Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas Produção com sustentabilidade

Cargas elétricas e cortina de vento otimizam aplicaçãode defensivos nas lavouras

Gotas carregadas com carga negativa são levadas para baixo com a força do vento e atraídas quando para o alvo quando chegam próximas da planta

Publicado em

em

Divulgação/Jacto

Para se ter uma boa lavoura, livres das principais pragas, o manejo das aplicações de agentes fitossanitários deve ser preciso. Basta um ventinho diferente para que os produtos aplicados se percam à deriva. Além de jogar dinheiro ao vento, o produtor terá plantas que não receberam as moléculas protetoras e, assim, corre riscos mesmo feitas as aplicações, seja em soja, milho, algodão ou outra cultura.

Os inseticidas e fungicidas, de gotas extremamente finas, são bastante suscetíveis à deriva. Mas uma tecnologia recentemente lançada no mercado brasileiro pretende acabar com essas perdas e deixar mais homogêneo o depósito desses materiais nas plantas, do começo ao fim do ciclo. Marcella Guerreiro, engenheira agrônoma na Jacto e uma das profissionais responsáveis pelos testes a campo do equipamento, explica que o sistema utiliza dois princípios para otimizar as aplicações: vento e eletrostática.

De acordo com ela, ventos que chegam a até 100 km/hora direcionam as gotas dos bicos para baixo. Essas gotas dos inseticidas e fungicidas, carregadas com carga negativa, são atraídas para a planta, de carga neutra, quando chegam próximo a ela. “Esse equipamento pode ser usado em diferentes culturas. Na hora que a máquina estava disponível fomos a campo para fazermos testes de depósito, para ver distribuição (dos inseticidas e fungicidas) e observar como a máquina estava respondendo. O sistema está acoplado em uma máquina bico a bico, direcional. O sistema nada mais é que você fazer o carregamento eletrostático das gotas com cinco mil volts, que é a tensão que a gente está utilizando. Essa tecnologia é indicada para aplicação de fungicidas e inseticidas, quando o agricultor usa gotas extremamente finas. A gente sabe que a gota fina é sensível, pode ser perdida facilmente. Então a gente carrega as gotas negativamente. O vento da cortina leva as gotas até nosso alvo e quando essas gotas chegam perto da planta são atraídas pelo fato de a planta ser carga neutra, isolada”, destaca Marcella Guerreiro.

De acordo com a engenheira agrônoma, “essa tecnologia do carregamento eletrostático e do vento vertical ajuda a ter depósito melhor (do produto na planta) na hora da aplicação”. A cortina de vento, de acordo com ela, se adapta ao estágio da planta. “A cortina de vento tem cinco velocidades. A mais forte chega a cem quilômetros por hora em vento vertical. São cinco velocidades para acompanhar todo o desenvolvimento da cultura, desde quando ela é mais nova até que ela já esteja bem folheada. Se você colocar vento muito alto em baixa densidade foliar você tem rebote”, menciona.

O vento ajuda, ainda, o produtor a ter uma aplicação mais homogênea, de acordo com a profissional. “Como o vento abre a cultura, a gente consegue fazer esse depósito (de pesticidas) em todos os extratos da planta. A gente tem uma boa distribuição no decorrer do alvo”, sugere Guerreiro.

Uso mais racional de defensivos

Além de ter uma lavoura coberta com mais homogeneidade, o que, em tese lhe garante maior produtividade, o produtor que opta por essa tecnologia, segundo a profissional, pode reduzir o uso desses defensivos agrícolas. Em sua opinião, a prática é importante para quem quer diminuir o volume de inseticidas e fungicidas nas lavouras, reduzindo custos de produção ao mesmo tempo em que busca uma agricultura mais sustentável, dedicada a reduzir os impactos ambientais. “Quando você reduz o volume (de defensivos) você tem que ter segurança maior do que você está aplicando. Então a gente acoplou mais tecnologia na máquina. Essa tecnologia vem para dar mais segurança, com o carregamento eletrostático da gota e o direcionamento para o alvo. A gente acaba reduzindo a perda com deriva. A deriva nunca vai sumir 100%, mas tudo que a gente puder acoplar na máquina para reduzir as perdas a gente faz. O produtor acaba tendo uso mais eficiente. Além, é claro, de saber que o produto foi bem depositado e a planta reage de uma maneira positiva”, amplia.

A máquina permite ainda fazer a dessecação da lavoura. “Você consegue fazer os dois tipos de operações. Os produtores rurais estão animados com o equipamento, pois trabalhar com gota fina é extremamente sensível, ela é suscetível às condições climáticas. Tudo que a máquina consegue fazer para te ajudar a levar a gota até o alvo antes que se perca é muito bem-vindo”, reforça a engenheira agrônoma.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Bovinos / Grãos / Máquinas Falta competitividade

Brasil não tem condições de exportar leite, sugere diretor executivo da Viva Lácteos

“Commodities é preço, e precisamos aumentar a competitividade para exportar”, resumiu

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A programação do Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite apresentou a visão da indústria com Marcelo Martins. Na palestra, realizada em 06 de novembro de 2018, Martins ressaltou a importância de, antes de focar apenas no mercado externo, ampliar o consumo interno. “Commodities é preço, e precisamos aumentar a competitividade para exportar”, resumiu.

 Martins é engenheiro agrônomo e atualmente ocupa o cargo de diretor executivo da Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos), além de ser consultor técnico da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Enquanto muito se fala da necessidade de exportar, Martins mostrou o imenso potencial dentro das fronteiras brasileiras. Hoje o consumo interno é de apenas 70 litros de leite/habitante/ano. “Os preços internos são bem superiores aos praticados no mercado internacional; só no leite em pó, a diferença é de 23%”, ressaltou. Portanto, o preço é o primeiro entrave para as exportações de leite. Para exportar, o Brasil precisa basicamente aumentar sua competitividade externa. “Além da otimização de custo por parte do produtor e da indústria”, salienta.

Martins destaca a importância de melhorar o saldo da balança comercial do setor e ampliar o consumo interno, visando um crescimento sustentável. “Não é saudável crescer 4% ao ano sem gerar demanda para isso”, enfatizou. O mercado, lembra ele, é regulado por oferta e demanda. “Sem fazer o dever de casa, teremos uma pressão de seleção, não só para o produtor, mas para todos que não se encaixarem”, enfatizou.

O palestrante lembrou que o Brasil é um importante consumidor do leite fluído. “Independente da condição de renda, as pessoas vão continuar consumindo leite UHT”. No entanto, o consumidor não tem disposição para pagar por grandes oscilações de preços, entende. “Nosso desafio é introduzir na dieta dos brasileiros produtos de maior valor agregado”, acredita, lembrando que o aumento do consumo de lácteos está relacionado à renda e ao processo de inovação tecnológica.

Marcos regulatórios

Martins ressalta a constante inovação tecnológica que entrega ao mercado novos produtos: zero lactose, funcionais, enriquecidos, fortificados, sobremesas lácteas, produtos light e grego, entre outros, todos com alta aceitação. No entanto, o país tem o desafio de atualizar os marcos regulatórios do novo sistema de registro de produtos e rótulos, harmonizar parâmetros de qualidade (IN51, 62, SIF, SIE e Sim) estaduais com regras federais, além da desburocratizar os trâmites na aprovação destes produtos.

O palestrante ressaltou ainda que nunca se falou tanto em alimentação e nutrição. “Os questionamentos são cada vez maiores. Também temos menos governança ao lidar com essa questão. Nos resta fazer o dever de casa e não dar brecha a temas como esses avançarem”, diz. Martins comenta ainda sobre o grande viés ideológico com relação a alimentos processados, rotulagem nutricional, redução de açúcar, sódio e gorduras. “Além de causar confusão ao consumidor, gera restrições à indústria”.

“A comunicação é extremamente importante”, garante. A estratégia hoje, diz Martins, é tornar alguns alimentos como “vilões”. Rotulagem de produtos e propaganda devem ser extremamente discutidos, acredita. “Vamos falar bem dos lácteos, dos nutrientes intrínsecos do leite e minimizar o risco da má informação. Temos muito a crescer, mas, cada vez mais, o profissionalismo é a bola da vez em nosso negócio”, sugere Martins.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Produção

Sêmen refrigerado eleva taxas de prenhez em bovinos

Cientistas constataram um aumento de dez pontos percentuais nas taxas de prenhez

Publicado em

em

Eraxion - iStock

Pesquisadores obtiveram melhoras significativas ao utilizar o sêmen refrigerado na inseminação artificial bovina em comparação aos gametas congelados. O trabalho foi feito pela Embrapa no Pantanal com a participação da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP). Os cientistas constataram um aumento de dez pontos percentuais nas taxas de prenhez. “Ou seja, em vez de atingir 50% de prenhez após a inseminação, que era o previsto, com o uso do sêmen refrigerado chegamos a 60%, obtendo 20% de bezerros a mais com essa técnica”, conta a pesquisadora Juliana Corrêa, da Embrapa Pantanal (MS).

As primeiras pesquisas coletaram o sêmen de três touros melhoradores em uma propriedade próxima a Corumbá (MS) e o levaram, refrigerado a cinco graus, de avião a uma fazenda no município de Pantanal do Paiaguás, no mesmo estado, para usá-lo na inseminação das fêmeas 24 horas após a coleta. O estudo comparou cerca de 400 bovinos sob essas condições; outras 400 vacas foram inseminadas com protocolos regulares, utilizando sêmen congelado dos mesmos animais. “Tivemos 49,9% de prenhez com o congelado e 59,9% com o refrigerado. É um número bem significativo”, atesta a cientista da Embrapa.

Nicho para o veterinário de campo

Corrêa esclarece que a utilização do sêmen refrigerado requer um profissional qualificado, assim como o trabalho com outras biotécnicas aplicadas nos rebanhos bovinos. Portanto, avaliar questões relacionadas à disponibilidade de profissionais capacitados é fundamental para que o investimento tenha sucesso. “Para se trabalhar com a própria IATF é preciso estrutura e pessoal qualificado para aplicar os hormônios ou inseminar os animais. É um nicho de mercado para o veterinário de campo que faz essa IATF, por exemplo. Ele já vai estar na fazenda para a inseminação; se treinar para manipular o sêmen dessa maneira, pode coletar o material, agregar valor ao seu trabalho e ainda aumentar a taxa de prenhez do rebanho que atender”, recomenda a especialista.

Logística também é um fator importante, mas a pesquisadora assegura que o uso do sêmen refrigerado demanda poucas exigências para sua efetividade. Prova disso foi o sucesso da sua aplicação na região do Pantanal, que por vezes oferece dificuldade de acesso às propriedades e aos animais em função da grande extensão das fazendas. “Uma vantagem da técnica é que, como você não congela o material, não temos as desvantagens do descongelamento. Tiramos as palhetas da caixa, que chegaram a cinco graus, e já montamos o aplicador. Não colocamos na água para descongelar. Por isso, o processamento é mais simples.”

A cientista frisa os cuidados de manuseio da caixa com o material, pois ele pode sofrer choque térmico durante a abertura. “Testamos o sêmen a cinco graus (…), pensando no nosso calor. Quando abrimos aquela caixa, ela já vai de cinco graus para quinze”, revela. Corrêa ressalta ainda a importância de se trabalhar com touros melhoradores nesse processo. “Não queremos usar o sêmen refrigerado de qualquer animal. Já que o produtor paga mais caro pelo touro melhorador (…), compensa fazer a IATF com esse sêmen para aumentar a prenhez e ter mais chances de difundir esse material genético ao mesmo tempo, tendo maiores vantagens no retorno do investimento e na qualidade dos animais que ele vai produzir.”

Por que funciona?

De acordo com Corrêa, o sêmen refrigerado é colhido, diluído e mantido a uma temperatura de cinco graus até o momento da inseminação. Já o congelado, aplicado frequentemente em biotécnicas como a inseminação artificial em tempo fixo (IATF), é colhido e mantido a -196 °C até seu uso. Na IATF, programa-se a inseminação de várias fêmeas em um mesmo período. Para a pesquisadora, o aumento das taxas de prenhez obtidas com o sêmen refrigerado ocorre pela preservação da membrana plasmática do espermatozoide, que sofre variações menores de temperatura em relação ao congelado – aumentando, assim, sua viabilidade.

A pesquisadora explica que, para que o sêmen congelado chegue à temperatura de 196 °C negativos do nitrogênio e seja descongelado depois a 37 graus, as células passam por muitos procedimentos. Esses processos lesionam algumas delas e cerca de 50% do lote acaba perdendo a viabilidade. “Muito do material que temos dentro de uma palheta é perdido por causa do procedimento”, conta. Para contornar o problema, a equipe passou a investigar a viabilidade do sêmen refrigerado. O desafio envolveu a determinação da temperatura em que o sêmen deveria ser mantido, por quanto tempo poderia ser conservado após a coleta e outros fatores.

Novos estudos sobre a durabilidade

As pesquisas com a equipe da Embrapa Pantanal focam, agora, na relação entre a longevidade do período de resfriamento e as taxas de prenhez, investigando fatores relacionados à durabilidade do material. “Após o resultado satisfatório do sêmen refrigerado, utilizamos e comparamos o sêmen com 24 e 48 horas de resfriamento. Esses experimentos foram realizados durante a estação de monta 2017/2018”, conta a cientista. Até o momento, os pesquisadores não verificaram diferenças significativas nas taxas de prenhez entre os materiais nesses intervalos. “Isso é muito bom pois mostra que, se usarmos o sêmen em até 48 horas depois de ser processado, manteremos a prenhez”, comemora.

Já os experimentos realizados durante a estação de monta 2018/2019 comparam a utilização do sêmen refrigerado a 24, 48 e 72 horas após a coleta. “Estamos avaliando o intervalo de 72 horas para ver em que momento essa taxa cai e quando ela fica igual à obtida com o congelado. Essa informação é essencial para aumentar o uso do sêmen refrigerado, pois facilitaria sua logística.”

A equipe também testa diferentes tipos de palhetas e diluidores. A pesquisadora conta que, na Nova Zelândia e Irlanda, o sêmen refrigerado é usado para inseminar vacas leiteiras, buscando objetivos diferentes da pecuária de corte brasileira. Naqueles países, o alvo é otimizar o uso do touro reprodutor porque vários produtores trabalham com o mesmo animal – aquele que vai dar mais filhas com alta produção de leite. No Brasil, é usada uma concentração de 25 milhões de espermatozoides em uma palheta. Lá, utilizam de um e meio a dois milhões por palheta de sêmen refrigerado. Ao diminuir a concentração, aumenta-se o número de palhetas. “Conosco acontece o contrário: não precisamos diminuir a dose. Queremos continuar com doses semelhantes às do congelado para aumentar a prenhez, que é o que deu certo”, revela.

Ela conta que, naqueles dois países, são usadas palhetas específicas para o sêmen refrigerado, elaboradas com materiais que impedem a entrada de oxigênio. “No refrigerado, você diminui o metabolismo da célula, mas não o interrompe como acontece com o congelado. Ela continua tendo respiração celular e isso causa danos na membrana por causa do stress oxidativo.” A palheta, que chegou ao Brasil em função da linha de pesquisa da Embrapa e Esalq-USP com o sêmen refrigerado, faz parte dos estudos atuais para determinar se ela proporciona diferenças significativas em relação às palhetas comuns. Os resultados das novas investigações são esperados para 2019.

Fonte: Embrapa Pantanal
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Saúde no campo

Lei pode punir quem aplica Paraquat sem equipamentos de proteção individual

Herbicida deve ser proibido no Brasil em 2020. Até lá, as aplicações devem ser exclusivas por tratores com cabine fechada

Publicado em

em

Divulgação

O Brasil é um dos maiores produtores de grãos do mundo. Somente nesta safra, segundo o último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a expectativa é que o país produza 234,1 milhões de toneladas. Para produzir tanto grão, foram plantados 62,6 milhões de hectares. Mas, para plantar e produzir tudo isso, um quesito ainda é essencial nas lavouras: a luta contra as diversas pragas e plantas invasoras que atacam as plantações. Para isso, os produtores devem utilizar diversos defensivos ao longo de todo o cultivo.

Estas são informações sabidas dos agentes envolvidos na cadeia. Porém, existem detalhes que, muitas vezes, são “esquecidos” ou mesmo deixados de lado pelo produtor, e que podem fazer toda a diferença quando o assunto é o bem-estar e saúde do agricultor: a utilização dos Equipamentos de Proteção Individual, os famosos EPI’s. A legislação que trata da utilização destes apetrechos tem se tornando cada vez mais rígida.

Em 2017, especialmente, foi publicada uma resolução quanto ao uso específico de equipamentos para a utilização do ingrediente ativo Paraquat. Muito utilizado nas lavouras, principalmente de soja, antes do plantio e como dessecante, este herbicida oferece grande perigo para aqueles que o utilizam. Estudos indicam que a exposição a este produto pode ser um dos fatores de risco para a doença de Parkinson, pode causar mutações genéticas ou mesmo a morte.

Dessa forma, a resolução define que o uso do Paraquat será proibido no país a partir de 22 de setembro de 2020. A determinação reitera que fica proibido o uso do herbicida nas aplicações costal, manual, aérea e por trator de cabine aberta. Até 2020, só são legais as aplicações com trator de cabine fechada. O engenheiro agrônomo e fiscal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Anderson Lemiska, comenta que como há estudos que indicam os malefícios deste produto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o fim da utilização. “Dessa forma, está sendo feita a retirada gradual do produto no mercado e exigido algumas normas e práticas, inclusive a aplicação com trator com cabina”, diz.

O fiscal conta que o uso do EPI é obrigatório para todos os defensivos agrícolas, desde a classe mais tóxica até a menos tóxica. A única diferença quanto a utilização do Paraquat, que difere dos demais, é a utilização do trator com cabine.

Utilização em todos os momentos

Um ponto importante destacado por Lemiska é que a utilização do EPI deve ser não somente na hora em que o produtor está passando o produto, mas também em outros momentos. “Quem estiver formulando, colocando dentro do tanque, manipulando de forma geral o produto, deve estar com o EPI, que são a luvas, macacão, botas, toca árabe e viseira ou óculos”, informa.

Ele destaca ainda que algo que o produtor deixa passar muitas vezes é a utilização destes aparatos também na aplicação. “É um erro que eu vejo muito. O agricultor utilizar pulverizadores com cabine, mas sem o EPI. A cabine não dispensa o uso destes apetrechos. Então, o agricultor deve continuar usando, porque durante a aplicação, por mais que ele esteja dentro da cabine, que tenha filtro, tem uma hora que ele vai fazer a mistura, vai abastecer o pulverizador, vai ter que usar o EPI para fazer esses procedimentos”, explica. Sem isso, diz o fiscal, pode acontecer algum risco de contaminação ou intoxicação.

Atenção na compra

Segundo o fiscal, houve também mudanças com relação à prescrição do produto. “O profissional que emite o receituário agronômico já emite também um termo de responsabilidade junto ao usuário, onde os dois assinam. É um termo de reconhecimento de risco. É dever do profissional que receitou o Paraquat informar ao produtor rural as medidas de segurança necessárias. Ele tem que deixar bem manifestado todos os EPI’s recomendados para manuseio e aplicação do produto”, conta. Além disso, a declaração que o produtor e o engenheiro agrônomo assinam fica à disposição da fiscalização.

Um detalhe citado por Lemiska é que o produtor pode se recusar a utilizar o Paraquat. “O uso deste produto não é obrigatório, então o produtor pode solicitar a utilização de uma alternativa que tenha o mesmo efeito”, diz. Ele exemplifica, dizendo que o produto é muito utilizado para dessecar soja. “É um dos mais usados para este fim. Porém, existem outras moléculas que podem ser utilizadas também, que é um meio alternativo para a aplicação”, comenta.

Fiscalização

Como o uso do Paraquat tem sido restringido, Lemiska informa que a fiscalização no campo tem sido bastante rigorosa. “Se o produtor estiver dessecando a soja, por exemplo, com o produto e estiver sem o EPI e sem o trator de cabina ele pode ser autuado pela Adapar ou outro órgão fiscalizador”, expõe. Ele comenta que geralmente, neste caso, o primeiro passo é o produtor receber uma notificação para se adequar às regras exigidas. “Mas, como ele já assinou um termo de conhecimento, partimos do princípio de que ele já sabe que precisa destes equipamentos”, diz.

O fiscal comenta que hoje quem utiliza os tratores de cabina aberta são geralmente os pequenos produtores. “Com eles o trabalho deve ser mais intenso”, diz. Já os médios e grandes produtores usualmente já têm o aparelho para aplicação própria, com cabina fechada e filtros. “Estes são melhores porque protegem não somente do Paraquat, mas de todos os outros defensivos”, comenta.

Ainda precisa de pesquisa

De acordo com Lemiska, a retirada do produto será em 2020, dessa forma, é importante que o produtor busque alternativas. “Já existem outros produtos que estão sendo utilizados e que funcionam muito bem”, afirma.

Ele ainda comenta que, para a restrição do produto, foi feita uma consulta a nível mundial. “Percebemos que países mais desenvolvidos, que têm mais dados sobre o potencial do Paraquat, seja de toxidade ou problemas que podem causar, têm mais pesquisa sobre o assunto. Países menos desenvolvidos cientificamente ficam retardatários. No Brasil, temos que tomar como base Japão, Estados Unidos ou países da Europa, porque lá eles pesquisam mais”, conta.

Para ele, é importante que o Brasil passe a pesquisar mais sobre o assunto e ter resultados do campo brasileiro, uma vez que nem tudo o que é pesquisado em outros países é publicado e também como cada país tem suas características, alguns quesitos podem ser diferentes uns dos outros.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Conbrasul 2019
Ecobiol- Evonik
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.