Conectado com
Minuto Agro

Notícias 2ª Conbrasul Ovos

Especialistas defendem aumentar exportações entre principais oportunidades do setor

Na programação, debatedores defenderam mercado externo para combater a vulnerabilidade da avicultura de postura às variações do mercado interno

Publicado em

em

Divulgação

Ampliar as exportações de ovos e agregar valor ao produto são algumas das oportunidades mais importantes e desafiadoras da avicultura de postura no Brasil, defenderam alguns dos debatedores da 2a Conferência Brasil Sul da Indústria e Produção de Ovos (2a Conbrasul Ovos) na segunda-feira (17), em Gramado, na serra gaúcha.

Problemas sanitários em vários países, como surtos de influenza aviária e peste suína africana, aliados a guerra comercial travada entre Estados Unidos e outros países, especialmente a China, formaram um cenário muito favorável às exportações de proteína animal brasileira, defendeu o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra. “Eu não vejo um momento tão positivo para as exportações brasileiras nos últimos 12 anos. E o ovo deve aproveitar esta oportunidade, já que a proteína animal brasileira tem uma imagem muito boa no cenário internacional graças ao status sanitário diferenciado do nosso plantel”.

A economista da Farsul (Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul), Danielle Guimarães, apontou o mercado externo como a melhor estratégia para reduzir a vulnerabilidade da avicultura de postura às variações de mercado. “O Brasil é apenas 17o exportador mundial de ovos, o que representa menos de 1% do total exportado no mundo. Existe uma oportunidade aí que pode nos deixar mais protegidos das variações do mercado interno”, salientou.

Na mesma linha, o fundador da Granja Faria, Ricardo Faria, afirmou que o aumento de produção de ovos no país não se sustenta sem o crescimento do consumo. “Por isso o mercado externo é tão importante”. Para a Maria Luiza Pimenta, membro do Conselho Administrativo da Somai Nordeste, o produtor precisa investir em qualidade para exportar. “O pequeno produtor, o médio e o grande deveriam exportar, mas o pequeno e o médio produtor precisam chegar em um patamar de qualidade para isso e eles têm que conseguir fazer isso. O principal gargalo é interno. É a nossa consciência”.

O diretor do Grupo Mantiqueira, Guilherme Moreira, lembrou que o setor não tem investido em inovações ressaltando a falta de interesse no mercado externo. “A gente [Grupo Mantiqueira] exporta de 20 a 30 contêineres por mês. Com investimentos em exportação e marketing de ovos especiais começaram a criar demanda. Então é isso. Somos nós quem temos que gerar a demanda. O Brasil começou a ampliar nossas exportações, mas parou porque o mercado interno estava muito aquecido, o que quer dizer que exportar não é premissa, mas existe uma demanda e a gente também pode exportar agregando mais valor”.

A 2a Conbrasul Ovos segue até amanhã, dia 19 de junho, em Gramado na serra gaúcha. Outras informações sobre a 2a Conbrasul estão disponíveis no site do evento, através do telefone (51) 3228-8844, com Kamila Beheregaray, ou pelo e-mail: comercial.conbrasul@ovosrs.com.br.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × um =

Notícias Mercado

Mesmo com exportação aquecida, preços internos da carne de frango registram queda em maio

Enquanto as vendas nacionais foram marcadas pela menor liquidez, as exportações estiveram aquecidas

Publicado em

em

Divulgação/Alltech

O mercado de carne de frango registrou movimentos distintos entre as negociações domésticas e as exportações em maio, de acordo com pesquisas do Cepea. Enquanto as vendas nacionais foram marcadas pela menor liquidez, as exportações estiveram aquecidas, registrando o maior volume de proteína avícola escoado pelo Brasil desde julho de 2018. Neste caso, a demanda chinesa intensa é quem tem impulsionado os embarques totais do Brasil ao longo dos últimos meses.

Na Grande São Paulo, o frango inteiro congelado se desvalorizou 3,4% de abril para maio, com a média a R$ 4,10/kg no último mês. Além disso, a média de maio ainda esteve 14,7% abaixo da verificada em maio de 2019, em termos nominais. Para o produto resfriado na mesma região, a cotação foi a R$ 3,96/kg, quedas de 3,2% frente à de abril e de 17,4% na comparação com maio de 2019.

No front externo, segundo dados da Secex, o Brasil exportou 372,5 mil toneladas de carne de frango in natura em maio, volume 16,1% acima do verificado no mês anterior e ainda 4,3% maior que em maio de 2019. Com incremento no volume e o câmbio bastante elevado, a receita em Reais obtida pelo setor subiu com força, atingindo novo patamar recorde, de R$ 2,82 bilhões.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Plantio de trigo da Argentina tem forte avanço diante de previsão de chuvas

Agricultores do país promoveram um avanço semanal de 16,6 pontos percentuais no plantio dos 6,8 milhões de hectares previstos para a safra

Publicado em

em

Divulgação

O plantio de trigo 2020/21 da Argentina teve forte avanço na última semana, diante da aproximação de chuvas que podem dificultar os trabalhos de semeadura, disse na quinta-feira (04) a Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA) em relatório semanal de cultivos.

A Argentina é uma importante exportadora global do cereal e, segundo a instituição, os agricultores do país promoveram um avanço semanal de 16,6 pontos percentuais no plantio dos 6,8 milhões de hectares previstos para a safra, cuja semeadura atingiu 30% do projetado.

O ritmo veloz de plantio “responde à necessidade de se utilizar a umidade remanescente (no solo) e de se antecipar às chuvas previstas para este fim de semana”, disse a bolsa, acrescentando que os trabalhos na atual temporada estão 10 pontos percentuais à frente do ritmo do ciclo anterior. No mês passado, a BCBA projetou a safra de trigo da Argentina em um recorde de 21 milhões de toneladas.

No que diz respeito à soja 2019/20, cuja produção foi estimada em 49,5 milhões de toneladas, a bolsa disse que a colheita da oleaginosa atingiu 98,6% da área prevista. A Argentina é a maior exportadora de óleo e farelo de soja do mundo.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Segundo Ocepar

Vendas de trigo alcançam 6% da safra no Paraná, com preços em alta

Preços do trigo são atrelados ao câmbio devido à dependência do país das importações

Publicado em

em

Cleverson Beje

A comercialização de trigo no Paraná alcançou 6% da produção estimada para a safra que está sendo plantada no Estado, com produtores aproveitando a alta de preços impulsionada pelo câmbio, disse o gerente técnico e econômico da Ocepar, Flávio Turra.

“Preços estão acima de R$ 1 mil por tonelada, acima de R$ 60 por saca, um valor atrativo para antecipação das vendas… também sabemos que, com o arrefecimento do câmbio, a tendência é que esses preços diminuam um pouco”, afirmou Turra em evento online promovido pela associação da indústria do setor Abitrigo. Ele não forneceu um percentual comparativo.

Os preços do trigo são atrelados ao câmbio devido à dependência do país das importações. Desta forma, as cotações internas seguem a paridade do valor do produto importado.

Com base em dados do Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná, Turra afirmou que a produção estimada para esta temporada é de 3,5 milhões de toneladas, avanço de 65% em relação ao ano anterior, quando a produção foi fortemente afetada por adversidades climáticas.

“Neste ano, até o momento, o clima está colaborando para a cultura no Estado. Nas áreas que cultivamos trigo, que não fazem safrinha, o único risco que ainda pode acontecer é o de falta de chuvas ou alguma geada tardia ou chuva na colheita”.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.