Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Suinocultura

Queda no consumo de ração na granja pode ser alerta para qualidade da água

Especialista da Trouw Nutrition destaca relação entre consumo de água e alimentos sólidos na produção de suínos

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

O padrão de ingestão de água dos suínos pode ser influenciado por vários fatores, incluindo genética, sexo, idade, saúde e temperatura corporal. Diferentes fatores externos, como: queda ou aumento brusco temperatura da água, pH abaixo de 3, excesso de cloração (acima de 3 ppm de cloro livre na água) e níveis físico-químicos da água como dureza, alcalinidade, sólidos totais dissolvidos  presença de ferro,  também podem interferir no consumo. Quanto à qualidade microbiológica, a presença de coliformes totais e fecais, Escherichia coli, enterobactérias, fungos e leveduras podem causar quadros severos de diarreia nos animais.

Josênio Cerbaro reforça o alerta para o nível da parte físico-químico da água:  dureza, alcalinidade, sólidos totais dissolvidos em níveis elevados que afetam a palatabilidade, causando repulsa dos suínos. Eles também podem ser responsáveis pelo efeito laxativo e interferência na eficácia de alguns medicamentos e desinfetantes. “No manejo de limpeza e desinfecção das instalações, a dureza da água influencia a capacidade de sabão e detergente em formar espuma, ocasionando incrustações nas tubulações”.

O pH, dureza, alcalinidade e sólidos totais dissolvidos em altos níveis na água demandam um grande gasto de energia pelo animal no processo digestivo. Em estudos realizados a campo comparando resultados zootécnicos de lotes abatidos no frigorífico, é possível perceber que os piores resultados estão relacionados às amostras de água que tinham perfil físico-químico alto e presença de contaminação microbiológica.

Segundo Josênio Cerbaro, coordenador comercial da Trouw Nutrition, o consumo de água está diretamente atrelado à fase de vida do animal. “Leitões em fase de creche consomem de 2 a 3 litros por dia.  Já durante o crescimento o volume salta para de 8 a 12 litros e na fase de terminação pode chegar a 20 litros/dia. A exigência é maior em fêmeas lactantes, as quais merecem atenção especial do produtor: o consumo varia entre 20 a 35 litros de água”, explica o especialista da Trouw Nutrition.

A atenção precisa estar voltada não apenas à qualidade da água e disponibilidade no ambiente, mas também à qualidade da ração oferecida. “A escolha de insumos, matérias-primas de qualidade, composição da ração e boa palatabilidade têm impacto positivo na ingestão de água. As instalações também podem ser responsáveis por alterações de consumo. É o caso de iluminação, temperatura ambiente, umidade, velocidade do ar (ventilação mínima/troca de ar), localização dos bebedouros, comedouros e quantidade mínima de ambos, assim como a vazão e a pressão da água”, alerta o coordenador.

Controle sanitário e gestão de qualidade da água, estão  diretamente relacionados, pois contribuem para a redução do uso de antimicrobianos na prevenção de doenças, fato que hoje representa um desafio para o plantel.

“O consumo medido em metros cúbicos no hidrômetro da entrada de água no galpão é um dos indicadores para avaliar o desempenho zootécnico e o status sanitário. Os animais ingerem de 2 a 3 vezes mais água do que o alimento sólido. Ao perceber na leitura diária um volume de água inferior ao dia anterior, o produtor precisa redobrar os cuidados. Se os animais não ingerirem água na quantidade necessária, eles não comem o suficiente e, consequentemente, não vão atingir o ganho de peso diário como esperado. É fundamental tratarmos esse recurso natural com a devida importância, realizando monitoramento constante e evitando perdas, seja por vazamento ou contaminação”, recomenda o coordenador comercial da Trouw Nutrition.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 14 =

Empresas Parceria

MCassab traz ao mercado sul-americano duas novas soluções para suinocultura

Soluções têm propósito de atender a nova demanda sobre qualidade de carcaça de suínos e isospora em leitões

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

Reforçando o compromisso em levar aos clientes soluções inovadoras em Nutrição e Saúde Animal, o Grupo MCassab vem investindo cada vez mais em soluções pautadas de tecnologias. O objetivo é atender os mais variados mercados importadores de proteína animal.

Para tornar o objetivo uma realidade, a Linha de Saúde Animal e Especialidades ganha um reforço importante no portfólio de produtos naturais e na substituição de soluções convencionais.

Em parceria com a empresa Francesa IDENA, referência em soluções naturais na Europa, o Grupo MCassab traz ao mercado sul-americano duas novas soluções: o ValiMP e o Forcix SW, ambos com propósito de atender a nova demanda sobre qualidade de carcaça de suínos e isospora em leitões.

O Grupo MCassab continua desenvolvendo soluções inovadoras, juntos com os parceiros, para entregar o melhor ao agronegócio.

Continue Lendo

Empresas Suinocultura.

Pigger Cream a escolha ideal para o apoio a matrizes hiperprolíficas

O desenvolvimento da suinocultura nacional exige o uso de tecnologias nutricionais e ferramentas para o suporte aos desafios diários da atividade

Publicado em

em

Claudilene Aparecida Costa / Divulgação

Sempre em busca por soluções nutricionais voltadas para a suinocultura é que a Polinutri, empresa especializada em nutrição animal sediada em Osasco (SP), trouxe para o mercado o Pigger Cream, produto lançado no início de 2019 como forma de apoio ao manejo as fêmeas hiperprolíficas em parceria com a Liprovit (Holanda).

“Este é um alimento em linha ao notório avanço genético e a alta prolificidade das granjas nacionais que em muitos casos atingem índices superiores a 18 leitões vivos/porca”, explica a Gestora Comercial da Polinutri, Camila Brandão.

De acordo com o Gerente de Negócios Suinocultura da Polinutri, Felipe Ceolin, ao longo deste período, os resultados da parceria entre a Polinutri e a empresa holandesa têm sido consistentes e motivo de comemoração. Isso por conta da qualidade e facilidade do uso do Pigger Cream. “Oferecemos para o mercado um leite UHT palatável de elevada qualidade nutricional que atua diretamente para o desenvolvimento de leitões fortes e saudáveis, além de ser pronto para uso”, detalha Felipe.

Quem atesta todas essas considerações é a encarregada de Maternidade na Agropecuária Ponta Verde, Leopoldo de Bulhões (GO), Claudilene Aparecida Costa. Em um plantel formado por 626 matrizes ela relata que passou a fazer uso do Pigger Cream com objetivo de reduzir os índices de mortalidade neonatal da granja.  “Passamos a utilizar o Pigger Cream para leitões de baixa viabilidade. Estratégia que já apresenta resultados por meio da redução da mortalidade desses leitões”, relata e continua: “o que mais surpreendeu foi uma leitegada prematura com 106 dias de gestação. Fornecemos o Pigger Cream misturado ao leite, 50% de cada nos dois primeiros dias. Dos 12 leitões nascidos conseguimos salvar 10 leitões.”

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Contratação

Departamento Técnico/Comercial Aves – Norte conta com reforço

Área de avicultura da Vetanco conta com os trabalhos de Roney desde Novembro de 2020

Publicado em

em

Roney da Silva Santos / Divulgação

O Técnico Agrícola Roney da Silva Santos passou a integrar o time da Vetanco desde novembro do ano passado.

Roney tem formação no Técnico Agrícola com Habilitação em Agricultura e Zootecnia pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí (hoje Instituto Federal de Minas Gerais – IFMG) e é pós-graduando em Gestão do Agronegócio pela Faculdade Famart de Itaúna/MG.

O Assistente Técnico tem experiência na área de avicultura onde atuou na assistência técnica para a criação de frangos de corte, biossegurança e construção de aviários.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Encontro Nacional de Micotoxinas – RJ

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.