Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Comemoração

Embrapa celebra 48 anos com emoção e homenagens

Parceiros, produtores, autoridades e homenageados destacaram a importância da estatal para a inovação do agro brasileiro

Publicado em

em

Divulgação

Pela segunda vez consecutiva, em função da pandemia que impôs restrições a eventos presenciais, a solenidade de aniversário da Embrapa foi realizada de forma remota e virtual. Neste ano, porém, os 48 anos da Empresa foram celebrados por meio de uma live descontraída, com um tom mais informal, realizada na quarta-feira (28), às 10 horas, e acompanhada por meio do YouTube por mais de 1.700 pessoas.

No palco, somente os apresentadores Fernanda Diniz e Sérgio Abud, empregados do quadro da Embrapa; o presidente Celso Moretti; o presidente do Conselho de Administração da Empresa (Consad), Fernando Camargo; e a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. No lugar dos tradicionais discursos de autoridades e homenageados, depoimentos gravados em vídeo. A edição ágil permitiu mais leveza, focando e destacando melhor as mais recentes contribuições da Embrapa para melhorar a vida de quem trabalha no campo brasileiro, as metas do VII Plano Diretor e o Balanço Social 2020, que, mais uma vez, comprovou o retorno dado pela ciência ao investimento público e à sociedade.

Celso Moretti abriu a solenidade agradecendo e reconhecendo a parceria de pesquisadores da Empresa, diretores, gestores, colaboradores, instituições parcerias, produtores rurais, parlamentares, extensionistas e estudantes. Relembrou a trajetória da agropecuária nacional e o cenário da 70, quando a Embrapa foi criada e o Brasil ainda era submetido a condições de insegurança alimentar e importação de produtos básicos da mesa do brasileiro. “Foi quando aconteceu o início da grande transformação do campo, responsável pela revolução que hoje se consolidou e elevou o País à condição de exportador e protagonista dos cenários futuros da segurança alimentar mundial”, disse.

“Os solos ácidos e pobres do Cerrado foram transformados em terras férteis, teve início a tropicalização de culturas e animais, e o desenvolvimento de uma plataforma de produção sustentável – esses foram os três principais pilares responsáveis por toda essa transformação”, comentou, lembrando que, graças a tecnologia da ciência agropecuária, mais de 800 milhões de pessoas são alimentadas em todo o globo, em mais de 170 países.

Farol que aponta caminhos

Sobre o VII Plano Diretor da Embrapa, que chamou de “farol que aponta os caminhos futuros da empresa”, lembrou a tradição institucional de fazer planejamento estratégico desde a década de 90. “Em novembro do ano passado, pela primeira vez, ousamos nesse planejamento, definindo nossas metas em objetivos quantificáveis, com números e dados que vão se concretizar em resultados”, afirmou, destacando entre os exemplos o aumento de 10 milhões de hectares as áreas com o sistema de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) no território nacional, até 2025, em parceria com o setor produtivo, em uma ação coordenada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para cada real investido na Embrapa, o retorno foi de R$ 17,7 em 2020

O presidente também falou sobre os resultados do Balanço Social 2020, uma tradicional forma da Embrapa apresentar à sociedade o resultado do trabalho desenvolvido pela ciência. “Há 24 anos, desenvolvemos estudos a partir de sólida metodologia científica para constatar esse retorno, social e econômico”, disse. “Esse lucro social obtido por meio de uma amostra de 152 tecnologias e pela adoção de 220 cultivares de plantas é de 61 bilhões de reais, que divididos pelo custo anual da Embrapa, demonstra que para cada 1 real que a sociedade investiu, no ano passado, foram devolvidos 17,7 reais”, destacou.

Moretti chamou a atenção para o ano difícil de pandemia, ressaltando que as tecnologias da Embrapa ajudaram a criar 41 mil empregos no agro brasileiro. Sobre os lançamentos de tecnologias, o presidente referiu-se à Embrapa como uma “casa de soluções” a partir da pesquisa e do desenvolvimento. Foram apresentadas seis novas soluções tecnológicas da Embrapa para o agro brasileiro.

Aquaplus e mitigação da seca por bactérias do mandacaru

A primeira delas foi a plataforma Aquaplus, desenvolvida pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília-DF) e pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas-SP), que consiste na análise, manejo, melhoramento e qualificação genética das principais espécies da aquicultura nacional. A plataforma possui três ativos disponíveis hoje: o TambaPlus pureza, o TambaPlus parentesco e o recém lançado VannaPlus 1.0, que testa a paternidade, o parentesco e faz a identificação individual do camarão cinza. Além desses, existem novos ativos em fase final de validação técnica, que serão inseridos na plataforma ainda esse ano: TrutaPlus, TilaPlus, ArapaimaPlus e PirapitingaPlus.

A segunda solução tecnológica apresentada na live foi a mitigação da seca por bactérias benéficas, desenvolvida pela Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna-SP). Como seu nome sugere, o processo consiste em associar micro-organismos à soja, ao milho e ao trigo com o objetivo de diminuir os efeitos do stress hídrico nesses produtos. Um bioinsumo foi desenvolvido para a cultura do milho em parceria com a empresa privada NOOA, o Auras, que é o primeiro produto biológico desenvolvido a partir da bactéria Bacillus aryabhattai, presente nas raízes do Mandacaru.

“É a criatividade dos pesquisadores que olharam para uma cactácea da Caatinga brasileira e observaram que nas raízes dela cresciam bactérias que ajudavam a planta a se adaptar e a conviver com a seca”, contou o presidente da Embrapa. “Isso é algo que vai ajudar 25 milhões de habitantes do semiárido brasileiro, em mais de 100 milhões de hectares”, afirmou.

Nanoemulsão de cera de carnaúba e sanitização do açaí

Em seguida foi apresentada a nanoemulsão de cera de Carnaúba, tecnologia desenvolvida pela Embrapa instrumentação (São Carlos-SP), em parceria com a QGP Tanquímica e com a Universidade Federal de São Carlos. Se trata de uma cera vegetal à base de Carnaúba, com nanopartículas invisíveis a olho nu, para revestimento de frutos de mesa.

A nova tecnologia pode prolongar o tempo de vida dos frutos de 10 a 15 dias em relação ao método convencional, auxiliando na manutenção da qualidade e na redução das perdas pós-colheita. O revestimento de frutas frescas foi lançado no mercado em 2019, já sendo utilizado no Peru e no Chile, e em 2021 chegará aos mercados norte-americano e europeu com o nome Life Ultra, por intermédio da agrofresh, a maior empresa de pós-colheita do mundo.

Também foi apresentado o processo de sanitização do açaí por choque térmico, desenvolvido pela Embrapa Amapá (Macapá-AP). Ativo qualificado em 2021, tem como objetivo o controle do protozoário Trypanosoma cruzi, causador da doença de Chagas, e também dos principais micro-organismos patogênicos contaminantes do açaí, provocadores de intoxicação alimentar e gastroenterites.

Consiste na lavagem e sanitização, aquecimento do produto seguido imediatamente pelo resfriamento, e por fim, o despolpamento em batedeiras. A aplicação é indicada para pequenas e médias indústrias de processamento de açaí e não causa mudança no sabor da fruta. “É mais uma contribuição para a cadeia produtiva da fruta e para o público urbano, que terá segurança para consumidor o produto, sem o risco de contaminação”, salientou Celso Moretti.

Novas cultivares de algodão e soja resistentes a doenças e pragas

A BRS 500 B2RF foi a próxima solução apresentada, dessa vez voltada para a cotonicultura. A cultivar de algodoeiro é geneticamente modificada e foi desenvolvida pela Embrapa Algodão (Campina Grande-PB), possuindo alta produtividade e produção de fibra branca de comprimento médio. É resistente às lagartas, ao herbicida glifosato, e também aos nematoides de galha e à mancha da Ramulária, uma das principais doenças do algodoeiro. A BRS 500 B2RF é indicada para as áreas comerciais de elevada produtividade, além daquelas com incidências de nematoides de galha na região do cerrado.

Já a BRS 539 é uma cultivar de soja convencional (não transgênica) lançada pela Embrapa Soja (Londrina-PR), e que utiliza duas tecnologias: a Shield, que confere resistência genética à ferrugem asiática, e a Block, que da à soja tolerância ao complexo de percevejos. Segundo os pesquisadores da Embrapa, o uso de cultivares com essas tecnologias se mostra de extrema importância no contexto do manejo integrado de pragas. Além disso, a cultivar tem alto potencial produtivo e estabilidade e estará disponível para a safra 2021/2022, para agricultores que cultivam soja orgânica ou não transgênica.

Publicações e novos cursos virtuais

Como forma de disponibilizar conhecimentos e resultados gerados para a sociedade, a Embrapa reservou um espaço na live de aniversário para divulgar publicações e novos cursos virtuais. Quatro publicações foram destacadas: “Tecnologias Poupa-Terra 2021”, “Manual para Gestão da Água e de Resíduos do Processamento de Peixes”, O Eucalipto e a Embrapa – Quatro Décadas de Pesquisa e Desenvolvimento” e “Juventudes, Identidades e Saberes Agroecológicos”.

Treze cursos online serão ofertados, com inscrições abertas a partir de quinta-feira (29), sendo 11 gratuitos.  Os conteúdos foram desenvolvidos por especialistas da Embrapa e estão disponibilizados na plataforma de ensino no portal da Embrapa, o e-campo (www.embrapa.br/e-campo).

Homenageados destacam papel decisivo do Brasil para alimentar a humanidade

Seis personalidades do agro foram homenageadas durante a solenidade do 48º aniversário da Embrapa e, além de demonstrarem o reconhecimento ao trabalho já realizado nesses anos todos, destacaram a importância da ciência para o setor, a necessidade de modernização e o olhar no futuro, principalmente para que a agropecuária brasileira se torne cada vez mais sustentável.

Governo Federal

Em seu discurso, a ministra Tereza Cristina, homenageada na categoria “Governo Federal”, reforçou esse desafio. Ela disse que o Brasil é uma potência agroambiental e que “a jóia da coroa”, como gosta de se referir à Embrapa, deverá manter seu apoio para que o Brasil continue oferecendo segurança alimentar ao país e para mais de 800 milhões de pessoas no mundo.

Tereza Cristina lembrou que, mesmo durante a pandemia, que paralisou atividades no mundo todo, a Embrapa continuou trabalhando com a agricultura movida à ciência. “Nesses dias difíceis a gente vê como a ciência é importante, como investir na ciência é importante para os países”, afirmou. Deu como exemplo as vacinas desenvolvidas por cientistas e lembrou que a Embrapa desenvolve alimentos, também fundamentais.

Após retransmitir uma breve mensagem de apoio do presidente Jair Bolsonaro, a ministra comentou algumas entregas feitas durante a solenidade, como a plataforma Aquaplus e a mitigação da seca por bactérias benéficas, que terão forte impacto nas regiões Norte e Nordeste do país. Encerrou dizendo que é preciso modernizar, “porque os tempos hoje andam muito rápido e nós precisamos estar à frente como sempre esteve nossa querida Embrapa”.

Produtor rural

Nesta categoria, o homenageado foi Paulo Roberto Bonato, que tem propriedades em Cristalina (GO) e Brasília (DF), onde apoia a produção de sementes de trigo e projetos de transferência de tecnologia. Bonato é recordista em produtividade de trigo, com quase 150 sacas por hectare. “Estou muito feliz em receber essa homenagem da Embrapa e queria agradecer às pessoas que não mediram esforços para que eu conseguisse essa produtividade”, disse.

Ele agradeceu aos pesquisadores da Embrapa, que desenvolveram uma variedade adaptada para a região e com alto potencial produtivo, à Coopa-DF (Cooperativa dos Produtores Agropecuários do Distrito Federal), que incentivou e valorizou o trigo daquela região, aos seus colaboradores que conseguiram implementar os tratos culturais necessários, e à sua família, por entender sua dedicação à agricultura.

Setor produtivo

O diretor-presidente do Sebrae Nacional, Carlos Melles, foi o homenageado nesta categoria. A parceria institucional com a Embrapa visa a maior inserção dos pequenos negócios rurais no mercado. Melles recordou o início de seus contatos com a empresa, já na década de 1970, e falou que poucas instituições geram tanta alegria e a sensação de missão cumprida nesse país de agricultura tropical.

“A Embrapa fez uma transformação no país sob o aspecto da agricultura, do domínio sobretudo do bioma Cerrado, enfim, deu um exemplo ao mundo de como se faz uma agricultura eficiente e competente na produção de alimentos, no desenvolvimento da ciência e da tecnologia para o bem do ser humano, afirmou”

Mérito técnico-científico

O pesquisador José Carlos Polidoro, da Embrapa Solos (Rio de Janeiro-RJ), foi o homenageado na categoria Mérito técnico-científico. Ele coordena o Pronasolos (Programa Nacional de Levantamento e Intepretação de Solos). “Receber esse prêmio é motivo de extremo orgulho e me dá a certeza de que devo dividi-lo com toda a equipe da Embrapa Solos. O fato de eu receber esse prêmio por ter sido líder na articulação institucional, na formação de parcerias para construir o Pronasolos, que é o maior programa de solos do mundo tropical e que vai mudar a relação do homem com esse recurso natural fundamental para a sua existência, mostra que a Embrapa Solos está no caminho certo.” Ele também agradeceu à família.

Legislativo Federal 

O deputado federal Alceu Moreira, do Rio Grande do Sul, foi escolhido por sua parceria e contribuições para o desenvolvimento da pesquisa e do agro nacional para receber a homenagem nesta categoria. Ele disse que a história do Brasil seria outra se não fosse essa empresa de pesquisa.

“Ela, na verdade, é responsável por transformar nosso país em celeiro do mundo. Ninguém vai conseguir falar da alimentação dos seus povos sem antes sentar e deixar uma cadeira para o Brasil. Somos decisivos, somos certamente do ponto de vista geopolítico, um dos países que têm maior importância para humanidade”, falou. Ele disse que esse protagonismo se deve aos produtores, ao clima, ao solo, mas principalmente à Embrapa.

Especial

Na categoria Especial, a homenagem foi para o ex-ministro da Agricultura e atual presidente da Abramilho (Associação Brasileira dos Produtores de Milho), Alysson Paolinelli. Indicado para o Prêmio Nobel da Paz deste ano, Paolinelli lembrou que conhece a Embrapa desde a sua criação.

“Nesta caminhada eu aprendi que a agricultura tem de ser movida à ciência. Fizemos isso juntos no Brasil e hoje, com muita honra, podemos medir os resultados deste trabalho. O Brasil deixou de ser um importador de alimentos e se transformou no maior player exportador de alimentos para a Terra, sendo hoje o sustentáculo e, sobretudo, a segurança alimentar para os povos que virão.”

Parceiros

Antes das homenagens, depoimentos gravados por importantes parceiros foram exibidos na solenidade. Deixaram seus cumprimentos o presidente da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Márcio Lopes de Freitas, e o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins Junior. Freitas lembrou que a agropecuária brasileira é uma das mais competitivas e sustentáveis do planeta e que as iniciativas de planejamento e projeção da empresa levarão ao sucesso no futuro. Martins falou que a Embrapa colocou o Brasil numa posição de destaque mundial em relação à produção de alimentos.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado federal Sérgio Souza, também se manifestou. Ele disse que se não fosse a Embrapa, o Brasil não seria hoje o segundo maior produtor e exportador de alimentos do planeta. “Alimento de qualidade produzido em áreas que nunca ninguém imaginou que fosse possível.”

Revolução digital

Fernando Camargo, presidente do Consad (Conselho de Administração da Embrapa), também deixou sua mensagem. Primeiro, lembrou que a ciência aplicada teve papel fundamental para que o peso da alimentação na cesta básica do brasileiro diminuísse muito. “Isso foi a maior política de Estado, talvez a maior conquista que fizemos para a população brasileira nos últimos 48 anos.”

Agora, segundo Camargo, é o momento de ajudar o Brasil a fazer a revolução da agropecuária digital, da agricultura do século 21, da agricultura de precisão, da agricultura de 5.0. “Enfim, a Embrapa tem muito a contribuir ainda com o Brasil e com o mundo, porque todos sabemos que nós conseguimos alimentar mais de 170 países e mais de um bilhão de pessoas.”

O presidente da Embrapa, Celso Moretti, fez questão de saudar todos o homenageados e destacou o trabalho do Pronasolos. “Se conhecendo apenas 5% do nosso território, o Brasil já fez essa revolução na agricultura mundial, imaginem quando o país conhecer 100% dos nossos solos. Ninguém vai segurar o Brasil”, afirmou.

Fonte: Embrapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 20 =

Notícias Avicultura

ACAV abre inscrições e anuncia programação do Simpósio de Avicultura

As palestras serão transmitidas a partir dos estúdios da BS Áudio, em Chapecó, SC

Publicado em

em

Divulgação

A Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) anunciou hoje o programa oficial do Simpósio de Qualificação Técnica ACAV programado para o período de 20 a 22 de setembro próximo, em formato 100% virtual.
“O evento reunirá proeminentes especialistas para abordagem dos temas mais atuais e relevantes de uma das maiores e mais avançadas cadeias produtivas do mundo – a avicultura industrial brasileira“, manifesta o coordenador geral Bento Zanoni.

As palestras serão transmitidas a partir dos estúdios da BS Áudio, em Chapecó (SC).

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo site www.simposioacav.com.br. O valor das inscrições, até o dia 31 de agosto, é de R$ 250,00 para profissionais e de R$ 125,00 para estudantes. Depois, os valores sobem para R$ 300,00 (profissionais) e R$ 150,00 (estudantes) e permanecem nesse patamar até o final do evento.

Eventos paralelos

O dia 20 de setembro (segunda-feira) será destinado a uma programação paralela. Durante a manhã e à tarde expositores desenvolverão atividades com públicos de seu interesse. Da mesma forma, nas manhãs dos dias 21 e 22.

Programação científica

O Simpósio de Qualificação Técnica, propriamente, iniciará às 14 horas do dia 21 de setembro (terça-feira) com manifestação de autoridades e dirigentes, seguida da palestra de abertura sobre “Cenários atuais e os próximos desafios do Brasil”.

Na sequência estão previstas quatro palestras.

Às 15h20, Leonardo Linares prelecionará sobre “Alternativas de grãos e os impactos que podem proporcionar nas reprodutoras”.

Às 15h50, Rick Van Emous irá discorrer sobre “Nutrição da matriz visando adequada composição corporal e produtividade”.

Depois de breve intervalo, às 16h30, Winfridus Bakker abordará o tema “Manejo para aumentar a produtividade e garantir a qualidade de ovos”.

A última palestra do dia será ministrada às 17 horas por Breno Castello Branco Beirão e versará sobre “Tecnologias utilizadas para otimizar o manejo da vacinação evitando perda de produtividade”.

Para o dia 22 de setembro (quarta-feira), etapa final do Simpósio, estão programadas cinco palestras.

Às 14 horas, Marco Aurélio Romagnole de Araújo abordará “Manejo de machos reprodutores para alta performance”.

Às 14h30, Fábio Luiz Bittencourt falará sobre “Construindo uma incubação de alta performance com foco em qualidade de pintos”.

Às 15 horas, Tiago Gurski, Evair Basso e Carlos de Oliveira abordarão “A influência da qualidade e contaminação de ovos e o impacto na primeira semana de vida da progênie”.

Após intervalo, às 16h10, inicia a exposição sobre “Atualização da epidemiologia no Brasil e perspectivas para os próximos anos”, a cargo de Joice Leão.

Caberá a André Luiz Della Volpe a palestra final, focalizando “Manejo adequado para a prevenção de doenças em áreas endêmicas.” Segue-se mesa redonda de debates e, ao final, o Simpósio de Qualificação Técnica ACAV será encerrado.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Tecnologia

Inoculação multifuncional visa revolucionar as pastagens brasileiras

Tecnologia aumenta biomassa e incrementa a absorção de nitrogênio, fósforo e potássio

Publicado em

em

Ronaldo Rosa

A Embrapa Soja (PR) acaba de desenvolver uma tecnologia inovadora que associa microrganismos com propriedades multifuncionais (Azospirillum brasilense e Pseudomonas fluorescens) com potencial para aumentar, em média, em 22% a produção das pastagens com braquiárias, além de ampliar a absorção de nutrientes pelas plantas. De acordo com os pesquisadores da Embrapa Mariangela Hungria e Marco Antonio Nogueira, além de incrementar a produção de biomassa pelas forragens, a inoculação com microrganismos incrementa a absorção de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K). “O desenvolvimento dessa tecnologia de inoculação multifuncional para pastagens reforça a liderança brasileira no uso de microrganismos na agricultura”, afirma Hungria ao ressaltar que a conquista também representa o compromisso com o desenvolvimento de sistemas produtivos e sustentáveis.

Esse inoculante multifuncional já está disponível para os produtores, por intermédio de uma parceria público-privada entre a Embrapa e a empresa Biotrop, que está lançando o pacote tecnológico denominado PASTOMAX. O pacote é composto de um kit com três produtos: PASTOMAX PK (Pseudomonas fluorescens); PASTOMAX N (Azospirillum brasilense) e PASTOMAX Protege (aditivo protetor, visando a proteção das bactérias contra dessecação e raios solares).

Para Jonas Hipólito, diretor de Marketing e Estratégia da Biotrop, o desenvolvimento do produto em conjunto com a Embrapa reforça o compromisso da empresa em buscar soluções inovadoras, de claro retorno sobre o investimento para seus clientes. “A Biotrop fomenta parcerias público-privadas, como a estabelecida com a Embrapa, por entender que a pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias possibilitam a rápida disponibilização de novas soluções voltadas à produtividade agropecuária, que tornam o campo mais sustentável e rentável, que é o objetivo de nossa empresa.”

As pesquisas da Embrapa Soja com braquiárias completaram uma década. Na última etapa, foram conduzidos ensaios por quatro safras, em duas condições de solo e clima distintos, com inoculação via sementes e, também, em aplicação foliar em pastagens já estabelecidas. No caso da bactéria Azospirillum, os principais processos microbianos envolvidos são a síntese de fitormônios, promovendo o crescimento das raízes em até três vezes; e a fixação biológica do nitrogênio. A inoculação com essas bactérias via sementes ou via foliar em pastagens estabelecidas resultou, além do incremento na biomassa, em aumento médio de 13% na concentração de N e de 10% na de K.

Por sua vez, a Pseudomonas contribui com um conjunto de processos bioquímicos (que incluem a solubilização de fosfatos, a síntese do fitormônio AIA e de uma enzima reguladora da produção de etileno). Nesse caso, a inoculação via sementes ou foliar resultou em incremento, na biomassa, de 11% no potássio (K) e de 30% no fósforo (P). Vale destacar que o desenvolvimento da tecnologia procurou viabilizar o sinergismo entre os microrganismos e permite a aplicação tanto na fase de estabelecimento de pastagens, quanto em pastagens já estabelecidas. Portanto, é uma conquista para atender também a uma demanda dos produtores que precisam melhorar as pastagens já estabelecidas”, comemora a pesquisadora.

Recuperação de pastagens

No Brasil, 180 milhões de hectares são ocupados por pastagens, sendo 120 milhões com pastagens cultivadas, 86 milhões com braquiárias. De acordo com levantamento da Embrapa, cerca de 70% das pastagens brasileiras encontram-se em algum estágio de degradação, produzindo abaixo de seu potencial. “Portanto, não é o momento de diminuir o uso de fertilizantes, mas sim de usar o potencial dos microrganismos para incrementar a eficiência de uso desses fertilizantes”, destaca Nogueira. Como uma grande contribuição dessas bactérias ocorre pela promoção do crescimento das raízes, as plantas absorvem mais água e nutrientes, aproveitando melhor os fertilizantes. “Hoje o Brasil importa, aproximadamente, 80% do N-P-K que consome, de modo que o aumento na eficiência de uso dos fertilizantes promove grande impacto”, ressalta Nogueira.

Créditos de carbono

No caso do Azospirillum, o processo de fixação biológica do nitrogênio também resulta em aporte desse nutriente. Os estudos conduzidos pela Embrapa mostram que, em média, a inoculação com Azospirillum foi equivalente a uma aplicação de 40 kg/ha de N. Do ponto de vista ambiental, Mariangela afirma que, ao se considerar que o uso de 1 kg de nitrogênio fertilizante leva à emissão de, aproximadamente, 10 kg de CO2-equivalentes (CO2-eq), a inoculação contribui para a mitigação de cerca 400 kg/ha de CO2-eq. “Além disso, com o incremento médio na biomassa de forragem de 440 kg/ha, e o valor de referência de 443 g de C/kg de braquiária, a estimativa de sequestro de carbono é de 195 kg de C/ha, ou 710 kg de CO2-eq/ha. Isso poderá, inclusive, ser usado no mercado nacional e internacional de créditos de carbono”, enfatiza.

Inoculantes microbianosda pesquisa básica ao mercado

Desde a década de 1990, a Embrapa Soja realiza pesquisas, desenvolvimento biotecnológico e transferência de conhecimentos relacionados ao uso de inoculantes microbianos, especialmente para os sistemas de produção com soja.

Ensaios realizados comprovam que a reinoculação anual em áreas cultivadas com soja resulta em incremento médio de 8% no rendimento, sem a necessidade de suplementação com fertilizantes nitrogenados. Além de aumentar o rendimento, a inoculação reduz o custo de produção pela economia no uso de fertilizantes nitrogenados e também traz benefícios ambientais.

As pesquisas da Embrapa na década de 2000 foram ampliadas para a busca de outros microrganismos promotores do crescimento de plantas para gramíneas. Como resultado, em 2009, foi lançada nova tecnologia com estirpes da espécie Azospirillum brasilense para as culturas do milho e do trigo. Na safra de 2019/2020, foram comercializadas 10,5 milhões de doses de inoculantes com essas estirpes.

Na década de 2010, as pesquisas evidenciaram os benefícios de inóculos múltiplos para potencializar o crescimento das plantas. Em 2014, a Embrapa Soja lançou a coinoculação da soja e do feijoeiro, que consiste no uso de duas bactérias – os rizóbios específicos para cada leguminosa e o Azospirilum – o que permitiu ampliar para 16% os benefícios anuais de rendimento da soja. Em apenas cinco anos, a coinoculação já é adotada em 25% da toda a área cultivada com soja no Brasil.

Os estudos com braquiária iniciaram em 2010, a partir da bioprospecção, no banco de germoplasma de microrganismos da Embrapa Soja, de bactérias capazes de promover o crescimento dessa forrageira. Em 2016, foi realizado o primeiro lançamento para a inoculação de braquiárias, via sementes. “Mas as necessidades brasileiras requeriam também soluções para pastagens estabelecidas, além do aporte de outros nutrientes, particularmente o fósforo, diferenciais do atual lançamento, de um inoculante multifuncional para aplicação via sementes ou foliar”, destaca Mariagela. A pesquisadora reforça que para que a pesquisa pública brasileira continue entregando soluções inovadores é necessário o investimento contínuo em ciência e recursos humanos, assim como o estabelecimento de parcerias produtivas com o setor privado.

Fonte: Embrapa Soja
Continue Lendo

Notícias Oportunidade

Minerva Foods abre mais de 100 vagas de emprego em Rolim de Moura/RO

Os interessados em participar do processo seletivo podem enviar seus currículos por e-mail

Publicado em

em

Divulgação

A Minerva Foods, líder em exportação de carne bovina na América do Sul e uma das maiores empresas na produção e comercialização de carne in natura e seus derivados na região, anuncia a abertura de 133 vagas de emprego em sua unidade produtiva localizada em Rolim de Moura/RO.

As oportunidades incluem funções como auxiliar de produção, operador de máquina, faqueiro, magarefe, desossador, impressor de rótulos, serrador, classificador, assistente de controle de qualidade, mecânico, eletricista, operador de romaneio e recebedor de bovinos.

Os interessados em participar do processo seletivo podem enviar seus currículos para o e-mail: recrutamento-rm@minervafoods.com ou podem deixar o documento impresso na portaria da Companhia, localizada no endereço Rodovia RO 010, km 14 – Sentido Pimenta Bueno.

A empresa reforça as recomendações de cuidado com a saúde e pede que os interessados que optarem por entregar o currículo presencialmente utilizem máscara cobrindo boca e nariz, evitem aglomerações e usem álcool 70% para higienização das mãos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Simp. Brasil Sul de Suínos 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.