Conectado com
Minuto Agro

Empresas

Pecuária leiteira: Mastite pode ser prevenida e tratada

Antibiótico de ação rápida e dose única é recomendado para maximizar a performance no tratamento

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

mastite, também conhecida como mamite, é uma das doenças que causam mais prejuízos na pecuária leiteira. “Trata-se de uma inflamação que atinge a glândula mamária das vacas. Sua transmissão pode ser de vaca a vaca (mastite contagiosa) ou de origem do ambiente (mastite ambiental). “Por isso, precisa ser combatida com rapidez, pois os prejuízos podem ser muito expressivos”, alerta Guilherme Moura, gerente de serviços veterinários da área de grandes Animais da Vetoquinol Saúde Animal.

Segundo o Anuário do Leite 2019, da Embrapa Gado de Leite, o principal impacto econômico está associado à mastite subclínica, que representa em média 70% do total de perdas do leite. “Essa é mais perigosa devido à ausência de sintomas. Causa queda de produção e aumento do número de células somáticas. O produtor demora a notar sua presença porque não há inflamação ou alterações visíveis no leite. O diagnóstico é possível apenas por meio do California Mastitis Test (CMT)”, explica Moura.

Já a mastite clínica envolve a inflamação do úbere, além de alterações visíveis no leite, como diminuição do volume. Os animais também podem apresentar febre e falta de apetite.

A mastite resulta de um conjunto de fatores, variando desde as condições sanitárias do ambiente e equipamentos, até as condições de sanidade dos animais. “As boas práticas de manejo e ordenha são fundamentais como prevenção. O produtor precisa desinfetar os tetos antes e depois da ordenha. O teste da caneca de fundo escuro também ajuda na detecção da mastite clínica e utensílios e equipamentos devem ser higienizados sempre. É possível, portanto, preveni-la. “Porém, quando a mastite já estiver ocorrendo é preciso tratá-la com rapidez e eficácia”, orienta.

Tratamento da mastite

A Vetoquinol, uma das dez maiores empresas de saúde animal do mundo, desenvolveu um antibiótico injetável que é referência internacional no tratamento da mastite clínica, especialmente quando provocada pela bactéria E. coli. Trata-se do Forcyl, que tem como princípio ativo a  marbofloxacina 16%.

O principal benefício de Forcyl é sua  ação rápida e dose única, que maximizam a performance no tratamento. “Além disso, a carência para abate em bovinos é de apenas cinco dias após a última aplicação e de dois dias para o leite produzido para consumo humano”, informa Humberto Moura, gerente de produtos de Grandes Animais da Vetoquinol Saúde Animal. “O produtor consegue, portanto, resolver o problema com eficácia e em curto espaço de tempo, evitando prejuízos maiores e retornando o animal mais rápido a produtividade”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − sete =

Empresas Bovinos

Premix lança campanha no Instagram para incentivar o consumo de carne no Brasil

Com o objetivo de incentivar o consumo de carne no Brasil, a Premix lançou, no último dia 29 de maio, a campanha “Desafio da Carne” (#DesafioDaCarne) na rede social Instagram.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A ação foi inspirada na iniciativa “Desafio do Leite”. Em comum, ambos os produtos são fontes de proteínas, essenciais para a saúde.

Wilson Rondó Jr, médico cirurgião vascular e nutrólogo, com onze livros publicados, já aceitou o desafio da carne. Pecuarista e apaixonado pela carne vermelha, ele compartilhou seu vídeo ressaltando a importância do consumo e desafiou seus amigos a fazer o mesmo.

O perfil Wagyu Beef (@wagyu_beef) no Instagram, do empresário Juliano de Oliveira, com 400 mil seguidores, e Lucio Ribeiro, do perfil @norastrodochurrasco, com mais de 75 mil seguidores, também são apoiadores da campanha. Além desses dois influenciadores digitais, outras dezenas de perfis já aceitaram o desafio.

A carne bovina é a preferida dos brasileiros. Segundo o sumário BeefReport, divulgado recentemente pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC), somente em 2019 a média de consumo por habitante foi de 38,38 kg. O Brasil ficou atrás apenas da Argentina, cuja população consumiu 50,91 kg no ano passado, e à frente dos Estados Unidos, que registrou consumo de 37,11 kg por habitante.

Ainda de acordo com a publicação, o Brasil possui o maior rebanho bovino do mundo, com 213,7 milhões de cabeças e é também o maior exportador mundial de carne, com 2,49 milhões de toneladas em 2019. Do total de 10,5 milhões de toneladas de carne produzidas, 76,3% tiveram como destino o mercado interno, enquanto 23,6% foram destinadas a outros países.

Para o gerente de Marketing da Premix, Fernando Avona, o objetivo da campanha é chamar a atenção da população e das autoridades brasileiras. “É preciso apoiar cada vez mais o setor pecuário e incentivar o consumo diário de carne na culinária caseira. Trata-se de um alimento que, além de muito simples de preparar, oferece inúmeros benefícios para a saúde”, ressalta.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas De Heus

De Heus recebe certificação do MAPA como empresa livre de ractopamina

A habilitação visa atender à demanda dos clientes da companhia, que exportam para mercados, como Rússia e China, que possuem essa exigência.

Publicado em

em

A fábrica dedicada da De Heus, em Toledo, recebeu do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a certificação de empresa livre de ractopamina.  “Desde sua inauguração, em 2017, a unidade de fabricação do Paraná utiliza tecnologia desenvolvida na Europa, nos padrões de qualidade e de segurança sanitária, atendendo a todos os critérios de alta qualidade e saudabilidade, a fim de garantir a segurança alimentar e não representar risco de contaminação nos processos e nas produções. Por isso, essa certificação é muito importante para nossa companhia, ratificando o nosso trabalho e atendendo à necessidade dos clientes, que visam a exportação de carne suína para países que têm como exigência o status Ractopamina Free em toda a cadeia”, explica Gabriel Salum, gerente de Negócios – Suínos.

Como o Brasil é um importante player mundial da carne suína, ocupando o 4º lugar no ranking de maiores produtores e exportadores, o MAPA passou a regulamentar as indústrias e a emitir certificados especiais, como o de isenção de ractopamina. A comprovação de que as empresas cumprem com procedimentos de boas práticas (BPF) e de que não utilizam esta molécula em seu processo de produção torna os produtores aptos a atender às altas exigências do comércio internacional.

Segundo Rosane De Carli, gerente de Qualidade da De Heus, a fábrica recebeu a certificação após o envio de amplos relatórios e documentos ao órgão governamental para a avaliação dos fiscais. “A unidade já tem outras habilitações emitidas pelo MAPA, como a IN04, que é um regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação; a IN14, sobre os procedimentos para fabricação e o emprego de produtos destinados à alimentação animal com medicamento de uso veterinário; a IN65, referente aos procedimentos para a fabricação e o emprego de rações, suplementos, premix, núcleo ou concentrados com medicamentos para animais de produção”, completa.

Além disso, ela ressalta que todos os integrantes da equipe de qualidade da De Heus são altamente qualificados e capacitados: “Promovemos a continuação da capacitação — que os colaboradores já possuem em graduação, pós-graduação e mestrado — por meio de treinamentos externos e internos frequentes, para toda a equipe. Anualmente, são realizadas reuniões globais de garantia e controle de qualidade, com todas as unidades de negócio da companhia, no escritório corporativo na Holanda, com os colaborados dos demais países onde a empresa atua”.

De Carli esclarece que a multinacional holandesa investe em alta tecnologia constantemente com equipamentos de análises, tais como ICP, HPLC, LECO, NIRs: “Possuímos um laboratório onde trabalhamos com a mais alta tecnologia, com profissionais capacitados. Participamos anualmente dos testes de proficiência entre os laboratórios da De Heus: o CBO (EPCBO), em conjunto com o Sindirações; e o BIPEA (França), para nos certificarmos da qualidade de nossas análises. Todas as metodologias de análises são alinhadas com nosso laboratório global da Holanda com referências dos padrões ISO, além das referências do Compêndio Brasileiro de Nutrição Animal”.

A De Heus realiza auditorias periódicas nas unidades para avaliar o processo de atendimento aos requisitos globais e locais. “Realizamos anualmente reuniões presenciais com 100% dos integrantes da equipe Brasil de Qualidade, para alinhamentos e estratégias. Anualmente, também realizamos a Semana da Qualidade, com a participação de 100% dos colaboradores da área produtiva e administrativa, com atividades realizadas durante toda uma semana — todas voltadas para a qualidade e com temas relativos à qualidade”, detalha De Carli.

A certificação da Unidade de Toledo da De Heus está alinhada aos projetos de expansão da companhia, que agora conta com duas unidades homologadas livres de ractopamina, sendo a primeira conquistada no fim de 2018, em Rio Claro, unidade destinada à produção de premix.

 

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Lincoln Beninca em nova fase

Profissional assume gerência nacional de vendas da Unidade de Negócios Avicultura Polinutri

Publicado em

em

Lincoln Beninca Foto: Divulgação

Lincoln Beninca chegou oficialmente à Polinutri em 6 de abril com a missão de gerenciar a unidade de negócios Avicultura em todo o território nacional. Formado em Medicina Veterinária pela Universidade Paranaense (Unipar, Umuarama/PR), pós-graduado em Nutrição de Aves e Suínos, o profissional conta com uma expertise de 19 anos de mercado passando por diversas empresas do setor dentre elas inúmeras multinacionais. “Este é um desafio para minha carreira, algo que trabalhava há alguns anos e sabia que o próximo passo seria uma posição de gestão dentro da área avicultura, segmento que me dedico desde minha formação”, informa Lincoln.

Para ele, fazer parte do projeto Polinutri é estar dentro de um trabalho visando novos caminhos a serem seguidos. “Em conversa com Paulo de Andrade (CEO) e Otavio Fregonesi (Dir. Comercial e Marketing) ficou claro quais são os objetivos da companhia e esta oportunidade fez todo o sentido já que estamos na mesma fase de desenvolvimento”, esclarece o recém-contratado.

Há um pouco mais de um mês à frente do cargo, Lincoln informa que “apesar das dificuldades impostas pelo isolamento social”, os trabalhos remotos deram velocidade para tomar pé de todo o escopo de trabalho da Unidade de Negócios Avicultura Polinutri. “Já tive contato com toda a equipe e iniciamos alguns projetos com apoio do corpo diretivo de forma muito positiva. Entendo que a reestruturação do modelo de ação pela implantação de metodologias de gestão e de treinamento das equipes são as ações que posso destacar nesses primeiros 30 dias”, encerra.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.