Conectado com

Notícias

Leite: Perspectivas e mercado internacional

O setor leiteiro acredita que as incertezas do mercado serão reduzidas quando a região Sul ingressar no mercado internacional

Publicado em

em

A expectativa de normalização dos fornecedores e compradores de leite, depois dos estragos registrados com a greve dos caminhoneiros deixa o setor animado com os resultados para o segundo semestre. O setor leiteiro acredita que as incertezas do mercado serão reduzidas quando a região Sul ingressar no mercado internacional. Seja pela qualidade do rebanho ou por abrigar grandes indústrias que permitam a exportação de produtos lácteos para inúmeros países, a perspectivas são positivas. Mas o mercado tem muito a fazer.

As diretrizes desse plano de crescimento, tecnificação e preparação serão discutidas no painel que abre o Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite de 06 a 08 de novembro em Chapecó.  Debates no coração da bacia leiteira que mais cresce na Região Sul. Hoje, Santa Catarina é o quarto produtor nacional, com  3,059 bilhões de litros ao ano. O ponto positivo é que praticamente todos os estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais. O oeste catarinense responde por 75% da produção. Os 80.000 produtores de leite (dos quais, 60.000 são produtores comerciais) geram 9 milhões de litros/dia, mas a capacidade industrial está estruturada para processar até 10 milhões de litros de leite/dia.

Seguindo a tradição do Simpósio Brasil Sul de Avicultura, que há duas décadas reúne profissionais e especialistas em Chapecó, e do Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, que chegou a décima primeira edição ente ano, o Nucleovet foca energias no Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite. O evento técnico que acontece em paralelo com a feira de negócios Milk Fair, reúne a cada ano mais e mais empresas e público, e já ocupa o posto de maior evento técnico anual de Bovinocultura de Leite da Região Sul, com mais de 600 participantes na última edição em 2017.

A oitava edição que será realizada de 06 a 08 de novembro no Centro de Cultura e Eventos Plinio Arlindo De Nês já tem entre as empresas confirmadas gigantes como Bayer, Cargill, Biorigin, Alltech, MSD, Phileo, Neovia/Wisium, DNA, Evonik, Imeve, Oligobasics, Safeeds, MTS Distribuidora, Multirural, Valle, Bentonita entre outras empresas em fechamento para Milk Fair.

Em entrevista, o presidente do NUCLEOVET, Rodrigo Toledo, comenta a evolução dos eventos e o compromisso de transformar Chapecó em um polo na difusão de tecnologia na produção leiteira.

 

Qual o foco do NUCLEOVET em promover os simpósios técnicos anuais?

Rodrigo Toledo – O objetivo do Nucleovet é além de promover a integração dos Médicos Veterinários e Zootecnistas, promover também a formação continuada para esses profissionais. Esse processo ganhou força há 20 anos quando foi realizado o primeiro Simpósio Brasil Sul de Avicultura, hoje consolidado como o principal evento técnico da Avicultura Latino americana. O mesmo aconteceu com a suinocultura, na qual o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, hoje na sua 11ª edição, também se consolidou como o maior evento técnico de suinocultura da América Latina. Agora é a vez do leite como atividade em desenvolvimento.

 

O SBSBL chega a oitava edição já consolidado como um dos principais fóruns de discussão da cadeia?

Rodrigo Toledo – O Nucleovet promoveu no ano de 2003 o primeiro Simpósio Brasil Sul de Bovinos de Leite, evento que ocorreu também nos anos de 2006, 2008, 2013 e 2014. A partir de 2015 o evento anual ganhou uma feira de negócios, a Milk Fair e entrou definitivamente para o calendário do setor. Atento ao aumento da atividade leiteira no estado, que cresceu cerca de 82% nos últimos 10 anos, sendo cerca de 70% desse aumento no oeste do estado, com a consequente instalação de novos laticínios e mesmo o aumento da capacidade de processamento das indústrias que já atuavam no setor, o NUCLEOVET vem investindo cada vez  mais em programação rica e palestrantes de renome internacional, reconhecidos como autoridades em suas áreas.

 

O oeste catarinense vem se transformando em um polo produtivo importante em qualidade e quantidade, isso se traduz em oportunidades?

Rodrigo Toledo – Esse aumento na produção tornou o oeste catarinense um polo nacional da produção leiteira e, como consequência, um polo de profissionais do setor na região. Atento a isso e mobilizando esses profissionais, o Nucleovet decidiu por tornar o evento anual a partir de 2016 dando ao SBSBL o formato já consagrado dos eventos de avicultura e suinocultura com o objetivo de tornar Chapecó também um polo na difusão de tecnologia na produção leiteira, como acontece com avicultura e suinocultura.

 

 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + três =

Notícias Santa Catarina

Frente parlamentar da Suinocultura será lançada na ALESC

Intenção é promover o desenvolvimento e o fortalecimento da atividade

Publicado em

em

Divulgação

Com o objetivo de discutir os principais desafios da Suinocultura Catarinense, será lançada na próxima terça-feira (23), a Frente Parlamentar da Suinocultura. Requerida pelo deputado estadual Altair Silva, a frente será lançada na Sala das Comissões da Alesc, às 17h30, com a presença de produtores e autoridades ligadas ao setor.

Conforme Altair Silva, uma das ações da frente será a constituição de um grupo de trabalho, composto por representantes dos produtores, das agroindústrias, das cooperativas, e das entidades ligadas ao setor, como a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), para discutir as principais reivindicações.

O presidente da ACCS, Losivanio de Lorenzi, reitera que a Frente será uma importante ligação direta do setor com as políticas públicas, já que é possível unir forças para lutar por melhores condições no campo. “Um grupo de trabalho composto por representantes de diversas entidades simboliza mais representatividade ao setor. Ganhamos força para tirar do papel as principais reivindicações dos nossos suinocultores, que já enfrentam tantas dificuldades e merecem atenção do poder público”, declara.

Santa Catarina é destaque na produção de suínos, porque mesmo tendo apenas 1,12% do território nacional, representa 26% da produção brasileira com 12,5 milhões de suínos produzidos anualmente para abate industrial. O Estado responde ainda por mais de um terço dos abates totais e por 40% dos abates industriais.

Tendo como principais parceiros comerciais a China, Hong Kong, Chile, Argentina e Rússia, Santa Catarina é responsável por mais de 40% das exportações brasileiras. “Somos referência quando o assunto é proteína animal. O Estado é o maior produtor e exportador nacional de carne suína, e isso se deve ao trabalho de todos na cadeira produtiva”, comenta Altair.

Para 2020 a expectativa é que o número de cabeças cresça entre 10% e 12%, chegando a 14,5 milhões de cabeças/ano e um plantel permanente de 500 mil matrizes no campo. Essa grande produção reflete no âmbito social, são 13 mil criadores integrados às agroindústrias e independentes, com mais de 65.000 empregos diretos e 145.000 indiretos gerados somente no território barriga-verde.

ICMS agora é Lei

Através da aprovação do projeto 28/2019 que reinstituí benefícios fiscais relativos ao ICMS para alguns segmentos econômicos, a alíquota do suíno vivo, de 12% passou a receber uma redução de 50% na base do cálculo, ficando por lei, garantido uma alíquota fixa em 6% do ICMS sobre a venda de suínos.

O setor já era beneficiado em Santa Catarina, mas até então por decreto, que reduzia de 12% para 6% o ICMS para a venda de suínos vivos originários de Santa Catarina. Agora, o valor se iguala ao valor aplicado no Rio Grande do Sul.
“A aprovação desse projeto é uma grande conquista para a suinocultura. Através de uma proposta oriunda do Governo do Estado e com a nossa articulação conseguimos acelerar a aprovação aqui na ALESC, o que vai garantir um suporte aos suinocultores e competitividade na produção”, comentou Altair.

Segundo o presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, “Essa medida beneficia o pequeno produtor, a agricultura familiar, e principalmente o produtor independente que teve nos últimos 5 anos muita dificuldade. Assim, podemos olhar um futuro mais promissor e com estabilidade”, afirmou Losivanio.

Frente Parlamentar

O requerimento foi assinado também pelos deputados, Ivan Naatz, Coronel Mocellin, Fabiano da Luz, Fernando Krelling, Marcius Machado, Marcos Vieira, Marlene Fengler, Sérgio Motta, Milton Hobus, Moacir Sopelsa e Nazareno Martins.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Leite 4.0

Cotrijal avança em tecnologia de monitoramento de rebanhos

Com a coleta individual de dados, o objetivo é garantir o bem-estar animal e a lucratividade

Publicado em

em

Divulgação

Na era do agronegócio 4.0, em que a tecnologia está a serviço das propriedades para garantir maior eficiência, a Cotrijal apresenta aos produtores de leite um sistema de monitoramento dos rebanhos. O funcionamento do SenseHub foi demonstrado em encontro na quarta-feira (17), na Associação dos Funcionários, em Não-Me-Toque, reunindo produtores e técnicos do Departamento Veterinário.

Com a coleta individual de dados, o objetivo é garantir o bem-estar animal e a lucratividade. O equipamento fica preso ao animal através de um colar ou brinco, avaliando e gerando informações importantes sobre reprodução, saúde e nutrição. São gerados de hora em hora relatórios de cio, de vacas com cio irregular, de suspeita de aborto, de vacas em anestro, de saúde geral do animal e alertas de dificuldades.

“Todas estas informações chegam ao produtor através de um aplicativo no celular ou computador, de maneira simples, didática e fácil de visualizar, para que ele possa tomar a atitude correta no momento certo. O monitoramento animal vem para facilitar a vida do produtor rural, vendo o cio quando ninguém está olhando, observando se o animal está ficando doente, o quanto está comendo e se está em estresse calórico, por exemplo”, revelou Jerônimo Silveira Ribeiro, médico veterinário da empresa Allflex.

Suporte para aquisição

Os produtores interessados em instalar o sistema na sua propriedade contarão com o apoio da Cotrijal. A cooperativa atuará com um aporte financeiro para a aquisição e o produtor pagará uma taxa mensal pelo uso. Interessados devem procurar o seu veterinário.

Rebanhos monitorados, resultado multiplicado

“Queremos oportunizar aos produtores o acesso a uma tecnologia que tem dado resultados muito positivos na reprodução, que é um dos principais problemas das propriedades. Com a gestão de comportamento, poderemos melhorar a taxa de serviço e evoluir em concepção e taxa de prenhez. Isso é sinônimo de mais leite e mais lucro”, apontou Renne Granato, gerente de Produção Animal da Cotrijal.

Resultados otimistas

Mais de cinco milhões de vacas utilizam o equipamento em mais de 50 países, com resultados bastante satisfatórios no Brasil: as taxas de serviços ultrapassam os 65%; e a taxa de prenhez está acima de 20%.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

EUA esperam abocanhar 80% da cota livre de tarifa para trigo do Brasil

Atualmente, os EUA fornecem cerca de 300 mil a 400 mil toneladas em um ano normal

Publicado em

em

Cleverson Beje

A US Wheat Associates, grupo que representa a indústria de trigo dos Estados Unidos, busca ficar com 80% da cota de importação de trigo livre de tarifa de 750 mil toneladas do Brasil, disse Vince Peterson, presidente do grupo. Peterson lidera uma delegação de produtores e comerciantes de trigo dos EUA que visitam moinhos brasileiros de trigo e processadores de alimentos esta semana, para avaliar o potencial de vendas para os próximos meses, quando a cota livre de tarifas para compras de fora do Mercosul for implementada.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, anunciou a cota livre de tarifas durante sua visita a Washington no mês passado. Ela também se aplica a outros fornecedores, como a Rússia. Atualmente, qualquer venda de trigo dos EUA para o Brasil, um dos maiores importadores mundiais do cereal, está sujeita a uma tarifa de importação de 10%, enquanto as vendas argentinas entram sem impostos, uma vez que o país integra o Mercosul. “Isso faz a diferença. Dez por cento em uma commodity de US$ 250 por tonelada é um diferencial bastante significativo para os compradores”, disse Peterson à Reuters, na quarta-feira (17).

Os Estados Unidos são fornecedores de trigo ao Brasil de longa data. Costumavam vender quantidades muito grandes nos anos 60 e 70. Naquela época, lembrou Peterson, o país sul-americano comprava tanto trigo duro (HRW, vermelho duro de inverno) que o produto era conhecido no mercado como “Brazil spec”. Com a crescente produção da Argentina, associada à vantagem do Mercosul, o país vizinho ficou com o maior mercado.

Atualmente, os EUA fornecem cerca de 300 mil a 400 mil toneladas em um ano normal. Isso pode aumentar muito se a safra brasileira ou argentina tiver problemas. O Brasil importa cerca de 6 milhões de toneladas de trigo por ano, aproximadamente metade do seu consumo. Apesar de ser uma potência agrícola, o país carece de áreas suficientes com o clima temperado ideal para o cultivo de trigo.

Peterson espera competição por essa cota livre de tarifas, particularmente da Rússia, que expandiu sua presença no mercado global de trigo nos últimos anos com o aumento da produção e os preços relativamente baixos. Ele acha que o produto dos EUA, no entanto, tem vantagens tanto em logística quanto em qualidade. “Os moinhos brasileiros estão acostumados com o nosso produto, sabem muito bem como trabalhar com suas especificações”, afirmou.

O Ministério da Economia do Brasil está finalizando a regulamentação sobre a cota. A Abitrigo, uma associação local de moinhos de trigo, espera que ela possa ser implementada em breve, para que os processadores brasileiros possam ter mais opções no mercado.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Conbrasul 2019
Abraves
Facta 2019
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.