Conectado com

Notícias Manejo

Instituto de Pesca orienta piscicultores a cuidado com os peixes no inverno

Temperaturas baixas podem causar mortalidade, de acordo com pesquisadora do IP, da Secretaria de Agricultura de SP

Publicado em

em

Divulgação

Temperaturas muito baixas no inverno podem causar problemas para a produção de peixes. Segundo pesquisadora do Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Daniela Castellani, os produtores precisam tomar uma série de medidas, de preferência ainda no período do verão, para evitar o estresse dos peixes, o comprometimento da saúde e, consequentemente, o aparecimento de enfermidades como a franciselose, causada pela bactéria Francisella noatunensis, que pode causar grandes prejuízos na tilapicultura, especialmente nas fases mais jovens.

Daniela explica que nesse período de baixas temperaturas, muitos piscicultores procuram o Instituto de Pesca para orientação sobre como proceder para manter a saúde e o bem-estar dos animais. De acordo com a pesquisadora, a dica é redobrar os cuidados e se preparar, ainda no verão.

“A alimentação deve ser feita com uma ração de qualidade, balanceada com a quantidade de nutrientes que atenda as exigências da espécie cultivada, e muitas vezes suplementadas com teor mais elevados de certas vitaminas e uso de aditivos como imunoestimulantes. A atenção com a qualidade de água nessa época do ano deve ser redobrada, pois qualquer alteração nos parâmetros pode levar ao estresse dos peixes, comprometendo a saúde e aparecimento de enfermidades. O controle da transparência, oxigênio, dissolvido, pH, amônia e nitrito ajudam a garantir a qualidade do ambiente de criação”, explica.

Nas semanas de frio intenso, o fornecimento de ração deve ser reduzido ou até mesmo não ser feito por alguns dias, pois os peixes são animais pecilotérmicos, cuja temperatura corporal varia de acordo com o ambiente. Assim, quando a água esfria, o metabolismo dos peixes é reduzido, o que leva a falta de apetite.

“Manejos como despesca, classificação com redes e puçás, transportes e vacinação, por exemplo, devem ser evitados, pois neste período qualquer manuseio com os animais podem levá-los ao estresse e, consequentemente, ao aparecimento de enfermidades”, afirma.

A orientação é que o produtor faça a mensuração da temperatura da água no início da manhã e no final da tarde com o uso de um termómetro ou aparelho digital.

Como a temperatura influencia a criação de peixes?

A pesquisadora do IP explica que todo organismo aquático possui uma faixa de temperatura de conforto. “Peixes de regiões temperadas, que vivem em águas com temperaturas abaixo dos 20ºC, como as trutas, não conseguem sobreviver em águas com temperaturas elevadas. Já o pirarucu, da região amazônica, vive em águas tropicais e dificilmente sobreviverá em regiões subtropicais”, afirma.

“Os peixes, quando mantidos em temperaturas abaixo ou acima do ideal, têm desempenho e saúde prejudicados, devido ao desequilíbrio fisiológico gerado pela quebra da homeostase oriunda do estresse por temperatura. Após a exaustão fisiológica, há comprometimento do funcionamento do sistema imune e, com isso, pode ocorrer o aparecimento de uma série de doenças que podem levar a mortalidade massiva do plantel”, explica a pesquisadora do Instituto de Pesca.

No caso de temperaturas muito elevadas, além do aumento do metabolismo dos peixes, que demanda maior quantidade de oxigênio – principalmente para o processo digestivo, simultaneamente ocorre redução da saturação do oxigênio dissolvido na água, que causa um estresse metabólico. “Para ter uma ideia, uma enfermidade importante é a streptococoose, causada por bactérias do gênero Streptococcus, que leva a grandes mortalidades, particularmente em tilápias criadas em tanques-rede e em períodos de elevada temperatura” afirma.

Fonte: Assessoria IP-APTA
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =

Notícias Análise do Cepea

Com desvalorização dos ovos, relação de troca por milho é a pior da história

Na média parcial de janeiro, o avicultor pôde comprar 38,3 quilos do insumo (mercado de lotes da região de Campinas) com a venda de uma caixa de ovos brancos, a menor quantidade em um ano, considerando-se a série mensal, e ainda 20,8% menor que a média de dezembro.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Com os ovos desvalorizados e os preços do milho e do farelo de soja em alta, o poder de compra do avicultor de postura recuou na parcial deste mês (até o dia 20).

Considerando-se o milho, especificamente, a relação de troca em janeiro é a mais desfavorável ao avicultor em toda a série histórica do Cepea, iniciada em 2013 – na média parcial do mês, foi possível ao produtor de Bastos (SP) a compra de 65,9 quilos do cereal com a venda de uma caixa de 30 dúzias de ovos brancos tipo extra, considerando-se o preço do milho na região de Campinas (SP) – Indicador ESALQ/BM&FBovespa.

Esse volume é o menor da série e ainda 14,9% inferior ao registrado em dezembro.

Segundo pesquisadores do Cepea, as cotações do milho estão em forte alta neste mês, impulsionadas pela restrição de vendedores – devido às incertezas quanto à produtividade das lavouras – e pela demanda elevada.

Quanto ao farelo de soja, após o recuo dos preços na maior parte do segundo semestre de 2021, os valores passaram a subir em dezembro, principalmente por conta do alto valor da matéria-prima e da firme procura.

Assim, na média parcial de janeiro, o avicultor pôde comprar 38,3 quilos do insumo (mercado de lotes da região de Campinas) com a venda de uma caixa de ovos brancos, a menor quantidade em um ano, considerando-se a série mensal, e ainda 20,8% menor que a média de dezembro.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Incertezas da produção nacional

Diferença entre preços pedidos e ofertados limita comercialização da soja no Brasil 

Agentes do Cepea indicam a possibilidade de maiores demandas doméstica e internacional nesta temporada, o que tem deixado produtores reticentes nas negociações do remanescente da safra 2020/2021 e também de contratos a termo da safra 2021/2022.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Incertezas quanto à produção nacional de soja, expectativas de maior demanda e a recente desvalorização cambial (US$/R$) ampliaram a disparidade entre os preços pedidos e ofertados pela oleaginosa, limitando a liquidez no mercado brasileiro.

De um lado, produtores, especialmente os da região Sul, relatam grandes perdas na produção devido à escassez hídrica no principal período de desenvolvimento das lavouras.

De outro, agentes consultados pelo Cepea apontam que as produções nas demais regiões do Brasil devem ser volumosas, compensando boa parte das perdas no Sul.

Agentes também indicam a possibilidade de maiores demandas doméstica e internacional nesta temporada, o que tem deixado produtores reticentes nas negociações do remanescente da safra 2020/2021 e também de contratos a termo da safra 2021/2022.

Consumidores também estiveram cautelosos nos últimos dias, diante da desvalorização do dólar e da expectativa da entrada da nova safra.

No spot nacional, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 1,5% entre 14 e 21 de janeiro, a R$ 177,33/sc de 60 kg na sexta-feira (21).

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) registrou alta de 2%, no mesmo comparativo, a R$ 180,15/sc de 60 kg no dia 21.

Dentre as regiões brasileiras, entretanto, os preços registraram direções distintas.

O dólar registrou queda de 1,17% entre as duas últimas sextas-feiras, a R$ 5,457 no dia 21.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Ritmo de negócios é lento, mas cotações do milho seguem em alta

As consecutivas valorizações têm preocupado compradores, que reportam dificuldades para recompor estoques.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Os preços do milho continuam em alta no mercado físico nacional, mesmo com o início da colheita da primeira safra no Sul.

Segundo colaboradores do Cepea, as consecutivas valorizações têm preocupado compradores, que reportam dificuldades para recompor estoques.

No Estado de São Paulo, especificamente, mesmo com o aumento da oferta do Centro-Oeste, demandantes têm preferido comprar o cereal paulista, que estava nos armazéns desde a colheita da segunda safra.

Porém, menores volumes – a preços mais altos – têm sido adquiridos, mas com entrega rápida.

Entre 14 e 21 de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), subiu 1,6%, fechando a R$ 98,33/saca de 60 kg na sexta-feira (21), acumulando 15 dias consecutivos de alta e voltando aos patamares de agosto de 2021.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.