Conectado com
VOZ DO COOP

Notícias

Cooperativas agropecuárias enxergam, na sucessão estratégica, continuidade e progresso para o futuro

É essencial que a sucessão seja baseada em critérios transparentes e objetivos, levando em consideração a experiência, o conhecimento e a capacidade de liderança dos candidatos.

Publicado em

em

Foto: Shutterstock

A sucessão de presidentes em cooperativas agropecuárias desempenha um papel fundamental na continuidade e no progresso dessas organizações. Essa transição é um momento crucial que exige planejamento estratégico, habilidades de gestão e compromisso com os valores cooperativistas.

Em primeiro lugar, é essencial que a sucessão seja baseada em critérios transparentes e objetivos, levando em consideração a experiência, o conhecimento e a capacidade de liderança dos candidatos. É importante que os líderes sejam eleitos democraticamente pelos membros da cooperativa, garantindo a representatividade e a participação de todos.

Além disso, a sucessão deve ser um processo gradual, permitindo que o sucessor seja preparado e treinado para assumir as responsabilidades do cargo. A sucessão também deve levar em consideração a continuidade estratégica e o sucesso da cooperativa, pois o próximo presidente necessita estar alinhado com a missão, visão, valores e as metas da organização, assegurando a preservação da identidade cooperativista e a adaptação às mudanças do mercado.

Outro ponto importante é que a sucessão não se trata apenas da figura do presidente, mas também envolve a renovação dos conselhos e demais cargos de liderança. É importante garantir a diversidade e representatividade nos órgãos de governança, para que diferentes perspectivas e habilidades contribuam para a tomada de decisões e o fortalecimento da cooperativa.

Esses requisitos puderam ser observados nas mudanças de presidente que aconteceram recentemente nas cooperativas Frimesa, Copagril e Primato, todas com sede no Paraná. Após 26 anos como diretor-presidente da Frimesa, Valter Vanzella, no início deste ano passou a condução da cooperativa para Elias José Zydek. Neste ano também, depois de 20 anos a frente da Copagril, Ricardo Chapla deixou o cargo para o comando de Elói Darci Podkowa. No ano de 2021, Anderson Léo Sabadin assumiu a Presidência da Primato, no lugar de Ilmo Werle Welter.

Conforme divulgado pelas cooperativas, todos os processos de sucessão seguiram um bom planejamento, foram harmoniosos e bem estruturados, e estão garantido uma liderança sólida e comprometida, capaz de enfrentar os desafios e promover o crescimento sustentável dessas importantes organizações, com a intenção de continuar com ações de incentivo pró-agro.

Frimesa

Presidente da Frimesa, Elias José Zydek – Foto: Sandro Mesquita/OP Rural

O nove presidente da Frimesa, Elias José Zydek, é formado em engenharia agronômica, tendo em seu sangue o DNA do agronegócio cooperativista. Natural do meio rural do Rio Grande do Sul, estudou agronomia e chegou ao Paraná trabalhar como extensionista no serviço público. Logo em seguida passou para o serviço privado, em uma cooperativa. “Eu digo que o cooperativismo está na minha alma. Considero o cooperativismo muito além de uma forma de gestão e mais uma forma de organização social. É nobre porque ela considera a eficiência do capital, mas considera a essência do social, que é o ser humano, que é o produtor rural, que tanto precisa de organização, de apoio para que ele desenvolva suas atividades. Então, resumidamente, acredito que eu sou rural, sou do agronegócio e sou cooperativista”, afirma.

O gestor da Frimesa evidencia ainda a importância da profissionalização das empresas cooperativas. “É importante lembrar que no início da Frimesa, a gestão não foi muito profissional, o que acarretou o rompimento da sociedade que havia iniciado. A partir do momento em que a profissionalização foi sendo trabalhada na empresa houve uma evolução. Ampliamos os abates, construímos mais laticínios, e assim fomos crescendo cada vez mais. Essas ampliações são o resultado de aperfeiçoamentoo e profissionalização da gestão e dos nossos colaboradores”, observa.

Zydek reforça que as cooperativas se tornaram grandes empresas competidoras no mundo e naturalmente isso exige uma gestão cada vez mais profissional. “Esse é o desafio do cooperativismo. Se você olhar a história de cooperativas do Brasil todo, e se você olhar as que não deram certo, eu diria que 90% dos casos foi problema de gestão técnica, gestão financeira, gestão econômica e problemas de ordem comercial. Não tem como não estar preparado para a gestão. É muito importante que esses gestores tragam em seu sangue o DNA do produtor rural, do meio rural”, reflete.

Ele explica que a sucessão para tornar-se o presidente foi uma grande parceria, de 26 anos, com o presidente anterior. “Eu atuei como diretor- executivo, ao lado do presidente Vanzella. Passaram-se 26 anos dessa nossa parceira e nesse período conseguimos, junto com o Conselho de Administração, traçar a visão de futuro dos planejamentos para continuar crescendo. É muito gratificante para mim, como um técnico, um profissional participar da criação de um projeto chamado Cooperativa Central e poder chegar hoje na Presidência dessa cooperativa. Isso, de um lado, é uma realização profissional muito grande. De outro lado, é um orgulho em poder participar do cooperativismo e de fazer parte dessa filosofia cooperativista, que é muito forte no Paraná, especialmente no Oeste. É motivo de muita satisfação e de realização”, argumenta. Zydek participou desde a criação da Central Frimesa.

Elias Zydek disse ainda que a Frimesa sempre trabalhou com uma visão ampla, buscando elaborar planejamentos estratégicos a longo prazo, não deixando de realizar alinhamentos estratégicos que visem considerar as alterações do ambiente socioeconômico do país, bem como da região e do mundo. “Essa atualização constante é necessária para que consigamos evoluir, conforme as demandas. Em 2015 fizemos um grande estudo nas cadeias do leite e do suíno e estabelecemos a meta de que deveríamos chegar entre as três ou quatro maiores empresas de suinocultura do Brasil, porque a gente tinha produtor para produzir, estamos em uma área que produz alimentos, grãos para alimentação de suínos, tecnologia conhecida e o produtor também conhecedor da atividade. O mercado é crescente, tanto interno quanto em exportações. Temos um produto que é competitivo a nível mundial”, assegura.

Copagril

Presidente da Copagril, Elói Darci Podkowa – Foto: Divulgação

O novo presidente da Copagril, Elói Darci Podkowa, diz que teve a oportunidade de preparar-se para assumir a Presidência da cooperativa com o seu antecessor e que a Copagril vai continuar buscando oportunidades disponíveis no mercado visando o sucesso da cooperativa. “A missão da nossa cooperativa continua a mesma, porém eu tenho um outro perfil de lidar com as demandas. Vamos continuar trabalhando em prol da nossa cooperativa, primando pela segurança, credibilidade, enfim, fazendo tudo com os pés no chão”, reflete.

Elói reforça que ele tem a intenção de deixar uma marca positiva como gestor. “Estou nesta função para servir a sociedade. Tenho um propósito muito forte de que aquilo que eu quero pra mim eu quero para os outros. Eu quero fazer com que a cooperativa possa ter um crescimento exponencial e que eu possa ter uma conectividade maior com o associado para que nós possamos ouvir mais o cooperado e trazer as soluções apontadas por eles para fazer parte das estratégias da cooperativa. A minha disposição, minha vontade é que eu possa realmente cumprir aquilo tudo o que eu tenho em mente e que possa deixar essa cooperativa melhor do que está hoje”, afirma.

Planejamento estratégico

Podkowa informa que o plano estratégico da Copagril está alinhado para os próximos cinco anos. “Nossa visão é de uma cooperativa mais compartilhada, com gestão um pouco mais junto ao nosso produtor, junto ao nosso funcionário, para que nós possamos trabalhar de uma forma mais unida, de uma forma mais otimizada. Trabalhando de maneira mais compartilhada, ouvindo mais, escutando mais as sugestões, pois temos muita gente, diversos funcionários que têm uma capacidade boa, pessoas que já fazem parte da cooperativa e que querem participar mais ativamente. Vamos fazer de uma forma compartilhada para que nós possamos ter mais ideias, mais sugestões e, com isso, sermos mais assertivos nas nossas decisões”, expõe.

Elói também fala sobre o planejamento da cooperativa que visa atingir um faturamente de R$ 5 bilhões em cinco anos. “Nós estamos trabalhando para aprimorar os nossos resultados, pois um faturamento mais alto pode propiciar uma melhor rentabilidade, o que favorece a liquidez. Desta forma, estamos avaliando e verificando quais melhorias podemos adicionar aos nossos processos, porque essas atualizações sempre mehoram os resultados, o que beneficia a nossa cooperativa”, reflete.

O presidente da Copagril também lembra sobre os desafios dos últimos anos, marcados pela pandemia e guerra na Ucrânia, bem como a quebra da safra de verão. “Vivemos um período difícil, pois nós tínhamos uma boa expectativa e colhemos muito pouco, e com uma qualidade muito inferior. Isso foi muito ruim, pois tínhamos uma indústria de óleo aguardando para processar a matéria-prima, mas que não foi produzida com grande eficiência. Foi um momento ruim, mas agora é hora de olhar para frente, pois esses desafios foram superados. Vejo o ano de 2023 com muito otimismo, pois acredito em uma boa safra e novas oportunidades, que vão oferecer mais resultados e renda para o setor”, assegura.

Primato

O presidente da Primato, Anderson Léo Sabadin, eleito em 2021, atua há 23 anos na cooperativa e afirma que a sua forma de gestão, enquanto presidente, é seguir o planejamento estratégico da cooperativa, que busca ações que estejam sempre alinhadas com sua missão, visão e valores. “Os últimos três presidentes da Primato trabalharam na mesma linha. Isso favorece muito o trabalho e o crescimento da nossa cooperativa. Nossa gestão também está seguindo este planejamento feito a longo prazo, sendo que revisamos este material de forma contínua para que todos possam trabalhar de forma coesa e assertiva”, pondera.

Presidete da Primato, Anderson Léo Sabadin – Foto: Divulgação

Anderson também explica que os planejamentos são discutidos com os cooperados. “Nossa missão é executar o projeto escolhido, pois o nosso produtor confia no plano e espera resultados positivos. Desta forma, fazer a nossa cooperativa prosperar é nossa responsabilidade, precisamos cumprir tudo aquilo que foi previsto e apresentado ao produtor. Ter o aval do produtor nos dá mais segurança na execução daquilo que foi escolhido”, comenta.

Oportunidades

A palavra eficiência está em alta, não somente nas empresas, mas em todos os campos. Com as cooperativas não é diferente. É mais do que necessário aumentar a eficiência e registrar melhores resultados. Conforme Anderson, a Primato vem conseguindo melhorar os resultados, pois eles reduziram despesas desnecessárias e desta forma, os processos tornaram-se mais eficientes. “Esse é o grande desafio, enxugar a máquina, fazendo e agregando mais, tendo uma solução ao produtor, gerando dinheiro para ele. A gente tem que facilitar a vida do produtor. Tudo que nós fazemos deve gerar renda”, afirma.

Neste ano de 2023, a Primato começou a investir no ramo financeiro e abriu uma cooperativa de crédito: a Primato Cred. “Com muita humildade, com muito aprendizado, olhando quem faz bem feito, para usar de referência. Executando boas práticas para atender o nosso cooperado, buscando auxiliá-lo naquilo que ele necessita. Investimos nisso porque quando um produtor precisa de crédito hoje ele recorre aos bancos, mas temos observado que os bancos estão encurtando as linhas de crédito aos produtores, por isso somos mais uma boa opção, já que um único banco não consegue atender todas as demandas de hoje”, expõe.

É natural

O presidente da Lar Cooperativa Agroindustrial, Irineo da Costa Rodrigues, observa com bons olhos as mudanças que estão acontecendo na gestão de algumas cooperativas. Para Rodrigues, o tamanho que alcançaram as cooperativas agroindustriais do Paraná, especialmente em relação à Lar, Copagril, C.Vale, Coopacol e Primato, que fazem parte da Central Cooperativa Frimesa, está traçando um novo modelo de gestão, onde os presidentes não necessariamente sejam cooperativistas de sucesso e sim dirigentes de grandes negócios, como executivos e CEOs.

“(A troca na Presidência da Frimesa) foi uma ideia amadurecida, porque as cooperativas estão se desenvolvendo muito. Não vai ser possível que venha um agricultor empreendedor, que tenha sido bem sucedido, que até tenha estudado bastante, para pegar uma empresa deste porte. Na Frimesa vai ser assim daqui pra frente. Os cinco presidentes das filiadas formam a diretoria, só que nenhum deles vai exercer a Presidência em rodízio. Nós vamos contratar um presidente de mercado e, por sorte nossa, nós temos uma pessoa (Elias Zydek) preparada internamente para fazer isso. E pode acontecer que ele não tenha sucesso e que a gente deva buscar um presidente, digamos assim, qualificado, mas com uma história de resultado”, destacou o presidente da Lar. “E é isso que eu penso que no futuro vai acontecer com todas as cooperativas. Vejo a mudança de forma muito natural. Eu acho que a necessidade está levando a esse modelo de gestão”, destacou.

A edição Especial de Cooperativismo de O Presente Rural pode ser lida na íntegra on-line clicando aqui. Boa leitura!

Fonte: O Presente Rural

Notícias

Comitiva do Paraná conhece projetos de extensão rural da Universidade do Nebraska

Instituto é um dos maiores do país, com 3,9 hectares de área própria, aliando produção comercial própria a projetos de pesquisa e educação para o agronegócio. Delegação tem como objetivo trocar experiências e identificar exemplos que possam ser replicados no Paraná.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Invest Paraná

A comitiva do Governo do Estado que está nos Estados Unidos para prospectar investimentos e firmar parcerias internacionais conheceu na quarta-feira (21) o Centro de Pesquisa, Extensão e Educação do Leste de Nebraska. Durante a visita, os representantes do instituto apresentaram os projetos de extensão rural e educação para o agronegócio desenvolvidos no local e trocaram experiências com a delegação paranaense. “É um intercâmbio importante. Eles aplicam técnicas que nós conhecemos e usamos no Paraná, como o plantio direto e controle de pragas, por exemplo, mas em outro tipo de clima e temperatura. É uma experiência com a qual temos muito o que aprender para introduzir inovações nos nossos centros de pesquisa e para orientar nossos agricultores”, afirmou o secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara.

Diferente da maioria dos institutos de extensão rural, que se utilizam de estações de pesquisa menores para demonstração aos agricultores, o centro visitado pela comitiva detém uma grande área que alia pesquisa e extensão rural à produção comercial própria de grãos e proteína animal.

O complexo, que é vinculado ao Instituto de Agricultura e Recursos Naturais da Universidade do Nebraska, é um dos maiores da área nos EUA, abrangendo 3,9 mil hectares, na maior parte ocupada por linhas de plantação de grãos, e mais de seis mil animais, entre bovinos e suínos. “Este centro que equivale ao que a Embrapa e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná têm, mas que, como parte dos projetos de extensão rural, comercializa e rentabiliza a própria produção. Com isso, eles mostram na prática os resultados da pesquisa desenvolvida como se fosse um agricultor, mas com sólida base científica e tecnológica”, explicou Ortigara.

Áreas de pesquisa

O centro, que é financiado pelo setor privado, também se destaca pela diversidade das pesquisas conduzidas. Elas variam desde desenvolvimento de técnicas de manejo e irrigação até pesquisas relacionadas à emissão de gases e rendimento de carcaça animal.

A comitiva também conheceu os setores do instituto que trabalham no desenvolvimento de mudas mais resistentes, na medição de temperatura de solo e outras tecnologias.

Referência

A missão paranaense está desde segunda-feira (19) no Nebraska, firmando parcerias comerciais e conhecendo iniciativas inovadoras. O estado americano é uma referência global nas soluções de irrigação.

Na viagem, a comitiva conheceu os sistemas de irrigação para a agricultura das multinacionais Lindsay Corporation e da Valley Irrigation, duas das maiores empresas do mundo do ramo, e também discutiu soluções para desburocratizar o acesso à tecnologia.

A missão também contou com a assinatura do governador Carlos Massa Ratinho Junior de um protocolo de intenções com o Daugherty Water For Food Global Institute, que prevê a troca de experiências para a gestão de recursos hídricos no Paraná.

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Notícias

Paraná lidera importação de suínos de alta genética em 2023, aponta boletim agropecuário

Os Estados Unidos foram o principal mercado de aquisição do Paraná no ano passado, seguido da Noruega e Canadá. De outra parte, o Estado também se destaca na exportação de genética, principalmente para os países do Mercosul.

Publicado em

em

Fotos: Ari Dias/AEN-PR

O Paraná foi o estado que mais investiu em 2023 na importação de suínos de alto valor genético, que ajudam no aprimoramento do rebanho. Foram empregados cerca de US$ 4,1 milhões. O montante representou 74% dos US$ 5,5 milhões investidos nesse setor em todo o País. Dos outros estados que possuem registro de importação de suínos de raça pura nos últimos dez anos, Minas Gerais investiu US$ 1,3 milhão (23%) e São Paulo, aproximadamente US$ 162 mil (3%). Santa Catarina não realizou importações nesse segmento em 2023.

Os Estados Unidos foram o principal mercado de aquisição do Paraná no ano passado, seguido da Noruega e Canadá. Minas Gerais, por sua vez, trouxe seus animais apenas da Dinamarca.

De outra parte, o Estado também se destaca na exportação de genética, principalmente para os países do Mercosul, ficando na segunda posição, com receita aproximada de US$ 348 mil. São Paulo liderou o segmento, com US$ 416 mil. Os países sul-americanos são os melhores parceiros, com destaque para o Paraguai, que representou 67% das compras.

Esse é um dos assuntos analisados pelos técnicos do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), no Boletim de Conjuntura Agropecuária referente à semana de 16 a 22 de fevereiro.

Leite

O boletim preparado pelo Deral também salienta que as importações de lácteos em janeiro de 2024 se mantiveram em patamares elevados, atingindo 25,8 mil toneladas. Esse valor é equivalente aos registrados ao longo de 2023, quando a entrada de lácteos do Mercosul foi o protagonista nas discussões sobre as dificuldades no campo.

Soja

O documento destaca ainda o recorde de exportação do complexo soja pelo Paraná no mês de janeiro. Este ano foram enviados para o Exterior 1,25 milhão de toneladas, superando o volume de janeiro de 2019, quando foram exportadas 878 mil toneladas. O Paraná, normalmente, exporta mais da metade da soja produzida in natura (grão), mas também exporta óleo e farelo.

Esse aumento está ligado a um volume de colheita também recorde que aconteceu neste mês. Historicamente a colheita da soja no Paraná acontece em escala maior a partir de fevereiro. Excepcionalmente, condições climáticas adversas que impactaram o desenvolvimento e produtividade da soja fizeram o ciclo da cultura ser menor, possibilitando a colheita já em janeiro.

 

Frango e ovos

Produção de ovo – Granja feliz – Dirceu Pontalti Cortez Arapongas-Pr – Foto: Gilson Abreu/AEN

Os dados da Embrapa Suínos e Aves apontam que o custo de produção do frango vivo no Paraná, proveniente de aviário tipo climatizado em pressão positiva, alcançou em dezembro de 2023 o valor de R$ 4,41 o quilo. Representa incremento de 1,01% (R$ 0,06) em relação ao mês anterior (R$ 4,35 o quilo) e redução de 20,40% se comparado a dezembro de 2022, quando estava em R$ 5,54 o quilo.

Em relação aos ovos, o boletim mostra que em janeiro de 2024 o preço nominal médio do tipo grande pago ao produtor foi de R$ 127,01 por caixa de 30 dúzias. Significa redução de 8,2% em relação a dezembro de 2023, quando foram pagos R$ 138,41, e de 1,14% comparativamente a janeiro de 2023 (R$ 128,48 por caixa de 30 dúzias).

Fonte: AEN-PR
Continue Lendo

Notícias Maior vitrine comercial do mundo

C.Vale fomenta sua marca na Gulfood 2024

A maior feira de alimentos e bebidas do Oriente Médico está acontecendo em Dubai.

Publicado em

em

Foto e texto: Assessoria

No período 19 a 23 de fevereiro, a equipe comercial da Divisão Industrial da C.Vale, está participando em Dubai, da Gulfood, a maior feira de alimentos e bebidas do Oriente Médio.

Segundo o gerente do Departamento Comercial, Fernando Aguiar, o evento está mobilizando mais de 190 países e 5.500 expositores. “O nosso time está preparado para receber clientes de todos os lugares do mundo, como Oriente Médio, Filipinas, Europa, África do Sul, Japão, China, entre tantos outros novos lugares a ser explorados. Estamos, literalmente, na maior vitrine comercial do mundo”.

A estrutura da C.Vale tem chamado atenção. Entre visitantes ilustres, passaram pelo estande da cooperativa, o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), Roberto Perosa, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin e o diretor do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do MAPA, Marcel Moreira. O gerente da Divisão Industrial, Reni Girardi também está na comitiva da C.Vale.

 

Fonte: Assessoria C.Vale
Continue Lendo

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.