Conectado com

Empresas Avicultura

Katayama Alimentos prioriza rigoroso programa de Biosseguridade

Rígido programa da indústria avícola é mais uma garantia de segurança ao consumidor, cada vez mais atento e exigente quanto à origem dos produtos

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Para garantir a qualidade e a segurança de sua ampla oferta de ovos, a Katayama Alimentos, uma das maiores produtoras avícolas do País, conta com um rígido Programa de Biosseguridade, que norteia o cumprimento de todos os padrões de higiene e segurança de seu processo produtivo. Entende-se por Biosseguridade como um conjunto de procedimentos técnicos, conceituais, operacionais e estruturais que visam prevenir ou controlar a contaminação dos rebanhos avícolas, por agentes de doenças infecciosas que possam ter impacto na produtividade e também na saúde dos consumidores de ovos.

O Programa de Biosseguridade da Katayama Alimentos já faz parte da sua cultura e os procedimentos estão inseridos em cada detalhe do dia a dia de todos colaboradores diretos. É constante o cuidado com vestimenta, desinfecção dos calçados e higienização das mãos de todos que têm acesso ao ambiente produtivo. As medidas envolvem também os visitantes, fornecedores e prestadores de serviços, que devem seguir um protocolo para acessar as dependências da propriedade. Para ingressar em alguns ambientes, é exigido até banho, além da proibição do uso de acessórios, maquiagem e esmalte nas unhas.

“O controle das enfermidades do plantel é feito por meio de medidas sanitárias severas, que visam prevenir a propagação de doenças, protegendo os animais e a saúde pública. Sendo assim, a biosseguridade se tornou uma tecnologia absolutamente primordial e essencial para a sobrevivência e o sucesso das atividades avícolas”, explica Gilberto Katayama, Diretor de Operações do Grupo Katayama.

Para evitar a entrada e a transmissão de agentes patogênicos e seus vetores na indústria avícola, um conjunto de medidas de monitoramento e controle devem ser aplicadas durante toda a vida das aves. Portanto, um Programa de Biosseguridade deve compreender diversos componentes operacionais interrelacionados, como controle de trânsito, tratamentos de resíduos e controle de vetores, monitoramento laboratorial, auditorias, educação continuada e plano de contingência, entre outros.

 

Medidas para garantir alimento saudável

A Katayama Alimentos segue com muita responsabilidade e compromisso todas as etapas previstas pelo Programa de Biosseguridade, que levaram, inclusive, à conquista do certificado “Ovos Livres de Antibióticos”, em 2019. “Produzir ovos com todos esses critérios de biosseguridade e em grande escala é sem dúvida um importante diferencial da marca Katayama Alimentos e garantia do fornecimento de produtos saudáveis e de altíssima qualidade para o consumidor”, afirma Gilberto.

As visitas à planta da Katayama Alimentos são restringidas e monitoradas. Todas as pessoas, veículos, máquinas e equipamentos que entram na indústria avícola devem passar pela área de apoio central e realizar todos os procedimentos de desinfecção.

Estas medidas, atreladas a outras como o controle minucioso da produção das rações que assegura às aves uma alimentação saudável e livre de contaminantes, são responsáveis pela eficiência de todo o programa de Biosseguridade e garantem um alimento confiável na mesa do consumidor.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =

Empresas Cooperativismo

Começam comemorações dos 50 anos da Coamo

Publicado em

em

Diretoria da Coamo abre as comemorações do Jubileu de Ouro - Fotos: Divulgação

Fundadores recebem a camisa do Jubileu de Ouro

Um dia diferente e histórico. Assim foi esta sexta-feira em todas as unidades da Coamo, reunindo funcionários da cooperativa e, também, da Credicoamo, Via Sollus, Arcam e Fups que passam a vestir todas as sextas-feiras a camisa dos 50 anos da Coamo. “Vimos a felicidade dos funcionários em chegar e usar a camisa da nossa cooperativa, em um momento favorável nos seus 50 anos. A Coamo vem cumprindo a missão de gerar renda com desenvolvimento sustentável do agronegócio, com apoio direto dos funcionários para a sustentação das atividades dos cooperado como um todo e, também, a manutenção dos seus negócios e do bem-estar das suas famílias”, afirma Airton Galinari, presidente Executivo da Coamo.

 

Funcionários comemoram a nova camisa

LANÇAMENTO – Antes da abertura do último dia da Semana de Prevenção de Acidentes de Trabalho – Sipat na Administração Central, a diretoria e os funcionários participantes da primeira sessão do evento. Todos posaram orgulhosos com a camisa Coamo 50 anos. “O cooperativismo é uma filosofia de vida com a prática de valores edificantes, os quais possibilita a todos os cooperados e funcionários da Coamo participarem diretamente de um sistema vitorioso, que oferece conhecimento, estrutura e uma assistência para que todos crescerem, evoluírem e obterem o desenvolvimento nas suas atividades”, explica o engenheiro agrônomo José Aroldo Gallassini, presidente dos Conselhos de Administração da Coamo e Credicoamo.

Segundo a Assessoria de Comunicação da cooperativa os cooperados de todos os entrepostos no Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul também já estão recebendo a camisa comemorativa.

 

Continue Lendo

Empresas Organização e Estratégia: 

Castrolanda expande produção de ração animal

Na Cooperativa Castrolanda a projeção para este ano é que o crescimento seja de 12%.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A produção de ração animal nacional deve alcançar no final de 2020 um volume de 80,5 milhões de toneladas, com crescimento de aproximadamente 4% em relação a 2019. Os dados do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) relacionados ao crescimento do setor, indicam o bom momento das proteínas animais e o desenvolvimento do setor.  O fato, de acordo com a entidade, se dá por alguns motivos, entre eles os novos mercados que o país tem conquistado para a carne no exterior, assim como, a produção e demanda interna.

Na Cooperativa Castrolanda a projeção para este ano é que o crescimento seja de 12%. Muito deste resultado se dá devido a inauguração da Unidade de Produção de Leitões (UPL II) em Piraí do Sul/PR e, consequentemente, o crescimento de suínos na cadeia da cooperativa como um todo.

Com aumento de produção, a Fábrica de Rações da unidade em Castro/PR, está se adequando aos novos volumes. A linha de ração que contava com duas peletizadoras, recebeu um investimento de aproximadamente 770 mil reais para inserção de mais um equipamento na linha de produção. “O que faz com que a gente consiga atender as demandas do nosso produtor e manter o volume industrializado para nossos clientes. Para efeito explicativo, no ano passado produzimos 167 mil toneladas de ração para suínos. Com essa adequação a nossa estimativa é produzir aproximadamente 204 mil toneladas de rações de suíno até o fim de 2020, sendo 110 mil toneladas para a Castrolanda”, destaca o Coordenador de Produção da Fábrica de Rações, Tasso Roquete. O projeto, já em funcionamento, equalizará a capacidade produtiva da unidade.

Investimento na linha de produção foram realizados para suprir as demandas da unidade.

O gestor da área, Mauro Cezar de Faria destaca ainda que os recursos têm sido empregados também em automação, rastreabilidade e controle de qualidade na entrada de matéria-prima e ração. “Nós temos a busca contínua por atualização tecnológica. Faz parte do plano de investimentos da área para aumentar a capacidade de produção para suínos e bovinos. Com isso, conseguimos ampliar a prestação de serviços para atender à necessidade dos produtores e dos parceiros de negócios”, afirma o Gerente.

 

Nutrição que dá resultado

Os gastos com nutrição podem representar entre 65% e 80% das despesas na criação. Com isso, a busca é permanente por soluções inovadoras e que tragam resultados aos cooperados e clientes. Há mais de 40 anos produzem produtos de qualidade, com todo suporte nutricional que os animais precisam.  O Cooperado Roelof Rabbers, da Fazenda Onça, utiliza as Rações Castrolanda desde 1978. “Sou fiel aos produtos da Cooperativa. Tenho muita confiança na equipe e estou muito satisfeito com os resultados entregues”.

“É de total interesse que nossos cooperados e parceiros recebam a ração de melhor qualidade. Não faz sentido entregar um produto que não preze pela excelência. Nós realmente cuidamos para recebam a ração com ótimos níveis nutricionais, ingredientes adequados e de qualidade”, afirma Tasso.

O grande objetivo é alinhar tecnologia de produção com a otimização dos resultados no campo. “Buscamos cada dia conseguir ser mais competitivos no mercado. O trabalho integrado entre todos os elos da cooperativa é essencial. Isso sempre, alinhado à Cultura Castrolanda e nossos valores que permeiam todos os negócios”, finaliza o gerente.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Unidade de Dourados da BRF é reabilitada para exportar frangos para a China

Autorização foi publicada no site da Administração Geral das Alfândegas da China (GACC)

Publicado em

em

Divulgação

A planta de Dourados (MS) da BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, foi reabilitada na sexta-feira (23) para exportar frangos para a China. A autorização se deu após inspeção realizada pela Administração Geral das Alfândegas da China (GACC) na unidade. A retomada das exportações deve acontecer nos próximos dias.

“A liberação para a retomada de exportações para o país asiático, mercado estratégico para a BRF, reforça o compromisso da Companhia com a qualidade de seus produtos e com a saúde e segurança dos seus colaboradores”, declara Lorival Luz, CEO global da BRF.

A unidade de Dourados havia sido suspensa pelo GACC em julho deste ano. Atualmente, a BRF possui 15 unidades habilitadas para exportar para a China, sendo 10 de aves, 4 de suínos e 1 de miúdos de suínos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Evonik Guana

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.