Conectado com

Empresas

O primeiro passo para garantir uma boa silagem

No Brasil, o milho é a cultura mais utilizada para confecção de silagens, cujas plantas apresentam características de composição ideais para uma boa silagem, possibilitando a fermentação microbiana desejável a um custo de produção relativamente

Publicado em

em

*Por Marcos Palhares

O principal alimento para ruminantes no Brasil é a forragem, sendo o capim a pastagem mais utilizada pelos agricultores. Entretanto elas sofrem com a sazonalidade de sua produção devido à fatores planta-solo-clima e, desse modo, a oferta de alimento concentra-se em períodos mais favoráveis ao desenvolvimento das plantas, ou seja, na primavera e verão. Como consequência, o déficit de alimento nas estações seguintes é grande e, para que os animais mantenham bons índices de desempenho, é preciso manter a quantidade e qualidade da forragem ofertada durante todo o ano e a adoção de estratégias para conservação de forragens pode suprir essa demanda.

No Brasil, o milho é a cultura mais utilizada para confecção de silagens, cujas plantas apresentam características de composição ideais para uma boa silagem, possibilitando a fermentação microbiana desejável a um custo de produção relativamente baixo. Apesar do processo de ensilagem ser conhecido e difundido no mercado, grande parte dos produtores rurais ainda têm dificuldades ou realizam de forma inadequada as etapas de produção (colheita, armazenamento e utilização do produto final), implicando em perdas que podem representar até 70% do custo total.

Segundo o Anuário do Leite 2018, publicado pela Embrapa Gado de Leite, a produção atual brasileira passa de 35 bilhões de litros de leite ao ano e segue a mesma tendência mundial, que é de crescimento da produção e da produtividade, com redução do número de fazendas produtoras e aumento da quantidade de animais em produção. Entretanto, ainda há muito espaço para que a produtividade do país se expanda.

Se considerarmos a produtividade animal como um indicador de desenvolvimento da atividade leiteira, podemos ver no anuário que os norte-americanos, com 9.900 kg de leite por vaca/ano, apresentam o maior índice entre os países classificados como grandes produtores. Esse número está muito acima do Brasil, que apresenta índices de produtividade animal inferiores a 3 mil kg/vaca/ano, junto com Turquia, Paquistão, Uzbequistão e Índia.

Com alimentos de qualidade, que atendam às exigências dos animais de forma mais correta, é possível conseguir excelentes resultados e atingir novos índices de produção. Produzir boa silagem é garantir um produto de alta qualidade, aumentando significativamente o desempenho dos animais, principalmente o gado leiteiro. Já a ensilagem de baixa qualidade reduz essa produtividade e aumenta os custos do pecuarista com a alimentação suplementar.

Os híbridos específicos para silagem apresentam características que se somam àquelas já existentes para produção de grãos e o pecuarista precisa estar atento. Além da alta produção de grãos e matéria seca por área plantada, ambos de extrema importância para a silagem, o milho precisa trazer ainda outros atributos, como fibras e amido de alta digestibilidade, grãos profundos que facilitam seu processamento durante a colheita, sabugos finos, colmos grossos, boa tolerância ao tombamento de plantas e doenças foliares, ciclo de enchimento de grãos longo, boa estabilidade de produção ao longo dos anos e, finalmente, como resultado do conjunto dessas características, alta conversão alimentar (Kg leite/Kg de matéria seca). Produtor de leite planta milho para "colher" leite.

Já o processo de ensilagem do milho é uma corrida contra o tempo, pois o milho permanece no ponto ideal de colheita por um pequeno espaço de tempo e a operação é feita no ponto correto de maturação do grão. A colheita exige um bom planejamento para evitar sua antecipação ou atraso, devendo ser feita no momento em que a forragem se encontra com a máxima produção de matéria seca, somada à máxima qualidade nutricional, ou seja, quando a matéria seca e a umidade também estiverem em seu nível ideal, respectivamente, entre 32 a 37% e 63 a 68%.

A colheita da planta inteira de milho para silagem é mais comum, embora existam outras modalidades que chegam a considerar apenas a espiga com palha. Entretanto, a decisão da altura de corte depende da necessidade de cada propriedade, uma vez que cortes em alturas mais elevadas sacrifica a produtividade em prol de uma melhor qualidade. A altura mais utilizada está entre 20 e 30 centímetros do solo – evite altura menores de 20 centímetros por causa do risco de contaminação com a terra. Já a altura de corte entre 40 e 60 centímetros melhora o valor nutritivo e a digestibilidade da silagem, uma vez que a parte mais nutritiva da planta está no terço superior da planta. Para vacas de alta produtividade, redução do teor de fibra e aumento da digestibilidade resulta em maior consumo de silagem, o que pode ocasionar economia na inclusão de concentrado na dieta total.

Um ponto muito importante dessa cultura é a adubação. Além da adubação tradicional, as lavouras visando silagem de alta qualidade devem sempre receber manejo com fungicidas e adubação foliar baseada em análises. Apesar disso, no final do dia, o produtor de silagem precisa ter os mesmos cuidados de uma produção de grãos e investir em insumos de qualidade. Por fim, é de suma importância utilizar as Melhores Práticas Agronômicas, além do Manejo Integrado de Pragas (MIP) e Refúgio. Com elas, é possível alcançar excelentes resultados de produtividade, preservando os benefícios das tecnologias Bt (Bacillus thuringiensis).

O pecuarista de sucesso precisa ser, afinal, um bom agricultor. As decisões são complexas e exigem planejamento, pois algumas demandam tempo como: escolha da área de plantio e dimensionamento de silos para armazenamento, correção do pH e preparo do solo, escolha do material a ser plantado, compra de insumos e manutenção do maquinário. A produção de silagem de milho é um conjunto de processos, onde o cultivo do milho visando alta produtividade de grãos representa o início das operações. Desta forma, é fundamental que os produtores de leite invistam em capacitação técnica, para melhorarem seu conhecimento do processo de ensilagem e das tecnologias atualmente disponíveis para essa finalidade.

 

* Marcos Palhares é especialista agrônomo de desenvolvimento de tecnologias para culturas tropicais

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 1 =

Empresas

Fibra: a nova aposta na dieta de fêmeas suínas

Evento nesta terça-feira, 19, em Toledo, no Paraná, reúne especialistas no assunto. 1º Fiber Week continua na quinta-feira, 21, em Castro

Publicado em

em

Evento acontece nesta terça-feira, 19, em Toledo, PR

A Biosen, a Agromed Natural Effects e a Matriagro Agronegócios reúnem nesta semana alguns de seus principais clientes no Paraná para a realização do primeiro Fiber Week, encontro técnico em formato de mesa redonda para debater a produção de leitões de boa qualidade em granjas de alto desempenho. Nesta terça-feira, 19, o evento acontece em Toledo, alguns de seus clientes para um dia de repasse de informações técnicas e científicas em torno dos novos modelos de nutrição para as fêmeas suínas e suas leitegadas. Especialistas do Brasil e exterior defendem que a nutrição não só deve alimentar, como cuidar da saúde de matrizes e da leitegada.

Com a mudança do cenário genético, de acordo com o professor da Universidade de Viçosa, MG, Bruno Silva, é preciso mudar também as formulações das rações das matrizes suínas. “Com a mudança proposta pelas casas genéticas estão mudando também os requerimentos nutricionais das fêmeas”, destacou em sua palestra.

De acordo com Pierre Lebreton, diretor de francesa Even, uma das alternativas para essa nova nutrição é a adição de fibras à dieta. “A adição de fibras à nutrição hoje considerada por muitos profissionais tão importante quando a proteína na dieta animal”, avalia.

O Jornal O Presente Rural participou do evento e traz a cobertura em sua próxima edição impressa dedicada a Suínos e Peixes. O próximo evento da Fiber Week acontece nesta quinta-feira, 21, em Castro, nos Campos Gerais do Paraná.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Empresas Agronegócios

Universidade de Pittsburgh (EUA) oferece MBA Executivo para líderes, empreendedores e profissionais que desejam assumir posições globais

Para se habilitar ao MBA Executivo da University of Pittsburgh, é preciso ter experiência profissional mínima de cinco anos

Publicado em

em

Karla Alcides, diretora da Universidade de Pittsburgh para a América Latina - Foto: Divulgação

Aulas 100% em inglês, quatro fóruns globais (São Paulo, Pittsburgh e China), intensa troca de experiências com profissionais de várias partes do mundo, desenvolvimento de mentalidade estratégica e habilidades analíticas necessárias para assumir posições globais e conduzir com confiança suas organizações para o futuro. Esses são alguns dos benefícios proporcionados pelo MBA Executivo da University of Pittsburgh, que dura 18 meses e está acessível a profissionais, empresários e empreendedores brasileiros.

“O Brasil é uma potência em várias áreas de atuação, inclusive em empreendedorismo e liderança. O agronegócio é um excelente exemplo. Há empresas de vários segmentos da cadeia da produção de alimentos em expansão, unindo-se a corporações internacionais, participando cada vez mais ativamente do comércio internacional. Para enfrentar esses desafios, seus líderes e sucessores precisam estar bem preparados. Afinal, esta é uma arena para especialistas”, explica Karla Alcides, diretora da Universidade para a América Latina.

Karla também lembra que há profissionais do Brasil em postos-chave em organizações em todo o planeta, inclusive do agronegócio. Para chegar lá, eles tiveram de se preparar, trabalhar duro e adquirir uma grande bagagem de conhecimento. “Novas oportunidades globais para talentos brasileiros surgem naturalmente. Quer participar desse jogo e ganhar o mundo? É preciso estar preparado. O MBA Executivo da University of Pittsburgh tem exatamente esse propósito: preparar os líderes das próximas décadas”, reforça a executiva.

O MBA Executivo da University of Pittsburgh é direcionado a empreendedores e seus sucessores, executivos com longa experiência em corporações, profissionais com carreira ascendente e jovens talentos que almejam conquistar posições globais para liderar organizações em épocas de intensa mudança.

As inscrições estão abertas. A próxima turma começará em Maio de 2019. São 18 meses de intensos estudos, aulas presenciais, networking, fóruns globais e muito aprendizado. A conclusão será em Outubro de 2020.

As aulas são presenciais e ocorrem em uma semana por mês: de 4ª a domingo, período integral. Estas aulas são realizadas na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, parceria da Universidade de Pittsburgh nessa iniciativa, e são ministradas por especialistas de várias partes do mundo. O programa também inclui uma semana de estudos na China e duas semanas em Pittsburgh (Estados Unidos).

Karla Alcides sugere que os participantes do EMBA precisam separar uma hora e meia por dia para os estudos. “Esse é um passo decisivo nas carreiras dos profissionais, empreendedores e sucessores. Para assumi-lo, é preciso um compromisso total, porém os ganhos serão imensuráveis”, diz.

Para se habilitar ao MBA Executivo da University of Pittsburgh, é preciso ter experiência profissional mínima de cinco anos (são desejados 10 anos), experiência em administração de empresas e/ou comando de equipes e inglês fluente.

A University of Pittsburgh (8ª maior universidade pública dos Estados Unidos) oferece o MBA Executivo no Brasil há 20 anos, já tendo formado mais de 2.100 alunos de 93 diferentes países.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Levedura

ICC Brazil participa da VIV Asia 2019

Evento que acontece em Bangkok, na Tailândia, reúne referências mundiais do segmento de avicultura, pecuária, aquicultura e laticínios

Publicado em

em

Foto: Divulgação VIV Asia

A ICC Brazil, empresa brasileira especialista em aditivos à base de levedura, estará presente na VIV Asia 2019, que acontece entre os dias 13 e 15 de março, no Centro de Eventos Bitec, em Bangkok, na Tailândia. O evento, que é bianual, espera receber 46 mil visitantes e 1.250 mil expositores.

O foco da ICC Brazil será no ImmunoWall®, produto composto por uma alta quantidade de B-glucanas e MOS, que assegura que os animais mantenham o equilíbrio da microbiota intestinal e melhorem as respostas do sistema imune, resultando na redução da contaminação por patógenos e gasto energético. Como consequência, há considerável melhora no bem-estar dos animais, bem como no seu desempenho.

Representando a ICC, estarão presentes: a Coordenadora de Marketing, Aline Almeida, o Gerente de Vendas da Europa e Oriente Médio, Felipe Sant’Anna, o CEO Glycon Duarte, a Gerente de Vendas do Sudeste Asiático e Pacífico, Isabela Barros e os Gerentes Técnicos de Vendas do Nordeste Asiático, Kuo Wei Ssu e Bo-Chun Hsu (Fox). O stand estará localizado no Hall 104, número 1426.

 

Para mais informações sobre o evento, clique aqui.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA
Facta 2019
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.