Conectado com
OP INSTAGRAM

Empresas

Influência das baixas temperaturas na produção e bem-estar dos suínos

Heloiza Irtes, especialista em sanidade da Topigs Norsvin, alerta sobre os desafios do manejo com a chegada do frio

Publicado em

em

Médica-veterinária e gerente de Sanidade LATAM da Topigs Norsvin, Heloiza Irtes

No Hemisfério Sul, as temperaturas começam a cair a partir de abril, com a chegada do outono, e se intensificam por volta de junho, durante o inverno. Mesmo sendo um país tropical, com predominância de altas temperaturas, o inverno no Brasil pode trazer prejuízos para a criação de suínos e ao desenvolvimento do plantel.

A médica-veterinária e gerente de Sanidade LATAM da Topigs Norsvin, Heloiza Irtes, explica que, com a chegada do frio, existem dois pontos aos quais os suinocultores precisam ter atenção. O primeiro é causado diretamente pelo clima: com a queda na temperatura é normal que os galpões sejam mantidos fechados. Essa ação impacta na concentração dos gases produzidos pela degradação das fezes (amônia e CO2), resultando em um efeito negativo no trato respiratório do animal.

Um segundo motivo para preocupação é a exposição dos suínos ao frio, ou à amplitude térmica, o que pode ser até pior. Um cenário de variação de temperatura, alteração entre frio e calor ao longo do dia, age negativamente no sistema imune dos animais e pode deixá-los susceptíveis a infecções bacterianas e virais.

“Nessa época do ano, especificamente outono e inverno, as pessoas tendem a contrair o vírus da Influenza. Nos meses mais frios, o vírus da Influenza circula mais na população de humanos, e os funcionários – quando infectados pelo vírus – têm uma grande chance de contaminar o rebanho suíno”, ressalta Heloiza.

Então, principalmente em função da circulação do vírus em humanos, os suínos tendem a apresentar mais problemas devido à Influenza.

Estresse por variação de temperatura

É normal que o suíno sofra com o estresse por causa do frio, principalmente animais jovens, que tendem a ficar aglomerados na baia para se manterem aquecidos e, em algumas situações, isso chega a limitar o seu consumo de ração. Além de trazer prejuízos ao produtor, o suíno passa a ter um gasto energético maior para manter a homeostase, uma vez que ele deixa de colocar energia na deposição de músculo e passa a gastar essa energia na manutenção da temperatura corporal.

“Durante o inverno é importante ter atenção às temperaturas indicadas para cada etapa da produção. No ambiente de creche, a temperatura deve ser acima de 25 graus, e na recria e terminação, aproximadamente 22 graus”, orienta a médica-veterinária.

Para minimizar os impactos do frio no ambiente, a especialista afirma que é importante ter um bom manejo de cortinas para melhorar a qualidade do ar. Em maternidade e creche – setores nos quais os animais têm maior sensibilidade ao frio – dependendo da temperatura, pode-se colocar aquecedores, investir em cortinas duplas e forros nos tetos.

É preciso também cuidado redobrado na qualidade das cortinas e no treinamento dos funcionários. As cortinas precisam ser manejadas de forma correta para que o animal usufrua de um ambiente sem concentração excessiva de gases e com condição de troca de ar. “Quando o ambiente está mais frio, as cortinas são suspensas; com essa ação é cortada a corrente de ar e o ambiente fica mais quente”, explica a especialista.

A Influenza ainda é uma enfermidade bastante preocupante que acomete os plantéis de suínos no Brasil e desencadeia infecções secundárias. Na creche a principal doença secundária à influenza é a doença de Glasser (Glasserela parasuis) e, na recria e terminação pneumonias causadas pela Pasteurella. A infecção pelo Mycoplasma hyopneumoniae também pode ser piorada. “A prevenção da Influenza no País é feita por meio de vacinação dos animais e medidas de biosseguridade. No caso de infecção já implantada, os produtores precisam lançar mão da antibioticoterapia para o controle das infecções bacterianas secundárias, antipiréticos e mucolíticos para uma melhora do estado geral dos animais e promover uma recuperação mais rápida. Tudo isso sempre com acompanhamento e prescrição do médico-veterinário”, finaliza Heloiza Irtes

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − onze =

Empresas

Biogénesis Bagó inaugura novo banco de vacinas contra a febre aftosa

As instalações funcionam como reserva estratégica de antígenos e vacinas contra a febre aftosa, única na América Latina

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A Biogénesis Bagó, empresa de biotecnologia especializada no desenvolvimento, produção e comercialização de produtos para a saúde e produtividade animal, inaugurou uma nova instalação que amplia a sua capacidade de resposta a emergências para 60 milhões de doses de vacinas contra a febre aftosa e tem capacidade de expansão de acordo com demandas futuras.

O novo centro construído pela empresa, que visa atender à necessidade global de vacinas de “classe mundial” para responder a emergências sanitárias e acompanhar a evolução tecnológica, conta com medidas de segurança e monitoramento de características especiais, abrigando 20 tanques para armazenar antígenos ultraconcentrados em nitrogênio líquido a -180° C. Estes constituem as matérias-primas cruciais para a formulação de vacinas com potência e segurança garantidas em um período inferior a uma semana – enquanto a elaboração de uma vacina através de processos tradicionais leva ao menos três meses – e, desta maneira, permite atender a qualquer emergência, em qualquer parte do mundo, de forma imediata.

“Nossa experiência em atendimento de emergências, juntamente com a nossa constante inovação tecnológica e profissionalização de nosso capital humano, nos consolida como uma referência mundial na luta contra a febre aftosa. Este projeto é um exemplo de nosso compromisso com a evolução da saúde animal e, ao mesmo tempo, com o desenvolvimento do conhecimento e da capacidade de produção da Argentina e da região para o mundo”, afirma Esteban Turic, CEO da Biogénesis Bagó.

A evolução da Biogénesis Bagó como líder global posiciona a companhia como uma das únicas empresas no mundo com capacidade de produção e fornecimento de produtos seguros e eficazes de classe mundial. Este é o resultado da vasta trajetória da companhia, do investimento constante na luta contra a febre aftosa e do trabalho conjunto com organizações científicas e técnicas na Argentina e centros de referência global. Ao mesmo tempo, a cooperação público-privada tem permitido o desenvolvimento de profissionais altamente qualificados, que são a base da evolução tecnológica da empresa.

“A participação em campanhas de emergência e o fornecimento ao SENASA, na Argentina, ao Banco Nacional de Vacinas Animais e Contramedidas Veterinárias do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e ao Banco Norte-Americano de vacinas contra a febre aftosa, que os EUA integram com o Canadá, abriu um precedente sobre as nossas competências e as conquistas que poderemos alcançar a partir desta ampliação”, acrescenta Rodolfo Bellinzoni, diretor de Operações Industriais em Inovação da Biogénesis Bagó e referência mundial no assunto.

Este projeto é parte de um ambicioso plano de investimento e desenvolvimento tecnológico para ampliar a capacidade de produção e os padrões de qualidade das fábricas, que contempla, no futuro, a execução de outras obras relevantes na unidade de Garín com o objetivo de sustentar a expansão global da companhia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Parceria

Conheça a Novagro, uma parceira Feedis

Juntas empresas buscam levar para o mercado soluções tecnológicas inovadoras voltadas para nutrição de animais de produção

Publicado em

em

Sergio Metzker / Divulgação

A Feedis, empresa especializa em aditivos inovadores para nutrição animal, apresenta mais um parceiro da sua rede. Desta vez é a Novagro, empresa sediada em Pará de Minas (MG), criada em fevereiro deste ano e pelo médico-veterinário Sergio Metzker.

“Criamos a Novagro este ano com o objetivo de levar aos nossos clientes tecnologias que ajudem a enfrentar os desafios do dia a dia, produzir mais e melhor. A parceria surgiu da oportunidade e soluções inovadoras disponibilizadas pela Feedis, que vem ao encontro do que consideramos importantes aos nossos clientes, principalmente com o objetivo de produzir com melhor eficiência e mais saúde, destaca Sérgio Metzker: “É uma excelente parceria, pois reúne produtos e profissionais de ponta para um mercado extremamente exigente”.

Luciano Heis, Gerente de Negócios Feedis, faz suas considerações sobre este braço da empresa austro-brasileira para a região: “A parceria com a Novagro, é um importante passo para firmarmos nossa presença no mercado de Minas Gerais, alinhado com o desejo de estarmos mais próximos dos clientes deste importante estado produtor”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Aquicultura: uso de enzimas na dieta dos animais proporciona maior rentabilidade

Compostos enzimáticos melhoram a digestibilidade dos nutrientes, promovendo uma série de benefícios ao produtor

Publicado em

em

Divulgação Alltech

O aproveitamento de nutrientes presentes na dieta dos animais é um fator fundamental para melhorar a rentabilidade das criações, inclusive na aquicultura. Entretanto, também pode ser considerado um desafio no manejo de peixes e camarões, já que nem todos os alimentos conseguem ser absorvidos de maneira natural. Neste processo, a digestibilidade é essencial na busca pela eficiência alimentar.

Como explica a zootecnista Carolina Farias, gerente de vendas para aquicultura da Alltech, o organismo dos peixes é preparado fisiologicamente para aproveitar nutrientes disponíveis na natureza, entretanto alguns deles não são totalmente absorvidos. Para alimentá-los em cultivos, a exigência fisiológica dos animais é atendida com farinhas de origem animal e vegetal. Mas como explica a especialista, apenas isso não é suficiente: “alguns ingredientes de origem vegetal contêm substâncias antinutricionais para os peixes, que além de não serem bem aproveitadas, acabam piorando a absorção de outros elementos”, diz.

Por conta disso, as enzimas são tão importantes, já que têm a função de acelerar algumas reações químicas específicas dentro do organismo dos animais, quebrando moléculas maiores em menores, o que acaba facilitando a absorção de nutrientes pelo intestino, ou seja, melhorando a digestibilidade. “Por meio das enzimas, conseguimos quebrar compostos antinutricionais e elevar o aproveitamento de nutrientes que não estariam disponíveis sem a tecnologia”, comenta.

Os benefícios do uso de soluções enzimáticas na dieta dos animais já têm sido observados na prática, como relata Giuliano Mathias Dias, produtor de tilápia em Caconde (SP), que, ao utilizar a tecnologia na alimentação dos peixes. “Com a enzima melhoramos 0.2 na conversão alimentar, que é uma diferença significativa quando se pensa em grandes volumes” comenta.

Além da maior produção de filé com a mesma quantidade de peixe, o produtor também notou outros benefícios: “outro resultado positivo foi a diminuição de mortalidade e melhora significativa também no crescimento. Tudo relacionado talvez ao melhor aproveitamento da ração proporcionado pela enzima”, diz.

A utilização de um complexo enzimático depende da fase, da genética e até do manejo do animal, e vale ressaltar que o seu uso na aquicultura não só potencializa a conversão alimentar, mas também traz uma série de benefícios ao produtor: “o que você oferece ao animal vai ser melhor absorvido, então consequentemente vai ter maior um ganho de peso, maior manutenção dos parâmetros de qualidade de água, e maior aproveitamento de nutrientes, pontos muito importantes para a manutenção da produtividade e a rentabilidade da produção. Quanto mais o animal crescer e ficar bem de saúde, num ambiente adequado, melhor vai ser para ele”, explica Carolina.

Solução para formulação

Para auxiliar o setor a melhorar a eficiência alimentar dos animais, a Alltech possui em seu portfólio as soluções Allzyme´s.  Allzyme SSF e Allzyme Vegpro auxiliam na saúde do sistema digestivo do animal e maximizam a digestibilidade dos nutrientes da dieta.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.