Conectado com

Notícias Mercado

Com Chicago e dólar subindo, preços do milho estiveram firmes em setembro

Mercado brasileiro de milho teve mais uma semana de preços firmes e fechou setembro com valorização predominante entre as principais regiões de comercialização

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho teve mais uma semana de preços firmes e fechou setembro com valorização predominante entre as principais regiões de comercialização. A oferta limitada, restrita, garantiu suporte para as cotações. O dólar elevado e a Bolsa de Chicago atingindo para o milho os valores mais elevados em quase sete meses foram fatores de alta para o cereal no Brasil.

Ao longo do mês, houve momentos de queda nas cotações do milho. A oferta melhorou, refletindo enfim a entrada maior do milho safrinha na comercialização, e os preços caíram em parte do mês. Porém, depois a oferta novamente encurtou, com o dólar dando suporte aos preços nos portos e com a Bolsa de Chicago fortalecendo mais ainda o sentimento positivo para o milho.

Com o dólar avançando e com a Bolsa de Chicago tendo subidas, os preços no Brasil ganharam força primeiramente nos portos, com vistas às exportações. Com a exportação disputando o milho com o consumo doméstico, e com a oferta bem dosada pelos vendedores, pouco a pouco os preços do milho foram avançando.

Na Bolsa de Chicago, o milho subiu bastante ao longo da semana e de setembro. Destaque para a divulgação do relatório de estoques trimestrais na posição 01 de setembro, divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que indicou um volume abaixo do esperado pelo mercado.

Em setembro, na Bolsa de Chicago, a posição dezembro subiu 8,75%. No terceiro trimestre, a alta acumulada é de 11,96%.

Os estoques trimestrais de milho dos Estados Unidos, na posição 1o de  setembro de 2020, totalizaram 1,995 bilhão de bushels, conforme o USDA. O volume estocado é 10% menor frente a igual período de 2019, que indicava estoques de 2,220 bilhões de bushels. O volume indicado pelo Departamento ficou abaixo do esperado pelo mercado, de 2,243 bilhões de bushels.

Do total, 750,8 milhões de bushels estão armazenados com os produtores, com recuo de 8% frente aos 814,1 milhões de bushels indicados em igual período de 2019. Os estoques fora das fazendas somam 1,244 bilhão de bushels, com queda de 12% frente aos 1,406 bilhão de bushels indicados em 01 de setembro de 2019. O volume ficou menor também ante os 5,019 bilhões de bushels indicados na posição 1o de junho.

O dólar em elevação voltou a ser aspecto de sustentação. O comercial em setembro acumulou alta de 2,55%, passando de R$ 5,478 para R$ 5,618.

No balanço de setembro, o preço do milho na base de compra no Porto de Santos subiu de R$ 61,00 para R$ 65,00 a saca, alta de 6,6%.

Já no mercado disponível ao produtor, o preço do milho em Campinas/CIF subiu na base de venda no mês de setembro no comparativo com o final de agosto de R$ 65,00 para R$ 66,00 a saca de 60 quilos, alta de 1,5%. Na região Mogiana paulista, o cereal passou de R$ 63,00 para R$ 64,00 a saca no comparativo, elevação de 1,6%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo mensal, o preço subiu de R$ 57,00 para R$ 60,50 a saca, aumento de 6,1%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 52,00 a saca para R$ 57,00, aumento de 9,6%. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, houve avanço de R$ 62,00 para R$ 69,00, alta de 11,3%.

Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho avançaram no mês de R$ 58,00 para R$ 60,00 a saca, subida de 3,4%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado passou de R$ 55,00 para R$ 57,00 a saca, alta de 3,6%.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × um =

Notícias Saúde Animal

Santa Catarina tem a menor prevalência de brucelose animal do Brasil

Classificação do Mapa demonstra excelência da bovinocultura e qualidade da produção agropecuária catarinense

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Destaque internacional no cuidado com a saúde animal, Santa Catarina conquista mais um título: o estado tem a menor prevalência de brucelose animal do Brasil. A classificação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) demonstra a excelência da bovinocultura e a qualidade da produção agropecuária catarinense.

“O reconhecimento do Ministério da Agricultura é extremamente importante para o agronegócio de Santa Catarina, com impactos diretos na nossa produção leiteira. Podemos dizer que temos um produto de qualidade, originado de um animal sem doenças e com alta sanidade. Isso é fruto de um trabalho muito grande do setor produtivo e do Governo do Estado para diminuir cada vez mais a incidência de brucelose no nosso rebanho”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa.

De acordo com o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Animal, do Ministério da Agricultura, os estados podem ser classificados de A até E de acordo com a prevalência das doenças. Santa Catarina é o único estado brasileiro com classificação A para brucelose e, junto com outros quatro estados, também obteve nota máxima para tuberculose.

As zoonoses acometem menos de 2% do rebanho bovino catarinense. Esse é o resultado de um grande esforço no Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Agricultura, da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e do setor produtivo para erradicar as doenças.

Santa Catarina contabiliza mais de mil propriedades rurais certificadas como livres de brucelose e tuberculose. O reconhecimento acontece após realização de testes em todos os animais, com intervalos de 6 a 12 meses, e sem nenhum caso positivo.

Diferencial competitivo

A intenção do Governo do Estado é que esse seja mais um diferencial competitivo do agronegócio catarinense na conquista de mercados exigentes, principalmente para exportação de produtos lácteos. A presidente da Cidasc, Luciane Surdi, explica que há um grande esforço do poder público estadual e da iniciativa privada para melhorar ainda mais a sanidade dos rebanhos.

“A Cidasc e a Secretaria da Agricultura vêm realizando importantes discussões com o setor produtivo catarinense buscando melhorar a qualidade e a sanidade dos nossos rebanhos leiteiros. O relatório do Ministério da Agricultura demonstra a nossa eficiência, porém seguimos focados em produzir leite com cada vez mais qualidade, cuidando do rebanho e da saúde do produtor rural e do consumidor”, ressalta.

Investimentos para erradicar a brucelose e a tuberculose

Ainda em 2020, a Secretaria aportou mais R$ 283 mil para aumentar a cadeia de vigilância e localização de propriedades com suspeitas de focos das doenças, realizações de diagnósticos definitivos e abates sanitários dos animais contaminados, reduzindo os riscos à saúde pública e elevando o status sanitário da pecuária catarinense.

Todos os anos são realizados aproximadamente 500 mil exames para analisar a presença das zoonoses no rebanho catarinense.

Indenizações aos produtores

Os animais acometidos de brucelose ou tuberculose são abatidos sanitariamente e os proprietários indenizados pela Secretaria da Agricultura, com apoio do Fundo Estadual de Sanidade Animal (Fundesa). Com a compensação, os produtores podem adquirir animais sadios para continuarem a produção de carne e de leite.

De janeiro a outubro deste ano, o Governo do Estado investiu mais de R$ 8,4 milhões na indenização de produtores pelo abate sanitário de animais doentes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Cooperativismo

Cooperalfa completa 53 anos

Cooperativa tem hoje 20.500 cooperados nos estados de SC, PR, RS e MS

Publicado em

em

Matriz da Cooperalfa em Chapecó-SC- Foto: Divulgação

Formada por 39 agricultores do Oeste catarinense, a Cooperalfa – com sede em Chapecó -, completa 53 anos amanhã, dia 29 de outubro. Com estratégia de crescimento e credibilidade junto a seus 20.500 cooperados de SC, PR, RS e MS, a cooperativa prospecta obter 35% de incremento em seu volume de receitas em 2020, frente aos R$ 3,7 bi de 2019.

Assim como os demais atores econômicos que têm interface com o agro, parte desse crescimento se deve à escalada cambial e ao incremento de preços de produtos e mercadorias ligados ao universo agropecuário. Outro tanto, conforme constata o gerente de controlaria e TI da Cooperalfa, Gilberto Fontana, se deve à estratégia adotada pela diretoria no incremento dos negócios ligados ao fornecimento de insumos, sementes, ”bem como, ao acréscimo de volume de cereais recebidos, ampliação dos volumes industrializados, e maior participação no aquecido mercado de consumo”.

O contador percebe que, mesmo com adversidades, particularmente a COVID-19, a Cooperalfa tomou os cuidados possíveis, engajou seus times de vendas, mudou a estratégia de divulgação, preencheu espaços e “tem melhorado a gestão logística e das equipes internas, além de manter os investimentos e controlar gastos”.

Para Fontana, junto com o agricultor, fica o desafio de encarrar o último bimestre de 2020 e primeiros meses de 2021, com previsões climáticas que sugere certa preocupação, tendo em vista a confirmação do fenômeno La Ñina na região do Sul e, por isso, tendência de menos chuvas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Segundo Conab

Monitoramento Agrícola atribui atraso de plantio da safra ao período seco

Anomalias do Índice de Vegetação refletem tanto o atraso na semeadura dos cultivos de verão quanto os impactos nos cultivos de inverno

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O início de semeadura da safra 2020/21 está em compasso de espera de chuvas mais abundantes na maioria das regiões produtoras de grãos do país.  A ajuda da natureza até a primeira quinzena deste mês ficou abaixo da média esperada, assim como a umidade de solo ideal para cultivo, sobretudo nas maiores regiões produtoras como Centro-Oeste e Sudeste.

A análise está no Boletim de Monitoramento Agrícola, produzido e publicado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). As anomalias do  Índice de Vegetação, de acordo com a publicação,  refletem tanto o atraso na semeadura dos cultivos de verão quanto os impactos nos cultivos de inverno. Por outro lado, o tempo firme favorece as lavouras na maturação e a colheita do trigo nos três estados da região Sul.

Evolução das lavouras

O estado do Paraná é o que mais adiantou a colheita do trigo, com 79% da área cultivada, cenário que é semelhante ao da safra passada. No Rio Grande do Sul, cujo desenvolvimento do cereal foi favorecido pelo tempo firme, radiação solar e significativas amplitudes térmicas na maturação dos grãos em alguns locais, a colheita atingiu 19% e, em Santa Catarina, 12% das lavouras estão em condições de colheita.

Para a soja, em Mato Grosso, com a semeadura lenta até o final da primeira quinzena, foram registrados atrasos de 14% em relação à safra anterior, em grande parte das localidades produtoras. Em Goiás,  as previsões de chuvas volumosas não se confirmaram e o plantio da oleaginosa ocorreu de forma lenta em grande parte do estado. Já em Mato Grosso do Sul, muitos produtores iniciaram a semeadura, mas permanece a expectativa de previsões climáticas favoráveis. Em Minas Gerais, o plantio está estimado em torno de 15%, e São Paulo sofre também com atraso em relação ao ano anterior.

Quanto à evolução do milho primeira safra, com risco de comprometimento das condições regulares ou ruins das lavouras, devido o baixo volume pluviométrico, melhor situação encontra-se no Paraná, que não sofreu atraso significativo no plantio em relação à safra passada. Minas Gerais estima o plantio em 25%, e em Goiás, a jornada deve ocorrer após o plantio da soja.

Fonte: Conab
Continue Lendo
Evonik Guana

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.