Conectado com

Empresas

Da semente à farinha: qualidade industrial do trigo é tema de palestras na Expodireto

Palestras explicam como a escolha da cultivar favorece uma melhor remuneração na comercialização do trigo. Atividades acontecem durante a Expodireto, entre 5 e 9 de março, no estande da Biotrigo Genética

Publicado em

em

Estamos na reta final de safra de verão e próximos da época de implantação das culturas de inverno no Rio Grande do Sul, período em que voltam as dúvidas sobre o cultivo do trigo. Os benefícios para o solo e para as culturas subsequentes são bem conhecidos, mas afinal, o produtor realmente sabe quem é o seu comprador? Que qualidade o mercado exige?  E, a liquidez do trigo, como alcançar?

Pensando na qualidade industrial do produto final, a Biotrigo Genética orienta os triticultores durante a Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque/RS. As palestras serão realizadas ao longo da feira, entre 5 e 9 de março, na estação de qualidade industrial, no estande da empresa, localizado na Avenida B – área de produção vegetal do parque de exposições.
Há 30 anos, a qualidade da farinha de trigo não tinha uma grande importância quando o agricultor escolhia o trigo para semear, pois o objetivo era produtividade. Historicamente, o estado do Rio Grande do Sul semeava a maior parte da área com trigos com características de qualidade Branda. Há alguns anos o mercado era essencialmente voltado para a panificação e muito do consumo era doméstico, ou seja, as famílias se preocupavam em fazer o tradicional “pão de casa”, tipo caseiro. Para fazer este pão, a qualidade da farinha já tinha uma importância relevante, porém o que se semeava eram trigos com pouca aptidão para panificação. Hoje a maioria das famílias compra seu pão na padaria ou no supermercado e, para produzir esse novo pão, os processos de produção mudaram e muito e a exigência pela qualidade industrial se elevou. O principal avanço aconteceu através do melhoramento genético das cultivares, criando sementes de trigo específicas para os diversos nichos hoje existentes no mercado. Essa evolução na genética do trigo que aconteceu nos últimos anos, tem que ser acompanhada por perto pelos triticultores para estarem dentro das demandas de mercado.
Segundo a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (ABITRIGO), a demanda no Brasil hoje está distribuída da seguinte forma: 56% das cultivares semeadas no campo tem como destino a panificação; 15% são destinados para a fabricação de massas; outros 10% são para produção de biscoito; 10% para uso doméstico e 9% para outros fins.
A supervisora de Qualidade Industrial da Biotrigo Genética, Kênia Meneguzzi, explica que existem hoje no mercado diversas cultivares no mercado, cada uma com especificações diferentes: de cor de farinha; força de glúten; estabilidade, absorção. “Por exemplo, no uso da farinha para massas, a exigência do mercado é de uma farinha mais tenaz (relação de tenacidade e extensibilidade obtida através do teste de alveografia); para biscoito, mais extensível e, para panificação, é mais equilibrada”.
Assim, surge um novo questionamento: será que existe uma farinha certa para atender a demanda e desempenho que o mercado busca? A resposta é sim. Mas, em seguida vem outra questão: como saber qual é a farinha que meu mercado mais próximo quer comprar? Pois a resposta está no planejamento da safra, conforme explica Kênia. “O primeiro passo é conhecer a realidade de demandas do moinho da região antes da semeadura do grão. O segundo, é escolher uma cultivar aprovada pelos moinhos pela sua qualidade industrial.  O terceiro, é fazer o dever de casa: cuidar bem da sua lavoura e o quarto passo e um dos mais importantes, é o armazenamento, onde inclui cuidados na secagem, limpeza e a segregação por grupos de cultivares. Seguindo esses passos, é possível aumentar a rentabilidade e obter maior desempenho no mercado”.
 

Produto aprovado = maior liquidez

Como existem trigos com diferentes indicações e destinos, eles também têm valores distintos no mercado. Por isso, a importância de testar o desempenho industrial de cada cultivar no produto final. “Hoje é essencial a realização de testes de panificação, pois nem sempre a cultivar que passa nos testes de laboratório possui o mesmo desempenho quando é usada na panificação, por exemplo. Esse trabalho, a Biotrigo realiza internamente, testando as cultivares até cinco anos antes de seu lançamento através de sua padaria experimental, inaugurada em 2015. É esse investimento que garante segurança para o produtor que optar por cultivares TBIO”, acrescenta.
Nos últimos anos, a empresa tem enviado amostras dos trigos para mais de 80 moinhos do país, onde elas são avaliadas de acordo com a metodologia de cada um, o que vem comprovando a evolução na performance de panificação ocorrida. “Houve uma grande evolução em parâmetros como W (força de glúten) e estabilidade, como o produtor já sabe. O que ele ainda não sabe é que evoluímos também em testes e performance de panificação, e é isto que queremos demonstrar. Com melhor performance, os moinhos vão se interessar menos pelo importado e o trigo brasileiro poderá ter mais liquidez”, finaliza.
 

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 4 =

Empresas

Wisium amplia experiente time técnico

Marca irá intensificar as ações no mercado de Postura Comercial

Publicado em

em

zootecnista Cleverson Ribeiro - Foto: Divulgação

Com o objetivo de fortalecer a sua equipe técnica amplamente qualificada e de reforçar ainda mais a sua atuação no setor de produção avícola, a Wisium, referência em premixes, aditivos e serviços, acaba de anunciar a contratação do zootecnista Cleverson Ribeiro como nutricionista de Postura Comercial

Ribeiro tem amplos conhecimentos acadêmicos, tendo Mestrado e Doutorado em Nutrição de Aves, pela Universidade Federal de Viçosa -MG (UFV-MG), e também forte experiência de mercado, com atuação em uma das granjas mais conhecidas do Brasil. “Entre os principais aprendizados que serão utilizados na Wisium, destaco a visão sistêmica do negócio, ou seja, enxergar a empresa como um todo e não somente no setor em que você está inserido; e entender os reais desafios e as necessidades da produção”, destaca o nutricionista.

O profissional irá atuar junto a equipe técnica da Wisium, com ênfase nas atividades relacionadas à avicultura de postura. “Nosso principal objetivo é contribuir com o excelente trabalho que a equipe já realiza, adicionando nossa visão e experiência obtida no setor de produção. Vamos posicionar cada vez mais as ofertas e serviços Wisium como grandes aliados dos nossos clientes, agregando valor e contribuindo para o sólido crescimento deles”, pontua.

De acordo com o novo nutricionista da Wisium, uma das estratégias será intensificar o desenvolvimento de soluções personalizadas para os clientes. “Dentro do mercado de postura nacional, os sistemas de produção ainda são bem heterogêneos. Temos produtores com granjas altamente tecnificadas e outros que ainda utilizam sistemas de produção tradicionais. Com essa realidade tão discrepante, acreditamos que o oferecimento de soluções personalizadas será essencial para que os avicultores de postura possam seguir competitivos dentro desse complexo mercado de produção de ovos”, analisa.

“Graças ao excelente pacote de produtos e ferramentas nutricionais que a Wisium oferece ao mercado de nutrição de poedeiras, estamos convictos que podemos levar nossas soluções a um número maior de avicultores, fortalecendo ainda mais nossa marca dentro do cenário mundial deste espetacular produto que é o ovo”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Mulheres e robotização mudam a cor da suinocultura no Brasil

De acordo com o censo agropecuário do IBGE, hoje, 18,7% dos estabelecimentos agropecuários do país são comandados por mulheres

Publicado em

em

A participação feminina em todas as atividades do campo cresce ano a ano puxada pelas novas tecnologias que democratizam e facilitam o trabalho diário. Conforme dados do último Censo Agropecuário do IBGE, de 2017, cerca de 18,7% dos estabelecimentos agropecuários do país são comandados por mulheres. Somados ao número de propriedades com comando feminino, o levantamento também aponta para uma melhor distribuição no trabalho no setor, no qual cerca de 20,3% dos estabelecimentos são dirigidos por casais, dividindo todas ou parte das responsabilidades.

Realidade de mulheres como Francieli Ribas dos Santos, 27 anos, produtora de suínos de Piraí do Sul, no Paraná. Ao lado do marido, ela comanda desde 2014 a propriedade dos sogros, responsável pela produção de mais de 1,6 mil suínos por lote em dois galpões que contam cada um com um robô alimentador (leia sobre o equipamento abaixo).

Francieli conta que essa é uma transição difícil devido à exigência física que a suinocultura tem para os produtores, mas que foi facilitada pela adoção da tecnologia de robotização. “Ajudou demais, agora não preciso carregar carrinhos enorme com ração e fazer muitas pesagens ao longo do dia. Hoje eu apenas acompanho e monitoro os galpões, o que me dá mais tempo livre para outras coisas”, comemora. Autonomia que a possibilita realizar sozinha todo o manejo diário dos animais e também um melhor acompanhamento das demais atividades da granja. Além de facilitar o manejo, a economia de tempo e recursos com o robô também auxiliou na expansão da produção da granja, com a construção do segundo galpão.

Outubro Rosa

Para valorizar a participação feminina na suinocultura de precisão e, também, alertar a comunidade rural para a prevenção do câncer de mama, a ROBOAGRO mudou a cor do robô alimentador de suínos durante o Outubro Rosa. Especialmente neste mês, o tradicional vermelho da marca foi substituído pelo tom rosado para chamar a atenção das produtoras. Francieli foi uma das primeiras a adquirir o equipamento rosa.

“Ações de valorização e conscientização como essas são importantes para difundir o cenário atual do campo, cada vez mais tecnológico e com mais participação da mulher e dos jovens”, destaca Giovani Molin, diretor da ROBOAGRO.

Sobre o Robô Alimentador de Suínos

Atualmente, são mais de 500 unidades do Robô Alimentador de Suínos em operação nos três estados da Região Sul, responsáveis por 66% da suinocultura brasileira, além de presença institucional em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e interior de São Paulo. A tecnologia, lançada pela ROBOAGRO, de Caxias do Sul-RS, é inédita do país. Além da melhora na qualidade da carne produzida com o auxílio da tecnologia e os benefícios na qualidade de vida dos produtores, a robotização dos tratos gera uma economia que pode chegar a mais de R$ 26 mil por ano em granjas de médio porte, com média produtiva de mil animais por lote. Conforme explica Molin, cerca de 70% do custo de produção da carne suína está diretamente ligado a alimentação do animal.

“Nos comedouros atuais existem muito desperdícios além de não haver nenhuma possibilidade de gestão e informação para o suinocultor. O robô oferece a oportunidade do criador ajustar a sua produção conforme as variações do mercado e dos custos dos insumos, isso deixa a carne produzida aqui muito mais competitiva frente a outros mercados”, explica Molin.

Suinocultura 4.0

A robotização da produção, conhecida como Suinocultura 4.0, já é novo padrão para o mercado brasileiro. Essa prática consiste no uso de ferramentas e tecnologias que possibilitam otimizar todas as etapas do processo produtivo. Segundo levantamento do Sebrae, cerca de 81% dos suinocultores dos três estados da Região Sul seguem um modelo de produção integrado, onde uma cooperativa ou agroindústria fornece todos os insumos para a produção. Cabendo ao produtor gerenciar o consumo de ração e o crescimento dos animais que serão enviados para o abate, a chamada fase de crescimento e terminação.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Nutrição Animal

Kemin destaca monitoramento de doenças e controle de patógenos em rações 

Evento vai discutir monitoramento de doenças e controle de contaminantes em rações como estratégia para melhorar eficiência produtiva e competitividade econômica em aves, suínos e bovinos

Publicado em

em

médica veterinária e gerente de Marketing da Kemin na América do Sul, Cherlla Romeiro - Foto: Divulgação

Feed Safety Forum, realizado pela empresa, vai discutir monitoramento de doenças e controle de contaminantes em rações como estratégia para melhorar eficiência produtiva e competitividade econômica em aves, suínos e bovinos, em cenário de recordes das exportações brasileiras de proteína animal e dos preços das matérias-primas da ração.

Monitoramento de doenças na suinocultura e controle de patógenos em ração de aves, suínos e bovinos serão debatidos pela Kemin em um cenário de alta das exportações brasileiras de proteína animal, o que coloca o país em evidência maior. Os casos de enfermidades, como Peste Suína Africana (PSA) e Influenza Aviária, avançando pela Europa e Ásia, aliado ao quadro de recordes nos preços e até importação das principais matérias-primas da produção animal, como a soja e o milho, impactam fortemente os custos do produtor e reforçam a importância de controle de doenças no plantel e contaminações nas rações como estratégia para ganhar eficiência produtiva e competitividade econômica na atividade, destaca a médica veterinária e gerente de Marketing da Kemin na América do Sul, Cherlla Romeiro.

“A segurança do alimento é uma preocupação mundial. A incidência de patógenos em rações de aves, suínos e bovinos pode levar a aumento de morbidade do rebanho com impacto na produtividade e na rentabilidade do produtor, por isso a qualidade da ração é especialmente importante neste momento de custos mais elevados. E pode ser também, em alguns casos, uma questão de saúde pública, já que estamos falando do alimento do nosso alimento. Por isso temos um controle tão rigoroso”.

Neste cenário, o Feed Safety Forum, que será realizado pela Kemin na próxima semana, dias 4 e 5 de novembro, gratuitamente, em formato virtual, vai debater, a partir das 11h, no horário de Brasília, do dia 4, “Monitoramento de doenças em suínos para melhorar a saúde animal”. Neste debate, o pesquisador da Iowa State University, Giovani Trevisan, vai apresentar um cenário global atual de doenças em suínos e o monitoramento de patógenos suínos e seus diagnósticos nos Estados Unidos. Trevisan é assistente de pesquisa de pós-doutorado na Iowa State University e coordenador do Swine Disease Reporting System. A maior parte de seu trabalho é dedicada a fornecer soluções baseadas em dados para veterinários e produtores para gerenciar doenças suínas e melhorar a saúde animal.

Em seguida, as discussões sobre “Controle de patógenos: o que você pode fazer para reduzir riscos?” serão encabeçadas pelo Dr. Andrew Yersin, que vai trazer uma abordagem prática para avaliar os riscos de patógenos em alimentos para animais. “No mundo de hoje, a abordagem de segurança do alimento deve trazer proteção contra patógenos bacterianos e virais. É mitigação de riscos na mesa do consumidor final”, defendeu Cherlla.

Com doutorado em Fisiopatologia pela North Carolina State University, em Raleigh, na Carolina do Norte, Yersin apoia programas mundiais de qualidade para manufatura e operações e presta suporte técnico às necessidades do cliente Kemin como VP Sênior de Qualidade e Assuntos Regulatórios. Todas as apresentações do Feed Safety Forum serão ministradas em inglês e podem ser acompanhadas gratuitamente pela internet. Os interessados podem se inscrever através do link http://bit.ly/feedsafety.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ALLFLEX – Novo Site

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.