Conectado com
FACE

Notícias Suinocultura

Alternativa para enfrentar a alta no custo de produção é tema de reuniões entre ABCS e MAPA

Reunida com a equipe técnica da SPA do MAPA, ABCS reforça o pleito do crédito rural para os produtores

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Atendendo a demanda dos produtores de suínos referente ao aumento dos custos, nos últimos meses, o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes, juntamente com a equipe de mercado e política da entidade estiveram reunidos com os profissionais da área técnica da Secretária de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). De forma remota, as agendas trataram sobre crédito rural com intuito de construir melhorias ao Plano Safra 2021/2022. Todas as reuniões foram encaminhamentos da última audiência com o secretário SPA, César Halum, que aconteceu no último dia 09 de fevereiro, em Brasília.

 

CPR – uma alternativa para a suinocultura

A agenda da ABCS, no último dia 17, foi com o secretário adjunto da SPA, José Angelo Mazzillo. Buscando encontrar soluções e alternativas de crédito para o setor, Mazillo fez uma breve explicação sobre a possibilidade de o suinocultor utilizar crédito por meio da Cédula do Produtor Rural (CPR). Ou seja, um título que permite ao produtor rural ou às cooperativas obterem recursos para desenvolver a sua produção e assim viabilizar a produção e a comercialização dos produtos por meio da antecipação de crédito rural. O secretário reforçou que o suinocultor pode negociar os insumos, como milho, soja e até o farelo de soja por meio de CPR e a garantia podem ser, por exemplo, as matrizes. “O primeiro acesso a esse crédito será feito por parte de interessados que já conhecem o histórico do produtor, e o credor tem que ter interesse no seu produto, que como garantia pode ser qualquer coisa, como a matriz, ou a carcaça por exemplo, desde que seja aceito pelos dois lados”, disse o secretário adjunto da SPA.

Para o presidente da ABCS, Marcelo Lopes a negociação por meio da CPR é muito interessante e pode ser sim uma alternativa para alguns produtores. “Vamos trazer esse tema para dentro da ABCS e assim convidar as afiliadas estaduais para detalharmos a elas a forma que a CPR pode ser utilizada, quebrando barreiras e capacitando o suinocultor”. A reunião online contou também com a presença do diretor executivo da Associação dos Criadores de Suínos do Mato Grosso (ACRISMAT), Custódio Rodrigues.

 

Retenção de Matrizes Suínas – linha de crédito de custeio

Na sequência das reuniões, no último dia 18, a ABCS reuniu com o diretor do departamento de comercialização e abastecimento da SPA do MAPA, Silvio Farnese e com o diretor do Departamento de Financiamento e Informação da SPA da Pasta, Wilson Vaz de Araújo. A pauta da agenda foi a solicitação da reativação da linha de crédito de custeio, direcionada para Retenção de Matrizes Suínas, assim como a concessão de limite de crédito de 2,5 milhões de reais por beneficiário. O Presidente da ABCS explicou que essa linha de crédito é uma solicitação anual da ABCS em conjunto com suas afiliadas. “Visamos atender aqueles suinocultores que passam por dificuldades em relação a seus custos de produção, que tem sido cada vez mais elevados e se essa linha for inserida no Plano Safra 2021/22 pode sim dar um folego aos suinocultores”.

A equipe técnica da SPA ouvi a demanda da ABCS e solicitou documentos com dados para embasar o pleito e assim verificar a possibilidade de atender a cadeia. Entretanto, para o diretor Wilson Vaz de Araújo caso o produtor esteja inadimplente ele não conseguirá tirar o crédito. “Ao meu ver, o problema da suinocultura é cíclico e é necessário encontrar um mecanismo para solucionar esse entrave de forma definitiva. Talvez uma possibilidade seja investir em mercado futuro de grãos”. Lopes complementou dizendo que o mercado futuro é sim um meio. “Não são todos os produtores que atuam no mercado futuro e com hedge, por isso a linha de retenção de matrizes é importante, mas estamos sim buscando meios para capacitar cada vez mais o produtor para que ele possa operar no mercado futuro”. Para fechar Lopes se colocou a disposição do MAPA para debater a melhor forma de inserir a linha de Retenção de Matrizes Suínas no plano safra deste ano.

Fonte: ABCS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − dezesseis =

Notícias Mercado

JBS adquire empresa europeia e expande sua plataforma global de alimentos plant-based

Compra da Vivera, terceira maior produtora de proteína plant-based da Europa, impulsiona a JBS no mercado de proteína vegetal

Publicado em

em

Divulgação

A JBS, maior empresa de proteína e segunda maior indústria de alimentos do mundo, celebrou acordo para a compra da empresa Vivera, terceira maior produtora de plant-based na Europa, por um enterprise value (valor de empresa) de 341 milhões de euros. A Vivera desenvolve e produz um diversificado e inovador portfólio de produtos plant-based substitutos de carne para grandes varejistas em mais de 25 países europeus, com presença relevante na Holanda, no Reino Unido e na Alemanha. A transação inclui três unidades fabris e um centro de pesquisa e desenvolvimento localizados na Holanda.

A aquisição da Vivera fortalece e impulsiona a plataforma global de produtos plant-based da JBS. A tendência global é de forte crescimento no consumo desse segmento. A operação vai ampliar o portfólio da JBS com uma marca consolidada na preferência dos consumidores, reforçando o foco da Companhia em produtos de valor agregado.

A Vivera, atualmente a maior companhia independente de plant-based da Europa, se soma às iniciativas da Seara, no Brasil, onde a Linha Incrível detém a liderança em hambúrgueres vegetais, e da Planterra, que conta com a marca OZO nos Estados Unidos.

“É um passo importante para o fortalecimento da nossa plataforma global de proteína vegetal. A Vivera traz musculatura para a JBS no setor de plant-based com conhecimento tecnológico e capacidade de inovação”, afirma Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS.

Para fomentar seu espírito empreendedor, a JBS vai manter a Vivera como uma unidade de negócios autônoma, mantendo sua atual liderança.

“Juntar forças com a JBS nos dá acesso a recursos significativos e capacidades para acelerar nossa atual trajetória de forte crescimento”, diz Willem van Weede, CEO da Vivera.

A transação, que foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da JBS, está sujeita à validação das autoridades antitruste.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Soja

Indicador Paraná atinge recorde nominal

Preços da soja estão em alta no Brasil, influenciados pelas maiores demandas doméstica e externa

Publicado em

em

Danilo Estevão/Embrapa

Os preços da soja estão em alta no Brasil, influenciados pelas maiores demandas doméstica e externa. Segundo pesquisadores do Cepea, parte dos produtores mostra preferência em comercializar a soja em detrimento do milho, o que eleva a liquidez no mercado da oleaginosa.

Diante disso, mesmo sendo período de finalização de colheita no Paraná, o Indicador CEPEA/ESALQ da soja atingiu R$ 172,66/saca de 60 kg no último dia 14, recorde nominal da série do Cepea, iniciada em julho de 1997. Já outra parcela de vendedores não mostra interesse em fechar negócios para entrega no curto prazo, atentos à maior paridade de exportação para embarques nos próximos meses.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Milho

Falta de chuva preocupa e mantém produtor afastado do mercado

Neste atual período de desenvolvimento das lavouras, a falta de precipitação pode prejudicar a produtividade

Publicado em

em

Divulgação

As chuvas ainda abaixo do esperado neste mês em importantes regiões produtoras de segunda safra têm deixado vendedores afastados das negociações. Neste atual período de desenvolvimento das lavouras, a falta de precipitação pode prejudicar a produtividade.

Compradores, por sua vez, precisam recompor estoques, cenário que mantém os preços em alta. Na parcial de abril (até o dia 16), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (base Campinas-SP) subiu 4,45% fechando a R$ 97,88/saca de 60 kg na sexta-feira (16), novo recorde real da série do Cepea. Em algumas praças, os avanços nos preços são mais expressivos, e vendedores já pedem valores acima de R$ 100 pela saca de 60 kg.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.