Conectado com
VOZ DO COOP

Empresas Eprinomectina

Controle de verminoses no periparto permite aumento na eficiência na produção leiteira

Estudo conduzido no Brasil mostra os benefícios da Eprinomectina no controle das verminoses e no incremento da produção de leite.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Ceva

As verminoses gastrointestinais representam um desafio significativo para pecuária leiteira, afetando diretamente a saúde, o bem-estar e a produtividade das vacas leiteiras. Os sinais clínicos das infecções pelos principais vermes redondos gastrointestinais incluem anemia, diarreia, perda de apetite, perda de peso e fraqueza geral. Entretanto não é comum observar estes sinais, especialmente nos bovinos adultos, quando a manifestação mais comum é a subclínica. Mesmo nas infecções subclínicas por vermes redondos pode haver o comprometimento nutricional dos animais, com perda de nutrientes e menor eficiência alimentar. Isso pode impactar negativamente a produção leiteira. Desta forma, as perdas determinadas pelos vermes englobam prejuízos produtivos e econômicos aos pecuaristas.

O impacto das verminoses é ainda mais crítico no período do periparto. Durante esta fase há uma imunossupressão natural da imunidade geral nas fêmeas. Principalmente entre oito à seis semanas antes do parto até cerca das seis a oito semanas após o parto, os efeitos negativos das verminoses pode se agravar, prejudicando ingestão de alimentos e agravando ainda mais o Balanço Energético Negativo (BEN), comum nesta fase nas vacas leiterias. Consequentemente há prejuízos para a produção de colostro e leite na lactação seguinte ao parto, além de também poder haver comprometimento na eficiência reprodutiva pós parto.

Como visto as infecções por vermes redondos gastrointestinais afetam não apenas a saúde das vacas, mas a sustentabilidade de toda a cadeia leiteira. Desta forma, a prevenção se mostra uma aliada indispensável aos produtores.

No campo, os resultados obtidos com a eprinomectina, princípio ativo do Eprecis® da Ceva, já são amplamente conhecidos pelos pecuaristas. A eprinomectina é a molécula endectocida mais moderna possuindo alta potência contra as principais verminoses e curto período de carência, sendo de ZERO dias para o leite e de apenas 12 dias para o abate. Eprecis® além de promover o controle das principais verminoses gastrointestinais também atua no controle das infestações por importantes parasitos externos dos bovinos determinadas pelo berne, o carrapato e a mosca-do-chifre. Também controla a estefanofilariose ou úlcera do úbere, sendo este fato uma exclusividade de Eprecis® uma vez que é o único produto chancelado pelo Mapa para o tratamento desse problema, que costuma ser mais comum nas vacas em lactação.

Um estudo conduzido na Região Sul de Minas Gerais, avaliou o efeito da administração de uma dose injetável de Eprecis® na produção de leite de vacas leiteiras naturalmente infectadas por nematódeos gastrointestinais durante o periparto. Foram selecionadas 192 vacas saudáveis e prenhes, de cinco rebanhos diferentes, que não haviam sido tratadas com endectocidas nos últimos 120 dias ou com anti-helmínticos específicos nos últimos 60 dias. As vacas foram divididas aleatoriamente em dois grupos: o grupo tratado com eprinomectina e o grupo controle que recebeu o placebo do produto. Cada grupo foi composto por 96 animais.

Os tratamentos foram administrados no período periparto de acordo com as datas previstas para os partos, corroendo entre sete dias antes e sete dias após o parto. Amostras individuais de fezes foram coletadas semanalmente, desde oito semanas antes até a 7ª semana pós-parto, para a realização dos exames de contagens de Ovos de vermes por Grama de Fezes (OPGF).

Durante a condução do estudo, a produção diária de leite foi medida semanalmente, após o parto até a 7ª semana pós-parto. Os resultados dos exames parasitológicos e da produção de leite foram comparados estatisticamente.

Os resultados mostraram diferença significativa (P<0.05) nas contagens médias de OPG entre os dois grupos nas primeiras semanas após o parto, sendo estatisticamente menores no grupoBEN tratado com Eprecis® (p<0,05)

A análise também mostrou que a produção de leite foi influenciada pelo tratamento. Durante período de avaliação da produção leiteira (sete semanas ou 49 dias pós-parto) as vacas do grupo Eprecis® produziram mais leite, sendo a produção média diária de 20,6 Kg/dia versus 19,4 Kg para as vacas do grupo controle (p=0,0002). Portanto houve uma produção média de +1,2 Kg de leite por dia para as vacas do grupo tratado com Eprecis®, totalizando +58,8 Kg por vaca deste grupo (p<0,05).

Desta forma, foi possível concluir que o tratamento de vacas leiteiras na semana do parto com Eprecis®, em dose única, reduz a contagem de Ovos Por Grama de Fezes e melhora a produção de leite no pós-parto.

“Esses resultados são altamente relevantes para a produção leiteira, uma vez que demonstram que o controle eficaz de nematódeos gastrointestinais pode melhorar significativamente a saúde dos animais e aumentar a produtividade leiteira. Isto contribui para uma produção mais eficiente e sustentável, reduzindo a necessidade de tratamentos frequentes e os custos associados aos mesmos” declara Rafael Queiroz, médico veterinário gerente de produtos da Linha Leite da Ceva Saúde Animal.

O controle eficaz de parasitas nas fêmeas bovinas priorizando o periparto é fundamental para assegurar a saúde dos animais e a produtividade. Uma abordagem integrada que combina tratamentos antiparasitários, nutrição adequada e monitoramento contínuo é essencial para minimizar os impactos negativos das principais parasitoses. A adoção de estratégias baseadas em evidências científicas e ajustadas às condições específicas de cada rebanho pode melhorar significativamente os resultados sanitários e econômicos das propriedades leiteiras.

Fonte: Assessoria Ceva Saúde Animal

Empresas Nuproxa

Empresa suíça de aditivos naturais se lança ao mercado durante o SIAVS 2024, que acontece entre os dias 6 e 8 de agosto em São Paulo.

Publicado em

em

Homero Borin, vice-presidente do Grupo Nuproxa para a América Latina

Presente no mercado latino-americano desde 2007, o Grupo Nuproxa escolhe o evento SIAVS 2024, que acontece no Distrito Anhembi, em São Paulo, de 6 a 8 agosto, para apresentar a sua marca e seu portfólio ao Brasil. Com soluções inovadoras, já reconhecidas na Europa e em outros países da América Latina por sua eficácia e qualidade, que extraem o melhor da natureza e transformam em tecnologia de nutrição para o bem-estar e saúde animal.

Em território brasileiro, o local escolhido para sua sede foi Itajaí, Santa Catarina, estrategicamente pensado para apoiar uma rede de distribuição abrangendo todo o país, uma vez que a região tem força na produção de suínos e aves. A Nuproxa Brasil conta com uma equipe técnica comercial e um time de especialistas em nutrição e saúde para aves, suínos, ruminantes, animais de companhia e aquicultura, prontos para oferecer suporte completo aos seus clientes.

Com um investimento previsto de 22% de seu market share em novos mercados, a empresa pretende tornar o mercado brasileiro um dos mais importantes do grupo nos próximos anos.

Homero Borin, vice-presidente do Grupo Nuproxa para a América Latina, destaca a importância dessa expansão. “O Brasil sempre fez parte dos nossos planos de crescimento, pois é um mercado extremamente importante para a expansão de nossos negócios. Além disso, sempre realizamos testes científicos com instituições brasileiras de prestígio para confirmar a eficácia de nossos produtos. Com a adição de novos produtos ao nosso portfólio e a expansão de nossa equipe técnica, estamos prontos para estrear no país”, afirma Borin.

Entre os destaques da Nuproxa estão o suporte técnico especializado e os produtos inovadores e sustentáveis, desenvolvidos para clientes que buscam maximizar os resultados e manter alta lucratividade em suas operações, atendendo à demanda global.

“Nossos produtos, que já são sucesso em toda a América Latina, agora estão disponíveis no Brasil com foco principal na produção de aves e suínos, além de uma linha inovadora de produtos para aquicultura. Os produtos da Nuproxa são naturais e altamente testados, oferecendo máximo retorno econômico e desempenho superior de produção, alinhados com conceitos de sustentabilidade e bem-estar animal. Além disso, a Nuproxa tem um rigoroso programa de segurança alimentar, qualidade e regulamentação para garantir a integridade de nossos produtos, seguindo os mais altos padrões estabelecidos pela certificação FAMI-QS”, diz Jonivan Paloschi, Diretor Comercial para a Nuproxa Brasil.  

Até 2021, a Nuproxa operava no Brasil de forma indireta, por meio de um distribuidor local, oferecendo uma gama reduzida de produtos. No entanto, dada a importância do país na produção animal global e o crescimento de sua linha de produtos, a empresa suíça entra no país com força total. A meta da Nuproxa Brasil é ter sua linha completa de produtos disponível no mercado brasileiro nos próximos anos.

 

Serviço

Nuproxa Brasil

Stand SIAVS n° 103

SIAVS 2024, de 6 a 8 de agosto

Distrito Anhembi, São Paulo/SP

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Dia 8 de agosto

Agroceres Multimix realiza agCast ao vivo durante o SIAVS 2024

Ação reunirá especialistas como Luiz Felipe Caron, Ricardo Rauber e Fernanda Almeida e tem como objetivo levar conhecimento prático e científico ao setor.

Publicado em

em

Professor Luiz Felipe Caron, é uma das presenças confirmadas no AG CAST – Foto: O Presente Rural

No dia 8 de agosto, durante o SIAVS, a Agroceres Multimix reforça seu compromisso de levar informações de qualidade ao setor por meio do agCast. Na oportunidade, a empresa reunirá em seu estande renomados especialistas para debater a fundo temas essenciais para a produção de proteína animal.

A ação será transmitida ao vivo, pelo canal oficial da Agroceres Multimix no YouTube, permitindo que profissionais do setor acompanhem as discussões e insights.

A programação do agCast terá início às 9h30, com foco em avicultura, quando estratégias para escolha de aditivos voltados para a saúde intestinal nortearão as conversas.

O professor Luiz Felipe Caron, o consultor Ricardo Rauber e a gerente de serviços técnicos na Agroceres Multimix, Patricia Marchizeli, debaterão temas como o uso de biomarcadores para compreender os mecanismos de ação dos aditivos e a definição de protocolos eficazes adaptados às necessidades dos produtores.

Na sequência, às 11h30, o conceito de imunonutrição e os desafios das matrizes hiperprolíficas na suinocultura serão o foco da troca de experiências entre a professora e pesquisadora Fernanda Almeida e o gerente de serviços técnicos na Agroceres Multimix, Francisco Alves Pereira.

Os participantes abordarão como a pesquisa está enfrentando os desafios para melhorar a uniformidade e viabilidade da leitegada, além do papel da imunonutrição no desempenho produtivo e morfológico dos leitões.

Para acompanhar o agCast, basta se inscrever no canal do YouTube da Agroceres Multimix (Clique aqui).

Fonte: Assessoria Agroceres Multimix
Continue Lendo

Empresas

Saiba como os aminoácidos podem auxiliar na criação de suínos

AminoGut®, solução da Ajinomoto do Brasil, é excelente estratégia nutricional para o desenvolvimento saudável dos animais 

Publicado em

em

Divulgação Ajinomoto

O AminoGut®, solução voltada para a área de Nutrição Animal, presente no portfólio da Ajinomoto do Brasil, empresa referência em aminoácidos, tem sido utilizado como ferramenta estratégica na nutrição dos suínos. Composto por aminoácidos essenciais na forma livre, o produto é desenvolvido e produzido no Brasil, e exportado para diversos países.

Os componentes presentes na formulação do AminoGut® atuam no intestino dos animais, sendo utilizados no metabolismo de energia das células de rápida multiplicação e renovação, como os enterócitos (células cuja função é a de realizar a digestão dos alimentos e a absorção de nutrientes) e as células do sistema imunológico (responsáveis pela defesa e proteção do organismo), contribuindo assim para a manutenção da morfologia, integridade e saúde intestinal.

Os suínos passam por diversos períodos de desafios durante a sua produção. Por exemplo, no período de desmame o estresse dos animais é muito intenso, pois o leitão é separado de sua mãe, a sua dieta (leite) é modificada drasticamente para a ração e é neste momento em que os leitões de diferentes ninhadas são agrupados em um único ambiente, ocasionando uma reorganização social com conflitos de hierarquia dentro deste novo grupo. Estes estresses ambientais, nutricionais e sociais resultam em alterações significativas na microbiologia, fisiologia e imunologia do trato digestivo dos leitões.

Em situações de estresse ou desafio sanitário, a demanda dos aminoácidos aumenta e um aporte nutricional adequado de aminoácidos essenciais e, também, de aminoácidos condicionalmente essenciais (cuja síntese endógena é insuficiente para atender as necessidades do organismo, em condições específicas), deve ser realizado.

“Com sólida base científica, o AminoGut®, produto de tecnologia e composição únicas para a nutrição animal, possui importância estratégica para se obter o melhor desempenho zootécnico, fornecendo aminoácidos essenciais aos animais submetidos às condições de estresse, como, por exemplo, o período de desmame dos leitões”, destaca Edgar Ishikawa, diretor da Divisão Bio & Fine Chemicals, responsável pelos negócios de Nutrição Animal da Ajinomoto do Brasil.

“No desmame e dias após este evento, os sistemas digestivos e imunológicos dos leitões ainda não estão plenamente maduros e funcionais, limitando sua capacidade digestiva e sua resposta imunológica frente aos desafios. A suplementação do AminoGut® nas rações, devidamente balanceadas e de alta digestibilidade, se torna necessária para se obter o melhor desempenho zootécnico e para que os leitões, de forma resiliente, transponham os desafios do período de desmame”, reforça o executivo.

Testes realizados em granjas comerciais no Brasil e no exterior comprovam que o uso do AminoGut® resulta em um significativo aumento de peso dos leitões na saída da creche que, por consequência, proporciona menos dias para atingir o peso de abate dentro do ciclo produtivo. “Em outros termos, há melhor desempenho zootécnico e maior retorno econômico ao produtor”, finaliza Edgar Ishikawa

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.