Conectado com
OP INSTAGRAM

Suínos / Peixes Suinocultura

Nutrição avançada de vitamina D melhora desempenho de fêmeas suínas

Suplementação de fêmeas com metabólito bio-ativo de D3 resulta em valor econômico significativo graças à melhora de desempenho ao longo de sua vida produtiva

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Brian Fisker, Rene Bonekamp e Antoine Meuter da DSM Nutritional Products

Com inúmeros aditivos nutricionais à disposição, os suinocultores dispõem de uma crescente variedade de oportunidades para otimizar o potencial genético e a produtividade de seus animais. A rentabilidade dos suínos aumenta quando fêmeas e leitoas produzem um maior número de leitões saudáveis ao longo de sua vida produtiva, o que pode ser influenciado pela otimização da suplementação de vitamina D3.

Ainda que o papel da vitamina D na manutenção da estrutura e saúde ósseas seja amplamente conhecido, os produtores estão se voltando cada vez mais para a vitamina D3 como uma solução mais ampla, que ajuda as fêmeas a expressarem seu pleno potencial reprodutivo. Diversos estudos demonstram que fêmeas mais longevas não só vivem mais tempo, como também produzem e desmamam um maior número de leitões mais pesados por leitegada. Como a rentabilidade depende da otimização da produção e do desempenho das fêmeas, estes efeitos combinados resultam em maior retorno financeiro.

Rentabilidade das fêmeas

A rentabilidade das fêmeas é aumentada quando fêmeas e leitoas produzem mais leitões ao longo de sua vida produtiva. Isto significa manter as fêmeas no rebanho por um número maior de parições, produzindo leitegadas maiores de leitões saudáveis, com peso elevado ao nascimento e ao desmame. É importante que os leitões nasçam com maior peso, pois terão maior probabilidade de apresentar maior ganho de peso e menor mortalidade pré-desmame.

Para expressar seu potencial genético e produzir leitões mais saudáveis, as fêmeas hiperprolíficas exigem maior suporte nutricional de nutrientes vitais como vitaminas e minerais. A vitamina D3 não é bio-ativa por si só e precisa ser metabolizada até sua forma funcional. Em um primeiro passo, o fígado converte a vitamina D3 em 25(OH)D3. O composto final, calcitriol ou 1,25(OH)2D3, é formado então nos rins. Algumas vezes, entretanto, este primeiro passo é suprimido nas fêmeas hiperprolíficas e a vitamina D3 nem sempre é totalmente transformada em sua forma funcional. Desta forma, como a quantidade efetiva de vitamina disponível para o animal é reduzida, os suínos apresentam maior incidência de problemas locomotores devido à mineralização óssea deficiente, desenvolvimento muscular fetal inadequado e contrações musculares menos intensas durante o trabalho de parto. Como consequência, o desempenho e rentabilidade do rebanho são afetados.

Considerando o quadro acima descrito, os suinocultores estão recorrendo ao metabólito bio-ativo de D3 que é prontamente absorvido e utilizado pelo animal. Otimizando a disponibilidade da vitamina D3 Ao incorporar diretamente a forma ativa da vitamina D3, 25(OH)D3, à ração da fêmea, os suinocultores podem evitar os passos metabólicos críticos envolvidos na degradação da vitamina D3 padrão, aumentando assim sua biodisponibilidade.

Um estudo recente realizado pelo centro SEGES (Danish Pig Research Center, Dinamarca), conduzido em um rebanho comercial com 650 fêmeas/ano, teve como objetivo determinar se a inclusão de 50mg de 25(OH)D3 por kg de ração durante todo o período de gestação (correspondendo a 2.000 UI de vitamina D3) poderia aumentar o peso da leitegada ao desmame, se comparada a níveis padrão de vitamina D3 na ração (800 UI por kg de ração).

Foram utilizadas 800 UI de vitamina D3, pois um estudo anterior havia demonstrado um efeito limitado quando o teor de vitamina D3 passava de 800 para 2.000 UI por fêmea. Além disso, o estudo teve como objetivo avaliar se o ganho diário de peso e a mortalidade, indicadores-chave da rentabilidade dos suínos, eram afetados positivamente nos leitões nascidos e criados pelas fêmeas que receberam o metabólito bio-ativo de D3 durante a gestação.

Leitegadas maiores e com maior peso ao desmame

Estudos anteriores indicaram que os leitões de baixo peso ao nascer apresentavam menor ganho de peso, baixa produtividade e maior mortalidade prédesmame, importantes causas de baixa rentabilidade da produção de suínos. Neste estudo, os principais efeitos do metabólito bio-ativo de D3 foram observados entre as leitoas.

Os resultados mostraram que o peso da leitegada foi significativamente mais alto no grupo (19,8 kg em comparação com 18,8 kg no grupo controle) e o peso da leitegada ao desmame foi 3,6 kg maior em comparação com o grupo que recebeu vitamina D3 (Fig. 1).

O ganho da leitegada foi usado como um indicador da produção de leite das fêmeas. Como o peso ao desmame foi maior, os resultados indicam que a vitamina D3 teve um efeito positivo sobre a eficiência reprodutiva ao ajudar as fêmeas a parir mais rapidamente leitões mais sadios, de melhor desempenho e vida mais longa. Isto foi confirmado pelo maior número de leitões desmamados no grupo suplementado.

Elevação dos níveis de vitamina D3

Níveis ideais de vitamina D obtidos através da suplementação com a forma bio-ativa da vitamina D3 permite que as fêmeas atinjam as metas reprodutivas, tenham melhor desempenho ao longo de sua vida produtiva, contribuindo para máxima rentabilidade geral da granja. Este estudo demonstrou claramente que o nível sérico de 25(OH)D3 foi duplicado nas fêmeas que receberam a forma bio-ativa de D3 ao longo de todo o ciclo reprodutivo (Tabela 1) em comparação com o grupo suplementado com vitamina D3. Este resultado é altamente significativo, considerando que as fêmeas foram alimentadas com doses equivalentes de vitamina D3 (2.000 UI por unidade de ração).

A Tabela 2 mostra que fêmeas suplementadas com a forma bio-ativa de D3 durante duas semanas apresentaram níveis séricos de 25(OH) D3 no momento da parição 2,3 vezes maiores que as fêmeas suplementadas com vitamina D3 comum. Além disso, depois de sete semanas de suplementação, os níveis séricos foram 3,2 vezes mais elevados que nas fêmeas do grupo controle (46,7 ng/ml).

Um estudo similar conduzido com fetos de 90 dias mostrou elevação dos níveis de vitamina D3 depois da inclusão do suplemento na ração de gestação das leitoas, em comparação com o uso de vitamina D3 comercial. Os resultados também demonstram aumento de 9,3% no número total de fibras musculares dos fetos, fator que indica leitões saudáveis e fortes.

Além disso, as leitoas suplementadas produziram maior número de leitões de maior peso por leitegada. Outros testes também enfatizaram os efeitos positivos da suplementação sobre outras funções essenciais do organismo, como reprodução, desenvolvimento muscular e modulação da resposta imune, todos fatores importantes e que contribuem para melhora do desempenho do plantel.

Conclusão

Podemos concluir que a suplementação de fêmeas com metabólito bio-ativo de D3 resulta em valor econômico significativo graças à melhora de desempenho ao longo de sua vida produtiva. É evidente que a vitamina D desempenha um papel-chave para melhor desempenho, sustentabilidade e rentabilidade das fêmeas, além de beneficiar a saúde e o ganho de peso dos leitões.

Os suinocultores estão sempre buscando novas soluções que permitam otimizar a saúde e a produtividade de fêmeas hiperprolíficas. Estudos recentes suportam o uso metabólito bio-ativo de D3 eleva os níveis séricos de vitamina D, que resulta em produção de leitegadas com maior número de leitões mais viáveis, com maior peso ao nascer e ao desmame.

Já está comprovado que essa suplementação é a forma mais biodisponível de vitamina D, garantindo maior eficiência de assimilação do metabólito 25(OH)D3, resultando em esqueleto mais forte e saudável, animais mais produtivos, chave para maior rentabilidade dos rebanhos.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 1 =

Suínos / Peixes Suinocultura

ABCS lança campanha “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”

Campanha conta com selo e jingle, além de amplo material publicitário que terá como foco o aumento do consumo da carne suína pelo brasileiro

Publicado em

em

Divulgação

De forma inédita, a Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) lançou nesta sexta-feira (09) uma campanha nacional para a promoção de carne suína junto aos pequenos e médios varejistas. A campanha é intitulada “Carne de porco: bom de preço, bom de prato”. O trabalho foi pensado em consonância com os desafios econômicos enfrentados pelos brasileiros nos últimos anos, que fizeram com que as práticas de consumo e hábitos alimentares fossem repensadas.

De acordo com a diretora de Marketing e Projetos da ABCS, Lívia Machado, a carne suína tem conquistado mais espaço na mesa dos consumidores brasileiros, especialmente agora com o aumento expressivo da carne bovina. “O brasileiro tem a tradição de comer carne bovina porque ela sempre foi a proteína mais barata. Agora, com este aumento que vemos que vem acontecendo, nós podemos aproveitar o momento em que o preço é algo essencial para o brasileiro, mostrando uma alternativa de proteína para consumir”, conta.

Segundo dados mostrados pela diretora, enquanto no mundo outros países consomem 45 quilos per capita de carne suína (43%) o Brasil consome apenas 17 quilos per capita (15%). “Então nós precisamos trabalhar muito para mudar isso. Dessa forma, baseado nisso tudo, lançamos essa campanha inédita da ABCS e do FNDS (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura) para alcançar o pequeno e o médio varejo”, diz.

Como a ABCS já conta com diversas outras campanhas com parceria com grandes parceiros do varejo, como Grupo BIG e o GPA, esta visa exclusivamente os pequenos varejos. Além disso, a parceria é para que associações estaduais e demais parceiros também sejam adeptos dessa nova campanha para incentivar o consumo da carne suína.

Lívia explica que a escolha em colocar “carne de porco” ao invés de “carne suína” é que, segundo uma pesquisa realizada, a maioria dos brasileiros conhecem a proteína como carne de porco. “Queremos dessa forma aproximar a campanha ainda mais do consumidor”, informa.

Selo e jingle

Para complementar a campanha que está sendo lançada, foi criado um selo e um jingle, além de um amplo material publicitário para ser divulgado nos comércios e redes sociais. A campanha irá atuar em diversas frentes midiáticas como PDV, redes sociais e diversas mídias digitais com uma linguagem visual e popular em conjunto com textos leves e informativos, que irão instigar a alternativa suína como melhor opção para qualquer hora.

Os pilares dessa comunicação são quatro frentes de conteúdo: economia, comparativos de cortes, bom humor e um foco especial em churrasco. Além disso, a campanha vem assinada por um selo de qualidade que acompanha todas as peças. Todo o Sistema ABCS, associações regionais, estaduais e contribuintes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (FNDS), estarão unidos e engajados.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Mercado

Produção de suínos e frangos deve manter estabilidade no mercado interno de carnes

Índice tende a superar quantidade registrada em 2020, quando país teve 14,68 milhões de toneladas de frangos e 4,25 milhões de toneladas de suínos produzidos

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A quantidade de carnes disponível no mercado interno permanece dentro de uma estabilidade, apesar das variações existentes. De acordo com o quadro de suprimentos do produto, atualizado na quarta-feira (07) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de suínos e aves apresentou crescimento nos últimos anos, garantindo o abastecimento. Para 2021, a estimativa é de um novo recorde na produção de frangos e suínos, chegando a 14,76 milhões de toneladas e 4,35 milhões de toneladas, respectivamente. O índice tende a superar a quantidade registrada em 2020, quando o país teve 14,68 milhões de toneladas de frangos e 4,25 milhões de toneladas de suínos produzidos.

Esses aumentos compensam a ligeira redução verificada para bovinos, com uma produção esperada próxima a 8,31 milhões de toneladas neste ano, volume pouco abaixo do consolidado em 2020. Com isso, a disponibilidade interna total de carnes, somando aves, suínos e bovinos se manteve estável em 2020, na comparação com o ano anterior. Tendência que deve se repetir em 2021, uma vez que a expectativa aponte para uma leve redução no volume total ofertado, em torno de 1%.

No caso da avicultura de corte, a distribuição per capita do alimento tende a manter a estabilidade, atingindo os patamares mais elevados desde o início da série histórica, iniciada em 1996. Se em 2020 o índice esteve em 49,9 quilos por habitante por ano, em 2021 a estimativa está em 49,7 quilos. A ligeira queda é explicada pela expectativa de aumento tanto das exportações como da população brasileira. Só as vendas para o mercado externo devem chegar a 4,15 milhões de toneladas neste ano, podendo superar o volume embarcado do produto em 2020, quando foram destinados 4,12 milhões de toneladas ao exterior.

Para a carne suína, a disponibilidade interna se mantém acima de 15 quilos por habitante no ano. O resultado é atingido mesmo com o aumento de 34,7% nas exportações em 2020, superando 1 milhão de toneladas. Para este ano, a tendência é que as vendas para o exterior se mantenham em patamares elevados, sendo a China o principal consumidor.

Já o setor de carnes bovinas registra aumento significativo nas exportações nos últimos anos. Se compararmos o volume comercializado para fora do país em 2017 com o registrado em 2020, há um aumento de aproximadamente 37%, o que representa 723,7 mil toneladas a mais embarcadas. “Se analisarmos os dados a partir de 2015, percebe-se tendência de crescimento nas exportações e manutenção na oferta interna até o ano de 2018. A partir de 2019, a taxa de disponibilidade interna vem apresentando ligeiras reduções, muito em função dos abates de matrizes em anos recentes”, explica o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Sergio De Zen.

“Entre outros fatores que explicam essa diminuição, vale lembrar que, em meados de 2018, a China, maior consumidor de carnes no mundo, e responsável por praticamente metade do consumo de carne suína, registrou um surto de peste africana, que desequilibrou a oferta e demanda internacional do produto, gerando pressão em vários mercados”, ressalta De Zen.

“Devido ao curto ciclo de produção, as aves respondem mais rapidamente às flutuações de mercado. Já o processo de produção de carne suína e bovina tende a ter um tempo maior de adaptação, influenciando em nosso mercado. Além desse tempo necessário de ajuste entre oferta e demanda, com maiores quantidades exportadas, observa-se que outros importantes países, como Argentina, Austrália e a União Europeia, têm apresentado uma diminuição no consumo de carne bovina”, explica.

Os números da Companhia acompanham o cenário verificado pela Pesquisa de Abates de Animais divulgada trimestralmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostrou uma queda de 8,5% no abate de bovinos em 2020, enquanto de frangos e suínos atingiram os maiores níveis, totalizando novos recordes de 6 bilhões e 49,3 milhões de abates, respectivamente.

Metodologia

O cálculo de produção de carne bovina tem como base as informações da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais e da Pesquisa Trimestral do Couro, ambas divulgadas pelo IBGE. A partir da obtenção de dados de abate e peso médio de cada tipo de rebanho (bois, vacas, novilhos e novilhas), e considerando os dados de abates aparentes de cada tipo é obtido a produção de carne para cada tipo de rebanho.

Fonte: Conab
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suínos

Três passos para transformar a água da sua granja

Veja três passos principais para transformar a água de bebida de qualquer granja em um nutriente de alto valor e resultado

Publicado em

em

Foto: Divulgação MS Schippers

Autoria: equipe técnica MS Schippers Brasil. Acesse o #msblog para ler mais artigos como este.

Além da limpeza (tratamento) da água, estratégias como a acidificação aumentam a ingestão de água pelos animais contribuindo para que eles consumam mais ração e ganhem mais peso. Veja abaixo os três passos principais para transformar a água de bebida de qualquer granja em um nutriente de alto valor e resultado:

1) Estrutura do sistema de abastecimento

O primeiro passo para uma água de boa qualidade é a avaliação da estrutura das instalações, como por exemplo o material dos canos utilizados, o diâmetro desses canos, o tipo e posição das caixas d’água, a presença de pontos de acúmulo de biofilme na linha, entre outros. Quando tudo isso está ajustado, a vazão e pressão da água são mais adequadas para prevenir a formação de biofilme e suprir a necessidade dos animais ao longo do dia.

2) Tratamento

Uma vez ajustada a estrutura, o segundo passo é garantir que a água captada se torne potável para consumo dos animais ao final da linha, lá nas chupetas. Isso é importante pois nem sempre a fonte de água é um problema, mas sim o trajeto que ela percorre pelos canos contaminados até chegar aos animais (especialmente quando se utiliza aditivos via água de bebida). Nós já falamos aqui no blog sobre os 3 tipos de tratamento mais comuns para desinfetar a água e as diferenças entre eles, clique aqui para ler essa matéria. Reforçamos também que é importante conhecer a natureza da água na fonte para avaliar a presença de metais em excesso ou a necessidade de instalação de filtros específicos (como a estação de filtragem Dosamax 40).

3) Acidificação

Por fim, mas não menos importante, quando a água de bebida já está limpa e descontaminada, podemos torná-la um ingrediente ainda melhor para a nutrição dos suínos e aves através da acidificação. Reduzir o pH da água é importante para otimizar a digestão e saúde intestinal, além da própria ingestão pelos animais. Essa estratégia, no entanto, só trará resultados concretos quando a água em si estiver livre de biofilme e contaminantes que causem diarreias nos animais, entre outras doenças.

Fale com a nossa equipe e agende uma visita na sua granja para avaliar o sistema de água. Este pode ser um desafio de biosseguridade que passa despercebido e reduz os seus resultados e lucros.

Acesse o blog da MS Schippers para ler mais posts sobre biosseguridade, qualidade da água de bebida, limpeza e desinfecção, e manejo de suínos. Trabalhar com higiene é a melhor forma de trazer mais resultados e lucros.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.