Conectado com

Empresas

O primeiro passo para garantir uma boa silagem

No Brasil, o milho é a cultura mais utilizada para confecção de silagens, cujas plantas apresentam características de composição ideais para uma boa silagem, possibilitando a fermentação microbiana desejável a um custo de produção relativamente

Publicado em

em

*Por Marcos Palhares

O principal alimento para ruminantes no Brasil é a forragem, sendo o capim a pastagem mais utilizada pelos agricultores. Entretanto elas sofrem com a sazonalidade de sua produção devido à fatores planta-solo-clima e, desse modo, a oferta de alimento concentra-se em períodos mais favoráveis ao desenvolvimento das plantas, ou seja, na primavera e verão. Como consequência, o déficit de alimento nas estações seguintes é grande e, para que os animais mantenham bons índices de desempenho, é preciso manter a quantidade e qualidade da forragem ofertada durante todo o ano e a adoção de estratégias para conservação de forragens pode suprir essa demanda.

No Brasil, o milho é a cultura mais utilizada para confecção de silagens, cujas plantas apresentam características de composição ideais para uma boa silagem, possibilitando a fermentação microbiana desejável a um custo de produção relativamente baixo. Apesar do processo de ensilagem ser conhecido e difundido no mercado, grande parte dos produtores rurais ainda têm dificuldades ou realizam de forma inadequada as etapas de produção (colheita, armazenamento e utilização do produto final), implicando em perdas que podem representar até 70% do custo total.

Segundo o Anuário do Leite 2018, publicado pela Embrapa Gado de Leite, a produção atual brasileira passa de 35 bilhões de litros de leite ao ano e segue a mesma tendência mundial, que é de crescimento da produção e da produtividade, com redução do número de fazendas produtoras e aumento da quantidade de animais em produção. Entretanto, ainda há muito espaço para que a produtividade do país se expanda.

Se considerarmos a produtividade animal como um indicador de desenvolvimento da atividade leiteira, podemos ver no anuário que os norte-americanos, com 9.900 kg de leite por vaca/ano, apresentam o maior índice entre os países classificados como grandes produtores. Esse número está muito acima do Brasil, que apresenta índices de produtividade animal inferiores a 3 mil kg/vaca/ano, junto com Turquia, Paquistão, Uzbequistão e Índia.

Com alimentos de qualidade, que atendam às exigências dos animais de forma mais correta, é possível conseguir excelentes resultados e atingir novos índices de produção. Produzir boa silagem é garantir um produto de alta qualidade, aumentando significativamente o desempenho dos animais, principalmente o gado leiteiro. Já a ensilagem de baixa qualidade reduz essa produtividade e aumenta os custos do pecuarista com a alimentação suplementar.

Os híbridos específicos para silagem apresentam características que se somam àquelas já existentes para produção de grãos e o pecuarista precisa estar atento. Além da alta produção de grãos e matéria seca por área plantada, ambos de extrema importância para a silagem, o milho precisa trazer ainda outros atributos, como fibras e amido de alta digestibilidade, grãos profundos que facilitam seu processamento durante a colheita, sabugos finos, colmos grossos, boa tolerância ao tombamento de plantas e doenças foliares, ciclo de enchimento de grãos longo, boa estabilidade de produção ao longo dos anos e, finalmente, como resultado do conjunto dessas características, alta conversão alimentar (Kg leite/Kg de matéria seca). Produtor de leite planta milho para "colher" leite.

Já o processo de ensilagem do milho é uma corrida contra o tempo, pois o milho permanece no ponto ideal de colheita por um pequeno espaço de tempo e a operação é feita no ponto correto de maturação do grão. A colheita exige um bom planejamento para evitar sua antecipação ou atraso, devendo ser feita no momento em que a forragem se encontra com a máxima produção de matéria seca, somada à máxima qualidade nutricional, ou seja, quando a matéria seca e a umidade também estiverem em seu nível ideal, respectivamente, entre 32 a 37% e 63 a 68%.

A colheita da planta inteira de milho para silagem é mais comum, embora existam outras modalidades que chegam a considerar apenas a espiga com palha. Entretanto, a decisão da altura de corte depende da necessidade de cada propriedade, uma vez que cortes em alturas mais elevadas sacrifica a produtividade em prol de uma melhor qualidade. A altura mais utilizada está entre 20 e 30 centímetros do solo – evite altura menores de 20 centímetros por causa do risco de contaminação com a terra. Já a altura de corte entre 40 e 60 centímetros melhora o valor nutritivo e a digestibilidade da silagem, uma vez que a parte mais nutritiva da planta está no terço superior da planta. Para vacas de alta produtividade, redução do teor de fibra e aumento da digestibilidade resulta em maior consumo de silagem, o que pode ocasionar economia na inclusão de concentrado na dieta total.

Um ponto muito importante dessa cultura é a adubação. Além da adubação tradicional, as lavouras visando silagem de alta qualidade devem sempre receber manejo com fungicidas e adubação foliar baseada em análises. Apesar disso, no final do dia, o produtor de silagem precisa ter os mesmos cuidados de uma produção de grãos e investir em insumos de qualidade. Por fim, é de suma importância utilizar as Melhores Práticas Agronômicas, além do Manejo Integrado de Pragas (MIP) e Refúgio. Com elas, é possível alcançar excelentes resultados de produtividade, preservando os benefícios das tecnologias Bt (Bacillus thuringiensis).

O pecuarista de sucesso precisa ser, afinal, um bom agricultor. As decisões são complexas e exigem planejamento, pois algumas demandam tempo como: escolha da área de plantio e dimensionamento de silos para armazenamento, correção do pH e preparo do solo, escolha do material a ser plantado, compra de insumos e manutenção do maquinário. A produção de silagem de milho é um conjunto de processos, onde o cultivo do milho visando alta produtividade de grãos representa o início das operações. Desta forma, é fundamental que os produtores de leite invistam em capacitação técnica, para melhorarem seu conhecimento do processo de ensilagem e das tecnologias atualmente disponíveis para essa finalidade.

 

* Marcos Palhares é especialista agrônomo de desenvolvimento de tecnologias para culturas tropicais

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Empresas

Vetanco apresenta um dos programas mais completos para redução de antimicrobianos no Sinsui 2022

Este ano, o Sinsui trouxe um novo espaço, disponibilizado às empresas do setor

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Por mais uma edição, a Vetanco esteve entre os patrocinadores do 14º Simpósio Internacional de Suinocultura – Sinsui 2022, com foco na produção, reprodução e sanidade suína. O evento aconteceu no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre/RS, nos dias 17, 18 e 19 de maio.

“O Sinsui é considerado um dos principais eventos técnicos da suinocultura brasileira. Por ser a primeira edição pós-pandemia, estávamos ansiosos por esse momento, pelos reencontros, pelos conhecimentos compartilhados ao longo da programação”, comenta Thaiza Ribeiro Barbosa, Coordenadora de Território – Suínos da Vetanco.

Este ano, o Sinsui trouxe um novo espaço, disponibilizado às empresas do setor. Através de seu estande, a Vetanco apresentou o Prevention Program, programa focado na redução eficaz de antimicrobianos associado a um programa diferenciado de serviços.

A Vetanco contou com a participação de toda equipe técnico-comercial ao longo do evento. Além disso, oportunizou que clientes estivessem presentes no Sinsui para acompanhar as palestras com especialistas de renome e temas relevantes para a suinocultura.

“Com certeza, o evento atendeu nossas expectativas, reafirmando sua alta qualidade técnica, e também quanto à própria estrutura. Nosso reconhecimento à comissão organizadora do Sinsui”, frisa Felipe Hoffmann Thomas, Coordenador de Território – Suínos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Plataforma de aprendizagem contínua

Ourofino alia inovação e educação com lançamento do iUSE• Saber

O ecossistema conta com trilhas de aprendizado ministrados por grandes nomes do mercado sobre gestão de pessoas, gestão de negócios, competência técnica e cuidados com os pets. Cada material é personalizado e oferecido de acordo com o interesse do visitante.

Publicado em

em

Maior indústria farmacêutica veterinária do Brasil, a Ourofino Saúde Animal inova e mais uma vez oferece um produto que conecta inovação e tecnologia à informação de qualidade. Trata-se do ecossistema digital com a plataforma de conhecimento iUSE• Saber, uma ferramenta de aprendizagem contínua e com acesso gratuito. O lançamento no metaverso foi realizado na noite de quinta-feira (20) para toda América Latina e está disponível no canal do YouTube da Ourofino para você reassistir.

CEO da Ourofino, Kleber Gomes: “É só entrar, se cadastrar e começar a usar” – Foto: Jaqueline Galvão/OP Rural

O ecossistema conta com trilhas de aprendizado ministrados por grandes nomes do mercado sobre gestão de pessoas, gestão de negócios, competência técnica e cuidados com os pets. Cada material é personalizado e oferecido de acordo com o interesse do visitante. “Sempre que a gente pensa em evolução no setor de saúde animal se depara que a educação é uma coisa muito importante. Então a Ourofino sempre busca trazer conhecimento para o campo e também para os nossos clientes de pets. E a gente vê que tem muito para agregar ainda para a melhoria da longevidade e da relação entre pets e seus tutores. Então a educação é um ponto chave e se é chave a gente precisa colaborar”, declarou o CEO da Ourofino, Kleber Gomes.

De acordo com ele, o iUSE• Saber nasceu da busca pelo autodesenvolvimento profissional, um dos pilares da companhia. “Acredito que as pessoas hoje buscam esse conhecimento por si para que possa ter evolução em sua carreira. A ferramenta iUSE• Saber nasceu dessa ideia, de que é necessário educação para os nossos clientes. E a gente fica muito feliz em estar concretizando esse momento, entregando uma ferramenta gratuita em que todos podem se desenvolver e também por contribuir com a educação do país, que tem necessidade de transformação, de melhorias, e a gente está exercendo aqui o nosso papel social como empresa, de ajudar as comunidades onde a gente atua”, ressaltou Gomes.

O iUSE• Saber é direcionado a quem quer investir na carreira, seja estudante, pecuaristas, balconistas, donos de clínicas veterinárias, petshops, médicos-veterinários. “Acreditamos e incentivamos a aprendizagem contínua para a evolução da saúde animal, por isso damos este novo passo na nossa história com esse lançamento. O iUSE• Saber engloba uma série de iniciativas dentro de um ecossistema digital da Ourofino com foco naqueles são a nossa razão de existir, os nossos clientes”, afirmou o CEO da companhia.

A plataforma educacional já está disponível, basta se cadastrar para ter acessos a mais de 50 microlearning. “É só entrar, se cadastrar e começar a usar. O conteúdo é todo gratuito. E começamos com conteúdo relevante, cerca de 80 treinamentos microlearning, que são mais curtos, em vídeo, fácil da pessoa acompanhar em qualquer momento do seu dia. Vamos estar sempre evoluindo essa ferramenta, trazendo cada vez mais e conteúdos exclusivos”, destacou Gomes.

Ao finalizar cada curso, o participante é certificado e ganha ourocons, que são moedas de troca para continuar a jornada de conhecimento na plataforma. “Terminou o treinamento, o sistema já gera o link do certificado e o participante já pode publicar na sua rede social para mostrar que conclui o curso. Prático, rápido e acessível”, enfatiza o CEO da Ourofino.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Empresas

Pescado brasileiro busca espaço no mercado muçulmano

Produtores do Brasil, especialmente do Paraná, começam a visualizar as oportunidades de negócios com produtos halal

Publicado em

em

Divulgação - Piscicultura Caxias

Atividade milenar, nascida para subsistência, a piscicultura tem galgado seu caminho rumo à profissionalização para se tornar um mercado tão atrativo comercialmente como outras proteínas animais, como a bovina e a de frango. E, assim como as demais, a piscicultura brasileira visualiza ultrapassar fronteiras rumo a novos mercados, como os países muçulmanos, um dos mais expressivos e potencialmente atraente aos olhos dos produtores brasileiros.

Esse avanço da piscicultura brasileira é comprovado pelos números. Segundo a Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), hoje são mais de um milhão de produtores no país, são gerados cerca de um milhão de empregos diretos e outros dois milhões indiretos e, em 2021, a atividade movimentou R$ 8 bilhões.

Ainda segundo a PeixeBR, dentre as espécies, a tilápia é a mais cultivada no Brasil. No ano passado, foram produzidas 534.005 toneladas, o que representou um aumento de 9,8% em relação ao ano anterior, colocando a tilápia como responsável por 63,5% da produção nacional de peixes de cultivo. A região Sul é a que se destaca na produção da tilápia, que representa 86% de todos os peixes de cultivo da região.

E na classificação dos produtores de tilápia por estado, o Paraná lidera a produção nacional, com 182 mil toneladas em 2021; São Paulo é o segundo, com produção de 76.140 toneladas; Minas Gerais ocupa a terceira posição, com 47 mil toneladas.

Exportações

Dados da PeixeBR apontam que as exportações da psicultura brasileira totalizaram U$S 20,7 milhões em 2021, um aumento de 78% quando comparado a 2020. A tilápia é a espécie mais exportada, com US$ 18,2 milhões em 2021, o que representa 88% do total. A tilápia também apresentou importante crescimento de 77%, em 2021. Em toneladas, o crescimento foi de 49% de 2021 comparado a 2020. Entre as categorias exportadas, os peixes inteiros congelados apresentaram os maiores volumes, com alta de 390% no comparativo com 2020. Os filés frescos ou refrigerados foram a segunda categoria mais exportada, aumento de 3%. E os filés congelados aumentaram 573% nas exportações.

Produtores do Paraná se preparam para atender mercado halal

O estado líder na produção de tilápia brasileira agora quer levar seus produtos ainda mais longe. Cinco produtores integrantes da Associação dos Produtores dos Lagos do Iguaçu, localizada em Nova Prata do Iguaçu (PR), estão nos trâmites finais para estarem aptos a comercializar com os países muçulmanos.

O fundador da Associação e hoje vice-presidente, Jean Carlo Kuligowski, explica que a união dos produtores, que aconteceu em 2013, até então atendia apenas o mercado interno, mas os planos começaram a ir mais longe. “Começamos a pensar em exportar e vimos que o mercado halal tem bastante potencial para os peixes brasileiros”, explica Jean.

O gerente de produção e projetos da Piscicultura Caxias, Alexandre Marcelo Baumann, explica que, para que esta ideia se solidificasse, um dos integrantes da associação esteve presente da Gulfood 2022, maior evento anual de fornecimento de alimentos e bebidas do mundo, realizada no mês de fevereiro, em Dubai.

“Foi aí que começamos a perceber que o pescado será a próxima proteína em potencial para exportação aos países muçulmanos e isso nos estimulou a buscar a certificação halal”, pontua Alexandre.

Porém, os produtores paranaenses querem elevar o patamar de qualidade e segurança dos peixes brasileiros que irão para outros mercados. Além da certificação halal, que está em processo final pela CDIAL Halal dos cinco produtores e de duas plantas frigoríficas (localizadas nos estados do Paraná e Santa Catarina), a associação está em processo de finalização também da certificação junto ao órgão de defesa sanitária estadual para aprimoramento e realização de adequação de todas as práticas sanitárias que garantem rastreabilidade, controle e manejo de todo o processo produtivo.

“Este é um protocolo sanitário pioneiro na piscicultura do País, que fizemos questão de requisitar para elevarmos o grau de atendimento das boas práticas e, juntamente com o selo halal, garantir segurança da propriedade até o processamento nas plantas frigoríficas para atender a todas as exigências do mercado muçulmano”, completa Alexandre.

O presidente da Associação e proprietário da Alpha Fish, Gilson Tedesco, depois de uma longa experiência profissional na área de tecnologia, decidiu, no ano passado, iniciar as atividades da empresa na área de produção de tilápias em tanques-rede no município de São Jorge, localizada a 150 quilômetros de Cascavel. “Um dos grandes desafios da piscicultura brasileira é que muitos produtores ainda caminham para um processo de profissionalização. E eu fiz diferente: eu já comecei com uma empresa e me preocupo com a gestão do negócio, tanto com a seleção dos profissionais para atuarem na empresa, como na busca de novas tecnologias e melhoramento genético que possam, além de melhorar a qualidade, baratear os custos de produção e o valor do produto para o Brasil e para o mundo”, explica Tedesco.

E já visualiza as oportunidades no mercado halal. “Um fornecedor esteve na Gulfood e nos passou as grandes possibilidades daquele mercado, por isso estamos caminhando nesse processo de certificação para que nosso produto atenda a este mercado”.

“O Brasil tem potencial e oportunidade para abastecer o mercado muçulmano, que está ávido por nossos peixes, como a Jordânia, por exemplo, que demonstrou interesse por todas as espécies de peixes brasileiros. E este é um mercado gigantesco: são mais de 200 milhões de pessoas que residem nos 22 países que compõem a Liga Árabe. Temos quem quer vender e aqueles que querem comprar, então temos um enorme potencial e a certificação halal é o caminho para quem deseja ingressar neste mercado”, explica diretor de Operações da CDIAL Halal, Ahmad Saifi.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.