Conectado com

Avicultura Saúde Animal

Coccidiose subclínica ainda é grande vilã nas granjas

Doença é bastante presente nas granjas do mundo inteiro, mas forma subclínica é de mais difícil detecção, provocando prejuízos muito maiores ao avicultor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de ser um problema antigo nos aviários de todo o mundo, a coccidiose ainda é uma grande dor de cabeça para o produtor rural. Isso porque ela pode ser de difícil diagnóstico. A grande dificuldade está, principalmente, em identificar a forma subclínica da enfermidade, que causa grandes prejuízos para a propriedade. A atenção deve ser redobrada, uma vez que se não tomados os cuidados e manejos necessários, a doença que esteve em um lote, pode passar para o próximo. Em função da magnitude que a enfermidade tem nos planteis, a Huvepharma realizou em fevereiro o 1º Fórum de Coccidiose Aviária. A atividade foi exclusivamente para conversar com profissionais sobre a doença.

 Segundo o médico veterinário doutor Paulo Lourenço, atualmente o principal problema quando se fala nesta doença é quanto ao impacto econômico que ela provoca. “Isso porque ainda não desenvolvemos ferramentas para controlar a doença na sua totalidade”, explica. Ele afirma que um grande desafio do produtor atualmente é fazer com que o frango consiga expressar totalmente o potencial genético. “Todos os fatores ligados a essa condição vão interferir na capacidade desse animal em transformar, assimilar, absorver e utilizar aquilo que damos em carne”, diz. O profissional conta que a coccidiose é onipresente, ou seja, está em qualquer lugar do mundo. “Pode ser em um galpão convencional, climatizado ou o mais moderno que existe, até mesmo em aves SPF (livre de patógenos específicos)”, afirma.

O principal problema quanto a coccidiose, de acordo com Lourenço, é o diagnóstico da forma subclínica da doença. “Esta forma é muito difícil de ser diagnosticada. Muitas vezes falta rotina disciplinada de necropsia, porque nós (médicos veterinários) estamos cada vez mais afastados do campo. Se eu não estou abrindo o animal e vendo, imagine o produtor”, alerta. Ele explica que algumas espécies de coccidiose não causam lesões, o que dificulta ainda mais o diagnóstico, impedindo uma avaliação correta. “Existem muitos programas de controle que são incorretos e incompletos. Dessa forma, como a doença na sua forma clínica não aparece, nós não vemos que a doença está presente e assim ela acontece de lote em lote”, afirma.

O médico veterinário conta que em um estudo foi detectado em 80% dos casos em que foi detectada a doença, eram duas ou mais espécies de parasitas. “Alguns estudos mostram a tenella e a maxima como as mais prevalentes. Outros, já mostram a acervulina e a maxima. O que podemos observar com estes estudos é que a maxima e a acervulina são as mais prevalentes nos planteis”, conta.

O especialista explica que desde o início em que a doença foi detectada nos planteis foi percebida a necessidade das práticas de manejo. “Foi visto a importância do eficaz controle, mantendo a cama do aviário seca e controlando os pontos de umidade”, diz. Porém, mesmo conhecendo conceitos básicos de controle, ainda é necessária atenção do avicultor. Com toda a evolução na pesquisa, ainda assim atualmente não existe uma vacina altamente eficiente e protetora para o controle da coccidiose, comenta Lourenço. “Os pontos mais tradicionais que adquirimos no passado e temos no presente é o uso do anticoccidiano, para a maximização do desempenho e minimização das lesões”, comenta.

Para resolver esta e várias outras situações referentes a coccidiose, para Lourenço, é necessário fazer o que se diz que se faz: as boas práticas de manejo. “Essa é uma questão de melhorar todas as ferramentas que temos disponíveis e adotar o programa para vários lotes”, afirma. Ele reitera que o controle chave da doença está devidamente ligado a enterite neucrótica, dermatite gangrenosa, osteomielite, aerossaculite e peri-hepatite. “Estas são os cinco principais problemas onde o controle da coccidiose falha. Se os índices dessas doenças estão altos, pode revisar o programa que pode haver alguma reação com coccidiose”, afirma. Lourenço confirma que está mais do que provado que estas situações patológicas que vão surgindo e sendo prevalentes em uma quantidade maior do que se espera pode estar relacionado a problemas de coccidiose subclínica.

Outro ponto destacado pelo professor é que vendo o quanto estas outras enfermidades estão relacionadas é importante que o avicultor veja que o ambiente é fundamental para o bom desenvolvimento das enfermidades. “Assim vemos como a cama realmente passa a ter um papel importante dentro desse aspecto. A qualidade da cama está diretamente relacionada as questões da coccidiose”, afirma. Ele diz que programas de manejo onde há negligência, levando a falta de atenção das pessoas com a cama e impactando também na qualidade do ar e da água a prevalência da doença tende a ser maior.

Os impactos econômicos da doença

Quando se fala sobre os prejuízos que a coccidiose causa em uma granja, o pensamento vai diretamente para o bolso do avicultor. Quanto exatamente o produtor perde quando a enfermidade ataca o aviário? Foi esta a pergunta que o médico veterinário Marcel Falleiros respondeu. Ele explica que em frangos de corte são principalmente três tipos de coccidiose de maior importância econômica: a acervulina, maxima e a tenella. “A acervulina e a maxima são Eimeria que não tem tanta patogenicidade. A que mais tem é a tenella. As duas primeiras causam perdas, mas não aumentam muito a mortalidade”, explica. 

O médico veterinário expõe que o primeiro estudo que saiu de forma correta foi um levantamento feito em 1998 sobre quais os reais impactos econômicos da enfermidade para o avicultor. “Com ele, se chegou a conclusão de que mundialmente se perdia US$ 1,5 bilhões por ano com relação a coccidiose clínica e subclínica”, conta. No ano seguinte, outro pesquisador fez um levantamento parecido, porém, este levou em consideração todos os aspectos envolvidos na produção de frango de corte: logística, produção de carne, rendimento no abatedouro, entre outros. “Ele ampliou o trabalho anterior e chegou a conclusão que esse número dobrava. Ou seja, a perda com a enfermidade era de, aproximadamente, US$ 3 bilhões por ano”, informa.

No ano de 2006, outro levantamento igual ao de 1999 foi feito, confirmando os números de perdas apresentados no trabalho. “Temos que pensar que conforme vamos aumentando a produção, esse número da perda também aumenta. Mas em 2006 ainda estávamos em US$ 3 bilhões em perdas por ano. Mas se fossemos fazer este estudo este ano, usando os mesmos métodos do trabalho de 1999 com certeza o número seria superior”, acredita.

Outros autores fizeram um levantamento em relação ao que se gasta na avicultura para tentar prevenir problemas de coccidiose. “Hoje gastamos em torno de US$ 800 milhões por ano na questão de prevenção da doença”, conta Falleiros. Neste trabalho, explica, o autor chegou a conclusão de que 17,5% do custo é com prevenção e tratamento de coccidiose. Já 80,5% são custos pelos efeitos subclínicos da doença, ligados diretamente a perda de peso e aumento da conversão alimentar. “A nossa maior perda em processo de coccidiose, principalmente subclínica, está em relação a perda de peso e aumento da conversão. Esses são hoje o nosso maior impacto econômico”, afirma.

Em 2016, na Inglaterra, outro autor fez um levantamento das principais doenças que afetavam a produção, tanto na avicultura de corte quanto em postura. “Após o térmico do estudo, foram feitos gráficos para apresentação dos dados. O primeiro deles foi em relação ao número de vezes em que a doença aparece nestes sistemas de produção. No top três mais importantes a coccidiose está em primeiro lugar no frango de corte, com mais de 40 menções da doença apresentando perdas”, conta. Neste mesmo estudo, foi feita ainda uma correlação com o índice de infecção das doenças. “Ali foi percebida uma correlação direta entre a clostridiose e a coccidiose. Houve uma porcentagem de quase 95% de barracões acometidos que tinham coccidiose por clostridiose. Assim, chegamos a conclusão de que a coccidiose subclínica era primária e levava a uma colstridiose na sequência”, explica.

O estudo mostrou ainda uma correlação com relação ao aumento de conversão alimentar entre as duas doenças. “Eles chegaram a conclusão de que a clostridiose e a coccidiose podem fazer com que a conversão alimentar varie até 16%. Isso significa dizer que se você tem uma conversão média de 1,65 essa conversão pode vir a 1,9. Podemos ter 25 pontos a mais de conversão alimentar”, informa.

Outra comparação feita no mesmo estudo foi quanto a aviários que faziam o controle e aqueles que não faziam. “Eles queriam ver qual o custo da doença por animal. Naqueles que eles não controlaram, houve um custo de centavos de euro por animal, no caso da clostridiose, seis vezes maior do que naqueles que controlaram”, mostra. Falleiros explica que no caso da coccidiose houve um custo um pouco maior, porém, os estudiosos alegaram que a coccidiose subclínica levava a um aumento da clostridiose e assim fizeram a relação direta entre as duas doenças.

Um dado que também sempre chama muito a atenção do avicultor é quanto ao custo de produção. Na Índia, em 2010, foi feito um levantamento sobre a questão. “Eles chegaram a conclusão de que a redução do ganho de peso e o aumento da conversão é responsável por mais de 90% da perda que se tinha relacionado a coccidiose”, expõe.

Situação do Brasil

O médico veterinário lamenta que no Brasil não foram desenvolvidos estudos atuais desta forma para saber exatamente como a doença atua nas granjas nacionais. “Tem um trabalho que é de 1994 que faz esse levantamento da avicultura nacional. É bem amplo, mas ele já tem mais de 20 anos”, diz. Neste trabalho, explica Falleiros, chegaram a conclusão de que as empresas sofrem variações de 1 até 15% com coccidiose clínica e subclínica. “Uma empresa que poderia ter uma média de conversão de 1,60 e está com média de 1,80. Eventualmente está perdendo isso em alguns momentos do ano”, comenta.

Falleiros informa que 65% das empresas brasileiras tem problemas com coccidiose. “Mas acredito que ainda possa ser maior que isso, devido ao fato de não levantarmos dados. Existem poucos estudos que nos trazem estes números”, lamenta. Ele conta que em 1993 foi feito um levantamento. “Naquele ano chegaram a conclusão de que o Brasil perdeu US$ 19,1 milhões com coccidiose, principalmente com perda de peso e aumento da conversão. Foram US$ 11,8 milhões com produção de carne e US$ 1,25 milhões com aumenta da conversão e, em consequência, maior consumo de ração”, explica.

Foco deve estar na integridade intestinal

O médico veterinário afirma que para solucionar ou amenizar o problema é necessário manter a integridade intestinal da ave. “Um trabalho feito nos Estados Unidos em 2014 mostra que os custos com alimentação são de aproximadamente 67%. Um frango pesando 2,2 quilos traz uma receita de 124 euros para cada 100 quilos de peso vivo. Os custos estão aqui. A margem de lucro é de 21 euros para cada 100 quilos de peso vivo”, apresenta. Ele comenta que estes números demonstram a importância de se manter um intestino íntegro. “Se não, vai tudo para o ralo. Se conseguimos manter a integridade intestinal, o frango consegue expressar todo o potencial genético e ter a manutenção da saúde como um todo”, diz.

Falleiros conta que um levantamento feito no Brasil mostra que o país tem uma piora de 4 a 10 pontos na conversão e redução do peso vivo de 30 a 120g por ave. “Essa redução de gramas por dia pode variar de 1 a 3 pontos. O aumento da mortalidade varia de 1 a 5%. Além disso, o impacto sobre o desempenho atual da parte subclínica e esse custo pode chegar até 10 centavos de dólar por ave. É perda de dinheiro”, afirma.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =

Avicultura Mercado

Cooperativa Dália Alimentos inicia atividades na avicultura de corte

Cooperativa gaúcha está fazendo investimentos de quase R$ 200 milhões em seu Complexo Avícola e todo Programa Frango de Corte; inauguração é em outubro

Publicado em

em

Divulgação

A avicultura é um setor que vem chamando a atenção de muitos investidores. A Cooperativa Dália Alimentos, de Encantado, no Rio Grande do Sul, é um deles. Em outubro, a cooperativa irá inaugurar um Complexo Avícola em Linha Palmas, no município de Arroio do Meio. O complexo é uma das etapas do Programa Frango de Corte, estruturado pela Dália Alimentos para viabilizar toda a cadeia produtiva avícola. O investimento é de R$ 96 milhões.

De acordo com a cooperativa, o Complexo tem uma área construída de aproximadamente 18 mil metros quadrados. É constituído por uma unidade frigorífica com capacidade para abater 55 mil frangos/dia, expandindo futuramente para outros dois módulos de abate: 110 mil frangos/dia e 165 mil frangos/dia.

O primeiro módulo entra em operação já na segunda quinzena de outubro deste ano e deverá demandar mão-de-obra de 350 funcionários. Além disso, compõem o complexo a Fábrica de Farinhas de Origem Animal e a Fábrica de Rações, também em Arroio do Meio, além do Incubatório, em fase de construção no município de Mato Leitão, com investimento também por parte da cooperativa no valor de R$ 12 milhões.

A motivação para a execução desse programa, conforme o presidente do Conselho de Administração da Dália Alimentos, Gilberto Antônio Piccinini, tem origem no fato de os associados da cooperativa serem, em sua maioria, pequenos produtores e necessitarem de opções para a formação de renda, além do leite e dos suínos. “A Dália Alimentos entende que o frango de corte é compatível com as duas atividades já praticadas, resultando a motivação para a estruturação de um programa de produção cooperada de frango de corte”, conta.

Ainda neste ano também deverão começar alguns dos nove condomínios para produção dos frangos que irão abastecer a unidade frigorífica. Os condomínios estão localizados nos municípios de Anta Gorda, Cruzeiro do Sul, Encantado (com duas unidades), Mato Leitão, Marques de Souza, Venâncio Aires, Vespasiano Corrêa e Relvado. Piccinini informa que todos seguem o mesmo padrão de construção, com oito aviários cada e capacidade para alojar 275 mil frangos. Ele explica que as obras estão em andamento, com alguns mais adiantados e outros dentro do cronograma estipulado.

Esses núcleos, esclarece o presidente, são propriedade de nove associações constituídas por famílias de associados, em número médio de 20 cada, mais a cota da cooperativa, que participa em cada um dos empreendimentos. O investimento dos nove núcleos juntos, acrescenta, soma R$ 67,5 milhões. Além disso, Piccinini comenta que também faz parte deste parque industrial o Matrizeiro, localizado no município de Vale Verde e de responsabilidade da Empresa ASA – América Sociedade Avícola, formada por um grupo de funcionários da cooperativa, responsáveis pelo investimento de R$ 15 milhões no projeto.

O presidente informa que a linha frango Dália já está no mercado, com a assinatura “Golden Chicken”. “Inicialmente está sendo produzida no sistema de intercooperação, pela cooperativa Languiru, de Teutônia, em fase experimental, para estabelecer a primeira sondagem do mercado consumidor”, esclarece.

Estruturação do programa

Piccinini explica como cada um dos projetos está sendo realizado. Ele conta que o matrizeiro está sendo construído em Vale Verde. Fazem parte desta sociedade 37 funcionários da Dália Alimentos, mais a cota da cooperativa. O investimento será de R$ 15 milhões. Já o incubatório está em fase de construção no município de Mato Leitão. Ali, estão sendo investidos R$ 12 milhões por parte da cooperativa.

Quanto aos Condomínio Avícola para Produção de Frango de Corte, estão sendo constituídos por produtores rurais associados à Dália. O presidente conta que em cada um dos empreendimentos a cooperativa possui uma cota e o investimento em cada condomínio girará em torno dos R$ 7,5 milhões, valor investido pelos associados.

A Cooperativa

A Cooperativa Dália Alimentos, situada em Encantado, na região do Vale do Taquari, possui 72 anos de história, completados em 15 de junho. Possui 3,1 mil famílias associadas em 130 municípios do Estado do Rio Grande do Sul e 2,2 mil funcionários nas áreas administrativas e nas indústrias. No exercício de 2018 o faturamento foi de R$ 1,1 bilhão.

Tem como atividades a suinocultura (com abate diário no frigorífico localizado em Encantado, de 2,7 mil suínos) e a produção de leite (com duas unidades localizadas em Arroio do Meio, sendo a unidade principal localizada em Palmas e com capacidade de recebimento para 1,1 milhão de litros/dia).

Em outubro de 2019 a Dália Alimentos ingressará na atividade avícola, quando inaugurará seu Complexo Avícola e todo Programa Frango de Corte, um investimento total de aproximadamente R$ 200 milhões.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Tecnologia no campo

Produtores modernizam aviário e colhem resultados já no primeiro lote

Família que optou por adotar novas tecnologias no aviário percebeu diferença de produção logo nos primeiros lotes

Publicado em

em

Divulgação

Na última década, o segmento avícola conquistou uma fantástica evolução genética, nutricional e tecnológica no que se refere aos equipamentos disponíveis para aviários. Assim, a ave ampliou sua capacidade de desempenho, foi aumentando o potencial nutricional da alimentação produzida e os equipamentos disponíveis no mercado estão muito mais automatizados, permitindo melhor controle de ambiência.

Por outro lado, as estruturas de muitos aviários permanecem sendo as mesmas de 10 anos atrás ou mais. Diante disso, constata-se uma necessidade latente de modernização dos galpões, já que eles tendem a depreciar, perdendo sua efetividade em vários aspectos que interferem nos resultados dos lotes. Ao longo do tempo, as estruturas tendem a perder suas condições de controle da ambiência (temperatura, umidade relativa, qualidade do ar), o que reflete na sanidade, conforto térmico e consumo de ração.

Uma alternativa para retomar a qualidade da estrutura é realizar a reforma do aviário, atitude adotada pelo produtor integrado da Cooperativa Copagril, Valmor Ademir Escher, em conjunto com a esposa Marli e os filhos Rafael e Fernando. A propriedade da família fica na Linha Ajuricaba, em Marechal Cândido Rondon, PR, onde estão instalados dois aviários: um deles já era no sistema dark house e o outro era modelo convencional. Com a necessidade da reforma aproveitou-se para transformar o convencional também em dark house. Antes  e depois da reforma a mudança é evidente, como o peso médio, que saltou de 3,165 quilos para 3,566 quilos.

Melhorias

A reforma realizada no aviário da propriedade abrangeu várias mudanças nas instalações, com ampliação da quantidade de exaustores, modernização do sistema de nebulização, adequação do sistema de painéis evaporativos, novas cortinas, instalação de inlets, nova fiação elétrica e aumento da quantidade de comedouros e bebedouros. Esse aumento se deve à capacidade maior de alojamento de aves no sistema dark house. No caso da família Escher a estrutura passou a alojar quatro mil aves a mais por lote.

De acordo com Rafael, a decisão de realizar a reforma foi uma decisão relativamente fácil, pois já havia diversas evidências dessa necessidade. “Como nós temos um barracão dark e tínhamos outro convencional era muito evidente a diferença de resultados dos dois, sendo que o dark geralmente tinha os melhores índices. Além disso, o aviário convencional já estava dando muita manutenção e constatamos que estava na hora de promover melhorias”, relata.

Desempenho

O técnico da Copagril, Carlos Magnum Egerts, explica que uma boa estrutura é fundamental para ter bons resultados de lote. “É muito importante oferecer um ambiente de qualidade para as aves para que elas possam expressar o seu potencial genético. Por isso é necessário oferecer conforto para os animais”, ressalta.

Segundo ele, quando a ave está na sua zona de conforto ela consegue direcionar os nutrientes do alimento consumido para manutenção das funções vitais do organismo e para ganho de peso, o que é o ideal. “Quando a ave direciona as quantidades certas para cada necessidade ela não perde desempenho. Já quando o ambiente gera desconforto, seja por frio ou calor, por exemplo, o corpo do animal redireciona a nutrição para atender aquela necessidade extra e acaba perdendo desempenho”, conta Carlos.

Resultados

A melhora no desempenho do lote foi percebida imediatamente no caso da família Escher. Uma comparação simplificada entre o último lote alojado antes da reforma e o primeiro lote após as obras mostra claramente os resultados alcançados.

Conservando a mesma idade (47 dias), os dois lotes apresentaram várias melhorias, como o aumento do ganho de peso das aves e a redução da taxa de conversão alimentar. Além de receber mais pelo lote que teve melhor desempenho, também foi um lote maior, com quatro mil aves a mais. “Bastou fazermos algumas contas para percebermos que somente o fato de podermos alojar mais aves já cobriria o custo do investimento na reforma. E a melhoria de desempenho era algo que queríamos muito alcançar, em termos de conversão alimentar. Hoje temos certeza de que foi uma decisão certa”, sustenta Rafael. Os bons resultados animam os produtores, por isso, em breve a família terá quatro aviários.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Avicultura Mercado

“Novos” concorrentes da avicultura brasileira tomam crescimento do mercado para si

Segundo especialista, novos mercados estão surgindo e o Brasil precisa competir com esses “novos jogadores”

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado é dinâmico. Ele está sempre em constante mudança e evolução. Por conta disso, é preciso que o setor pecuário esteja atento a estas mudanças e ao que está acontecendo em todo o cenário mundial. Isso porque o mercado muda a partir do que os consumidores pensam a respeito de determinados produtos. Na avicultura, a situação não é diferente e as empresas devem estar atenta a estas mudanças e se aproveitar de cada situação para continuar competitiva. Com mais gente no mundo e pessoas com mais renda, há maior demanda de carnes, um espaço que pode ser ocupado por Brasil ou outros jogadores, como Turquia, Ucrânia e Tailândia.

O consultor doutor Antônio Mário Penz Júnior citou algumas das mudanças que estão acontecendo no cenário mundial atualmente e como elas estão afetando diretamente o consumo e a avicultura em geral. O profissional esteve em Marechal Cândido Rondon, PR, durante o Seminário Anual de Produtores de Aves, realizado pela Cooperativa Copagril, falando sobre o assunto.

Segundo ele, é preciso que o produtor entenda o cenário mundial para saber como lidar com as mudanças que estão acontecendo. Ele explica que atualmente a geração Y, também conhecida como os Millennials, que são as pessoas entre 18 e 34 anos, são quem estão dominando o mundo. “Dados dos Estados Unidos de 2015 mostram que 23% da população norte-americana é formada por millennials. Lá, quase 70% da população ativa atualmente faz parte dessa juventude que não compra carro, que mudou muita coisa, mas que tem poder aquisitivo. É uma sociedade nova que precisamos entender”, afirma.

Apesar disso, Penz diz ser necessário olhar para o outro lado do mundo, que ainda é diferente. “A população da Índia deverá ultrapassar a da China nos próximos anos. Daí vocês acham que o senhor indiano está preocupado com as mesmas coisas que os jovens norte-americanos? Não! Nós, como brasileiros, vamos alimentar os millennials, mas também temos que entender que existe esse povo que precisa se alimentar também”, conta. Ele acrescenta que atualmente no mundo existem quase 1,4 bilhão de pessoas, e mesmo existindo quase seis milhões de vegetarianos, o restante ainda consome aproximadamente dois quilos per capita/ano de carne de frango. “Eles vão comer, porque muitos estão saindo do meio rural para ir para o urbano, deixando de ser produtores para ser consumidores”, explica.

As mudanças no mundo ao longo dos anos foram grandes, afirma Penz. Ele informa que o consumo na África tem aumentado. “Então, os africanos, mesmo com todas as dificuldades financeiras, são grandes consumidores de carne. O consumo de carne é absolutamente impressionante. Eles, assim como em outros países, são aqueles que os millennials não se dão conta de que uma em cada 10 pessoas não tem acesso a comida suficiente”, mostra. O consultor afirma que a África é um local em que não somente a população, como também o consumo irá crescer. “E nessa hora nós estaremos prontos para atendê-los”, diz.

Novo mundo, novas tendências

De acordo com Penz, é importante que o produtor se de conta de algumas “loucuradas” que estão surgindo no mundo. Ele cita algumas, como por exemplo a famosa campanha do Beatle Paul McCartney que em 2009 criou a “Segunda sem carne”. “Isso é basicamente em que todas as segundas-feiras não se come carne. E o que é mais surpreendente é que em alguns locais, como em Porto Alegre, por exemplo, existem pessoas que querem implantar esse projeto em escolas”, comenta.

Outros exemplos citados pelo consultor foi a Nestlé, que é uma grande produtora de alimentos a base de leite, lançou uma linha vegana de hambúrgueres; a JBS também lançou um hambúrguer vegano e a Mantiqueira apresentou um ovo vegano. “É um mundo louco que estamos vivendo, mas que precisamos entender que a população precisa de comida”, diz.

Carne de frango é sustentável

Penz comenta que não está preocupado quanto ao consumo de carne de frango no mundo. Isso, porque os países em desenvolvimento, segundo ele, comerão o dobro de carne. “Porque sabemos que quanto maiores os recursos financeiros, a primeira coisa que acontece é aumentar o consumo de alimentos, principalmente de carne”, afirma. Além disso, o frango tem uma vantagem que outras proteínas não têm: não há restrição religiosa. “O suíno, por exemplo, tem, mas o frango não. Não tem nenhuma restrição que diga que não pode comer carne de frango”, comenta.

Outro detalhe citado por ele é o quanto a avicultura é, muitas vezes, mais sustentável que outras cadeias produtivas. “Várias instituições de pesquisa mostram que para se produzir um quilo de frango são gastos quatro mil litros de água. Esse cálculo vem desde a produção do milho, o gasto com caminhão, eles somam tudo. Então, cada vez que você come um quilo de frango, quatro mil litros de água foram gastos. Mas, se formos comparar, no bovino esse número sobre para 17 mil”, mostra. Então, de acordo com Penz, visto por este ângulo o frango consome pouca água. “Isso também pode ser visto, por exemplo na emissão de CO². O frango gasta muito menos. Então, sob o ponto de vista de preservação do meio ambiente, nós temos condições de dizer que somos pró meio-ambiente. Não podemos ser taxados de destruidores do ambiente, porque não somos”, diz.

Mercado é dinâmico

Quanto ao Brasil, diversas mudanças ocorreram ao longo dos anos, segundo Penz. “A produção da carne brasileira vinha bem até 2011, 2012, depois não aumentou mais. O consumo, a mesma coisa, vinha crescendo até 2011 e depois estagnou”, informa. “Por que parou? Porque até mesmo os mais favorecidos ficaram sem dinheiro”, explica.

O consultor informa que o mercado é dinâmico e é preciso que o Brasil esteja atento a isso. “A Europa briga tanto conosco porque no ano passado eles aumentaram em 6% as exportações. Isso é 1/3 da nossa, por isso eles estão tão desesperados”, diz. Porém, apesar disso, é preciso que o Brasil fique atento porque outros mercados estão surgindo. “A Tailândia aumentou as exportações em 8%, a Turquia em 15% e a Ucrânia aumentou 21%. Ou seja, há novos jogadores nesse mercado”, afirma.

Penz reitera a necessidade de o Brasil estar mais atento quanto a estes novos mercados pelo fato deles estarem de olho nos atuais mercados que são do Brasil. “Por isso, ou matamos a salmonella ou ela nos mata. Eu vou mostrar um caso: a doença da vaca louca aconteceu em 2003 nos Estados Unidos. A doença foi detectada em um animal, não em um milhão; em um. Por conta disso, as exportações de carne bovina deles caíram em mais de um milhão de toneladas. Um animal gerou um milhão de toneladas em prejuízos de exportação. Que, aliás, nunca mais voltou, porque quando os norte-americanos perderam esse espaço, quem ocupou foi o Brasil”, conta.

Outro exemplo citado foi quanto aos casos de Influenza Aviária, também nos EUA. “Os norte-americanos perderam 2% da exportação mundial. Quem pegou? O Brasil. Mas, em 2016 tivemos todos os problemas da Operação Carne Fraca, com salmonella e o que aconteceu? Estes novos jogadores que citei ocuparam esse mercado deixado aberto por nós. Por isso é preciso que nós, avicultores, tenhamos responsabilidade e cuidemos melhor da nossa biosseguridade, que é o nosso maior bem”, aponta.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem site – lateral
AB VISTA Quadrado
PSA
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.