Conectado com

Suínos / Peixes Deficiência de Ferro

Quais os impactos da anemia no desenvolvimento dos leitões?

Distúrbio afeta o desenvolvimento dos neonatos causando atraso no desenvolvimento e no ganho de peso dos animais.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A anemia ferropriva é o distúrbio mais comum no período pós-natal sendo responsável pela queda no desempenho dos leitões. O ferro é um elemento fundamental para o desenvolvimento do sistema imune dos suínos, sendo responsável por estimular o crescimento  e maturação das células imunes, por isso, a deficiência do mineral impacta os animais deixando-os mais propensos a doenças, como pneumonia, influenza e distúrbios gastrointestinais.

Pesquisas indicam que 40% dos leitões apresentam deficiência de ferro ao nascer. Os neonatos são mais susceptíveis ao desenvolvimento do quadro, pois nascem com baixas reservas de ferro (50 mg), que podem se esgotar no terceiro dia pós-nascimento.

Outros fatores, como a baixa transferência de ferro da mãe aos leitões através da placenta, o baixo nível de ferro no leite das fêmeas suínas e a rápida curva de crescimento após o nascimento podem contribuir para o surgimento do quadro na leitegada.

É importante compreender que os leitões têm uma necessidade entre 7-16 mg de ferro/dia para que apresentem uma curva de crescimento adequada, mas o colostro e o leite da matriz não oferecem a quantidade necessária para o desenvolvimento dos animais. Portanto, é preciso suprir as necessidades nutricionais de ferro em leitões durante os primeiros dias de vida. É comum que as maternidades implementem em sua rotina práticas de controle como a aplicação de ferro dextrano nos primeiros dias de vida.

“A anemia ferropriva pode levar a uma maior predisposição a infecções e  menor desempenho zootécnico. Além disso, uma leitegada afetada pelo problema pode apresentar uma taxa de mortalidade elevada ou ainda ter um alto índice de animais subanêmicos e que terão perda de desempenho”, detalha a gerente de produtos da Unidade de Suínos da Ceva, Marina Moreno.

Em casos de deficiência de ferro, os animais apresentam sinais clássicos, entre os mais comuns estão: mucosas ocular e bucal pálidas e pele branca rugosa e áspera. Além disso, podem ter falta de apetite, dificuldade respiratória e diarreia.

Para evitar os impactos do distúrbio é necessária a suplementação adequada dos animais. Há dois métodos básicos de administração de ferro: 1) via oral na forma de pó, pasta, líquido ou comprimido, e 2) via parenteral por injeção intramuscular de medicamento à base de ferro. A maior parte do ferro administrado por via oral não é absorvida, sendo simplesmente eliminada nas fezes. O ferro absorvido a partir do intestino é transportado na forma de transferrina para a medula óssea, os músculos, o fígado e o baço para produzir hemoglobina e mioglobina ou para ser armazenado na forma de ferritina e hemossiderina.

Estudos demostram que a suplementação adequada, especialmente a feita por via injetável, pode auxiliar no tratamento da anemia ferropriva, ajudar na redução da incidência de diarreias, refugagem, e mortalidade, além de contribuir para o ganho de peso dos animais.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =

Suínos / Peixes

ABCS apresenta balanço do setor suinícola e projeta consumo no Brasil para 18,71 quilos per capita

Iniciativas como da Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) e a campanha “Carne de porco: bom de preço, bom de prato” da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) fomentaram ainda mais o consumo interno da proteína animal.

Publicado em

em

A carne suína vem conquistando cada vez mais o paladar dos brasileiros e impulsionada pela elevação de preços das demais proteínas, que tornaram o custo-benefício determinante na hora de selecionar os produtos que vão compor a cesta de supermercado, ganhou novos consumidores e apresentou ao longo do ano passado crescimento consistente no mercado interno.

É o que aponta o levantamento com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Segundo estimativa projetada no período que compreende o terceiro trimestre de 2018 ao terceiro trimestre de 2021, com base na disponibilidade interna de carne suína, o aumento de consumo deve chegar a 18,71 quilos por habitante/ano. Se confirmada, será um recorde histórico para o setor.

Iniciativas como da Semana Nacional da Carne Suína (SNCS) e a campanha “Carne de porco: bom de preço, bom de prato” da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) fomentaram ainda mais o consumo interno da proteína animal. “As ações da ABCS tem papel fundamental neste crescimento histórico de consumo per capita da carne suína no Brasil”, ressalta o presidente da ABCS, Marcelo Lopes.

Em entrevista exclusiva ao Jornal O Presente Rural, Lopes fez um balanço da suinocultura brasileira no último ano e

Presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes: “A carne suína vai virar uma das principais proteínas consumidas pelos brasileiros. Se nós conseguirmos fazer o nosso dever de casa vamos ter um ano de 2022 com boas perspectivas” – Foto: Divulgação/ABCS

apontou as perspectivas para o ano que se inicia, com estimativas baseada em dados projetados pelo IBGE. “O ano passado foi marcado por recordes em produção, em exportações e em consumo per capita, mas também pelos altos custos para trazer a carne suína até a mesa do consumidor”, salienta.

A produção deverá ultrapassar a marca de 4,8 milhões de toneladas  o fechamento de 2021, apresentando crescimento próximo a 8% em relação a 2020. “Nós tivemos uma situação bem atípica esse ano em função dos preços dos insumos, do milho e da taxa cambial alta. Foi um ano muito difícil para a produção, apesar dos bons resultados que estão sendo projetados”, avalia Lopes, destacando que nos últimos anos o setor apresentou um crescimento na produção de mais de 40%. “E metade deste crescimento foi somente nos últimos seis anos. É um dos maiores crescimentos percentuais entre os grandes produtores mundiais de carne suína”, enaltece.

No mercado externo, as exportações de carne suína in natura devem fechar 2021 com crescimento superior a 11% em relação ao ano anterior, totalizando pouco mais de um milhão de toneladas. Destaque para a China, que no acumulado dos primeiros 11 meses do ano passado comprou 483,2 mil toneladas, queda de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior. O país asiático é o principal destino da carne suína brasileira, detendo 63% do total exportado.

Mesmo com o crescimento expressivo das exportações nos últimos anos, o mercado doméstico foi quem absorveu a disponibilidade do aumento da oferta, crescendo o consumo interno ano passado. “Em 2021 aumentou bastante o consumo per capita, se fizer uma conta do consumo interno, da produção e da exportação vai ultrapassar 18 quilos per capita. Isso é muito bom, era uma expectativa que nós tínhamos, porém com um custo alto da carne, o que nos deixa um pouco apreensivos. Trabalhamos o ano inteiro com custos elevados em função do momento econômico que estamos vivendo, mas não conseguimos repassar os preços na mesma proporção dos insumos. Foi um ano extremamente difícil para a suinocultura brasileira”, afirma.

Custo recorde em 2021 deve recuar em 2022

De longe, o maior desafio do produtor ao longo do ano passado foi o custo de produção. A quebra histórica da safra de milho, agravada por um mercado altamente especulativo, manteve o principal insumo da suinocultura em alta, atingindo o maior preço nominal da história em maio passado, quando o valor da saca de 60 quilos ultrapassou os R$ 100,00 em várias praças. Após a colheita da segunda safra houve um recuo nos valores do grão, mas ainda em patamares que não permitiram margens positivas diante do baixo preço do suíno vivo.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima para este ano uma supersafra de grãos, com recorde de produção. Para a safra de soja a projeção que sejam colhidas 142 milhões de toneladas; e de milho é esperado 117 milhões de toneladas e um aumento da área plantada na primeira safra do cereal de 3,7% em relação ao ano anterior. Porém, essa projeção poderá ser afetada para baixo em função da estiagem persistente na região Sul do país, que é a que mais contribui para a oferta da safra de verão.

O déficit hídrico tem preocupado especialmente no Estado do Rio Grande do Sul. Por outro lado, a região Centro-Oeste do Brasil conseguiu plantar a primeira safra de soja dentro do prazo previsto, o que vai possibilitar o plantio da segunda safra de milho dentro da janela climática ideal, com expectativa de colher volumes recordes.

Confirmadas as projeções da Conab, a expectativa é que haja recuo nos preços destes insumos, no entanto, além do clima outros fatores podem interferir na produtividade dos grãos, entre eles a baixa oferta e os altos preços dos fertilizantes.

Destino das exportações

Principal exportador da carne suína brasileira, a China está buscando ser autossuficiente na produção da proteína animal mais consumida no país, o que deve diminuir a compra da carne brasileira para consumo interno. Em contrapartida, o Brasil está ganhando novos mercados e retomando antigas relações, como é o caso da Rússia, que de concorrente passou a ser cliente. “Em novembro a Rússia abriu uma cota de importação de 100 mil toneladas de carne suína com tarifa zero, destinada a qualquer país habilitado a abastecer o mercado russo, o gera uma grande oportunidade ao Brasil para ser o principal fornecedor”, vislumbra Lopes.

Vacinação contra PSC

Altamente infecciosa, que apresenta elevada taxa de contaminação no plantel, apesar de não ser nociva aos humanos tem a capacidade de dizimar rebanhos, a Peste Suína Clássica (PSC) na região Nordeste do país é uma das grandes preocupações da ABCS e de outras entidades do setor, que se uniram em uma parceria público-privada para realizar o projeto piloto da campanha de vacinação contra a PSC no Estado de Alagoas, com foco na erradicação e combate à doença em zonas não livres. Foram vacinados mais de 100 mil animais, entre junho e setembro do ano passado, em mais de sete mil propriedades. A segunda fase da campanha ocorrerá no primeiro trimestre deste ano, ainda em Alagoas. “Obtemos bastante sucesso na primeira fase, agora vamos dar continuidade”, relata Lopes.

Momento é de cautela

Com perspectivas de crescimento de 4% para esse ano, Lopes afirma que o momento é de cautela e que deve ser priorizado para planejar a atividade dentro das propriedades, focar na sanidade animal e levar mais informações à população sobre as atividades da cadeia. “Precisamos ter muito cuidado neste momento para aumentar a produção, porque apesar de ter esse crescimento de consumo per capita as exportações são muito importantes, tendo uma diminuição vamos ter problemas muito sérios de preços. E o excesso de oferta dentro do país neste momento é perigoso. É necessário ter prudência em um cenário de elevação de custos de produção e de baixo poder de compra dos consumidores, atrelado a uma expectativa de redução das exportações para a China nos próximos anos”, analisa.

E ressalta: “O aumento da produção deve ser encarado com muita responsabilidade. É hora de o produtor melhorar em tecnologia, em biossegurança, em sanidade e bem-estar animal, de levar informação à população sobre a cadeia produtiva e de aumentar o consumo interno para que o setor possa crescer com mais tranquilidade”.

Biossegurança

Neste sentido, as medidas de biossegurança para evitar a entrada e a propagação de doenças no rebanho exigem cada vez mais atenção redobrada do produtor. “É importante fazer um trabalho de contenção de focos para que possamos ter maior segurança e não sermos surpreendidos com nenhum tipo de doença no plantel. O cuidado sempre deve ser redobrado para evitar qualquer tipo de patologias na propriedade”, reforça Lopes.

Oportunidades para 2022

Em decorrência da elevação dos preços das carnes bovina e de frango ao longo do ano passado, a carne suína passou a ser uma alternativa para o consumo de proteína animal da população brasileira, conquistando cada vez mais mercado pelo seu sabor, saudabilidade, versatilidade e praticidade no preparo.

Com uma população superior a 212 milhões, a ABCS prevê um crescimento promissor no Brasil. “Temos uma possibilidade gigantesca de crescer no mercado interno, mas para isso nós temos que fazer o dever de casa, sanar a PSC no Nordeste, aumentar campanhas junto ao varejo e levar conhecimento à população sobre o consumo da carne suína para que possamos ter uma oportunidade maior no mercado interno. É um caminho sem volta! A carne suína vai virar uma das principais proteínas consumidas pelos brasileiros”, anseia Lopes, acrescentando: “Se nós conseguirmos fazer o nosso dever de casa vamos ter um ano de 2022 com boas perspectivas”.

Mais informações sobre o cenário nacional de grãos você pode conferir na edição digital do Anuário do Agronegócio Brasileiro.

Continue Lendo

Suínos / Peixes

Peixes BR projeta Brasil como segundo maior produtor mundial de tilápia até o fim desta década

De acordo com os dados do Ministério da Economia, compiladas pela Embrapa Pesca e Aquicultura em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixes BR), as exportações do setor totalizaram US$ 12,8 milhões no acumulado de janeiro a setembro de 2021, superando em 4,4% o verificado em todo o ano anterior.

Publicado em

em

Fotos: Arquivo OP Rural

Saboroso e fonte de nutrientes, o peixe está cada dia mais presente na mesa dos brasileiros. No mercado internacional também tem atraído cada vez mais consumidores. De acordo com os dados do Ministério da Economia, compiladas pela Embrapa Pesca e Aquicultura em parceria com a Associação Brasileira da Piscicultura (Peixes BR), as exportações do setor totalizaram US$ 12,8 milhões no acumulado de janeiro a setembro de 2021, superando em 4,4% o verificado em todo o ano anterior.

Deste total, a tilapicultura atingiu US$ 10,9 milhões, ou seja, 85% do valor de todo o peixe exportado pelos produtores brasileiros no período, mantendo o Brasil como quarto maior produtor de tilápia do mundo. Com mais de 60% da produção nacional, a espécie se mantém como principal produto exportado.

Com a piscicultura brasileira em pleno crescimento, a Peixes BR projeta que o país alcance até o fim desta década o patamar de segundo maior produtor mundial de tilápia. “Seis em cada dez peixes cultivados no Brasil são tilápias, a cultura se consolida como a preferida dos consumidores pela facilidade do preparo há alguns anos. Essa é uma trajetória que dificilmente alguém nos tira, ou seja, a tendência é o crescimento, haja vista que os países que são produtores apresentam taxas de crescimento bem inferiores ao da brasileira”, destaca o presidente executivo da Peixes BR, Francisco Medeiros.

Presidente executivo da Peixes BR, Francisco Medeiros: “Aonde tiver grão vai ter produção de peixes, vai ter produção de tilápia” – Foto: Gabriel Muniz

A cada dez quilos consumidos pelos brasileiros de peixe de cultivo seis são tilápia, o que faz com que, segundo Medeiros, essa espécie apresente no país uma taxa de crescimento superior às demais proteínas de origem animal – aves, suínos e bovinos por exemplo. “Nós temos hoje a maior taxa de crescimento entre todas as proteínas de origem animal e com perspectivas de médio e longo prazo que isso continue, porque nós temos um espaço muito grande a conquistar. O mercado interno ainda tem um consumo muito baixo quando se fala de peixe. O consumo médio per capita mundial é de 20 quilos, nós estamos com dez quilos. Historicamente, o brasileiro consome muita proteína animal, comparado aos principais países do mundo, então nós temos ainda muito a crescer no mercado interno e no mercado externo também”, afirma.

Conforme Medeiros, a demanda por peixes de qualidade aumenta a cada dia e especificamente quando se trata de peixes de cultivo, em especial a tilápia, há poucos países com condições para atender esse aumento da demanda no mercado internacional. “Os principais produtores, principalmente os de países asiáticos, estão nos seus limites em função das condições de sanidade da água, disponibilidade hídrica e até do próprio aumento do custo de produção, que tem sido bastante elevado nos últimos meses. Se aumenta a ração aqui para nós em função do milho e da soja imagina para eles que estão comprando esses grãos?”, instiga a pensar.

Custos de produção

Na piscicultura, mais de 60% dos custos de produção são com a ração, que leva em sua composição ingredientes de origem animal – farinha de carne e ossos, de peixe, de penas e vísceras etc. – e de origem vegetal – farelo de soja, de milho, de arroz, de trigo, entre outros.

Com a alta nos preços dos grãos, muitos produtores independentes enfrentaram dificuldades para fechar o ano no azul, precisando fazer ajustes de custos de produção a todo instante em função do aumento significativo do milho e da soja. “A base da ração é grão e todos nós sabemos o impacto que a alta nos preços dos grãos gerou para toda a cadeia produtiva, com isso grande parte dos produtores está trabalhando bem no limite”, expôs Medeiros.

Demanda

Foto : Jonathan Campos / AEN

Em relação ao mercado interno, o diretor presidente da Peixes BR diz que o consumo está crescendo, muito em função do cenário atual de alta dos preços das demais proteínas de origem animal, impactadas pela elevação no valor dos insumos da ração, o que permitiu que a tilápia continuasse seu processo de comercialização. “Tivemos aumento do mercado interno, mas não o incremento que esperávamos, principalmente ao compararmos com o ano de 2020, mas terminamos 2021 de forma positiva”, avalia Medeiros.

Ao analisar o mercado externo, o presidente executivo da Peixes BR destacou que em alguns países em que se vendia mais filé passou-se a vender mais cortes e até a tilápia inteira congelada, que tem um custo menor de comercialização, o que representou uma alta de 465% do volume exportado no terceiro trimestre (julho a setembro) no comparativo com o mesmo período em 2020. “As empresas se utilizaram de estratégias para atender a esse mercado, que claramente teve uma perda de poder aquisitivo ao longo do ano de 2021”, analisa.

Exportação

De janeiro a setembro do ano passado foram exportados pelo Brasil 10% a mais do que todo o ano de 2020. Somente no terceiro trimestre, os valores financeiros foram 71% maiores do que os verificados no mesmo período do ano anterior, o que demonstra o forte crescimento da piscicultura brasileira. “Nós acreditamos que as exportações terão uma participação cada vez maior em nosso mix de venda de produtos, haja vista que estamos bastante competitivos em relação a preços. Nós temos um produto de excepcional qualidade: é a melhor tilápia do mundo. Tem exportações de tambaqui para a América do Sul, que também não temos concorrente, então acreditamos que a taxa de crescimento das exportações em 2022 vai ser bastante significativa”, almeja Medeiros.

Segundo ele, a Peixes BR criou um ambiente favorável à expansão da piscicultura de cultivo no país, implantando em conjunto com a Embrapa Pesca e Aquicultura e o Ministério da Economia, entre 2018 e 2019, o drawback da tilápia, regime aduaneiro especial que consiste na suspensão ou eliminação de tributos incidentes sobre insumos importados para utilização em produto exportado. “Neste regime, a empresa ou o produtor que produz para exportar compra insumos, medicamentos e embalagens, por exemplo, sem pagar impostos federais, isso é extremamente competitivo para o mercado”, salienta.

No entanto, o grande desafio do setor esbarra na logística, que, agravada pela pandemia do Coronavírus, enfrenta falta de contêineres refrigerados e redução de navios com rota para a América do Sul. “Esses números de exportações só não foram maiores por falta de contêineres refrigerados, por falta de transporte, situação que afeta a logística mundial. Contudo, somos resilientes e vamos continuar crescendo. Nossa expectativa é que as exportações sejam maiores neste ano do que foram verificadas em 2021”, pontua.

Nos primeiros nove meses do ano passado, os Estados Unidos foram o destino de 54% dos peixes exportados pelo Brasil, o que representou em valores financeiros US$ 7 milhões, seguido da China, com mais de US$ 1,5 milhão, o que totalizou 12% do volume das exportações brasileiras. Ao comparar o terceiro com o segundo trimestre de 2021, houve crescimento de 43% nos valores das exportações da piscicultura brasileira.

Com o aumento das exportações para países sul-americanos como Peru, Colômbia e Chile, que juntos compraram pouco mais de 20% dos embarques da piscicultura, tende a reduzir a dependência das vendas para os norte-americanos, havendo uma maior diversificação nos destinos do produto.

Maior exportador brasileiro

Consolidado como maior produtor de tilápia do país, o Paraná vem disputando também a liderança como maior exportador da espécie com o Mato Grosso do Sul. “Já tivemos trimestre em 2021 que o Paraná ultrapassou o Mato Grosso do Sul. Tínhamos um histórico nos últimos anos de uma liderança absoluta do Mato Grosso do Sul e hoje observamos um crescimento bastante significativo do Paraná, o que deve, inclusive, aumentar a participação do Estado nas exportações neste ano, então pode haver uma mudança desse 1º lugar, com o Paraná assumindo essa posição em função da consolidação das exportações das grandes empresas do Estado e de outras que estão entrando no negócio”, vislumbra Medeiros.

Desafios

Por outro lado, Medeiros diz que a biosseguridade é um dos desafios sanitários do setor, ressaltando a importância de ações bem estruturadas para conter a introdução e a disseminação de agentes patogênicos no ambiente de produção aquícola. “O controle sanitário foi um dos grandes desafios que nós tivemos em 2021, estamos tendo e vamos continuar tendo mesmo com a atividade consolidada. O setor de bovinos tem até hoje uma campanha de controle de febre aftosa, os suínos com uma campanha extremamente ferrenha para evitar o aparecimento da PSA (Peste Suína Africana), então o grande desafio é sanitário, porque quando o setor cresce, principalmente em um país continental como o Brasil, o risco sanitário é muito grande. Por isso que esse ano (2021) a Peixe BR lançou o Guia de Biosseguridade, visando preparar o setor para enfrentar os desafios sanitários, que aumentam a cada dia”, ressalta.

Crescimento

Para manter o crescimento da atividade no país, Medeiros diz que que é importante que os Estados mantenham um ambiente de segurança jurídica ambiental e de políticas tributárias atrativas. “A maioria dos Estados ainda não tem um bom ambiente de investimentos. Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Tocantins e Mato Grosso são alguns dos locais com os melhores ambientes para segurança jurídica ambiental. Somado a isso, os Estados oferecem políticas diferenciadas e isso também é um fator de atratividade, mas a grande tendência da piscicultura nesta década ainda é seguir o grão. Aonde tiver grão vai ter produção de peixes, vai ter produção de tilápia”, enfatiza.

Com perspectivas de retomada da economia neste ano, Medeiros afirma que empresas verticalizadas e integradoras têm projetado um melhor ambiente de negócios, mantendo investimentos no setor. “A economia nacional impacta demais nosso negócio, mas acreditamos que o setor continuará produtivo e em crescente desenvolvimento. Para os produtores independentes não será um ano fácil, é necessário ter um maior planejamento. É tempo de parte do dia com os pés na água e outra parte do dia afundado na cadeira, porque nunca o planejamento foi tão importante para o sucesso do negócio e é isso que nós vamos verificar no ano de 2022”, orienta o presidente da Peixe BR.

Mais informações sobre o cenário nacional de grãos você pode conferir na edição digital do Anuário do Agronegócio Brasileiro.

Continue Lendo

Suínos / Peixes Perspectivas da ABPA

Suinocultura amplia abates com projeção para crescer ainda mais em 2022

Quarto maior produtor de carne suína do mundo, a produção do Brasil é estimativa em até 4,7 milhões de toneladas, número 6% superior ao registrado no ano anterior, com 4,4 milhões de toneladas. Já o volume projetado para 2022 poderá chegar até 4,85 milhões de toneladas, volume 4% maior em relação a 2021.

Publicado em

em

Fotos: Arquivo OP Rural

Entre os oito maiores contribuintes do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), a suinocultura cresceu 2,8% em relação ao ano anterior, agregando uma receita de R$ 31,2 bilhões em 2021. Quarto maior produtor de carne suína do mundo, a produção do Brasil é estimativa em até 4,7 milhões de toneladas, número 6% superior ao registrado no ano anterior, com 4,4 milhões de toneladas. Já o volume projetado para 2022 poderá chegar até 4,85 milhões de toneladas, volume 4% maior em relação a 2021.

Presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin: “A Rússia abriu uma cota de importação de 100 mil toneladas de carne suína, que pode ser acessada por todas as nações habilitadas, mas com os embargos dos Estados Unidos e da Europa, o Brasil terá mais chances de capturar essa grande oportunidade” – Foto Édi Pereira

De acordo com as projeções da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), as vendas internacionais apontam para embarques totais de até 1,13 milhão de toneladas, número 10,5% superior ao alcançado em 2020, quando chegou a 1,024 milhão de toneladas. “Ultrapassamos em novembro o total de toneladas exportadas ano passado (2020), o que é muito positivo, atingindo 1,047 milhão de toneladas, ou seja, chegamos a um recorde histórico de exportações em 11 meses”, celebra o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Ao analisar os meses de janeiro a novembro de 2021 com o mesmo período do ano anterior houve um crescimento de 11,33% nas exportações, com uma receita 17,8% maior, chegando a R$ 2,4 bilhões em 2021. Em 2022, as vendas internacionais poderão chegar a 1,2 milhão de toneladas, volume que supera em 7,5% as exportações projetadas para 2021.

Destino das exportações

A China continua sendo o principal destino das exportações de carne suína brasileira, com 49% do mercado externo, o que representa um volume de 503.866 toneladas, um crescimento de 7,5% de janeiro a novembro do ano passado quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Na sequência figura a cidade-estado de Hong Kong (14%), Chile (5%), Singapura, Vietnã e Uruguai com 4% cada; Argentina, Filipinas e Angola com 3% cada; Geórgia (1%) e outros 10% é destinado para outros países.

Estados maiores exportadores

O Estado de Santa Catarina detém a maior fatia do mercado de exportação brasileira, com um share de 51%, ou seja, de janeiro a novembro exportou 532.793 mil toneladas, um crescimento de 11% comparado ao mesmo período de 2020. Em seguida, Rio Grande do Sul exporta 27% e Paraná 14%, fechando o ranking com os três principais Estados exportadores do país.

Mercado interno

A disponibilidade da carne suína no mercado interno cresceu 5%, podendo chegar a 3,5 milhões de toneladas até o fim de 2021. Neste ano, as projeções apontam para um volume entre 3,6 e 3,7 milhões de toneladas de carne suína, um crescimento de 4,5%, um pouco abaixo do projetado para o ano passado.

Com relação ao consumo per capita, o índice deverá alcançar 16,80 quilos por habitante/ano, número 5% maior que o consumo registrado em 2020, quando atingiu 16,06 quilos. Já em 2022, o consumo per capita projetado alcança 17,30 quilos, margem 3% maior que o esperado para 2021. Tanto a produção quanto às exportações e o consumo per capita projetados para 2021 e 2022 são recordes históricos. “Números que consolidam a presença cada vez maior da carne suína na mesa do brasileiro”, reitera Santin.

Mercado global

Caso aumente a produção dos Estados Unidos, do México e do Canadá será menor que 1% no segundo semestre de 2022. No caso da Europa, focos ativos da Peste Suína Africana podem continuar impactando as exportações. Já na China, estima-se aumento da produção em 2021, apresentando recuperação parcial, mas, neste ano, deverá se estabilizar ou apresentar leve queda no segundo semestre. “O abate de matrizes antecipadas gerou uma sobreoferta de carne na China no ano passado, o que deve normalizar neste ano, apresentando uma leve queda”, estima Santin.

No Vietnã, as importações totais para 2022 provavelmente permanecerão acima dos níveis de 2020, e as Filipinas aumentaram significativamente as importações no ano passado, com um volume crescendo mais de 400% no primeiro semestre e devem seguir em 2022 também pressionado, uma vez que a Peste Suína Africana ainda está muito ativa em todo o continente asiático e europeu.

Projeções globais

Conforme previsão do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a projeção de produção da China é de queda de 4,9% em 2022 com relação a 2021, que até outubro deste ano apresentava 26% de crescimento, seguindo com queda de 0,1% da União Europeia e 0,3% dos Estados Unidos. Já o Brasil, é cogitado o crescimento na casa dos 4% em 2022.

Nas exportações, nota-se um aumento de 2% do volume exportado da União Europeia, mas em 2020 foi maior do que está sendo projetado para 2022, ou seja, cresce sobre uma base menor e fica inferior às exportações de 2020. Mesmo processo acontece com os Estados Unidos, muito próximo da estabilização das exportações, com crescimento em torno de 2,8%. Canadá terá um leve aumento e as exportações brasileiras comparadas aos demais países segue em alta, com projeção para 2022 de 7,5%.

Importações da China

Apesar de ter quedas de preços locais sobre a oferta de produtos, maior abate de matrizes e aumento da produção local no país chinês, a ABPA estima 4,5 milhões de toneladas importadas pela China até o fim do ano. A projeção para 2022 é que a China continue a importar 4,7 milhões de toneladas, dando sustentabilidade às importações do Brasil com destino ao país.

Embora houve queda nas importações pela China nos meses de setembro e outubro do ano passado causada pela sobreoferta de produto, o share do Brasil cresceu de 9% para 11% comparado com o ano anterior. “Com o início do ano lunar chinês, em 1º de fevereiro, a expectativa da ABPA é que no segundo trimestre a China retome as importações com um volume maior de compras, uma vez que estará com os estoques reduzidos em razão do consumo nas festividades do fim do ano”, anseia Santin.

Disponibilidade de insumos

De acordo com a previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a estimativa era exportar até 31 de dezembro 19,2 milhões de toneladas de milho, com estoques finais de 8,81 milhões de toneladas. Ao analisar as exportações dos últimos 11 meses, a ABPA projetou para dezembro/2021 cerca de 2,1 milhões de toneladas e para janeiro/2022 em torno de 1,1 milhão de toneladas do grão para saída do país, o que garante um estoque de passagem projetado em mais de 10 milhões de toneladas da cultura, atingindo o mesmo patamar de 2018 para 2019, antes da pandemia.

Segundo projeção do USDA, a safra 2021/2022 deve apresentar crescimento de 6,7% sobre a temporada anterior, o que representa 382,59 milhões de toneladas. “O que dá uma certa tranquilidade para o Brasil”, pondera Santin.

Desafio do custo de insumo

O cereal milho e oleaginosa soja compõem 70% dos custos dos insumos para a produção de aves e suínos. De janeiro de 2019 até dezembro de 2021, o preço do milho aumentou em média 124% e da soja cresceu em média 127%. De agosto de 2020 até 14 de dezembro de 2021 os preços dos dois grãos apresentaram uma estabilidade em patamar elevado. “Não temos aqueles picos como tivemos em dezembro de 2020, mas entendo que vamos entrar em uma mudança de patamar de consumo. Nosso produtor também está produzindo agora safras com custos muito mais altos atrelados à alta do dólar”, alega Santin.

Cereais de inverno

De acordo com Santin, a produção de grãos no Brasil se concretizou pelo resultado expressivo da safra de cereais de inverno, que alcançou no ano passado 7,8 milhões de toneladas, um crescimento de 25,3% superior ao resultado da safra anterior, que chegou a 6,2 milhões de toneladas produzidas. Juntos, os Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul ampliaram em 99,5% a área de cultivo, em 158,6% a produção e em 42,6% a produtividade das lavouras.

“O cereal de inverno é um elemento de alternativa importante para as indústrias poderem utilizar em suas rações, tenho certeza que isso vai se tornar uma prática de agora em diante, consolidando mais ainda o rendimento para os nossos produtores e a estabilidade para conversão alimentar”, enfatiza Santin.

Custos de produção do setor

Os aumentos que os consumidores se depararam nas prateleiras dos supermercados deverão se manter ao longo de 2022 também, uma vez que, de acordo com a Embrapa, os custos de produção do setor estão elevados desde janeiro de 2021, variando nos primeiros 11 meses do ano passado entre 407,72 pontos a 397,57 pontos para a avicultura e entre 417,33 a 380,55 pontos para a suinocultura, bem diferentes dos custos praticados antes da pandemia de Covid-19, quando em média o índice era em média de 217,85 pontos para aves e 220,96 para suínos.

Outros custos que encareceram as atividades foram com as embalagens e o diesel. As embalagens de polietileno subiram 71%, de papelão 56% e as rígidas de polipropileno aumentaram 75% entre junho/2020 e outubro/2021. No mesmo período, o combustível teve uma variação de custo que chegou a 44%. “Essa é realidade com a qual vamos ter que conviver durante 2022”, reconhece Santin.

Comportamento dos concorrentes

A Europa e os Estados Unidos são os dois principais concorrentes do Brasil nas exportações de carne frango e suína. No acumulado até outubro do ano passado comparado com 2020, o país norte-americano aumentou 2,4% suas exportações de frango, o que corresponde a 2,97 milhões de toneladas, e cresceu 0,5% nas exportações suínas, resultando em 2,45 milhões de toneladas. Por outro lado, a Europa reduziu em 13% a venda externa de carne de frango e aumentou em 5,7% a de carne suína.

Enquanto a Rússia passou de concorrente a cliente da carne suína brasileira. No entanto, por conta da existência de Peste Suína Africana em alguns locais do país russo e pelo aumento da demanda local, a partir de abril de 2021 as exportações caíram 34%, uma queda bastante acentuada. “De julho a novembro do ano passado as exportações cresceram para 2,8 milhões de toneladas por mês e em novembro a Rússia abriu uma cota de importação de 100 mil toneladas de carne suína, que pode ser acessada por todas as nações habilitadas a abastecer o mercado russo. Porém, perdura ainda embargos por motivos políticos com os Estados Unidos e a Europa, ou seja, o Brasil entre as nações de grandes exportadoras é que terá mais chances de capturar essa grande oportunidade”, pontua Santin.

Panorama e projeção de consumo da China

No dia 15 de dezembro de 2021, a China voltou a comprar carne bovina desossada do Brasil após três meses com as importações suspensas em virtude da suspeita de dois casos de vaca louca no país. Para o presidente da ABPA, a reabertura do mercado chinês reafirma a confiança no governo brasileiro, retomando o fluxo normal do mercado, o que beneficia todas as proteínas brasileiras.

Com previsão para ser autossuficiente em até dez anos, chegando a 95% de produção própria, a China cresceu o abate de suínos em 96,83% no segundo trimestre do último ano, mas caiu 45,79% no terceiro trimestre, com projeção de estabilidade até 31 de dezembro.

O consumo de carne suína pelos chineses, segundo a USDA, vai fechar 2021 em 50,4 milhões de toneladas, apresentando leve baixa em 2022, quando o consumo está estimado em 48,8 milhões de toneladas, retomando o crescimento entre 2023/2025 com possibilidade de atingir 57,1 milhões de toneladas. “Mesmo com a retomada do padrão da indústria local a níveis de 95%, a China também vai continuar a crescer a sua linha de consumo, e a população tem seguido a zona de consumo anualmente, por isso, apesar desse pico de queda de preço da China e da diminuição de volumes localizados nos últimos dois meses do ano passado, enxergamos um padrão muito positivo e uma retomada no segundo trimestre de 2022, não só em volumes como em preço nas exportações para a China de carne suína e demais proteínas animais”, avalia Santin.

Mais informações sobre o cenário nacional de grãos você pode conferir na edição digital do Anuário do Agronegócio Brasileiro.

Continue Lendo
ANPARIO 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.