Conectado com
OP INSTAGRAM

Losivanio Luiz de Lorenzi Opinião

Brasil, uma embarcação a deriva…

Nosso agronegócio que é pujante nos grãos, está duramente afetado na questão das proteínas animais

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Losivanio Luiz de Leorenzi, presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS)

Temos uma frase que há muito tempo vem sendo falada e mais que nunca, ela está dentro de uma realidade indiscutível: ‘o Brasil não é para amadores’. Com a atual situação mundial da pandemia, onde cada cidadão, independente de direita ou de esquerda é um cientista, vemos o Brasil se afundar cada vez mais por termos os políticos que defendem fechar tudo, mas não lembram de quem tem que trabalhar o dia inteiro para garantir a refeição do dia seguinte.

Estes mesmos políticos que trancam tudo, continuam mandando os boletos de impostos como IPTU, ICMS, Pis/Cofins, dentre inúmeros outros tributos.  Nessa mesma contramão, vimos um comentário da deputada federal Maria do Rosário, do PT-RS, criticando o agronegócio nas redes sociais. Ela diz que o agro continua com sua jornada de destruição do Brasil em busca de lucros que nunca serão compartilhados com o povo, mas esquece que usufrui do trabalho dos produtores rurais diariamente.

Sem conhecimento algum critica o único setor que está segurando o Brasil para não afundar cada vez mais. Se não fossem as exportações do agro, de onde sairia o dinheiro para pagar o tal coronavolcher? Pura incompetência. E agora, sem julgar o mérito do certo ou do errado, o que aconteceu com a decisão do ministro Edson Fachin, traz uma insegurança jurídica muito grande para o nosso país, além de afundar cada vez mais a crise institucional que viemos atravessando nos três poderes.

Dessa forma, fica difícil algum empresário internacional querer investir e acreditar num País com essa bagunça toda generalizada, por causa a politicagem que opera dentro das nossas instituições.

Nosso agronegócio que é pujante nos grãos, está duramente afetado na questão das proteínas animais. Na semana passada, numa reunião virtual com grandes lideranças do agronegócio brasileiro, juntamente com a ministra Tereza Cristina, me preocupou muito quando falou que teremos até 2023 uma dificuldade de menores preços no mercado interno para grãos pela forte demanda de exportação dos mesmos por países como a China e África.

Nessa mesma reunião, representantes de frigoríficos, principalmente na área de frangos, disseram que terão que diminuir a produção, pois os custos já não pagam mais a conta, ficando sempre a preocupação de alta de preços para o consumidor, que nessa pandemia boa parte deles está sem renda ou com ela afetada.

Qual o futuro de um País, onde vemos esquerda contra direita, nós contra eles, uma pandemia avassaladora destruindo famílias por perdas irreparáveis e sem um rumo certo a seguir? Voltando os olhos para nosso Estado, onde o agronegócio tem emprego sobrando, mas vejo que muitos preferem ir nas filas dos bancos buscar o coronavolcher – que será estendido por alguns meses – do que ter uma carteira assinada e renda garantida. Independente de nossas diferenças é difícil olhar um futuro promissor, ou nós nos unimos como nação, ou estaremos mais para nos transformarmos numa Argentina ou Venezuela do que numa pátria promissora.

Pensem nisso.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + dezoito =

Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.