Conectado com
LINKE

Empresas

Bem-estar animal: como a tecnologia voltada aos cuidados animais impactará a pecuária brasileira

É fato: práticas mais racionais na rotina de cuidados com os animais, além de reduzirem o estresse, melhoram a produtividade

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Quando falamos sobre inovação pensamos, geralmente, em uma ideia genial que revoluciona toda a maneira de fazer algo. De certa forma essa visão está correta, mas não está completa. As tecnologias das quais usufruímos hoje são possíveis porque muitos investimentos em pesquisa e desenvolvimento foram feitos ao longo dos anos, porque as pessoas começaram a construir alternativas às coisas que as cercavam, e que hoje dão frutos.

O Brasil há muitos anos recebe a alcunha de “o celeiro do mundo” porque aprendeu a valorizar e utilizar seus recursos naturais de forma a se tornar um País extremamente competitivo quando o assunto é a exportação de commodities, por exemplo. Mas ter os recursos apenas não bastam, é preciso geri-los para se tornar indispensável e saber atender a mercados cada vez maiores e mais exigentes, como é o caso da China, por exemplo.

Tomo como outro modelo as mudanças de mentalidade que as pessoas têm apresentado nos últimos anos em relação aos alimentos que consomem: elas têm se voltado às origens, para saber de onde vem o produto, como a cadeia de produção é estruturada e quais as condições que propiciam que aqueles alimentos cheguem às suas mesas.

De acordo com uma pesquisa feita pela Innova Market Insights, consultoria holandesa especializada em estudos no setor de alimentos e bebidas, as pessoas estão cada vez mais exigentes com a transparência de informações em embalagens e rótulos. E por mais que existam diferenças econômicas, sociais e culturais, os brasileiros, dentro de sua realidade, também expressam uma tendência semelhante a essa. Um estudo feito pela IBM em 2019 sobre tendências globais de consumo – que inclui o Brasil – mostra que um terço dos consumidores deixa de comprar produtos mesmo de suas marcas favoritas caso percam a confiança nelas. Os entrevistados afirmaram também que têm priorizado empresas que são transparentes e alinhadas com os propósitos que pregam; eles estão dispostos a pagar mais e até mudar seus hábitos de consumo, pelas marcas que acertam nisso.

Portanto, essa tendência é mundial e deverá ganhar ainda mais espaço ao longo dos próximos anos, e não adiantará lutar contra isso, pois as pessoas têm a tecnologia como aliada nessa mudança de comportamento: mecanismos de buscas, bancos de dados integrados que informam os processos e origens de tudo que é fabricado. Um clique e a informação sobre o alimento está disponível.

Quando olhamos para esse exemplo com cuidado, observamos diversas iniciativas que podem ser definidas como estratégias de promoção do bem-estar animal, como o diagnóstico precoce e a predição de doenças de forma progressiva, que evitam que o animal passe por desgastes provenientes de enfermidades que podem ser prevenidas e, consequentemente, também garantem a maior produtividade, garantindo um retorno do investimento feito pelo produtor.

É fato: práticas mais racionais na rotina de cuidados com os animais, além de reduzirem o estresse, melhoram a produtividade. Por isso, temos visto no campo o crescimento da aliança agropecuária com a tecnologia, como as startups totalmente voltadas para tecnificar o campo e os próprios produtores que têm buscado por ferramentas que possibilitam monitorar até mesmo o humor desses animais – além de condições de abrigo, níveis de alimentação e comportamentos destoantes etc. – o que permite ainda que os pecuaristas possam gerenciar suas produções e fazer projeções de ganhos para saber no que investir para aumentar sua rentabilidade com segurança.

As demandas do mercado também estão mais voltadas a fatores relacionados ao bem-estar animal: compradores de mercados mais exigentes, como os asiáticos, a exemplo de Hong Kong, China, priorizam fornecedores que ofereçam a chamada “grass-fed beef”, a carne produzida sobre pastagens. Esse fator acaba sendo um grande diferencial apresentado pelo agronegócio brasileiro, que é capaz de atender a essas demandas de forma bastante efetiva, pois possui recursos naturais – como pasto, água, grande produção de grãos e um clima favorável para que esses recursos sejam gerenciados ao longo de todo ano, ao contrário de países que precisam enfrentar estações muito frias que tornam a produção muito mais desafiadora. Ótima oportunidade para produtores brasileiros, que, em sua maioria, já fazem isso, trabalham com animais no pasto e, em alguns casos, só precisam aprimorar as técnicas de manejo e manutenção de suas criações.

Como o maior exportador de proteína animal do planeta e com um crescimento do ramo pecuário, entre janeiro e outubro de 2020, de 21,95% e quando comparado ao mesmo período de 2019, de acordo com dados do Cepea Esalq/USP, a pecuária bovina brasileira une a experiência da lida diária do produtor com a modernidade que se apresenta e mostra a sua resiliência. É a isso que se deve o constante crescimento da oferta de soluções que permitem ao produtor ter melhor controle da prevenção de doenças em seus animais e, consequentemente, trazer mais qualidade de vida aos seus animais. Sem dúvidas, esse é um grande avanço para a pecuária, já que contribui e muito para uma melhor gestão de produção e para um manejo mais assertivo e cuidado com os animais. O que antes era visto como a pecuária do futuro, hoje já é a pecuária do presente.

O emprego dessas tecnologias vai ao encontro da visão de saúde única, tão importante para o fortalecimento do nosso mercado. Temos sempre que pensar que, os cuidados com os animais impactam não somente no seu bem-estar, mas em toda a cadeia em que ele está inserido, inclusive na qualidade do alimento que nos é oferecido e na gestão sustentável de produção. Tudo está diretamente conectado, e esse equilíbrio é imprescindível para o avanço da nossa pecuária em todo o mundo.

Esse entendimento não está apenas no tratamento de doenças ou no manejo, mas está em toda interação com animal a fim de proporcionar prevenção para os rebanhos e segurança para o restante da cadeia. Esses itens vão ser cada vez mais decisivos para os clientes, o que certamente levará a mudanças na cadeia produtiva.

Temos de ter em mente que a qualidade do produto começa no nascimento do animal e está atrelado à toda sua condição de vida, passando por todas as fases de criação e transporte.

É no conhecimento que está a chave para que todos os níveis da cadeia de produção estejam cientes do trabalho cuidadoso que é feito ao longo de todo o processo. A democratização da informação é uma das heranças que teremos desse momento que estamos vivendo e a tecnologia é uma das principais aliadas. Já existem soluções inovadoras sendo aplicadas no campo para garantir que as melhores práticas de manejo e sanidade animal sejam cumpridas.

Finalizo essa reflexão reforçando que, prezar pelo bem-estar animal é um caminho que só traz benefícios para todos os envolvidos na cadeia produtiva. Sabemos que a tecnologia pode ser uma ferramenta importante na pecuária, mas para que ela trabalhe a favor de mudanças positivas nós precisamos garantir que o propósito da companhia acolha e reforce o propósito das pessoas que fazem parte da cadeia produtiva, garantindo uma produção mais eficiente. Nós estamos aqui para ajudar a impulsionar o bem-estar animal, com tecnologia e informação ao mercado. É assim que caminharemos cada vez mais longe.

 

*Henrique Casagrande é diretor da unidade de Ruminantes da MSD Saúde Animal

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Empresas Pecuária responsável:

Aditivo melhora a saúde do rúmen de vacas leiteiras, permitindo maior eficiência na produção e menor perda de energia

Publicado em

em

Foto: Assessoria

O investimento em aditivos que ajudam no processo digestivo das vacas, além de auxiliar na saúde ruminal e longevidade do animal, melhora em especial o desempenho na lactação.

“V-Max, nome comercial da molécula virginiamicina, é uma excelente opção para os produtores de leite que buscam não somente maior produção, mas, sim, melhor qualidade do leite, além de maior longevidade dos animais. Em outros países, a virginiamicina também possui indicação no auxílio da prevenção e no controle da acidose ruminal e de abcessos hepáticos em bovinos”, relata Cleocy Junior, que é zootecnista e gerente de pecuária leiteira da Phibro.”

“A virginiamicina é altamente eficaz contra bactérias associadas ao baixo pH ruminal, melhorando a saúde ruminal das vacas e, consequentemente, ajuda os animais a utilizarem os nutrientes de forma mais eficiente. Além disso, ao melhorar a eficiência do processo fermentativo, há diminuição na produção de metano, o que representa perda de energia e também aumenta a retenção de nitrogênio pelos animais, diminuindo assim, a sua excreção”, detalha Cleocy. “Esses benefícios são favoráveis para uma pecuária mais sustentável, pois contribui com o meio ambiente.”

Além dos benefícios encontrados na eficácia da molécula na produção e saúde ruminal, existem diversos estudos que comprovam a segurança alimentar com a utilização da virginiamicina. O consenso científico é de que a virginiamicina é atóxica, devido à baixa absorção no trato gastrointestinal dos animais. Em adição, a gerente técnica de bovinos da Phibro, Vanessa Carvalho, informa que diversas pesquisas relacionadas à virginiamicina, utilizando diferentes espécies, mostraram a ausência de resíduos acima dos limites máximos estabelecidos por autoridades europeias, australianas e japonesas. “Assim, a molécula produzida exclusivamente pela Phibro possui carência zero para a produção de leite”, complementa.

Ao permitir maior saúde ruminal, maior eficiência de produção e menor perdas de energia e, tudo isso, com segurança alimentar e sem exigir perdas temporárias na produção, o aditivo da Phibro é um aliado importante para o desenvolvimento sustentável – ambiental e econômico – da pecuária leiteira, atividade que produz 35 bilhões de litros de leite por ano, com o movimento de mais de R$ 43 bilhões a partir da produção de 16,3 milhões de vacadas ordenhadas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Planta da Evonik em Castro promove alto nível de sustentabilidade

A aplicação de “Avaliações do Ciclo de Vida” (ACV) objetiva mensurar as práticas sustentáveis desde a estrutura fabril até o produto final

Publicado em

em

Unidade Evonik em Castro / Divulgação.

Uma empresa sustentável tem suas ações e iniciativas pautadas pela ética e pelo respeito ambiental. Justamente dentro dessa proposta nasceu a planta da Evonik para a fabricação de Biolys® na cidade de Castro, Paraná, utilizando a mais avançada tecnologia de biofermentação. Desde 2015, cerca de 100 pessoas trabalham na produção de aproximadamente 60 mil toneladas por ano de Biolys® (Sulfato de L-lisina) na base equivalente de lisina HCl, empenhados em garantir que produtos e serviços sejam fabricados e fornecidos da forma mais sustentável possível e com a garantia de fornecimento ao mercado de produção animal.

Um dos meios utilizados pela Evonik para atingir tal meta foi a aplicação de “Avaliações do Ciclo de Vida” (ACV), que mensura os impactos ambientais de um produto ao longo de toda a sua vida, levando em consideração a extração e o processamento das matérias-primas, as práticas de fabricação, a distribuição, o uso, a reciclagem e, por fim, o descarte.

Utilizada pela empresa no mundo todo, trata-se de uma abordagem implementada a partir de 2003, ano da primeira ACV feita para o MetAMINO® (aminoácido DL-Metionina). Essa análise de sustentabilidade tem sido constantemente aplicada ao crescente número de produtos do portfólio e plantas de produção da Evonik.

 

Sustentabilidade da estrutura ao produto

Os inovadores processos de produção do Biolys® na planta de Castro/PR também passaram por essa avaliação. O enfoque foi a pegada de carbono, que representa o grau de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Além disso, a Evonik também analisou todo o ciclo de vida, demonstrando o papel-chave dos aminoácidos como ferramenta para melhorar o desempenho e sustentabilidade das operações de produção animal.

De acordo com Miguel Menezes, gerente da fábrica da Castro, mais de 90% da demanda de energia elétrica da planta serão supridos por fontes renováveis em 2021, principalmente por energia hidrelétrica. Isso corresponde a um potencial de aquecimento global menor do que a matriz padrão da rede elétrica brasileira. O vapor necessário para a produção é totalmente gerado com cavacos de madeira de eucalipto, outra fonte renovável.

A principal matéria-prima necessária ao processo de produção do Biolys® (Sulfato de L-lisina) é o açúcar. Na unidade de Castro, é usada dextrose proveniente do milho, que captura grandes quantidades de CO2 durante o seu crescimento. A planta está localizada em uma região de cultivo de milho e justamente ao lado de um moinho produtor de dextrose, reduzindo assim as emissões com transporte, além de outros benefícios de sustentabilidade acumulados no processo de produção.

A fábric é altamente instrumentada e automatizada, o que favoreceu a utilização de “big data” para a otimização de processos, permitindo a redução no consumo específico das principais utilidades, nos 4 primeiros anos de funcionamento, conforme segue:

Água :  -14% ; Gás Natural: -6 % ; Vapor: – 41 % ; Eletricidade: – 6%

“As otimizações de processo realizadas pelos profissionais altamente preparados da planta de Castro/PR, com o suporte científico de pesquisadores e engenheiros da Alemanha, permitiram a produção e comercialização de um produto mais concentrado a partir de meados de 2020. Com isso, menos diesel é gasto para transportar a mesma quantidade de lisina HCl, além de diminuir a utilização de recursos naturais, por kg de lisina HCl, com embalagens e gás GLP para empilhadeiras”, explica Menezes.

 

Efeito cascata

As melhorias contínuas da produção permitiram à Evonik implementar uma nova formulação de produto: novo Biolys®, agora com 60% L-lisina, sendo um aumento de 10% no teor de lisina sulfato em comparação com a formulação do produto anterior. Tal aprimoramento trouxe benefícios específicos de sustentabilidade.

Segundo Victor Naranjo, Diretor Técnico América Latina, considerando que o processo para produzir o produto alternativo de lisina na forma HCl demanda quantidades significativas de HCl e gera subprodutos, o processo de produção do Biolys® não separa a biomassa (o que agrega valor nutricional ao produto) e não gera nenhum subproduto ou resíduo a ser descartado.

“Com as melhorias tecnológicas introduzidas para a produção do Biolys®, foi obtida uma redução adicional das emissões de CO2 na planta, alcançando o valor atual de 0,23 kg de equivalentes de CO2 por kg de Biolys®. Esse baixo valor também se deve ao fato de que as áreas agrícolas do entorno da fábrica já são utilizadas há mais de 20 anos para a plantação de milho e de outros produtos agrícolas”, finaliza o executivo.

Vale destacar ainda que a adição dos aminoácidos à alimentação animal, combinada com a redução consistente de proteína bruta nos alimentos, é um método extremamente sustentável para garantir uma nutrição animal saudável para uma população mundial em crescimento. Tudo isso nos impõe a necessidade de fazer uso dos recursos naturais existentes com a maior eficiência possível.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Difusão de conteúdo técnico e inovação marcam participação da Vetanco no SBSA 2021

Nesta edição, outra novidade apresentada pela Vetanco foi o Happy Hour do Galo, em substituição ao tradicional Jantar do Galo, que não pode ser realizado de forma presencial devido aos protocolos de enfrentamento à pandemia de Covid-19

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O Nucleovet/SC – Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas, realizou o 21º Simpósio Brasil Sul de Avicultura (SBSA) e 12ª Brasil Sul Poultry Fair, totalmente on-line. O evento contou com o apoio da Vetanco, assim como acontece desde a primeira edição. Para o Gerente Comercial – Aves Sul da Vetanco, médico-veterinário Mauro Renan Felin, o evento caracterizou-se como inovador. “Mais uma vez, o Nucleovet superou as expectativas de inscrições, já se posicionando como um evento de alto nível e, para 2022, deve ser promovido num modelo híbrido”, destaca.

A Vetanco participou do SBSA com estande virtual, onde disponibilizou conteúdo técnico variado como, por exemplo, a terceira edição do e-Book Micotoxinas: prevalência na América Latina – edição 2020, lançado na última semana de março deste ano. Além disso, profissionais do time Vetanco prestaram auxílio aos visitantes do estande através de chat. “A proposta foi muito bem recebida pelos nossos clientes. Todos os materiais foram disponibilizados para download, com muitos acessos, principalmente o e-Book sobre as micotoxinas. Também apresentamos um vídeo institucional, que teve um retorno muito bacana, deixou uma mensagem bastante positiva”, explica o Gerente Comercial – Aves Norte da Vetanco, médico-veterinário Bruno Milagres.

 

Happy Hour do Galo

Nesta edição, outra novidade apresentada pela Vetanco foi o Happy Hour do Galo, em substituição ao tradicional Jantar do Galo, que não pode ser realizado de forma presencial devido aos protocolos de enfrentamento à pandemia de Covid-19. “Fechamos com chave de ouro o SBSA com o Happy Hour do Galo, uma live que contou com a participação de mais de 400 pessoas”, comemora Felin.

O mesmo sentimento é compartilhado por Milagres, que ressalta a participação massiva dos clientes e feedbacks muito positivos. “Tanto para o SBSA quanto para a live, muitos clientes nos retornaram de forma muito positiva. Acredito que o objetivo foi atingido, pois conseguimos levar conhecimento, entretenimento e juntamos pessoas do Brasil inteiro: do Sudeste, do Nordeste, do Norte, Centro-oeste e do Sul, ouvindo a mesma música, batendo papo pelo chat da live, pelos grupos de WhatsApp, então, acredito que a Vetanco se superou mais uma vez, como sempre fizemos no SBSA”, avalia.

live foi transmitida pelo canal da Vetanco no YouTube a partir da Cave – Casa dos Amigos e Colaboradores da Vetanco. Contou com a apresentação do médico-veterinário Adair Junior Alves, Coordenador de Território – Aves. Busque por Vetanco no YouTube, inscreva-se no canal e receba as atualizações.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.