Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas Peste Suína Africana:

O papel da imunidade e do fortalecimento do sistema imune auxiliando na prevenção à doença

Verônica Lisboa, especialista da Yes, fala sobre os perigos da doença para os plantéis brasileiros e como a imunomodulação pode ajudar na prevenção contra a enfermidade

Publicado em

em

Verônica Lisboa, Coordenadora Técnica de Pesquisas da Yes.- Foto: Divulgação

A Organização Internacional de Saúde Animal recebeu em julho uma notificação de um caso de Peste Suína Africana (PSA), na República Dominicana, país da América Central. O Brasil é considerado livre da doença desde 1984, mas a notícia preocupa a suinocultura brasileira e acende o sinal de alerta.

Isso porque a PSA não gera risco a humanos, mas é altamente mortal para os suínos, é uma doença altamente contagiosa que não tem cura nem tratamento. Em 2018, um surto da febre suína africana na China dizimou metade do rebanho de suínos do país, o maior do mundo, desequilibrando o mercado global de carnes. A China ainda procura refazer seu plantel. Desde o início de 2021, um total de 11 surtos de PSA foram oficialmente reportados na China, envolvendo oito províncias com 2.216 animais sacrificados.

“O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), vem agindo de uma forma muito rápida, divulgando medidas assertivas a respeito das fiscalizações em portos, aeroportos, restrição em relação a entrada de visitantes em granjas e o tratamento térmico adequado de resíduos alimentares oriundos de aeronaves e navios vindos do exterior”, pontua Verônica Lisboa, Coordenadora Técnica e de Pesquisas da Yesssinergy. “Ainda, é importante que os suinocultores e as agroindústrias intensifiquem os procedimentos de biossegurança em toda a cadeia produtiva”.

 

Uma enfermidade com altas taxas de mortalidade

Uma vez contaminado, o suíno apresenta alguns sinais clínicos facilmente observados: como febre (acima de 42 graus), diarreia com presença de sangue, edema nas articulações, necrose na pele, hemorragia, vermelhidão na ponta de orelha, na cauda, no abdômen, em membros distais, vômitos e abortos. “Muitas vezes entre 24 e 48 horas antes do óbito esses animais apresentam falta de coordenação motora muito grande, inapetência e apatia”, pontua.

Outro fator a ser considerado entre as medidas preventivas e que pode ajudar a manter o plantel suíno fortalecido é a manutenção do sistema de defesa dos animais fortalecido, ou seja, preparado para responder aos mais variados desafios encontrados pela produção animal, incluindo, as enfermidades virais.

Em recente publicação, Franzoni et al, 2021, pontuam que dada a relevância da infecção por PSA, a compreensão mais aprofundada sobre as respostas imunológicas dos suínos frente ao vírus deve ser mais bem compreendida e abordada.

Para entender a importância do sistema de defesa frente à PSA, devemos entender como o com sistema imune dos suínos reage ao vírus:

 

O sistema de defesa dos suínos & a PSA

O vírus da PSA infecta predominantemente monócitos e macrófagos (Sánchez et al., 2012) os quais são células que desempenham um papel crítico no sistema imunológico, uma vez que podem iniciar a resposta imunológica pela secreção de interleucinas e executar a eliminação de patógenos por meio de fagocitose (Reis et al 2017).

Após a infecção, o vírus induz apoptose (morte celular) de linfócitos infectados, ou não, (Ibanez et al, 1996), desencadeando um quadro de linfopenia, também marcante na patogênia da PSA.

Figura 1

Diversas pesquisas científicas (Teijaro et al, 2017; Basler et al, 2017; Zhu et al, 2019; Wang et al, 2020), reportam a patogênese do vírus ligada à elevada produção de interleucinas pró-inflamatórias, produzidas pelos monócitos e macrófagos infectados constituindo o evento chamado “tempestade de citocinas”, sendo este considerado por pesquisadores, como sendo o cerne da doença e a causa inicial   da elevada mortalidade.

A tempestade de citocinas pode ser definida como uma reação fisiológica em que o sistema imunitário inato provoca uma liberação descontrolada e excessiva de citocinas pró-inflamatórias (Fig 1).

Na PSA, monócitos e macrófagos são os principais responsáveis pela tempestade de interleucinas (Fig 2).

Figura 2

Em recente estudo realizado por Zhu et al, 2019, ao analisarem as interleucinas produzidas por macrófagos suínos (ex vivo) infectados pela PSA, os autores observaram que as citocinas da família TNF podem desempenhar papel importante na patologia da doença, ao relatarem a observação da expressão significativamente alta de sete citocinas pró-inflamatórias TNF (FASLG, LTA, LTB, TNFSF4, TNFSF10, TNFSF13B e TNFSF18), horas após a infecção.

É importante ressaltar que estas citocinas não induzem apenas a morte celular/apoptose, mas também causam inflamação do tecido (Croft et al, 2017), bem como, as interleucinas FASLG e TNFSF10 podem desencadear apoptose em células CD4+ e CD8+ (Roe et al, 2004), o que poderia explicar a linfopenia durante a infecção por PSA. Além disso, foi observada a Up-regulation da interleucina pró-inflamatória IL17A após apenas 09 horas de infecção.

Em contrapartida, os autores relataram a queda na produção das interleucinas anti-inflamatórias IL10 e IL10RA e postularam que o vírus da PSA expressa várias proteínas que inibem as vias de sinalização para a produção destas interleucinas.

A regulação negativa da expressão dos marcadores anti-inflamatórios coincidiu com o aumento significativo dos genes virais.

Estudos recentes postularam que a IL-10 pode desempenhar função fundamental na estratégia de combate a PSA (Sánchez-Cordón, 2020). Ensaios anteriores de vacinas experimentais também sugeriram que a IL-10 pode ajudar a controlar as primeiras etapas da replicação viral e mitigar os custos prejudiciais de uma resposta inflamatória intensificada, a qual caracteriza infecções agudas por PSA (Sánchez-Cordón, 2018).

Wang et al, 2021 avaliaram os parâmetros de imunidade de suínos infectados com a PSA. De acordo com os autores, os animais desenvolveram sintomas clínicos graves três dias após a inoculação do vírus e morreram de 7 a 8 após.

A análise do soro revelou uma tendência de elevação robusta e sustentada das interleucinas pró-inflamatórias: TNF-a, IFN-a, IL-1b, IL-6, IL-8, IL-12 e IL-18. O aumento na IL-10 foi observado somente na fase terminal da infecção. Este padrão de secreção corresponde a já citada tempestade típica de citocinas, caracterizada pelo início desregulado da secreção de IL’s pró-inflamatórias e resposta anti-inflamatória desequilibrada.

 

O papel da Células CD8+

As células T citotóxicas desempenham um papel importante na proteção contra antígenos intracelulares (Franzoni et al, 2021) e, especialmente as células TCD8α+, atuam de forma importante na imunidade protetora contra PSA (Oura et al., 2005).

Após a exposição à uma cepa de PSA de baixa virulência os suínos tiveram sua taxa de linfócitos CD8α+ drasticamente diminuídas. Em desafio subsequente com cepa homóloga, mas virulenta, revelou que os animais esgotados que tiveram a queda nos linfócitos CD8α+   sofreram de PSA aguda grave e morreram, enquanto os animais que possuíam valores normais de CD8α+ apresentaram apenas sintomas clínicos leves e sobreviveram (Montoya et al, 2021).

Uma referência inicial a células efetoras TCD8+ específicas para PSA é relatada por Norley e Wardley (1984): os autores infectaram suínos com um isolado virulento de Uganda e examinaram o sangue periférico de células mononucleares (PBMCs) desses animais.  As células efetoras foram capazes de atacar especificamente as células infectadas com PSA. Uma vez que PBMCs não separados foram usados, assumiu-se que as células CD8+ foram envolvidos na citotoxicidade.

 

Uso de imunomoduladores na produção animal

Segundo Blecha, F. (2001), o objetivo da imunomodulação em animais de produção é equilibrar a resposta imune em benefício do animal e da eficiência da produção. Os imunomoduladores são substâncias que agem sobre este mecanismo.

Embora o tratamento e a prevenção de doenças infecciosas sejam as razões mais comuns para o uso de imunomoduladores, outras condições, como melhora da imunossupressão induzida por estresse, maturação da resposta imune em desenvolvimento do recém-nascido e estratégias para reduzir o custo metabólico de desencadear uma resposta imune também são bem adequados para o seu uso.

A descoberta contínua de novos reguladores imunológicos e o aumento da compreensão da imunidade em animais de produção garantirão novas oportunidades para o uso destes aditivos (Dhama et al, 2015).

 

O GLUCANGOLD

A Yessinergy apresenta em seu portfólio um potente imunomodulador: O GLUCANGOLD. Fonte de 1,3 e 1,6 β-glucanos purificados e concentrados, oriundos da da parede celular de leveduras Saccharomyces cerevisiae, o GLUCANGOLD é um aditivo natural com comprovadas propriedades IMUNOMODULATÓRIAS.

Pesquisas científicas atestam o efeito IMUNOMODULADOR do GLUCANGOLD

Em pesquisa realizada na USP, Ribeirão Preto, Brasil, com o objetivo de avaliar a resposta imunológica de macrófagos induzida por LPS, o GLUCANGOLD apresentou efeito imunomodulatório ao elevar a produção da IL-10 e diminuir a produção das interleucinas pró-inflamatórias em situação anterior ao desafio, ou seja, sem desencadear uma resposta imune exacerbada e preparando os animais para responder a possíveis desafios, de forma mais efetiva.

Quando avaliado em situação de desafio já instalado, o GLUCANGOLD aumentou a IL-6 , o que é necessário em situações de enfermidades, visando sinalizar ao organismo a necessidade de recrutamento de células imune para que se inicie o processo de defesa contra o agente invasor, porém, não alterou a produção de TNF-α o que evita uma resposta inflamatória exacerbada e desequilibrada, e, mais importante, induziu um aumento de IL-10, importante para controlar a resposta inflamatória.

Em estudo realizado na Universidade Austral do Chile, a fim de avaliar os efeitos na expressão de marcadores imunes em células shk-1 de salmão Salar o GLUCANGOLD proporcionou resposta equilibrada dos marcadores pró e anti-inflamatórios, destacando-se, mais uma vez, o aumento na produção da IL-10.

Em pesquisa realizada na Universidade Federal de Grande Dourados, Faculdade de Ciências da Saúde, com o objetivo de avaliar o efeito do GLUCANGOLD como imunomoduladora frente a baixo desafio com Salmonella entérica em cobaias. Nesta pesquisa o modelo preditivo para suínos foi adotado.

Mais uma vez, o efeito imunomodulador do GLUCANGOLD foi comprovado, ao ser observada a diminuição da interleucinas TNF – α e aumento na expressão da interleucina IL-10, além do controle da Salmonella.

Na UNESP, campus Dracena, São Paulo, Brasil, o GLUCANGOLD foi adicionado à dieta de poedeiras com o intuito de verificar o seu efeito sobre parâmetros imune dos animais. As aves que receberam o imunomodulador na dieta apresentaram monócitos e heterofilos com intensidade fagocítica significativamente maior, além de maior relação de células CD4+:CD8+, quando comparado ao grupo de animais que não receberam o aditivo na dieta.

O estudo da imunomodulação tem o potencial de produzir percepções fundamentais na regulação da inflamação e de como as células respondem à agressão (Barrado – Gil, 2021).

Deste modo, acredita-se que a introdução do GLUCANGOLD à dieta dos animais poderá proporcionar outro padrão de resposta de imunidade celular, reduzindo os efeitos da agressão, imunomodulando o sistema de defesa dos suínos e os tornando mais bem preparados aos principais desafios, incluindo os virais, como a PSA.

Ressalta-se que não existe vacina para a PSA, mas devido à alta virulência e contágio apresentados pela doença, todas as medidas que possam atuar no sentido de fortalecer os animais e prevenir a entrada do vírus nos rebanhos é de grande valia à cadeia produtiva.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 16 =

Empresas

Sumitomo Chemical lança solução biológica no combate a nematoides que promove aumento na produtividade da soja

Lançamento gera maior robustez à Seed Protection, plataforma com soluções híbridas para a proteção do potencial produtivo da lavoura

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Um dos principais responsáveis pelo comprometimento da produtividade da soja, os nematoides – vermes que ficam no solo e atacam as raízes das plantas – estão presentes em todas as regiões produtoras do Brasil. Devido à grande influência no desempenho dos grãos, a Sumitomo Chemical lança o Aveo, solução biológica com amplo espectro de controle e longo período de ação para o tratamento de sementes. O Aveo, conforme estudos da companhia, promove o aumento da produtividade da lavoura de soja em torno de 5%.

A nova solução de BioRacionais conta com uma cepa exclusiva e tem como atributos a segurança, a alta eficácia e o efeito fitotônico (maior volume e peso de raízes, aumento da biomassa e melhor arranque inicial da planta).

O gerente de Marketing de BioRacionais da Sumitomo Chemical para a América Latina, Eduardo Figueiredo, explica que o Aveo é um biológico com formulação FS, específica para tratamento de sementes, gerando maior adesão do produto na semente e facilidade de uso. “A nossa solução apresenta a menor dose do mercado, de 15 ml a 20 ml para 100 kg de sementes”.

Eduardo acrescenta que o Aveo tem alta eficácia nos principais nematoides causadores de dano na cultura da soja, além de proporcionar a planta um melhor estabelecimento, pois aumenta a produção de raízes, melhora o arranque inicial e, com isso, melhores produtividades. “Nos trabalhos de desenvolvimento de mercado, vimos um aumento de 5% de produtividade, onde utilizamos Aveo”.

A novidade da companhia se caracteriza ainda pelo período de prateleira de até três anos, fator que poucos biológicos no mercado alcançam. Além disso, permite a facilidade de uso e misturas.

Dessa forma, essa solução coloca a Sumitomo Chemical em uma posição ainda mais importante para o agricultor, pois é uma das únicas companhias a levar ao campo um portfólio completo para o tratamento de sementes, onde se controla as principais pragas iniciais da cultura.

 

Seed Protection

O Aveo chega ao mercado para complementar a plataforma Seed Protection, tornando a proteção do potencial produtivo das sementes ainda mais abrangente. O novo nematicida se junta aos inseticidas Inside e Maestro. “A associação Maestro, Inside e Aveo proporciona eficiência de controle, sustentabilidade e rentabilidade”, explica o gerente de Produtos e Tratamento de Sementes, Leonardo Ferreira. O Maestro é uma solução que combate pragas mastigadoras de solo. Já o Inside ataca as sugadoras de parte aérea.

“A expertise em tecnologia de formulações é uma marca da Sumitomo Chemical, tanto para produtos biológicos como químicos. Esse fato garante que os produtos do portfólio Sumitomo Chemical sejam de maior qualidade, levando comodidade ao agricultor”, destaca Ferreira.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Cobb destaca Uniformidade do lote na recria para melhores resultados de aves

Empresa debateu a importância do manejo adequado para melhorar eficiência produtiva de machos e fêmeas na abertura da Escola virtual América do Sul, que reuniu mais de 800 participantes   

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A uniformidade das aves durante o período de recria é um dos pontos mais importantes para atingir melhores resultados, defende o médico veterinário e Diretor Associado de Serviço Técnico da Cobb-Vantress na região do Pacto Andino, Luciano Keske, nesta terça-feira, 14, durante a abertura da Escola Cobb Virtual para clientes de toda a América do Sul, que acontece até quinta 16.

“É importante ter muita atenção na uniformidade, principalmente até as 12 semanas, que deve estar acima de 85% para fêmeas e acima de 80% para machos”, afirma o especialista lembrando que atingir uma boa uniformidade de lote depende de uma boa distribuição de alimento, um bom espaço de comedouro, uma luminosidade correta no galpão, além da quantidade de aves por m2, entre outras estratégias de manejo.

A Gerente Regional da Cobb-Vantress no Equador, Chile e Paraguai, Yenifer Torres, destacou a importância da seleção dos sete dias no manejo de fêmeas. “A fase intermediária do crescimento é muito importante. O avicultor precisa estar atento a estratégias como adormecer o frango, manter a estrutura corporal e ainda tem a questão hormonal e fisiológica da fêmea”, disse.

Ela salienta que no período de 16 a 20 dias a média de ganho de peso deve estar em 36%. “E é importante ter cuidado com o escurecimento do galpão. Para as fêmeas, quanto mais escuro, melhor”, reforçou a especialista alertando para o fornecimento da quantidade suficiente de alimentos para atingir um bom pico de produção.

“A retirada de alimento após o pico é igualmente estratégica e não deve acontecer de maneira muito rápida para não comprometer a produção de ovos da fêmea”, pontuou Torres durante a palestra “Pontos críticos no manejo de matrizes”. Ela ressalta a importância do encontro. “É uma maneira de viabilizar o acesso de produtores à informação e tecnologia. Precisamos ajudar o avicultor a aumentar a sua eficiência, para que ele seja mais competitivo no mercado”.

O gerente Regional da Cobb-Vantress no Peru e na Bolívia, Rodolfo Solano, também destacou a seleção aos sete dias e seus impactos positivos na eficiência do plantel, mas desta vez sobre manejo de machos. “Estamos falando de separar aves por voracidade e ter atenção na seleção de quatro semanas também, onde devemos buscar o peso alvo de 720 gramas e retirar machos com peso 25% abaixo desta meta, pois estes animais não serão bons reprodutores”.

Depois de 12 semanas, ele chama a atenção para a formação do aparelho reprodutivo. “O produtor deve seguir as sugestões de consumo semanal da linha. O CobbMale, por exemplo, é um macho que deve ser estimulado pelo menos de 17 a 20 dias antes da fêmea”, pontuou o especialista durante a apresentação “Pontos críticos no manejo de machos”.

Na abertura da programação, o diretor Associado de Produtos da Cobb-Vantress na América do Sul, Rodrigo Terra, debateu “Evolução Genética e Novos Produtos”, onde afirmou que o melhoramento genético é o ponto principal para uma melhor eficiência do animal, pois, ‘a partir deste ponto podemos dizer que teremos animais com uma melhor conversão alimentar, saúde corporal e respiratória. Todas estas características aliadas à excelência no atendimento técnico, fazem parte do nosso DNA”, disse Terra.

E no encerramento do primeiro dia de programação, o especialista de Avós e Reprodutoras e Suporte Técnico Mundial da Cobb-Vantress, Winfridus Bakke, apresentou as “Novas tecnologias para galpões de reprodutoras”. Durante o encontro, Keske destacou a equipe técnica altamente capacitada e treinada para tratar toda e qualquer dúvida ou problema nas granjas espalhadas pelo Brasil e América do Sul. “Possuímos uma equipe multidisciplinar que nos ajuda a cuidar de toda avicultura”, completa.

A partir de uma plataforma online a empresa conseguiu reunir mais de 800 pessoas, todas envolvidas no setor da avicultura, para saber o que os principais especialistas dos setores de manejo, nutrição, sanidade, biosseguridade, ambiência e incubação teriam de informação para melhorar o desempenho e a rentabilidade em um cenário de pressão de custos para produtores da América do Sul.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Agronegócio verde do Brasil é construído sobre alicerces de tecnologia e inovação

Aumento da produtividade fortalece compromisso em “fazer mais”, “usando menos”

Publicado em

em

Carlos Ronchi, Diretor Técnico Global.- Foto: Divulgação

A evolução do agronegócio brasileiro, sem dúvidas, tem um significado ímpar para a posição de destaque que o país ocupa no cenário mundial. O aumento da produção brasileira vem se dando muito mais por crescimento da produtividade do que pela expansão da fronteira agrícola e esse é um fator relevante na trajetória do setor. Dos 851 milhões de hectares do território brasileiro, cerca de 66,3% estão cobertos por vegetação nativa. A agropecuária ocupa hoje, cerca de 30,2% do território nacional, sendo 7,8% destinados a produção de grãos, frutas, hortaliças e culturas perenes, 1,2% cobertos por florestas plantadas e 21,2% são destinadas a pastagens com 8% nativas e 13,2% plantadas. Os números em si já são suficientes para se orgulhar e, não somente isso, mas todo o aporte de tecnologia para que essa pegada verde continue progredindo.

O Brasil já ocupa hoje uma posição de mérito no cenário do agronegócio mundial, mas será ainda muito maior se continuar implantando inovações tecnológicas e ampliando a sustentabilidade no agribusiness. Desse modo, entende-se que colocar em prática a sustentabilidade no agronegócio é conseguir aumentar consideravelmente a produção de alimentos, melhorando a segurança alimentar e garantindo que a geração atual e as futuras tenham as suas necessidades supridas.

Preocupada com o bem-estar animal, com a erradicação da fome humana e com a contribuição e respeito ao meio ambiente a Yes, empresa que desenvolve soluções biotecnológicas para uma nutrição animal eficaz, segura e sustentável, traz soluções sustentáveis produzidas a partir de matérias-primas de fontes renováveis, como cana-de-açúcar e a proteína de soja. Em seu complexo industrial, a companhia utiliza fontes orgânicas de energia e vapor que reduzem os danos ao meio ambiente.

Como prova disso, a empresa possui a Patente Verde para produção de minerais orgânicos, o que representa uma tecnologia de inovação com impacto favorável ao meio ambiente. “Esse é um programa instituído pelo INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), no qual uma empresa que se adeque às suas exigências pode solicitar sua inclusão. O mesmo analisa se o seu processo produtivo respeita e contribui com o meio ambiente. Este processo de obtenção de minerais quelatados com aminoácidos de soja está patenteado pela Yes (Patente de Invenção do INPI: BR 10 2015 029707-6)”, comenta o Diretor Técnico Global, Carlos Ronchi.

“Na Yes, sabemos que preservar é agir no presente para garantir o futuro. Falamos disso porque vivenciamos em cada uma das nossas produções”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.