Conectado com

Notícias

Paraná ganha novos equipamentos para prevenção e detecção de Influenza Aviária

Objetivo é potencializar a prevenção da Influenza Aviária no Estado, além de outras doenças

Publicado em

em

O Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) entregou, na terça-feira (03), dois novos equipamentos ao Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti, administrado pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar). O objetivo é potencializar a prevenção da Influenza Aviária no Estado, além de outras doenças. Com o investimento de aproximadamente R$ 300 mil, será possível detecção, quantificação e monitoramento em tempo real, além da ampliação da capacidade de diagnóstico do laboratório.

De acordo com o diretor-presidente da Adapar, Inácio Kroetz, a parceria mostra a importância da defesa sanitária animal. "O setor, ao investir na defesa sanitária pública, está atribuindo valor aos próprios investimentos que já fez anteriormente em sua parte produtiva para habilitação aos países mais exigentes do mundo. É a parceria ganha ganha, o Estado com a rapidez nos ensaios de monitoramento e diagnóstico e a avicultura com o compromisso que a Adapar tem em realizar este monitoramento para garantir o acesso aos mercados", destaca.

Entre as vantagens da modernização destacam-se a rapidez e a precisão das análises. "Com a aquisição dos equipamentos ao Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti, que é o laboratório oficial do Estado para diagnóstico de enfermidades de interesse da defesa sanitária animal, estaremos colocando o Paraná como referência nacional no diagnóstico de enfermidades avícolas, proporcionando ao produtor diagnósticos mais precisos e rápidos, beneficiando, assim, toda a cadeia produtiva", explica a médica veterinária Rosaria Richartz, gerente de laboratórios da Adapar.

O investimento será feito por meio do Fundo de Assistência Sanitária para a Avicultura (Funasavi-PR). Instituído pelo Sindiavipar há 10 anos, o fundo atualmente conta com o apoio de toda a cadeia avícola do Estado para manter a avicultura do Paraná entre as melhores do mundo. A reserva foi criada com a finalidade de contribuir para a prevenção, controle e erradicação de doenças que atinjam o setor, além de medidas de sanidade e ações que evitem a disseminação de patologias.

"Este é um recurso essencial para manutenção do status sanitário do Paraná e, hoje, a Influenza Aviária é a doença que mais preocupa a avicultura mundial. Nós temos status livre da doença, porém, é necessário termos equipamentos suficientes para detectar a enfermidade se for necessário. Os exames são preventivos e de avaliação, o que nos permite ainda mais segurança, um status de real sanidade das aves do Estado", afirma o presidente do Sindiavipar, Domingos Martins.

Funcionamento

Através da parceria entre o Sindiavipar e a Adapar foram adquiridos dois equipamentos utilizados para diagnósticos por técnicas moleculares: o Applied Biosystems® 7500 Fast Real-Time PCR Systems e o NanoDrop One Espectrofotômetro. Segundo a médica veterinária Rosária, o primeiro consiste em uma plataforma integrada de termociclagem ultra-rápida, para detecção, quantificação e monitoramento em tempo real de produtos obtidos por amplificações de DNA in vitro, capaz de processar simultaneamente 96 amostras e fornecer os resultados em aproximadamente 35 minutos.

Já o outro equipamento identifica contaminantes e fornece concentrações precisas das amostras, otimizando o resultado final das análises. "A capacidade de diagnóstico do laboratório será aumentada. A aquisição desses equipamentos possibilitará que novos diagnósticos sejam implantados pela técnica de PCR (reação em cadeia da polimerase) em tempo real. Hoje, o laboratório realiza, na área de saúde animal, ensaios que empregam técnicas sorológicas, a identificação de patógenos por isolamento e a detecção de patógenos por PCR convencional", finaliza Rosária.

Fonte: Assessoria

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − cinco =

Notícias Mercado

Poder de compra do suinocultor frente a insumos de alimentação sobe pelo 5º mês

Preços do milho e do farelo de soja, importantes insumos de alimentação da suinocultura, seguem em alta

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços do milho e do farelo de soja, importantes insumos de alimentação da suinocultura, seguem em alta. Apesar disso, cálculos do Cepea mostram que o poder de compra do produtor do estado de São Paulo se mantém em elevação.

Segundo pesquisadores, esse movimento de avanço no poder de compra, inclusive, vem sendo observado há cinco meses e está atrelado à escalada de preços do suíno. A forte valorização do animal vivo no mercado independente, por sua vez, se deve à oferta reduzida de animais para abate e às aquecidas exportações da proteína nos últimos meses.

Na parcial de setembro, o preço médio do suíno negociado na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) já subiu quase 10%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Preços da arroba de boi e de carne se aproximam em setembro

Valores da arroba do boi gordo no mercado paulista têm subido de forma um pouco mais intensa que os da carne

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Os valores da arroba do boi gordo no mercado paulista têm subido de forma um pouco mais intensa que os da carne (carcaça casada, no atacado da Grande São Paulo). Diante disso, dados do Cepea mostram que, depois de a carcaça casada de boi registrar vantagem de 3,6 Reais/arroba sobre o boi gordo em agosto, essa diferença diminuiu para apenas 54 centavos de Real/arroba em setembro.

Ao longo deste ano, a maior vantagem da carne sobre o boi, de 12 Reais/arroba, foi observada em abril. Já em julho, a arroba do boi gordo foi negociada acima da carcaça casada, em 4,17 Reais – esse, ressalta-se, foi o único momento em 2020 em que o boi mostrou vantagem sobre a carne.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Competitividade da carne de frango cresce pelo 4º mês seguido

Diferença entre os preços do frango inteiro e os das carcaças bovina e suína vem se ampliando de forma consecutiva há quatro meses

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A diferença entre os preços do frango inteiro e os das carcaças bovina e suína vem se ampliando de forma consecutiva há quatro meses. Em setembro, dados do Cepea mostram que a diferença observada foi recorde, quando consideradas as séries mensais.

Esse contexto garante elevada competitividade à carne de frango frente às substitutas e, consequentemente, maior liquidez no mercado doméstico.

A demanda internacional também está aquecida, o que vem resultando em altas generalizadas nos preços dos produtos avícolas.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Nucleovet-SC PIG

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.