de como está o processo de biosseguridade tanto nas granjas matrizeiras como no incubatório.

O primeiro ponto a ser avaliado pelos produtores é o isolamento das granjas. O ideal é ter um único portão de acesso, evitando desta forma, o livre trânsito de pessoas, veículos e animais no interior do núcleo de produção. As construções devem ser sempre protegidas por barreiras naturais e físicas, tendo o conhecimento da direção do vento no momento da construção. Isso é importante para que haja diminuição de contaminações por vias aéreas.

O cuidado com o ambiente de produção é muito importante. Para isso, é preciso observar as ações de higienização no local. Logo após a saída do último lote é preciso entrar com a limpeza e a desinfecção das instalações, que visam diminuir os riscos de infecções e realizar a quebra do ciclo de agentes infecciosos. Nesta fase, a limpeza é tão importante quanto a desinfecção. A remoção de detritos e gorduras dos lotes passados é imprescindível para o sucesso da desinfecção.

É importante destacar que o vazio sanitário ideal é de, no mínimo, 15 dias após concluídos todos os procedimentos de limpeza e desinfecção. Um controle da biosseguridade adequado nas granjas deve abranger o controle de tráfego e fluxo, ou seja, a observação de tudo que venha de fora e que entrará na granja para eliminar todo risco de contaminação.

O programa de vacinação é outro ponto de atenção. É necessária a elaboração de um programa de vacinação com foco no controle dos desafios sanitários da região e basear-se em resultados técnicos e laboratoriais. A vacinação deve dar proteção suficiente contra doenças intercorrentes na região, além da vacinação obrigatória em pintos de um dia contra a doença de Marek.

A vacinação nos programas de controle de S.enteritidis tem um grande efeito para redução da contaminação dentro dos lotes de matrizes e contribui eficazmente para eliminar a transmissão vertical. Para o êxito da vacinação é necessário:

  • Seguir o cronograma proposto
  • Respeitar os prazos de validade das vacinas, as vias de aplicação e as diluições indicadas
  • Realizar treinamento sistemático e educação contínua da equipe sobre boas práticas de vacinação
  • Manusear e conservar as vacinas de forma adequada
  • Manter a qualidade da água na vacinação (T °C e pH)
  • Limpar e desinfetar os utensílios utilizados pelos vacinadores

O programa de biosseguridade precisa ser averiguado e monitorado para que ocorra a identificação dos pontos críticos e dos níveis de contaminação. Assim, será possível estabelecer as estratégias de controle e as monitorias que devem ser feitas nos animais, no ambiente e nos insumos que são utilizados no sistema de produção. A água e as rações oferecidas as aves devem ser enviadas para laboratórios de patologia animal credenciados pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento (MAPA), com o acompanhamento do Médico Veterinário Oficial do Ministério da Agricultura. O principal objetivo desta análise deve ser a identificação de Salmonella spp. e outras enterobactérias patogênicas.

Além das monitorias oficiais são utilizados métodos de swabs estéreis e plaqueamentos para avaliação dos desafios e avaliação da eficiência de um programa de limpeza e desinfecção. Esses monitoramentos podem analisar a carga microbiológica de enterobactérias e presença de salmonela. Com esses resultados é possível fazer um plano de ação para erradicação dessas doenças.

A aplicação de programas de 5S e auditorias são fundamentais para checar o programa de biosseguridade e, se existirem erros, agir rapidamente realizando planos de ações e ajustes nos procedimentos. O 5S auxilia na obtenção de padrões operacionais que contribuem para maior eficiência e excelência na realização das tarefas de biosseguridade. Aliado a isso, as auditorias constantes, com uma frequência mensal ou bimestral, permitem identificar quais os processos ou pontos que necessitam de ajustes ou correções.

A educação continuada deve fazer da produção desde o momento da admissão dos funcionários. É indicada a aplicação das instruções já no processo de integração, mostrando uma visão geral das políticas da empresa, englobando neste momento, a importância da biosseguridade para o setor de produção avícola.

Aditivos para o controle da salmonella

A ração utilizada na granja também pode servir como meio de disseminação de contaminação, pois possui em sua formulação matérias-primas de origem animal e vegetal que servem de atrativos para aves e roedores intrusos, que podem trazer contaminações externas para a fábrica, e consequentemente, para a ração. Por este motivo, atualmente as fábricas de ração utilizam a associação de três pontos principais para controle de contaminantes em sua produção e controle do produto final: através de sistemas de segurança alimentar (BPF e APPCC), tratamentos térmicos como extrusão e peletização (atendendo os parâmetros de umidade, temperatura e tempo de condicionamento) e utilização de aditivos antissalmonelas.

Os aditivos mais utilizados nas formulações de rações para o controle microbiológico são os ácidos orgânicos, sais orgânicos e o formaldeído, que atuam na diminuição do pH intracelular. Com isso, podem causar alteração na permeabilidade da membrana microbiana com o bloqueio do substrato do sistema de transporte de elétrons, eliminando bactérias patogênicas como a Salmonella. A ação dos ácidos orgânicos nas aves ocorre de diversas formas, como na alteração da microbiota intestinal por ação bactericida ou bacteriostática, na melhora das atividades das enzimas digestivas e na redução do pH do trato gastrintestinal que reduz a presença de Salmonella no papo e no ceco. Observa-se ainda um benefício na flora intestinal que leva ao equilíbrio da imunidade, onde os nutrientes e a energia da fórmula da ração serão aproveitadas pelas aves, levando a melhora dos índices zootécnicos.

Treinamentos e planos de contingência

É necessário oferecer treinamentos aos funcionários das normas de biosseguridade pertinentes às suas atividades. E outras atualizações também precisam ser repassadas com periodicidade semestral no tocante às normas de biosseguridade, de acordo com a matriz de treinamento. Quando identificada uma oportunidade ou necessidade o ideal é realizar treinamentos extras com o intuito de oferecer capacitação adicional aos interessados.

É indicado que as empresas avícolas onde o produtor entrega seu produto tenham um plano de contingência para as possíveis emergências nos lotes. Este plano deve contemplar procedimentos extras a serem realizados, até que se tenham os resultados de laboratório se o lote está positivo ou negativo. Com este plano, pode-se bloquear a disseminação da doença para outros lotes até que se elimine as aves, se for o caso.

Em caso de positividade em qualquer uma das análises, oficial ou de rotina da empresa, devem ser adotadas medidas mínimas que incluem:

  • Isolamento do galpão
  • Isolamento dos funcionários por aviário
  • Controle rígido de tráfego e fluxo de veículos e caminhões (deve ser sempre o último a entregar insumos)
  • Fluxo de pessoas deve ser proibido
  • Calçados e roupas devem ser lavados e desinfectados diariamente
  • Adotar a inclusão de pedilúvios extras
  • Controle especial de destino das aves mortas

A prevenção e o controle sanitário são condições fundamentais para diminuir os problemas sanitários nos lotes, tendo em vista que a salmonelose é um desafio para a saúde pública e para a indústria avícola. Portanto, colocar em prática todos os procedimentos de biosseguridade nas granjas é essencial para que se tenha maiores garantias de efetividade.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.