Conectado com

Empresas Bovinos

Indução à lactação 2.0: coloque os números para trabalhar a seu favor ainda mais

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

A eficiência reprodutiva está diretamente relacionada com a produtividade, pois define o número de parições e, portanto, a quantidade de vacas que entrarão em lactação logo após o parto. O ideal é que esta fêmea emprenhe o mais o rápido possível após o período de espera voluntário. Entretanto, sabe-se que algumas fêmeas do rebanho encerram o período de lactação sem conseguir estabelecer uma gestação. Estas falhas reprodutivas comprometem a produtividade das fazendas, uma vez que provocam:

– Aumento de descarte involuntário;
– Redução do período produtivo;
– Redução do número de animais para reposição;
– Redução no progresso genético.

Nestes casos, uma estratégia é utilizar o protocolo de indução à lactação. Este protocolo mimetiza a ocorrência do parto e as alterações hormonais estimulam o desenvolvimento da glândula mamária e a produção de leite, fazendo com que esta fêmea inicie um novo período de lactação. Este protocolo pode ser utilizado também em novilhas, que tenham atingido o peso e estejam aptas à reprodução, mas que não emprenham.

O protocolo consiste na aplicação de alguns fármacos como progesterona, estrógeno, prostaglandina, somatotropina e corticosteróide. Esse conjunto mimetiza o perfil hormonal fisiológico presente no final da gestação (colostrogênese), fazendo com que o organismo da fêmea entenda que é o momento de produzir leite.

A Ourofino, em parceria com as universidades, desenvolveu um protocolo de indução à lactação, que 85% das fêmeas respondem e começam a produzir leite. Esta produção em média corresponde a 70% da produção de uma lactação fisiológica.

Entretanto, para que tenhamos mais sucesso, é necessário que esta fêmea seja selecionada e alguns critérios precisam ser levados em consideração:

– Produtividade;
– Escore de condição corporal;
– Sanidade (estarem saudáveis);
– Número de lactações.

Além disso, as fêmeas precisam ser submetidas ao protocolo de secagem completo e o protocolo só deve ser iniciado após 40 dias de período seco.

Figura 1. Protocolo de indução à lactação convencional (Mingoti et al., 2016 – ICAR)

Um novo protocolo de indução foi estudado e comparado com o protocolo convencional. A hipótese testada foi que o protocolo de indução à lactação 2.0 teria a mesma eficiência que o convencional, no entanto, com uma maior praticidade. Esta foi confirmada, uma vez que, tanto a taxa de resposta, quanto a produção de leite não diferiram entre os protocolos.

Figura 2. Taxa de fêmeas que responderam ao protocolo de indução à lactação convencional e 2.0 e começaram uma nova lactação.

Figura 3. Produção de leite após as fêmeas terem sido submetidas ao protocolo de indução à lactação convencional e 2.0.

Além de possuir a mesma eficiência, o protocolo de indução à lactação 2.0 propicia aos animais um melhor bem-estar, devido ao menor número de manejos e aplicações.

Outra vantagem dos protocolos de indução à lactação é o retorno à função reprodutiva, sendo uma estratégia para incrementar a fertilidade de fêmeas repetidoras de serviço.

IGOR GARCIA MOTTA
ESPECIALISTA TÉCNICO EM REPRODUÇÃO ANIMAL NA OUROFINO SAÚDE ANIMAL

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 14 =

Empresas

Simpósio Goiano de Avicultura reúne Granja Faria, SSA, ABPA e DSM para debater competitividade no setor

Evento tradicional da avicultura brasileira vai reunir as principais lideranças da cadeia produtiva para debater os principais desafios e oportunidades de mercado 

Publicado em

em

Professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e membro da comissão científica do evento, José Henrique Stringhini. - Divulgação

O fundador da Granja Faria, Ricardo Faria, o diretor da São Salvador Alimentos, Hugo Garrote, o presidente da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), Ricardo Santin, e o gerente de Inteligência de Negócios da DSM, Adolfo Fontes vão discutir as principais perspectivas e oportunidades para manter a competitividade na avicultura no Painel de Abertura do XV Simpósio Goiano de Avicultura, que vai acontecer nos dias 9 e 10 de junho no Castro’s Park Hotel, em Goiânia.

Durante o encontro, este painel vai promover um debate sobre o atual cenário de pressão de custos e estratégias para manter a competitividade na cadeia produtiva, explicou o professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) e membro da comissão científica do evento, José Henrique Stringhini. “Vamos reunir alguns dos empresários mais importantes do setor para debatermos quais estratégias tem contribuído neste cenário desafiador”, destacou.

Logo após o Painel de Abertura, o representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Bruno Pessamilio, vai apresentar Atualidades do Plano Nacional de Sanidade Avícola. Na quinta-feira, dia 9, a secretaria do evento será aberta às 7h para entrega de material. A cerimônia de abertura do evento vai ser realizada pelo presidente da Associação Goiana de Avicultura (AGA), Cláudio Almeida Faria, a partir das 8h30. Durante os dois dias de encontro, o evento realizado pela AGA em parceria com a UFG vai reunir lideranças das cadeias produtoras de frango de corte e postura comercial, empresários, médicos veterinários, zootecnistas, pesquisadores e produtores.

Apoio
Algumas das principais empresas já confirmaram participação na edição deste ano, como ABVista, Adisseo, Agroceres Multimix, Aviagen, Biocamp, Biogenic, Boehringer Ingelheim, BRF, BRI, Cargill, Ceva, Cobb-Vantress, DSM, Fênix Agroindústria, Friato, Gaasa, Granja Jataí, Granja Pavão, Grupo Josidith, Hipra, Inata, Indukern, Kemin, MSD Saúde Animal – Machado Agropecuária, Natural BR Feed, Nutrial, NutriQuest, Orion, Ovos BL, Ovos Loyola, Ovos Luziânia, Ovos Vitta, Pancosma, Phibro, Pif Paf Alimentos, Salus, São Salvador Alimentos, Suiaves, Total Solar, Vaccinar, Vetanco, Vetmarket, Yes e Zoetis.

O evento ainda tem o apoio de instituições como CRMV-GO, Sistema Faeg Senar Goiás, Fundepec- Goiás, Instituto Federal Goiano – Campus Ceres, Instituto Ovos Brasil, Sebrae, UEG (Universidade Estadual de Goiás) e UFJ (Universidade Federal de Jataí).

Serviço:
XV Simpósio Goiano de Avicultura
Data: 9 e 10 de junho de 2022
Local: Castros Park Hotel, Goiânia, GO
Endereço: Avenida República do Líbano, 1520, St. Oeste
E-mail: simposiogoiano@outlook.com
Telefone/WhatsApp: (62) 3203. 3665

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas

Grupo Vibra recebe Prêmio Melhores Lotes do RS da Cobb-Vantress

Empresa venceu premiação na categoria Ovos totais por Fêmea Alojada do RS com índice de 193,75 ovos por fêmea

Publicado em

em

O Grupo Vibra recebeu a premiação de Melhores Lotes Regionais, realizada pela Cobb-Vantress, na categoria Ovos Totais por Fêmea Alojada no Estado do Rio Grande do Sul em 2021. Com um índice de 193,75 ovos totais por fêmea alojada, a empresa teve um resultado de 154,7 pintos por fêmea alojada, anunciou o médico veterinário e gerente Técnico da Cobb-Vantress nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Eduardo Loewen.

Ele salienta a importância deste indicador zootécnico para empresas avícolas. “É um índice muito relevante porque é calculado através da produção total de ovos e a mortalidade do plantel. Quanto maior a produção de ovos e menor a mortalidade durante a fase de produção, maior será esse indicativo”, pontuou.

O elevado nível técnico da equipe do Grupo Vibra foram fundamentais nesta conquista, ressalta Loewen. “Eles têm muita garra em buscar ótimos resultados de performance dos lotes, seguindo os procedimentos de Boas Práticas de Produção adotados pela empresa. Também influenciou neste resultado o fato de seguirem as recomendações repassadas pela Cobb”, afirmou.

O diretor Comercial e de Serviços da Cobb-Vantress na América do Sul, Bernardo Gallo, participou da premiação e destacou a alegria da empresa com esta premiação. “O trabalho de excelência realizado pela equipe da Vibra reforça o grande potencial reprodutivo da nossa fêmea, que vem mostrando aumento significativo nos melhores resultados dos últimos anos”.

A premiação realizada pela Cobb-Vantress envolve seus clientes, levando em conta critérios técnicos e objetivos. Além de premiar os destaques em suas categorias por região, os resultados também servem de indicadores para fomentar e motivar a melhoria da produção das empresas e seus produtores.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Leite

Primeiro leite A2 de caixinha disponível no mercado traz selo que garante rastreabilidade

Piracanjuba amplia opções de quem tem problemas para digerir lácteos e mostra preocupação com a segurança do alimento

Publicado em

em

FOTOS: DIVULGAÇÃO

A Piracanjuba acaba de lançar o primeiro Leite A2 de caixinha do mercado. A novidade, apresentada durante a APAS SHOW 2022, traz todos os benefícios do leite convencional, mas é proveniente de vacas que não produzem a caseína A1, apenas a A2 (proteínas), que proporciona para esse alimento, uma melhor digestibilidade. Além disso, o produto carrega o selo VACAS A2A2, da Integral Certificações, que garante toda a rastreabilidade do processo produtivo até a mesa do consumidor.

“Esse leite tem tudo que os outros leites têm, com exceção de uma única proteína, a caseina A1, por isso é um leite naturalmente mais fácil de digerir. Ele vem atender um nicho da população que não é alérgico à proteína do leite de vaca e nem intolerante à lactose, mas que ainda sim, sente dificuldade em digerir o leite e seus derivados convencionais. Com o lançamento do primeiro leite UHT A2 do mercado, a Piracanjuba sai na frente e vai ao encontro dos anseios do mercado consumidor, oferecendo mais um produto de alta qualidade”, comenta a CEO do Grupo Integral, Flávia Pontes.

A médica-veterinária, doutora em Produtividade e Qualidade Animal e diretora da Integral Certificações, empresa que atua nesse ramo para produtos de origem animal, Helena Karsburg explica que quando o consumidor vê o selo da Integral Certificações, ele está comprando a garantia de um produto com controle de origem e rastreabilidade. “Além do próprio processo de UHT que a empresa está oferecendo, ainda há a chancela de um programa independente, que tem certificações de terceira parte e que garante toda rastreabilidade para garantir que não haja mistura com o leite convencional. Estamos muito felizes e com uma expectativa enorme de que novos mercados se abram e que tenhamos outros produtos certificados para oferecer ao consumidor”.

“A Piracanjuba tem um DNA de inovação e o leite A2 é um segmento novo que nós entendemos que tem um potencial de crescimento para atender uma parcela que hoje talvez não consuma leite porque sente algum desconforto e nós estamos aqui para trazê-lo novamente para consumir lácteos. Entendemos também que certificar que aquele leite que está entrando na caixinha é realmente A2, agrega muito para o leite e para imagem da nossa marca, então é muito importante possuir a certificação”, comenta a Gerente de Marketing da Piracanjuba, Lisiane Campos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.