Conectado com

Notícias

Vinte palestras integram a programação do Interleite Sul 2018

Evento reunirá cerca de 800 pessoas em Chapecó no mês de maio

Publicado em

em

Evento sulbrasileiro do setor leiteiro chega a Chapecó nos dias 09 e 10 de maio e traz em sua programação uma extensa lista de profissionais renomados da área para debater o que de mais atual existe no mercado do leite. O Interleite Sul 2018, promovido pela AgriPoint, terá 20 palestras em dois dias com a expectativa de receber cerca de 800 pessoas. O evento ocorrerá no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes. As inscrições estão abertas pelo site com preço promocional até o dia 5 de março.

A programação será dividida em painéis. O primeiro abordará o tema “Mercado e organização da cadeia do leite”, na quarta-feira (9), às 10 horas. Cinco palestrantes terão 20 minutos cada para explanar sobre diversos aspectos sobre o tema principal. Glauco Rodrigues Carvalho, pesquisador da Embrapa Gado de Leite será o primeiro a falar e explanará sobre “A competitividade do leite brasileiro: o que não estamos olhando?”.

Na sequência, Craig Bell, sócio da Leitíssimo, falará sobre “Oportunidades que o Brasil tem para ser competitivo e não aproveita como deveria”. “O papel e a visão da indústria de laticínios” será o tema abordado por Marcelo Costa Martins da Viva Lácteos. O coordenador da Aliança Sul Láctea Ronei Volpi falará sobre “A Aliança Sul Láctea: agenda de competitividade para o leite do Sul do País”.

O fundador da AgriPoint Marcelo Pereira de Carvalho abordará o tema “É possível termos uma relação melhor coordenada entre produtores e indústria? Uma análise da situação atual e possíveis caminhos”. Encerrando o primeiro painel os questionamentos e debate com o público serão moderados pelo sócio da MilkPoint Mercado Valter Galan.

No período vespertino da quarta-feira, a partir das 14 horas, o segundo painel terá como temática central a “Excelência no Compost Barn”. Ana Luiza Bachmann Shogor da Udesc de Chapecó comentará sobre “A movimentação em direção ao confinamento via compost barn: números e constatações”. Eduardo Pinheiro da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo explanará sobre “Manejo da cama em compost barn: como não errar?”.

O painel 3, “A transformação do leite no Sul do País”, terá como palestrante Christiano Nascif da Labor Rural que falará sobre “Terceirização da atividade como forma de otimizar a propriedade familiar e ganhar eficiência”. O tema “Obtendo o melhor resultado possível a partir da intensificação das pastagens no Sul do País” será comentado por Renato Serena Fontaneli da Embrapa Trigo de Passo Fundo/RS. A “Gestão de pessoas visando o sucesso da atividade” será a temática esclarecida por Emerson Vriesman, produtor de leite de Carambei no Paraná.    

Quinta-Feira

No segundo dia de evento, a “Assistência técnica visando o novo contexto da produção de leite no Sul do País” será o tema principal do painel 4. Jaime Eduardo Ries explicará A visão e os resultados práticos da Emater/RS. Paulo Tadatoshi Hiroki explanará sobre A visão e os resultados práticos da Emater/PR. Sobre A visão e os resultados práticos da Epagri quem comentará será Carlos Mader Fernandes. Olices Santini demonstrará A visão e os resultados práticos do SENAR/SC.

O painel 5 terá como foco “Tecnologia aplicada” e o painel 6 “Economia da produção de leite”. Paulo Rafael Lemos Amaral, zootecnista da Cifra Leite de Uberlândia/MG, palestrará sobre “O que os melhores do leite estão conseguindo no Sudeste e Centro-oeste? Quais as razões desse sucesso?”. Na sequência, Wagner Beskow da Transpondo abordará o tema “O que os melhores do leite estão conseguindo no Sul do País? Quais as razões desse sucesso?”.

Serão apresentados cases de sucesso dos produtores rurais Renato Acker de Cândido Godoi (RS), Natieli Aparecida Presa Schleder de Chopinzinho (PR), Sedimar Zanquettin de São Lourenço do Oeste (SC) e de Gelso José Zanotto de Cascavel (PR).

O evento é voltado para empresários, produtores rurais, técnicos, consultores, laticínios, membros do governo e pesquisadores envolvidos com políticas públicas para o leite e estudantes. Discutirá aspectos essenciais para o desenvolvimento da cadeia produtiva do leite na região Sul do País. “Abordaremos casos de sucesso, gestão, sistemas de produção e tecnologia aplicada, relação entre produtores e indústrias, tendências de mercado e competitividade do setor”, explica o fundador da AgriPoint, Marcelo Pereira de Carvalho. 

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 20 =

Notícias Comércio

EUA e Brasil precisam reduzir dependência de importações da China, diz Pompeo

Governo Trump está trabalhando para fortalecer os laços com o Brasil e proporcionar um contrapeso à China

Publicado em

em

Manuel Balce Ceneta/Pool via REUTERS

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, alertou na segunda-feira (19) que os Estados Unidos e o Brasil precisam diminuir sua dependência de importações da China para sua própria segurança agora que os dois países estão reforçando sua parceria comercial.

Em uma cúpula virtual sobre o aumento da cooperação EUA-Brasil visando a recuperação pós-pandemia, Pompeo sublinhou a importância de se ampliar os laços econômicos bilaterais dado o que classificou como os “riscos enormes” que decorrem da participação considerável da China em suas economias.

“Na medida em que podemos encontrar maneiras de aumentar o comércio entre nossos dois países, podemos… diminuir a dependência de cada uma de nossas duas nações de itens essenciais” saídos da China, disse.

“Cada um de nossos dois povos ficará mais seguro, e cada uma de nossas duas nações será muito mais próspera, seja daqui a dois, cinco ou 10 anos”, acrescentou.

O governo Trump está trabalhando para fortalecer os laços com o Brasil e proporcionar um contrapeso à China, disposta a obter alguma vantagem no que vê como uma nova competição pelo “Grande Poder”.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, está inclinado a seguir o roteiro, mas se vê limitado pelo fato de a China ser a maior parceira comercial do Brasil, já que compra a maior parte de sua soja e de seu minério de ferro.

Bolsonaro ainda não decidiu se impedirá as empresas de telecomunicações brasileiras de comprar equipamentos de 5G da chinesa Huawei Technologies Co Ltd, como quer o governo norte-americano.

Na cúpula organizada pela Câmara de Comércio dos EUA, Bolsonaro anunciou três acordos com Washington para garantir boas práticas comerciais e deter a corrupção. Ele disse que o pacote reduzirá a burocracia e aprimorará o comércio e o investimento.

Bolsonaro destacou também o ótimo momento nas relações entre Brasil e Estados Unidos e reforçou mais uma vez o objetivo de fazer o país ingressar na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Pompeo, por sua vez, ressaltou que o Brasil está se aproximando mais de uma filiação à OCDE com apoio dos EUA. “Queremos que isto aconteça o mais rápido que pudermos”.

O Banco de Exportação e Importação dos EUA apoiará projetos avaliados em 450 milhões de dólares no Brasil neste ano, e a Corporação Financeira dos EUA para Desenvolvimento Internacional tem planos envolvendo cerca de um bilhão de dólares em projetos no país, disse Pompeo.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Segundo Secex

Exportação de milho do Brasil reduz ritmo na 3ª semana de outubro

Exportação de milho do Brasil somou 266,7 mil toneladas na média diária até a terceira semana de outubro

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

A exportação de milho do Brasil somou 266,7 mil toneladas na média diária até a terceira semana de outubro, em ritmo inferior ao verificado até a segunda semana do mês (293,75 mil toneladas/dia), de acordo com dados divulgados na segunda-feira (19) pelo governo.

Com isso, a média diária no acumulado do mês ficou abaixo das 273,8 mil toneladas/dia de outubro de 2019, quando o Brasil exportou ao todo cerca de 6 milhões de toneladas do cereal, segundo números da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Já a exportação de soja do Brasil atingiu 145,1 mil toneladas na média diária até a terceira semana do mês, ante 230,74 mil toneladas/dia da média de outubro de 2019.

A média de embarques, contudo, ficou acima da verificada até a segunda semana deste mês (134,7 mil toneladas/dia).

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Safra 2020/2021

Imea prevê avanço no plantio de soja em Mato Grosso com chegada das chuvas

Conforme o Imea, o Estado havia semeado 8,2% da área projetada até a última sexta-feira,

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Produtores de soja de Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, deverão avançar com o plantio de soja com a chegada de chuvas e previsão de mais precipitações nesta semana, avaliou na segunda-feira (19) o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Com mais umidade, produtores poderão recuperar parte do expressivo atraso inicial.

Conforme o Imea, o Estado havia semeado 8,2% da área projetada até a última sexta-feira, ante 41,8% no mesmo período do ano passado, o que deverá resultar em uma colheita mais tardia no ciclo 2020/21.

“CHUVA!!! Depois de muita expectativa (e preocupação), a chuva chegou de forma mais intensa em várias regiões do Estado. De acordo com o Aproclima/TempoCampo, os volumes do dia 8 ao dia 18 de outubro alcançaram 35,58 mm, ficando próximo do percebido no último ano”, afirmou o Imea em boletim.

Segundo o instituto, sojicultores procuram alternativas para que a “janela” da segunda safra não fique tão prejudicada. Produtores plantam milho ou algodão após a colheita da soja. “Alguns destes, por exemplo, ainda buscam no mercado sementes de ciclo mais precoce para trocar pelos materiais já adquiridos”, afirmou, ressalvando que, dependendo de como for o clima na fase reprodutiva da cultura, materiais precoces podem apresentar redução de produtividade.

O Ministério da Agricultura divulgou nota na segunda-feira que aponta que a semana deverá ter chuvas em praticamente todo o país. Segundo boletim do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), citado pelo ministério, a região Sul deve ter os maiores acumulados de chuva no centro do Estado do Paraná, que poderão ficar em torno de 80 mm.

No Sudeste, “não estão descartadas tempestades, com ocorrência de chuva forte, granizo e rajadas de vento, mas as chuvas serão mais escassas no norte de Minas Gerais”.

Na região Centro-Oeste, as chuvas terão maior volume no norte do Mato Grosso do Sul, sul de Goiás e leste do Estado de Mato Grosso.

“Há possibilidade de ocorrência de chuva forte e rajadas de vento em algumas áreas da região”, diz o boletim meteorológico do instituto.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
ALLFLEX – Novo Site

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.