Conectado com

Notícias

Inovação é o tema central do 5º Fórum de Desenvolvimento do Oeste

No evento, serão anunciados os vencedores do Prêmio Inova Oeste, cujo objetivo é reconhecer iniciativas que contribuíram para o fomento da ciência na região entre os anos de 2016 e 2018.

Publicado em

em

A inovação como fomento da economia dos 54 municípios da região será o tema central do 5º Fórum de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná.

O evento, promovido pelo Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), será realizado no dia 29 de novembro, no Parque Científico e Tecnológico de Biociências (Biopark), em Toledo, com início às 18h30.

Segundo o presidente do POD, Danilo Vendruscolo, durante o Fórum será debatido o potencial de desenvolvimento inovador já existente na região e o que ainda pode ser explorado.

“Precisamos sensibilizar a população sobre a importância da pesquisa, sobretudo as empresas. Pois são nelas que a inovação acontece”, explicou Vendruscolo.

 

Prêmio e Desafio

No evento, serão anunciados os vencedores do Prêmio Inova Oeste, cujo objetivo é reconhecer iniciativas que contribuíram para o fomento da ciência na região entre os anos de 2016 e 2018.

Os prêmios serão concedidos em três modalidade: Inovação em Produto, Inovação em Processos e em Prática Inovadoras organizacionais. O Prêmio Inova Oeste recebeu ao todo 37 inscrições de empresas desde micro e pequena até grandes, além de instituições de ensino e pesquisa e de órgãos públicos da região oeste do Paraná.

Também serão revelados os cinco projetos inovadores capazes de solucionar problemas e demandas tecnológicas e de inovação da região nas áreas de meio ambiente e sanidade agropecuária, por meio do Desafio Inova Oeste.

Os projetos selecionados pelo Desafio Inova Oeste, terão um ano para serem desenvolvidos. Durante esse período, a equipe proponente receberá consultoria técnica e uma ajuda financeira de até R$ 100 mil. Ao todo, sete instituições se inscreveram para participar do Desafio

“Inovação não é mais um requisito de competitividade e sim de sobrevivência. O POD está organizado, com o propósito de desenvolver a região com novas soluções e tecnologias”, afirmou Hugo Ribeiro, da Câmara Técnica de Inovação do POD.

 

Sem aftosa

Na pauta também está prevista a apresentação dos resultados conquistados pelo Oeste em Desenvolvimento no último ano, como a transformação do Programa em uma Associação. Desde outubro POD é uma associação sem fins lucrativos.

“Essa foi uma grande conquista, pois nos habilita a firmar convênios, captar recursos e ter vida própria”, afirmou Vendruscolo.

Outro resultado alcançado pelo Programa, mas que beneficiará toda a região é a antecipação do cronograma para a conquista do status de “Area Livre de Aftosa sem Vacinação”, de 2022 para 2020.

Com o fim da vacinação e a conquista dos status, a região estará credenciada a exportar carne suína com adicional até 15% no preço. Sobretudo, para mercados consumidores que hoje a região não tem acesso por a ser livre de aftosa, porém, com vacinação.

“No ano passado, a sanidade foi um dos temas principais do Fórum. Hoje, já estamos colhendo os resultados”, completou Vendruscolo.

 

Oeste em Desenvolvimento

Lançado em 2014, o Programa Oeste em Desenvolvimento é uma iniciativa que reúne mais de 60 instituições públicas e privadas como a Itaipu Binacional, o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), o Sebrae/PR, o Sistema Cooperativo, a Caciopar, a Amop, a Emater, a Fiep, além de cooperativas e instituições de ensino superior.

O objetivo é promover o desenvolvimento econômico sustentável dos 54 munícipios do oeste do Paraná por meio de ações integradas e com foco nas potencialidades regionais.

Toda a ação tem como base as sete cadeias produtivas do território, também chamadas de exportadoras, pois recebem recursos e investimentos de outras regiões brasileiras e até do exterior. São elas: Cadeia de Frango, Cadeia do Leite, Cadeia de Suíno, Cadeia de Pescado, Cadeia de Grãos, Industria Metalmecânica e Turismo.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 8 =

Notícias Pro-CDD Agro

Dívidas de financiamento para produtores e cooperativas no BNDES são prorrogadas

Linha de Programa do Mapa tem limite de R$ 5 bilhões incluindo custeio e investimento

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural
Foi prorrogado para 30 de março o prazo para pagamento das dívidas do programa BNDES Pro-CDD Agro, conforme a circular 12/2019 do BNDES. O programa solicitado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) possui limite orçamentário de R$ 5 bilhões. O objetivo do Pro-CDD AGRO é conceder créditos para liquidação integral de dívidas de produtores rurais ou de cooperativas de produção.

Serão incluídas nesta prorrogação operações de crédito rural de custeio ou investimento que foram contratadas até 28 de dezembro de 2017, dívidas contraídas junto a fornecedores de insumos agropecuários ou instituições financeiras, inclusive decorrentes da emissão de Cédula de Produto Rural (CPR) e Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA).

A rolagem poderá incluir até 100% do valor do saldo devedor, limitado a R$ 20 milhões, com prazo de até 12 anos, incluindo carência de até 3 anos.

Os recursos podem ser contratados com base na Taxa de Juro de Longo Prazo (TJLP). O custo final inclui a remuneração do BNDES, de 1,5% ao ano, e a dos agentes financeiros, limitado a até 3% ao ano, totalizando uma taxa mensal final de aproximadamente 1%.

As operações de financiamento poderão ser contratadas com os 55 agentes financeiros credenciados para operar com recursos do banco. Entre eles há bancos públicos, privados, bancos de cooperativa, cooperativas de crédito, bancos de montadoras, agências de fomento e bancos de desenvolvimento.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Notícias Brasil

Procura da soja começa a aumentar e preços sobem

Além dos compradores externos, algumas indústrias brasileiras já sinalizam necessidade de adquirir novos lotes de soja

Publicado em

em

Divulgação/Ocepar

A valorização do dólar frente ao Real no acumulado de fevereiro atraiu compradores de soja para o Brasil. No entanto, as negociações foram limitadas pelo baixo interesse de venda por parte de produtores, que estão com as atenções voltadas aos trabalhos de campo e às entregas de contratos. Além dos compradores externos, algumas indústrias brasileiras já sinalizam necessidade de adquirir novos lotes de soja para abastecer os estoques.

Esse cenário impulsionou os prêmios de soja no Brasil, que, por sua vez, influenciaram as altas nos preços do grão no mercado doméstico. Entre 31 de janeiro e 15 de fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) subiu 1%, indo para R$ 77,83/sc de 60 kg na sexta-feira (15). No mesmo comparativo, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná teve alta de 0,5%, a R$ 72,62/sc de 60 kg.

A moeda norte-americana se valorizou 1,45% no mesmo período, a R$ 3,704 na sexta. A alta nos preços do grão, no entanto, foi limitada pela baixa demanda por derivados. Alguns avicultores e suinocultores têm reduzido as aquisições do farelo, e fábricas de ração sinalizam diminuição nas vendas. No mercado interno, a retração de produtores continua atrelada às incertezas quanto ao volume a ser colhido nesta safra (2018/19), devido ao clima desfavorável no período crítico de desenvolvimento dos grãos.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Demanda firme e recuo vendedor sustentam altas do milho

Este cenário de demanda firme e retração vendedora têm mantido as cotações em alta

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Compradores de milho vêm, aos poucos, retomando as negociações, visto que sinalizam ter estoques mais curtos para as próximas semanas. Já vendedores seguem retraídos, fundamentados na redução da oferta e em dificuldades logísticas – na semana passada, a Conab divulgou novos números para a temporada 2018/19 que reforçam a queda na produção da safra de verão e o aumento da estimativa de produção para a segunda safra.

Este cenário de demanda firme e retração vendedora têm mantido as cotações em alta. Conforme colaboradores do Cepea, os valores estão em elevação na maior parte das regiões brasileiras, exceto no Rio Grande do Sul, onde a safra de verão é mais representativa e a colheita vem ocorrendo de maneira satisfatória. Além da retração de produtores dos estados de São Paulo e Santa Catarina, produtores do Centro-Oeste, que vinham ofertando volumes maiores até as semanas anteriores, já têm limitado os lotes e/ou aumentado o valor de venda.

Assim, entre 8 e 15 de fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas-SP) subiu 2,8%, fechando a R$ 41,10/sc de 60 kg na sexta-feira (15). No acumulado do mês, a alta é de 4,5%.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Nucleovet 2
Facta 2019
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.