Conectado com

Notícias Paolinelli

Indicado ao Prêmio Nobel da Paz visita a região Oeste do Paraná

Durante passagem por Medianeira, ontem (05), Alysson Paolinelli relembrou sua vinda enquanto ministro da Agricultura ao Oeste por ocasião da geada negra, que devastou lavouras paranaenses em 1975

Publicado em

em

Ex-ministro da Agricultura, engenheiro agrônomo Alysson Paolinelli: “Vem aí a fase da biologia e da bioeconomia, e isso será bem diferente. Se hoje somos o primeiro, temos que caminhar para continuar assim”- Fotos: Sandro Mesquita

O ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, visitou a sede da Lar Cooperativa Agroindustrial, no município de Medianeira, na tarde de ontem (05). Após encontro reservado com o diretor-presidente da cooperativa, Irineo da Costa Rodrigues, Paolinelli plantou uma muda de peroba rosa no Bosque dos Pioneiros e Autoridades, na sede da Lar, em companhia de diretores executivos da empresa, convidados e profissionais da imprensa.

No Bosque dos Pioneiros e Autoridades da Lar já foram plantadas mais de 70 árvores nativas

Na ocasião, Paolinelli relembrou sua vinda a Medianeira em 1975, após a geada negra que devastou as lavouras de café da região, quando era ministro da Agricultura no governo de Ernesto Geisel. Ele disse que ficou impressionado com o que havia acontecido. Contou que após isso desenvolveu um programa com o então governador do Paraná, Jaime Canet Júnior, para recuperar plantações e implantar outras oportunidades de cultivares. “E quando voltei seis meses depois e vi isso aqui plantado, confesso que senti uma vibração como se tivesse tomado uma injeção de cânfora na veia”, brincou.

Aos 85 anos, o engenheiro agrônomo lembrou também da época em que assumiu a pasta de ministro da Agricultura entre os anos de 1974 e 1979 e fez um contraponto com o atual momento do agronegócio brasileiro. “Um dos problemas do Brasil naquela época era não ser capaz da autossuficiência alimentar. Importávamos alimentos muito caros e isso sacrificava muito a família brasileira de classe média, que passou a pagar o alimento mais caro do mundo”, destacou.

Segundo Paolinelli, o governo reconheceu que precisava fazer algo para mudar aquele cenário, afinal, de acordo com ele, a maior parte da população brasileira gastava quase metade da renda familiar com alimentação. “Para mudar essa situação, desenvolvemos um plano estratégico baseado em ciência e tecnologia através da Embrapa, com as universidades, instituições estaduais de pesquisa e a iniciativa privada, e deu certo”, ressaltou.

Ele evidenciou o trabalho de recuperação realizado no cerrado brasileiro, bioma que, segundo o agrônomo, era capaz de ser recuperado. “Aprendemos a recuperar o cerrado e ele passou as ser a área mais produtiva e competitiva que o mundo tem hoje”, enfatizou.

De acordo com Paolinelli, graças a essa iniciativa a produção brasileira mudou e hoje o Brasil é o maior exportador de alimentos do mundo, com saldo na balança comercial na parte da alimentação de mais de US$ 100 milhões. Segundo ele, isso está fazendo com que o país siga em frente sem sentir de forma mais contundente as crises externas mundo afora. “Essa foi uma mudança muito importante feita pelos produtores”, destacou.

 

Celeiro do mundo

Perguntado se o Brasil se tornará o grande fornecedor de alimento para o mundo como muitas pessoas cogitam, Paolinelli foi categórico em afirmar que isso deve realmente acontecer e, conforme o agrônomo, esse conceito é sustentado por organismos internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e os grandes bancos internacionais. “Todos eles afirmam que em 2050 a população deverá ser de dez bilhões de pessoas, dois e meio a mais que hoje, e esse pessoal terá muito mais dinheiro e irá se alimentar melhor, portanto, a demanda vai ser maior do que a média de hoje, e eles sabem que temos que produzir pelo menos 70% a mais do que estamos produzindo atualmente”, pontuou.

 

Principais pilares

Paolinelli destacou também o crescimento do agronegócio brasileiro e afirmou que os produtores precisam continuar evoluindo e acreditando sempre nas inovações tecnológicas que surgem graças à ciência. “A pesquisa, a ciência e a tecnologia são os fatores principais no desenvolvimento do agronegócio, mas sozinhos eles não fazem nada, é preciso ter políticas públicas e empresários capazes de aproveitar esses resultados para realizar”, frisou.

Para o agrônomo, a produtividade do setor agropecuário brasileiro está aumentando de forma exponencial sem precisar aumentar a área de produção. Ele diz que o Brasil tem um caminho amplo para aumentar a produção através de incrementos na produtividade. “Tenho certeza que essa tarefa que o mundo está nos dando podemos fazer na mesma área que temos hoje. Para isso, basta usarmos as tecnologias já existentes. Não precisamos derrubar uma árvore, nem aumentar um metro quadrado”, enalteceu Paolinelli.

 

Nobel da Paz

O nome de Alysson Paolinelli foi indicado ao Nobel da Paz 2021, maior honraria científica, cultural, literária e tecnológica do mundo. Ele conta que ficou honrado com a indicação e salienta que foi escolhido pelos seus companheiros com os quais trabalhou por mais de 50 anos. “Eu aceitei porque acho que essa homenagem não é minha, é do Brasil, e se ganhar, quem ganha é o país”, considera.

Paolinelli também ressalta a importância de todas as pessoas envolvidas no setor produtivo do agronegócio brasileiro. “O mérito será dos produtores, profissionais técnicos, pesquisadores, de todos que ajudaram a fazer as políticas públicas na hora certa e de forma certa, e fundamentalmente as organizações, como essa cooperativa, que são espelho do Brasil”, elogiou.

O diretor-presidente da Lar Cooperativa, Irineo da Costa Rodrigues, destacou a presença do ex-ministro da Agricultura nas instalações da instituição, pois, segundo ele, Paolinelli é um ícone do sucesso da agropecuária brasileira. “Recebemos a notícia que ele queria nos visitar e isso nos encheu de orgulho, afinal ele é um ícone do sucesso da agropecuária do Brasil”, ressaltou.

Rodrigues também lembrou que nunca nenhum brasileiro ganhou a honraria e, para o líder cooperativista, Paolinelli é um forte candidato ao Nobel da Paz este ano.  “Ele é a pessoa que pode materializar com toda a lucidez, todo o conhecimento e humildade que o caracteriza. Acredito que se tem um setor que realmente pode dar esse título ao nosso país é a agricultura”, destacou.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 2 =

Notícias Desempenho

Exportações de carne suína totalizam 93,5 mil toneladas em junho

Resultado é 14% menor que os embarques registrados no mesmo período de 2021, com 108,8 mil toneladas. No semestre, os embarques totalizaram 510,2 mil toneladas, número 9,3% menor que o acumulado nos seis primeiros meses de 2021, com 562,7 mil toneladas.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 93,5 mil toneladas em junho, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O resultado é 14% menor que os embarques registrados no mesmo período de 2021, com 108,8 mil toneladas.

As vendas internacionais do setor geraram receita de US$ 219,1 milhões em junho, número 18,9% menor que o registrado no sexto mês do ano passado, com US$ 270,2 milhões.

No semestre, as exportações de carne suína totalizaram 510,2 mil toneladas, número 9,3% menor que o acumulado nos seis primeiros meses de 2021, com 562,7 mil toneladas.

A receita acumulada este ano alcançou US$ 1,115 bilhão, número 17,4% menor que o registrado no primeiro semestre do ano passado, com US$ 1,349 bilhão.

“Após o desempenho ocorrido em 2021, vemos as exportações de carne suína manterem patamares de estabilidade nos últimos meses, com volumes superiores ao período anterior às crises sanitárias de Peste Suína Africana em importantes nações produtoras. Os novos patamares de exportações mantidos pelo Brasil neste primeiro semestre estão 230 mil toneladas maiores que o desempenho registrado em 2018, período anterior aos efeitos da enfermidade”, analisa Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Entre os principais destinos das exportações de carne suína estão a China, com 37,2 mil toneladas (-36,7%), Filipinas, com 9,4 mil toneladas (+229,2%), Hong Kong, com 7,9 mil toneladas (-5,9%) e Vietnã, com 4,3 mil toneladas (+14,9%).

“As nações asiáticas seguem protagonistas entre os destinos das exportações brasileiras de carne suína. Há tendência de alta nas vendas no médio prazo, face ao incremento contínuo do consumo de proteína animal nesta região. Exemplo disso são as Filipinas, que neste mês ganhou forte presença nos dados dos embarques, assumindo o segundo posto. O Brasil tem se posicionado como parceiro estável e confiável para atender esta demanda adicional da Ásia”, destaca Luís Rua, diretor de mercados da ABPA.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Notícias

Everton Gubert explana sobre capacitação de equipes de granjas no 14º SBSS

Palestra será no dia 16 de agosto, às 14h05, durante a programação científica do Simpósio Brasil Sul de Suinocultura, promovido pelo Nucleovet.

Publicado em

em

Everton Gubert palestrará no dia 16 de agosto - Foto: Divulgação/Nucleovet

O Brasil é um dos principais produtores de carne suína do mundo, com sanidade, nutrição e genética avançados. Além do acompanhamento técnico, diversos profissionais atuam nas granjas para aprimorar, cada vez mais, a produção e aumentar a produtividade. Integram esse trabalho o desenvolvimento dos processos de gestão e a capacitação das pessoas.

“Capacitar as equipes de granjas, esse é o caminho para o sucesso?” é o tema de palestra do CEO da Agriness, Everton Gubert, no painel Gestão de Pessoas, no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), no dia 16 de agosto, às 14h05.

O presidente da Comissão Científica, Paulo Bennemann, frisa que a seleção dos temas e a escolha dos palestrantes obedecem aos mais rigorosos critérios de atualidade, relevância e vanguardismo, sintonizados com o objetivo de difusão tecnológica e interpretação das novas tendências da suinocultura industrial mundial. “Cinco eixos estão estabelecidos e envolvem gestão de pessoas, sanidade, biosseguridade, gestão da informação, nutrição e reprodução. Everton Gubert é uma referência nos temas que aborda e não poderia ficar de fora do SBSS”, realça.

Gubert é sócio-fundador e CEO da Agriness, empresa referência em inovação e inteligência para produção de proteína animal e que tem a Cargill, líder global em agronegócios, como sócia. É autor do livro e da metodologia de aceleração de produtividade chamado Pensamento+1, e é umas das lideranças do ecossistema de inovação no Brasil, em especial, uma das grandes referências em inovação para o agronegócio. Tem como filosofia o desenvolvimento de negócios de propósito e de relações que proporcionam expansão de consciência.

Sobre o SBSS

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 de agosto próximo. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. Os eventos são promovidos pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e serão realizados no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), de forma presencial e com transmissão on-line ao vivo.

A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 08 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 08 às 12 horas.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão abertas. O investimento para o primeiro lote, que encerra nesta quarta-feira (06), é de R$ 440 para o evento presencial e R$ 4000 para o virtual para profissionais, R$ 330 (presencial) e R$ 300 (virtual) para estudantes. A partir desta quinta-feira (07) inicia a venda do segundo lote com reajuste no valor das inscrições.

Até o dia 10 de agosto os valores serão de R$ 530 (presencial) e R$ 440 (virtual) para profissionais e R$ 400 (presencial) e R$ 340 (virtual) para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 600 (presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site www.nucleovet.com.br.

Quem faz acontecer 

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Aquicultura e pesca

Pintado entra na lista nacional de espécies ameaçadas de extinção

A proibição de captura refere-se apenas ao peixe da espécie Pseudoplatystoma corruscans, que ocorre nas Bacias Hidrográficas do Rio São Francisco, Paraguai, Paraná e Uruguai.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Mapa

A Portaria do Ministério do Meio Ambiente nº 148, de 7 de junho de 2022, incluiu a o Pseudoplatystoma corruscans, popularmente conhecido como “Pintado”, na Lista Oficial das Espécies Brasileiras Ameaçadas de Extinção, na categoria Vulnerável (VU).

Pseudoplatystoma corruscans refere-se apenas ao peixe da espécie de Pintado que ocorre nas Bacias Hidrográficas do Rio São Francisco, Paraguai, Paraná e Uruguai. No entanto, as proibições se aplicam para todo o território nacional.

Para outras espécies popularmente conhecidas como Pintados e Surubins (Pseudoplatystoma punctifer e Pseudoplatystoma tigrinum) não houve proibição de pesca, devendo ser respeitados apenas as legislações vigentes quanto ao defeso e ao tamanho mínimo de captura.

As espécies constantes da Lista ficam protegidas de modo integral, incluindo, entre outras medidas, a proibição de captura, transporte, armazenamento, guarda, manejo, beneficiamento e comercialização. A nova Lista, bem como as proibições associadas, entra em vigor a partir de 06 de setembro de 2022.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
Yes 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.