Conectado com
FACE

Notícias Paraná

Atraso no plantio de soja do Paraná é o maior em pelo menos 5 anos, diz Deral

Paraná é o segundo produtor nacional de soja e também o segundo de milho, atrás do Mato Grosso

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Produtores do Paraná tinham plantado até segunda-feira apenas 8% da área projetada com soja no Estado, avanço semanal de apenas cinco pontos percentuais devido à escassez de chuvas para semear, o que já resulta no maior atraso do plantio no Estado desde 2015, pelo menos, segundo dados do Deral divulgados na terça-feira (06).

Na mesma época do ano passado, produtores tinham semeado 22% da área estimada, enquanto em 2018, quando os trabalhos foram historicamente avançados, o total era de 38%, segundo números do Departamento de Economia Rural (Deral), do governo do Estado.

A preocupação para a soja, por ora, está mais relacionada à época de colheita, uma vez que o atraso no plantio deve empurrar o início das operações das colheitadeiras mais para frente, justamente em momento em que o mercado brasileiro lida com escassez do produto e preços recordes da oleaginosa.

Na terça-feira, operadores da bolsa de Chicago citaram a seca na América do Sul como fator de alta para os preços da soja, que atingiram naquele mercado o maior valor desde maio de 2018. “Alguns produtores plantaram no pó, arriscaram, mas é muito pouco. De maneira geral, conversando com técnicos na região oeste, o produtor da região de Toledo está cauteloso, e está esperando chuva para plantar”, disse o economista do Deral, Marcelo Garrido.

Ele lembrou que há previsão de retorno de chuva para o dia 8, embora os volumes não devam ser grandes, em um primeiro momento, intensificando-se na próxima semana. “Então acho que vai ficar nesse compasso de espera até ter previsão mais consistente de chuvas”, acrescentou. Em sua última projeção, o Deral estimou a safra de soja do Paraná em 20,4 milhões de toneladas, 1% a menos do que o registrado em 2019/20, devido a um possível recuo na produtividade.

Garrido comentou que o atraso preocupa mais em função da janela ideal para o plantio do milho, semeado após a colheita da oleaginosa, uma vez que “outubro ainda é o melhor mês para plantar soja e historicamente a produtividade é maior”, dado que lavouras costumam se beneficiar da posterior regularização das chuvas.

O Paraná é o segundo produtor nacional de soja e também o segundo de milho, atrás do Mato Grosso. “Mas é claro que, quanto mais o tempo passa e a chuva não chega, a preocupação fica maior.” O especialista em milho do Deral, Edmar Gervásio, disse que neste momento o sinal é “amarelo” para o produtor de milho (segunda safra). “Não cruzamos o vermelho.”

O plantio do cereal vai até março no Paraná. Mas algumas regiões, pelo zoneamento, podem plantar até fevereiro, como é o caso do oeste do Estado, disse Gervásio. Quanto mais o plantio de milho se atrasa, maiores a chances de a lavoura eventualmente ser atingida por geadas ou períodos secos, com a proximidade do inverno. Na região norte, a principal produtora, o plantio de milho vai até março.

Em geral, produtores que têm seguro rural ou usam financiamentos precisam respeitar o zoneamento climático de plantio.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + oito =

Notícias Safra de inverno

Santa Catarina amplia em 15% área plantada de trigo

Com a safra encerrada no final de janeiro, a expectativa é de que tenham sido colhidas 171 mil toneladas

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A alta nos preços estimulou o plantio de trigo em Santa Catarina. Com a safra encerrada no final de  janeiro, a  expectativa é de que tenham sido colhidas 171 mil toneladas, cultivadas em aproximadamente 58 mil hectares – um aumento de 15% na área plantada em relação ao ano anterior. A Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural vem estimulando a produção de trigo nas lavouras catarinenses como alternativa para reduzir a crescente dependência de milho para ração animal.

“Embora com uma queda na produtividade, tivemos um resultado muito positivo na safra de trigo 2020/2021. Estamos estimulando a pesquisa para o desenvolvimento de novos cultivares, queremos ampliar ainda mais a área plantada com cereais de inverno em Santa Catarina. Temos áreas pouco utilizadas, com lavouras disponíveis para o plantio de trigo, triticale e cevada, por exemplo, que podem ser utilizados na fabricação de ração animal. Com isso, conseguiremos agregar mais uma fonte de renda para o produtor rural”, destaca o secretário da Agricultura, Altair Silva.

Em algumas regiões como Canoinhas e São Bento do Sul, o aumento da área plantada chega a 40%. Segundo o analista do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) João Rogério Alves, os bons preços praticados no início da safra levaram os produtores a investir na atividade e ampliar suas áreas de cultivo.

As estimativas são de que os catarinenses tenham colhido 171,3 mil toneladas de trigo na safra 2020/21, uma alta de 11% em relação ao ano anterior. Boa parte da produção está concentrada na região de Canoinhas e Chapecó.

Alta nos preços de trigo

A manutenção dos preços do trigo em patamares elevados se deve a vários fatores, entre eles a produção nacional insuficiente para atender a demanda, já que mais da metade do volume consumido pelo mercado brasileiro é importado. Outro aspecto relevante é o mercado internacional, com o dólar elevado e a implementação de barreiras tarifárias impostas por importantes países exportadores.

Estímulo ao plantio de grãos de inverno

Com uma cadeia produtiva de carnes em constante crescimento, Santa Catarina busca alternativas para reduzir a dependência de milho e diminuir os custos de produção. A Secretaria de Estado da Agricultura pretende reforçar o apoio para o plantio de trigo, triticale e cevada.

A Secretaria da Agricultura já desenvolve um Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno, que pretende ampliar em 120 mil hectares a área plantada com esses grãos no estado. A intenção é ocupar as áreas de cultivo também nesta estação, trazendo uma alternativa de renda para os produtores e mais competitividade para a cadeia produtiva de carnes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Pecuária

Comprador pressiona, mas baixa oferta de animais limita queda do indicador

Esse posicionamento reflete a dificuldade em vender a carne nos atuais patamares de preços

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

Neste início de março, frigoríficos seguem cautelosos para novas aquisições de animais, tentando evitar abrir preços maiores aos pecuaristas. Segundo colaboradores do Cepea, esse posicionamento reflete a dificuldade em vender a carne nos atuais patamares de preços.

No entanto, a oferta limitada de animais para abate tem diminuído a força da pressão compradora. De 24 de fevereiro a 3 de março, o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 (estado de São Paulo, à vista) permaneceu praticamente estável (-0,45%), fechando a R$ 298,15 na quarta-feira (03).

Quanto às vendas ao mercado internacional, o menor número de dias úteis em fevereiro e o ano novo chinês reduziram os embarques da carne bovina brasileira para o patamar registrado em janeiro/19. Mesmo assim, as exportações seguem acima das 100 mil toneladas mensais desde o começo de 2018, mostrando que o mercado externo continua importante para o Brasil. Em fevereiro, o Brasil exportou 102,12 mil toneladas do produto in natura, baixas de 4,85% em relação a janeiro/21 e de 7,64% em comparação a fevereiro do ano passado (dados da Secex).

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias ANTT

Transporte rodoviário tem novo piso mínimo de frete

Tabela foi publicada na quarta-feira (03) no Diário Oficial da União

Publicado em

em

Gervásio Baptista/Agência Brasil

O transporte rodoviário de carga tem novo piso mínimo de frete. A tabela com os valores específicos foi publicada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no Diário Oficial da União de quarta-feira (03).

Conforme diz a nota técnica que antecedeu a portaria, a Lei nº 13.703/2018 determina que, quando ocorrer no mercado nacional oscilação no preço do óleo diesel superior a 10% (para mais ou para menos), uma nova norma com pisos mínimos deverá ser publicada pela agência do setor.

Essa equação considera alguns coeficientes relativos aos custos de deslocamento, de carga e de descarga. Tais custos contemplam tanto custos operacionais como mercadológicos. Entre os elementos considerados estão os de aquisição do veículo, preço do óleo diesel, pneus e salário dos motoristas. O atual reajuste não inclui o IPCA, segundo a ANTT.

A tabela apresenta os novos pisos mínimos para os mais diversos tipos de frete – diferenciados por tipo de carga, coeficiente de custo e número de eixos carregados. O cálculo apresentado na nota técnica leva em consideração o resultado de um levantamento de preços feito pela Agência Nacional do Petróleo, tendo como período observado o relativo a 22 e 27 de fevereiro, quando o valor médio do diesel S10 aumentou de R$ 3,663 para R$ 4,25.

Em termos percentuais, esse aumento equivale a 16,03%. Percentual acima dos 10% usados como espécie de gatilho para a revisão da tabela, pela agência.

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo
SBSA 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.