Conectado com
O Presente Rural Youtube

Colunistas Opinião

Pedágio, a justiça sempre vence

O maior impacto do pedágio do Anel de Integração foi para o Oeste do Paraná, pois somos a região mais distante do Porto de Paranaguá.

Publicado em

em

Recentemente, o TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) determinou reduções dos valores do pedágio nos lotes rodoviários administrados pelas concessionárias caminhos do Paraná (redução de 25,7%) e Viapar (19,02%). Os trechos que elas gerem, têm, respectivamente, praças de pedágio nos seguintes municípios: Prudentópolis, Irati, Porto Amazonas, Imbituva e Lapa (Caminhos do Paraná), e Corbélia, Campo Mourão, Floresta, Presidente Castelo Branco, Marialva e Arapongas (Viapar)

A concessão do Anel de Integração no Estado do Paraná foi em 1997, no governo de Jaime Lerner, e encerra em novembro de 2021. Na iniciativa privada, o pedágio é uma forma de se ter rodovias em melhores condições, com custo de manutenção reduzido e com execução de obras necessárias, evitando assim acidentes e fazendo com que as rodovias tenham mais segurança.

Há uma proposta de entendimento para que o governo federal tenha a responsabilidade da licitação já que o Anel de Integração Rodoviário é formado basicamente por rodovias federais. E também para que a licitação seja transparente e com o maior número possível de empresas interessadas, inclusive com a participação de empresas de cada região.

Em 1997, por falta de conhecimento da sociedade e de divulgação, as licitações dos trechos tiveram pouco interesse e os ganhadores das concessões foram grandes empreiteiras e empresas estrangeiras que estabeleceram no estado do Paraná o pedágio com o valor mais elevado do Brasil.

O maior impacto do pedágio do Anel de Integração foi para o Oeste do Paraná, pois somos a região mais distante do Porto de Paranaguá. O custo maior da tarifa para a região foi de R$ 1 bilhão, atingindo em cheio os produtores rurais que necessitam de rodovias para o transporte da produção. Poucas pessoas e entidades manifestaram repúdio ao absurdo valor do pedágio, entre as quais a Fiep (Federação das Indústrias Estado do Paraná) e a Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná). E também a Assembleia Legislativa do Paraná por ter aprovado um dispositivo que obriga que qualquer mudança sobre as concessões, inclusive renovação, tenha a anuência da Casa.

A Ocepar foi representada na maioria das vezes pelo presidente da Coopavel, que participou de mais de dez audiências públicas. Além de representar a Ocepar, ele também representava a Coopavel e os produtores rurais de várias cidades da região. No Oeste do Paraná, Caciopar, Acic, Acamop e POD (Programa Oeste em Desenvolvimento) também participaram ativa e corajosamente contra a exploração econômica de toda a sociedade pelo elevado valor praticado nas praças de pedágio, principalmente pelas concessionárias Ecocataratas e Viapar.

O MPF (Ministério Público Federal) em análise a várias denúncias e estudos que alertavam e comprovavam irregularidades, abriu inquéritos que culminaram inclusive com prisões de pessoas do governo e das concessionárias. Essa foi a prova maior da exploração da sociedade e dos produtores rurais, esses os mais afetados, pelas concessionárias do Anel de Integração.

Além da redução do valor do pedágio, os processos que estão trâmite na Justiça fizeram com que algumas concessionárias buscassem acordos de leniência. Os valores alcançados nos acordos dessas duas concessionárias já ultrapassam a casa de R$ 1,25 bilhão, e há possibilidade de se chegar a mais de R$ 2,5 bilhões.

O pedágio é a melhor forma e a mais empregada no mundo para que se tenha rodovias seguras, mas sem a exploração da sociedade. Agora, com o fim dos atuais contratos, os governos estadual e federal vão realizar novas licitações com transparência e com a participação de toda a sociedade. E a expectativa é que essas licitações garantam grandes benefícios econômicos e sociais para a sociedade.

Busca-se um processo sem corrupção e com fiscalização estratégica e operacional em que todas as partes sejam devidamente respeitadas. É grande também a expectativa para que as parcerias público-privadas sejam ampliadas no estado do Paraná para as ferrovias, aeroportos e portos. E esperamos que esse seja o melhor caminho para uma economia mais forte para o agronegócio e para toda a sociedade paranaense.

Fonte: Dilvo Grolli - Presidente da Coopavel
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =

Rodrigo Capella Opinião

Dicas para você aproveitar um evento virtual

São dicas para você dar os melhores cliques e não se perder na navegação virtual

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rodrigo Capella é diretor geral da Ação Estratégica – Comunicação e Marketing no Agronegócio

Recentemente, publiquei uma enquete no meu perfil do LinkedIn, com a seguinte pergunta: Teremos eventos presenciais de agro neste ano?

Dos 289 participantes, compostos por produtores rurais e profissionais que trabalham em cooperativas, associações e empresas do agro, 58% responderam “Não” a pergunta, contra 42% que optaram pelo “Sim”.

Diante deste contexto, comecei a pensar: afinal, como podemos aproveitar melhor um evento virtual?

O resultado desta investigação eu compartilho a seguir. São dicas para você dar os melhores cliques e não se perder na navegação virtual.

Acompanhe:

1) Lista

Escreva em um papel ou na agenda de seu celular as empresas que você deseja visitar no evento. Foque nas suas necessidades atuais e busque informações sobre soluções que irão ajudá-lo neste exato momento. Mas, lembre-se: o ideal é que você visite pelo menos duas empresas novas em cada evento para aprimorar os conhecimentos e conhecer novidades e tecnologias.

2) Mapa 

Verifique se o evento tem um mapa de navegação ou se ele tem um indicativo claro de áreas ou salas. Isso irá ajudar você a poupar tempo e a encontrar as informações com mais assertividade. Muitas vezes o painel com o logo das empresas é clicável, ou seja, basta você clicar no logo de uma empresa para acessar diretamente o estande dela.

3) Relógio

A dispersão é a maior inimiga de um evento online. Por isso, evite andar virtualmente pelos corredores e dedique seu tempo para o que você realmente quer ver. Depois, se sobrar alguns minutos, aventure-se por meio dos cliques e explore a potencialidade do evento. Deixe o relógio perto de você e sempre o consulte.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Luiz Vicente Suzin Opinião

As cooperativas e a conduta social na pandemia

As cooperativas atuam na defesa de uma conduta social responsável por parte de todos, pois é o caminho para estancar a pandemia

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Luiz Vicente Suzin , presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC)

O agravamento da pandemia do novo coronavírus associado à crise econômica gerou um cenário de incerteza e pânico. A covid é uma doença traiçoeira que, sobre ela, ainda sabe-se pouco, apesar do avanço da ciência e da descoberta de vacinas em vários países. No ano passado acreditou-se que a pandemia entrava em linha descendente, razão pela qual muitas estruturas foram desarticuladas, com hospitais de campanha desmobilizados e leitos de UTI fechados. Então veio um recrudescimento, uma nova onda cuja celeridade foi potencializada pela maior capacidade de transmissão das novas variantes do vírus – estabelecendo-se um quadro ainda mais grave e perigoso.

Não cabe analisar aqui erros e acertos das políticas públicas de enfrentamento da covid, pois o desconhecimento mundial sobre esse letal inimigo levou setores públicos e privados a avanços e retrocessos. A cada dia se aprende algo novo sobre essa traiçoeira doença. Entretanto é consenso que, no atual estágio da pandemia, governo e autoridades médicas mobilizam todo o arsenal de recursos disponível para atender à explosão da disseminação que ocorre em praticamente todo o País.

Santa Catarina emerge nessa contextura em situação preocupante. O número de casos não pára de crescer e os incessantes investimentos na ampliação da estrutura de saúde (médicos, enfermeiros, leitos em UTI e enfermarias, insumos hospitalares etc.) não conseguem acompanhar o assustador aumento da demanda em hospitais, clínicas e ambulatórios.

Um poderoso fator que pode auxiliar na mitigação dessa conjuntura – para o qual as cooperativas podem dar expressiva contribuição – é a conduta das pessoas. É consenso que o contínuo e reiterado cumprimento das regras por todas as pessoas vai barrar ou desacelerar essa escalada de adoecimento e morte. A explosão de casos é resultado, em grande parcela, do generalizado desrespeito das pessoas em relação às orientações clássicas de prevenção.

As cooperativas de todos os ramos, dentro e fora de suas atividades laborais/empresariais, foram parceiras de primeira hora na orientação para uso de máscara, higienização constante das mãos, isolamento social e distanciamento de todo tipo de aglomeração.  As 251 cooperativas catarinenses registradas na OCESC orientaram seus mais de 3 milhões de cooperados (associados) sobre todos os aspectos da pandemia, implementando centenas de atividades assistenciais, orientacionais e de auxílio material aos necessitados. Ações sociais e assistenciais ditadas pela solidariedade no atendimento a idosos, doentes, deficientes e crianças em situação de risco se misturaram às atividades de proteção aos negócios locais.

O cultural e histórico desinteresse dos cidadãos por normas de segurança, a desinformação promovida por maus brasileiros e a incessante veiculação de notícias falsas (as famigeradas fake news) nas redes sociais são fatores que atrapalham a conscientização e o engajamento das pessoas. Para neutralizar esses deletérios efeitos, as cooperativas colocaram em marcha um intenso esforço de informação e esclarecimento do público, iniciativa reforçada pelas empresas privadas e pelos meios de comunicação.

É notório que os cooperados, em todos os ramos de atividade, são mais propensos ao envolvimento em causas de interesse coletivo. Isso se deve à cultura organizacional das cooperativas, aos princípios e postulados da doutrina associativista, às campanhas desenvolvidas no interesse da comunidade do entorno de cada cooperativa – enfim das práticas cidadãs que tem forte poder educacional sobre os cooperados.

Assim, as cooperativas atuam na defesa de uma conduta social responsável por parte de todos, pois é o caminho para estancar a pandemia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

Supermercados brasileiros dão exemplo no agro consciente

Supermercados brasileiros são um elo vital para a prosperidade de agricultores

Publicado em

em

Divulgação

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Os supermercados por meio da Abras, Associação Brasileira de Supermercados, são a grande linha de frente do agro brasileiro e mundial. No Brasil, cerca de 27 milhões de brasileiros todos os dias passam por quase 90 mil lojas do setor supermercadista que cresceu, em 2020, 9,36%, atingindo um faturamento de mais de R$ 378 bilhões.

Um destaque importante está na nova consciência do setor transformando seus pontos de vendas em também pontos de educação dos consumidores para a qualidade da nutrição e da luta contra o desperdício.

Nos elos com produtores rurais, o programa Rama, Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos, se destaca sendo um programa colaborativo de segurança e saudabilidade de alimentos e ao mesmo tempo desenvolvimento de boas práticas no campo.

E outro programa muito importante está na luta antidesperdício, cuja pesquisa já teve início e será apresentada no próximo mês de abril, dia 14, no 3º Fórum de Prevenção de Perdas e Desperdícios.

Supermercados brasileiros são um elo vital para a prosperidade de agricultores, e da agroindústria, da mesma forma que avanços de sustentabilidade são constatados, como o programa Futuro Limpo da Unilever, reciclagem de embalagens da Nestlé, fábricas com energia renovável da Heineken, dentre muitos.

E os orgânicos cresceram, em 2020, 30% em meio a pandemia, significando R$ 5.8 bilhões de movimento econômico. O agro consciente precisa dos supermercados para comunicação ética e educação dos consumidores finais.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.