Conectado com

Sem categoria

Professor orienta como reconhecer a PSA e PSC no rebanho suíno

Reconhecer os primeiros sinais ou sintomas de uma doença altamente contagiosa é o primeiro passo para conseguir avisar previamente as autoridades necessárias e evitar grandes prejuízos

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Professor da UFRGS, David Barcellos: “Temos que fazer uma vigilância ativa e estar sempre atentos”

Reconhecer os primeiros sinais ou sintomas de uma doença altamente contagiosa é o primeiro passo para conseguir avisar previamente as autoridades necessárias e evitar grandes prejuízos. Isso é imprescindível especialmente para doenças sérias da suinocultura mundial, como a PSA e a PSC. Durante o 13° Seminário Internacional de Suinocultura (Sinsui), que aconteceu pela primeira vez de forma totalmente online, o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), David Barcellos, mostrou como reconhecer os sintomas das duas doenças e evitar uma eventual entrada em áreas livres no Brasil

Em relação a PSA no Brasil, Barcellos, comenta que atualmente o país conta com duas áreas, uma livre e outra não livre. “O Brasil tem se mantido ausente nos últimos 23 anos de focos, o último aconteceu em São Paulo em 1998. Porém, algumas áreas ainda tem a doença”, comenta. Sobre a doença em si, ela tem diferentes tipos virais, como altamente, moderadamente e pouco virulento. “Os sinais clínicos iniciais são problemas respiratórios, digestivos e conjuntivite. A forma clássica é com abortos, malformações e intolerância”, informa.

Já na forma crônica, o profissional comenta que a doença se manifesta em mais de 30 dias. Ele explica que o vírus de baixa virulência se caracteriza em animais sem imunidade, clinicamente existindo apatia, estado corporal ruim e diarreia, além de tosse, manchas na pele e mal-estar, quase sempre evoluindo para morte.

Um grande problema que pode acontecer é de animais passarem por uma recuperação parcial. “Os animais estão doentes das duas primeiras semanas, então existe uma fase de recuperação parcial, mas que estes animais continuam excretando o vírus. Ou seja, eles se recuperam parcialmente, mas depois voltam a ficar doentes apresentando a forma clínica da doença. Essa recuperação parcial é um grande problema”, conta.

Quando aparecem problemas de forma reprodutiva, explica Barcellos, eles são geralmente caracterizados por sinais reprodutivos típicos, como natimortos e malformados. “A morte pode se dar no início da gestação ou os animais podem nascer imunotolerantes, ou seja, que não produzem imunidade”, menciona.

Ele explica que na peste suína clássica crônica os principais pontos relacionados com a doença estão a resposta imune efetiva, a redução de anticorpos, todos os animais vem a óbito e não há vacina para o vírus. “Os fatores do hospedeiro são importantes. Suínos positivos podem viver meses excretando o vírus e os animais infectados tem um papel importante na manutenção e difusão da doença”, conta. Para ele, isso é algo com que é preciso se preocupar, a presença de animais nestas áreas e se transportados levar a doença para a área livre.

Segundo Barcellos, o que aconteceu com a PSA por ser usada para entender o que acontece com a PSC. “No sentido de como espalhou e chegou nessa situação; em 2017 entrou na Europa, em 2018 na China e tem se mantido endêmica porque existem essa medida de erradicação no rebanho positivo, mas a biossegurança é baixa”, comenta.

O profissional destaca que é importante lembrar que atualmente existem outras doenças no Brasil, por isso, é importante saber identificar os sintomas de cada uma para poder descartar a PSC. “Temos que fazer uma vigilância ativa e estar sempre atentos”, afirma.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 2 =

Sem categoria Boletim Agropecuário

Santa Catarina fecha 2021 com saldo positivo na produção de trigo, frango e suínos

Boletim traz uma análise econômica das principais cadeias produtivas do agronegócio catarinense.

Publicado em

em

O Boletim Agropecuário de janeiro mostra que Santa Catarina fechou o ano de 2021 com uma estimativa de crescimento de 76% na área plantada de trigo em relação à safra anterior e uma produtividade 15% maior. A publicação também destaca crescimento de 10,5% nas exportações catarinenses de carne suína e de 6,3% na exportação de frangos em relação a 2020. O Boletim Agropecuário é um documento emitido mensalmente pela Epagri/Cepa com a análise econômica das principais cadeias produtivas do agronegócio catarinense.

Confira como o mercado se comportou na produção de grãos, carnes, leite e hortaliças em dezembro de 2021.

Trigo

No mês de dezembro, as cotações de trigo tiveram ligeira alta no mercado catarinense com aumento de 1,08% em relação a novembro, fechando o mês em R$ 86,70/saca 60 kg. A variação anual de preços, em termos nominais, foi 20,23% superior ao preço médio praticado em dezembro de 2020.

Em relação a área plantada, Santa Catarina fechou o ano com uma estimativa de crescimento de 76% em relação à safra anterior. A produtividade também cresceu em média 15%. Como resultado, estima-se uma safra maior de 102%, com uma produção total estimada de 348 mil toneladas. Condições climáticas extremas, como ventos fortes, estiagem e granizo, marcaram a última safra e esses fatores comprometeram a qualidade e quantidade dos grãos colhidos.

Feijão

O preço médio pago aos produtores catarinenses de feijão-carioca no mês de dezembro recuou 5,45% em relação ao mês anterior, fechando a média mensal em R$216,61/sc 60kg. Já para o feijão-preto, os preços tiveram variação positiva de 2,57% no último mês, fechando a média de outubro em R$237,64/sc 60kg. Neste mês, as cotações do feijão-preto superaram as do feijão-carioca carioca, o mercado passou a valorizar mais o feijão-preto em função da perda de qualidade do feijão-carioca.

Nas primeiras semanas de dezembro, que marcam o fim da primavera e o início do verão no hemisfério sul, o clima tem apresentado forte influência das condições de La Niña, com o registro de baixas precipitações na Região Sul. Em Santa Catarina, até a última semana de dezembro, 100% da área destinada ao plantio da safra 2021/22 de feijão 1ª safra já havia sido plantada. Por outro lado, em função de uma janela de plantio bastante ampla no estado, as operações de colheita avançaram, chegando a 17%.

A cultura do feijão foi uma das mais atingidas pela estiagem durante o mês de dezembro. As chuvas que ocorreram após o dia 20 de dezembro não amenizam as perdas, uma vez que a maioria das lavouras de feijão do estado tiveram concentração das fases de floração e granação em dezembro. Da mesma forma, a ocorrência de chuvas no início de janeiro não reverteu as perdas já confirmadas.

Soja

Foto: Fabio Ulsenheimer

A estiagem reduz a expectativa da produção de soja no Estado. A estimativa de perdas feita até dia 15 de janeiro demonstra cerca de 29% de redução da produção do Estado em média em relação ao prognóstico inicial para safra 2021/2022. Em termos absolutos representa mais de 700 mil toneladas.

A estiagem está afetando diferentemente as regiões, os cultivares de ciclo precoce foram os mais afetados. O preço médio na primeira quinzena de janeiro de 2022 reage para próximo de R$170,00. O cenário atual mostra uma tendência de sustentação dos preços nos mercados externo e interno associada a estoques/consumo global e clima adverso para as lavouras da região Sul do Brasil e na Argentina, em decorrência do fenômeno La Niña.

Milho

Para o período de 2021/2022 foi estimada uma produção de 2,79 milhões de toneladas (MT) de milho grão na primeira safra. O déficit hídrico em dezembro e janeiro/2022 se intensifica em várias regiões. O impacto no rendimento das lavouras já está sendo registrado em diferentes intensidades nas regiões. As chuvas irregulares e mal distribuídas no período levam a um cenário distinto nas regiões e até entre localidades próximas. Em várias regiões o efeito da estiagem acarreta perdas na produção. No âmbito estadual as perdas estão em média de 43% relativo ao prognóstico inicial e produção em safras normais.

Em janeiro de 2022, com as incertezas da atual safra de verão os preços avançam, registrando R$95,00 a saca. A forte estiagem em curso (dezembro/21 e janeiro/22) em toda região Sul do Brasil e Mato Grosso do Sul estão provocando a alta do produto, conforme o registro das cotações diárias de preço ao produtor no Estado.

Arroz

Preços do arroz seguem em queda. A maior parte das lavouras estão em floração e com bom desenvolvimento. Seguem as preocupações com relação às altas temperaturas, que podem prejudicar a produtividade.

Alho

Em 2021, o alho nacional se manteve em alta no mercado. O produto teve boa aceitação pelos consumidores em função da qualidade e também pela perda de competitividade do alho importado, seja pelo aumento do custo do frete marítimo ou pela relação cambial favorável ao produto nacional. O Brasil fechou o ano com a importação de 125,7 mil toneladas, a menor dos últimos anos. Nesse sentido, 2021 pode ser considerado um bom ano para a cultura do ponto de vista produtivo e da rentabilidade da atividade, embora o aumento do custo de produção para a atual safra.

Em Santa Catarina foram plantados 1.808 hectares, crescimento de 5,3% em relação à estimativa inicial da safra. A expectativa de produção da hortaliça em Santa Catarina para esta safra é de 19.109,5 toneladas, com um rendimento médio esperado de 10.569 kg/ha. A comercialização da atual safra está no início e os preços ao produtor desde dezembro estão na faixa de R$6,00/kg para as classes 2 e 3, R$10,00/kg para as classes 4 e 5 e, R$12,25/kg para as classes 6 e 7.

Cebola

O ano de 2021 foi positivo para a cultura da cebola em Santa Catarina. A comercialização da safra 2019/20, apesar das perdas ocorridas pela estiagem e granizo, obteve preços médios acima de R$2,00/kg. Com isso, a maioria dos produtores comercializaram a produção com boa rentabilidade. A comercialização da safra 2020/21 segue normal com preços entre R$1,80/kg e R$1,90/kg, embora a margem seja menor que na safra passada, a atividade é rentável para a maioria dos produtores.

Na safra 2020/21 da cebola em Santa Catarina foram plantados 17.458 ha com expectativa de produção em torno de 500 mil toneladas. A boa recuperação das lavouras no final de novembro propiciou a produção de bulbos de excelente qualidade para o mercado, facilitando o processo de comercialização para os produtores, tanto pela valorização da mercadoria quanto pela possibilidade de armazenamento por tempo maior. A colheita das lavouras está praticamente concluída e a comercialização da safra já supera os 35% da produção na região do Alto Vale do Itajaí.

Bovinos

Os preços do boi gordo em Santa Catarina acompanharam o cenário nacional, que apresentou oscilações ao longo do ano passado, decorrentes do baixo volume de animais disponíveis para abate e do crescimento das exportações, além da ocorrência de dois casos de encefalopatia espongiforme bovina (“vaca louca”), que interromperam as exportações brasileiras para a China durante alguns meses.

Na comparação entre os preços de dezembro de 2021 e aqueles praticados no mesmo mês do ano anterior, há variações bastante significativas nas duas praças de referência do boi gordo em Santa Catarina: 27,2% em Lages e 17,7% em Chapecó. A média estadual, elaborada a partir dos preços de 10 praças de coleta, apresentou alta 20,3%.

Frango

Santa Catarina, por sua vez, exportou 1,03 milhão de toneladas em 2021, crescimento de 6,3% em relação da 2020. As receitas foram de US$1,84 bilhão, alta de 22,8% em relação ao ano anterior. O estado respondeu por 24,5% do valor das exportações brasileiras de carne de frango em 2021, percentual semelhante ao ano anterior, quando a participação catarinense foi de 25,0%.

No âmbito do mercado interno, o ano de 2021 foi marcado, entre outras coisas, pela elevação das cotações do frango vivo e dos preços de atacado da carne de frango, na comparação entre dezembro/2020 e dezembro/2021: 29,6% e 33,4%, respectivamente. Também se registrou alta expressiva nos custos de produção nesse período (18,0%).

Suínos

As exportações catarinenses de carne suína apresentaram crescimento significativo em 2021: foram

embarcadas 578,52 mil toneladas, aumento de 10,5% em relação ao ano anterior. As receitas apresentaram incremento ainda mais expressivo: US$1,40 bilhão, alta de 19,0%. Tais resultados representam recordes históricos nas exportações de carne suína do estado, tanto em valor como em quantidade.

Santa Catarina foi responsável por 51,7% da quantidade e 53,4% das receitas brasileiras com exportação de carne suína em 2021. China e Hong Kong responderam por 64,1% do valor das exportações catarinenses de carne suína no ano passado.

Leite

Resumo de 2021: produção em queda, preço médio recebido pelos produtores catarinenses parecido com o de 2020, custos de produção em alta, redução da rentabilidade dos produtores, importações diminuindo e exportações aumentando.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Infraestrutura e Logística

Ibama aprova Estudo de Impacto Ambiental da Nova Ferroeste

O relatório do projeto foi distribuído para 49 prefeituras do PR, MS e mais 11 entidades. Nos próximos dias o Ibama abrirá o prazo para as prefeituras solicitarem a realização das audiências públicas.

Publicado em

em

Divulgação/Ferroeste

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) publicou no Diário Oficial da União de sexta-feira (21) a aprovação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) da Nova Ferroeste, executado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O relatório com mais de 3 mil páginas estava em análise desde novembro, quando o Governo do Paraná protocolou o resultado final.

“É uma etapa fundamental porque o aceite reconhece a integridade e o valor dos trabalhos realizados, e também abre uma janela para começar a trabalhar a questão das audiências públicas”, destaca Luiz Henrique Fagundes, coordenador do Plano Estadual Ferroviário.

Uma cópia física do Relatório de Impacto Ambiental, com 129 páginas, e o link para o acesso digital do EIA foi enviada para as prefeituras do 49 municípios (oito do Mato Grosso do Sul e 41 do Paraná) contidos no traçado da futura estrada de ferro.

Outras entidades federais (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra, Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Fundação Nacional Funai do Índio – Funai e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio) e estaduais (Ibama do PR e MS, Ministério Público dos dois estados, Instituto Água e Terra – IAT e Instituto de Meio Ambiente do MS – IMASUL) receberam uma cópia do documento.

A partir da comprovação dessas entregas, o Ibama fará uma nova publicação no Diário Oficial da União, na qual vai indicar o início do prazo de 45 dias para a realização das audiências públicas.

“O Ibama analisou se a forma de apresentação do EIA/RIMA atende aos requisitos do órgão licenciador, se está claro para compreensão da população”, explica o coordenador-geral do EIA/RIMA, Daniel Macedo Neto. “É nesse momento em que serão definidos os municípios. O Ibama vai avaliar o volume de inscrições e determinar os locais e as datas dos encontros de acordo com as regiões”.

Fagundes classifica essa nova etapa como crucial para o projeto. “Nas audiências a gente vai apresentar para a sociedade o resultado do Estudo de Impacto Ambiental. Ali estão contidas todas as ações mitigadoras das interferências ambientais”, diz o coordenador.

O projeto da Nova Ferroeste prevê a ampliação nos dois sentidos da atual Ferroeste S/A, que tem 248 quilômetros, entre Cascavel e Guarapuava. A ligação de 1.304 quilômetros vai partir de Maracaju, no Mato Grosso do Sul com destino a Paranaguá, no Litoral, além de um ramal para Foz do Iguaçu, formando o Corredor Oeste de Exportação.

Os estudos de viabilidade apontam a circulação de cerca de 38 milhões de toneladas de grãos e contêineres refrigerados no primeiro ano de operação plena. O empreendimento deve ir a leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) no segundo trimestre desse ano. O investimento estimado é de R$ 29,4 bilhões. O vencedor do leilão vai executar a obra e explorar o trecho por 70 anos.

Estudo

Algumas visitas técnicas ao traçado acontecem nessa nova etapa do licenciamento ambiental. Funcionários do Ibama vão percorrer o trajeto para avaliar os lugares observados no estudo, que levou cerca de um ano, analisando o comportamento da fauna e da flora durante quatro estações. O resultado obtido no EIA também será apresentado por equipes da Funai e do Incra para Terra Indígena de Rio das Cobras de Nova Laranjeiras (região central do Paraná) e uma comunidade quilombola de Guaíra (Oeste).

O estudo foi conduzido por uma equipe multidisciplinar com 150 pessoas da Fipe, responsável pela coleta e análise dos dados. Biólogos e geólogos percorreram 1.280 quilômetros para levantar informações sobre a flora, os meios físicos e geológicos, além de avaliar a qualidade da água nas bacias hidrográficas e do ar ao longo do traçado. O estudo contém dados referentes ao ruído, formação das cavernas, bem como a vida existente nestes lugares.

Durante o estudo de fauna, os biólogos analisaram oito locais do traçado onde há a maior cobertura verde. Nas quatro estações eles registraram e capturaram animais de inúmeras espécies. Animais ameaçados de extinção no Brasil também foram catalogados. A construção e operação do empreendimento vão usar as informações do EIA. Esse trabalho resultará na concessão da licença prévia do projeto.

Fonte: AEN Paraná
Continue Lendo

Sem categoria Desenvolvidas pela Embrapa

Novas cultivares de soja para a região Centro-Norte do Brasil estão disponíveis para a próxima safra

As variedades apresentam elevado potencial produtivo, estabilidade de produção, ampla adaptabilidade e indicação para regiões produtoras do Brasil Central, incluindo Mato Grosso e o Matopiba, proporcionando rentabilidade para o produtor e sustentabilidade aos sistemas de produção.

Publicado em

em

Fabiano Bastos

Uma nova cultivar de soja convencional (BRS 7582) e três novas transgênicas (BRS 7080IPRO, BRS 7482RR e BRS 8383IPRO) já podem ser utilizadas pelos produtores na próxima safra. As variedades apresentam elevado potencial produtivo, estabilidade de produção, ampla adaptabilidade e indicação para regiões produtoras do Brasil Central, incluindo Mato Grosso e o MATOPIBA, proporcionando rentabilidade para o produtor e sustentabilidade aos sistemas de produção.

Os materiais genéticos são, ainda, os primeiros selecionados em sistemas que utilizam bioinsumos e remineralizadores de solo. As cultivares foram lançadas pela Embrapa Cerrados (DF) e pela Embrapa Soja (Londrina, PR) em novembro do ano passado, em evento on-line transmitido pelo Canal da Embrapa no YouTube.

Sebastião Pedro, chefe geral da Embrapa Cerrados, destacou que o melhoramento genético é um trabalho de longo prazo, em que as variedades são desenvolvidas considerando as demandas de solo, de clima, de estresses bióticos e abióticos e, principalmente, de mercado, para o alcance da sustentabilidade no ponto futuro.

“E este é o ponto futuro para quatro materiais cuja genética começou a ser desenvolvida oito anos atrás, na Embrapa Soja, através de cruzamentos, continuou em Santo Antônio de Goiás (GO) e, depois, em 45 pontos em todo o Bioma Cerrado pela equipe da Embrapa Cerrados e as fundações parceiras – Fundação Cerrados e Fundação Bahia”, afirmou.

Alexandre Nepomuceno, chefe geral da Embrapa Soja, agradeceu à histórica parceria com a Embrapa Cerrados, a Fundação Cerrados e a Fundação Bahia para o desenvolvimento das cultivares para o Brasil. Ele lembrou que o País é líder mundial na produção de soja, principal fonte de proteína barata.

“É estratégico, não só para o Brasil, mas para o planeta, mantermos os níveis de produção e conseguirmos produzir cada vez mais nos mesmos locais. E aí vem a importância das parcerias da pesquisa pública com o setor privado”, disse, salientando a necessidade de desenvolvimento de materiais mais eficientes no uso da água e no aproveitamento dos insumos.

E Luiz Fiorese, presidente da Fundação Cerrados, lembrou que a Embrapa é a única empresa que ainda desenvolve variedades de soja convencional. “O país está evoluindo econômica e socialmente com as tecnologias e soluções que a Embrapa tem trazido para a toda a sociedade”, disse, agradecendo pela parceria e aos associados da fundação, que vão multiplicar e disponibilizar as sementes aos produtores.

Zirlene Pinheiro, presidente da Fundação Bahia, ressaltou que as pesquisas da Embrapa, da qual a entidade é parceira há mais de 20 anos, atendem aos anseios dos produtores de soja, com ganhos em produtividade, e que a Empresa busca resultados para enfrentar desafios como questões climáticas, nematoides, pragas e doenças.

“Temos grande orgulho de ter a Embrapa como principal parceira intelectual e de poder contribuir para o desenvolvimento da BRS 8383IPRO. Juntos, desenvolvemos outras variedades que têm nos atendido comercialmente aqui no Oeste da Bahia e em todo o Matopiba e que são destaque nos nossos ensaios em rede”.

Variedades resistentes ao estresse hídrico e adaptadas insumos regionais

“Nosso maior desafio é garantir a sustentabilidade do agricultor da porteira para dentro e contribuir com a sociedade brasileira, gerando divisas. Isso tudo por meio da ciência e do melhoramento genético”, afirmou Sebastião Pedro. Também pesquisador em melhoramento genético de soja, o chefe geral da Embrapa Cerrados apresentou as características das novas cultivares, que têm em comum eficiência fisiológica, estabilidade de produção, sanidade, resistência aos nematoides de galhas (Meloidogyne javanica e M. incognita) e de cisto (Heterodera glycines) e resistência à seca e a altas temperaturas.

Testada nas macrorregiões sojícolas 3 e 4 (Centro-Oeste, Rondônia, Minas Gerais, Sul de Tocantins e Oeste da Bahia), a cultivar convencional BRS 7582 apresenta ciclo de 103 a 113 dias, sendo considerada precoce, o que permite a safrinha de algodão no Mato Grosso e de milho no Planalto Central.

Nos ensaios de competição, foi vitoriosa em 62% das vezes, apresentando média de produtividade 5,7% acima dos padrões. De boa sanidade foliar, tem resistência ao acamamento, altura média de planta de 80 cm e é responsiva à fertilidade do solo.

Com ciclo superprecoce – de 95 dias no Oeste da Bahia a 105 dias –, a BRS 7080IPRO é tolerante ao nematoide de galhas M. javanica. Pode ser plantada com densidade de plantas mais elevada para aproveitamento da fertilidade disponível. Obteve vitória em 59% dos ensaios de competição, com produtividade 4,8% superior à média dos padrões.

Já a cultivar BRS 7482RR foi selecionada em condição de estresse hídrico no Oeste baiano e apresenta elevado teto produtivo. O ciclo varia de 102 a 114 dias. Alia os benefícios da tecnologia Roundup Ready® (RR) à resistência ao nematoide de cisto (H. glycines) raças 1 e 3. Pode ser usada no plantio de áreas de refúgio para a tecnologia Bt (composta pela inserção de genes da bactéria Bacillus thuringiensis, que produz uma proteína tóxica para alguns insetos).

Por ser do grupo de maturidade 7.4, desenvolve-se bem em todas as áreas de produção das macrorregiões sojícolas 3 e 4, sendo relativamente precoce no Oeste da Bahia e no Mato Grosso. E como pode ser plantada de modo antecipado em setembro, permite a segunda safra.

Além disso, tem alta resistência ao estresse hídrico (quando a planta demanda mais água que a quantidade disponível). Nos ensaios de competição, obteve 70% de vitórias, com produtividade 7,3% acima da média dos padrões. Na safra 2020/21, em áreas de Goiás, Distrito Federal e Oeste da Bahia, obteve rendimento diário médio de 43 kg/ha/dia, de acordo com dados de empresas de consultoria.

Também selecionada em condição de estresse hídrico, a BRS 8383IPRO é uma variedade de ciclo médio (108 a 135 dias) com alto teto produtivo (potencial acima de 5 mil kg/ha nas regiões de adaptação) e estabilidade de produção mesmo em condições de seca e elevadas temperaturas, demonstrando grande rusticidade.

A resistência ao M. incognita é uma característica estratégica no Oeste da Bahia e no Mato Grosso, regiões onde o sistema produtivo normalmente envolve a cultura do algodão, que também é afetada pelo nematoide das galhas M. incognita. Nos ensaios de competição, obteve 69% de vitórias, tendo sido 3,9% mais produtiva que a média dos padrões. De acordo com empresas de consultoria do Oeste da Bahia, obteve rendimento diário médio de 42 kg/ha/dia nas médias dos ensaios conduzidos pela Embrapa e parceiros na safra 2020/21.

Sebastião Pedro lembrou que um grande desafio na região é o estresse hídrico, fator que mais retira produtividade das lavouras. “No nosso programa de melhoramento genético, testamos na Embrapa Cerrados todos os materiais com metodologias que nos permitem diagnosticar a resistência ao estresse hídrico”, informou o chefe geral, acrescentando que as quatro novas cultivares foram aprovadas nesses testes com grau satisfatório, garantindo a produtividade nessa condição adversa.

Ele informou que as novas cultivares são as primeiras selecionadas em ambientes tratados com novos insumos agrícolas, como remineralizadores de solos e bioinsumos, tecnologias que têm sido desenvolvidas pela Embrapa, respectivamente, para melhorar a eficiência das plantas no uso dos fertilizantes e no controle de pragas e doenças, além de diminuírem a dependência tecnológica do Brasil em relação a insumos sintéticos importados.

“Gerenciar os custos é um grande desafio para o agricultor hoje. Esses quatro novos materiais foram submetidos à produção utilizando bioinsumos e remineralizadores de solo, garantindo um custo em torno de 20% a 30% menor. Então, eles já saem adaptados a essas tecnologias, que são cada vez mais adotadas pelos agricultores”, explicou.

Aproveitar a oferta ambiental do Bioma Cerrado, que tem períodos de seca e de chuva bem definidos, é outro importante desafios dos produtores. As quatro cultivares foram avaliadas quanto à eficiência (medida pela produção diária) por kg/ha/dia, visando ao melhor aproveitamento das condições ambientais. A ideia é que, além de soja, uma mesma área possa produzir uma segunda safra de algodão ou de milho e uma terceira safra com forrageiras para alimentar o gado e formar biomassa suficiente para a realização do plantio direto na palha.

Desenvolvimento inicial dos materiais genéticos

O pesquisador Carlos Arrabal Arias, da Embrapa Soja, fez uma apresentação sobre os recursos genéticos e as bases tecnológicas do programa nacional de melhoramento genético de soja da Embrapa, do qual é líder. Ele explicou o funcionamento do programa, abordando a estrutura, os projetos componentes, a equipe e a infraestrutura.

A produtividade e a estabilidade, não só para a cultura da soja, mas para todo o sistema de produção, são os principais objetivos gerais do programa, que também busca ciclo adequado, tipo de planta adequado, resistência às doenças e aos nematoides e resistência a insetos-pragas. Entre os diversos objetivos específicos, está a obtenção de materiais com alto teor de proteína e qualidade e quantidade do óleo.

“O melhorista busca variedades BRS com plantas compactas, com entrenós curtos e grande capacidade produtiva. E uma estrutura de planta mais arejada, com folhas mais estreitas, o que vai ajudar a reduzir os problemas fitossanitários e facilitar o controle químico quando ele for necessário”, completou Arias.

Como base para o melhoramento genético, a Embrapa conta com o maior Banco Ativo de Germoplasma (BAG) em variabilidade genética de soja do mundo, com mais de 55 mil acessos convencionais e transgênicos. Em vídeo apresentado no evento, o pesquisador Marcelo de Oliveira, curador do BAG, localizado na Embrapa Soja, mostra o trabalho de conservação da diversidade genética da soja.

Arias falou sobre as plataformas de melhoramento genético da soja em andamento na Embrapa – soja convencional (desde 1973), Roundup Ready® (desde 1997), Intacta RR2 PRO® (desde 2010), Roundup Ready 2 Xtend (desde 2018) e Intacta 2 Xtend (desde 2018) –, bem como as demandas atuais e futuras, como resistência a doenças e tolerância a pragas, a nematoides, à seca e a altas temperaturas; teor de proteína acima de 39%; alto teor oleico e baixo teor linolênico.

Ferramentas de biotecnologia têm sido associadas a técnicas de melhoramento genético clássico nas plataformas de melhoramento genético da Embrapa. A pesquisadora Francismar Marcelino-Guimarães, da Embrapa Soja, explica em vídeo o trabalho do laboratório de genética molecular e seleção assistida e a contribuição das estratégias moleculares para acelerar o desenvolvimento das cultivares e para a qualidade genética dos materiais.

Entre 2015 e 2020, a Embrapa e parceiros lançaram 50 cultivares de soja, sendo 16 convencionais, 22 RR e 12 IPRO. Todas apresentam resistências obrigatórias a doenças (cancro da haste, mancha olho-de-rã, pústula bacteriana e podridão radicular fitóftora). Arias destacou variedades que agregam outras características desejáveis, como resistência à ferrugem asiática (tecnologia Shield), tolerância aos percevejos (tecnologia Block), alta produtividade e estabilidade, além de resistência a nematoides.

Como perspectiva futura para o programa de melhoramento genético de soja da Embrapa, o pesquisador citou a parceria com a empresa Alvaz Agritech para fenotipagem em larga escala.

Seleção e avanço de geração no campo

Após o desenvolvimento inicial na Embrapa Soja, as variedades indicadas para o Centro-Norte do Brasil são testadas em diversos pontos antes de serem disponibilizadas ao setor produtivo. Líder do projeto de melhoramento genético de soja da Embrapa para a região, o pesquisador André Ferreira, da Embrapa Cerrados, fez uma apresentação sobre o trabalho, focado na busca de cultivares adaptadas e com altas produtividades, conforme as demandas do setor produtivo.

“Há uma certa estagnação da produtividade média da soja. Temos o desafio de aumentar produtividade e área em função da demanda mundial dessa proteína. Os novos desafios vão surgindo e o nosso papel é trazer variedades que tragam resistências múltiplas a doenças, aos nematoides e aos insetos-praga”, afirmou Ferreira, acrescentando o desafio de trabalhar com novas biotecnologias como a Roundup Ready 2 Xtend e a Intacta 2 Xtend.

Ele apontou que ainda há um número limitado de cultivares com resistências múltiplas a pragas e doenças e adaptadas às condições edafoclimáticas do Centro-Norte brasileiro. Além disso, os crescentes problemas fitossanitários com pragas (sobretudo nematoides, percevejos e lagartas), doenças (principalmente a ferrugem asiática) e plantas daninhas colocam em risco a sustentabilidade da cadeia produtiva nacional de soja.

Para a obtenção de variedades superiores, são observados a variabilidade genética, o número de progênies avaliados, a qualidade da pesquisa, a capacidade e a abrangência dos testes e a equipe de pesquisa. “Além do conhecimento, o trabalho envolve uma certa arte na observação das cultivares linhagens que têm características importantes e serão futuras cultivares”, explicou o pesquisador.

Ao mostrar o esquema em funil do melhoramento genético, ele acrescentou que todos os testes são feitos para garantir que um determinado material é distinguível, homogêneo, estável, tem características importantes nas macrorregiões sojícolas onde se pretende lançá-lo.

Diversos centros de pesquisa – Embrapa Roraima, Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Meio-Norte, Embrapa Amapá, Embrapa Amazônia Oriental, Embrapa Rondônia e Embrapa Cocais – no Centro-Norte do Brasil atuam em conjunto com a Embrapa Cerrados e a Embrapa Soja nos 45 pontos de testes na região, além das fundações e dos produtores, que encaminham as demandas à pesquisa.

“É importante que tenhamos essa conversa direta com o produtor para que o planejamento dos cruzamentos seja sólido e em função das necessidades que ele apresenta agora, para que possamos assim lançar cultivares com segurança e alta qualidade”, comentou Ferreira.

O pesquisador anunciou que algumas variedades com a tecnologia Shield serão lançadas em 2022. “O produtor deixará de fazer talvez uma a duas entradas (com fungicida) na área. Isso significa redução de custo na produção de soja. É uma tecnologia prioritária na Embrapa e temos nos dedicado a isso”, afirmou. Também apontou que algumas linhagens com a tecnologia Block, que confere tolerância aos percevejos, estão sendo testadas, e que possivelmente alguma variedade poderá ser lançada para o Centro-Norte no próximo ano.

Ferreira também abordou a instalação dos ensaios, os testes de progênies e os ensaios de valor de cultivo e uso (ou finais) realizados tanto na Embrapa como em fazendas de produtores parceiros, seguindo o manejo adotado nas propriedades nas regiões produtoras.

As ações locais de pesquisa, seleção e recombinação gênica baseadas nas condições dos diferentes ambientes de produção de soja do Centro-Norte foram apresentadas em depoimentos gravados pelos pesquisadores da Embrapa Soja Odilon de Mello e Roberto Zito (Goiás); pelo técnico da Nilton Almeida (Planalto Central) e pelo pesquisador Geraldo Carneiro (MATOPIBA), ambos da Embrapa Cerrados; e pelo pesquisador da Embrapa Roraima (Boa Vista, RR), Vicente Gianluppi (Cerrado de Roraima).

No encerramento do evento, o chefe geral da Embrapa Cerrados destacou a importância da conexão da Embrapa com o agricultor brasileiro tanto na percepção das demandas como na busca de soluções tecnológicas. “Falamos como pesquisadores, com base em números e dados da pesquisa científica. Mas o mais importante é o agricultor plantar os materiais e observar por ele mesmo o resultado, as soluções que eles trazem da porteira para dentro e, depois, da porteira para fora, na economia brasileira”, finalizou Sebastião Pedro.

As sementes podem ser adquiridas junto a empresas sementeiras integrantes da Fundação Cerrados (61-99649-6967 / 3387-9219 / 3387-4175) e da Fundação Bahia (77-99822-8593), que já contam com as sementes básicas para multiplicação.

Fonte: Embrapa Cerrados
Continue Lendo
ANPARIO 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.