Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Suinocultura

Saúde intestinal na porca e seu impacto na produção de leite e resultados da leitegada

O período de lactação é fundamental na produção intensiva de suínos, pois ele está ligado diretamente ao desempenho subsequente dos leitões.

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

Nos últimos 10 anos, o tamanho da leitegada ao nascer aumentou notavelmente; no entanto, as taxas de sobrevivência dos leitões durante a lactação não aumentaram ao mesmo nível. O aumento do número de leitões implica em menor peso médio por animal no nascimento, menor acesso ao colostro e uso de tetas menos produtivas. Esses fatores acabam determinando menor peso ao desmame, desuniformidade do lote e, consequentemente, menor peso e rendimento final. Vários ajustes podem ser feitos na maternidade e na habilidade genética das fêmeas para a produção de leite, de forma que esses fatores possam ser diminuídos.

O fator crítico na lactação é determinado pela qualidade e quantidade do leite produzido pela porca e pelo consumo correto pelos leitões. No momento do parto, os leitões devem consumir o colostro para terem um fornecimento adequado de imunoglobulinas, leucócitos e outros componentes imunes que irão protegê-los dos desafios do meio ambiente. Após algumas horas após o parto, a composição do leite passará a ser um produto com menor teor de nutrientes e a quantidade produzida pela fêmea determinará não só o crescimento dos leitões, mas também sua viabilidade. O intestino dos leitões deve receber nutrientes suficientes para maturação dos enterócitos, desenvolvendo os processos digestivos nas microvilosidades, que irão permitir a digestão completa do leite. Se essa série de processos não for alcançada, o leitão começará a retardar seu crescimento e em alguns casos até morrerá de desnutrição ou inatividade.

 

O CONSUMO DE RAÇÃO PELA PORCA É DECISIVO

 A quantidade de leite produzida pelas fêmeas está em contínua progressão desde o parto e atinge seu maior potencial por volta dos 21 dias. Nessa data, a capacidade leiteira de uma fêmea pode, portanto, ser estimada indiretamente, pelo ganho de peso total de sua ninhada. Aproximadamente 4 a 4,5 litros de leite equivalem a um ganho de 1 kg da leitegada. Por este motivo, o consumo alimentar da fêmea (o que implica a aceitação da dieta e os horários adequados de alimentação) é decisivo na produção de leite, no sucesso da ninhada e em outros fatores como um retorno mais rápido para a função reprodutiva e consequente aumento de leitões desmamados por fêmea por ano.

O consumo de ração é um fator determinado por vários aspectos, tanto internos ao animal como relativos às instalações e ao meio ambiente. Altas temperaturas podem reduzir o consumo de ração da matriz suína de uma forma não linear. Ou seja, em temperaturas próximas a 25 ° C, as porcas podem se alimentar de ração de forma normal e proporcional à produção de leite, porém em temperaturas mais altas o consumo diminui rapidamente e pode chegar a menos da metade do esperado, o que obviamente afeta a produção de leite e os outros fatores já mencionados. Cuidados com a instalação a fim de fornecer conforto térmico é uma questão fundamental para se obter sucesso.

Outras questões que podem afetar o consumo de ração das porcas são a presença de micotoxinas na ração, produtos que causem mal cheiro ou sabor desagradável, forma de apresentação da ração e até mesmo a falta de apetite por agentes patogênicos. É importante identificar precocemente a causa da rejeição do alimento e realizar as alterações necessárias para corrigir o consumo rapidamente.

Corrigidos todos os fatores aqui já mencionados, como a temperatura e a qualidade do alimento, o consumo de ração ainda assim pode ser afetado por fatores internos da fêmea no período de lactação. A doença inflamatória intestinal idiopática (timpanismo, distensão abdominal, etc.) é uma condição que comumente ocorre em porcas. Seu principal sinal é a constipação que ocorre 24-48 horas após o parto. Geralmente é causado pelo manejo inadequado do consumo de ração, mas essa situação causa uma mudança muito importante nos processos de interação da microbiota e da mucosa do intestino. Essa incompatibilidade é muito mais evidente no intestino grosso.

 

RELAÇÃO DA MICROBIOTA INTESTINAL E PROCESSOS INFLAMATÓRIOS DO INTESTINO.

Em um animal adulto, a microbiota se estabelece de forma natural no intestino, seguindo o padrão de microrganismos mais comuns nas instalações. Com os processos digestivos também maduros, a degradação e absorção dos nutrientes dos alimentos é muito alta e, se as dietas forem corretamente planejadas, uma porção de fibra não digerível chegará às porções distais do intestino. No intestino grosso, a microbiota atua sobre a degradação da fibra alimentar, a tornando em lactato e por sua vez em outros Ácidos Graxos Voláteis (AGV). Esses AGVs são responsáveis por nutrir os colonócitos e assim: a) permitir o desenvolvimento adequado dessa mucosa; b) aumentar a absorção de água e c) permitir a manutenção da motilidade intestinal; não apenas nas regiões mais distais do intestino, mas também nas regiões anteriores, como o íleo, jejuno e duodeno.

O butirato é um dos AGV mais importantes, responsável por sinalizar a ativação do peristaltismo retrógrado, que possibilita o cérebro executar os programas musculares que permitem o consumo dos alimentos, e também pela ativação da mitose de enterócitos e colonócitos, o que permite a taxa adequada de troca celular intestinal (turnover), essencial para manter os processos de digestão e absorção em sua capacidade máxima. Ainda, o butirato está intimamente relacionado com melhora da integridade intestinal através do aumento da expressão de proteínas das tight junctions, como a claudina (Claudin-1).

O butirato tem um papel importante na regulação do sistema imune intestinal (tabela 1). Os macrófagos e as células dendríticas da lâmina própria fazem parte do sistema linfóide associado ao intestino (termo do inglês – GALT). Essas células são a base da imunidade inata na região intestinal e são capazes de reconhecer antígenos próprios e exógenos, direcionando o processo imunológico a produzir uma cascata inflamatória ou tolerância ao antígeno. Essas células também possuem receptores do tipo G (GP43) capazes de serem ativados pela concentração de butirato nos tecidos. O butirato em níveis adequados no intestino, atua sobre os receptores dos macrófagos, diminuindo a produção citocinas pro-inflamatórias, como a IL-12 e IL-6; estas por sua vez, apresentam papel importante na ativação de linfócitos T (citotóxicos e auxiliares) que ativam o processo inflamatório para eliminação de um antígeno. O butirato, ainda, aumentará a produção de IL-10, uma citocina que está relacionada à ativação de linfócitos T reguladores (Tregs) que regulam o processo inflamatório e podem ativar outros mecanismos de tolerância como a inibição das citocinas pro-inflamatórias e ativação da resposta humoral (Figura 1). Além do mais, nesse contexto de regulação do processo inflamatório, o butirato está envolvido na inibição da expressão da ciclooxygenase-2, reforçando seu importante papel anti-inflamatório.

 

Tabela 1 – Propriedades Anti-inflamatórias do butirato
Diminuição da expressão de citocinas pro-inflamatorias – IFN-γ; TNF-α, IL1-B; IL-6; IL-8; IL12
Indução na expressão e sinalização de IL-10 e TGF-B
Indução da síntese de oxido nítrico sintase
Indução na síntese de metaloproteinases
Redução da proliferação e ativação de linfócitos T

Figura 1 – Mecanismo simplificado da modulação imune do butirato no cólon de suínos

Mecanismos simplificado adaptado de Singh et al., Immunity 2014.
Treg – Linfócito T regulatório
Th17 – Linfócito T auxiliar 17

Quando há problemas na digestão dos alimentos e com isso alterações nos nutrientes recebidos pela microbiota, podemos observar diminuição de gêneros bacterianos que produzem naturalmente butirato, e um crescimento anormal de alguns gêneros bacterianos que ativam o  GALT, produzindo um processo inflamatório na lâmina própria de algumas áreas do intestino delgado e grosso. Este processo será cumulativo e com o tempo será mais intenso, portanto, se a ativação do GALT não for controlada, a inflamação do intestino influenciará outras funções metabólicas.

Dessa forma, a diminuição dos níveis de butirato no intestino permite que os macrófagos iniciem o processo pró-inflamatório. A produção local de IL-12 é aumentada e os linfócitos T auxiliares são ativados, aumentando a produção local de citocinas (por exemplo, TNF-α, IFN-γ e IL-1β) estabelecendo dessa forma uma cascata inflamatória, como descrito acima. Paralelamente, ocorre também uma maior produção de imunoglobulinas tanto atuando na lâmina própria (IgM, IgG) quanto pela excreção para atuar na luz do intestino (IgA secretora).

A alta produção de citocinas pró-inflamatórias afeta diretamente o consumo de ração e causa o aumento da temperatura corporal (comportamento doentio), ocasionando perdas produtivas devido ao gasto extra de energia com a manutenção da temperatura corpórea e sistema imune. Este processo inflamatório do intestino, ocorre em diferentes graus nas fêmeas lactantes e seus efeitos na lactação podem ser observados em diferentes níveis no consumo de ração e na produção de leite, que por sua vez afetarão os leitões.

 

A PREVENÇÃO É FOCAR NA RESILIENCIA E TOLERÂNCIA INTESTINAL

 Dado que a doença inflamatória intestinal idiopática em matrizes suínas é uma condição recorrente que aparece com mais frequência durante a lactação, algumas estratégias foram desenvolvidas para alimentação (aumento dos componentes laxantes) e manejo (aumento lento da alimentação oferecida à porca recém-parida) para reduzir os sinais de inflamação intestinal que podem afetar a qualidade da amamentação.

É importante desenvolver um programa de uso de aditivos nutricionais na dieta de porcas que permita reforçar os pontos críticos da saúde intestinal para reduzir os fatores que desenvolvem as doenças inflamatórias intestinais. Nesse sentido, o conceito básico é a combinação de produtos, especialmente voltados para a promoção do processo de tolerância intestinal, com o qual, a porca fica menos sujeita a apresentar sintomas inflamatórios do intestino e, portanto, maximizar seu consumo e a produção de leite.

 

RECOMENDAÇÕES TESTADAS E APROVADAS

 Alguns pontos a serem focadas na hora de desenvolver um programa de suplementação para as porcas em lactação na sua criação são:

  • Aumentar o processo de reepitelização e estabilidade da barreira de enterócitos. Para tanto, a adição de butirato de Sódio de Liberação Precisa atua como um modulador para o crescimento de enterócitos em todo o intestino delgado e, além disso, proporciona uma alta concentração deste produto no intestino grosso, permitindo o controle da Microbiota nessa região e, consequentemente melhora nos processos de motilidade e absorção, necessários para manter o consumo de ração.
  • O butirato também atua como fator de controle do processo inflamatório produzido pelas células da imunidade inata e linfócitos T citotóxicos e auxiliares, permitindo equilíbrio entre o epitélio, o sistema imune e a microbiota intestinal, evitando prejuízos a função digestiva.
  • O uso de produtos antioxidantes permite apoiar a saúde do intestino localmente e do fígado de forma secundária, reduzindo os danos causados pelos produtos da oxidação do intestino ou pela reação do órgão a resíduos bacterianos e micotoxinas. Isso permite que o conteúdo de proteína circulante seja ideal e, portanto, o fornecimento de nutrientes no leite seja melhorado.

Os resultados de campo, quando essas recomendações são aplicadas, indicam um importante impacto do uso de um programa correto de aditivos na dieta de porcas em lactação, confirmando que uma melhor saúde intestinal favorece o desempenho produtivo expresso na produção de leite e no peso da leitegada.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 7 =

Empresas

Como a doença do edema em suínos impacta as granjas?

A doença causa grande impacto na performance dos animais, com altas taxas de mortalidade, especialmente no período de creche, entre 4 e 15 dias após o desmame.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A suinocultura desempenha um papel extremamente relevante no agronegócio brasileiro, contribuindo fortemente para o desenvolvimento e crescimento econômico. O aumento da produtividade é uma característica deste setor, que vem respondendo à demanda de mercado. E para o maior crescimento da produção, medidas para o controle de diferentes desafios devem ser adotadas a fim de reduzir os impactos causados.

Um dos importantes desafios sanitários enfrentados nas granjas são os entéricos. E um dos principais agentes que acomete os leitões é Escherichia coli, que pode causar diarreia grave, afetar o desempenho dos animais e aumentar a mortalidade dos suínos, ocasionando um impacto econômico significativo para a granja.

A Doença do Edema (Colibacilose Enterotoxêmica) é uma toxi-infecção caracterizada pela ocorrência de disfunção neurológica, desenvolvimento de edemas e casos de morte súbita. A doença tem alta letalidade e afeta principalmente os leitões entre 4 e 15 dias após o desmame, mas pode incidir sobre suínos em crescimento com 30 a 90 dias de idade, promovendo grandes prejuízos econômicos aos produtores.

Esta doença está associada à presença de cepas patogênicas de Escherichia coli no intestino delgado dos animais acometidos. Sob determinadas circunstâncias essas cepas se multiplicam e produzem substâncias biologicamente ativas como a Verotoxina-2e (VT2e), caracterizada como uma enterotoxina.

“‘A alta vascularização do tecido intestinal, potencializada pela inflamação do endotélio provocada pela toxina, favorece a disseminação sistêmica da VT2e e, como a toxina tem a capacidade de aumentar a permeabilidade vascular, ocorre o extravasamento de líquido que acarreta os edemas subcutâneos”, explica Juliana Calveyra, médica-veterinária e gerente de serviços técnicos LATAM da Ceva.

Os animais acometidos apresentam sintomas como apatia, incoordenação, dispneia ocasionada pelo edema pulmonar, edema de glote e edema de face. Os sinais clínicos podem evoluir para sintomatologia nervosa devido ao edema cerebral, e os animais apresentando paralisia, tremores, convulsões, decúbito com movimento de pedalagem, coma e morte. Os leitões que não morrem pela doença tornam-se refugos.

Os sinais clínicos podem ser confundidos com quadros patológicos de deficiência de vitamina E, intoxicação por sal ou arsenicais orgânicos, e meningite estreptocócica. “O diagnóstico é realizado através de cultura bacteriana de amostras de conteúdo intestinal ou swabs retais. Após o isolamento da bactéria é realizado o antibiograma, que indica o melhor antibiótico para ser usado na granja. A histopatologia de amostras de tecido do intestino grosso, jejuno e íleo pode ajudar no diagnóstico definitivo da doença”, detalha Juliana

O tratamento dos leitões com a Doença do Edema é baseado no controle da hidratação nos animais que apresentem quadro diarreico, antibioticoterapia e diurético para reduzir os edemas. O óxido de zinco pode ser fornecido aos animais.

Alguns fatores podem aumentar as chances de risco da Doença do Edema, como a mudança de ambiente no desmame, mudança brusca de alimentação, estresse do leitão pelo novo ambiente e separação da mãe, misturar muitas leitegadas diferentes na mesma baia, lotação excessiva, higiene precária e desinfeção mal realizada, grande variação de temperatura ambiental, excesso de umidade, ausência de vazio sanitário na troca de lotes.

A prevenção da doença através da vacinação dos animais vem se mostrando cada vez mais eficaz, mas as medidas preventivas ambientais como a limpeza e desinfecção rigorosa da granja, respeitar o período de vazio sanitário na troca de lotes, homogeneização dos lotes, evitar estresse ambiental e térmico para o animal são de extrema importância para manter o rebanho saudável.

“Um manejo bem realizado e a adoção da vacinação para o controle desta e de outras doenças são os melhores pilares para uma granja mais rentável e livre da Doença de Edema”, finaliza Juliana

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Importante certificação da Katayama Alimentos reforça compromisso com o consumidor

A conquista da importante Certificação BRCGS demonstra o comprometimento da empresa em fornecer ovos saudáveis e seguros para consumo

Publicado em

em

Foto: Assessoria

A alta qualidade dos alimentos fornecidos pela Katayama Alimentos, uma das principais indústrias avícolas do País, foi atestada, em março deste ano, pela Certificação Brand Reputation through Compliance (BRCGS) para os processos de produção dos ovos in natura (com casca) e ovos líquidos pasteurizados, o que comprova o compromisso e o respeito da empresa por seus consumidores.

A Katayama Alimentos é a primeira indústria do segmento de avicultura de postura, no Brasil, a obter o certificado para os ovos in natura, indicando, com esse diferencial, que os ovos que chegam à mesa do consumidor não são todos iguais, e que, portanto, é preciso estar atento à procedência dos alimentos a serem consumidos.

Para se obter a Certificação BRCGS é preciso comprovar que o alimento foi produzido a partir de rigorosos padrões de higiene, qualidade e segurança. A norma prevê que a indústria tenha uma estrutura predial, maquinários, equipe de colaboradores treinados e outras exigências que garantam um sistema robusto de segurança de alimentos, livres de contaminações (físicas, químicas e biológicas) que possam causar danos à saúde.

“O certificado corrobora que utilizamos processos seguros de produção e de gerenciamento da qualidade dos produtos para atender às exigências dos clientes e às obrigações de proteção à saúde do consumidor”, afirma Camila Cuencas, Gestora de Operações Industriais da Katayama Alimentos.

 

Sobre a certificação

Criada em 1998, a Certificação BRCGS é reconhecida mundialmente e tem aprovação de importante órgão internacional, a GFSI (Global Food Safety Initiative), que cria programas de padrões de segurança na área alimentar. Por isso, a certificação é exigida por varejistas, empresas de serviços alimentares e fabricantes de alimentos em todo o mundo.

Pioneira no País a obter essa importante certificação para os ovos in natura, a Katayama Alimentos investiu fortemente no aprimoramento de seu sistema produtivo e na capacitação de profissionais, em um processo que durou mais de um ano. “Esta conquista reforça nosso compromisso de crescer de forma sustentável e trabalhar continuamente para oferecer produtos saudáveis aos consumidores no Brasil e no exterior”, destaca Camila.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

KWS Sementes é a marca de sementes de milho que mais cresceu na safrinha 2021

Prestes a completar uma década de atuação no Brasil, a multinacional alemã, KWS Sementes, é a empresa de sementes de milho que mais cresceu na safrinha 2021.

Publicado em

em

Divulgação KWS

O dado foi divulgado recentemente pela pesquisa Farmtrak, realizado pela Kynetec, maior empresa especialista em pesquisa de mercado global em saúde animal e agricultura, que revelou que a KWS é a 4º marca em volume de vendas na safrinha, que representa quase 80% do mercado de sementes de milho (cerca de 15 milhões de hectares).

O resultado alcançado é atribuído a diversos fatores. Dentre eles, o trabalho e suporte técnico diferenciado do time de pesquisa e melhoramento da KWS juntamente com a equipe técnica da empresa (Agroservice), que a cada nova safrinha tem seu foco no desenvolvimento de híbridos de milho adaptados às diferentes regiões de cultivo, considerando as condições de cada produtor brasileiro.

Para realizar esse trabalho, a KWS conta com 4 estações de pesquisa em todo o Brasil, que estão localizadas em diferentes zonas ambientais, para desenvolver produtos especificamente testados para as diversas regiões. A companhia inaugurou em 2020 um centro avançado de pesquisa na região Nordeste do país, e direciona anualmente seus esforços para a pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, investindo duplos dígitos em pesquisa.

Contribui, dessa forma, para a evolução da produtividade das lavouras com genéticas superiores. Além disso, conta com a mais moderna Unidade de Beneficiamento de Sementes do país, com capacidade para beneficiar mais de 2 milhões de sacas por ano, e com um sistema de beneficiamento inovador, que utiliza o modelo horizontal que diminui o impacto do processo nas sementes, possibilitando assim sementes de maior qualidade.

“Em tão pouco tempo da KWS Sementes no Brasil, já somos a 4º marca em volume de vendas na safrinha, que representa quase 80% do mercado de sementes de milho. Também, pelo segundo ano consecutivo, ser a empresa que mais cresce no segmento de semente de milho e ter o segundo híbrido mais plantado, o K9606VIP3, são motivos de muita gratidão, satisfação e orgulho”, afirma Marcelo Salles, diretor da KWS na América do Sul.

“Isso só mostra que estamos trilhando o caminho certo durante esta quase uma década em solo brasileiro, sendo uma opção viável às diferentes realidades dos agricultores, provendo a eles produtos adaptados e competitivos, aliados a uma boa assistência técnica no campo. Agradeço imensamente a todos os produtores que têm nos dado a oportunidade de mostrar o nosso trabalho, aos parceiros comerciais, que são pessoas-chave nesse processo de conseguirmos chegar mais longe e alcançarmos mais produtores nas diferentes regiões. Deixo aqui também o meu agradecimento especial a todos o colaboradores da KWS, que têm confiado na estratégia da empresa e têm feito um grande esforço mesmo em tempos de pandemia para executá-la com excelência”, conclui o executivo.

Relembrando que em 2020 a KWS também se destacou em estudo da Kleffmann Group como a marca de sementes de milho que mais cresceu em volume de vendas e em área plantada no mercado total de plantio de milho safrinha no Brasil.

 

Fonte: Ass. de imprensa KWS Sementes
Continue Lendo
ABPA – PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.