Conectado com
VOZ DO COOP

Suínos / Peixes

Otimização da absorção de Cálcio e Fósforo em Suínos

Farinha de carne e ossos é uma opção, por seu baixo custo, e por agregar proteína e aminoácidos essenciais à formulação, além de ser um ingrediente sustentável

Publicado em

em

Foto: Marina Beatriz

Cálcio (Ca) e fósforo (P) são dois macroelementos minerais fundamentais para a produção de suínos, sendo ambos de suplementação obrigatória. A farinha de carne e ossos é uma opção, por seu baixo custo, e por agregar proteína e aminoácidos essenciais à formulação, além de ser um ingrediente sustentável. Entretanto, representa alto risco sanitário, sendo a principal fonte de patógenos como salmonela e clostridium. Além disso, a farinha de carne e ossos é muito utilizada em petfood e aquacultura, o que tende a fazer subir seu custo. Assim sendo, observa-se crescente uso de fosfato bicálcico como a principal fonte de P para produção animal. O fosfato bicálcico é um ingrediente finito, não sustentável, e de alta demanda para agricultura, com custos em elevação e risco crescente de escassez. A redução do uso de fontes de P é um tema central dentro do moderno conceito de gestão ESG, com respeito às questões de ambientais, sociais e de governança.

Para a redução do uso de fontes de Ca e P, dois pontos devem ser considerados. Um diz respeito aos requerimentos nutricionais de cada categoria animal, para cada um dos elementos. O outro ponto diz respeito à digestibilidade das fontes de cada um, sejam os grãos, farinhas de origem animal, ou ingredientes de origem mineral. Vale observar que o estudo de um aspecto sempre estará intimamente associado ao outro, nos experimentos com animais.

Quanto aos requerimentos de P e Ca, o constante melhoramento genético dos suínos cria um desafio recorrente aos nutricionistas, que precisam acompanhar a evolução da capacidade produtiva de cada linhagem e cada cruzamento. Particularmente, no que diz respeito a matrizes e leitões, convive-se com a constante probabilidade de que a quantidade de fósforo efetivamente absorvida seja limitante à produção. A seleção para aumento de prolificidade e habilidade materna gera um incremento proporcional dos requerimentos. Durante a gestação, a demanda nutricional é relativamente baixa, mas a lactação representa uma demanda muito superior à manutenção. Limitações na quantidade de P disponível nesses períodos terão um reflexo direto na qualidade e desenvolvimento dos leitões, não só no período de aleitamento/maternidade, como também no período pós-desmame.

Figura 1. Desempenho zootécnico no período de aleitamento (T1, Controle, sem inclusão da molécula; T2, Inclusão de 100g da molécula por ton de ração; T3, 200g da molécula por ton de ração)

Observa-se então que essas categorias animais respondem positivamente ao aumento da disponibilidade de nutrientes, com melhor performance reprodutiva das matrizes e melhor desempenho zootécnico dos leitões. É importante lembrar que o P participa da transferência de energia em praticamente todas as vias metabólicas do organismo, na forma de ATP, GTP, etc.

Recentemente, algumas linhagens de matrizes têm apresentado alta incidência de prolapsos retais ou vaginais/uterinos, ao ponto de a mortalidade de matrizes impactar significativamente a economia da produção. A causa desses prolapsos ainda não é totalmente conhecida. Estudos têm sido feitos sobre o papel da fibra e do teor de energia das dietas na incidência de prolapsos, porém são inconclusivos. Outra causa provável é a hipocalcemia que acomete as parturientes, assim como acontece em vacas leiteiras. A falta de cálcio compromete a manutenção do tônus muscular visceral, favorecendo o deslocamento e perda da relação anatômica. Garantir a correta disponibilidade de cálcio e fósforo nesse período pode auxiliar na prevenção dessa ocorrência.

O estudo da digestibilidade desses minerais pelos suínos tem sido uma preocupação recente. Apesar de sua importância, a realidade é que é bastante difícil avaliar com precisão a digestibilidade de cada um desses minerais. Há vários fatores em ação simultaneamente, como pH de cada parte do trato digestivo, presença de outros íons, relação entre Ca e P, vitamina D, grau de hidratação, granulometria, etc. Se cada um deles não for cuidadosamente abordado nos experimentos, resultados discrepantes serão obtidos, inclusive com digestibilidade negativa. Essa ocorrência se deve ao fato de que tanto Ca como P endógenos são também excretados ao longo do trato digestivo, dificultando a mensuração de quanto de cada mineral de fonte exógena foi retido no organismo.

A eficácia das fitases microbianas na liberação do P fítico das matérias-primas de origem vegetal, como os grãos e farelos é amplamente conhecida. O valor exato de quanto P e quanto Ca serão efetivamente utilizados pelos animais, por outro lado, ainda deixa espaço para discussão, justamente pela interferência de vários outros fatores. Este fato, aliado à digestibilidade variável dos ingredientes, nos permite concluir que há espaço para melhoria na absorção e retenção de Ca e P pelos suínos, permitindo a melhoria da produção, além da redução do impacto ambiental pela excreção dos mesmos.

MOLÉCULA SENDO ESTUDADA

Com este objetivo, uma molécula inovadora vem sendo estudada. Trata-se de um ácido graxo de cadeia longa, com hidroxilas em substituição a hidrogênio. A mesma tem alta ação emulsificante, mas, além disso, age também como carreadora de Ca e P. Uma vez ionizados pelo baixo pH do estômago, e liberados do inositol pelas fitases, os íons fosfato e Ca formam complexos com essa molécula, seja por ligação iônica entre o fosfato e a hidroxila, seja por reação de saponificação com a carboxila terminal. Nessa forma de sabões de Ca e fosfolipídeos, os íons são absorvidos pela via de absorção de lipídeos, em micelas contendo sais biliares, esteróides, mono e diglicerídeos, e vitaminas lipossolúveis. Sua ação emulsificante inclusive melhora a formação dessas micelas, aumentando a absorção de lipídeos da dieta, e a consequente energia metabolizável da mesma.

Com a finalidade de avaliar o efeito dessa molécula no desempenho de matrizes e leitões, um experimento foi realizado na Unidade Experimental Bom Sucesso do Sul (UEBSS) conveniada com a Universidade Federal do Paraná – Setor Palotina. Um total de 52 matrizes foram distribuídas em três tratamentos: T1 (Controle), T2 (100g da molécula por ton de ração lactação) e T3 (200g/Ton de ração lactação). Para tanto, foram considerados a ordem de parto e o escore corporal pré-parto (Caliper). Após o desmame, os leitões foram classificados por peso, sexo e tratamento da mãe.  No total 540 leitões receberam uma de duas rações, sem produto ou com 200g da molécula por tonelada de ração, nas fases Pré-Inicial 1(1kg), Pré-Inicial 2 (3kg), Inicial 1 (5kg) e Inicial 2 (14kg). Dessa forma, os leitões foram distribuídos em seis tratamentos, em função dos 3 tratamentos das mães versus os dois tratamentos dos leitões.

Durante o período de aleitamento, ainda que as diferenças não tenham sido significativas, há uma clara tendência de melhor desempenho das matrizes e leitões tratados com a molécula, com resultados melhores para consumo de ração pela matriz, consumo de ração pelos leitões, conversão alimentar das matrizes, conversão alimentar dos leitões, ganho médio diário dos leitões e peso final da leitegada. Já nos períodos posteriores à desmama, diferenças estatísticas foram obtidas. Os leitões tratados apresentaram melhor ganho de peso diário e melhor conversão alimentar do que os leitões não tratados. Entre os leitões não tratados, aqueles cujas mães receberam a molécula tiveram melhor desempenho do que os filhos das mães controle. Em geral, o melhor desempenho foi do tratamento em que tanto mães como leitões receberam rações contendo 200g da molécula por tonelada de ração. Com esse protocolo, obtivemos o melhor arranque dos leitões, com maior ganho médio diário e melhor conversão, tanto das mães como dos leitões, com um enorme potencial de retorno econômico. Conclui-se que o uso da molécula é efetivo em suínos, assim como já observado em aves, e que apresenta excelente potencial para otimizar a produção, com alta relação custo:benefício, especialmente no cenário desafiador da hiperprolificidade.

Figura 2. Desempenho dos leitões pós desmame. Colunas em laranja se referem á ração Pré-inicial 2, colunas em cinza se referem á ração Inicial 1. Tratamentos ímpares não receberam a molécula, tratamentos pares receberam 200g por ton de ração. T1 e T2 são os leitões cujas mães não receberam a molécula. T3 e T4 são os leitões cujas mães receberam 100g por ton de ração. T5 e T6 são os leitões cujas mães receberam 200g por ton de ração.

As referências bibliográficas estão com os autores. Contato: fernando.blini@gfs.group.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo na suinocultura acesse a versão digital de Suínos clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: Médicos veterinários José Luciano Andriguetto, Luiz Romulo Alberton, Geraldo Camilo Alberton e Daiane Güllich Donin

Suínos / Peixes

Peste Suína Clássica no Piauí acende alerta

ACCS pede atenção máxima na segurança sanitária dentro e fora das granjas

Publicado em

em

Presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi - Foto e texto: Assessoria

A situação da peste suína clássica (PSC) no Piauí é motivo de preocupação para a indústria de suinocultura. A Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) registrou focos da doença em uma criação de porcos no estado, e as investigações estão em andamento para identificar ligações epidemiológicas. O Piauí não faz parte da zona livre de PSC do Brasil, o que significa que há restrições de circulação de animais e produtos entre essa zona e a zona livre da doença.

Conforme informações preliminares, 60 animais foram considerados suscetíveis à doença, com 24 casos confirmados, 14 mortes e três suínos abatidos. É importante ressaltar que a região Sul do Brasil, onde está concentrada a produção comercial de suínos, é considerada livre da doença. Portanto, não há risco para o consumo e exportações da proteína suína, apesar da ocorrência no Piauí.

 

Posicionamento da ACCS

O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, expressou preocupação com a situação. Ele destacou que o Piauí já registrou vários casos de PSC, resultando no sacrifício de mais de 4.300 suínos. Com uma população de suínos próxima a dois milhões de cabeças e mais de 90 mil propriedades, a preocupação é compreensível.

Uma portaria de 2018 estabelece cuidados rigorosos para quem transporta suínos para fora do estado, incluindo a necessidade de comprovar a aptidão sanitária do caminhão e minimizar os riscos de contaminação.

Losivanio também ressaltou que a preocupação não se limita aos caminhões que transportam suínos diretamente. Muitos caminhões, especialmente os relacionados ao agronegócio, transportam produtos diversos e podem não seguir os mesmos protocolos de biossegurança. Portanto, é essencial que os produtores mantenham um controle rigoroso dentro de suas propriedades rurais para evitar problemas em Santa Catarina.

A suinocultura enfrentou três anos de crise na atividade, e preservar a condição sanitária é fundamental para o setor. “A Associação Catarinense de Criadores de Suínos pede que todos os produtores tomem as medidas necessárias para evitar a entrada de pessoas não autorizadas em suas propriedades e aquel a que forem fazer assistência em visitas técnicas, usem Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para minimizar os riscos de contaminação. Assim, a suinocultura poderá continuar prosperando no estado, com a esperança de uma situação mais favorável no futuro”, reitera Losivanio.

Fonte: ACCS
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Levantamento da Acsurs estima quantidade de matrizes suínas no Rio Grande do Sul 

Resultado indica um aumento de 5% em comparação com o ano de 2023.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Com o objetivo de mapear melhor a produção suinícola, a Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs) realizou novamente o levantamento da quantidade de matrizes suínas no estado gaúcho.

As informações de suinocultores independentes, suinocultores independentes com parceria agropecuária entre produtores, cooperativas e agroindústrias foram coletadas pela equipe da entidade, que neste ano aperfeiçoou a metodologia de pesquisa.

Através do levantamento, estima-se que no Rio Grande do Sul existam 388.923 matrizes suínas em todos os sistemas de produção. Em comparação com o ano de 2023, o rebanho teve um aumento de 5%.

O presidente da entidade, Valdecir Luis Folador, analisa cenário de forma positiva, mesmo com a instabilidade no mercado registrada ainda no ano passado. “Em 2023, tivemos suinocultores independentes e cooperativas que encerraram suas produções. Apesar disso, a produção foi absorvida por outros sistemas e ampliada em outras regiões produtoras, principalmente nos municípios de Seberi, Três Passos, Frederico Westphalen e Santa Rosa”, explica.

O levantamento, assim como outros dados do setor coletados pela entidade, está disponível aqui.

Fonte: Assessoria Acsurs
Continue Lendo

Suínos / Peixes

Preços maiores na primeira quinzena reduzem competitividade da carne suína

Impulso veio do típico aquecimento da demanda interna no período de recebimento de salários.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Arquivo OPR

Os preços médios da carne suína no atacado da Grande São Paulo subiram comparando-se a primeira quinzena de abril com o mês anterior

Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso veio do típico aquecimento da demanda interna no período de recebimento de salários.

Já para as proteínas concorrentes (bovina e de frango), o movimento foi de queda em igual comparativo. Como resultado, levantamento do Cepea apontou redução na competitividade da carne suína frente às substitutas.

Ressalta-se, contudo, que, neste começo de segunda quinzena, as vendas da proteína suína vêm diminuindo, enfraquecendo os valores.

 

Fonte: Assessoria Cepea
Continue Lendo
SIAVS 2024 E

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.