Conectado com

Sem categoria Redução do impacto ambiental

Evento sobre pecuária e mudanças climáticas reúne pesquisadores da Embrapa

No Seminário Sustentabilidade da Pecuária de Corte em Sistemas de Baixo Carbono foram apresentados resultados de pesquisa voltados para a promoção de uma pecuária com reduzido impacto ambiental e capaz de contribuir para a mitigação dos gases de efeito estufa (GEE).

Publicado em

em

Em uma ação conjunta entre as cinco unidades da Embrapa, dos Estados de Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul, e com o apoio da diretoria executiva da empresa, realizou-se de forma virtual o Seminário Sustentabilidade da Pecuária de Corte em Sistemas de Baixo Carbono, quando foram apresentados resultados de pesquisa voltados para a promoção de uma pecuária com reduzido impacto ambiental e capaz de contribuir para a mitigação dos gases de efeito estufa (GEE).

Durante todo o dia, pesquisadores de diferentes unidades da Embrapa do país relataram os trabalhos e pesquisas que vêm sendo realizadas há alguns anos e que visam à adoção de práticas e manejos que buscam uma menor emissão e maior mitigação de GEE pela atividade e uma maior sustentabilidade na produção de carne no país.

Tendo sido o primeiro encontro científico, após o encerramento da COP26, a tratar de soluções para o cumprimento do Acordo internacional para redução das emissões de metano, o evento foi aberto por Guy de Capdeville, diretor-executivo de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, que está interinamente respondendo pela presidência da empresa, que destacou a atuação inovadora e o trabalho em rede da instituição para a realização de pesquisas para esse importante tema. “É preciso entender a lógica da sustentabilidade como o caminho para a agropecuária dos próximos 30 anos”.

O deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), que possibilitou a realização do seminário e também de novas pesquisas sobre o tema por meio de uma emenda parlamentar, ressaltou o senso de oportunidade da Embrapa ao promover esse debate justamente após os compromissos assumidos pelo Brasil na COP26 para a redução das emissões de metano.

Para o diretor-executivo de Gestão Institucional, Tiago Toledo Ferreira, a discussão sobre a sustentabilidade na agropecuária é um caminho sem volta, salientando que o país já vem trabalhando no tema há alguns anos e que os resultados já podem ser vistos. “A sustentabilidade deixa de ser um conceito emergente para se constituir em condicionante para a participação nos mercados”, afirmou o diretor.

O primeiro painel do seminário, mediado por Marcos Borba, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Pecuária Sul, reuniu os chefes das  unidades organizadoras do evento – Antônio Rosa (Embrapa Gado de Corte), Cristhiane Amâncio (Embrapa Agrobiologia), Fernando Cardoso (Embrapa Pecuária Sul), Karina Olbrich dos Santos (Embrapa Agroindústria de Alimentos) e Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin (Embrapa Solos) -, que relataram sobre as iniciativas que cada unidade vem desenvolvendo relacionadas à pecuária e às mudanças climáticas. Nas apresentações também foi ressaltada a importância do trabalho realizado em rede, em diferentes regiões do país, que contribuem para a compreensão da pecuária do Brasil como um todo além das questões locais.

Emissões e serviços ambientais na pecuária foi o tema do segundo painel, que teve a mediação de Rodrigo da Costa Gomes, pesquisador da Embrapa Gado de Corte. A pesquisadora Cristina Genro, da Embrapa Pecuária Sul, abordou os resultados da medição da emissão de metano entérico pela pecuária no bioma Pampa, que é feita há mais de 10 anos.

Segundo ela, a avaliação do processo em diferentes sistemas de produção mostrou que é possível reduzir a emissão em mais de 30% (limite do Acordo firmado na COP26) desse gás apenas com o correto manejo da pastagem. Já o pesquisador da Embrapa Agrobiologia Bruno Rodrigues Alves falou sobre a emissão de óxido nitroso pela pecuária. De acordo com Alves, esse gás, formado pela ação de microrganismos do solo a partir do nitrogênio, presentes especialmente na urina, mas também nas fezes dos bovinos, permanece por mais tempo na atmosfera, por isso a necessidade de diferentes ações para reduzir as emissões nos sistemas de produção.

Para finalizar o painel, a pesquisadora Rachel Bardy Prado, da Embrapa Solos, apresentou como a abordagem dos Serviços Ecossistêmicos pode trazer oportunidades ao setor pecuário, como o acesso aos mercados verdes, pagamentos por serviços ambientais e certificações. Para ela, o setor também deve assumir cada vez mais compromissos que se relacionam à adoção do manejo adequado das pastagens e dos sistemas integrados de produção, bem como a manutenção do componente arbóreo na paisagem e o manejo correto da água.

O terceiro painel, mediado por Renato Rodrigues, pesquisador da Embrapa Solos, teve como tema a remoção de gases da atmosfera. A primeira apresentação foi do pesquisador Manuel Motta Macedo, da Embrapa Gado de Corte, que abordou o estoque de carbono no solo. Macedo apresentou como se dá a dinâmica entre a emissão e o sequestro de carbono pela atividade pecuária. Segundo ele, o manejo e práticas conservacionistas contribuem de forma significativa para que o balanço de carbono seja mais positivo na pecuária. Já o pesquisador Robert Bodey, da Embrapa Agrobiologia, falou sobre a pegada de carbono da carne em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária.

O quarto e último painel, mediado por Elen Nalério, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, foi sobre produtos gerados pela pecuária de baixo carbono. A principal abordagem nesse momento foram as iniciativas da Embrapa para a criação de marcas-conceito e dos protocolos para a Carne Baixo Carbono (CBC), iniciativa que deverá estar disponível no mercado consumidor no próximo ano.

O coordenador desse programa, o pesquisador Roberto Giolo, da Embrapa Gado de Corte, relatou sobre os protocolos definidos para a CBC, tanto para produtores como para frigoríficos, para a certificação desse produto que, segundo ele, irá valorizar não só o produto carne como toda a cadeia produtiva envolvida.

A pesquisadora Márcia Silveira, da Embrapa Pecuária Sul, apresentou os primeiros resultados do acompanhamento de uma Unidade Demonstrativa no Sul da Bahia que está adotando esses protocolos, salientando os ganhos ambientais e também produtivos com a iniciativa. Já o pesquisador Gelson Feijó, da Embrapa Gado de Corte, abordou esse tipo de produção do ponto de vista do consumidor, ressaltando que a certificação ou selo pode trazer ganhos tanto para o produtor quanto para o consumidor final.

Quem quiser ver o seminário na íntegra é só acessar o canal da Embrapa no youtube, ou pelo link https://www.youtube.com/watch?v=OtjGVgu0yas

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =

Notícias

Minerva Foods conquista habilitação para exportar carne in natura aos EUA na unidade paulista de José Bonifácio

Esta é a sétima unidade brasileira da empresa a receber habilitação para exportar seus produtos ao mercado norte-americano.

Publicado em

em

A Minerva Foods, líder em exportação de carne bovina na América do Sul e uma das maiores empresas na produção e comercialização de carne in natura e seus derivados na região, anuncia que sua unidade, em José Bonifácio (SP), foi habilitada para exportar carne in natura aos Estados Unidos.

Para receber a autorização, a unidade passou por uma auditoria realizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em conjunto com os requisitos estabelecidos pelo Food Safety and Inspection Service (FSIS). Desta forma, os cortes in natura produzidos na unidade do município já poderão embarcar aos EUA.

“A nova conquista demonstra o compromisso da Minerva Foods com a qualidade e segurança de seus produtos, além de criar mais uma excelente oportunidade para a Companhia no mercado norte-americano, que é um relevante player importador de alimentos e para onde já exportamos outros produtos”, afirma Márcia Lopes, Gerente Executiva de Qualidade da Minerva Foods.

Além da unidade de José Bonifácio, a Minerva Foods conta com seis plantas produtivas com habilitação para exportar ao mercado norte-americano: Araguaína (TO), Janaúba (MG), Paranatinga (MT) e Palmeiras de Goiás (GO) estão autorizadas a enviar carne in natura; a unidade de Barretos (SP) pode embarcar carne enlatada, além da divisão de negócios Minerva Fine Foods, com produtos cozidos e congelados.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Sem categoria Novo recorde

Brasil encerra 2021 com 562 agrotóxicos liberados, sendo 33 inéditos

Registros de defensivos cresceram 14% em relação a 2020. Aprovações vêm aumentando desde 2016.

Publicado em

em

O Brasil encerrou 2021 com 562 agrotóxicos liberados, maior número da série histórica iniciada em 2000 pelo Ministério da Agricultura. Ainda em dezembro, o total de aprovações já tinha superado o recorde de 2020.

As últimas liberações de 2021 foram publicadas em janeiro no Diário Oficial da União (DOU).
O volume foi 14% superior ao de 2020, quando 493 pesticidas foram autorizados. Os registros vêm crescendo ano a ano no país desde 2016.
Por que a produção de alimentos depende tanto de agrotóxicos?

Dos 562 agrotóxicos liberados em 2021, 33 são inéditos (5,9%) — químicos ou biológicos — e 529 são genéricos (94,1%), ou seja, são “cópias” de matérias-primas inéditas — que podem ser feitas quando caem as patentes — ou produtos finais baseados em ingredientes já existentes no mercado.

De todos os defensivos liberados ao longo do ano, 92 são biológicos (16,4%). Pela legislação brasileira, tanto esses produtos, utilizados na agricultura orgânica, quanto os químicos, aplicados na produção convencional, são considerados agrotóxicos.

Inéditos

Dos 33 produtos inéditos aprovados em 2021:

  • 8 são princípios ativos químicos novos: estes são liberados apenas para as indústrias que, dali para a frente, podem usá-los para fabricar novos agrotóxicos. São chamados pelo ministério de produtos técnicos.
  • 12 são produtos finais químicos: estes são os que chegam às lojas para uso dos agricultores. São chamados pelo ministério de produtos formulados;
  • 13 são biológicos: são produtos de baixo impacto, formulados, por exemplo, à base de organismos vivos, como bactérias, plantas e insetos. Muitos são usados na agricultura orgânica.

Em nota, o Ministério ressaltou que a aprovação do produto formulado tem um trâmite diferente do produto técnico. “De forma alguma, a aprovação do produto técnico implica na autorização tácita para produção do formulado”, acrescentou.

Princípios ativos químicos novos

Halauxifen-metil
Função: herbicida usado para controle de plantas daninhas na cultura de soja como a buva (Conyza bonariensis) e o capim amargoso (Digitaria insularis);
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto perigoso;
EUA: Tem registro;
União Europeia: Tem registro.
 
Ciclaniliprole
Função: Inseticida usado para fabricar produtos que combatem lagartas nas lavouras de algodão, milho, soja;
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto muito perigoso;
EUA: Tem registro;
União Europeia: Não é aprovado.

Oxatiapiprolim
Função: Fungicida usado para fabricar pesticidas usados em culturas como batata, alho, cebola, tomate, alface;
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto perigoso;
EUA: Tem registro;
União Europeia: Tem registro.
 
Fenpropimorfe
Função: Fungicida usado nas culturas do algodão, banana, cevada, soja e trigo;
Classificação toxicológica (Anvisa): Produto pouco tóxico;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto muito perigoso;
EUA: Registro em revisão;
União Europeia: Não é aprovado.

Segundo o Mapa, já há produto formulado desse ativo registrado há muito tempo sem o produto técnico. Portanto, não é molécula nova no Brasil, mas é o primeiro produto técnico desse ativo.

Ametoctradina – (Ainda não há produto formulado com essa substância)
Função: Fungicida para controle da requeima da batata;
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto perigoso;
EUA: Tem registro;
União Europeia: Tem registro;

Isofetamida
Função: Fungincida usado para o controle de mofo-branco e mofo-cinzento;
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto muito perigoso;
EUA: Tem registro;
União Europeia: Tem registro.

Impirfluxam – (Ainda não há produto formulado com essa substância)
Função: Fungicida para controle da ferrugem asiática da soja, principal doença da cultura;
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto muito perigoso ao meio ambiente;
EUA: Registro pendente;
União Europeia: Registro pendente.
 
Mefentrifluconazol – (Ainda não há produto formulado com essa substância)
Função: Fungicida usado em diferentes culturas como soja, milho, algodão, arroz, banana, citros, melão, soja, tomate , uva, entre outras.
Classificação toxicológica (Anvisa): Não classificado;
Potencial de periculosidade ambiental (Ibama): Produto muito perigoso ao meio ambiente;
EUA: Registro pendente;
União Europeia: Tem registro.

Como funciona o registro
O aval para um novo agrotóxico no país passa por 3 órgãos reguladores: Anvisa, que avalia os riscos à saúde; Ibama, que analisa os perigos ambientais; e o Ministério da Agricultura, que analisa se ele é eficaz para matar pragas e doenças no campo. É a pasta que formaliza o registro, desde que o produto tenha sido aprovado por todos os órgãos.

Tipos de registros de agrotóxicos:

Produto técnico: princípio ativo novo; não comercializado, vai na composição de produtos que serão vendidos.

Produto técnico equivalente: “cópias” de princípios ativos inéditos, que podem ser feitas quando caem as patentes e vão ser usadas na formulação de produtos comerciais. É comum as empresas registrarem um mesmo princípio ativo várias vezes, para poder fabricar venenos específicos para plantações diferentes, por exemplo;

Produto formulado: é o produto final, aquilo que chega para o agricultor;

Produto formulado equivalente: produto final “genérico”.

Fonte: G1 Agro
Continue Lendo

Empresas EVENTOS

Dia de campo com inovação e tecnologia

Tradicional evento de Marechal Cândido Rondon retoma suas atividades com força para oferecer grandes novidades ao agronegócio

Publicado em

em

Foto: Divulgação Copagril

Depois de um ano em recesso, o Dia de Campo Copagril inicia o calendário de eventos de 2022 trazendo grandes oportunidades aos produtores e novidades tecnológicas capazes de transformar o setor. De 19 a 21 de janeiro, a Estação Experimental Copagril, em Marechal Cândido Rondon-PR trará uma experiência única aos seus visitantes.

E por falar em tecnologia e inovação, a Agroceres Multimix, empresa de nutrição animal do Grupo Agroceres, estará presente no dia de campo para prestigiar a cooperativa e seus cooperados através de um pacote de soluções diferenciado.

Edmo Carvalho, gerente nacional da divisão de suinocultura da Agroceres Multimix, explica que a região é um importante polo de produção e que, por isso, os investimentos em tecnologia são fundamentais para atenderem o mercado. “Onde tem tecnologia tem produção de qualidade. Nossa contribuição com o setor vai além do fornecimento de alimento para os animais, pois compartilhamos nosso conhecimento, através de nossos técnicos, e oferecemos a oportunidade de desenvolvimento com segurança e primor”, afirma.

Além da suinocultura, no estande da Agroceres Multimix, os visitantes terão ainda a oportunidade de saber um pouco mais sobre as novidades na produção de bovinos leiteiros, através de grandes especialistas, que estarão à disposição de todos para tirar dúvidas e mostrar um pouco mais sobre a empresa que é “muito mais que nutrição”.

O Dia de Campo Copagril ainda contará com um espaço reservado para startups com foco nas inovações e tecnologias e deverá receber mais de 170 empresas, com uma grande expectativa de público, portanto o networking será mais uma vantagem aqueles que tiverem a oportunidade de estarem presentes.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.