Conectado com

Notícias Opinião

Agronegócio em novembro: Plantio da safra alcança o necessário

Boletim Agro30: resumo do agro de outubro e os cinco pontos selecionados para novembro

Publicado em

em

Cleverson Beje

Artigo escrito por Marcos Fava Neves, professor titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP em Ribeirão Preto e da EAESP/FGV em São Paulo e especialista em planejamento estratégico do agronegócio

Nos fatos da arena internacional dos últimos 30 dias, as tensões comerciais fizeram com que a taxa de crescimento do comércio global de mercadorias diminuísse. A Organização Mundial do Comércio (OMC), estima em apenas 1,2%, contra 3% do ano passado e bem abaixo do que estimou para 2019 em abril deste ano: 2,6%. Para 2020 esperam 2,7% de crescimento, dependendo das confusões no mundo. O PIB global deve crescer 2,3%, contra 2,8% de 2018. São muitas incertezas, desde Trump x China, Brexit, protestos em países, entre outros.

Na economia brasileira as notícias são melhores, pois o último Relatório Focus mostra a taxa Selic fechando este ano e o próximo em 4,5% e o IPCA em 3,29% e 3,60%, respectivamente. Para o PIB prevê-se um crescimento de 0,92% e 2,0% neste e no próximo ano e o câmbio ficaria em R$/US$ 4,00 nos dois dezembros. Há um crescimento nítido do otimismo, com a Bolsa batendo recordes, a moeda se valorizando e consultorias revisando os números do crescimento para o próximo ano, com o ímpeto reformista do Governo e do Congresso. Estou mais animado com os efeitos da confiança e dos juros menores!

Do agro internacional, no imbróglio EUA x China, tivemos a promessa de maiores compras de produtos do agro americano pelos Chineses, mas por enquanto mais promessas que fatos. Saltou aos olhos a importação de suínos pela China em setembro, que foi de 166 mil toneladas, 76% maior do que no mesmo mês de 2018. De carne bovina foram importadas 150 mil toneladas, 50% a mais. Já as importações de soja caíram 13,5%, ficando em 8,2 milhões de toneladas em relação a agosto. Desde janeiro, as compras chinesas foram de 64,5 milhões de toneladas, 8% menor, o que era esperado.

Graças à peste suína africana (ASF) na China, em relação ao plantel de suínos, informações do Ministério da Agricultura do país mostram que este é 41% menor que o de um ano atrás. O relatório da FAO de 10/10 trouxe aumento em mais de 400 mil abates, chegando a 6.692.399 suínos sacrificados nos países asiáticos por causa da contaminação. Focos cresceram no Vietnã, mas também no Laos, Coreia do Sul, Filipinas e Camboja, simplesmente 60 focos a mais em um mês. Preços da carne suína estão provocando impactos na inflação dos alimentos nestes países.

Os preços nos supermercados chineses estão 84% maiores em um ano e o Governo liberou reservas para controlar e tentar subsidiar. O Rabobank estima que a produção de carne suína no país cairá 25% em 2019, e em outros países da Ásia, provocando de 3 a 5 anos de turbulências. O quadro irá melhorar com a disponibilidade de vacinas e melhorias na biossegurança. Isto criará inflação de preços e problemas a outros importadores de carnes no mundo, e para o Brasil uma oportunidade, traduzida em aumento do número de plantas brasileiras habilitadas, que pulou de 64 para quase 90 em um mês e nos volumes e preços de exportações. Temos de aproveitar e tomar medidas drásticas para que o problema não contamine a produção brasileira, que é o maior risco.

Novo relatório de oferta e consumo de soja e milho nos EUA mostra importantes números. Na soja a safra foi revisada para baixo, para 96,62 milhões de toneladas, contra 98,87 do mês anterior, graças à queda de produtividade de cerca de 1 saca/ha. A área está entre 30,96 e 30,59 milhões de hectares. Com isto, caíram os estoques também em 5 m.t., estimados agora em 12,52 m.t., contra as 17,42 m.t.anteriores. O USDA estima a produção mundial em 338,97 m.t., contra 341,39 milhões na anterior, com queda de 4 m.t. nos estoques. Estimam 123 m.t. para o Brasil, 53 m.t., sendo que o Brasil deve exportar 76,5 m.t.. A China deve produzir 17,1 m.t. e comprar 85 m.t.

Para o milho, o USDA espera 350 m.t., praticamente o mesmo número da estimativa anterior, plantados em 36,38 milhões de hectares, com estoques nos EUA caindo cerca de 5 m.t. Para o mundo, estimam 1,1 bilhão de toneladas, sendo 101 m.t. no Brasil e 50 m.t.. Devemos exportar cerca de 34 m.t., número próximo das exportações da Argentina. As últimas perspectivas indicam clima bom para terminar a colheita americana. Nesta semana já foram colhidos 52% do milho, contra 75% na média dos últimos cinco anos, e na soja 75%, contra 87% da média. Portanto, esta variável risco climático na colheita está quase saindo da nossa análise mensal.

O ponto negativo à agricultura brasileira foi o briefing das projeções agrícolas do USDA a serem lançadas em fevereiro de 2020, divulgado no início de novembro. A expectativa é de retorno às condições climáticas normais e uma mega safra nos EUA, que deprimirá os preços com amplo volume de estoques. Com menor crescimento da economia, o impacto será ainda maior. As projeções indicam crescimento na área de milho em 5%, e de soja em 10%. Isto levará uma produção recorde de milho em 393 milhões de toneladas, em 38 milhões de hectares e da soja a quarta maior, em 114 milhões de toneladas, colhidas de 34 milhões de hectares. Os estoques no início da colheita de 2021 seriam de mais de 10 semanas de consumo, no caso do milho e o terceiro maior da história, no caso da soja. Com isto, o USDA espera um preço médio de US$ 3,4/bushel em 2020 para o milho e US$ 8,85 para a soja. Ducha de água gelada.

No dados de outubro, percebe-se que as queimadas no Brasil estão em linha com a média dos últimos dez anos, e apesar de ter arriscado meu comentário, estava certo. Foi uma grande “fakenews” a febre mundial de que a Amazônia estava queimando. O importante é analisar e aprender com o fato. Pelo Ministério das Relações Exteriores a pressão em cima dos produtos brasileiros devido à questão da Amazônia veio de três frentes: Organizações Não Governamentais (ONGs); empresas no varejo europeu, e parlamentos da União Europeia e dos Estados Unidos.

Mais alguns números do Brasil, as exportações do agro caíram 3,9% em relação a setembro de 2018, somando US$ 7,75 bilhões contra US$ 8,06 bilhões (MAPA). Complexo soja caiu 11,6% ainda como consequência da peste suína, somando US$ 2,1 bilhões. As carnes sofreram queda de 8,1%, vendendo US$ 1,3 bilhão (carne bovina US$ 607,2 milhões, queda de 13,1%; carne de frango US$ 530,1 milhões; e carne suína US$ 123,8 milhões, aumento de 31,6%). Não consigo entender a queda de bovinos e frangos.

Na conta dos cereais, farinhas e preparações, onde se encaixa o milho, as vendas foram de US$ 1,1 bilhão (75,2% maiores). Os produtos florestais caíram 22,4%, ficando em US$ 880,9 milhões. As importações brasileiras recuaram 2,1% e o superávit foi de US$6,7 bilhões, 3,9% menor. O complexo sucroenergético exportou US$ 603,9 milhões em setembro, uma queda de 24,0% frente ao ano anterior. O açúcar caiu em 31,8% em setembro, chegando a US$483,57 com volume exportado de 1,72 milhões de toneladas. No etanol as exportações aumentaram 41,5% em setembro, chegando a US$ 119,37 milhões.

Vale destacar o café. De janeiro a setembro de 2019 é o maior número dos últimos cinco anos com 30,4 milhões de sacas, 27,7% maior que o ano passado. A receita foi de US$ 3,8 bilhões, 6,5% maior. O café robusta foi o que mais cresceu, com quase 74%. Em 12 meses são 42,2 milhões de sacas exportadas, recorde histórico. EUA com 19%, Alemanha com 16%, Itália com 9%, Japão com 7% e Bélgica com 6% , foram os principais mercados. Cerca de 19% do total é certificado, considerado café diferenciado.

O censo de 2017 do IBGE indica a presença de 5,073 milhões de estabelecimentos agropecuários em 351 milhões de hectares, pouco menos que os 5,176 milhões registrados em 2006 em 333,7 milhões de hectares. São 4,108 milhões próprios (81%), 320,3 mil arrendados (6,3%) e o restante está ainda em estabelecimentos ocupados, sem titulação definitiva ou parcerias. Na questão da evolução de áreas, as próprias ficam ao redor de 300 milhões de hectares e os arrendados dobraram de tamanho em 10 anos, chegando a 30 milhões de hectares. O Censo Agropecuário 2017 mostra que cresceu o uso da terra em 17,6 milhões de hectares. 71% dos produtores brasileiros tinham mais de 45 anos.

Segundo estudo da Embrapa Territorial, no bioma Amazônia temos cerca de 815 mil agricultores 90% de pequeno porte. Quase 13% da sua área está ocupada com agricultura, sendo 10,5% com pastagens (44,1 milhões de hectares) e 2,3% com lavouras (9,66 milhões de ha). O estudo mostrou que menos de 0,5% da produção de cana, 2% do algodão e da laranja, 5% do café, 8% do milho e 10% da soja vem desta região. A vegetação nativa está em 84,1% do bioma Amazônia, ou 353 milhões de ha. Com as partes de água são 86% preservados. Em 2018 nesta área ocorreu cerca de 29 mil desmatamentos, com 7 mil km2. As queimadas são feitas pelos produtores há décadas para, segundo a Embrapa, renovar as pastagens, combater incidência de carrapatos, eliminar os restos de lavouras e fertilizar os solos com as cinzas.

Preocupação adicional ao agro é a possibilidade de revisão do convênio 100 (1997) que permitiu a redução da base de cálculo do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para entre 4,9% e 8,4% nas movimentações de insumos agropecuários (fertilizantes, defensivos e sementes), podendo aumentar de 7 a 12%. A Agroconsult calcula que o custo dos fertilizantes comprados pelos produtores pode saltar de R$ 46,7 bilhões para R$ 54,2 bilhões. Ameaça que precisa ser debelada.

Temos de olhar a velocidade de plantio da nossa safra, pois depender do clima pode colocar em risco o milho segunda safra. Até o momento segue em bom ritmo no Mato Grosso, mas atrasada no Paraná. A primeira estimativa da CONAB para a safra 2019/20 mostra crescimento na produção. A área cresce 1,1%, chegando a 63,9 milhões hectares e a produção chegará em 245,8 milhões de toneladas, 1,6% ou quase 4 milhões de toneladas a mais em relação ao vitorioso 2018/19. O algodão fica em 1,4 milhão de hectares (1,1% a mais) produzindo praticamente a mesma quantidade (2,72 milhões de toneladas de pluma), na soja teremos 36,57 milhões de hectares, crescendo 1,9% a área e chegando a 120 milhões de toneladas (aumento de 5 m.t.), e no milho teremos 17,54 milhões de hectares produzindo 98,4 m.t. (aproximadamente 1,5 m.t. a menos), já refletindo o atraso no plantio da primeira safra.

Os cinco fatos do agro para acompanhar agora diariamente em novembro são:

  1. O início do plantio da nossa safra e o comportamento do clima. Estamos atrasados em algumas regiões, e a preocupação precisa sair;
  2. O fechamento da safra dos EUA e o andamento da colheita, com os riscos climáticos praticamente se reduzindo nesta fase final;
  3. As novas estimativas de impacto da peste suína africana na Ásia e nos preços e quantidades de carnes importadas neste último trimestre do ano esperando reação do setor no Brasil;
  4. As questões comerciais de China e EUA, que pouco caminharam no mês em direção a acordo, apesar de alguns aumentos nas exportações americanas;
  5. O andamento das reformas e seus impactos ao agro, seja na valorização do real câmbio como em outros tributos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + 7 =

Notícias Zoneamento agrícola

Novo Zarc traz mais segurança para milho de 2ª safra

Novidades vão aperfeiçoar o zoneamento agrícola da cultura e beneficiando os mais diversos agentes da cadeia produtiva

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura do milho de segunda safra passou por incrementos que já irão valer para o próximo plantio. Uma primeira novidade é que, agora, a influência da variável temperatura no desenvolvimento fenológico da planta passa a ser considerada. “A duração média dos ciclos de desenvolvimento está ajustada às variações de temperatura de cada região”, explica o geógrafo da Embrapa Balbino Evangelista, que é um dos responsáveis técnicos pelo zoneamento da cultura do milho.

As portarias do Zarc do milho de 2ª safra foram publicadas no Diário Oficial da União desta segunda-feira (21). “A revisão dos estudos de Zarc para o cultivo do milho de 2ª safra fez parte de uma ação prioritária conduzida pelo Mapa junto a Embrapa. Por se tratar de um cultivo realizado normalmente em um período de transição climática nas diversas regiões onde o cultivo é realizado, os riscos de seca e geada são agravados, por isso o gerenciamento do risco deve ser redobrado e o plantio realizado dentro da janela do zoneamento”, ressalta Pedro Loyola,  diretor de Gestão de Risco do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Outra mudança do zoneamento foi com relação ao risco de geada. Se, antes, esse risco era considerado apenas na fase considerada reprodutiva (que envolve o florescimento e o enchimento de grãos), agora passa a ser estimado durante todo o período sensível do ciclo do milho de segunda safra. Em outras palavras, aumentou o período de atenção a essa variável, que interfere bastante no desenvolvimento da cultura em algumas regiões do país.

O novo Zarc para o milho de segunda safra incorporou o risco de ocorrência de excesso de chuva durante um período essencial no campo: a colheita. A expectativa é de que essa novidade colabore significativamente para o aperfeiçoamento do zoneamento da cultura, sobretudo aquele voltado às lavouras da Região Norte. Uma outra novidade, que também já estará valendo na próxima safra, é o aperfeiçoamento do indicador que mede a satisfação da necessidade de água nos momentos de germinação e de desenvolvimento inicial da lavoura, o que vai reduzir o risco de ocorrência de seca na hora do plantio.

“Nas reuniões de validação externa, eu sempre digo que o Zarc traz benefícios para todos os diferentes elos da cadeia do agronegócio do milho, especialmente para o produtor que, ao semear na data indicada para o seu solo e cultivar melhor adaptada, pode reduzir os riscos e com isso aumentar sua produtividade e renda”, sintetiza Balbino sobre o zoneamento agrícola de risco climático.

O pesquisador complementa: “mas também é um instrumento importante e estratégico de planejamento e de tomada de decisão para cooperativas e sindicatos rurais, para agentes financeiros que lidam com crédito agrícola e seguro rural, para as seguradoras e resseguradoras privadas”, contemplando os vários agentes da cadeia produtiva de valor do milho.

Na visão de Balbino, hoje o Zarc (que já soma mais de duas décadas) é mais que um instrumento de política agrícola do governo, faz parte da política agrícola do Estado brasileiro. O geógrafo trabalha na Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO), que, além de pesquisas nessas duas áreas, tem trabalhos em sistemas agrícolas, por isso, o zoneamento é também estudado nessa unidade.

Ajustes

Anualmente, são feitas reuniões de validação com o setor produtivo de cada cultura trabalhada no Zarc. No caso do milho, que tem como responsáveis técnicos pelo zoneamento Balbino e Fernando Macena, pesquisador da Embrapa Cerrados (Planaltina-DF), houve ajustes importantes agora em 2020.

“Este foi o primeiro estudo de Zarc que passou por validação em todos os estados do Brasil e, mesmo em condições de pandemia, utilizando a Tecnologia da Informação, conseguimos reunir produtores, técnicos extensionistas, técnicos das secretarias de agricultura (estaduais e municipais), consultores técnicos, representantes de cooperativas e sindicatos rurais, agentes financeiros e demais integrantes da cadeia do agro do milho para submeter os estudos à validação”, destacou Balbino.

O agrônomo Gustavo Marquardt é responsável pelo departamento técnico da Fazenda Água Branca, que fica no município de Porto Nacional, na região central do Tocantins. Ele conta que na propriedade foram plantados 4.500 hectares de milho de 2ª safra e 131 hectares de milho de 1ª safra em 2019/2020. Sobre o zoneamento de risco climático, o agrônomo ressalta a importância para a região. “Acho que tem grande importância para cada região, principalmente para nossa, que tem muita gente vindo de fora ainda. E essa orientação diminui o nosso risco de alguém vir de fora (do Mato Grosso, por exemplo, em que chove mais cedo e melhor) e acabar plantando antes, fora da janela da região. O zoneamento é bom porque facilita essa parte e diminui o risco de cada produtor”.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Preços internos da soja renovam máximas nominais

A sustentação vem, especialmente, da valorização externa, da alta dos prêmios de exportação e da firme demanda doméstica

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

Os preços de soja e derivados seguem renovando as máximas nominais no Brasil. A sustentação vem, especialmente, da valorização externa, da alta dos prêmios de exportação e da firme demanda doméstica.

Na quinta-feira (17) o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, no porto de Paranaguá (PR), fechou a R$ 139,16/saca de 60 kg, maior patamar nominal da série do Cepea – na sexta-feira, o Indicador recuou um pouco e fechou a R$ 139,10 (alta de 1,24% de 11 a 18 de setembro).

O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná fechou a R$ 138,04/sc de 60 kg na sexta (+4,62% em sete dias), o maior, em termos nominais, da série. No acumulado do mês, as altas são de respectivos 0,97% e de 5,69%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Acsurs manifesta-se em nota conjunta contra a reforma tributária no RS

Para entidades, aumentar a carga tributária é encarecer os alimentos ao consumidor e reduzir empregos, além de gerar mais custos para o produtor, agroindústrias e cooperativas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Um manifesto sobre a reforma tributária no Estado do Rio Grande do Sul foi publicado na sexta-feira (18). O documento é assinado pela Associação de Criadores de Suínos do RS (ACSURS), Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav), Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Estado do RS (Sips), Federação da Cooperativas Agropecuárias (FecoAgro/RS) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS).

O presidente da Acsurs, Valdecir Luis Folador, explica que as entidades não concordam com o plano de reforma tributária apresentado, pois desta forma vai penalizar o setor produtivo do RS, do produtor à indústria. “A Acsurs posiciona-se contrariamente à proposta apresentada por não atender às demandas feitas pelas entidades junto ao Governo do RS. Essas entidades não mediram esforços e dialogaram, até agora, com o Governo, com a Secretaria da Fazenda, para que pleitos fossem atendidos”, ressalta o dirigente. Segundo ele, a reforma tributária impactará negativamente no setor produtivo como um todo, chegando ao produtor rural.

Segundo as entidades, o texto visa atacar um problema de forma paliativa sem uma proposta que a longo prazo traga uma solução efetiva e que beneficie a todos. “Se aprovada sem que as especificidades dos setores sejam analisadas, poderá gerar prejuízos exorbitantes, inviabilizando, inclusive, o desenvolvimento da economia local, em especial a competitividade com os demais estados do Sul. Reformas são necessárias, porém, existem outras atitudes que devem ser tomadas antes”, destaca a nota.

A nota diz ainda que o contribuinte, do campo e da cidade, não consegue mais arcar com a já pesada carga tributária imposta pelos governos, federal, estadual e municipal. “No que tange ao agricultor familiar, é preciso salientar as várias adversidades enfrentadas ao longo dos últimos anos, principalmente em 2020, ano que já começou com uma forte estiagem que assolou lavouras em todo o estado causando prejuízos em diversas culturas. Como se não bastasse, a pandemia afetou diretamente e seriamente a rendas das famílias do campo”, afirma.

Para as entidades que assinam a nota, aumentar a carga tributária é encarecer os alimentos ao consumidor e reduzir empregos, além de gerar mais custos para o produtor, agroindústrias e cooperativas.

Leia a nota na íntegra

A Associação Gaúcha de Avicultura – ASGAV, o Sindicato da Indústria de Produtos Avícolas no Estado do RS – SIPARGS, o Sindicato das Indústrias de Produtos de Suínos do RS – SIPS, o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do RS – SICADERGS, a Associação dos Criadores de Suínos do Estado do RS – ACSURS, a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do RS- FECOAGRO e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul – FETAG- RS vem à público manifestar sua extrema preocupação com a proposta de reforma tributária apresentada pelo Governo do Rio Grande do Sul, que aumenta a tributação no estado e hoje tramita em regime de urgência no Legislativo gaúcho, sem que a sociedade civil e setores produtivos, direta e fortemente prejudicados tivessem melhores condições de discutir o assunto.

O texto visa atacar um problema de forma paliativa sem uma proposta que a longo prazo traga uma solução efetiva e que beneficie a todos. Se aprovada sem que as especificidades dos setores sejam analisadas, poderá gerar prejuízos exorbitantes, inviabilizando, inclusive, o desenvolvimento da economia local, em especial a competitividade com os demais estados do Sul.

Reformas são necessárias, porém, existem outras atitudes que devem ser tomadas antes.

Vale ressaltar que, se comparado com outros estados da região Sul, já é perceptível que o Rio Grande do Sul ocupa hoje um papel de menor expressão em relação à competitividade no cenário nacional. Assim, se o objetivo do estado é conseguir maior arrecadação, deve facilitar, simplificar e padronizar o sistema de benefícios fiscais, bem como incentivar o aumento das operações locais e a produção que tenha como destino outros estados do País. Até mesmo o IPVA será reajustado, cobrando de veículos com mais de vinte anos de fabricação e que hoje são isentos.

No que tange especificamente ao agronegócio, é importante destacar que se trata de uma peça fundamental na economia do estado, sendo, inclusive, o setor que mais emprega e investe há muitas décadas no local. Sem segurança jurídica e relação harmoniosa entre estado e setor privado, não há investimento.

O contribuinte, do campo e da cidade, não consegue mais arcar com a já pesada carga tributária imposta pelos governos, federal, estadual e municipal. No que tange ao agricultor familiar, é preciso salientar as várias adversidades enfrentadas ao longo dos últimos anos, principalmente em 2020, ano que já começou com uma forte estiagem que assolou lavouras em todo o estado causando prejuízos em diversas culturas. Como se não bastasse, a pandemia afetou diretamente e seriamente a rendas das famílias do campo.

Estes setores aqui representados, participam com 80% no valor bruto da pecuária gaúcha e também considerável participação na agricultura, geram milhares de atividades rurais e industriais, empregos diretos e indiretos, além, de produzirem alimentos que atendem as mais diversas classes sociais.

Aumentar a carga tributária é encarecer os alimentos ao consumidor e reduzir empregos, além de gerar mais custos para o produtor, agroindústrias e cooperativas.

As entidades são contrárias a aprovação da reforma tributária da forma que ela está sendo proposta.

Fonte: O Presente Rural com informações da ACSURS
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.