Conectado com

Notícias

De Primeira, Sem Dúvida: Manejo no tempo correto pode viabilizar aumento de produtividade de 5% nas lavouras de soja

Publicado em

em

Desenvolvido para oferecer aos sojicultores brasileiros informações diferenciadas para se produzir mais e melhor, o projeto ’De Primeira, Sem Dúvida’, da Bayer CropScience, concluiu sua primeira etapa de monitoramentos com o encerramento da safra 2014/2015. Realizado nas seis principais regiões produtoras da cultura no País, o projeto constatou aumento médio de produtividade de 4,78%– 3,29 sacas a mais por hectare – nas áreas em que a aplicação de fungicidas foi efetuada no tempo certo em comparação com áreas onde a aplicação não ocorreu no momento adequado.

Participaram do projeto o Centro de Pesquisa e Inovação da Bayer em Paulínia (SP), Instituto Phytus (Santa Maria/RS e Planatina/DF), Cooperativa Agroindustrial Consolata – Copacol (Cafelândia/PR), AgroCarregal (Rio Verde/GO) e Agrodinâmica (Campo Novo de Parecis/MT). Monitoradas em tempo real, por meio de câmeras, cada área pesquisada contou com o acompanhamento diário de renomados especialistas no segmento de fitopatologia, que tiveram o desafio de combater a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a produtividade da cultura.

Um dos pesquisadores participantes, Ricardo Balardin, da Universidade Federal de Santa Maria (RS), ressalta também o balanço positivo conquistado pelo programa. “Mesmo em condições climáticas totalmente diferentes nas áreas de experimento, a primeira etapa do ‘De Primeira, Sem Dúvida’ mostrou que o trabalho preventivo de controle de doenças é fundamental para evitar perdas e, consequentemente, aumentar a produtividade da safra”, argumenta.

Confira a tabela que compara o desempenho – em sacas por hectare – nas áreas com manejo correto e atrasado: 

Local

Manejo

Diferença

Correto

Atrasado

Cafelândia/PR

86,12

80,43

7,08%

Rio Verde/GO

84,88

80,14

5,91%

Campo Novo do Parecis/MT

69,30

69,70

-0,57%

Itaara/RS

66,01

64,18

2,85%

Planaltina/DF

75,41

73,04

3,24%

Paulínia/SP

52,10

46,60

11,80%

Além de Balardin, os estudos tiveram a orientação de Tiago Madalosso, engenheiro agrônomo responsável pelo Centro de Pesquisa Agrícola (CPA), Silvânia Helena Furlan, do Instituto Biológico (SP), Luis Henrique Carregal, da Universidade de Rio Verde (GO) e Waltemir José Carlin, engenheiro agrônomo da consultoria Agrodinâmica. 

De acordo com Everson Zin, líder do projeto e gerente de Estratégia de Marketing da Bayer CropScience para FOX®, o uso da ferramenta propiciou que os pesquisadores verificassem o avanço da lavoura e, com isso, tomassem as decisões, sob as suas óticas técnicas, para realizar as projeções de manejo de doenças. “Podemos dizer que o ‘De Primeira, Sem Dúvida’ atingiu plenamente as expectativas nesta primeira fase de atuação. O aumento de produtividade alcançado nas áreas manejadas no tempo correto mostra que esta experiência pode levar o setor a uma perspectiva bastante favorável para às próximas safras”, afirma. 

Expansão para a cultura do trigo 

A repercussão positiva sobre a iniciativa e os resultados apresentados em sua primeira fase viabilizou a expansão do ‘De Primeira, Sem Dúvida’ para áreas de cultivo de trigo já na safra 2015. Segundo o executivo da Bayer, a escolha foi motivada pelo fato da cultura exigir ainda mais cuidado, uma vez que está mais suscetível a adversidades com as condições climáticas e proliferação de doenças. “Assim como realizamos com os sojicultores, o objetivo é possibilitar que o triticultor consiga atingir as melhores práticas de manejo e, consequentemente, alcançar melhores níveis de produtividade. Na batalha travada a cada safra pelos agricultores brasileiros, contar com tecnologia, previsibilidade, monitoramento e correto posicionamento das aplicações de fungicidas é fundamental para se alcançar bons resultados’’, conclui Zin. 

Além dos cinco fitopatologistas da última safra, participarão da próxima etapa do projeto a Carolina Cardoso Deuner e Carlos Alberto Forcelini, ambos da Universidade de Passo Fundo (RS), Carlos André Schipanski da Fundação ABC, de Castro (PR), e Edson Borges da Fundação Chapadão, de Chapadão do Sul (MS).

Sobre a Bayer CropScience

A Bayer é uma empresa global, com suas principais atividades concentradas nas áreas de saúde, agricultura e materiais de alta tecnologia. A Bayer CropScience, subgrupo da Bayer AG e responsável pelo negócio agrícola, tem vendas anuais de EUR 9.494 bilhões (2014), sendo uma das líderes mundiais em ciências agrícolas e inovação nas áreas de sementes, proteção de cultivos e controle de pragas não-agrícolas. Oferece uma excelente gama de produtos, incluindo sementes de alto valor, soluções inovadoras para a proteção de cultivos baseadas em modos de ação químicos e biológicos, bem como extensivos serviços de suporte para o desenvolvimento de uma agricultura moderna e sustentável. Na área de produtos não-agrícolas, a Bayer CropScience tem um amplo portfólio de produtos e serviços para o controle de pragas, que abrange desde aplicações de casa e jardim até para o segmento de reflorestamento. A empresa conta com uma força de trabalho global de mais de 23.100 colaboradores e está presente em mais de 120 países. No Brasil, faz parte do Grupo Bayer, com mais 119 anos de atuação no País e aproximadamente quatro mil colaboradores. A Bayer CropScience, no Brasil, conta com mais de 1,6 mil colaboradores, uma instalação industrial em Belford Roxo (RJ) e um Centro de Pesquisa e Inovação no Estado de São Paulo.

Fonte: Ass. Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 3 =

Notícias Estimativa de produção

VBP estimado para 2022 chega a R$ 1,220 trilhão

As lavouras registraram alta de 3%. Algodão, café, tomate e trigo estão entre os produtos com melhores desempenhos.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/Claudio Neves/Portos do Paraná

O Valor Bruto da Produção (VBP) estimado para este ano é de R$ 1,220 trilhão, 0,3% acima do obtido em 2021, que foi de R$ 1,217 trilhão. O dado tem como base as projeções de safras divulgadas pela Conab e pelo IBGE em agosto, e que apontam para conclusão da colheita das principais lavouras.

De acordo com análise da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e a pecuária, contração de 5,5%.

“O decréscimo do faturamento da soja devido à queda de produção e a retração das principais atividades da pecuária são os principais fatores afetando negativamente o VBP deste ano. Somadas, as reduções de faturamento da soja e da pecuária resultam em um decréscimo de R$ 64 bilhões a preços de 2022. Mas em geral, este ano é de bom desempenho para a agropecuária”, diz nota da secretaria.

Entre as lavouras com melhor desempenho estão: algodão, com aumento real do VBP de 39,2%; banana, 12,5%; batata inglesa, 18,4%; café, 35,8%; cana de açúcar, 10,2%; feijão, 10,1%; milho, 16,6%; tomate, 30%; e trigo, 39,8%. As culturas foram impulsionadas pela alta de preços.

A pecuária teve retração nas atividades relacionadas a bovinos, frangos e suínos, em razão da queda de preços na comparação com o ano anterior. As exceções são para leite e ovos, que apresentam melhores resultados.

Em relação ao desempenho das regiões, Centro-Oeste tem o maior VBP, somando R$ 410,62 bilhões; seguida pelo Sudeste (R$ 305,5 bilhões), Sul R$ (R$ 284,8 bilhões), Nordeste (R$ 115,99 bilhões) e Norte (R$ 76,56 bilhões). Entre os estados, os cinco primeiros são Mato Grosso, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Goiás.

O VBP mostra a evolução do desempenho das lavouras e o faturamento bruto dentro do estabelecimento ao longo do ano, a partir do cálculo da safra agrícola, da pecuária e dos preços obtidos pelos produtores nas principais praças do país e dos 26 maiores produtos agropecuários nacionais.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Notícias No Rio Grande do Sul

45ª Expointer é lançada com expectativa de público de mais de 600 mil pessoas

Exposição vai ocorrer entre os dias 27 de agosto e 04 de setembro no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS).

Publicado em

em

O Governo do Rio Grande do Sul deu a largada, na segunda-feira (15), para a 45ª Expointer, que vai ocorrer entre 27 de agosto e 04 de setembro no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, em Esteio. O lançamento ocorreu no espaço Multiverso, no Cais Embarcadero, em Porto Alegre, com a presença do governador Ranolfo Vieira Júnior; do secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Domingos Velho Lopes; além de outros secretários estaduais, prefeitos, autoridades, convidados e imprensa.

No local, foram exibidas centenas de imagens do fotógrafo da Seapdr, Fernando Dias, que representam a diversidade produtiva do setor agropecuário gaúcho. “A Expointer é a feira onde demonstramos para o país e para o mundo a nossa principal vocação. Neste ano, temos uma expectativa altamente positiva, seja em relação ao número de circulação de pessoas ou de negócios, porque não haverá restrições para a presença de público. Por tudo isso, vamos transferir a sede do governo para o parque de exposições durante os nove dias da feira”, disse o governador.

Nos últimos dois anos, a feira ocorreu em meio a um cenário de restrições impostas pela pandemia – em 2020, foi fechada ao público; em 2021, contou com número de visitantes limitado para cumprimento dos protocolos de saúde.

Além de eventos técnicos, oficinas, julgamento de animais e exposição e venda de produtos, a edição de 2022 terá atividades de entretenimento, leilões e shows artísticos e culturais. Também haverá discussão de temas relevantes para a agropecuária gaúcha e nacional: inovação, tecnologia, produção sustentável, reservação de água, agricultura de baixa emissão de carbono e desenvolvimento econômico aliado à preservação do ambiente.

Secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Domingos Antonio Velho Lopes: “Esperamos mais de 600 mil pessoas e movimentar cerca de R$ 4 bilhões em negócios” – Fotos: Itamar Aguiar/Palácio Piratini e Rodrigo Martins/Seapdr

“Esperamos mais de 600 mil pessoas e movimentar cerca de R$ 4 bilhões em negócios. Queremos que a feira represente a alma gaúcha, com toda a sua diversidade e pluralidade de culturas. É essa imagem que pretendemos passar, de um estado onde a harmonia e o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva são exemplos para o mundo”, disse o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Domingos Antonio Velho Lopes.

Detalhes

Ao todo, 6.378 animais foram inscritos na feira (5.093 de argola e 1.285 rústicos). Haverá retorno de raças ausentes nos últimos anos e estreia de outras no evento. A admissão dos animais de argola no parque começará no dia 22, às 08 horas. O Pavilhão da Agricultura Familiar contará com 337 expositores, apresentando a variedade de produtos provenientes de agroindústrias familiares, setor de plantas e artesanato.

A área de máquinas e implementos agrícolas contará com a presença de mais de cem empresas, que apresentarão lançamentos, serviços e a tecnologia oferecida pelo segmento. Neste ano, a feira também terá um espaço de inovação que reunirá startups e tecnologias voltadas ao setor do agro.

Ingressos 

A venda de ingressos para visitação à feira será feita de forma on-line e presencial. A comercialização na plataforma virtual inicia-se nesta semana (informações no site da Expointer). A venda presencial ocorre apenas durante os dias do evento na bilheteria do parque (portão 3).

Os ingressos custarão R$ 16 (inteiro), R$ 8 (meia entrada), R$ 40 (estacionamento de visitantes) e R$ 400 (camping para expositores). Pedestres poderão ingressar no parque entre 08 horas e 20h30 pelos portões 2 e 6.

A Expointer é uma realização do governo do Estado e dos copromotores Febrac, Fetag, prefeitura de Esteio, Simers, Sistema Farsul e Sistema Ocergs-Sescoop/RS.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Notícias

Demanda por grão de soja e derivados dos Estados Unidos e do Brasil aumenta

Esse cenário está relacionado a incertezas quanto ao volume de derivados de soja a ser ofertado pela Argentina.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/Claudio Neves/Portos do Paraná

Os preços internacionais do complexo soja subiram na semana passada, devido à maior demanda externa por soja em grão dos Estados Unidos e a expectativas de aumento na procura global pelos derivados norte-americanos e também do Brasil.

Esse cenário, por sua vez, está relacionado a incertezas quanto ao volume de derivados de soja a ser ofertado pela Argentina – principal abastecedora global de farelo e de óleo de soja.

Além disso, o baixo volume de chuvas em importantes regiões produtoras do Hemisfério Norte também impulsionou os valores externos, já que isso pode reduzir a produtividade da safra 2022/23.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.