Conectado com

Notícias

Leite: Perspectivas e mercado internacional

O setor leiteiro acredita que as incertezas do mercado serão reduzidas quando a região Sul ingressar no mercado internacional

Publicado em

em

A expectativa de normalização dos fornecedores e compradores de leite, depois dos estragos registrados com a greve dos caminhoneiros deixa o setor animado com os resultados para o segundo semestre. O setor leiteiro acredita que as incertezas do mercado serão reduzidas quando a região Sul ingressar no mercado internacional. Seja pela qualidade do rebanho ou por abrigar grandes indústrias que permitam a exportação de produtos lácteos para inúmeros países, a perspectivas são positivas. Mas o mercado tem muito a fazer.

As diretrizes desse plano de crescimento, tecnificação e preparação serão discutidas no painel que abre o Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite de 06 a 08 de novembro em Chapecó.  Debates no coração da bacia leiteira que mais cresce na Região Sul. Hoje, Santa Catarina é o quarto produtor nacional, com  3,059 bilhões de litros ao ano. O ponto positivo é que praticamente todos os estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais. O oeste catarinense responde por 75% da produção. Os 80.000 produtores de leite (dos quais, 60.000 são produtores comerciais) geram 9 milhões de litros/dia, mas a capacidade industrial está estruturada para processar até 10 milhões de litros de leite/dia.

Seguindo a tradição do Simpósio Brasil Sul de Avicultura, que há duas décadas reúne profissionais e especialistas em Chapecó, e do Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, que chegou a décima primeira edição ente ano, o Nucleovet foca energias no Simpósio Brasil Sul de Bovinocultura de Leite. O evento técnico que acontece em paralelo com a feira de negócios Milk Fair, reúne a cada ano mais e mais empresas e público, e já ocupa o posto de maior evento técnico anual de Bovinocultura de Leite da Região Sul, com mais de 600 participantes na última edição em 2017.

A oitava edição que será realizada de 06 a 08 de novembro no Centro de Cultura e Eventos Plinio Arlindo De Nês já tem entre as empresas confirmadas gigantes como Bayer, Cargill, Biorigin, Alltech, MSD, Phileo, Neovia/Wisium, DNA, Evonik, Imeve, Oligobasics, Safeeds, MTS Distribuidora, Multirural, Valle, Bentonita entre outras empresas em fechamento para Milk Fair.

Em entrevista, o presidente do NUCLEOVET, Rodrigo Toledo, comenta a evolução dos eventos e o compromisso de transformar Chapecó em um polo na difusão de tecnologia na produção leiteira.

 

Qual o foco do NUCLEOVET em promover os simpósios técnicos anuais?

Rodrigo Toledo – O objetivo do Nucleovet é além de promover a integração dos Médicos Veterinários e Zootecnistas, promover também a formação continuada para esses profissionais. Esse processo ganhou força há 20 anos quando foi realizado o primeiro Simpósio Brasil Sul de Avicultura, hoje consolidado como o principal evento técnico da Avicultura Latino americana. O mesmo aconteceu com a suinocultura, na qual o Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, hoje na sua 11ª edição, também se consolidou como o maior evento técnico de suinocultura da América Latina. Agora é a vez do leite como atividade em desenvolvimento.

 

O SBSBL chega a oitava edição já consolidado como um dos principais fóruns de discussão da cadeia?

Rodrigo Toledo – O Nucleovet promoveu no ano de 2003 o primeiro Simpósio Brasil Sul de Bovinos de Leite, evento que ocorreu também nos anos de 2006, 2008, 2013 e 2014. A partir de 2015 o evento anual ganhou uma feira de negócios, a Milk Fair e entrou definitivamente para o calendário do setor. Atento ao aumento da atividade leiteira no estado, que cresceu cerca de 82% nos últimos 10 anos, sendo cerca de 70% desse aumento no oeste do estado, com a consequente instalação de novos laticínios e mesmo o aumento da capacidade de processamento das indústrias que já atuavam no setor, o NUCLEOVET vem investindo cada vez  mais em programação rica e palestrantes de renome internacional, reconhecidos como autoridades em suas áreas.

 

O oeste catarinense vem se transformando em um polo produtivo importante em qualidade e quantidade, isso se traduz em oportunidades?

Rodrigo Toledo – Esse aumento na produção tornou o oeste catarinense um polo nacional da produção leiteira e, como consequência, um polo de profissionais do setor na região. Atento a isso e mobilizando esses profissionais, o Nucleovet decidiu por tornar o evento anual a partir de 2016 dando ao SBSBL o formato já consagrado dos eventos de avicultura e suinocultura com o objetivo de tornar Chapecó também um polo na difusão de tecnologia na produção leiteira, como acontece com avicultura e suinocultura.

 

 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =

Notícias Tarifa Rural

Produtor rural deve recadastrar unidades consumidoras até o fim deste ano

Faesc orienta produtor rural a atualizar informações junto a Celesc

Publicado em

em

Divulgação

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) orienta aos produtores rurais catarinenses que efetuem o recadastramento de suas unidades consumidoras de energia elétrica junto a Celesc para garantir o benefício da Tarifa Rural. O cadastro deve ser renovado até o dia 13 de dezembro deste ano para garantir o benefício. A exigência é da Resolução nº 800/2017 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

As reduções cumulativas da Tarifa Rural são de 10% a 30% na conta de luz dos agricultores pertencentes a dois grupos de unidades de consumo: os de fornecimento de alta tensão (acima de 2,3KV), enquadrados no “Grupo A Rural”, e os de baixa tensão (abaixo de 2,3 KV), classificados como “Grupo B Rural”.

Em Santa Catarina 75.634 consumidores rurais deverão se recadastrar enviando a documentação pelo e-mail recadastramentorural@celesc.com.br ou se deslocando até uma Loja de Atendimento da Celesc. A companhia de energia elétrica já emitiu, nas faturas, a informação para aqueles que necessitam se recadastrar. Deverão efetuar o recadastramento todas as unidades consumidoras da Classe Rural cadastradas como agropecuária, aquicultura, agroindústria e residências rurais.

Deste modo, os produtores rurais devem verificar nas faturas de energia elétrica se estão na lista de recadastramento e, em caso positivo, providenciarem o recadastramento até 13 de dezembro de 2019  evitando a retirada do benefício da tarifa rural.

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, destaca que os Sindicatos Rurais vinculados a Faesc podem emitir a declaração para os produtores rurais comprovando o enquadramento como rural. “Quanto ao conteúdo da certidão, deve constar, caso o sindicato possua essa informação, que a pessoa sindicalizada possui atividade agrícola ou pecuária, ou que é trabalhador nesta área. Os sindicatos não devem emitir declaração para quem não seja sindicalizado ou de quem não possuam informações”, explica.

Documentação

Os documentos necessários para o recadastramento de Pessoa Física são: CPF, Carteira de Identidade ou outro documento de identificação oficial com foto, Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) no caso de indígenas.

Para Pessoa Jurídica os documentos são: Cartão do CNPJ, se for uma LTD a última alteração do Contrato Social Consolidado ou Contrato Social e as alterações existentes, se for empresa individual formulário de empresário individual, se for associação/condomínios/sociedades anônimas é necessário o estatuto social e ata com eleição da última diretoria, além de RG e CPF de representante.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Consumo mostra fraqueza e preço do suíno volta a declinar no Brasil

Movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína voltou a registrar queda nos preços ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o ambiente de negócios entre o atacado e varejo foi dominado por um sentimento de cautela, com agentes avaliando que a demanda evolui de maneira tímida.

Maia ressalta que o movimento de alta das últimas semanas foi intenso e há dificuldade na absorção na ponta final de consumo. “Além disso, as famílias estão pouco capitalizadas, o que deve inibir o consumo no decorrer da segunda quinzena de julho. Deste modo, o alto fluxo de exportação seguirá como fator chave para o ajuste da disponibilidade e sustentação dos preços domésticos”, sinaliza.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 4,65, queda de 1,55% em relação à semana passada, de R$ 4,72. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,95, baixa de 0,54% frente aos R$ 7,99 praticados na semana anterior. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,89, baixa de 1,25% frente à semana anterior, de R$ 7,99.

Maia afirma que os números dos embarques de carne suína podem ser considerados bons neste começo de julho, muito próximos aos registrados no mês passado, por conta da boa demanda por parte da China, que segue enfrentando um severo surto de peste suína africana.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 60,7 milhões em junho (9 dias úteis), com média diária de US$ 6,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 26,4 mil toneladas, com média diária de 2,9 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.299,30.

Em relação a junho, houve baixa de 0,1% na receita média diária, ganho de 0,1% no volume diário e recuo de 0,1% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve aumento de 40,3% no valor médio diário exportado, incremento de 13% na quantidade média diária e ganho de 24,1% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 100, recuo frente aos R$ 103 na semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,70. No interior a cotação no estado baixou de R$ 4,85 para R$ 4.70. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração continuou em R$ 3,70. No interior catarinense, a cotação recuou de R$ 4,90 para R$ 4,80. No Paraná o quilo vivo baixou de R$ 5 para R$ 4,95 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo continuou em R$ 3,75.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 3,70 para R$ 3,72, enquanto em Campo Grande o preço permaneceu em R$ 3,90. Em Goiânia, o preço continuou em R$ 5,70. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno retrocedeu de R$ 5,90 para R$ 5,70. No mercado independente mineiro, o preço também caiu de R$ 5,90 para R$ 5,70. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis se manteve em R$ 4,45. Já na integração do estado a cotação seguiu em R$ 3,70.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi gordo caem apesar de postura defensiva do pecuarista

Mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços mais baixos na terceira semana de julho nas principais regiões produtoras do país. “A pecuária de corte foi marcada por seguidos testes no decorrer da semana. No entanto, os produtores relutaram em negociar boiadas nos preços ofertados e optaram por reter a oferta. Com isso, o fluxo de negócios foi pouco representativo ao longo da semana”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Já a carne bovina no atacado teve preços pouco alterados, sem grande espaço para reação até a virada de mês, uma vez que as últimas semanas sempre são marcadas por queda no consumo com a descapitalização do brasileiro médio. Enquanto isso, permanece boa a perspectiva para as exportações brasileiras com o surto de peste suína na China.

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 18 de julho:

  • São Paulo (Capital) – R$ 152 a arroba, contra R$ 155 a arroba em 11 de julho.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 140 a arroba, ante R$ 143 a arroba.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 145 a arroba, contra R$ 148 a arroba.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 141 a arroba, ante R$ 145 a arroba.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 142 a arroba, estável.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 190,7 milhões em julho (9 dias úteis), com média diária de US$ 21,2 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 49 mil toneladas, com média diária de 5,4 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 3.890,70.

Na comparação com junho, houve baixa de 6,5% no valor médio diário da exportação, perda de 7,2% na quantidade média diária exportada e alta de 0,8% no preço. Na comparação com julho de 2018, houve perda de 15,1% no valor médio diário, baixa de 8,4% na quantidade média diária e recuo de 7,3% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
AB VISTA Quadrado
Evonik Aminonir
TOPIGS – BRASIL PORK EVENT 2019
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.