Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Meio Ambiente

Corredor Ecológico no Paraná completa 20 anos como referência de preservação

Corredor de Biodiversidade Santa Maria, localizado na Tríplice Fronteira, é um importante elo de duas áreas ambientais de grande relevância, os Parques Nacionais do Iguaçu e de Ilha Grande

Publicado em

em

Corredor Ecológico / Divulgação.

Em meio à crescente preocupação mundial pela adoção de políticas de preservação ambiental, um corredor ecológico localizado no Paraná chama a atenção e é citado como referência nesse sentido. Trata-se do Corredor de Biodiversidade Santa Maria, que no segundo semestre de 2021 completa 20 anos de implantação.

Como projeto inovador, o Corredor Ecológico Santa Maria contribui para promover a sensibilização quanto às questões de preservação e a educação ambiental, sendo referência de boas práticas socioambientais, o que impacta de forma positiva a imagem institucional dos parceiros do projeto. Anualmente, recebe delegações de visitantes compostas por técnicos, ambientalistas e pesquisadores das mais diversas regiões do Brasil e do mundo.

O empreendimento promove a conectividade de áreas já protegidas, por meio da recuperação de áreas de preservação permanente e de áreas ocupadas por pastagens, sendo um importante elo para o Corredor de Biodiversidade Trinacional, formado pelas extensas áreas naturais conservadas da Província de Missiones, na Argentina, e os refúgios biológicos mantidas pela Itaipu Binacional no Paraguai, além das Unidades de Conservação públicas e privadas no Brasil, ao longo dos rios Paraná e Iguaçu, se estendendo desde o Parque Estadual do Turvo, no Oeste do estado do Rio Grande do Sul, até o Parque Estadual do Morro do Diabo, na região Oeste do estado de São Paulo.

Para a formação do corredor ecológico foram reflorestados 73 hectares, num trabalho que envolveu o plantio de 128 mil mudas, além da instalação de pelo menos 73 quilômetros de cercas nas divisas entre o corredor e as propriedades rurais vizinhas. A área conta com duas microbacias, dos rios Apepu e Bonito, que foram conectadas, em 2003, por uma faixa reflorestada de quatro quilômetros por 60 metros.

O Corredor de Biodiversidade Santa Maria foi uma iniciativa dos proprietários do imóvel rural que empresta seu nome ao corredor e onde ele está localizado, a Fazenda Santa Maria, em Santa Terezinha de Itaipu, cujas origens datam do ano de 1948 quando a área foi adquirida pelo patriarca da família proprietária, que já se encontra na quarta geração como detentora da fazenda.

Desde o início, o projeto contou com o apoio de órgãos ambientais como o IBAMA e o IAP, Instituto Ambiental do Paraná, bem como da Itaipu Binacional, do Ministério Público e das prefeituras de Santa Terezinha de Itaipu e São Miguel do Iguaçu, pois o corredor se encontra na divisa dos dois municípios, na Tríplice Fronteira Brasil-Paraguai-Argentina, no extremo Oeste do Paraná.

A articulação dos parceiros envolvidos no projeto de implantação do corredor começou no final da década de 1990, quando os proprietários da Fazenda Santa Maria protagonizaram uma ação em defesa do meio ambiente e averbaram uma porção de floresta de 242 hectares como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), criada pela Portaria n.º 70/1998-IAP/PR, a qual conferiu à área a condição de categoria de Unidade de Conservação de caráter perpétuo, em terras privadas.

A iniciativa se mostrou muito relevante para a região, sendo que em 2001, através da Portaria 137/2001, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) declarou como corredor ecológico essa área composta pela bacia do Rio Apepú, pela Reserva Particular de Patrimônio Natural da Fazenda Santa Maria, bem como pela própria fazenda, pela Bacia do Rio Bonito e pela sua conexão com as áreas protegidas do chamado Lago de Itaipu, formado pela Usina Hidrelétrica de Itaipu. Em 2007, também foi considerada de alta importância biológica para a conservação da biodiversidade, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, através do Decreto 5.092/04/MMA.

Pesquisas e artigos científicos

O Corredor Ecológico Santa Maria tem servido de inspiração para muitos trabalhos técnicos de pesquisa e monitoramento da fauna e da flora, pois boa parte das medidas de restauração da vegetação já está concluída e as áreas mais antigas apresentam uma fisionomia florestal. Instituições de ensino e pesquisa, públicas e privadas, utilizam o corredor como um laboratório para suas pesquisas, procurando entender os processos ecológicos que estão ocorrendo nesta paisagem preservada do território paranaense. As pesquisas buscam principalmente subsídios científicos que possam determinar a efetividade do corredor como indutor do fluxo de biodiversidade entre as áreas matrizes, compostas pelo Parque Nacional do Iguaçu e pela Faixa de proteção do Lago de Itaipu.

Nas áreas integrantes do corredor é possível avaliar qualitativamente a percepção positiva que a sua implantação causou na região. Há muitos relatos da presença de fauna, conservação dos rios e ganho na qualidade da paisagem rural, com possibilidade de fomentar o turismo rural e cientifico.

Reserva ecológica e pecuária sustentável

As medidas de preservação ambiental da Fazenda Santa Maria não se resumem ao Corredor Ecológico Santa Maria e abrangem também a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) da propriedade, numa área de 242 hectares, com vários fragmentos florestais em diferentes estágios de sucessão, permitindo a preservação da fauna e da flora. Ao todo, na propriedade estão protegidos 472 hectares de floresta nativa. Nela se encontram as nascentes de importantes rios da região, como o São João, João Gualberto, Apepú e Bonito. Em sua divisa estão as nascentes de outro importante manancial de água, o Rio Tamanduá, que contribui com 40% do abastecimento da cidade de Foz do Iguaçu.

A Fazenda Santa Maria, que também investe no melhoramento genético na bovinocultura de corte, adotou o sistema agrossilvipastoril, numa combinação entre árvores, pastagens e criação animal, com áreas que privilegiam a sustentabilidade e a biodiversidade, além de zonas de cultivo de cereais e grãos.

 Uma invasão que deixou marcas e danos em 2016

Em 18 de março de 2016, a Fazenda Santa Maria foi alvo de uma invasão promovida por integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST), que saíram do local dois meses depois, deixando grandes prejuízos à propriedade e cenas de uma grave devastação ao patrimônio, incluindo abate de animais e outros danos, além de terem sido uma ameaça ao escopo ambiental existente na área. A reintegração de posse concedida pela Justiça foi cumprida pela Polícia Militar do Paraná, à época sob o comando do atual deputado estadual, Coronel Lee, que executou bem montada ação de retomada da área, sem qualquer ato de violência e dentro da total legalidade.

Em que pese o fato de ter havido bom êxito naquela reintegração de posse da propriedade, a Fazenda Santa Maria sofre constantes ameaças de novas invasões, o que desconsidera seu importante papel de preservação ambiental na região da Tríplice Fronteira, e todas as boas práticas na agropecuária sustentável adotada pela propriedade.

Para muitos especialistas ambientais, os cerca de 4,5 mil invasores que ocuparam a área em março de 2016 praticaram uma verdadeira agressão a um Patrimônio Natural que é mantido com o apoio de instituições sérias, como o próprio IBAMA, o IAP, o Ministério Público e a Itaipu, além dos esforços da família proprietária e das prefeituras da região, que veem na iniciativa um exemplo quando se trata de preservação ambiental.

Atualmente exercendo o mandato de deputado estadual, Coronel Lee, que esteve à frente da retomada da área, em 2016, se mantém ainda preocupado em restabelecer a segurança necessária para que, em seu entendimento, dê condições aos agricultores do Paraná de se concentrarem na produção agropecuária, que tem sido um dos pilares da economia do Brasil. Recentemente, o parlamentar esteve em Brasília, onde se encontrou com o secretário adjunto da Secretaria Especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Paulo Gustavo Medeiros Carvalho, e também com o assessor especial da pasta, Danilo César Campetti. Na ocasião, o Coronel Lee entregou um amplo material jurídico, técnico e de campo sobre as invasões do MST (Movimento dos Sem-Terra) em todo o Paraná, e aproveitou, inclusive, para relatar sua experiência à frente de operações de reintegração de posse, como a da Fazenda Santa Maria, quando ainda era PM da ativa.

“Tudo o que levantamos ao longo dos últimos anos foi levado ao conhecimento do governo federal. Foram excelentes tratativas e a União já encaminhou diretrizes quanto a este assunto que continua latente, e agora cabe a nós, paranaenses, população de bem, estarmos unidos para debelarmos e desmantelarmos essa facção criminosa que tanto aterroriza nosso povo”, comenta o Coronel Lee.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + oito =

Notícias Mercado

Preços do boi gordo seguem firmes apesar de avanço nos níveis de oferta

Mercado físico de boi gordo se manteve com preços firmes ao longo da semana nas principais praças de produção e comercialização do país

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo se manteve com preços firmes ao longo da semana nas principais praças de produção e comercialização do país. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os preços do boi gordo se mantiveram firmes apesar da melhor fluidez dos negócios durante a semana. “Os frigoríficos até tentaram exercer pressão, mas não houve grande aderência dos pecuaristas em realizar negociações a patamares mais baixos. De qualquer maneira, o volume de animais ofertado não cresceu a ponto de mudar drasticamente a curva de preços”, disse ele.

A expectativa ainda é de maior disponibilidade de boiadas durante o mês de maio, pois as pastagens já apresentam sinais de desgaste em muitos estados, reduzindo a capacidade de retenção.

Do ponto de vista da demanda doméstica de carne bovina, o saldo foi bastante positivo ao longo da primeira quinzena do mês, com um movimento de alta consistente no atacado, com destaque para o corte dianteiro e para a ponta de agulha. “Somado a isso, precisa ser citado o bom desempenho das exportações, com o câmbio oferecendo elevada competitividade à carne bovina brasileira. A China segue como relevante diferencial, absorvendo bons volumes de carne brasileira”, assinalou Iglesias.

No mercado atacadista, os preços da carne bovina subiram na semana. “A nova rodada do auxílio emergencial cumpre um papel relevante, fomentando o consumo de produtos básicos. A principal concorrente para a carne bovina ainda é a carne de frango, a mais acessível dentre as proteínas de origem animal, que conta com a predileção do consumidor médio em um momento de dificuldades macroeconômicas“, assinalou Iglesias.

Com isso, os preços a arroba do boi gordo na modalidade a prazo nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 15 de abril:

  • São Paulo (Capital) – R$ 318,00 a arroba, contra R$ 320,00 a arroba na comparação com 08 de abril (-0,62%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 313,00 a arroba, estável.
  • Goiânia (Goiás) – R$ 305,00 a arroba, contra R$ 300,00 (+1,67%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 307,00 a arroba, estável.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 312,00 a arroba, contra R$ 310,00 a arroba (+0,65%).

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Suinocultura

Mercado suíno sinaliza demanda aquecida e preços sobem

Demanda doméstica avançou no decorrer da primeira quinzena de abril

Publicado em

em

Divulgação

A suinocultura brasileira registrou mais uma semana de avanço nos preços, tanto no quilo vivo quanto nos cortes negociados no atacado. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, a demanda doméstica avançou no decorrer da primeira quinzena de abril.

Segundo ele, além da entrada dos salários na economia, a nova rodada do auxílio emergencial motivou o consumo de produtos básicos. “Contudo, a pandemia ainda é um ponto de cautela, considerando que atividades demandantes seguem impactadas, funcionando com capacidades reduzidas em grande parte do país”, alerta.

Maia avalia que o produtor segue preocupado com o custo de produção, que permanece em tendência de alta, mantendo as margens da atividade pressionadas apesar do avanço recente do quilo vivo. “O milho apresentou mais uma semana de firmeza no país diante da restrição de oferta, com produtores preocupados com o clima para a safrinha”, comenta.

Levantamento semanal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil subiu 13,63%, de R$ 5,85 para R$ 6,65. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado avançou 4,21% ao longo da semana, de R$ 11,87 para R$ 12,37. A carcaça registrou um valor médio de R$ 10,44, avanço de 16,13% frente ao fechamento à semana anterior, quando era cotada a R$ 8,99.

Maia afirma que as exportações apresentam um ritmo forte, puxado pelas compras da China, o que ajuda a enxugar a oferta doméstica e contribui para a recuperação dos preços da carne suína.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 73,752 milhões em abril (6 dias úteis), com média diária de US$ 12,292 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 29,166 mil toneladas, com média diária de 4,861 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.528,70.

Em relação a abril de 2020, houve alta de 59,67% no valor médio diário da exportação, ganho de 54,56% na quantidade média diária exportada e valorização de 3,31% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise semanal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo subiu de R$ 135,00 para R$ 153,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 5,60. No interior do estado a cotação mudou de R$ 6,20 para R$ 7,40.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração seguiu em R$ 5,70. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 5,80 para R$ 7,30. No Paraná o quilo vivo teve alta de R$ 5,65 para R$ 6,80 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo caiu de R$ 5,70 para R$ 5,60.

No Mato Grosso do Sul a cotação em Campo Grande mudou de R$ 4,80 para R$ 5,90, enquanto na integração o preço seguiu em R$ 5,40. Em Goiânia, o preço passou de R$ 6,40 para R$ 7,50. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno subiu de R$ 7,00 para R$ 8,00. No mercado independente mineiro, o preço passou de R$ 7,10 para R$ 8,40. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis aumentou de R$ 4,80 para R$ 5,80. Já na integração do estado o quilo vivo seguiu em R$ 5,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do trigo caem na Argentina, mas dólar segue encarecendo importações

Indústria brasileira de trigo começa a sentir maior necessidade de voltar às compras no curto prazo

Publicado em

em

Divulgação

A indústria brasileira de trigo começa a sentir maior necessidade de voltar às compras no curto prazo. Com a baixa oferta do produto nacional, a saída é buscar trigo no mercado externo. Segundo o analista de SAFRAS & Mercados, Jonathan Pinheiro, ainda que os preços na Argentina venham caindo ao longo das últimas semanas, o dólar segue valorizado em relação ao real, o que aumenta os custos de importação.

Mercado internacional

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT, na sigla em inglês), referência na formação de preços no marcado internacional, os preços vão acumulando, na semana, valorização de aproximadamente 2%.

Os preços fecharam a segunda-feira em forte baixa, pressionados pela expectativa de safra cheia na Rússia. Na terça-feira, a previsão de clima adverso nos Estados Unidos e na Europa favoreceu ganhos. Na quarta-feira, a forte alta foi determinada por sinais de aquecimento da demanda global. Já na quinta-feira, o clima adverso nos Estados Unidos voltou a sustentar a valorização. A sessão desta sexta-feira já é marcada por volatilidade e, apesar da influência do clima sobre os preços, um movimento de correção deve pesar negativamente.

Taxas na Rússia

Alguns grandes exportadores da Rússia suspenderam as compras de trigo, devido à sua incapacidade de trabalharem com as altas tarifas de exportação. Segundo um jornal russo, a Louis Dreyfus, a KZP, a Bunge e a Sierentz Global Merchants deixaram o mercado. Além disso, já se fala que a Cargill e a Gemcorp também suspenderam as compras de trigo.

Segundo uma fonte do jornal, as empresas não querem se arriscar com as taxas. Outra fonte disse que ninguém quer comprar trigo sob as taxas atuais. Produtores e traders esperam o cancelamento das tarifas para voltarem a comercializar o grão. Especialistas acreditam que a movimentação deva voltar ao normal a partir de 2 de julho, quando entrar em vigor um novo mecanismo de taxação.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
CBNA 1

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.