Conectado com
O Presente Rural Youtube

Empresas Mercado

Kemin prevê ano de recordes para grãos e proteína animal

O presidente da Kemin na América do Sul, João Gomes, destaca cenário de demanda aquecida e preços firmes para milho, soja, carne bovina, leite, carne suína e de frango, mas alerta para a importância de manter a eficiência produtiva para garantir a rentabilidade do produtor  

Publicado em

em

Presidente da Kemin na América do Sul, João Marcelo Gomes - Foto: Divulgação

O mercado de proteína animal está aquecido e favorável para agroindústrias e pecuaristas brasileiros. O bom momento das exportações aliado a um consumo interno em alta tem garantido preços remuneradores aos produtores de suínos, bovinos e aves. Entretanto, os elevados patamares dos custos de produção, especialmente falando do milho e da soja, principais insumos da dieta animal e que podem representar até 70% dos custos do produtor, exigem estratégias nutricionais para melhor desempenho, como a adoção de medidas que aumentem a capacidade dos animais em transformar a dieta em mais carne e leite e, consequentemente, garantir maior rentabilidade ao produtor. Essa é a avaliação do médico veterinário e presidente da Kemin na América do Sul, João Marcelo Gomes, que acredita em demanda ainda maior no mercado doméstico diante da reabertura de bares e restaurantes, além de uma demanda crescente e sólida do mercado externo, considerando o mercado chinês.

A pecuária de corte e leite, avalia Gomes, apresenta o melhor mercado nos últimos anos. “Os segmentos de corte e leite estão indo super bem neste ano. O preço do boi vem atingindo recorde semana após semana em uma crescente. As exportações brasileiras continuam muito positivas, ao contrário do que boa parte do mercado esperava, e as perspectivas são de manutenção desse cenário”, pontua. “O consumo interno está bom, o abate aquecido, então, apesar de todos os problemas com a Covid, estamos exportando e os abates estão em alta”, emenda.

Para o presidente da Kemin, empresa gigante no fornecimento de matéria-prima para dietas no agro mundial, “o ponto de atenção é a lucratividade”. “Os produtores precisam encontrar soluções para melhorar lucratividade, especialmente o confinador”, sugere. Isso porque, na avaliação de Gomes, os custos de produção aumentaram para o frigorífico e para o produtor, puxados pelos custos do milho e farelo de soja. “Não vejo perspectiva de curto prazo de queda no preço do boi, mas é preciso atenção aos custos de produção”, diz. Entre as alternativas para diluir custos estão investimento em nutrições mais eficientes, que fazem o animal produzir mais com menos insumos.

Gomes comenta que o leite chegou a um patamar de preços que ninguém imaginava no início da pandemia. “Nem as melhores perspectivas esperavam este preço firme e crescente na entressafra, com patamares bem mais elevados em comparação com o ano passado”, cita. No entanto, destaca que “o preço pago ao produtor é melhor, mas há uma alta de custos ainda que o preço de venda sustente a atividade”. Para o executivo, o consumo das famílias ajudou a fomentar a cadeia do leite com as crianças em casa. Ainda de acordo com Gomes, as perspectivas até o fim do ano são animadoras. “O preço do leite não vai cair tanto, pois temos uma demanda estável”, aponta.

 

Aves

O mercado de carne de frango também está positivo, na opinião de Gomes, mas poderia estar melhor e requer atenção redobrada nos custos de produção. “Apesar das expectativas de crescimento das exportações em 2020, as exportações não devem crescer no ritmo esperado antes da pandemia. Mas, temos expectativa de aumentar essas vendas externas nos próximos meses. O negócio (avicultura) está muito rentável. Somos referência mundial no mercado de aves, com custos de produção mais ajustados e um cenário sanitário inigualável. Com o câmbio favorável para exportadores, a avicultura também tem uma boa oportunidade”, avalia Gomes. Ele reforça que é preciso focar em produção, mas também em eficiência produtiva para rebater os custos elevados da atividade. “É preciso ter estratégia nutricional para manter a performance dos animais e não afetar a rentabilidade. Ter parcerias que tragam soluções neste sentido é importante”, pontua.

 

Suínos

O mercado de suínos está em alta, com preços recordes que ultrapassam R$ 8 o quilo vivo, mas se engana que esse aumento é só lucro. Os custos também aumentaram, exigindo estratégias para potencializar o desempenho “O mercado externo aumentou a demanda por conta das questões sanitárias, como a Peste Suína Africana na China e em outros países. O Brasil conseguiu atender boa parte da demanda com preços competitivos diante do câmbio favorável. Estamos em um momento de grande demanda chinesa pela carne mais consumida naquele país e nós temos a oferta. Ou seja; temos espaço para crescer”, sustenta.

No mercado interno, Gomes enfatiza a importância do retorno gradual das atividades comerciais, como bares e restaurantes. “Um fato relevante é a reabertura de restaurantes e churrascarias, que, aos poucos devem demandar o mesmo patamar de antes da pandemia. Houve queda do consumo em março e abril deste ano, mas agora vemos um mercado interno aquecido”, diz o presidente da Kemin.

Sobre as exportações, ele reforça atenção ao mercado asiático. “O mercado chinês está muito aquecido, podemos ser o grande player da suinocultura para atender a China”, pondera, evidenciando que os rumos do comércio mundial dependem também do resultado das eleições nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano.

Ainda segundo Gomes, baseado em boas produções e rentabilidade, nas próximas safras o Brasil deve continuar com amplo espaço para o mercado de grãos no cenário mundial.

 

Milho e Soja

Preços em alta apesar das expectativas de safra recorde. Outro segmento do agronegócio em alta é o de grãos. Com cerca de 60% da safra já negociada, os produtores ampliaram a produção e a tendência é de novo recorde de área plantada, de acordo com Gomes. “O apetite de países asiáticos em comprar e armazenar estes grãos combinado com dólar favorável às exportações formou um cenário de produtor capitalizado. Entretanto, se este quadro é favorável para o produtor se soja e milho, ele afeta diretamente quem precisa destes insumos para produzir carne. Por isso manter a eficiência produtiva dos planteis brasileiros é tão importante”.

Outra estratégia para este cenário é garantir a qualidade destes cereais. “Alguns países importadores exigem garantias de não contaminação por salmonela, por exemplo. Desta maneira, buscar soluções nesta direção garante produtos eficazes, livres de contaminantes e a qualidade do produto exportado”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =

Empresas

DRENCH UP, o novo suplemento nutricional da Auster para pós-parto seguro das vacas leiteiras

Auster Nutrição Animal amplia seu portfólio, com produto para eficaz suporte nutricional para as fêmeas em períodos de grande estresse e exigência nutricional.

Publicado em

em

Divulgação Auster

O pós-parto exige muito do metabolismo das vacas leiteiras, sendo um período de total dedicação das mães às suas crias. Dessa forma, é preciso ter especial atenção à recuperação corporal das fêmeas dos pontos de vista fisiológico, hormonal e muscular. “No final da gestação é comum haver redução de consumo de matéria seca, gerando, consequentemente, deficiência energética, proteica e de cálcio. Nesse momento, as vacas têm o feto, a placenta e o líquido amniótico ocupando muito espaço na cavidade abdominal. Logo após o parto, esse espaço fica vazio, sendo necessário o reposicionamento dos órgãos de maneira adequada, para evitar a torção do Abomaso e demais órgãos digestivos”, explica o médico veterinário Mario Viderman, gerente de produtos  de bovinos da Auster Nutrição Animal.

Com o objetivo de atender às necessidades nutricionais e contribuir para a saúde de bovinos leiteiros, a Auster Nutrição Animal, empresa 100% brasileira dedicada à nutrição animal e com mais de 10 anos de experiência no mercado, amplia o seu portfólio com o lançamento de DRENCH UP, suplemento mineral, vitamínico e energético enriquecido com leveduras e tamponantes, para  estimular o funcionamento ruminal, reestabelecer o equilíbrio eletrolítico, reposicionar os órgãos após a saída da cria e proporcionar uma eficaz fonte de energia às vacas.

DRENCH UP possui alta palatabilidade quando diluído, disponibilizando imediatamente energia e minerais. Ele é composto por colina (betaína), que auxilia nas funções hepáticas; niacina, que proporciona melhor disponibilidade de energia; e alta dosagem de leveduras vivas, com capacidade de multiplicação no trato digestivo. O suplemento da Auster auxilia no aumento da ingestão de alimentos e água, reativação da atividade ruminal desses animais e hidratação intra e extracelular. “Ao ingerir DRENCH UP, a vaca consegue colocar peso nos órgãos do aparelho digestório, o que ajuda no seu correto reposicionamento e, mais importante, reidratar o mais breve possível. Além disso, estamos fornecendo os suplementos minerais, energéticos e vitaminas, auxiliando esses animais a terem período pós-parto seguro”, afirma Viderman.

De fácil dissolução, DRENCH UP deve ser ofertado logo após o parto, visto que a vaca procurará água e alimentos, devendo bastar dose única. O novo suplemento da Auster deve ser fornecido em bebedouros para ingestão oral voluntária, de acordo com as necessidades das fêmeas, período de tratamento, grau de desafio e sob a indicação técnica de profissional especializado.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Polinutri

Avicultura em pleno vapor

Unidade de Negócios Polinutri cresce em meio ano desafiador

Publicado em

em

Divulgação/Gerente Nacional Avicultura Polinutri Nutrição Animal Lincoln Beninca.

O bom desempenho das exportações do setor, associado ao câmbio e retorno financeiro para os avicultores sustentaram parcialmente de forma positiva o desempenho da Unidade de Negócios Polinutri. “2020 foi um ano desafiador. Assumi a gerência nacional da BU em abril e com muito trabalho, dedicação, organização, foco e implementação de uma gestão com foco no cliente, conseguimos ultrapassar a meta com recorde de faturamento e com isso contribuir para os resultados da companhia”, destaca o médico veterinário e Gerente Nacional Avicultura Polinutri Nutrição Animal Lincoln Beninca.

De acordo com ele, diante de tantos enfrentamentos – adaptação da equipe, paralisação de frigoríficos por casos de positividade para a Covid, impacto dos aumentos de insumos para fabricação de rações, elevados investimentos EPIs e aumento do custo – a equipe não mediu esforços e se adaptou para ser parte das soluções dos clientes. “São eles a nossa motivação, pois antes de funcionários de uma empresa somos profissionais de mercado com várias experiências e possibilidades capazes de contribuir para o desenvolvimento dos seus negócios. Ações que se traduziram no aumento da nossa participação de mercado e recorde em 2020”, completa Lincoln.

Para 2021, o profissional informa que a equipe continuará motivada com os excelentes resultados de 2020, focados na aplicação do conhecimento adquirido e nos aprendizados. “Assim, com a mente aberta, seguiremos crescendo e entregando para os nossos clientes soluções que vão além dos produtos já consolidados no mercado”, encerra Lincoln.

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo

Empresas

Integração Lavoura Pecuária: Sistemas integrados e a biodiversidade aliada à produção agropecuária

Publicado em

em

Divulgação Barenbrug

Importante provedor global de alimentos, o Brasil é um país afortunado para a produção agropecuária. Em vasto território, com muito ainda a se conhecer, no país predominam solos profundos e com alto potencial produtivo. Com grande variação nos biomas, as chuvas de maneira geral são abundantes e permitem que cereais, grãos e forragens sejam produzidos em boa parte do ano sem necessidade de sistemas de irrigação. Outro ponto fundamental para as lavouras é a temperatura; não há o que reclamar desta condição no Brasil.

Além das vantagens presenteadas pela natureza, os agricultores brasileiros fazem por merecer pela notável dedicação, empenho e determinação à campo. A especialização e aprimoramento do conhecimento junto às novas tecnologias, frequentemente desenvolvidas por empresas que investem e acreditam no setor, também são pontos fundamentais para o incremento de produtividade das atividades agropecuárias e, consequentemente, competitividade e relevância do agronegócio brasileiro.

Neste cenário de consolidação das empresas rurais, que mesmo a céu aberto são minuciosamente planejadas, assistidas e conduzidas, será discutida neste texto a diversificação da produção e seus benefícios para o produtor rural.

Integração Lavoura Pecuária: Benefícios da diversificação da produção para o produtor

A rotação de culturas, os sistemas de cultivo mínimo e o plantio direto ( no qual é mandatório a presença da palhada) hoje são tecnologias dominadas e com benefícios consolidados, sendo estes a melhoria da estrutura física do solo com superior infiltração e retenção de água, proteção contra altas temperaturas e veranicos, menor escorrimento superficial da água e menor perda de solo, mesmo que por ventos (erosão eólica), redução de problemas com espécies invasoras, ciclagem de nutrientes e incremento de teor de matéria orgânica no solo.

Já na última década, a integração da produção de grãos com pecuária e com produção de madeira (em consórcio de longo prazo com espécies florestais cultivadas) acena também como opção para incremento de resultado financeiro e diversificação com benefícios adicionais ainda não tão evidentes e comprovados ao produtor.

A rota para um sistema agropecuário mais produtivo e sustentável está correta! Tais benefícios adicionais em adotar – e se desdobrar tecnicamente – para conduzir e persistir em sistemas agropecuários integrados podem não ser inicialmente comprovados através de resultados de análises simples de solo, ou mesmo na ‘bottom line’ das planilhas de resultados financeiros nos primeiros anos de adoção do sistema.

Contudo, a adoção de um modelo agropecuário regenerativo para construir novamente a fertilidade natural dos solos brasileiros perdida em diversas propriedades através de agricultura e pecuária convencional desempenhada ao longo dos anos mostra-se como opção para se reduzir a dependência dos sistemas de produção em fertilizantes sintéticos e defensivos, e assim, através da saúde do solo e biodiversidade restabelecida, melhorar a rentabilidade dos hectares.

Os cinco princípios da agricultura regenerativa, que através do solo saudável conta com plantas e animais saudáveis, e sobretudo humanos saudáveis, para sempre ter-se como direção nas decisões sobre as atividades agropecuárias são:

  • Limitar distúrbios no solo: reduzir aração, gradagens e demais operações pelas quais realiza-se o revolvimento do solo;
  • Proteger a superfície do solo: através de plantas e seus resíduos, manter o solo coberto;
  • Construir diversidade: através de rotação de culturas e culturas de cobertura;
  • Manter raízes vivas no solo: fotossíntese presente durante todo o ano;
  • Integre animais: podem ser utilizadas diversas espécies.

*Artigo técnico escrito por Paulo Ramalho, Coordenador de Desenvolvimento Tecnológico da Barenbrug do Brasil. Engenheiro Agrônomo pela Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira (UNESP) e Mestre em Ciência e Tecnologia de Sementes pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), atua no segmento de sementes desde 2011 com experiência em produção, beneficiamento, tratamento e comercialização de sementes forrageiras tropicais.

Fonte: Ass. de Imprensa Barenbrug
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.