Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária Leiteira

Planejamento pode auxiliar produtor de leite em momentos críticos para alimentação do gado

Segundo técnico da Gadolando, criadores devem avaliar silagem colhida para aproveitamento e fazer a tomada de decisão para complementar dieta

Publicado em

em

Yago Machado/Divulgação

A estiagem que assolou o Rio Grande do Sul neste início de 2020 comprometeu parte da produção de milho e, em consequência, a silagem para a alimentação do gado leiteiro. Entretanto, medidas podem ser tomadas para amenizar a situação nutricional dos animais e evitar perdas no rendimento do rebanho.

Segundo o técnico da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), Yago Machado, embora ainda não seja possível mensurar o real impacto da estiagem, com certeza já se pode perceber pontos que o produtor de leite precisa ficar de olho. “O momento é delicado, as lavouras de milho estão sendo atingidas em diversos estágios vegetativos devido às diferentes épocas de plantio que estão relacionadas à tomada de decisão do produtor, e isto acaba fazendo com que os impactos sejam maiores em algumas lavouras e menores em outras”, destaca.

Conforme Machado, as chuvas que ocorreram foram em pouco volume e de maneira isolada, porém foram essenciais para evitar perdas mais drásticas, até mesmo permitindo que as lavouras tivessem poucos prejuízos. A questão agora é saber o que fazer, pois a produção em quantidade e, principalmente, em qualidade, será afetada. “Espiga com baixa produção de grãos e plantas menos desenvolvidas afetam o planejamento nutricional da propriedade, refletindo na produção de leite, caso não seja corrigido”, avalia.

O técnico da Gadolando ressalta que o produtor deve colher o material e fazer um novo planejamento verificando a quantidade de silagem que poderá ser aproveitada. A partir deste momento, Machado sugere que seja feita uma análise desta colheita, verificando o que poderá ser aproveitado deste material. “Se não houver compensação nutricional, a produção de leite será afetada comprometendo a rentabilidade do produtor. Essa compensação da dieta passa pelo uso de maior volume de ração. Também pode ser uma alternativa incorporar a silagem de outros materiais, o que exige um planejamento prévio. Da mesma forma o feno, que pode ser feito com sobra de pastagens para complementar a dieta”, observa.

Machado reforça que é importante que o produtor tenha um bom planejamento da propriedade tendo em vista que há previsões de chuvas abaixo da média e de estiagens mais severas. “O produtor é capaz de contornar a situação com dedicação. Além disso é importante um planejamento anual e apoio técnico de confiança para passar por esse momento delicado”, afirma.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − dois =

Bovinos / Grãos / Máquinas Mercado

Dólar flertando os R$ 6 estimula mais venda antecipada da soja 2020/2021

Para especialistas, preço atrativo contribuiu com as vendas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A alta do dólar, que em 14 de maio estava cotado em R$ 5,82, mas tem flertado os R$ 6, tem estimulado a venda antecipada da safra de soja 2020/2021. Em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, a saca naquele dia era vendida a R$ 98 no balcão ou a R$ 85 no caso de contrato futuro. O agricultor Heitor Osterkamp tem uma propriedade onde trabalha com produção de frangos, armazenagem de milho e aveia e produção de grãos. Já vendeu 35% da safra de soja 2020/2021 de maneira antecipada, mas ele sabe que é “um jogo” que precisa de cautela. “O contrato é de R$ 85 a saca, mas hoje estou perdendo, uma vez que com a cotação do dólar a saca vale R$ 98. Faz alguns anos que trabalho com venda antecipada. Quando percebo que consigo atingir bom preço de acordo com o custo de produção, incluindo compra de adubos e defensivos, analiso e realizo o contrato”, expõe.

 Ele comenta que se a média obtida na colheita é de 150 sacas, dificilmente vende mais do que 50 a 60 sacas na primeira etapa, antes do plantio. “Acompanho a previsão do tempo diariamente, bem como outros fatores, e se puder vendo algo final do ano, se o preço estiver bom. Tomamos cuidados. Nossa média de venda antecipada é de 30 a 40%”, ressalta Osterkamp, que também possui área de terra no Paraguai, onde trabalha com grãos e gado de corte.

O produtor menciona que no Brasil, com a variável do câmbio, é mais difícil acertar o momento ideal de venda. “Já no Paraguai tenho sido mais assertivo na venda antecipada”, pontua.

Conforme o paranaense, uma das principais vantagens com a venda antecipada é a segurança financeira. “Agora vou esperar a safra ser instalada para observar o que acontece. É preciso ter pé no chão, equilíbrio, pois se não cumprir o combinado, eu pago multa. Vou parcelando a venda da soja para fazer valer a pena, comercializando em vários momentos. Quando agrada, eu vendo”, cita, acrescentando que no caso do milho safrinha ele faz armazenagem. Nesse caso, ela vende o ano todo.

Ano excepcional

De acordo com o gerente comercial da Agrícola Horizonte, Valdair Schons, praticamente 90% da safra colhida no verão já foi comercializada. “Em outras épocas era vendido de 40 a 50% durante a safra e o restante no decorrer do ano”, compara. “Este é um ano excepcional”, avalia.

Segundo ele, o preço atrativo contribuiu com as vendas. “Embora a saca tenha sido vendida a R$ 98 em meados de maio, a maioria dos produtores rurais venderam anteriormente na faixa de R$ 80 para pagar as contas. Isso porque a tendência era o valor da soja cair, mas ocorreu o contrário e a saca passou a subir”, frisa.

No que tange à comercialização da próxima safra de soja, 2020/2021, Schons revela que em torno de 15% da recepção da empresa já está vendida antecipadamente. “Esses 15% de venda antecipada nessa época são considerados um índice expressivo, já que o plantio vai acontecer em meados de setembro. Ou seja, até lá podem ocorrer mais negócios ainda. Isso representa o dobro de anos anteriores, quando nesse período a venda antecipada era de cerca de 8%”, salienta.

Schons assegura que o crescimento na venda antecipada ocorre devido ao dólar valorizado frente ao real. “Hoje os insumos subiram de preço, mas quando se converte em dólar o preço fica igual ou ainda melhor ao produtor, ou seja, fica vantajoso e por isso os agricultores buscam uma garantia pela venda antecipada”, expõe o gerente comercial.

“Estamos batendo todos os recordes de venda de soja”

Os patamares elevados dos preços praticados fizeram com que os produtores rurais comercializassem a maior parte da atual safra de soja, assim como da safra futura (2020/2021). “O câmbio favorece e é algo sem precedentes. Compensa vender antecipadamente a safra de soja devido à conjuntura atual do Coronavírus, que levou pânico aos mercados de capitais ao redor do mundo e no Brasil. O dólar tem maior liquidez e se eleva em relação às outras moedas”, destaca o técnico agrícola do Departamento de Economia Rural (Deral) de Toledo, PR, órgão vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (Seab), João Luiz Raimundo Nogueira.

 Ele enfatiza que, além da moeda brasileira estar desvalorizada, o Brasil tem um componente a mais: a crise política. “Isso contribui para levar incertezas aos investidores que estão no Brasil, grande parte deles de curto prazo e que se afastam. Há desavenças dentro do próprio governo, o que gera desconfiança nos investidores, então a partir do momento que existe esse medo há desvalorização da bolsa no mercado de capitais”, explica Nogueira, que é especialista em agronegócio.

Segundo ele, isso tudo ocorre em um momento em que a safra de soja está recém-colhida e tem favorecido não só o produto colhido, mas também em relação à negociação da safra futura. “Estamos batendo todos os recordes de venda da safra nova em uma época em que comercializamos a safra em curso. Vivemos um momento estranho e novo devido à pandemia. Outro fator que deve ser considerado para que essas transações ocorram é que as nossas exportações de soja continuam bastante robustas, principalmente para a China. Os negócios são fechados porque há expectativa de que a demanda persista durante o ano”, pontua.

O especialista em agronegócio diz que ao passo em que em torno de 15% da safra de soja 2020/2021 já esteja negociada em Marechal Rondon, há relatos de regiões onde este índice alcança 30% (matéria produzida em meados de maio). “É um fato muito novo e o Brasil exerce protagonismo não só na produção de soja, bem como nas exportações”, considera.

Hora de aproveitar

Nogueira ressalta ser o momento ideal dos produtores aproveitarem a ocasião e se capitalizarem. “Não sabemos como vai ser daqui para frente. Nós vemos uma fase boa agora e é preciso aproveitar, porque fica difícil fazer previsões. Viveremos uma recessão mundial com países desenvolvidos falando em redução do Produto Interno Bruto na ordem de 3 a 5%, e isso é inimaginável. Se você está diante de uma expectativa de recessão mundial, fica difícil prever o que pode acontecer. Os produtores devem aproveitar esta oportunidade de capitalizar”, reforça.

De acordo com o técnico do Deral, o peso das demandas dá suporte para que o produto seja vendido. “Se o dólar valoriza o nosso produto é sinal de que a nossa moeda está desvalorizada e fica fácil comprar nosso produto. Porém, é bom os produtores fazerem os cálculos e anteciparem a compra de insumos visando obter algumas vantagens por isso. A ressaca disso tudo pode acontecer em breve se o câmbio continuar nesses eixos, pois corremos o risco de ter insumos com preços altos na frente”, enaltece.

Apesar de não possuir números oficiais, Nogueira informa que em torno de 30% da safra de soja foi vendida antecipada em várias regiões do Brasil. “É difícil saber ao certo, pois as mudanças são diárias. Tenho dito para o produtor aproveitar a oportunidade. Entendo a fase como ideal para a relação de venda de produto e compra de insumo, portanto hoje o momento é favorável ao agricultor devido ao preço. É a hora de o produtor fazer as contas e trabalhar bem essa questão de custo para a semeadura da próxima safra”, sustenta.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Logística

Aplicativos auxiliam a evitar falhas e fraudes na coleta do leite

Consultor listou soluções que auxiliam produtor, laticínio e consumidor a ter um produto de melhor qualidade e não sofrer nenhuma desvantagem ou trapaça

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Até o leite chegar no laticínio e na mesa do consumidor, ele percorre um longo processo. Nesse tempo, são muitas as regras seguidas por produtores para garantir um leite de alta qualidade. Porém, ainda existem erros que podem acontecer no caminho entre a propriedade e o laticínio. Ou pior, não erros, mas fraudes. Casos que acontecem que lesam o produtor e também o consumidor final.

 Durante o Show Rural Coopavel, o consultor André Campo listou alguns itens que diferenciam um erro de uma fraude durante a logística na coleta do leite e listou soluções que auxiliam produtor, laticínio e consumidor a ter um produto de melhor qualidade e não sofrer nenhuma desvantagem ou trapaça. “As falhas nos processos são divididas em dois tipos: erros ou fraudes. No primeiro, a pessoa não tem consciência ou não está instruída para operar corretamente. Já no segundo caso, a pessoa falha buscando alguma vantagem, que necessariamente se desdobra para uma desvantagem para além”, explica.

Campos mostra alguns dos itens que são mais recorrentes no momento da coleta do leite na propriedade. Começando pelas falhas, o profissional mostra que podem existir os produtores carona e ocultos. “O produtor carona se encaixa quando não há uma rota definida para a coleta do leite, não existindo assim controle entre transportadores. Já o oculto é aquele leite que está chegando na companhia, mas não tem cadastro de que produtor é”, explica. Outro ponto é quanto a refrigeradores mal regulados. “É recorrente vermos que a temperatura está mal ajustada”, comenta. Há ainda a coleta feita de um leite com mais de 48 horas. “Sabemos que a legislação permite no máximo de 48 horas para a coleta do leite”, diz.

Outros pontos, de acordo com o profissional, são refrigeradores fora do nível. “Quando isso acontece, pode impactar na qualidade do leite”, explica. Há também o período de descarga livre, explica Campos, que é quando o transportador chega a qualquer momento e a coleta é feita a qualquer momento. Rotas longas e mal direcionadas também são comuns, informa. “Sabemos que isso acontece às vezes porque ainda existem laticínios que pagam aos transportadores por quilometro rodado. Dessa forma, vemos muitas vezes rotas longas, forçadas pelo transportador”, comenta.

Outro problema encontrado é quanto a sub rotas (baldeios). “A sub rota ainda é permitida na legislação, mas vemos como um erro. A sub rota executa determinada região, baldeia para a rota principal e essa sim vai para o laticínio”, conta. Por último estão as amostras mal coletadas. “O transportador hoje é responsável pelas amostras retiradas nas propriedades. Porém, nem sempre ele está orientado de como fazer e acaba não fazendo corretamente, e dessa forma acaba não mostrando a realidade daquele produtor”, explica.

Fraudes

Além de todos estes problemas que já são encontrados e enfrentados, há ainda as fraudes. Campos apresenta algumas mais frequentes. A primeira delas é de produtores fantasmas. “São aqueles em que há entrega de leite no nome deles no laticínio, porém, quando vamos conferir no GPS do transportador esse produtor não existe no mapa. Ele, na verdade, é um laranja do transportador mal-intencionado”, expõe. O consultor explica que o transportador tem várias formas de conseguir aumentar o volume de leite na carga, desde inclusão de água até procedimentos mais complexos. “Mas, de qualquer forma, ele consegue aumentar o volume captado e esse excedente ele joga no produtor fantasma”, explica.

Outra fraude encontrada com frequência é a coleta feita logo após a ordenha. “Isso traz uma elevação na temperatura da carga”, comenta. Há também a coleta de “leite ácido”. “Este é um leite coletado após as 48 horas, tornando-o velho”, diz. “Há ainda o ajuste do “passa e falta”, que é aquele excedente de leite, que como a planilha é manual, ele consegue identificar o excedente e assim lançar para o produtor fantasma dele”, explica. Outra fraude recorrente são os blackouts na rota. “Esses são os intervalos que acontecem na rota. É quando o transportador já coletou o leite tem 1 horas e ao invés de levar aquele leite para o laticínio, ele faz uma pausa em casa, vai dormir ou fazer outra coisa e somente depois ou no dia seguinte termina de fazer a coleta da rota dele e leva o leite. É um absurdo para a qualidade do leite”, conta.

Nas fraudes também são encontrados alongamentos intencionais da rota. Segundo Campos, este caso é quando o laticínio paga por quilometro rodado e o transportador faz um alongamento forçado na rota para ganhar mais. Por último há as amostras clones de leite. “Diferente das amostras malfeitas, o transportador sabe que está fazendo errado. Ele vai naquele produtor que tem o melhor leite e tira 20, 30 amostras e passa como se fossem de todos os produtores, criando várias amostras clones. Dessa forma, os laticínios acabam não pagando a real qualidade do leite. E ainda no caso da correção do leite dos produtores de menor qualidade, também não vai ser corrigido de forma correta”, explica.

Soluções tecnológicas

Campos comenta que este panorama é somente a ponta do iceberg dos problemas encontrados na coleta e logística de leite. Porém, atualmente existem tecnologias que podem auxiliar os laticínios a resolver estes tipos de problemas, tanto nas falhas, quanto nas fraudes. “Existem aplicativos de coleta de leite, uma tecnologia que vai através do tablet, totalmente mobile, em que o transportador tem a disposição dele as rotas que ele deve fazer, a lista dos produtores e a tela de lançamento de dados. Nessa tabela ele vai informar a quantidade coletada, o número de amostras referente, entre outros dados”, conta.

Segundo o consultor, o aplicativo permite ainda que o gestor do laticínio tenha uma interface com ele, e assim pode acompanhar o que está acontecendo. “É um sistema de gestão, que informa tempo e espaço e ele fica sabendo de forma automática o que acontece”, diz. Entre as informações que são mostradas ao gestor estão o volume total de leite coletado, a temperatura média, se houve coletas com mais de 48h, entre outros.

Além disso, ainda é possível ver a rota que está sendo feita. “Há em uma aba as informações do leite, basicamente como uma planilha manual de tempo e espaço. Tudo que é necessário para colocar os dados da coleta. Em uma segunda aba há justamente a parte do DPD, onde o gestor de rota consegue estudar o tempo da rota, horários de chegada na plataforma, sequência de coleta, entre outros. Além disso, se você clicar em cima do ponto da rota, vai poder ver o nome daquele produtor, a data, hora e quantidade da coleta”, informa.

Segundo Campos, com os aplicativos é possível fazer uma gestão total da logística. “Você tem o início e o fim da rota do transportador, se ele fizer algo diferente, é possível ver. Além disso, como há uma parceria com o Google, há ainda a possibilidade de mudar de mapa para satélite e ver com mais nitidez e aproximar. De fato, é possível se colocar dentro da rota”, comenta.

Com a implantação do aplicativo é possível solucionar diversos dos problemas citados, de acordo com Campos, tanto das falhas quanto das fraudes. “Entre os problemas resolvidos estão produtores caronas e ocultos, coleta com mais de 48h, período de descarga livre, rotas longas e mal dimensionadas, sub rotas (baldeios), produtores fantasmas, coleta logo após a ordenha, coleta de “leite ácido”, ajuste do “passa e falta”, blackout na rota e alongamento intencional da rota”, reforça.

Segundo ele, os outros problemas podem ser facilmente solucionados com capacitações e treinamentos de pessoal. “São pontos que podem ser resolvidos com o auxílio da tecnologia, mas também de alguns treinamentos”, enfatiza.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Manejo

Tecnologias auxiliam pecuaristas a ganhar mais dinheiro fazendo menos

Especialistas mostram como melhor pastagem, tecnologia barata para criação de bezerras e nutrição de precisão auxiliam produtor a produzir mais com menos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Produzir mais com menos tem sido, cada vez mais, o objetivo dos pecuaristas leiteiros brasileiros. Por isso, adotar tecnologias e formas de produção que garantam esses resultados tem sido essencial para a própria sobrevivência de alguns produtores na propriedade. Para ajudar com isso, e também explicar sobre tudo que envolve a produção leiteira, o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR) levou até o Show Rural Coopavel, em Cascavel, PR, no início de fevereiro, o “Caminhos do Leite”.

Na primeira parada, o produtor já aprende sobre as diversas forrageiras que existem e qual a melhor para a sua propriedade. Segundo o zootecnista e extensionista do IDR, Endrigo Antônio de Carvalho, a alimentação é parte fundamental para uma boa produção. “Dentro da alimentação temos que olhar como o produtor deve fazer para diminuir os custos de produção, porque é notório quanto o menor custo de produção maior a margem de lucro”, comenta.

Ele explica que o que estavam mostrando aos pecuaristas é que existem tecnologias disponíveis no mercado em termos de pastagens que vão favorecer ele na hora de produzir, seja leite ou carne. “Mostramos 16 materiais de forrageiras que vão ser indicadas para o produtor de acordo com a características dele, da propriedade dele”, conta. “A gente direciona o produtor para uma pastagem que irá se adaptar à realidade dele”, diz.

Carvalho destaca que o produtor deve pensar, em termos de pastagem, que ele escolha uma que produza muito bem no ano, que tenha boa digestibilidade, teor de proteína elevado e que a cultivar permita que se mantenha a conservação do solo. “Isso é muito importante, a gente costuma dizer que a pastagem é um investimento no curto prazo, em termo de alimentação, ou seja, em leite ou carne. Mas o solo é um investimento no longo prazo. Assim, as vezes o produtor está preocupado em fazer dinheiro para amanhã, mas não está preocupado com o solo. Por isso sempre recomendamos as melhores pastagens para manter também a qualidade do solo”, diz.

Além disso, de acordo com o extensionista, existem diversos tipos de pastagens, e aquelas que são melhoradas, que produzem muito bem e têm uma produtividade boa, exigem mais fertilidade. “O produtor tem muitas ferramentas na mão dele. O que ele precisa é escolher aquela que irá se adequar à realidade dele”, reforça.

Carvalho informa ainda que, atualmente, em termos de pastagem, a alimentação corresponde pelo menos entre 55 a 60% do custo de produção. “Então se ele não tem uma pastagem de qualidade e quantidade na propriedade, ele vai ter que buscar fora da propriedade. E é sabido que quando mais insumos o produtor precisa trazer de fora, maior será o custo dele. Se ele conseguir intensificar a produção de forragem com qualidade, ele vai precisar trazer menos farelo de fora, menos ração. Então vai diminuir as despesas e aumentar o lucro dele”, explica.

O zootecnista ainda reitera que o primeiro passo para a escolha de uma boa pastagem e que trará melhores resultados é o produtor se preocupar com o solo. “É preciso que ele faça uma análise de solo. Ele pode entrar em contato com o pessoal da Emater (extensão rural do Paraná), que então eles orientam nesse sentindo de como fazer a coleta do solo e depois a própria recomendação de como fazer para acertar a quantidade de nutrientes necessários para aquele solo naquele momento”, explica. “Depois de fazer a correção do solo e utilizar a pastagem recomendada, o extensionista irá orientar o produtor sobre qual a melhor forma dele implantar a pastagem, porque muitas vezes ele vai fazer o investimento em análise e correção de solo, mas na hora de implementar, faz de forma incorreta”, comenta.

Para Carvalho, seguindo esses passos de forma correta, ou seja, corrigindo o solo, escolhendo e implementando a melhor pastagem, além de fazer o manejo correto do pasto, ele vai ter bons resultados. “O manejo também é importante, porque cada pasto tem uma característica diferente em termos de momento ideal para colocar o animal para pastejar e o momento para tirar. Da mesma forma que ele investiu em correção de solo, semente e implantação, mas não cuidou do pasto depois, ele pode acabar com essa pastagem em dois anos”, informa. Assim, explica, se o produtor cuidar como o recomendado, ele vai ter um pasto por cinco, 10 anos ou mesmo mais tempo. “Enquanto esse pasto perdurar e ele for fazendo a manutenção, ele vai retirar a maior quantidade de alimento possível, com a maior qualidade e diminuindo as despesas em alimentação”, afirma.

O extensionista comenta que hoje o produtor tem muito acesso às informações, mas que é preciso saber filtrar o que recebe. “É fato que existe muita propaganda de materiais que são bons. Mas esse material não é ideal para todos os produtores, isso porque ele foi desenvolvido em uma região. Por exemplo, passa na televisão uma propagando de uma matéria que foi desenvolvido no Mato Grosso do Sul e que é muito boa. Mas o produtor que ficou interessado nela mora no Paraná. Então esse produtor não pode ficar refém das informações da televisão ou das mídias sociais. Por isso a Emater está presente em todos os municípios para orientar o produtor nesse sentido, para que ele não invista em algo que não é tão interessante para a realidade dele”, comenta.

Tecnologia acessível e barata

Durante o “Caminho do Leite” outra parada era para o produtor ver sobre tecnologias disponíveis para criação de bezerras. A zootecnista e extensionista do IDR, Sue Ellen de Menezes Borges, demonstrou uma instalação de baixo custo para criar bezerras individualmente. “Dessa forma elas estão próximas umas das outras quando recebem leite, mas elas não se tocam. É importante porque quando as bezerras não se tocam, diminui a contaminação de doenças e também as mamadas cruzadas, diminuindo também a incidência de pneumonia e diarreia, que são os principais problemas que ocorrem com a bezerra até o desmame”, explica.

 A tecnologia é muito simples, e para ser feita são utilizados materiais que o produtor tem na própria fazenda, como madeira, arrame e sombrite. “Esse local proporciona um ambiente muito mais limpo, bem arejado e confortável, uma vez que a bezerra tem espaço para caminhar – são praticamente 10 metros –, é mais limpo e de baixo custo”, informa.

Sue Ellen conta que a tecnologia ajuda bastante na criação dos animais. “Nós percebemos que esta tecnologia é um sistema que acelera o crescimento da bezerra, porque a ideia é que o animal vá do nascimento até a primeira cobertura com no máximo 13 meses, se ela não ficar doente. Isso é possível com facilidade e pouco gasto”, garante. Ela explica que quando a bezerra é criada em um ambiente úmido ela fica muito mais doente e isso retarda o crescimento dela. “Então, o tempo está correndo, mas o crescimento dela não está acontecendo, e isso resulta em gasto para o produtor”, diz.

De acordo com ela, do jeito que está a situação leiteira hoje em dia, o produtor tem que trabalhar sempre no sentido de reduzir custos. “E o que vemos é que muitos produtores são de agricultura familiar. Dessa forma, ele não tem muito tempo para cuidar da lactação, dos pastos, da silagem, da bezerra, entre outros. Então, quanto menos serviço ele tiver, quanto mais otimizado e eficiente foi a atividade, melhor para ele”, comenta.

Além disso, a extensionista afirma que qualquer produtor de leite pode utilizar desse sistema, desde o pequeno até o grande. “Se o produtor tem bezerra, pode aplicar que ele vai criar bem. Isso é um investimento”, afirma. “A tecnologia é acessível para todo mundo, não importa o tamanho da área. Com ela, a bezerra vai ser criada em uma área de piquete de baixo porte, como grama tifton, por exemplo, que são capins que o bezerro vai conseguir começar a ingerir com facilidade, já que essas são folhas finas e macias”, comenta. Outro detalhe sobre o sistema é a colocação de água e comida dos animais. “O cocho com ração fica de um lado e o bebedouro do outro, justamente para forçar essa caminhada e movimentação do animal”, conta. Sue ainda destaca que quem fazer o desmame precoce tem que dar ração aos animais. “Se começar a dar ração antes, a partir do momento que ela consumir no mínimo 800g por três dias e dobrar o peso do nascimento no desmame, o produtor pode tranquilamente mandar a bezerra para o piquete em lotes coletivos e homogêneos com poucos animais, que ela vai se desenvolver bem”, assegura.

Nutrição de precisão

Outro detalhe para garantir mais renda e menos gastos para o produtor, e que foi apresentado durante o “Caminho do Leite”, é quanto a nutrição do animal, especialmente na fase de lactação. “Nessa fase a vaca muda com o tempo. Então vai de início para um mês e fim de lactação. Em cada fase dessas ela precisa de nutrientes diferentes para poder atender as exigências dela”, explica o coordenador da área de produção animal do IDR, doutor Vanderlei Bett.

“Como fazemos a nutrição de precisão, temos um pasto bem manejado, então ele vai fornecer o máximo de nutrientes que aquela espécie vai poder fornecer. O complemento da exigência é com concentrado”, comenta. Ele informa que vacas em início de lactação são aquelas mais difíceis, porque elas precisam de muito nutriente. “Porque é nessa fase que ela chega no pico de lactação”, explica. Depois disso, continua, vai caindo a produção no decorrer dos meses, sendo em torno de 10% ao mês. “Desde que a vaca seja bem nutrida, com pasto de boa qualidade e ração bem balanceada”, alerta.

Segundo ele, isso faz com que o produtor tenha sobra e um custo de produção menor, sobrando assim mais dinheiro no bolso dele. “A diferença é que entre você fazer a nutrição convencional, que é um tipo de ração só para todos os animais, só mudando a quantidade, que é a regra de para cada três litros de leite produzido com um quilo der ação. A diferença de fazer a nutrição de precisão gira em torno de 30% do lucro ou sobras de dinheiro que o produtor poderia ter dentro da propriedade”, conta. Bett informa que a média recebida hoje pelo produtor é de R$ 1,30. Dessa forma, 30% desse valor corresponde aproximadamente a 50 centavos para cada litro de leite produzido na propriedade. “Isso é uma diferença muito grande, um valor que o produtor está deixando de ganhar”, afirma.

Ele explica que é mais difícil de mostrar isso para o produtor, uma vez que este não é um valor que está saindo do bolso dele, mas que está deixando de entrar. “O produtor normalmente não consegue ver essa diferença de deixar de ganhar dinheiro. O mais correto, como o sistema de produção de leite é muito complexo, e o produtor tem muitos afazeres, o produtor não tem tempo de fazer tudo ele precisa sem o auxílio de alguém, como um técnico ou um extensionista do IDR para fazer o acompanhamento e poder fazer esse cálculo de ração”, afirma. “Cada uma dessas fases de lactação tem que ter um complemento de concentrado diferente para atender à exigência nutricional dos animais. Por isso é tão importante buscar a assistência técnica, por que eles irão ajudar o produtor a ganhar mais dinheiro”, sustenta.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de março/abril de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem Webinar

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.