Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias Boletim Agropecuário

Epagri aponta crescimento na safra catarinense de grãos

Aumento da área plantada impulsiona produção de trigo, que deve ser 38% maior nesta safra. Por outro lado, condições climáticas adversas podem impactar negativamente as safras de arroz, milho e cebola. 

Publicado em

em

Foto: Paulo Kurtz

Boletim Agropecuário de dezembro da Epagri/Cepa indica crescimentos nas safras catarinenses de feijão, milho silagem e soja, em relação às estimativas iniciais. O aumento da área plantada também impulsionou a produção de trigo, que deve ser 38% maior nesta safra. Por outro lado, condições climáticas adversas podem impactar negativamente as safras de arroz, milho e cebola.

A Epagri/Cepa fez ajustes nos cálculos de área cultivada e produtividade do milho catarinense, o que resultou na redução de expectativa da produção total, de 2,7 para 2,6 milhões de toneladas. Fatores climáticos influenciam na expectativa da produção inicial, em especial o frio prolongado e a estiagem no Extremo Oeste na primeira quinzena de dezembro.

Os preços ao produtor apresentaram recuperação desde agosto no Estado. O mercado está atento a dois fatores prevalentes: condições climáticas na safra atual de verão no Sul do país e ritmo das exportações de grãos pelo Brasil.

Em relação ao milho para silagem, o órgão mantém uma projeção de recuperação da produção de milho para este fim na safra 2022/23. Essa situação se dá apesar da estiagem no Extremo Oeste na primeira quinzena de dezembro. O mercado de silagem cresce no Estado.

Soja

Em dezembro a Epagri/Cepa estimou uma produção de 2,63 milhões de toneladas de soja na safra catarinense 2022/23, contra uma estimativa inicial de 2,61 milhões de toneladas. A elevação reflete o aumento da área estimada de cultivo para 730 mil hectares e se dá apesar da redução da produtividade esperada das lavouras em função das condições climáticas desfavoráveis.

Os fatores que prevalecem quanto ao mercado da oleaginosa em novembro e dezembro são: o clima no Sul do Brasil e Argentina, que podem impactar no potencial produtivo, e o macrocenário mundial da economia. As exportações do complexo soja a nível nacional diminuem no acumulado até novembro na forma de grãos, no entanto, há um avanço significativo do volume exportado dos coprodutos farelo e óleo de soja no mesmo período.

Trigo

Até a última semana de novembro, 80% da área destinada ao cultivo do trigo no estado já havia sido colhida. A expectativa da Epagri/Cepa é de uma colheita de mais de 479,5 mil toneladas do grão em Santa Catarina, o que representa um crescimento de 38% em relação ao ciclo agrícola anterior. O crescimento resulta do aumento de 36% na área plantada e de 1% na produtividade.

No mês de novembro, o preço médio mensal da saca de 60 kg ficou em R$ 95,52, variação positiva de 2,27%. Os preços recebidos em novembro estão 11,37% acima daqueles registrados há um ano.

O custo de produção teve pequena redução de 5,35% em novembro em relação a julho, e está 2,35% maior do que em outubro de 2021. Dentre os itens que mais impactam no custo de produção do trigo, estão fertilizantes, agrotóxicos e sementes, que respondem por 59% do total.

Bovinos

O preço médio do boi gordo em Santa Catarina apresentou leve queda de 0,1% nas primeiras semanas de dezembro em relação a novembro. Na comparação entre os preços atuais e os de dezembro de 2021, registra-se queda de 2,7% na média estadual. É importante destacar que as variações levam em consideração os valores nominais, ou seja, sem considerar a inflação do período. Segundo o IPCA/IBGE, a inflação acumulada nos últimos 12 meses foi de 5,9%.

Os preços de atacado da carne bovina também apresentaram quedas em relação aos do mês anterior: -0,8% na carne de dianteiro e -0,2% na carne de traseiro. Quando se comparam os valores atuais com os de dezembro de 2021, observam-se altas de 2,4% para a carne de dianteiro e de 2% para a carne de traseiro, com média de 2,2%.

Frango

Santa Catarina exportou 83,50 mil toneladas de carne de frango (in natura e industrializada) em novembro, alta de 3,8% em relação às exportações do mês anterior e de 3,4% na comparação com as de novembro de 2021. As receitas foram de US$188,81 milhões, alta de 3,8% em relação às do mês anterior e de 19,3% na comparação com as de novembro de 2021.

No acumulado do ano, Santa Catarina exportou 929,47 mil toneladas, com receitas de US$2 bilhões, variações de -0,7% e 19,9%, respectivamente, na comparação com o mesmo período do ano passado. O estado foi responsável por 22,9% das receitas geradas pelas exportações brasileiras de carne de frango neste ano.

Suínos

Santa Catarina exportou 50,71 mil toneladas de carne suína (in natura, industrializada e miúdos) em novembro, queda de 1,6% em relação às exportações do mês anterior, mas alta de 18,9% na comparação com as de novembro de 2021. As receitas foram de US$129,88 milhões, alta de 0,2% em relação às do mês anterior e de 35,5% na comparação com novembro de 2021.

No acumulado do ano, o estado exportou 548,51 mil toneladas de carne suína, com receitas de US$1,30 bilhão, alta de 3,1% em quantidade e de 0,1% em valor, na comparação com o mesmo período de 2021. Santa Catarina respondeu por 56,5% das receitas e por 54,9% do volume de carne suína exportada pelo Brasil neste ano.

Leite

Em dezembro o IBGE divulgou novos resultados da Pesquisa Trimestral do Leite, agora com os dados do terceiro trimestre dos estados brasileiros. Entre janeiro e setembro de 2022, a quantidade do produto adquirida pelas indústrias no Brasil foi 5,9% menor que no mesmo período de 2021. Os meses do terceiro trimestre foram os de menores quedas, mas em nenhum dos meses de 2022 a quantidade adquirida alcançou o mesmo patamar de 2021. Mesmo que isso se reverta no último trimestre, é certo que a quantidade adquirida em 2022 não alcançará os 25,122 bilhões de litros de 2021.

A queda dos preços dos lácteos no mercado atacadista se reflete nos preços recebidos pelos produtores de leite, que foram decrescentes nos últimos quatro meses, mas, com intensidade bem menor em novembro e dezembro, do que em setembro e outubro.

Arroz

O arroz catarinense sofreu com o frio prolongado, que atrasou o ciclo da cultura. A baixa luminosidade preocupa os produtores com relação à produtividade e à uniformidade do grão. Até o momento, toda a área estimada de arroz para o estado (147 mil hectares) foi semeada e 2,5% da área se encontra em floração. A expectativa da Epagri/Cepa é de uma leve retração da produtividade na safra 2022/23 em relação à anterior, quando esteve acima da média.

Os preços do arroz em casca em Santa Catarina seguiram em alta entre novembro e a primeira quinzena de dezembro. O aumento das exportações brasileiras, especialmente com origem no Rio Grande do Sul, tem sido um fator de alta importante nos últimos meses.

Os custos de produção apresentaram leve redução em outubro em relação a julho. Apesar disso, a margem continuou negativa, pois os preços médios daquele mês não foram suficientes para cobrir o custo operacional da atividade.

Feijão

A Epagri/Cepa estima uma redução de 14% na área plantada com o feijão em Santa Catarina, na comparação com a safra 2021/22. Mesmo assim, a produção deverá aumentar cerca de 11%. A queda de preços do grão no mercado catarinense é um dos fatores que tem contribuído para a redução na intenção de plantio.

Até a primeira semana de dezembro, 78,6% da área destinada ao plantio da leguminosa no estado já estava cultivada. Condição boa de lavoura para 91,9% da área plantada, média para 7,8% e ruim para 0,3%.

Alho

A colheita do alho catarinense se intensifica em dezembro e a estimativa da Epagri/Cepa é de que o estado colha 16 mil toneladas da hortaliça na safra atual. Se a expectativa se confirmar, Santa Catarina terá uma safra que pode ser considerada boa em produção e qualidade dos bulbos para o mercado.

As condições fitossanitárias das lavouras catarinenses de alho nesta safra são boas para 91,5% da área plantada, enquanto que 8,5% é considerada média. As temperaturas baixas no período de diferenciação celular não chegaram a provocar prejuízos significativos para a cultura.

Em novembro foram importadas 5,38 mil toneladas de alho, aumento de 178,75% em relação a outubro. O volume internalizado de janeiro a novembro é de 101,21 mil toneladas, redução de 9,66% em relação ao mesmo período do ano passado, quando haviam sido importadas 112,03 mil toneladas.

Cebola

O mês de novembro foi de preços excepcionais para os produtores de cebola no Brasil. A baixa oferta em relação à demanda favoreceu a elevação dos preços de forma geral. O início da colheita da safra catarinense, com as variedades superprecoces em período de demanda superaquecida, favoreceu os produtores. A colheita se intensifica no estado e já atinge quase 20% da área plantada no estado, mas as condições climáticas dos últimos meses, com temperaturas baixas por períodos prolongados, afetaram o desempenho produtivo da cultura em Santa Catarina.

Na Ceagesp/SP, o mês de novembro iniciou com preço de R$5,43/kg para a cebola-nacional média, aumento de 10,81% em relação ao início do mês de outubro, quando era de R$4,90/kg. A partir da segunda semana do mês, as cotações da hortaliça tiveram novos aumentos e fecharam o mês a R$ 6,97/kg, uma das mais altas da história recente. O comportamento das cotações na Ceasa/SC no período foi semelhante.

De janeiro a novembro deste ano, o Brasil importou 143.052 toneladas de cebola, o que corresponde a um aumento de 23,37% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram importadas 115.950t.

Banana

A Epagri/Cepa estima que Santa Catarina produza 731,4 mil toneladas de banana na safra 2022/23, aumento de 1,8% no volume e de 5% na produtividade média em relação à safra passada. Assim, a produção de banana volta aos patamares históricos no território catarinense.

No início de dezembro, o município de Corupá e a região Norte do Estado, grandes produtores da fruta, foram muito afetados com as chuvas. A estimativa da Epagri/Cepa é de 5% das áreas de produção dos bananais tenham sido afetados com deslizamentos nas encostas e nas vias de escoamento da produção. Assim, os produtores precisaram reduzir os preços para escoar a produção estocada nesse início de mês.

Tanto a banana-caturra quanto a prata já vêm enfrentando desvalorização das cotações desde outubro, devido principalmente à concorrência com outras frutas da estação. A exceção fica para a banana-prata do Sul catarinense, cujos preços apresentaram tendência de recuperação no mês de dezembro devido à baixa oferta no mercado nacional da variedade.

Fonte: Ascom Epagri

Notícias Aliança Global

Produção agrícola sustentável é foco de visita da ministra da Noruega à Embrapa Cerrados

“Vocês têm soluções que podem ser usadas no mundo inteiro. Espero que outros continentes também possam se utilizar das tecnologias que são desenvolvidas aqui” destacou Anne Beathe Tvinnereim, ministra da Noruega.

Publicado em

em

Foto: Fabiano Bastos

Anne Beathe Tvinnereim, ministra da Noruega para o Desenvolvimento Internacional, acompanhada por Odd Magne Rudd, embaixador da Noruega no Brasil, visitou a Embrapa Cerrados (Planaltina-Distrito Federal), na última quinta-feira (18). No Brasil para participar da reunião ministerial de Desenvolvimento do G20 e da reunião da força-tarefa para a Aliança Global contra a Fome e a Pobreza, no Rio de Janeiro, ela incluiu em sua agenda de viagem o centro de pesquisa a fim de conhecer de perto um pouco do trabalho da Embrapa.

“Vocês têm soluções que podem ser usadas no mundo inteiro. Espero que outros continentes também possam se utilizar das tecnologias que são desenvolvidas aqui” destacou a ministra. “Desenvolvemos tecnologias que permitiram incorporar os solos do Cerrado ao sistema de produção. Depois de dominarmos a produção de alimentos, estamos hoje preocupados com a sustentabilidade desses sistemas. Dessa forma, atuamos de forma transversal a fim de que o sistema tenha cada vez mais resultado” explicou o chefe-geral da Embrapa Cerrados, Sebastião Pedro.

Eduardo Alano, chefe de P&D e pesquisador da Unidade, repassou à comitiva informações sobre o bioma Cerrado, sobre a Embrapa e as linhas gerais de pesquisa da Unidade. “No início o desafio foi grande. Não possuíamos quase nenhum conhecimento sobre os recursos naturais e sobre a aptidão agrícola da região. Aqui foi o primeiro lugar no mundo em que foi desenvolvida agricultura moderna para solos de baixa fertilidade. Isso se deu com muita tecnologia de solo, tratos culturais, adubação, tropicalização de culturas. E hoje o Brasil é um dos players mundiais em exportação de alimentos” afirmou.

Segundo ele, nos anos 70, a quantidade e a diversidade de alimentos era pequena. “Hoje o país produz praticamente tudo, sendo que a maior parte da produção utilizada na alimentação vem da agricultura familiar” ressaltou. De acordo com Alano, ao longo dos anos o avanço foi tanto nos sistemas de produção, quanto no conhecimento da biodiversidade do Cerrado. Ele apresentou as principais tecnologias desenvolvidas no centro de pesquisa e ressaltou alguns programas de melhoramento, como de trigo, mandioca, fruteiras como maracujá e pitaya, milho, café e gado.

No campo, o pesquisador Eduardo Alano ainda mostrou ao grupo algumas variedades de mandioca obtidas a partir do programa de melhoramento participativo e explicou as diferentes linhas de pesquisa que são seguidas. “Trabalhamos em três frentes: mandioca de mesa, que são biofortificadas, ricas em vitamina A e licopeno; mandioca para farinha e fécula, que são cultivadas para produção industrial; além das mandiocas açucaradas, que em vez de armazenar amido, armazenam açúcar” explicou.

A visita de campo foi realizada na unidade de referência de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. O pesquisador Kleberson de Souza apresentou aos visitantes informações sobre os diferentes arranjos de sistemas integrados e seus benefícios. Ele explicou que sistemas integrados são diferentes sistemas de produção adotados numa mesma área usando rotação e consórcio, mas esclareceu: “Essa junção de componentes em diferentes sistemas agropecuários, no entanto, tem que resultar numa soma em que um mais um não dá dois, mas sim dois e alguma coisa. Cada componente tem que trazer um ganho para o sistema de forma que o produtor tenha vantagens quando junta os diferentes componentes num sistema só” enfatizou. De acordo com o especialista, os sistemas integrados podem ser adaptados para pequenos, médios e grandes produtores.

Segundo o pesquisador, o arranjo mais utilizado no Brasil é o de integração lavoura e pecuária (83% dos 17,4 milhões de hectares/dados de 2020). “Basicamente é uma primeira safra de soja e uma segunda safra de milho ou sorgo, sendo que nesse segundo momento, numa mesma operação mecanizada, é feito o plantio da forrageira. Quando o produtor colhe o milho, o capim explode em crescimento, por conta da entrada de luz. Assim, o campo está pronto para uma terceira safra que é a safra animal, justamente no período em que as pastagens estão secas. E ainda falamos de uma quarta safra, que seria a palhada que traz uma série de vantagens ao sistema”.

Ele também destacou os ganhos de produtividade da soja por conta das forrageiras utilizadas no sistema. “Falamos muito da palhada, ou seja, do que está acima do solo, mas queria mostrar também o que está abaixo do solo, o sistema radicular dessas forrageiras que é impressionante. E isso se reflete na produtividade da soja. Temos trabalhos mostrando um ganho médio de 11 sacos de soja (60 quilos cada) a mais quando se tem a segunda safra consorciada com as forrageiras” contou. Segundo o pesquisador, quando se tem ainda a terceira safra, quando os animais entram na área e há de fato o pastejo, a produtividade da soja posterior é ainda maior. “Ainda estamos estudando o motivo desse aumento. Mas ele existe e é mais um ganho do sistema”.

O pesquisador Kleberson de Souza explicou que também é possível antecipar o plantio da segunda safra em até 20 dias. “Quando a soja ainda está no campo, antes de secar, o produtor entra com a plantadeira adaptada fazendo o plantio da segunda safra já consorciada com a forrageira”. Segundo ele, essa antecipação da segunda safra traz ganhos que se refletem em maior produtividade. “Quando há essa antecipação, registramos em média 1,5 sacos a mais de milho para cada dia antecipado. Em muitos casos, principalmente em regiões em que a janela de chuva é mais curta, é a diferença entre colher e não colher a segunda safra. Isso tem possibilitado fazer ou não fazer a segunda safra em regiões em que não se fazia antes” ressaltou.

Atualmente, o componente florestal é utilizado por uma parcela pequena dos produtores – em torno de 10% utilizam o arranjo lavoura, pecuária e floresta e apenas 1% lavoura e floresta. “Com o componente florestal o sistema fica mais complexo, mas ele traz um ganho importante de ambiência animal promovido pela sombra das árvores. Pesquisas registraram aumento na produção de leite e nas taxas reprodutivas das vacas. Também temos a questão do balanço de carbono, que fica muito favorável. Com apenas 15% da propriedade com esse sistema é possível mitigar todas as emissões de gases de efeito estufa emitidos da porteira para dentro da propriedade e, ainda, ter um crédito de carbono ou acúmulo de carbono da ordem de 22 toneladas de CO2equivalente por hectare” afirmou.

E além de sequestrar mais carbono, de acordo com o pesquisador Kleberson de Souza os sistemas integrados ainda emitem menos gases de efeito estufa. “Um ótimo exemplo é o óxido nitroso. Num trabalho em que analisamos o cultivo convencional, o Cerrado nativo e os sistemas integrados, observou-se 56% menos emissão desse gás (óxido nitroso) em detrimento do sistema convencional, com aração e gradagem no preparo do solo. Ou seja, os sistemas integrados emitem menos e sequestram mais carbono”.

Fertilizantes

A visita da comitiva à Embrapa Cerrados também contou com a presença de representantes brasileiros da empresa norueguesa Yara Fertilizantes. No último mês de março, a Embrapa e a Yara firmaram um acordo de cooperação que permitirá troca de acesso às soluções digitais e às estruturas internas em P&D das duas empresas e, ainda, atuação conjunta na coordenação de estudos em inovação e tecnologia.

Na prática, a Embrapa terá à disposição em todas as suas unidades, incluindo a Embrapa Cerrados, as soluções que a Yara utiliza no campo, por exemplo, ferramentas digitais para a aplicação de fertilizantes, recomendações nutricionais e de compartilhamento de dados coletados em campo. Acesse aqui mais informações sobre essa parceria.

O gerente agronômico da Yara, Leonardo Soares, apresentou durante a visita a palestra “Sustentabilidade, a oportunidade passa pela agricultura”. Ele relatou o trabalho de pesquisa que está sendo feito pela empresa para diminuir as emissões de gases de efeito estufa tanto na produção dos fertilizantes, quanto no campo. “De 2005 a 2019, já conseguimos uma redução de 45% das emissões, que vem principalmente das fábricas. Temos o compromisso de seguir reduzindo mais 30%”.

De acordo com o gerente, hoje a empresa tem parceria com 48 instituições de pesquisa, incluindo universidades. “Temos mais de 150 pesquisas agronômicas a campo com diversas culturas em andamento”. Segundo ele, no passado o foco da empresa era apenas na produtividade. “Hoje, 60% das nossas pesquisas são para avaliar a emissão de gases de efeito estufa, a saúde do solo, quanto a gente está conseguindo fixar de carbono no solo. Isso para entender o que a gente pode traçar de estratégia para reduzir a emissão no campo” explicou.

Fonte: Assessoria Embrapa Cerrados
Continue Lendo

Notícias Em Cascavel - Paraná

Ciclo produtivo na pecuária de leite será novidade no Show Rural de Inverno

O setor de Fomento à Pecuária estará à frente de dois workshops preparados para mostrar o ciclo produtivo de uma bezerra até se tornar uma vaca em lactação.

Publicado em

em

A zootecnista Josiane Mangoni, supervisora da área Pecuária da Coopavel Foto: Assessoria

A pecuária de leite vai ganhar espaço no Show Rural Coopavel de Inverno, um dos principais palcos brasileiros para culturas indicadas para os meses frios do ano. O setor de Fomento à Pecuária estará à frente de dois workshops preparados para mostrar o ciclo produtivo de uma bezerra até se tornar uma vaca em lactação.

A supervisora da área Pecuária da Coopavel, a zootecnista Josiane Mangoni, informa que os visitantes terão acesso a informações importantes sobre a correta nutrição para cada fase dos animais, potencializando ao máximo os resultados. “Quem participar dos dois workshops verá detalhadamente a linha do tempo de uma vaca em produção, desde o nascimento até o início da lactação”.

No primeiro momento, no workshop da manhã, com início às 9 horas e duração de 50 minutos, os pecuaristas serão informados sobre nutrições líquida e sólida para bezerras e novilhas. “Serão apresentadas todas as opções disponíveis de ração para o desenvolvimento e precocidade das novilhas” destaca Josiane, observando que o objetivo desse trabalho é demonstrar como desenvolver corretamente uma bezerra para que se torne uma vaca de alto desempenho.

Durante o primeiro workshop, os visitantes aprenderão sobre o manejo da diluição do sucedâneo do leite (leite em pó), a melhor temperatura da água para diluição, a recomendada densidade e qual volume deve ser fornecido de acordo com o peso da bezerra. Os conteúdos serão repassados, pela manhã e à tarde, para grupo de até 50 pessoas. “Estamos animados com essa novidade, porque a pecuária de leite é uma atividade das mais relevantes principalmente para as pequenas propriedades rurais” destaca o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Na segunda etapa, com início às 13h30, o workshop trabalhará nutrição de vacas em lactação. “Vamos abordar como equilibrar a dieta desses animais de acordo com a sua produção, importância da qualidade dos ingredientes, como silagem e outros volumosos, e também demonstrar a variedade de rações que a Coopavel oferece em seu portfólio para otimizar a produção de leite” explica Josiane, que é mestre em Produção Sustentável e Saúde Animal. Quem participar dos workshops terá acesso a amostras de produtos que a cooperativa disponibiliza à nutrição de bovinos de leite.

Durante a programação da área pecuária, nos três dias da edição de inverno do Show Rural, haverá também o compartilhamento de informações de bons resultados no campo, comprovando a eficácia das rações Coopavel. “Esperamos que, com as orientações que receberão, os pecuaristas consigam alcançar o máximo desempenho de seus plantéis” conforme Josiane.

O evento

O Show Rural Coopavel de Inverno, em sua quinta edição, será realizado de 27 a 29 de agosto, no parque tecnológico da cooperativa, em Cascavel, no Oeste do Paraná. Os portões serão abertos, diariamente, às 8h30. O acesso ao parque e o uso de vagas do estacionamento serão gratuitos.

Fonte: Assessoria Show Rural Coopavel
Continue Lendo

Notícias

Demanda por trigo segue firme; clima preocupa

Trabalho de campo estão atrasados em relação ao observado na temporada passada. 

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Pesquisas do Cepea mostram que o mercado brasileiro de trigo continua registrando demanda crescente pelo produto de qualidade superior, mas os estoques estão limitados, e há preocupações com as condições climáticas para a temporada em andamento.

Ainda segundo pesquisadores do Cepea, agentes também seguem atentos às compras externas, assim como aos baixos índices pluviométricos nas últimas semanas.

No campo, as atividades estão praticamente finalizadas no Paraná, com 99% do total já semeado.

No Rio Grande do Sul, a semeadura alcançou 85% do previsto para este ano.

Os trabalhos de campo estão atrasados em relação ao observado na temporada passada.

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.