Conectado com
VOZ DO COOP

Bovinos / Grãos / Máquinas

Saiba tudo o que precisa sobre Lipidose Hepática em vacas leiteiras

Condição responsável por provocar um acúmulo exacerbado de gorduras nas células do fígado, a enfermidade pode causar impactos negativos na saúde e na produtividade dos bovinos, especialmente das vacas leiteiras de alta produção.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

Também conhecida como Esteatose Hepática, Fígado Gorduroso, Degeneração Gordurosa ou Infiltração Gordurosa, a Lipidose Hepática, comum em ruminantes, consiste no acúmulo excessivo de gordura no fígado desses animais, superando a degradação metabólica dessas gorduras ou a liberação como lipoproteínas. Ou seja, o distúrbio é caracterizado pelo desequilíbrio entre a captação hepática dos ácidos graxos e sua utilização.

Especialmente nas primeiras semanas de lactação, as vacas leiteiras de alta produção passam por um balanço energético negativo, já que há um alto gasto de energia para a produção de leite aliado a uma redução na ingestão de alimentos. Essa situação favorece uma lipomobilização que pode levar a um quadro de acúmulo excessivo de gordura no fígado. Como consequência disso, podem ocorrer lesões hepáticas, favorecendo o aparecimento de outros problemas metabólicos: hipocalcemia, cetose, retenção de placenta ou deslocamento de abomaso.

A incidência de Lipidose Hepática pode chegar a atingir 60% do plantel, acarretando uma série de prejuízos como a perda de vários litros de leite por lactação, infertilidade temporária, inúmeros gastos com tratamento e índices de mortalidade quem podem chegar a 25%. Trata-se de uma condição grave, capaz de gerar impactos negativos consideráveis na produção dos bovinos leiteiros, por isso merece atenção.

Causas

Vários fatores podem estar relacionados com o desenvolvimento da Lipidose Hepática, como por exemplo as hepatotoxinas (responsáveis por modificarem as funções mitocondriais e microssomais) e a ocorrência de hipóxia ou anoxia (que atrapalha a oxidação das gorduras). Contudo, uma das principais causas tem relação com a diminuição da ingestão de alimentos no pós-parto, que contribui para o aumento da mobilização de ácidos graxos dos tecidos periféricos e seu aporte no fígado. A partir disso, várias alterações metabólicas ocorrem, inclusive a quebra dos estoques de gordura presente no tecido adiposo e o consequente acúmulo de gordura no fígado. Casos mais graves podem levar o animal a uma insuficiência hepática.

Sinais clínicos

Os sinais clínicos de um animal com Lipidose Hepática podem incluir a queda na produção, hiporexia ou anorexia, perda acentuada de peso, icterícia, diarreia amarelada e com cheiro fétido, aumento nas frequências cardíaca e respiratória, aumento de temperatura corporal, tremores musculares, incoordenação motora, ataxia e agressividade. Cabe ressaltar que em casos mais graves é possível detectar hipoglicemia, cetonemia, aumento de ácidos graxos livres e enzimas hepáticas.

Prevenção 

Para a prevenção de doenças metabólicas em geral, a nutrição adequada é imprescindível, especialmente no período de transição. É preciso proporcionar um maior consumo de matéria seca (CMS) para que o balanço energético negativo seja superado logo no começo da lactação, isso pode ser feito através da oferta de forragens de alta qualidade e melhor digestibilidade. Outras medidas importantes são a separação dos lotes para reduzir a disputa por alimento antes e depois do parto e o monitoramento (no pré-parto) do consumo das vacas.
Por fim, é importante ter atenção quanto ao escore de condição corporal, uma vez que os animais precisam estar bem nutridos e ao mesmo tempo com peso adequado. Em uma escala de 1 a 5 pontos, o ideal é que as vacas cheguem ao momento da parição com um escore de condição corporal de 3,50 a 3,75. Vacas que parem com escore superior a 3,75 apresentam maior chance de desenvolver doenças metabólicas e apresentar menor apetite.

Tratamento

Juliana Ferreira Melo, jornalista e médica-veterinária, na JA Saúde Animal – Fotos: Divulgação/JA Saúde Animal

O tratamento da Lipidose Hepática deve ser pautado em reduzir a mobilização da gordura e em fornecer uma fonte de energia para auxiliar a atividade do fígado e eliminar o balanço energético negativo. Vale destacar que não há um tratamento específico efetivo para a Lipidose, portanto deve ser feito de forma empírica empregando o mesmo protocolo utilizado para tratar cetose. Nesse sentido, recomenda-se a administração intravenosa contínua lenta de Glicose para fornecimento de energia. Além disso, a Vitamina B12 e a Metionina podem auxiliar na prevenção do quadro por contribuírem com a síntese de lipoproteínas. Glicocorticóides podem ser utilizados a fim de aumentar a gliconeogênese no fígado, entretanto não devem ser administrados por longos períodos devido ao efeito imunossupressor no organismo.

As referências bibliográficas estão com a autora. Contato: juliana.melo@jasaudeanimal.com.br.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital de Bovinos, Grãos e Máquinas. Boa leitura!

Fonte: Por Juliana Ferreira Melo, jornalista e médica-veterinária, na JA Saúde Animal

Bovinos / Grãos / Máquinas

Por que monitorar os preços do leite e dos lácteos?

O crescimento econômico deriva, sim, de investimentos estruturais, como assistência técnica, melhoria em nutrição, saúde e reprodução animal, treinamento de mão de obra, adoção de ferramentas gerenciais nas fazendas e laticínios. Depende também de infraestrutura e logística. Mas tudo isso exige um ambiente institucional que favoreça a diminuição das assimetrias de informação e dos custos de transação.

Publicado em

em

Foto: Rubens Neiva

A importância do sistema agroindustrial (SAG) do leite no Brasil é inegável. Nosso País é o quinto maior produtor de leite do mundo e nossa produção corresponde a quase 5% do total mundial, segundo dados da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura). As estatísticas nacionais mostram que são mais de 1,17 milhão de produtores no campo e cerca de 130 mil pessoas empregadas na indústria de laticínios (IBGE, 2017; RAIS, 2022). Os últimos dados disponíveis do Cepea indicam que o setor lácteo gerou R$ 77,1 bilhões em 2020, valor que representou 4% do PIB do agronegócio naquele ano.

Fotos: Divulgação/Arquivo OPR

Apesar da grande importância que o setor tem no agronegócio brasileiro, ainda há gargalos expressivos para seu desenvolvimento, com relação a produtividade no campo, qualidade do leite cru, eficiência dos laticínios e, finalmente, competitividade brasileira. Isso fica claro ao se observar que o Brasil, embora tenha grande potencial na produção de proteína animal, não é autossuficiente na produção de lácteos, o que torna o País dependente de importações. Em 2023, os volumes adquiridos no mercado externo triplicaram e pressionaram as cotações internas. Se entre 2003 e 2022 as importações representavam, em média, 4% da captação industrial nacional, em 2023, elas passaram a corresponder por 9%.

A menor competitividade dos lácteos brasileiros frente aos estrangeiros não é a causa da fragilidade do setor, mas, sim, o sintoma mais agudo de uma estrutura produtiva que ainda carece de investimentos específicos e que engendra e é engendrada por estratégias de negócios apoiadas em estruturas de governança pouco coordenadas e focadas sobretudo nos retornos de curto prazo.

Pesquisas do Cepea indicam que as estruturas de governança que regem a aquisição do leite cru são fortemente influenciadas por incertezas, sendo as principais a dificuldade dos agentes em avaliar seu desempenho e a imprevisibilidade das flutuações de oferta e demanda, o que, por sua vez, se reflete em elevada volatilidade dos preços do leite cru.

Em termos práticos, essa incerteza torna a avaliação do contexto de mercado, a tomada de decisão e as ações dos agentes mais propensas à divergência. Isso significa dizer que a leitura do mercado pode destoar entre os agentes da cadeia produtiva, como se produtores tivessem acesso a uma foto do mercado e os laticínios, a outra. Essa divergência pode ocorrer até mesmo entre os agentes de um mesmo segmento, o que explicaria condutas diferentes para a organização dos negócios e para os investimentos, por exemplo.

De qualquer maneira, esse contexto de incerteza eleva as dificuldades de alinhamento dos segmentos da cadeia produtiva, levando a uma baixa intensidade de coordenação entre eles. As relações pouco coordenadas, por sua vez, dificultam a geração e a distribuição do valor dentro da cadeia produtiva, elevando os custos de transação. Com isso, fica cada vez mais difícil de se atingir objetivos estratégicos e comuns ao desenvolvimento do SAG.

Foto: Shutterstock

A redução da incerteza ocorre a partir da diminuição das assimetrias de informação. Quando fatores ligados à incerteza passam a ser monitorados e mensurados, criam-se informações. A distribuição e o acesso homogêneos a essas informações entre os agentes do SAG têm o potencial de transformar a incerteza em risco. E o risco, ao contrário da incerteza, pode ser gerenciado.

É aqui, então, que a pergunta feita no título desse texto é respondida: monitorar e mensurar aspectos de um mercado são importantes para diminuir a incerteza, gerar informação e reduzir os custos de transação. É nesse sentido que se estrutura a missão do Cepea de fornecer dados que possam orientar as estratégias dos agentes de mercado e contribuir para uma leitura mais precisa do curto e longo prazo.

Em entrevista realizada com 33 indústrias de laticínios, que captam quase 24% de todo leite brasileiro, quase 88% dos entrevistados concordam que as informações do Cepea são importantes para avaliar desempenho, e 72,8% concordaram que são informações relevantes para serem usadas como referência de precificação.

Ainda dentro da porteira, o Cepea monitora os custos de produção, identificando os coeficientes técnicos das fazendas modais brasileiras e analisando as variações dos preços dos insumos da atividade. No segmento produtivo, é divulgado mensalmente o indicador do preço do leite ao produtor. Para se ter ideia da extensão da rede de colaboradores que compõem esse projeto, a Média Brasil é calculada com base em mais de 48 mil dados mensais. Quinzenalmente, os colaboradores recebem os preços da pesquisa do leite spot, para, assim, acompanhar as movimentações do preço do leite cru no campo. No segmento industrial, a pesquisa do Cepea monitora quinzenalmente preços dos lácteos negociados com canais de distribuição. Para o estado de São Paulo, os indicadores são semanais, no caso do leite em pó fracionado (400g), e diários, nos casos do leite UHT e queijo muçarela.

Aqui, vale destacar o motivo da escolha destes três lácteos como indicadores para a pesquisa do Cepea. Estima-se que aproximadamente 30% de todo leite cru seja utilizado na produção de UHT; outros 30%, na fabricação de leite em pó; e mais 30%, na produção de queijos, com a muçarela sendo a mais comum. Esses lácteos são considerados commodities, mas possuem estratégias de fabricação e comercialização distintos. Tanto o UHT quanto o leite em pó são produtos que não necessitam de refrigeração e têm prazo de validade mais longo, permitindo aos laticínios estocagem e expansão do mercado de atuação. Por outro lado, a produção desses itens demanda um leite de qualidade superior, com alta estabilidade térmica. Já no caso da muçarela e dos queijos, em geral, há uma maior flexibilidade quanto à qualidade da matéria-prima. A variabilidade da qualidade faz com que haja maior impacto da marca na negociação. Como a muçarela é um produto que tem data de validade mais limitada, sendo dependente de refrigeração para a logística e venda, é necessário que a produção ocorra por encomenda.

A cadeia do leite é, assim, monitorada pela equipe do Cepea para que se possa compreender a geração de valor entre os segmentos. A síntese mensal desses resultados é publicada no Boletim do Leite, mas os participantes da rede de colaboradores do Cepea recebem outros informativos também.

O preço não é só uma cifra: ele é também uma informação, que auxilia os agentes de um SAG a mensurar seu desempenho, a oferta, a demanda e os impactos de diferentes estratégias que eles podem adotar para gerir seus negócios. Ao se munirem de informação, os agentes da cadeia do leite podem não apenas compreender melhor o cenário atual, mas se prepararem para cenários futuros. É essa constante adaptação, no curto e longo prazos, que possibilita a resiliência dos negócios, mesmo diante das adversidades do mercado.

Esse texto busca relembrar o papel da informação no desenvolvimento do agronegócio. O crescimento econômico deriva, sim, de investimentos estruturais, como assistência técnica, melhoria em nutrição, saúde e reprodução animal, treinamento de mão de obra, adoção de ferramentas gerenciais nas fazendas e laticínios. Depende também de infraestrutura e logística. Mas tudo isso exige um ambiente institucional que favoreça a diminuição das assimetrias de informação e dos custos de transação. Por isso, é preciso que a sociedade apoie, colabore, financie e valorize as iniciativas que geram informações sobre as cadeias produtivas.

Fonte: Por Natália Grigol, pesquisadora da equipe leite do Cepea
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas No Rio Grande do Sul

Declaração de rebanho tem prazo prorrogado para 31 de julho

Prorrogação se deve às fortes chuvas registradas em maio no Rio Grande do Sul, que causaram indisponibilidade de diversos sistemas da Procergs.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

A Declaração Anual de Rebanho 2024 teve seu prazo final prorrogado para 31 de julho. A prorrogação se deve às fortes chuvas registradas em maio no Rio Grande do Sul, que causaram indisponibilidade de diversos sistemas da Procergs – entre eles, o Sistema de Defesa Agropecuária (SDA), por onde a declaração é feita. A Instrução Normativa nº 15/2024, que prorroga o prazo, foi publicada no Diário Oficial do Estado na quarta-feira (11).

A Declaração de Rebanho é uma obrigação sanitária de todos os produtores rurais gaúchos detentores de animais. Desde o ano passado, a declaração pode ser feita diretamente pela internet, em módulo específico dentro do Produtor Online. Um tutorial ensinando a realizar o preenchimento pode ser consultado aqui. Caso prefira, o produtor também pode fazer o preenchimento nos formulários em PDF ou presencialmente nas Inspetorias ou Escritórios de Defesa Agropecuária, com auxílio dos servidores da Seapi e assinando digitalmente com sua senha do Produtor Online.

A Declaração Anual de Rebanho conta com um formulário de identificação do produtor e características gerais da propriedade. Formulários específicos devem ser preenchidos para cada tipo de espécie animal que seja criada no estabelecimento, como equinos, suínos, bovinos, aves, peixes, abelhas, entre outros. No formulário de caracterização da propriedade, há campos como situação fundiária, atividade principal desenvolvida na propriedade e somatória das áreas totais, em hectares, com explorações pecuárias. Já os formulários específicos sobre os animais têm questões sobre finalidade da criação, tipo de exploração, classificação da propriedade, tipo de manejo, entre outros.

Em 2023, a declaração teve adesão de 84,19%, índice que se manteve condizente com a média de declarações de rebanho entregues nos anos anteriores.

Fonte: Assessoria Seapi
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas

Preços de cortes mais baratos da carne bovina reagem no atacado

Dados do Cepea mostram que os valores dos cortes dianteiro e ponta de agulha, mais baratos, se destacaram com reajustes positivos, ao passo que o traseiro segue em desvalorização.

Publicado em

em

Foto: Fernando Dias

Enquanto os mercados de boi e de reposição seguem com baixa liquidez e preços enfraquecidos, as negociações de carne com osso no atacado da Grande São Paulo voltaram a se recuperar.

Dados do Cepea mostram que os valores dos cortes dianteiro e ponta de agulha, mais baratos, se destacaram com reajustes positivos, ao passo que o traseiro segue em desvalorização.

Pesquisadores do Cepea indicam que o comportamento distinto dentre os cortes tem relação com a exportação mais intensa de peças do dianteiro e também com a renda da maioria dos consumidores brasileiros.

Ainda que alguns indicadores macroeconômicos – como o desemprego – estejam evoluindo positivamente, o poder de consumo segue limitado e, para muitos, não alcança cortes mais nobres de carne bovina.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
AJINOMOTO SUÍNOS – 2024

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.