Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas

Santa Catarina terá sua primeira usina de grande porte de biometano em 2025

Estado tem oportunidade de se destacar na produção de biocombustíveis

Publicado em

em

Fotos e texto: Assessoria

Adquirida pelo Grupo Energisa em agosto de 2023, a AGRIC, empresa de compostagem de resíduos orgânicos industriais para produção de biofertilizante localizada em Campos Novos (SC), será a primeira planta de grande porte de biometano e biogás de Santa Catarina. A expectativa é que a usina produza 25.000 m³/dia de biometano, trate 350 ton/dia de resíduos e comercialize 3500 ton/mês de adubo com sua plena entrada em operação, prevista para julho de 2025. Sob gestão da (re)energisa, a marca de geração e comercialização de energia limpa e renovável da companhia, a aquisição marcou a entrada do Grupo Energisa no segmento de biogás e biometano, e contou com investimento inicial na ordem de R$ 60 milhões.

Com este aporte, os biodigestores, que convertem os resíduos em biogás, receberam aprimoramentos, assim como os sistemas de geração de energia elétrica para o autoconsumo da usina. Entre 2024 e 2025 serão investidos R$ 80 milhões, que vão impulsionar a geração de empregos diretos e indiretos, movimentar a economia local e colocar a região na vanguarda da transição energética. A dimensão deste projeto também pode ser observada com a tecnologia de ponta que a Agric utilizará. Será a mesma que é empregada na Europa, em termos de solução de gerenciamento automatizado, reatores de grande porte e engenharia de processos para maximizar o aproveitamento do resíduo como fonte de energia e nutrientes para retornar à cadeia produtiva. A expectativa é que a usina impulsione a transição energética e a descarbonização do Estado.

Segundo Frederico Botelho, líder de soluções bioenergéticas da (re)energisa, Santa Catarina é considerada um local estratégico porque apresenta abundância no suprimento de resíduos para a operação. “É um insumo de energia resiliente ao ambiente econômico, e que combina a demanda com impacto social e ambiental crescentes. Por isso, torna-se um movimento estratégico, dado que a Associação Brasileira de Gás (Abiogás) prevê o aumento de 500 mil m³/dia para 7 milhões m³/dia de consumo de biometano até 2029. O biocombustível tem a possibilidade de substituir o consumo de gás natural, GLP e diesel e seu crescimento depende apenas da sua competitividade frente aos demais combustíveis.”, afirma Frederico Botelho.

Todo o processo, da geração à comercialização do gás, será feito pela (re)energisa. O biometano será comercializado para o mercado local, atendendo a demandas já mapeadas para biocombustível e energia. Trata-se de um insumo estratégico para a marca e para o mercado em dimensões econômica, energética e ambiental. Também existem planos para replicar esse modelo de negócios em outros estados brasileiros.

“A entrada da Energisa no mercado de biometano e biogás consolida a posição do Grupo como um player integrado que oferece um ecossistema de soluções energéticas, e integra a estratégia de diversificação de portfólio da companhia. Além disso, reafirma o papel da Energisa em ser protagonista da transição energética no Brasil rumo a uma matriz mais limpa e sustentável, que promove mais segurança energética ao país e gera inúmeros benefícios para o desenvolvimento socioeconômico” conclui Botelho.

A (re)energisa participa do 6º Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano, que está acontecendo, em Chapecó. Além de marcar presença com um espaço no evento, o Líder de Soluções Bioenergéticas Frederico Botelho fez uma apresentação do case da AGRIC na manhã desta quarta-feira (17/4).

 

Estado de Santa Catarina é estratégico para negócios em biometano

A escolha pela aquisição do empreendimento em Campos Novos foi estratégica, considerando o alto volume de resíduos orgânicos disponíveis na região, provenientes principalmente de frigoríficos de aves e suínos e indústrias de laticínios.

Isso significa que as indústrias locais podem se beneficiar diretamente de uma unidade de tratamento de resíduos que garanta segurança ambiental no processo de destinação e também do biometano produzido, criando uma cadeia circular em que o resíduo de uma indústria pode ser utilizado como matéria-prima na produção do biometano que será comercializado para indústrias da própria região.

 

Fonte: Assessoria

Empresas Vaxxon Sa Ib + III

Vaxxinova apresentará solução inovadora em evento Aquishow

Além do lançamento, a empresa realizará uma palestra com o tema “Tripla proteção para duplo desafio”

Publicado em

em

Divulgação Vaxxinova

Durante sua participação na Aquishow, que ocorrerá de 21 a 23 de maio, no Instituto de Pesca, em São José do Rio Preto, a Unidade de Aquacultura da Vaxxinova lançará sua primeira vacina licenciada, Vaxxon Sa Ib + III. O evento está em sua 13ª edição e é reconhecido como um dos mais importantes do setor de aquacultura da América Latina, trazendo grandes novidades em estudos, produtos e práticas de produção para toda a cadeia produtiva. “A nossa participação no evento será bastante abrangente. Além de contar com um estande onde serão apresentados nossos produtos e serviços relacionados à aquicultura, também teremos uma palestra técnica com o Prof° Dr° Henrique Figueiredo (UFMG), para compartilhar a importância das atualizações epidemiológicas na busca da melhor escolha de um plano vacinal, comenta Rodrigo Pedralli, gerente de negócios da Unidade Aqua.

Durante a palestra, também será lançada uma nova solução com foco na prevenção de Streptococcus agalactiae, que comumente afeta peixes de água doce, como a tilápia. Ao afetar o cultivo, a doença pode provocar grandes perdas econômicas para o produtor, devido ao seu grande índice de mortalidade. “A Vaxxon Sa Ib + III utiliza em sua composição duas cepas do Sorotipo Ib (variantes genéticas ST.1525-like e ST-2222) e uma do Sorotipo III (variante genética ST-283), e foi desenvolvida a partir de isolados brasileiros, com propósito de aperfeiçoar a resposta imunológica dos animais criados em território nacional e elevar o nível de proteção dos plantéis”, explica Pedralli.

Em um recente levantamento publicado pela Associação Brasileira da Piscicultura, foi revelado que até 2030 a proteína proveniente da aquicultura deve responder por cerca de 80% da produção nacional. Dessa forma, para que a produção continue crescendo, é fundamental que o cultivo seja realizado de forma segura, garantindo a qualidade da proteína. “A piscicultura brasileira realmente tem crescido muito a cada ano; porém, ainda devemos nos atentar e não relaxar com os múltiplos desafios que o setor apresenta. Por exemplo, a Streptococcus agalactiae tem impacto direto no desempenho sanitário e econômico da nossa área, devido aos surtos com elevada mortalidade. Então, para evitar essas situações, o produtor deve se manter vigilante, e nós, como companhia, assumimos esse compromisso com a indústria, de trazer soluções que deem maior tranquilidade para os clientes”, comenta o gerente.

Pedralli enfatiza que, atualmente, a empresa é líder em vacinas autógenas no mercado brasileiro e possui um grande destaque em estudos e soluções para a tilapicultura nacional. “Nosso reconhecimento no mercado é fruto de muito estudo, pesquisa e dedicação por parte de nossa equipe. Não podemos deixar de mencionar também a parceria fundamental que mantemos com o laboratório de diagnóstico Aquavet, da Universidade Federal de Minas Gerais, que nos oferece um apoio imensurável. Além disso, contamos com nosso próprio centro de pesquisa, o qual desempenha um papel crucial na condução de estudos clínicos e na análise da segurança e eficácia de todas as vacinas que desenvolvemos. Esse compromisso com a qualidade e a inovação será evidenciado em toda a nossa participação na Aquishow deste ano”, conclui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

A sincronização do estro ajuda na produtividade da granja?

A técnica oferece benefícios significativos para os produtores, sendo um passo importante para garantir o sucesso e a sustentabilidade da suinocultura

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

A eficiência reprodutiva é um dos pilares fundamentais para garantir a rentabilidade e a sustentabilidade das granjas de suínos. Os índices reprodutivos afetam diretamente a produtividade e a rentabilidade do negócio. A suinocultura moderna enfrenta desafios significativos, como a demanda crescente por carne suína, pressões econômicas e ambientais, bem como preocupações com o bem-estar animal.

Neste contexto, a sincronização do estro em marrãs e porcas adultas se consolida como uma ferramenta estratégica para otimizar o manejo reprodutivo, reduzir os custos operacionais, melhorar o status sanitário  e a eficiência geral da granja.

Os hormônios que permitem o controle do ciclo estral e da ovulação, disponíveis comercialmente para a espécie suína, são: gonadotrofina coriônica equina (eCG), a gonadotrofina coriônica humana (hCG), o hormônio liberador das gonadotrofinas (GnRH) e seus análogos, a prostaglandina (PGF2α) e seus análogos e os progestágenos (Altrenogest).

Com o uso do Altrenogest o controle do ciclo estral em suínos é alcançado através da supressão da fase folicular, que mimetiza os efeitos biológicos da progesterona. “Quando se utiliza o altrenogest para a sincronização do estro, ocorre a inibição da liberação de gonadotrofinas pela hipófise, similar à progesterona natural. O uso do produto mantém a fêmea em anestro pelo período desejado, suprimindo a atividade ovariana e retardando o estro através da inibição do crescimento folicular e ovulação. Após o tratamento, esta atividade é restabelecida e o animal apresenta estro dentro de 3 a 5 dias, quando utilizado por, no mínimo, por 14 dias”, explica Pedro Filsner, médico-veterinário gerente nacional de serviços veterinários de suínos da Ceva Saúde Animal

Ao sincronizar o ciclo reprodutivo das leitoas, cria-se na granja uma programação que facilita a inseminação. Isso resulta em uma maior taxa de concepção e, consequentemente, em lotes mais homogêneos. Esta prática permite uma maior uniformidade dos lotes, tanto em quantidade como na idade média dos leitões nascidos, evitando oscilações que impactam índices zootécnicos e sanitários. Isso contribui para uma produção mais consistente e uma utilização mais eficiente das instalações e recursos da granja permitindo a adoção do sistema de manejo “todos dentro, todos fora”. “Essa é uma prática fundamental no manejo de suínos, refletindo um compromisso com a eficiência e a busca por resultados consistentes”, afirma Pedro.

Em busca de soluções que agregam na eficiência das granjas, a Ceva oferece aos suinocultores o Altresyn®, uma ferramenta desenvolvida para proporcionar maior eficiência no processo de sincronização de marrãs. A solução foi criada à base de Altrenogest, para garantir maior eficiência na sincronização do estro das fêmeas, uniformidade da produção e um intervalo correto entre os lotes.

Ao facilitar o manejo reprodutivo, estabelecer os intervalos entre os grupos de matrizes e melhorar o controle sanitário, a sincronização do estro oferece benefícios significativos para os produtores, sendo um passo importante para garantir o sucesso e a sustentabilidade da suinocultura.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Grupo Innovad fortalece sua posição no mercado brasileiro de nutrição animal ao adquirir a Oligo Basics

Publicado em

em

Divulgação Oligo Basics

Grupo Innovad, líder global em soluções de nutrição e saúde animal, anuncia a aquisição da Oligo Basics, player renomado no mercado brasileiro de aditivos nutricionais para rações. Este movimento estratégico não apenas reforça a presença do Grupo Innovad no Brasil, mas também sinergiza os extensos portfólios de produtos de ambas as entidades.

Promovendo Inovação e Parceria

Ao combinar as diversas soluções do Grupo Innovad com a experiência local da Oligo Basics, uma parceria visa fornecer estratégias naturais exclusivas, adaptadas às necessidades crescentes dos clientes.

Ben Letor, CEO do Grupo Innovad, enfatiza : ” Esta aquisição ressalta nosso compromisso com a inovação e o crescimento sustentável, alinhando-se com nossos recentes esforços de expansão estratégica em ingredientes primários/naturais, incluindo a aquisição da Herbonis. Com a equipe local e a equipe local e a equipe local e a equipe local unidade de fabricação local da Oligo Basics, estamos empenhados em estabelecer uma posição robusta no Brasil e cultivar parcerias de longo prazo localmente .”

Expandindo oportunidades para os clientes

No geral, a aquisição da Oligo Basics ressalta o compromisso do Grupo Innovad em agregar valor, contribuir para a inovação e promover parcerias fortes no Brasil, nas Américas e outras regiões. Ao mesmo tempo que se alinha com a estratégia mais ampla do grupo de oferta de soluções sustentáveis ​​e eficazes para a indústria de produção animal.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
IMEVE BOVINOS EXCLUSIVO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.